Bem feito , policial civil é mesquinho e ingrato; merece morrer de fome! 130

Dr. Guerra,
A SPPREV, está de pose de um parecer da consultoria jurídica deles, que afirma que a lei complementar federal 144/2014, não dá a paridade e a integralidade dos vencimentos, para ninguém, inclusive para a compulsória, aos 65 anos. A lei já está disponível para processar as aposentadorias, no site sigprev, que o setor de pessoal faz o lançamento, para ter o número do protocolo. Não há mais paridade e integralidade, somente se for cumprido o período de transição, o chamado pedágio.

Delegados infinitamente sempre escolhem o lado errado; deveriam apoiar Alckmin e a continuidade de Grella 74

Não é preciso ter bola de cristal para saber que Alckmin será eleito no primeiro turno.Por aqui já se poderia encerrar essa discussão estéril em torno do Ferreira Pinto. Mas, infelizmente passa o tempo, e os Delegados infinitamente sempre escolhem o lado errado. Ficam em cima do muro, e quando finalmente escolhem um lado, pulam do lado do cachorro. E para variar, vão adicionando ainda mais inimigos por todos os lados.

—————————————–

Verdade, Tira caipira. 

Pior ainda é dar crédito ao Kifuro; êta classe de curta visão e pouca memória! 

Kifuro – Skaf nega carta escrita pelo ex-delegado geral e ex-presidente da ADPESP 17

Paulo Skaf recebe veto de delegados a ex-secretário de Geraldo Alckmin

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento | 18/07/2014 06:00

Segundo um dos consultores do peemedebista na campanha, candidato assumiu compromisso de não entregar pastas a quem tenha exercido cargo de confiança no governo do PSDB

Brasil Econômico

Candidato ao governo paulista, o empresário Paulo Skaf (PMDB) teria aceitado o veto dos policias civis ao ex-secretário de Segurança Pública Antônio Ferreira Pinto. A informação foi divulgada por Abrahão José Kfouri Filho, antigo delegado-geral e ex-presidente da Associação dos Delegados do Estado. Segundo ele, o candidato se comprometeu a, caso eleito, não nomear Ferreira Pinto para a secretaria.

Leia mais:
Skaf comandará seu programa sobre segurança pública

Vice na chapa de Skaf, o criminalista José Roberto Batochio (PDT) também teria participado da conversa. Kfouri alega que só aceitou o convite para ser um dos consultores do peemedebista para a elaboração do programa de governo depois de o candidato assumir o compromisso de não entregar a pasta a quem “exerceu cargo de confiança” no atual governo tucano.

Em uma carta publicada em grupos fechados de delegados da polícia paulista, Kfouri fala a colegas “justificadamente temerosos” de que pessoas “prejudiciais” aos interesses dos delegados poderiam ter “voz ativa” em um eventual governo Skaf. Ele relata a preocupação com três integrantes da equipe de campanha do peemedebista, “especialmente uma delas”, possivelmente se referindo a Ferreira Pinto.

Kfouri destaca ainda que Batochio é seu amigo, foi advogado da associação de delegados, defendeu a aprovação da PEC-37 (que tentava dar exclusivamente aos policiais o poder de fazer investigações criminais) e “não morre de amores pela PM e pelo MP”. O delegado aposentado faz críticas às condições de trabalho e à política de segurança pública do governador Geraldo Alckmin (PSDB), candidato à reeleição, e retrata “disputas corporativas constantes” entre as duas polícias.

Negativa oficial
A assessoria do presidente licenciado da Fiesp desconhece a carta escrita por Kfouri e afirma que Skaf não discute, no momento, nomes para um eventual governo. O único convite feito pelo candidato foi para que o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles assuma a secretaria da Fazenda em caso de vitória do peemedebista.

Relação difícil
Procurador de Justiça, Ferreira Pinto foi oficial da PM antes de ingressar no Ministério Público. Em sua gestão, ele teria retirado o poder de apuração das organizações criminosas que atuam no Estado da Polícia Civil e passado para a Rota, apesar da falta de atribuição legal dos militares para fazer investigações.

Assessor na Fiesp
Depois que deixou o cargo no primeiro escalão do governo de Alckmin, Ferreira Pinto se tornou assessor estratégico de Paulo Skaf na Presidência da Fiesp para assuntos relativos à segurança pública. Agora, ele é candidato a deputado federal e participa das discussões sobre o programa de governo do peemedebista.

Alckmin isolado na liderança será reeleito no 1º turno 125

Com a avaliação do governo em ascensão, Alckmin seria reeleito com 54%

RICARDO MENDONÇA
DE SÃO PAULO

17/07/2014 19h34

Com a avaliação de seu governo em ascensão, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), lidera isolado a disputa pelo governo do Estado de São Paulo e seria reeleito no primeiro turno se a eleição fosse hoje.

Segundo o Datafolha, ele tem 54% das intenções de voto na corrida pelo Palácio dos Bandeirantes.

Em segundo lugar, com menos de um terço das intenções de voto do tucano, aparece o presidente licenciado da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Paulo Skaf (PMDB), que alcança 16%. O candidato do PT, Alexandre Padilha, tem 4%. Os demais nomes inscritos na disputa somam outros 4%.

A pesquisa, realizada na terça (15) e nesta quarta (16) com 1.978 entrevistas em 55 municípios, não é diretamente comparável com o levantamento anterior do Datafolha em São Paulo porque o rol de candidatos mudou.

Na investigação do início de junho, antes da oficialização das candidaturas, Alckmin alcançava 47%, Skaf tinha 21%, Padilha ostentava os mesmos 4% no cenário que parecia o mais provável da disputa, sem o ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab.

Se não é viável dizer se as intenções de voto nos candidatos cresceram ou recuaram, é possível afirmar, pelo menos, que a situação política de Alckmin melhorou no intervalo de um mês e meio.

Isso porque a avaliação positiva de seu governo, esta sim comparável, cresceu com uma diferença acima da margem de erro, de dois pontos para mais ou para menos.

Em junho, 41% dos paulistas achavam a gestão do tucano boa ou ótima. Agora, sua taxa de aprovação subiu para 46%.

No levantamento da taxa de rejeição, Padilha lidera: 26% dos eleitores paulistas dizem que não votariam no ex-ministro da Saúde de jeito nenhum. Skaf vem em segundo com 20%, tecnicamente empatado com os 19% de Alckmin.

Esta rodada da pesquisa Datafolha foi feita por encomenda da Folha em parceria com a TV Globo. A pesquisa foi registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o número SP-00010/2014. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Editoria de Arte/Folhapress

Transcrito da Folha de São Paulo ; nos termos do artigo 46 da Lei nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998.‏

O crescimento do PCC 20

 

 

Ex-delegado geral Abrahão José Kfouri Filho participará do plano de governo de Skaf 27

Snap 2014-07-17 at 14.11.26Publicado num dos grupos de delegados de polícia:

Abrahão José Kfouri Filho SP., 15.7.14.
Caros colegas Delegado(a)s de Polícia.
Não pretendia abordar esse assunto agora, pois, amanhã bem cedo, viajarei para o exterior, de onde retornarei dia 29. Não achava producente deixar esse hiato, após abordar o assunto. Vejo, entretanto, que ele já veio à baila e não devo me afastar por 15 dias sem manifestar-me. Segue o real histórico dos fatos. Há questão de 30/40 dias, colegas, justificadamente temerosos, postaram mensagens antevendo que, eventualmente eleito Skaf, teriam voz ativa em seu governo, especialmente na área da segurança pública, três pessoas – especialmente uma delas – que, pelos antecedentes pessoais, funcionais e corporativos, poderiam nos ser prejudiciais. Dias após, sabedor de que o Dr. José Roberto Batochio compusera oficialmente a chapa do Skaf, como candidato a vice-governador, dirigi-me aos colegas dizendo que seria interessante aproximarmo-nos dele para, com ele, estabelecer um contraponto na eventualidade de vencerem a eleição, sem que isso valesse intenção de voto. E por que Batochio? Na minha gestão como Presidente da ADPESP ele foi nosso advogado, competente, amigo e dedicado. Como representante da OAB participou de bancas de concurso para Delegado de Polícia. Foi Presidente da OAB/SP e OAB/BRASIL, sempre nos prestigiando. Foi Deputado Federal (votei nele). Trabalhou pela aprovação da PEC 37. “Não morre de amores” pela PM e pelo MP. Ou seja, será certamente nosso aliado, acaso eleito. Afianço isso! Entendo que a todo colega, como cidadão diferenciado, deva ser respeitado o direito à livre escolha eleitoral. Eu mesmo afirmei que não sabia em quem votar. Ou melhor, SABIA EM QUEM NÃO VOTAR: Geraldo Alckmin, por todo o menoscabo com que nos tratou e por todo prejuízo que causou e ainda causa à Policia Civil e aos Delegados de Policia em particular, apesar do suspeito incensamento que lhe fazem alguns poucos … Aguardava eu um posicionamento dos colegas quando, na segunda-feira passada, dia 7, estava na Associação onde recebi um telefonema do Dr. Batochio, que já estava sabendo da reserva que se fazia ao nome do Skaf, justamente pela presença das três “personalidades”, uma em especial. Conversámos por uns 15 minutos, relembramos saudosos momentos e, ao final, coloquei-lhe tudo o que ocorria na classe sobre esse assunto. Disse-me que aguardasse novo contato. Já na manhã do dia seguinte, ligou-me e pediu-me que participasse de uma reunião com o Skaf, às 10,30. Compareci e conversámos, franca e abertamente, por cerca de uma hora. Procurei falar e expor tudo quanto lembrei e sobre tudo que vem sendo perpetrado, nas seguidas gestões tucanas, em desfavor da Polícia Civil e dos Delegados de Polícia, em particular. Abordei detalhes sobre disputas corporativas das quais temos sido constantes alvos. Falei dos vencimentos irrisórios, da falta de recursos e de estímulos, etc. Acho que pouca coisa deixou de ser explicitado. Perguntei-lhe, após, direta e claramente, sobre seu posicionamento acerca do temor que a classe estava sentindo diante de alguns que o rodeiam e apoiam. Ele foi absolutamente direto, claro e firme ao assegurar, ao Dr. Batochio e a mim, que, acaso eleito, não haverá qualquer sentido ou possibilidade que a segurança pública seja confiada a quem, no atual governo tucano, exerceu cargo de confiança, somando-se a isso a nossa rejeição. Ao final, convidou-me para participar do grupo que elaborará seu plano de governo com vistas à segurança pública. Não teria sentido não aceitar. Aceitei e fiquei de indicar mais um ou dois colegas para compô-lo. As primeiras reuniões deverão ocorrer quando eu voltar da viagem, ou seja, início de agosto. Nas postagens feitas hoje, os colegas pediram que eu me manifestasse. Não podia deixar de fazê-lo. É o que faço aqui, embora alongadamente. Saúde, luz e paz. Kfouri.

Aprovado estatuto que garante poder de polícia às guardas municipais 153

O Plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (16) projeto que cria o Estatuto Geral das Guardas Municipais. Com a aprovação do texto (PLC 39/2014 – Complementar), do deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), a categoria passará a ter direito ao porte de arma e à estruturação em carreira única, com progressão funcional. O projeto, que tramitava em regime de urgência, será encaminhado à sanção presidencial.

