Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, 24, apontado como autor dos tiros contra Glauco, foi preso nesta madrugada na ponte da Amizade 11

15/03/2010 – 07h39

Após prisão, suspeito de matar Glauco fica em cela individual no PR

da Folha Online
da Folha de S.Paulo

Atualizado às 08h11.

Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, o Cadu, 24, acusado de matar o cartunista, compositor e líder religioso Glauco Vilas Boas, 53, e seu filho Raoni, 25, está preso em uma cela individual na Delegacia da Polícia Federal em Foz do Iguaçu (PR). Ainda não existe uma previsão para a transferência do suspeito para São Paulo.

Nunes foi preso por volta da 0h de hoje ao tentar atravessar a ponte da Amizade, em direção ao Paraguai. De acordo com a Polícia Federal, o suspeito confessou ter matado o cartunista e o filho. Ele foi preso em flagrante pelo assassinato dos dois e pelo roubo de carro, uma vez que o veículo usado durante a fuga foi roubado em São Paulo.

Reprodução
Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, 24, apontado como autor dos tiros contra Glauco; testemunhas dizem que ele "delirava" quando atirou
Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, 24, apontado como autor dos tiros contra Glauco, foi preso nesta madrugada na ponte da Amizade

A polícia afirmou que ele foi colocado em uma cela individual por precaução. Para que ele não fosse ferido por outros presos ou até mesmo que ele não ferisse outras pessoas. Apesar disso, a PF não informou se Nunes estava sob efeito de drogas no momento da prisão, mas uma porção de maconha foi encontrada com ele.

Ainda de acordo com a PF, Nunes foi interceptado por uma fiscalização de rotina, que o ordenou a parar. Ele teria atirado contra os agentes e ferido um deles no braço. Os policiais, então, perseguiram Nunes na ponte, onde conseguiram pará-lo. Ele só foi identificado como o assassino do cartunista Glauco Vilas Boas quando seus documentos foram checados.

O dono do carro que ele roubou em São Paulo, e com o qual atravessava a ponte da Amizade, já entrou em contato com a PF durante a madrugada de hoje.

O delegado Archimedes Cassão Veras Júnior, responsável pela investigação do caso em Osasco, afirmou que iria negociar com a PF a transferência de Nunes para São Paulo. Porém, de acordo com a PF, não há previsão para a transferência.

Motorista

Após cerca de cinco horas de depoimento, neste domingo (14), na Delegacia Seccional de Osasco (na Grande São Paulo), Felipe Iasi, 23, foi liberado pela polícia por ter bons antecedentes e residência fixa. No entanto, o delegado Veras Júnior disse que o depoimento de Iasi não convenceu totalmente.

Iasi levou Cadu até a casa do Glauco na madrugada de sexta-feira (12). O carro de Iasi, um Gol cinza, foi encontrado na noite deste sábado (13).

Aos policiais, Iasi disse que foi sequestrado por Cadu e ameaçado com uma arma para ir até o local do crime. Cadu teria dito, segundo o amigo, que “precisava esclarecer que era Jesus Cristo”. Conforme o advogado de Iasi, ele não chegou a ouvir os disparos, pois deixou o local antes.

Para o delegado, se Iasi era um refém como diz o advogado, ele deveria ter ligado para a polícia. No entanto, Veras Júnior disse não poder contradizer Iasi porque, até agora, nenhuma testemunha afirmou que viu Iasi levando Cadu embora. Outro motivo que fez com que o jovem fosse liberado foi que a localização dada por ele da família de Glauco dentro da casa durante o crime foi a mesma da versão da enteada do cartunista.

Em entrevista ao “Fantástico”, na TV Globo, na noite deste domingo, a mulher de Glauco, Beatriz Galvão, contesta a versão de Iasi. Ela disse que o jovem ficou sentado no sofá enquanto Cadu torturava o cartunista. Beatriz também disse que chegou a pedir ajuda a Iasi, que aparentava estar drogado, mas que ele teria feito sinal negativo com a cabeça.

Na entrevista, Beatriz também disse que não sabe o que motivou o crime.

Caso

O cartunista Glauco Vilas Boas, 53, e de seu filho Raoni, 25, foram mortos a tiros na casa do cartunista, em Osasco (Grande São Paulo), na madrugada de sexta-feira (12).

Segundo as testemunhas, o suspeito chegou ao local e rendeu a enteada de 30 anos, que mora em uma casa no mesmo terreno. Glauco e a mulher Bia ouviram gritos, foram ao quintal, e começaram a conversar com Nunes.

Ele era conhecido da família por já ter frequentado a igreja Céu de Maria, que segue os princípios do Santo Daime e foi fundada por Glauco.

