Coronel da PM preso em operação contra jogos de azar foi chefe de gabinete da Secretaria de Justiça de SP 14

Postado em 21 de janeiro de 2018 às 8:12 am

Do G1:

Luiz Flaviano Furtado, coronel da reserva da Polícia Militar preso no sábado (20), por determinação da Justiça Militar, foi chefe de gabinete da Secretaria da Justiça de São Paulo durante a atual gestão de Geraldo Alckmin (PSDB). Neste domingo, ele passará por audiência de custódia às 10h no Tribunal da Justiça Militar do Estado de São Paulo.

Procurada, a assessoria de imprensa da Secretaria de Justiça confirmou que o Furtado foi chefe de gabinete da pasta, entre 2015 e 2016, mas informou que não se posicionaria sobre o assunto.

O coronel da reserva da PM foi preso na manhã de sábado (20) e levado para o presídio Romão Gomes, na Zona Norte de São Paulo, após denúncia ser oferecida pelo Ministério Público e aceita pela Justiça Militar. O processo está em segredo de Justiça.

Na segunda (15), ele foi preso pela primeira vez, mas liberado em audiência de custódia. Furtado foi detido em flagrante por porte de arma irregular durante a operação Cabaré, realizada pelo MP de São Paulo e pela Corregedoria da PM contra cassinos clandestinos.

Outros três oficiais da PM e duas pessoas também foram detidas na operação. Os cinco tiveram as prisões temporárias, que tinham sido decretadas na segunda, convertidas em preventivas. Furtado e os outros três PMs passarão por nova audiência de custódia neste domingo (21), às 10 horas, na Justiça Militar.

Investigador Pradão morre na Santa Casa de Santos aos 72 anos 7

Eduardo Velozo Fuccia – A TRIBUNA DE SANTOS

Estivador aposentado e advogado, ele foi presidente da escola de samba União Imperial

Leia mais em: http://www.atribuna.com.br/noticias/noticias-detalhe/policia/investigador-pradao-morre-na-santa-casa-de-santos-aos-72-anos/?cHash=c51f3cd72fee9d695caa1b961d548652

 

Considerado lenda viva da Polícia Civil e da época em que a vocação era o fator determinante para o ingresso na instituição, quando ainda não se exigia nível superior para a carreira, o investigador aposentado Carlos Alberto Prado, o Pradão, de 72 anos, faleceu neste domingo (21), às 9h40, vítima de complicações de saúde. Ele estava internado na Santa Casa de Santos havia 52 dias e completaria 73 anos de idade em 2 de fevereiro.

 

Pradão chefiou os setores de investigação de diversas delegacias e distritos policiais. Participou da elucidação de inúmeros crimes e colecionava, com muito orgulho, vários álbuns com as notícias desses esclarecimentos publicadas em A Tribuna e nos extintos jornais Cidade de Santos e Polícia Sem Censura.

Leia mais em: http://www.atribuna.com.br/noticias/noticias-detalhe/policia/investigador-pradao-morre-na-santa-casa-de-santos-aos-72-anos/?cHash=c51f3cd72fee9d695caa1b961d548652

Cria-se Vara especial em seguida uma Câmara especializada; depois o crime organizado escolhe o seu Juiz e os seus Desembargadores 32

DEMANDA SOCIAL

TJ-SP estuda criar vara especializada em lavagem e crimes contra licitações

CONJUR – 19 de janeiro de 2018, 8h55

Por Felipe Luchete

A nova cúpula da Justiça de São Paulo deverá analisar neste ano a criação de uma vara especializada para acompanhar processos sobre organização criminosa e lavagem de dinheiro, além de delitos relacionados, como crimes contra a ordem econômica e a Lei de Licitações, quando não envolverem a União.

Até o ano passado, tramitavam em São Paulo pelo menos 1.405 processos relacionados a esses delitos, segundo levantamento da Secretaria de Primeira Instância. A ideia é concentrar ações penais e investigações em andamento na 32ª Vara Criminal da capital paulista, por ser a mais nova dentre as unidades do Fórum Ministro Mário Guimarães, na Barra Funda.

O presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Manoel Pereira Calças, já aprovou parecer favorável em outubro de 2017, quando era corregedor-geral. O documento foi encaminhado ao Conselho Superior da Magistratura, formado por sete integrantes da corte. Em dezembro, o grupo preferiu deixar a análise para a gestão que assumiria agora.