De acordo com o projeto, as guardas municipais terão poder de polícia com a incumbência de proteger tanto o patrimônio como a vida. Deverão utilizar uniformes e equipamentos padronizados, mas sua estrutura hierárquica não poderá ter denominação idêntica a das forças militares.

O Estatuto Geral das Guardas Municipais regulamenta dispositivo da Constituição que prevê a criação de guardas municipais para a proteção de bens, serviços e instalações. A guarda municipal deverá ainda colaborar com os órgãos de segurança pública em ações conjuntas e contribuir para a pacificação de conflitos. Mediante convênio com órgãos de trânsito estadual ou municipal, poderá fiscalizar o trânsito e expedir multas.

Outra competência é encaminhar ao delegado de polícia, diante de flagrante delito, o autor da infração, preservando o local do crime. A guarda municipal poderá ainda auxiliar na segurança de grandes eventos e atuar na proteção de autoridades. Ações preventivas na segurança escolar também poderão ser exercidas por essa corporação.

O projeto prevê igualmente a possibilidade de municípios limítrofes constituírem consórcio público para utilizar, reciprocamente, os serviços da guarda municipal de maneira compartilhada.

Esse consórcio poderá ficar encarregado também da capacitação dos integrantes da guarda municipal compartilhada. Todos os guardas deverão passar por esse tipo de capacitação e currículo compatível com a atividade.

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), relatora do projeto na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), parabenizou guardas municipais que desde cedo aguardavam a votação em Plenário. O projeto tramitou mais de dez anos no Congresso. Ela ressaltou que a aprovação do estatuto colabora para melhorar a segurança da população.

Gleisi explicou que aceitou emenda de redação do senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) para definir as competências das guardas municipais e das outras forças policiais.

A aprovação também foi saudada pelo senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE). Para ele, o estatuto colabora para a manutenção da ordem e da segurança em várias regiões do país.

Antes de concluir a votação do projeto, o presidente do Senado, Renan Calheiros, disse que sua aprovação representa um avanço e defendeu a alocação de mais recursos para a área de segurança pública.

Durante a discussão da matéria, o senador Cristovam Buarque (PDT-DF) concordou com a retirada de requerimento de sua autoria que solicitava o exame do projeto pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH).

Também saudaram a aprovação do projeto os senadores Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR), Mário Couto (PSDB-PA), Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), Humberto Costa (PT-PE), Eduardo Braga (PMDB-AM), Paulo Paim (PT-RS), Marcelo Crivella (PRB-RJ), Magno Malta (PR-ES), Sérgio Petecão (PSD-AC), Eduardo Suplicy (PT-SP), Eunício Oliveira (PMDB-CE), Romero Jucá (PMDB-RR) e as senadoras Ana Amélia (PP-RS), Lúcia Vânia (PSDB-GO) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM).

Agência Senado

Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado

A política de segurança pública dos candidatos em São Paulo 79

Jornal GGN – É destaque no Painel da Folha de S. Paulo desta segunda-feira (14) que o empresário Paulo Skaf, candidato do PMDB à sucessão do governador Geraldo Alckmin (PSDB), em São Paulo, apostará “no discurso de lei e ordem” para vencer a disputa eleitoral deste ano.

Segundo colocado nas pesquisas de intenções de voto, Skaf foi chamado de “linha dura” após ter criticado a gestão de Alckmin e afirmado que o tucano é um mandatário “bonzinho” demais diante dos problemas do Estado.

De acordo com a coluna, Skaf declarou que, no lugar de Alckmin, já teria proibido o uso de máscaras em protestos e não esperaria mais de “uma hora” após a depredação que ocorreu nas dependências do Metrô, durante a greve dos metroviários, para demitir os funcionários envolvidos. “Muitos petistas veem o peemedebista à direita de Alckmin. Mesmo assim, prometem apoiá-lo num possível segundo turno”, pontua o periódico.

De fato, o programa de governo que Skaf entregou ao Tribunal Superior Eleitoral no início de julho não contém uma linha sobre como será o diálogo com movimentos setoriais, caso o peemedebista seja eleito. Mas a partir da página 7 da peça, a equipe de Skaf dedica bom espaço às propostas endereçadas à área da segurança pública e administração penitenciária.

Segundo a Folha, elas foram elaboradas com ajuda de Antonio Ferreira Pinto (foto), ex-secretário de Segurança Pública do Estado. O ex-oficial da PM foi exonerado do cargo em novembro de 2012, após São Paulo passar por uma onda de violência que ganhou todos os notíciários. Ele foi substituído pelo ex-procurador-geral de Justiça Fernando Grella, que segue no posto.

Embora tenham surgidos algumas fissuras na relação com o governo Alckmin após sua saída da Secretaria, Ferreira Pinto leva no histórico a atuação de anos nos primeiros escalões do governo paulista que, há duas décadas, é do PSDB.

Ele foi responsável por criar, em 1993, a Secretaria de Administração Penitenciária, e foi alocado como adjunto na Pasta. Cinco anos depois, formou-se procurador de Justiça. Em 2006, foi alçado à titularidade da Administração Penitenciária e, em 2009, virou secretário de Segurança Pública. Um ano depois, repartições da Polícia Civil no Estado ameaçaram entrar em greve, alegando baixos salários e sucateamento da corporação, na contramão de um suposto favorecimento da Polícia Militar. A dificuldade de integrar as duas unidades passa por essa divisão.

No programa de governo, o PMDB de Paulo Skaf, apoiado em alianças com o PSD de Gilberto Kassab e o PP de Paulo Maluf, promete, entre outros pontos:

- Distribuir adequadamente o policiamento ostensivo e preventivo;
– Coibir os pequenos crimes e os comportamentos desordeiros;
– Expandir e aprimorar o uso de tecnologias modernas, sistemas de monitoramento, via câmeras com gestão analítica de vídeos, drones, balões, satélites, gerando capacidade para monitorar todo o Estado;
– Resgatar a cultura da investigação;
– Revisar a distribuição de tarefas dos policiais;
– Apoiar a Operação Delegada [oficializar o famoso "bico" dos policiais], em conjunto com os municípios;
– Implantar programas para combate ao crime organizado;
– Expandir a repressão ao tráfico de drogas;
– Implantar sistema de câmeras para vigilância de áreas estratégicas das divisas do Estado, vinculado ao sistema de inteligência e integrado às câmeras já existentes privadas e públicas;
– Implantar novas Delegacias de Defesa da Mulher, com emprego efetivo de policiais do corpo feminino;
– Implantar o Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC);
– Investir no aprimoramento técnico-profissional dos policiais civis, militares e técnico-científicos.
– Política de valorização das Instituições Policiais e do profissional da Segurança Pública;
– Concluir o plano de expansão de presídios;
– Estabelecer política de construção de presídios específicos para cumprimento de penas no regime semiaberto, como previsto na Lei de Execução Penal;
– Programa de formação de mão de obra para que, em parceria com a iniciativa privada, os detentos possam trabalhar;

- Parcerias Público-Privadas (PPPs) para construção e gestão de presídios.

O continuísmo de Geraldo Alckmin

Já o atual chefe do Executivo paulista elenca, a partir da página 30 do programa de governo entregue ao TSE para um possível segundo mandato, as seguintes propostas para a segurança pública:

- Aprimorar a política de meritocracia (metas e bonificação) como forma de valorizar o policial e aumentar a eficiência;
– Acelerar a integração entre as polícias;
– Aperfeiçoar os mecanismos de controle interno com foco no combate à corrupção e uso racional dos recursos;
– Aprimorar os mecanismos de transparência, inclusive dos indicadores criminais e operacionais;
– Aprimorar a capacidade de investigação;
– Aperfeiçoar o combate às novas formas de criminalidade, em especial a organizada;
– Incrementar o investimento em tecnologia, dotando as policias de novas ferramentas de gestão e de atuação;
– Dar continuidade ao processo de valorização das carreiras policiais;
– Dar continuidade ao processo de profissionalização da gestão de segurança pública;
– Dar continuidade ao programa de videomonitoramento por câmeras instaladas em pontos estratégicos;
– Ampliar o combate aos crimes contra a vida e patrimônio e ao tráfico de entorpecente;
– Aperfeiçoar os mecanismos de participação da sociedade civil na construção e implantação da política de segurança pública;
– Dar continuidade ao processo de fidelização do policial nas ações do Estado, a exemplo da atividade delegada e da diária extraordinária.

E, no que tange as políticas de administração penitenciária:

- Ampliar o programa de escolta de presos por Agentes de Escolta e Vigilância Penitenciária;
– Ampliar o sistema de automatização de portas de celas;
– Capacitar servidores em cursos de idiomas e implementar o programa Diálogo Virtual para presos estrangeiros;
– Implantar sistema de vigilância interna e externa dos presídios com utilização de drones;
– Ampliar o programa de Reintegração Social e Cidadania;
– Continuar o programa de expansão e modernização do sistema prisional;
– Ampliar o programa estadual de videoconferência.

Os diferenciais de Alexandre Padilha

O programa de governo do ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha (PT), terceiro colocado nas pesquisas de intenções de voto, dedica mais espaço ao combate à corrupção no Estado. O petista promete “investir na criação e no aperfeiçoamento de órgãos de controle e de investigação, abrindo as portas das informações do Poder Executivo”.

Nessa área, Padilha tem como modelo o prefeito Fernando Haddad (PT), que, ao assumir o Paço de São Paulo, criou a Controladoria Geral do Município (CGM). Em poucos meses, o órgão veio à tona com a Máfia do ISS.

“Manter uma relação republicana e independente com o Poder Judiciário, Ministério Público e demais instituições de justiça e fortalecer os órgãos de controle interno e externo, responsáveis pela fiscalização financeira e orçamentária do governo estadual”, também é meta do ex-ministro.

Além disso, o programa de Padilha também destoa dos demais ao destacar que “a atuação das polícias respeitará o direito a livre manifestação e tratará igualmente cidadãos e cidadãs, independentemente de classe social, renda, cor escolaridade e local de moradia”.

Na área da segurança pública, o candidato do PT elenca como diretrizes gerais:

- Reverter a violência nas regiões mais vulneráveis;
– Ser implacável com o crime organizado e com qualquer mal feito dentro dos órgãos de segurança;
– Cooperar com o governo federal, com os governos estaduais, sobretudo com os quais compartilhamos divisas territoriais, com os governos municipais, com o Judiciário e com os parceiros privados que ampliaram suas ferramentas de segurança e monitoramento;
– Ampliar o espaço do Estado, por meio da Defensoria Pública e do Ministério Público, nas unidades prisionais;
– Desenvolver ações de integração operacional entre as policiais estaduais e de promoção de um salto tecnológico e dos serviços de inteligência policiais;
– Dar atenção especial na proteção às divisas interestaduais, às rotas rurais e urbanas do crime e com as unidades prisionais.

GEORGES HABIB – 28 007 PRTB 176

BOM DIA SRs ,

estou preparando dois ou três documentos para publicar aqui , CASO O DR GUERRA NÃO SE OPONHA ,
em se fazer campanha neste espaço , virei com muito prazer faze-lo.

Podemos mostrar primeiro quem sou , e aos poucos ir postando ideias e debatendo , com os colegas na medida em que surgirem duvidas , a principio ,para os que não me conhecem.