Segundo o relato das testemunhas, Cadu, como era conhecido o estudante, delirava e queria levar todos para a casa de sua mãe, em São Paulo, com o objetivo de afirmarem à mulher que ele era Jesus Cristo. Ele estava armado com uma pistola automática e uma faca.

Glauco tentou negociar com Nunes para ir sozinho, e chegou a ser agredido. De acordo com o delegado Archimedes Veras Júnior, responsável pela investigação, Glauco não reagiu.

No meio da discussão, porém, Raoni chegou ao local de carro. Em seguida, Cadu atirou contra pai e filho, mas os motivos ainda não foram esclarecidos. Os dois chegaram a ser atendidos no hospital, mas não resistiram e morreram.

Enterro

Os corpos do cartunista e de seu filho Raoni foram enterrados na manhã de sábado (13), no cemitério Gethsêmani Anhanguera, zona norte de São Paulo.

A viúva de Glauco, Beatriz Galvão, conhecida como Madrinha Bia na igreja que liderava ao lado do marido, estava inconsolável e abatida, apesar de confortada por amigos. Houve comoção durante a cerimônia, o caixão do cartunista da Folha ficou coberto com um bandeira do Corinthians, e posteriormente com outra do Santo Daime, que contém uma cruz e uma estrela de seis pontas); o caixão de Raoni levava uma bandeira do São Paulo.

Durante toda a cerimônia fúnebre, fiéis daimistas entoaram os cânticos do Santo Daime, especialmente os contidos nos hinários compostos por Glauco.

O cortejo com os corpos chegou ao cemitério às 9h30. O velório começara quase 18 horas antes, na tarde de sexta-feira (12). Ocorreu na igreja Céu de Maria, da qual Glauco é fundador. A igreja ficava ao lado de sua casa e do local em que foram assassinados Glauco e seu filho, Raoni.

  Jorge Araújo/Folha Imagem  
Familiares e amigos se despedem do cartunista Glauco e de seu filho Raoni no cemitério Gethsêmani Anhanguera
Familiares e amigos se despedem do cartunista Glauco e de seu filho Raoni no cemitério Gethsêmani Anhanguera

  1. Passarinho que come pedra sabe o cú que tem……

    Esse chazinho é du caraio….., alucinógeno…

    Fala sério, e depois não sabem porque acontecem merdas desse tipo……..

  2. Parabens à Rodoviária, mas não haveria suspeito se não houvesse investigação, que foi realizada pela Polícia Civil. Vejo que o colega “apenas um plantonista” é mais um dos que proferem comentários destrutivos, igual à outros que morrerão em senzalas e latrinas. Já no caso do colega em questão,ele será para toda a eternidade “apenas um plantonistas”, colega erga a cabeça, troque seu codinome para “POR HORA UM PLANTONISTA”. Sei que a situação esta dificil, mas tente se erguer e com isso atrair coisas boas. Se nós da propria Polícia Civil não enaltecermos os bons trabalhos, quem irá? garanto que não serão o filhos da p… da Pm e mP que o farão! Mas por outro lado, concordo com a opinião do Tomás(que deve ter ligado para o CVV e está tomando jeito, ou um remédio mais forte)..” depois não sabem porque acontecem merdas desse tipo…”, mas uma coisa é certa, sabem quem eles vão encher o saco para esclarecer a cagalhoada!? como sempre a POLÍCIA CIVIL !

  3. Desculpe o colega “apenas um plantonista”, você deve adotar o codinome “UM PLANTONISTA”, poís, todos aqueles não apadrinhados começam no plantão, por tudo isso acho que você deve se valorizar, sei que é muito dificil, porém, uma semana sem a chefia a população aguenta, mas um dia sem o plantão a situação explode. Meu intuíto não foi ofender todos os Nobres colegas do PLANTÃO, mas sim dignifica-los, e com um bom trabalho realizado com certeza serão trazidos á chefia, se assim desejarem, visto que muitos colegas preferem os PLANTÕES do que qualquer outro posto na Polícia. Grato, assim me retgrato.

  4. O que a droga faz ein…
    Impressionante, evoluiu um estagio psiquiatrico critico no rapaz, que por alguma ironia bizarra do destino, decidiu matar a unica pessoa que ele adimirava na face da terra

O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do comentarista que venha a ofender, perturbar a tranquilidade alheia, perseguir, ameaçar ou, de qualquer outra forma, violar direitos de terceiros.O autor do comentário deve ter um comentário aprovado anteriormente. Em caso de abuso o IP do comentarista poderá ser fornecido ao ofendido!...Contato: dipol@flitparalisante.com

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s