Distribuir processos para diferentes juízos pode gerar decisões conflitantes, avalia o presidente do TJ-SP, Manoel Pereira Calças.
TJ-SP

Calças declarou à ConJur que criar a vara é importante para atender “essa nova reclamação da sociedade, no sentido de punição daqueles que fazem parte da máquina pública e que agem de forma ilegal”.

Ele afirma que, na falta de juízos especializados, varas distintas acabaram recebendo processos sobre a chamada “máfia dos fiscais” (sobre servidores da Prefeitura de São Paulo que cobravam propinas de empreiteiras para reduzir o valor do ISS). “Isso não é bom, até porque pode haver decisões conflitantes”, afirma o atual presidente.

O parecer, elaborado por juízes que assessoravam Pereira Calças até dezembro, também diz que a demanda por uma nova estrutura surgiu com “o crescimento dos cartéis criminosos”, que praticam crimes “de modo sofisticado e com enorme capacidade de ocultação de suas operações ilícitas”.

Para enfrentar esse novo cenário, o documento afirma ser necessário ter juízes com conhecimento de “institutos probatórios não corriqueiros”, como a delação premiada, grampos ambientais, ações controladas e alienações antecipadas.

Os autores defendem que, quando a vara for implantada, já receba todos os inquéritos e as ações penais sobre o tema. A transferência, segundo eles, não viola o princípio do juiz natural, pois o Supremo Tribunal Federal já reconheceu que é possível alterar a competência territorial em razão da matéria, sem mudar a competência material (HC 113.018).

No ano passado, o tribunal implantou, pela primeira vez, a especialização em Direito Empresarial, com duas varas no Fórum João Mendes.

Origem
A especialização de varas criminais é mais comum na Justiça Federal, nos crimes contra o sistema financeiro e que envolvam a União. Rio de Janeiro, São Paulo e Curitiba foram as primeiras varas federais com foco específico nesse tipo de assunto. Brasília vai instalar em fevereiro uma unidade especializada, também na Justiça Federal.

O grupo que planejou as mudanças foi comandado pelo ministro aposentado do Superior Tribunal de Justiça Gilson Dipp, também ex-corregedor nacional da Justiça.

Clique aqui para ler entrevista com o novo presidente do TJ-SP, desembargador Manoel Pereira Calças.
Clique aqui para saber mais sobre o TJ-SP, no Anuário da Justiça São Paulo

______________________________

Vítima de denunciação caluniosa e traído por lideranças , Fernando Capez se filiará ao PSB de Márcio França 66

Vítima de denunciação caluniosa e abandonado pelos pares de partido,  o deputado estadual Fernando Capez deve deixar o PSDB depois de 12 anos. O parlamentar tem conversas avançadas para se lançar a federal neste ano pelo PSB, partido do vice-governador Márcio França, de quem se aproximou nos últimos meses.

Em seu terceiro mandato, o ex-presidente da Assembleia Legislativa negocia a mudança desde setembro passado. França deve assumir o governo em abril com a saída de Geraldo Alckmin (PSDB) para disputar a Presidência e já se lançou candidato à reeleição.

Capez foi traído e abandonado por líderes do partido após o escândalo da merenda, em 2016. Nesta semana, ele foi denunciado pelo Ministério Público Estadual acusado de ter recebido propina por contratos da Secretaria Estadual da Educação.

O deputado Fernando Capez nega e diz que a denúncia tem “cunho político eleitoral”.

Titular da Seccional de Santos cotado para assumir a Delegacia Geral 32

Conforme conversas após reunião do Conselho da Polícia Civil , o Dr.  Gatto poderá assumir a DGP e chefiar todos os policiais civis do estado.

Por enquanto não há nada oficializado, mas é certo que , no mínimo,  já faz por merecer um assento no Conselho da Polícia Civil.

Manoel Gatto Neto  é atual delegado seccional de Santos.

Anteriormente foi  o titular da Delegacia Seccional de Jacupiranga,  além de diversas delegacias da região de Registro .

 

Berço e reduto eleitoral do vice-governador Márcio França que deverá assumir o governo em abril.

 

Com 53 anos de idade e 29 como delegado, Gatto também é professor concursado da Academia de Polícia e pós-graduado em Direitos Humanos, Segurança Pública e Sistemas de Justiça Criminal.