Sou investigador de policia , trabalhei na zona sul de são paulo , posteriormente com a mudança de divisão tornou-se segunda seccional , uma rápida passagem pela centro e atualmente estou na região do abc , mais precisamente no plantão policial de são caetano do sul .

Sou investigador de policia , com 26 anos de efetivo exercício policial , primeira classe , cinco quinquênios , sexta parte e já recebo o abono permanência ha três meses . tenho 51 anos , gestor de segurança publica , bacharel em direito e pôs graduado em gestão publica com enfase em segurança municipal..

ESTOU NO MOVIMENTO SINDICAL DESDE 2007 ,POREM NUNCA FIZ PARTE DE DIRETORIA DE NENHUMA ENTIDADE,
fui delegado sindical durante o período da greve pelo SIPESP para poder gozar de alguma imunidade durante aquele movimento que acabou por culminar naquela agressão descabida por parte do governador em 16 de outubro de 2008 , período no qual estive a frente junto com as demais lideranças do movimento , talvez o mais lindo , da Policia Civil de São Paulo .

Logo apos este grande movimento de 2008 me mantive a frente de varias manifestações de forma independente , vezes aglomerando quinhentas pessoas , e por outras tendo cinco ou seis , mas sempre num movimento critico às politicas publicas descabidas deste governo , que menospreza a policia e deseja em seu intimo nossa extinção ou que nos subjuguemos a um segundo plano inertes , pois policia quando trabalha incomoda governos inoperantes , nas áreas básicas , como e nosso caso.

De outro modo como explicar servidores públicos tão desmotivados e tão desgastados pelo excesso de trabalhos avulsos . Todo servidor tem necessidades minimas atinentes a sua função e para tanto deveriam ganhar , de forma a supri-las , temos muitas lutas pela frente , sendo uma delas a exigência dos itens chamados constitucionais , TAIS COMO , vencimentos pagos na forma de subsídios , aposentadoria especial paritária e integral , e data base .

Paralelamente temos a necessidade de lutar também pela renovação e ampliação do quadro de servidores , que esta bastante defasado com a realidade e com nossas necessidades .

Obvio ninguém é magico e nem leviano para dizer que resolvera tudo sozinho , as forças do estado vão se definindo , baseadas na votação , na influencia na assembleia , na capacidade de lidar com os problemas e no apoio recebido da instituição da qual faz parte , mas colocar o nome da segurança publica em evidencia , lutar por melhorias e contra injustiças , este e um dos nossos objetivos

Eleição passada sem condição alguma fizemos três mil votos , nesta temos mais estrutura de base , contamos com muitos sindicatos do interior nos apoiando , os parceiros se multiplicaram ao longo destes quatro anos , o partido onde estou e neutro e necessita de poucos votos , em relação aos demais , para que conquistemos a vaga na assembleia , e teremos ainda um apoio de outras categorias , obviamente em menor escala , mas complementarão a nossa votação .

Vou postando caso o dr guerra não se incomode , algumas ideias e vamos tirando as duvidas que forem surgindo .

Obrigado aos que nos dão seu apoio , pelo voto de confiança , e por abrir mais este espaço de discussão , a cada um , principalmente à aqueles que nem conheço , muito obrigado , e com certeza , não seremos mais um , e não deixaremos de estar a disposição de todos , sem magicas ilusões ,promessas ou mentiras , pois não precisamos disso , só precisamos ter força dentro do Estado para pleitear e por vezes desmentir fatos criados pelo governo para colocar a opinião publica contra nos , e ai sim num projeto politico futuro , onde procuraremos cada vez mais inserir policiais civis na administração publica , teremos força para peitar o governo de forma ordeira ,

GEORGES HABIB.’, 28 007 PRTB
UNIÃO PELA DIGNIDADE

Com nova lei em vigor, polícia fecha nove desmanches em São Paulo 21

Fonte: UOL

DE SÃO PAULO

14/07/2014 18h31

Uma operação coordenada pela Secretaria da Segurança Pública interditou nove estabelecimentos que vendiam peças de veículos provenientes de desmanches nas zonas sul e leste de São Paulo, nesta segunda-feira (14).

Ao todo, foram fiscalizados 11 locais —dois estavam regulares. Um homem foi preso em flagrante durante a operação por adulterar a numeração de um câmbio automotivo.

Participaram da ação policiais militares e civis e agentes do Detran (Departamento Estadual de Trânsito), da Secretaria da Fazenda de São Paulo e da prefeitura.

Segundo o secretário da Segurança, Fernando Grella Vieira, essa foi a primeira operação contra venda ilegal de peças depois que entrou em vigor a Lei dos Desmanches, no último dia 2. Outras operações estão previstas para os próximos dias.

Pela nova lei, proposta pela governo Geraldo Alckmin (PSDB) e aprovada na Assembleia, apenas estabelecimentos previamente cadastrados no Detran podem vender peças usadas. As peças precisam conter mecanismos que permitam rastrear sua origem, entre outras exigências.

As sanções para quem descumprir a lei são: interdição do estabelecimento, cassação da inscrição no ICMS —tributo estadual arrecadado pela Secretaria da Fazenda— e multa de R$ 30 mil.

“Não somos contra desmonte e venda de peças, desde que atenda aos requisitos legais. Esse modelo [nova lei] é semelhante ao existente na Argentina, que diminuiu em 50% os furtos e roubos de veículos”, afirmou Grella.

O secretário disse ainda que, ao diminuir os roubos de veículos, o governo espera que haja queda no número de latrocínios (roubos seguidos de morte), pois em cerca de metade dos crimes desse tipo os ladrões têm como alvo motoristas de veículos.

Segundo dados da Secretaria da Segurança Pública, os roubos a veículos tiveram um aumento de 3,6% em maio deste ano em comparação com o mesmo mês do ano passado —de 4.012 casos para 4.159. Os furtos a carros cresceram também 3,6% nos dois períodos.

DETRAN

Segundo o diretor de Veículos do Detran-SP, Israel Alexandre de Souza, até o momento 391 estabelecimentos no Estado pediram cadastramento no órgão para comercializar peças usadas, dos cerca de 3.000 que existem.

Na capital, 103 estabelecimentos já procuraram o Detran.

Os nove locais interditados nesta segunda foram emparedados pela prefeitura. Nenhum deles havia se cadastrado no órgão estadual. Em apenas um a polícia encontrou uma peça adulterada.

Transcrito da Folha de São Paulo ; nos termos do artigo 46 da Lei nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998.‏

A hora da reação nacional contra um Estado genocida 58

As conclusões do jurista Luiz Flávio Gomes são da maior relevância. Ao defender a tese de que o Estado brasileiro é genocida, Gomes abre uma discussão que poderá ser a saída para uma escalada sem paralelo da violência institucional e popular.

É hora do Judiciário se firmar como um poder civilizatório e montar uma frente contra os desmandos..

Não dá mais para procrastinar. Em todos os estados há uma escalada de violência inédita contra pobres, negros, índios, um estímulo às execuções por parte da polícia e ao linchamento por parte da população..

E ninguém é responsabilizado. Quando ocorre alguma punição é na ponta da cadeia do genocídio: o soldado que deu o tiro final. Os maiores responsáveis – autoridades que estimulam a violência ou se eximem de combate-la – permanecem em posição cômoda, graças à cumplicidade institucional brasileira.

Esta semana pela primeira vez houve uma condenação em São Paulo pelos crimes de maio – o massacre de mais de 600 jovens de periferia, em represália pelos ataques do PCC.

Foi o mais vergonhoso episódio da história da cidade, um massacre coordenado que só foi interrompido quando um grupo de procuradores federais e médicos do Conselho Regional de Medicina correram ao Instituto Médico Legal (IML) para garantir o laudo – prova inicial para os futuros inquéritos. Só assim cessou a matança.

Foram mais de 600 assassinados, na maioria jovens de periferia, maioria negros, óbvio, grande parte sequer com antecedentes criminais.

Condenou-se UM soldado à prisão. E os chefes? E a Secretaria se Segurança, que permitiu que se desligasse a comunicação dos rádios da polícia para não deixar rastros? E o Ministério Público Estadual que não deu seguimento a um inquérito sequer? No caso dos índios, como explicar a ausência criminosa de mediação por parte do Ministério da Justiça? Como tolerar as mortes frequentes nas UPPs cariocas? Não se trata de fenômenos isolados, mas de uma escalada de violência à altura dos piores períodos ditatoriais.

É hora da Justiça se manifestar e do Ministério Público começar a agir:

1.     Quando o Ministro da Justiça abandona a mediação de conflitos indígenas, em áreas conflagradas, tem que ser responsabilizado por omissão dolosa pelos crimes que ocorrerem devido à sua ausência. E se nada for feito, a responsabilização tem que chegar ao chefe do Ministro: a presidente.

2.     Quando o Secretário de Segurança de São Paulo endossa violência policial, tem que ser responsabilizado por incitação à violência. Assim como o governador do Estado, quando diz que só morreram os que resistiram. Quando o Secretário muda a cúpula da PM tem que se saber a razão: se a substituição implicar em mais violência, que seja responsabilizado.

3.     Quando um comentarista em veículo de larga difusão estimula o linchamento, tem que ser responsabilizado.

4.     Quando aumenta o número de mortes pela PM, os comandantes da força, respectivo Secretário de Segurança e governador têm que ser responsabilizados.

E todas essas denúncias precisam ser levadas às cortes internacionais para uma chacoalhada que permita a este país recuperar um mínimo do respeito aos direitos individuais e coletivos.

O Estado brasileiro é genocida?

02/07/2014 por Luiz Flávio Gomes

“Fingi de morto, conta jovem que sobreviveu a ataque de PMs no Rio; M., 15 anos, levou tiros de fuzil e pistola e foi socorrido numa igreja; outro garoto, de 14 anos, não resistiu e morreu; dois cabos da PM foram presos; fatos ocorreram em 11/6/14, num matagal do morro do Sumaré (RJ), para onde os menores foram levados; os meninos foram baleados 4 vezes; os comerciantes da região disseram que o local é ponto de desova (ocultação de cadáveres produzidos pela PM); Aline dos Santos, tia do garoto morto, já perdera o marido e um tio assassinados; o pai reconheceu o garoto abandonado no matagal e disse: “se tivesse feito algo errado, deveria ser levado para a delegacia, não assassinado”; M. disse que estava tranquilo nas mãos dos policiais, até chegar ao morro do Sumaré; “ali vimos que iam fazer maldade” (Folha 21/6/14: C4). No Brasil a polícia executa sumariamente os jovens negros, pardos ou brancos pobres (sobretudo da periferia) e isso é feito cotidianamente. Também diariamente um ou mais de um policial é assassinado. Faz parte do pacote genocida a morte de policiais. Como não são fatos isolados, sim, corriqueiros, frequentes, parece não haver nenhuma dúvida de que as execuções sumárias dos agentes do Estado fazem parte de uma política pública genocida.

A tese que estamos desenvolvendo é esta: o Estado brasileiro é genocida e faz isso por ação e omissão. Um dia tem que ser responsabilizado por esse genocídio massivo nos tribunais internacionais. Espera-se pela mobilização das entidades de defesa dos direitos humanos de todos (das vítimas dos policiais bem como dos policiais-vítimas). Basta que se compreenda o verdadeiro conceito de genocídio (que é um crime contra a humanidade e imprescritível).

Morrison, com seu livro Criminología, civilización y nuevo orden mundial (Barcelona: Anthropos, 2012), não apenas reivindica uma nova criminologia, de natureza global, como sustenta a necessidade de um novo conceito de genocídio (tendo estudado no livro incontáveis massacres humanos, desde 1885). De minha parte acredito que o melhor caminho epistemológico seria reconhecer como genocídio todos os massacres massivos contra qualquer agrupamento humano por razões de raça (assassinatos massivos dos afrodescendentes, por exemplo), cor (massacre dos jovens negros e pardos pobres), etnia (massacre dos índios), religiãosexo (massacre dos homossexuais), origemsocioeconômicas(massacre dos pobres), machistas (massacre das mulheres em razão do gênero) etc. Zaffaroni (na apresentação do livro citado, p. XV e ss.) sublinha que deveríamos (pelo menos) prestar mais atenção e tentar estancar os massacres (genocidas) provocados pelo Estado.

Particular interesse científico apresenta, nesse novo contexto epistemológico, o genocídio no Estado brasileiro. Não somente por razões históricas (ele se formou dessa maneira, massacrando massivamente os índios e os negros). Entendido de forma ampla, o novo conceito de genocídio permite o seu reconhecimento no seio da política pública de segurança instituída no nosso país (desde 1822). Trucida-se diariamente não apenas os jovens negros, pardos e brancos pobres (das periferias), como também os próprios policiais (em 2012, somente no Estado de São Paulo, mais de 100 deles foram mortos em razão das suas atividades). Anualmente, milhares são as vítimas dos policiais e centenas são os policiais-vítimas.

São incontáveis as implicações jurídicas desse novo enfoque, visto que o crime de genocídio, repita-se, é crime contra a humanidade e imprescritível. Mais ainda: se se trata de crime contra a humanidade, o Brasil poderá ser demandado nas Cortes Internacionais por esses crimes jushumanitários. Ademais: se o crime é imprescritível, também o seria a reparação desses danos (consoante a doutrina de Zaffaroni, na apresentação do livro acima citado, p. XV).

Uma das maiores novidades criminológicas deste novo século consiste na solidificação da tentativa de se ampliar (criminologicamente) o conceito de genocídio, classicamente tido como um ataque a um grupo nacional, étnico, racial ou religioso, com o escopo primordial de dizimá-lo. Dessa tarefa se encarregou o neozelandês (Wayne Morrison), professor da Escola de Direito Queen Mary (Universidade de Londres), que já desponta como um dos criminólogos mais importantes do século XXI, em razão da sua criteriosa e histórica pesquisa sobre os incontáveis genocídios (milhões de cadáveres) praticados desde o final do século XIX. Um detalhe sumamente relevante: de todos esses horrendos genocídios não cuidou a criminologia desenvolvida nos países centrais (Europa, EUA etc.). Que faziam a criminologia e o direito penal durante todos esses massacres? Nenhuma linha sobre eles. É hora de a criminologia (burocrática) deixar de cuidar exclusivamente dos homicídios comuns e roubos (Zaffaroni). O mundo dos genocídios massivos deve gozar de absoluta prioridade científica e política frente ao ladrão de galinha!

Do já famoso livro de Morrison não constam detalhes do genocídio brasileiro, mas ele existe. Mais de um milhão de pessoas foram assassinadas no Brasil, de 1980 a 2012.

Uma muito relevante parcela dessas mortes tem como responsável direto o Estado brasileiro, que protagoniza (por meio dos seus agentes) uma das políticas racistas e genocidas mais cruéis do planeta. Por exemplo: em julho de 1993 alguns PMs mataram oito crianças que dormiam em marquises próximas da Igreja da Candelária, no RJ. Fatos como esse se tornaram diários, o que comprova que é uma política de Estado, que atua para matar e, normalmente, se omite no apurar e punir os executores sumários.

http://jornalggn.com.br/noticia/a-hora-da-reacao-nacional-contra-um-estado-genocida

Polícia Civil captura 21 membros do PCC e apreende grande quantidade de drogas 31

Divulga essa aí de war!!! Mais um bom trabalho que merece ser enaltecido!!! Mais de 30 pcc presos

Polícia prende suspeitos de ligação com facção criminosa em São Paulo
Policiais do Deic prenderam 21 suspeitos neste sábado. Foram apreendidas carros, drogas, armas e munições.

Do G1 São Paulo
Duzentos policiais participaram neste sábado (12) de uma grande operação contra uma facção criminosa que age dentro e fora dos presídios. Vinte e uma pessoas, que recebiam ordens de dentro das penitenciárias para cometer crimes, foram presas ao longo do dia.
A investigação começou há seis meses e agora a justiça concedeu 43 mandados de prisão e 47 mandados de busca e apreensão. A Secretaria de Segurança Pública diz que, além das prisões realizadas neste sábado, outras 18 pessoas já tinham sido presas durante a semana.
Os policiais saíram da sede do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) ainda na madrugada. As prisões ocorreram na Zona Leste e Zona Sul da capital e nas cidades de Suzano e Guarulhos, na Grande São Paulo.

Apreensões
Os policiais encontraram ao todo 102 quilos de cocaína e crack , 40 quilos de maconha e 200 frascos de lança-perfume. Eles também apreenderam documentos que mostram a contabilidade da venda do tráfico de drogas, armas e munições.
Os policiais apreenderam também dezesseis carros em uma agência de veículos de um dos presos na zona leste. A polícia investiga se o comércio era usado para a lavagem de dinheiro do tráfico.

Argentina…Argentina…Argentina… 40

Como bom e honrado filho de argentino quero “los hermanos” campeões em terras brasileiras.
Julio Sosa, acima, melhor cantor de tango depois de Carlos Gardel ; também era uruguaio como Gardel!

Curiosamente, Alfredo Le Pera , parceiro de vida e morte de Gardel , compositor , entre outros, do tango Mi Buenos Aires Querido, nasceu em São Paulo , possivelmente no Bixiga.

O brasileiro retirou os recorrentes regionalismos portenhos das músicas de Gardel e fez com que as canções ganhassem as paradas de sucesso em outros países, principalmente os hispanofônicos. Dessa forma, o estilo musical expandiu-se e ganhou outros países, como Brasil, Chile e Espanha.

“A importância de Le Pera no tango e na vida de Gardel é fundamental, ele é o grande homem, o poeta de Gardel, um verdadeiro divulgador da música no mundo”

Dilma planeja controlar polícias estaduais; as quais acusa de empregar métodos dos criminosos 106

http://www.cartacapital.com.br/politica/dilma-policias-nao-devem-ficar-sob-controle-dos-estados-862.html

Segurança pública

Dilma diz que polícias não devem ficar sob controle dos estados

Em entrevista à rede de televisão norte-americana CNN, a presidenta afirmou que a Constituição deve ser modificada para o Governo Federal ter mais ingerência sobre a segurança pública
por Redação — publicado 11/07/2014 13:39, última modificação 11/07/2014 13:41

A presidenta Dilma Rousseff defendeu que os estados tenham menos controle sobre as policias em entrevista à rede de televisão norte-americana CNN exibida na última quarta-feira, 9. Em sua fala, ela afirmou que são necessárias mudanças na Constituição para que a segurança deixe de ser uma atribuição das unidades federativas.

 

“O combate à criminalidade não pode ser feito com os métodos dos criminosos. Muitas vezes isso ocorre, e nós não podemos também deixar intocada a estrutura prisional brasileira”, disse Dilma, após ser questionada sobre a alta letalidade da Polícia Militar. “Eu acredito que nós teremos de rever a Constituição. Por quê? Porque essa é uma questão que tem de envolver o Executivo federal, o estadual, a Justiça estadual e federal. E porque também há uma quantidade imensa de prisioneiros em situações sub-humanas nos presídios.”

 

Na entrevista, Dilma disse que a letalidade da polícia “talvez seja um dos maiores desafios do Brasil”. Em sua pergunta, a jornalista Christiane Amanpour disse que a atuação da polícia brasileira “parece ser um legado ruim desse tipo de tortura, ditadura e da falta do Estado de direito que a presidenta combatia”.

 

Atualmente, segundo a Constituição, as policiais federais são as únicas controladas pelo Governo Federal. A Polícia Civil e a Militar são controlados pelos estados e, no caso desta última, seus agentes respondem por seus crimes na Justiça Militar.

 

As declarações de Dilma foram feitas na semana seguinte à divulgação do Mapa da Violência. O estudo indica uma grande responsabilidade dos policiais na elevada taxa de homicídios no País. No ano passado, a polícia matou cinco cidadãos por dia no Brasil, quatro vezes mais do que nos Estados Unidos e duas vezes e meia o índice registrado na Venezuela, segundo o anuário estatístico.

AUDIÊNCIA COM O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA – FERNANDO GRELLA VIEIRA 153

Enviado em 11/07/2014 as 12:30 – por mendigo

Snap 2014-07-11 at 13.48.53

Ontem os diretores do Sinpol, Célio Antonio Santiago e Júlio César Machado, estiveram no gabinete do Secretário Fernando Grella Vieira, participando de uma audiência para tratar de assuntos de interesse da Polícia Civil.

VÁRIOS FORAM OS ASSUNTOS TRATADOS e ABAIXO ELENCAMOS:

a)-Inicialmente o secretário esclareceu que a alteração do número de diárias de alimentação, e alteração dos valores, não depende de Lei, e pode ser alterado por decreto.  A minuta deste, já está no Palácio do Governo, para estudos do impacto financeiro e implementação.

O aumento do número de diárias se faz necessário para atender aos policiais que não trabalham em regime de plantão, ou seja, a idéia é aumentar para 30 diárias mensais, para que ao serem pagas pela metade, corresponderiam ao pagamento de 15.

O aumento do valor das diárias se faz necessário para igualarmos aos valores pagos aos policiais militares.

Cabe-nos agora, verificarmos junto ao Governo o andamento, e prazo para implementação.

Não queremos e não podemos criar falsas expectativas, e já estamos prevendo dificuldades para que seja regularizado, ainda neste ano.  O governo usa sempre a mesma desculpa.

O IMPACTO FINANCEIRO NAS CONTAS  – (que já está próximo ao limite prudencial de 46%)

E  QUE – DEPENDE DA AUTORIZAÇÃO DAS SECRETARIAS DE GESTÃO, PLANEJAMENTO E FAZENDA.

Faremos todos os esforços para que a implementação seja o mais rápido possível, preferencialmente ainda neste ano, e nos comprometemos a dar mais informações oportunamente.

b)-Criação de uma comissão mista, envolvendo as secretarias de Gestão, Planejamento, Fazenda, com a efetiva participação das Entidades de Classe para estudos e implementação dos seis projetos de Lei, escolhidos pelas Entidades, para encaminhamento ao Governo.

Ao ser citada a criação da comissão, o Secretário se antecipou e disse que não seria uma forma de postergar a elaboração dos projetos, mas sim, fazê-lo em 60 a 90 dias, e encaminhar com estudos prontos para aprovação, e já com aval do governador.  Reafirmamos nosso entendimento de demora ao tratar dos assuntos, sempre que se forma uma comissões.   Cumpre-nos cobrar urgência.

COM RELAÇÃO AOS PROJETOS, TODOS ESTÃO PUBLICADOS NO SITE DO SINPOL.

1)- ANTEPROJETO 1 – REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS POLICIAIS CIVIS

 Ítem “ e “ – Melhor avaliação quanto à exigência de ensino superior de grau de  bacharelado para que seja exigido em matérias específicas, preferencialmente na área de ciências humanas. E mais, mudança no termo “classificatório” para eliminatório, nas provas de aptidão física e psicológica, evitando-se ações judiciais.

2)-ANTEPROJETO DOIS  – ALTERAÇÃO DA LC 1151/2011

Ítrem c)- Inciso I – mudança para:  “alternadamente, em proporções iguais, por antiguidade e por merecimento, da 3ª. até a classe Especial”.  Para a classe especial, exigência de concurso interno de provas e títulos.  (evitaria a indicação de pessoas conhecidas como “apadrinhadas”)

2)- ítem a)- retirar do texto a prova oral.  Os Sindicatos entendem que os concursos ficariam mais transparentes, sem a prova oral, excetuando-se o concurso para Delegado de Polícia.

3)-ANTEPROJETO 3 – PAGAMENTO DE LICENÇA PREMIO EM PECUNIA PARA QUEM PERMANECER NA ATIVA, QUANDO TIVER DIREITO À POSENTADORIA.

4)-ANTEPROJETO 4 – INSTITUIÇÃO DO GAF

5)-ANTEPROJETO 7 – ANTEPROJETO PARA CRIAÇÃO DO DEJEC.

6)-ANTEPROJETO 11 – INCLUSÃO DE 100% DO ALE TOTAL NO SALÁRIO BASE.

Apesar de elencados estes seis, poderão ser substituídos por outros que tenham tramitação mais rápida e fácil.

Verificamos e discutimos que não basta concursos para preenchimentos de cargos na Polícia Civil, mas também, a criação de novos cargos para darmos uma melhor resposta à sociedade.

Outros assuntos foram tratados, e o Secretário lamentou, e demonstrou indignação a falta de empenho da Academia de Polícia para elaborar a minuta de contrato para realização de concurso público.  Foram oito meses para elaboração de um contrato.  Perdemos tempo, e já poderíamos estar com mais policiais em final de curso de formação.

Falamos a respeito das apurações da corregedoria, que tem sugerido punições muito rígidas em algumas oportunidades,

Falamos da necessidade de valorização dos vencimentos dos Escrivães e Investigadores, dada a exigência de nível universitário, e não só comparativamente ao demais cargos da administração pública, mas também, considerando-se a especialidade de nossas funções, que são de risco, penosas e insalubres.

Falamos do organograma da Polícia Civil, onde se verifica que departamentos de caráter administrativo, tem a mesmo lotação de funcionários, ou seja, não é possível que o DAP possa ter o mesmo número de funcionários do DAP e assim por diante.  Faz-se necessário uma adequação.

Falamos a respeito da contratação de servidores de apoio, por exemplo escriturários, para exercer as funções de policiais que trabalham administrativamente, seja atendendo telefone, em setor de pessoal, em portarias etc. etc., pois, ao ser feito a somatória do número de policiais, eles são incluídos, mas em verdade, não exercem a atividade fim, trabalhando em desvios de função.   Atualmente, muitos deles são necessários, mas devem ser substituídos o mais rápido possível.

Foi discutido e debatido, os privilégios que estão sendo dados à Polícia Militar, que conseguiu aumento maior, e ainda, tem tido maior facilidade em aprovar seus projetos.

Em consenso, concluímos que precisamos nos antecipar às ações, ou seja, a administração da Polícia Civil, os Sindicatos, todos os policiais civis, precisam ter uma participação social mais ativa, com planejamento, discussão, e sugestões de projetos de nosso interesse, como o faz a Polícia Militar.  E saibam, basta entrar em qualquer secretaria, no palácio, na SPPREV, na Assembléia, para se deparar com militares, e eles ali estão, a mando do comando geral, não só fazendo a proteção das autoridades, mas também, cuidando de seus interesses.

Planejamento, sugestões de projetos e acompanhamento, em suma, profissionalização.

Percebemos que o Secretário Fernando Grella, e o Delegado Geral Dr. Maurício, estão encarando nossos projetos e reivindicações com muita seriedade.  Cumpre-nos acompanhar bem de perto, e não pensarmos apenas a curto prazo.  Algumas  mudanças, são muito difíceis, levam tempo, mas como disse o secretário, já avançamos em algumas coisas, e temos condições de avançar mais.

Outras informações serão passadas, assim que surgirem, e reiteramos nosso compromisso de lutar pelos nossos direitos, com muita dedicação.

                                                 EUMAURI LÚCIO DA MATA

                                                       PRESIDENTE

Extraído do site do Sinpol de Ribeirão Preto: http://www.sinpolrp.com.br/show_info.php?cod=234

Delegados do Amazonas tem carreira jurídica reconhecida e ganharão R$ 37 mil até 2018 42

Delegados do AM tem carreira jurídica reconhecida e vão ganhar R$ 37 mil!

Foi aprovado na Assembleia Legislativa do Amazonas o plano de reestrututração salarial da Polícia Civil do Estado. Por 21 votos a favor e nenhum contra, os deputados votaram pela reajuste salarial dos policiais, dividido em quatro parcelas anuais, além da data base, garantindo ganhos reais até 2018.

 

A votação desta quinta-feira (03) também coroa os esforços da Associação de Delegados de Polícia do Estado do Amazonas – Adepol-AM – que em dezembro de 2013 conseguiu junto ao Governo do Estado aprovar a Emenda Constitucional que define a carreira de Delegado de Polícia como Jurídica de Estado, garantindo isonomia de vencimentos de equiparados às outras carreiras.

 

Na visão do Presidente da Adepol-AM, Delegado Mário Aufiero, um pioneirismo do Amazonas. “Temos que agradecer ao Governo do Estado e aos parlamentares que entendem a importância da segurança pública e cada vez mais tem investido nas polícias e nos policiais. Mostra também o respeito que temos pelo que diz a Constituição Federal em relação à carreira jurídica dos Delegados”, ressaltou Aufiero.

 

A PEC 11/2013, aprovada em dezembro, foi fruto de um esforço iniciado em 2011 e que reforçou as prerrogativas de autoridades policiais asseguradas pela Lei 12.830/2013.

 

Veja a tabela dos valores:

 

Da Redação e Adepol AM

Banco do Brasil saqueia dinheiro de policiais civis por meio de seguro de vida compulsório em benefício do próprio banco 47

Porque não consigo postar um alerta aos Policiais de todas as categorias, e inclusive o Poder Judiciário, sobre o que o Banco do Brasil está fazendo conosco. Ele faz um SEGURO DE MORTE POR QUALQUER CAUSA, NATURAL, VIOLENTA, ACIDENTAL, automaticamente no valor de 300.000,00 (trezentos mil reais) sendo o Banco o Beneficiário e vendem nossas informação, que ERAM RESTRITAS só acessadas com senha por Delegados, Comandantes das Polícias, Juízes, Promotores, todos que recebem pelo Banco que até vendem para Escritórios de Cobranças, que nos enviam ameaças via telefone, e-mail, cartinhas, notificações extrajudiciais de tomarem todos os nossos bens e de nossa família.. E tem mais, passam a mão no nosso salário/aposentadoria sem prévio aviso, nos deixa com saldo ZERO para passar o mês. Culpar o PCC é fácil e comodo. Isso eles fazem pois sabem que vamos receber via SPPREV. Todos os que recebem pela SPPREV – Banco do Brasil e/ou tem conta tb no Banco Itaú-SERASA, não estão conseguindo sobreviver. Sabemos quanto vamos receber da SPPREV, porém não sabemos o QUANTO O BANCO DO BRASIL VAI DEIXAR EM CONTA. Tudo é feito automaticamente. Já comuniquei o Ministério Público Federal, que passou para a Procuradoria de Santos e mandou para o Ministério Público aqui de Itanhaém. Este ano já levam minha aposentadoria por duas vezes, quando pela constituição só pode comprometer no máximo 30% dos proventos. POR QUE NÃO PODEMOS NOS AJUDAR????????????? Gostaria de uma resposta. 35 anos trabalhados para pagar BANCO AUTOMATICAMENTE, ou seja nos deixando sem condições de sobrevivência (pagamento de contas básicas: água luz, IPTU, remédios que o SUS não fornece). Meu nome é XXXXXXXXXXXXX  e sou Fotografa Pericial Aposentada desde 2009. Até quando estarei viva, é o Banco que resolve. Se não podemos nos ajudar via flitparalisante, Nem Deus vai. Desde já obrigada pela resposta.

Investigador é fuzilado pelo PCC em Praia Grande; policiais civis nem sequer compareceram ao enterro 51

Quanta escrotice!
Do Investigador que foi assassinado em PG à tiros de fuzil tu não posta nada.
Seja homem! Fica chorando por merda de jogo enquanto nosso país está mil anos atrás da Alemanha em todos os aspectos imagináveis.
Tem que chorar de inveja mas é porque eles não passam fome como nós e não correm risco de morrer fuzilados na esquina.

———————————-

Papa Charlie, desculpe-me pela omissão em relação ao triste acontecimento.

Aguardávamos desdobramentos, mas o fato nem sequer comoveu a comunidade policial da Baixada Santista; como sempre os próprios colegas de trabalho não se compadecem com a tragédia,  mais desqualificam a vítima do que condenam o atentado.

Aliás, poucos compareceram ao féretro.

Será medo?  

Quanto a ser homem!

O que você e seus parceiros de Praia Grande estão fazendo para vingar a morte do companheiro de profissão ?

Nada, não é?

Rotineiramente policiais são mortos nessa cidade e a resposta é sempre igual: NENHUMA!

Uma boa dica que nos enviaram : investiguem os passos do latrocina suposto sobrinho de um Juiz de Direito e irmão de um delegado local. 

fabiano2222
Imagem: assaltante ligado ao PCC pretensamente beneficiado em razão de suposto parentesco com Juiz de Direito da região e Delegado titular de especializada. 
Execução

Polícia de Praia Grande investiga morte de investigador

Eduardo Velozo Fuccia

A polícia já tem informações sobre a execução a tiros de fuzil e de pistola do investigador Evandir Pedro de Alcântara, de 53 anos, da Delegacia de Praia Grande. O assassinato ocorreu no domingo e, segundo o delegado titular da Cidade, Aloízio Pires de Araújo, desde então, policiais de todas as unidades do Município investigam o assassinato do colega, contando ainda com o apoio de agentes de delegacias especializadas.

Ainda de acordo com a autoridade policial, as informações ainda estão sendo apuradas para se chegar à autoria e à motivação do crime. Evandir foi eliminado em um bar na Rua Otacília da Luz Brasil, na Vila Mirim, próximo à sua casa. O sepultamento acontece nesta terça-feira, às 10 horas, no Cemitério Morada da Grande Planície, em Praia Grande.

O policial foi morto logo após chegar de carro ao bar e sentar-se sozinho a uma mesa na calçada. Um Volkswagen Fox prata parou no local e dele desembarcaram dois homens, que dispararam no investigador sem lhe possibilitar qualquer chance de defesa.

Pelo menos cinco disparos atingiram Evandir e os criminosos fugiram no carro. Não demorou muito, um Fox foi encontrado em chamas na Estrada de Paratinga, em São Vicente. Como o veículo ficou totalmente queimado, não foi possível saber a sua cor e emplacamento. Porém, ao que tudo indica, ele é o mesmo automóvel utilizado na execução.

Munições

Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegou ao local em cerca de cinco minutos, mas Evandir já estava morto. Peritos recolheram no local cartuchos deflagrados de calibre 556 (fuzil AR-15) e de pistola 380. A maioria dos tiros atingiu a vítima na região torácica.

De acordo com a maioria das informações sobre o crime, Evandir foi morto por determinação de lideranças da facção Primeiro Comando da Capital (PCC) e a sua escolha ocorreu de modo aleatório, levando-se em conta o critério de oportunidade.

O assassinato trouxe um clima de apreensão aos policiais civis da região. Por residir perto do bar onde foi abatido, Evandir costumava frequentá-lo. Nesse caso, essa rotina seria do conhecimento dos matadores, que não tiveram dificuldades para surpreender o investigador. O policial civil portava uma pistola calibre 45, mas sequer teve tempo de sacá-la.

Com mais de 25 anos de carreira, Evandir era casado e teve dois filhos, um dos quais já falecido.

NEONAZISMO BRASILEIRO – Hitler exulta-se no inferno pela vitória alemã de 7 a 1… Sieg Heil!, Heil Hitler!, Heil mein Führer! 76

SOBRE A COPA E OS BRASILEIROS

Isso representa mais que um simples jogo!

Representa a vitória da competência sobre a malandragem!

Serve de exemplo para gerações de crianças que saberão que pra vencer na vida tem-se que ralar, treinar, estudar!

Acabar com essa história de jeitinho malandro do brasileiro, que ganha jogo com seu gingado, ganha dinheiro sem ser suado, vira presidente sem ter estudado!

O grande legado desta copa é o exemplo para gerações do futuro!

Que um país é feito por uma população honesta, trabalhadora, e não por uma população transformada em parasita por um governo que nos ensina a receber o alimento na boca e não a lutar para obtê-lo!

A Alemanha ganha com maestria e merecimento!

Que nos sirva de lição! Pátria amada Brasil tem que ser amada todos os dias, no nosso trabalho, no nosso estudo, na nossa honestidade!

Amar a pátria em um jogo de futebol e no outro dia roubar o país num ato de corrupção, seja ele qual for, furando uma fila, sonegando impostos, matando, roubando!

Que amor à pátria é este! Já chega!!!

O Brasil cansou de ser traído por seu próprio povo!

Que sirva de lição para que nos agigantemos para construirmos um país melhor!

Educar nossos filhos pra uma geração de vergonha!

Uma verdadeira nação que se orgulha de seu povo, e não só de seu futebol!!

É isso ai! Falei!

_________________________________

Verdade, Fred Flintstone!

Nós brasileiros devemos nos espelhar no grande exemplo alemão.

Deveríamos construir a nossa grandeza escravizando os povos vizinhos , roubando , matando e espoliando os bens das nações mais fracas.

E ainda que , ao final , derrotados , com aquele jeitinho pederasta de ser de um ariano típico , negociarmos uma capitulação subsidiada pelas vítimas.

Ou nos sustentam ou faremos novas guerras. 

Sieg Heil!, Heil Hitler!, Heil mein Führer!

Que o mundo tenha pena de nós, pois fomos enganados pelo nosso Führer e sua propaganda diabólica.

Somos mais inocentes do que os Judeus que queimamos vivos; depois de roubarmos seus bens materiais, seus dentes, seus pelos,  seus cabelos e suas almas.  

Pagaremos nossa dívida de guerra em suaves prestações, contando com a tibieza política e interesses escusos de outros facínoras . 

Vamos educar nossos filhos como cientistas.

Verdade, na Alemanha todo mundo é PHD, até o catador de lixo.

Mas todo esse esforço e competência jamais limpará o sangue inocente pelas mãos dos alemães.

Continuam animais! 

Triste não é perder de 7 a 1, triste é ter que tolerar e sociabilizar com essa escória humana que se autoindulgencia e se autoabsolve das atrocidades cometidas em duas grandes guerras ; pior ainda conviver com seus admiradores.

Vergonha nada!

O brasileiro tem muito mais do que futebol para se orgulhar; muito mais do que os alemães.

adolf_hitler

Eleições 2014 139

Caro Dr. Guerra,

Sou apartidário, mas ouvindo comentários dos colegas da PC, tenho a sugestão abaixo, a qual se faz necessária uma discussão, motivo pelo qual solicito postagem no prestigiado Flit.

Abraços.

Anderson

……………………………………………

ELEIÇÕES 2014

Pessoal, mudando de foco, se acaso desejarem mudanças acho primordial repensarmos noutros candidatos, seja pra Governador de SP, Presidente, Deputados…,  UM ÚNICO MANDATO basta para um bom candidato fazer o suficiente para o ESTADO!!

Nesse sentido, para o governo de SP, se com o SKAFF o problema for o ex secretário da SSP, FERREIRA PINTO, nada melhor que NOSSOS SINDICATOS e ASSOCIAÇÕES, fizessem POLÍTICA, ou seja, um pacto, um acordo de compadres, com o CANDIDATO PAULO SKAFF, para que, em caso de vitória, fosse eleito um SECRETÁRIO DA SEGURANÇA PÚBLICA diferente do FERREIRA PINTO!!!!

Até melhor sugiro que num pacto que tal SECRETÁRIO fosse um DELEGADO DE POLÍCIA (por dois anos) alternado com um OFICIAL DA PM (também por dois anos), numa SECRETARIA DE SEGURANÇA mista, com as duas instituições engajadas em MUDANÇAS!!!!!!!!!!!

A Corregedoria da Polícia Civil pede socorro 112

Caro Guerra, você que sempre nos prestigiou, publicando comentários, por vezes verdadeiros desabafos, de interesse institucional, gostaria que alertasse as autoridades constituídas deste Estado a grave crive de pessoal enfrentada por nossa casa censora.

Prezados Senhores

Secretário da Segurança Pública, Delegado Geral da Polícia Civil, Corregedor Geral da Polícia Civil
Sabemos do pesado fardo que lhes foi legado pela administração anterior, mas como integrante do corpo funcional da Corregedoria Geral da Polícia Civil, não posso deixar de manifestar a enorme preocupação de todos com a gravíssima situação de esvaziamento total do órgão na atual gestão, com certeza, a mais severa crise de recursos humanos dos últimos anos. Basta o simples confronto entre o efetivo do órgão no início da atual gestão em Janeiro de 2013 com o efetivo atual.
A atuação dos policiais que integram o corpo funcional da Corregedoria Geral da Polícia Civil não está adstrita apenas aos inquéritos policiais e apurações preliminares que são procedimentos de natureza inquisitiva, mas, principalmente, mas também nos procedimentos contraditórios, sujeitos ao devido processo legal estabelecido na lei orgânica da polícia, com observância irrestrita dos princípios do contraditório e da ampla defesa, com intensa atuação de advogados que militam na área. São procedimentos com prazos prescricionais curtos e que se completam após inúmeras audiências, as quais nem sempre se operam nas datas aprazadas.
A falta de funcionários tem sobrecarregado os demais, com inegável comprometimento das condições de saúde de todos, estimulando pedidos de aposentadoria e afastamentos para tratamento de saúde. A situação reflete diretamente na instrução deficiente e morosa dos procedimentos. Não podemos ficar a mercê de eventual responsabilização administrativa ou até mesmo penal em razão de desídia para a qual não concorremos.
A Corregedoria Geral da Polícia Civil desenvolve importantes apurações, algumas das quais acompanhadas e compartilhadas por órgãos especializados da estrutura organizacional do Ministério Público, como o GAECO e o GECEP, não podendo ter sua atuação comprometida pela grave defasagem de recursos humanos que atravessa.
É humanamente impossível um escrivão secretariar 50 procedimentos contraditórios, com inúmeras audiências previamente agendadas e, simultaneamente, responder por outros 50 do colega que entrou de férias.
O acima alinhavado pode ser constatado a qualquer hora do dia, por qualquer das autoridades acima nominadas mediante apresentação do acervo em qualquer dos cartórios das divisões que integram o órgão.
A crise de falta de funcionários é grave e o pior é que poderá se agravar ainda mais se nada for feito. Por incrível que possa parecer, quando você imagina que piorou tudo, sempre aparece uma mente iluminada para piorar um pouco mais.

DELTA UNO – ORIGINAL – O metamórfico Renato Nalini e a aposentadoria dos policiais civis aos 65 anos 132

hipocrisiaCaro Dr. Guerra, boa tarde!

Após um longo (mas não tenebroso) inverno, torno a estas plagas nada inóspitas (“quase” parafraseando um antigo “Desembargador” de Polícia[sic] que tinha, até, assessor “ghost writer”…).

“Fliteiro” da Velha Guarda, na realidade, sempre estive, como diria nossa companheira Suely, “acompanhando…”.

A propósito desta extravagante decisão da Presidência do TJ paulista, não posso deixar de me manifestar, trazendo à colação de todos o posicionamento do Exmo. Presidente do TJ, à época em que exercia o árduo mister de Corregedor Geral de Justiça, a respeito da aposentadoria compulsória aos 70 anos.

Era notoriamente contra. Considerava-a prematura e contraproducente.

Seguem trechos:

“A compulsória não resiste a uma análise de custo-benefício e se afasta de qualquer lógica. Faça-se o levantamento de quantos aposentados compulsoriamente ainda vivem e qual sua idade. Some-se o valor dos proventos ao dos subsídios pagos àqueles que os substituíram.
(…)”

“Não é apenas no Judiciário, mas no Ministério Público, nas Universidades. A lenda do “País Jovem” já não corresponde à realidade. O Brasil envelhece. Seus jovens morrem no trânsito, morrem de overdose, morrem de Aids. Ficam os “velhos”, que precisam ser mantidos por uma Previdência que já é deficitária e que, em breve, chegará ao caos.
(…)”

“Mesmo assim, os que se consideram longe da compulsória continuam a justificar que se afaste a velharia. Vão ter de pagar proventos e depois pensões, por algumas décadas.
(…)”

Aqui, o link com o texto completo de Sua Excelência, que, acertadamente, à época, empregou o título “País pouco inteligente”:

http://renatonalini.wordpress.com/2012/10/10/pais-pouco-inteligente/

Umas quadras de tempo antes, ao defender a aposentadoria compulsória apenas aos 75 anos, o destacado Desembargador em apreço consignou, em seu twitter:

“Mas os jovens têm pressa. Pensam que uma reforma que passe a compulsória para os 75 anos será ‘o fim da carreira’.Preferem ‘o fim da picada’ ”

Segue, também, link: https://twitter.com/renatonalini/status/101276844992643072

Snap 2014-07-05 at 17.56.49

Sua Excelência, o presidente da egrégia Corte de Justiça paulista, a maior da América Latina, hoje, quiçá, venha a consignar, em suas redes sociais, a reiteração do gênio Raulzito: “…Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante…”

Já eu, prefiro repetir o velho Machado de Assis: “Mudaria o Natal ou mudei eu?”

Forte abraço.

——————————————-

Caro Delta, inicialmente destaco a nossa alegria por saber que não nos abandonou; que continua vivo e forte.  

Em relação ao desembargador presidente do TJ , nenhuma semelhança ao nosso Rauzito – ouso afirmar que ele está mais para “Moisés” como sempre esteve o hoje aposentado compulsoriamente  “desembargador de polícia” ; aquele que promoveu a nossa demissão a título de “higienização” da Polícia Civil.  

Moisés – em sentido pejorativo: pessoa que não pratica aquilo que doutrina.

Também , pudera!

A doutrina era do “caneta” (“ghost writer” ). 

Nalini , aparentemente , só defende os próprios interesses; como falta-lhe pouco mais de um ano para completar os 70 anos,  advoga a tese de que o legislador ordinário possui competência para diminuir ou  aumentar o parâmetro constitucional de 70 anos para aposentadoria compulsória.

Certamente continua torcendo para que os magistrados aposentem-se tão-só aos 75 anos.

E que danem-se os policiais civis aposentados aos 65.  

Policial civil tem que reaprender como tratar as pessoas: Às vítimas nosso carinho, aos vagabundos porrada e chumbo…( Polícia não pode ser manso ) 45

Muito melhor ficar na delegacia fazendo boletim pra população do que fazer papel de policia.

Esses que falam que “dessa maneira libera policiais para sua função” nunca entraram numa viatura ou favela.

Vai tomar no cu. O bagulho ta louco na rua. E nem falo de PCC , ladrão ….to falando da população mesmo.

Ninguém respeita mais porra nenhuma. Policia que quer sair com seu parceiro e fazer policia só leva fumo. De tudo qto é lado.

Até do Delpol da própria delegacia qdo vc traz um desacato. Vc só toma no cu.

Então é melhor fingir que trabalha e principalmente FINGIR QUE O GOVERNO PAGA……do que o seu chefe para segurar a cadeira ficar cobrando produção e te mandando pro abate.

Aqui ninguém é cuzao não. Pelo contrario: sou o cara que segura a pica na rua. Aquele que o chefe coloca o tiozinho com um pica pau, a tiazinha que quer aposentar pra ir cumprir denuncia anônima.

Quem se ligou no que eu quis dizer fica na bola de meia.

Valorize seu passe. Só vai fazer policia se derem um parceiro bom, equipe boa, um delpol por trás que não se incomoda em por no papel o que vc passar na rua.

Blablabla do Caralho esse negocio de “aí cada um faz sua função de fato…”

Vai demorar uns 20 anos pra PC mudar a cara.

Falar em “libera pra fazer policia” é fácil falar qdo vc é um vampirão do parceiro em todos os sentidos.

Na boa: tem meia dúzia de policia que sabe fazer policia na rua sem ser abatido ou ir pra rua….

Só não morre um policial civil por dia justamente pq ta todo mundo engessado nesse sistema. Até pq ta todo mundo desanimado.

Quero ver passar esse pessoal “administrativo” (que só trabalha dentro de DP) pra rua ….

Não é bem assim…

O Governo e a própria policia não dá amparo.

MINHA .45 TEM 16 ANOS!!!!!

EU DISSE 16 ANOS!!!!!

E vai lá pedir uma arma….kkkk

Vai lá pedir munição pra treinar….kkkkk

Ouso a dizer: 50% das pistolas que os policiais civis carregam e acham que funcionam trava no 2 tiro.

Muita calma nesse blablabla de “liberar pra rua…

Major Olímpio: “Os jovens policiais estão desesperados” 45

“Os jovens policiais estão desesperados”

 A PONTE 
Em entrevista à Ponte, o deputado estadual Major Olímpio (PDT)  fala de ameaças sofridas por policiais, da falta de proteção por parte do Estado, dos PMs mortos neste ano e de como a guerra diária nas periferias é uma luta entre pessoas de mesma origem social.

Representante dos policiais militares na Assembleia, Olímpio afirma que os integrantes da corporação estão abandonados e que o clima é de insegurança geral, o que pode despertar o desejo de fazer “justiça com as própria mãos” . Ele explica como esse ciclo evolui e o que gera, do ponto de vista dos policiais militares.

Na zona leste, houve muitos confrontos com mortes envolvendo a polícia neste ano. Esse clima faz com que o policial atire primeiro e pergunte depois?

Traz insegurança, sujeição ao erro de avaliação e também outra coisa muito perigosa para a sociedade. Quando os homens da lei não acreditam mais na lei, já que a lei não funciona, procuram muitas vezes estabelecer a lei do cão. Assim foram as criações das milícias no Rio de Janeiro, com ex-policiais e membros das Forças Armadas. Eles diziam “vamos tirar os traficantes dos morros”. Tiraram e é a mesma forma de atuação e extorsão das pessoas. Isso é perigosíssimo. Você acaba gerando o policial pé-de-pato, que é um matador de aluguel. “Não dá no caixa 1, vai no caixa 2″, ele diz. Isso é perigosíssimo.

Você quer saber se temos esse sentimento hoje? Nós temos. E a própria sociedade faz uma interrogação disso. Opa, matam um policial e assassinam 12 pessoas 24 horas depois, em Campinas? Matam um policial e 14 pessoas em uma noite, em Sorocaba? Não adianta dizer que não tem causa e efeito, que não tem relação nenhuma. Porque a sociedade faz essa relação. Então, o que gente sempre tenta dizer para os policiais: a lei é omissa ou é dura, mas é a lei. Não dá para pressupor um sistema de segurança que não esteja amparado na lei. Agora, quer saber se os policiais acreditam na lei? Cada vez acreditam menos. Isso é extremamente perigoso para a sociedade. Pensam “já que não tem jeito, antes que ele me jante, vou almoçá-lo”. Os presídios para policiais estão lotados, muitas vezes, de policiais que não tinham o ânimo de enveredar pela corrupção, mas [foram presos] por excessos. Nesse imaginário, no desespero, acabam tentando fazer justiça com as próprias mãos. A sociedade não quer e não pode aceitar. Precisamos mudar a lei? Precisamos. Mas enquanto não mudamos, temos uma lei que juramos defender.

Quando os homens da lei não acreditam mais na lei, já que a lei não funciona, procuram muitas vezes estabelecer a lei do cão.

O sr. avalia que há ciclos de vingança?

É uma situação muito perigosa. Infelizmente, [isso acontece] quando o Estado não dá a demonstração de que tem o comando e a coordenação das coisas, quando o policial sabe que as informações para executá-lo saem de um presídio que deveria ser mais fechado, hermético, a respeito desse tipo de coisa. O Estado faz lançamentos. O governador vai lá para apertar o botão da detecção de metais em presídio. Em 2001, tivemos uma megarrebelião e as manchetes diziam “vamos instalar bloqueadores [de celular]“. Em 2006, novos ataques em série, “vamos instalar bloqueadores”. Agora, “vamos instalar bloqueadores”. O Estado diz que vamos gastar R$ 30 milhões com bloqueadores que não estão funcionando. Estive na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau e não estão funcionando.

O policial começa a perguntar: o que acontece para reforçar a segurança? O secretário reforçou a segurança de si próprio, o comandante da PM redobrou as escoltas e o governador aumentou as escoltas. A sensação do policial é de abandono. Eles dizem que estão na água de salsicha, nós mesmos dando proteção a cada um de nós. Temos policial que está sob ameaça e os amigos fazem a escolta dele no horário de folga. Com esse desespero todo, há um clima de insegurança para aqueles que deveriam estar mais seguros para passar isso à sociedade. A possibilidade do erro é maior, o espírito de vingança é existente, sim. Então, quando policiais estão nesse desespero de “olha, mataram um companheiro nosso”, nesse momento, as redes sociais, os grupos de policiais, podem estar sujeitos ao erro. Erro de médico e polícia a terra come. Muitas vezes, é fatal. Temos essa preocupação, os jovens policiais estão desesperados.

O policial está perdendo esse lado de um defensor intransigente da sociedade. Os que podem estão estudando para ir para qualquer outra atividade e, se possível, para polícia em outros estados, Polícia Federal ou Rodoviária Federal.

É um problema social? Pobre matando pobre?

Sem a menor dúvida. Repetindo: 99% da população da periferia não tem o instinto criminoso. São pessoas que andam três horas no transporte coletivo, estão procurando trabalho. Mas você tem 1% e a miséria facilita a ação de bandos criminosos para ocupar um espaço que seria do Estado. É muito difícil hoje, rapaz, você passar valores para uma criança da periferia menos assistida. Ele fica em casa tomando conta dos irmãozinhos, não vai para a escola porque os pais saem para trabalhar. A mãe passando valores para ele, falando que levantou às 5h e ganha R$ 800 por mês, mas tem dignidade. E tem um contraponto, o tempo todo, com o traficante falando que ele pode trabalhar de aviãozinho e ganhar R$ 50 por semana, só para entregar uns pacotinhos. “Olha a tua mãe aí, o desespero dela, você precisa dar uma vida melhor para ela”. Ele vê, sentado num caixote, vê mensalão, desvio de verba no metrô. A cooptação é um jogo terrível. Não são muitos os que enveredam para o mundo do crime, mas quando você pega 11 milhões de habitantes e fala em 1%, é gente pra caramba delinquindo.

Qual o número de PMs mortos no Estado de São Paulo em 2014?

Temos números que são assustadores. Até hoje, 18 de junho, estamos com 58 PMs mortos no Estado de São Paulo, sendo 4 em serviço e 54 fora. Há essa banalização da morte de policiais. Muitas vezes, as autoridades de governo e a própria administração da polícia, querem dizer que esses policiais foram por demais azarados, que estavam na hora e no lugar errados. É a mesma coisa que dizer que o culpado do crime é a vítima. Então a moça colocou uma saia justa e merece ou poderá ser estuprada, dando causa a isso? Isso é um absurdo também em relação ao policial. Quer se mudar o enfoque, dizer que foi vítima de latrocínio, porque [os bandidos] levam somente a arma, o que vira mais um instrumento para potencializar a criminalidade.

 Você acaba gerando o policial pé-de-pato, que é um matador de aluguel.

Como se sentem os policiais em meio a tudo isso?

Os policiais estão apavorados, se sentindo abandonados pela estrutura do Estado e, lamentavelmente, até pela própria estrutura de comando. Fui no domingo enterrar um menino, o soldado Pietro. Ele estava levando o pai para fazer uma cirurgia, houve um entrevero e ele acabou morrendo. Ele é do BPCopa [batalhão da PM voltado à Copa do Mundo]. Um dos lamentos da família —o pai e o tio são policiais e o irmão é aluno da escola de formação de soldados de Pirituba— é que não tinha uma representação, um oficial do batalhão dele. Então, além do desespero, há a sensação do abandono. “Ah, mas ele morreu no horário de folga”, dizem alguns. Era um menino que faria 24 anos de idade em dezembro. Aliás, hoje eu li no plenário a carta que a mãe dele me deu. É o sentimento de uma família de policiais sobre a tragédia, a dor, o desespero. A alegria da família foi ele ter ingressado na PM, pelo sonho de ser policial.

O policial não tem medo de enfrentar o crime. De verdade. Temos uma interpretação de que o poder do Estado deve ser muito maior. Mas, nesse sentimento do abandono, ele sente a administração da segurança pública distante. Ele não tem no chefe um aliado. Tanto que virou uma máxima entre nós, policiais, a frase “o PCC mata na hora e o governo vai matando aos poucos”.

Esse clima acontece em todo lugar?

Pergunte para qualquer policial nos 645 municípios [de São Paulo]. Nas regiões mais carentes, o cidadão está no abandono da estrutura do Estado. O policial da periferia também sofre com esse abandono estrutural em relação à própria atividade dele. Também temos verificado que os policiais morrem na folga. Antigamente, dizia que ele morria no bico. Hoje, estão matando policial do lado de casa. Por quê? O grande volume de policiais vem de origem humilde, nós somos das classes menos favorecidas da sociedade. A grande massa nossa é da periferia, mesmo. Um pequeno número envereda para o crime. São os amigos do futebol, do lazer, do baile do bairro que, de repente, um vai para o crime e outro para a escola da polícia.

“…os policiais acreditam na lei? Cada vez acreditam menos. Isso é extremamente perigoso para a sociedade”.

O sr. sabe da existência de listas de policiais para serem mortos pelo crime organizado?

Temos circunstâncias em que [essas ameaças] foram constatadas pelo setor de inteligência. São identificadas relações de policiais [ameaçados]. Temos também, lamentavelmente, a divulgação de relações de companheiros que são inescrupulosos ou que têm envolvimento com o crime e já foram expulsos do aparato de segurança pública. Eles conhecem quem são os policiais que estiveram em ocorrências mais graves. E vão colocando falsamente os nomes desses policiais em listas. Isso potencializa o terror entre policiais, famílias e amigos. Temos casos concretos, sim, em que policiais foram vítimas de ameaças. Temos situações em que as ameaças se concretizaram e o policial foi morto. O policial pode ser aguerrido, corajoso, preparado, mas ninguém, jamais, joga de forma convencional na vingança. Quem vai para a vingança usa de ardil, dissimulação, tocaia. E o elemento surpresa estará 100% contra o policial.

Quais são as condições para quem quer ser PM?

Os salários que são pagos à polícia não são suficientes para atrair indivíduos que tenham oportunidade diferenciada de formação ou a possibilidade de ganhos. São salários miseráveis. Então, ouço [queixas] de todos os cantos do estado, de todas as modalidades do serviço policial. Nas periferias, o policial sente mais o abandono. O que era orgulho virou a angústia do pai e da mãe. Eles não veem a hora de o filho passar no serviço público e sair da polícia. É desesperador.

 Até hoje, 18 de junho, estamos com 58 PMs mortos no Estado de São Paulo, sendo 4 em serviço e 54 fora.

Muitos jovens reclamam que não sentem segurança na polícia.

Tem que ter investimento do Estado de forma maciça. Exigir mais. Para ter moral para exigir mais, precisa selecionar, preparar e pagar melhor. Dar expectativa de carreira. Estive em 1992 em Nova York quando teve início a tolerância zero por lá. O Rudolph Giuliani passou um sentimento para a população de que não seria complacente com os pequenos delitos para não ser conivente com os grandes crimes. O que eles fizeram? Unificaram os sistemas de comunicação das polícias metroviárias, de trânsito, de investigação e ostensiva. Praticamente dobraram os salários e reestruturaram as carreiras. Fizeram uma depuração jamais vista dentro de um organismo policial, expulsando 25% da polícia em um período de dez anos. Então, não adianta ficar com conversa mole, dizer que tem a corregedoria. O fato de ter uma corregedoria já significa que o sistema local não funciona. Já é um negócio que vai no ensaio e erro. E você tem essas coisas, o desvio de conduta, o assédio permanente [do crime]. A única coisa que não podemos aceitar jamais é [a justificativa de] que o policial se tornou corrupto porque ganhava mal. Os bons policiais não aceitam essas circunstâncias. Quem prende o mau policial é o bom policial, mais ninguém. Não é o juiz, nem o promotor.

Como o senhor lidava com essa situação no quartel?

Sempre disse aos meus policiais que gente pobre, sem condições, entupida nos transportes públicos, é gente da gente. É o pai, a mãe, o irmão, a nossa origem é justamente essa. Não significa que seja alguém que esteja delinquindo. É inadmissível esse tipo de conduta, e os bons policiais tentam cuidar disso o tempo todo. Mas, também, com o crescimento do número de pessoas na polícia, baixos salários, carreiras estagnadas, muitas vezes você tem indivíduos que acabam passando em um processo de seleção mais frágil em função disso, com comportamento distorcido. Ele vai se manifestar no sentimento de poder, de subjugar pessoas, potencializando sentimentos que já tinha. Encontram ali, momentaneamente, o paraíso para satisfazer essas anomalias psíquicas. O uso comedido da força é difícil no serviço policial no mundo todo, em todas as circunstâncias.

Qual o impacto dos maus policiais dentro das instituições?

Hoje, no Estado de São Paulo, você tem 140 mil policiais entre civis e militares. Então, quanto é 1% ou 2% disso que pode estar no desvio [de conduta]? Um policial numa região, quando ele tem a mente criminosa, foi assediado pelo crime, consegue fazer tanta barbaridade até ser identificado… São situações trágicas para a sociedade. Infelizmente, temos aqui no país a lei mais maldita, que é a do silêncio. Há pessoas da periferia acuadas pelo crime e abandonadas pelo Estado, sem estrutura policial. Muitas vezes, elas podem sofrer, sim, a refrega do mau policial, do inconsequente, do que se tornou perigoso, do psicologicamente abalado. Têm aquele medo “e se eu denunciar?”. Tanto o criminoso quanto o policial que vira bandido tem a mesma forma de atuação, de subjugar e ameaçar. Isso facilita tanto a ação dos criminosos comuns quanto a do policial que se torna criminoso. Esse desespero é também dos policiais… Eles falam “chefe, a gente não sabe mais quem é o Papa-Mala que está do nosso lado”. Papa-Mala é o policial bandido [variação irônica de Papa Mike, como são conhecidos os PMs pelo alfabeto fonético]. Já tivemos situação de policial vender o cadastro de endereços dos colegas da companhia. Está vendendo a morte das famílias e dos outros policiais. Quando a população se queixa, é preciso ver com muito cuidado e respeito.

Qual o perfil do policial bandido, do Papa-Mala?

Os grandes Papa-Malas são extremamente disciplinados administrativamente. Têm as botas mais bem engraxadas, as roupas mais bem passadas, o cabelinho bem cortado, grandes adoradores e bajuladores dos comandantes. Por quê? Ele precisa da cobertura, de dizerem “olha, que bom policial”! Daí, ele deita e rola com o crime, extorquindo, potencializando violência. O histórico é de que precisa acontecer uma situação onde a denúncia vaze, precisa ter repercussão pública para tomar providência, senão deixa para lá, vamos passar um pano… É a polícia como um todo? Não! É a minoria, mas essa minoria hoje já é um número bastante grande, preocupa demais

Quando gente armada se sente ameaçada, pode esperar: o ruim vai ficar pior 26

Fonte: Yahoo Notícias
Passeata de familiares e amigos do policial militar soldado de Lucca, torturado e morto por bandidos/ Foto: Coletivo …Representante dos policiais militares na Assembléia Legislativa de São Paulo, ele mesmo oficial da reserva, o major Sérgio Olímpio Gomes (PDT), conhecido apenas como major Olímpio, deu uma entrevista tão reveladora quanto assustadora ao jornalista William Cardoso, do site Ponte, de Segurança Pública, Justiça e Direitos Humanos”. Diante da pergunta: Os policiais acreditam na lei?, o major –que conhece a alma militar como poucos– respondeu:
“Cada vez acreditam menos.”
Segundo ele, a descrença na Justiça leva muitos policiais a estabelecer a “lei do cão”. Gera o “policial pé-de-pato”, o matador de aluguel. “Os presídios para policiais estão lotados, muitas vezes, de policiais que não tinham o ânimo de enveredar pela corrupção, mas [foram presos] por excessos. No desespero, acabam tentando fazer Justiça com as próprias mãos.”
O major Olímpio cita uma expressão que tem sido muito usada nos quartéis:  “Não dá no caixa 1, vai no caixa 2″. Refere-se a mortes de bandidos. “Caixa 1” é a modalidade de morte de um suspeito que o policial diz decorrer de um confronto. O “caixa 2” é o homicídio praticado sem a farda, por grupos de extermínio compostos por policiais. E completa, sobre o espírito da tropa, usando outra expressão comum: “Já que não tem jeito, antes que ele me jante, vou almoçá-lo.”
Segundo o major Olímpio, é esse sentimento que explica surtos de violência como o que aconteceu em 13 de janeiro deste ano em Campinas, quando 12 pessoas foram assassinadas menos de 24 horas depois da morte do PM Aride Luis dos Santos. Ou as mortes em série de 14 pessoas em poucas horas em Sorocaba, na sequência da morte do PM Sandro Luiz Gomes, no fim de abril. “Não adianta dizer que não tem causa e efeito, que não tem relação nenhuma. Porque a sociedade faz essa relação”, afirma o oficial da reserva.
O clima de vingança torna-se ainda pior porque, desde o início do ano até o dia 18 de junho, já se contabilizam 58 PMs mortos no Estado de São Paulo, sendo 4 em serviço e 54 fora. “Há essa banalização da morte de policiais”, diz Olímpio.  E isso está deixando os policiais “apavorados”.
“Com esse desespero todo, há um clima de insegurança (…). A possibilidade do erro é maior, o espírito de vingança é existente, sim. Então, quando policiais estão nesse desespero de ‘olha, mataram um companheiro nosso’, nesse momento, as redes sociais, os grupos de policiais, podem estar sujeitos ao erro. E erro de médico e polícia a terra come. Muitas vezes, é fatal. Temos essa preocupação: os jovens policiais estão desesperados, se sentindo abandonados pela estrutura do Estado”, afirma o major.
No último domingo, eu acompanhei as 300 pessoas que desfilaram em silêncio pelo centro de Mogi das Cruzes, a grande maioria vestida de negro, para homenagear o policial militar e membro da Força Tática Rodrigo de Lucca Fonseca, assassinado aos 28 anos.
O soldado De Lucca, como era chamado, foi sequestrado na porta de sua casa, quando saía do serviço. Passou dois dias amarrado. Foi torturado. No fim, assassinaram-no com um tiro na nuca. O corpo ainda foi maltratado por outros quatro tiros. Policiais descobriram-no jogado na beira de uma estrada, no município vizinho de Suzano, no dia 24, uma terça-feira.
A passeata, toda ela feita em silêncio, foi organizada à pressas por amigos do soldado e por familiares de policiais. Em voz baixa, os parentes relataram sua rotina de medo. Medo de morrer, medo de que seus entes queridos sofram revanches do crime organizado. E reclamaram do desamparo do Estado, que, aliás, nenhum representante enviou para participar do ato.
Nem apoio psicológico foi dado aos colegas e amigos de De Lucca, que cancelaram folgas e trabalharam como loucos para tentar salvar a vida do colega, nos quatro dias em que ele ficou desaparecido.
O pior é que a espiral da violência não para de crescer,  alimentando a pauta dos programas sensacionalistas de televisão, avidamente consumidos dentro dos quartéis. Como vampiros, os apresentadores desses shows de sangue clamam por mais sangue, carne e vingança. É dessa matéria prima que é feito cada ponto deles no Ibope.
Na última terça-feira (1º de julho) o cabo da Polícia Militar Alexandre de Souza Dias foi morto a tiros da porta da casa em que morava, na zona norte de São Paulo.
Quando gente armada se sente ameaçada, pode esperar: o ruim vai ficar pior