 

Se notabilizou pelos excelentes trabalhos realizados  em São Vicente, Praia Grande, Cubatão, Guarujá e Bertioga, além de Santos,  sendo promovido por merecimento à classe especial.

Pessoa ilibada tem muito carinho pelos operacionais.

Desgraça pouca é bobagem: carcereiro com veículo apreendido investigando tráfico no fim de semana…( Conta outra! ) 84

Desgraça pouca é bobagem.
A infeliz coincidência é que a segunda morte em decorrência de racha acontecida na Av. Heitor Penteado, área do 23º DP, tem policial civil envolvido com o fato.
O surreal é a “estória” apresentada. Vamos lá:
O veículo, aquele do tipo Fiat pequeno caro pra cassete, salvo engano meu importado, havia sido apreendido no 30º DP, por força de uma investigação sobre tráfico de entorpecente, e depositado para um carcereiro, o qual o estava utilizando num final de semana, numa outra investigação de tráfico quando foi roubado, lógico que antes do repugnante atropelamento exaustivamente explorado na mídia de todo o Brasil.Para comprovar o fato o “depositário” registrou BO a respeito.
Perguntas:
1) É comum se depositar veículo de alto valor de mercado apreendido em investigação de tráfico de entorpecente para policial, mormente carcereiro?. Quem fez o depósito comunicou à autoridade processante?. Havia inquérito policial instaurado?

2) Segundo a reportagem veiculada no programa Brasil Urgente do Datena, o carcereiro lotado no 30º DP, “depositário” do veículo, estava, no final de semana, utilizando o veículo numa investigação de tráfico quando o mesmo foi furtado. Carcereiro fazendo investigação? Investigação no final de semana? Se fazia investigação, a que inquérito policial se referia? Estava na posse de Ordem de Serviço que comprove o fato?

3) Disse ter registrado o furto, curiosamente momentos antes do atropelamento, sendo que o veículo foi localizado no 52º DP que por coincidência é ao lado da área do 30º DP onde o “depositário” do veículo trabalha.

Essa estória está muito mal contada. Não parece razoável que a morte de um cidadão de bem não seja minuciosamente apurada e responsabilizados seus autores, não importando quem sejam, pois na verdade são verdadeiros irresponsáveis e assassinos.

Deve ser feita minuciosa apuração quando a lavratura dos BO’s de furto e de Localização desse veículo, instrumento do crime de Homicídio Doloso, e as circunstância de seu depósito na delegacia que onde foi apreendido.

Esta me cheirando aqueles casos de apadrinhamento por força da capacidade coletora do apadrinhado.

Tem rato nessa tuba.

Me ajuda aí DATENA, acompanha essa bagaça.

Me ajuda aí Ministério Público.

Por: COLABORADOR LOTADO NA BRIGADEIRO TOBIAS, 527, 9º ANDAR…

Sublime manifestação do Dr. Ronaldo Tovani acerca da mentirosa denúncia em prejuízo do deputado Fernando Capez 41

Acho pouco provável (para não dizer “nada provável”) que o deputado Fernando Capez esteja envolvido nesses afirmados crimes.
E digo isso por vários motivos.
O primeiro deles é a pouca credibilidade que o MP de SP dispõe na atualidade, no que se refere a fatos investigados pelos denominados “grupos especiais” do MP, como o GAECO, dentre outros. Aliás, não teria sido esse mesmo procurador-geral de Justiça que, segundo confissão em carta pessoal, teria aliviado para o lado da promotora de Justiça comprovadamente envolvida nas escutas ilegais e criminosas fincadas nas entranhas da Corregedoria da Polícia Civil?
O segundo motivo são os antecedentes de retidão profissional, pessoal e familiar do deputado, reconhecida nas urnas pelas consagradas votações que já obteve.
O terceiro motivo – e que também deve ser levado em conta – é a própria condição econômica do deputado, que além de parlamentar é membro do próprio MP que o acusa (e onde, obviamente não tem unanimidade), professor e jurista consagrado.
O quarto motivo – e vou ficar por aqui, apesar de dispor de outros motivos para mencionar – é o ridículo valor do suposto “roubo”. Inteligente como é, não seria por um irrisório valor desse que o deputado, se bandido se tivesse tornado depois de velho, iria se arriscar.
Enfim, não será o deputado o primeiro nem o último a ser atingido por uma denúncia, digamos, descuidada, para se dizer o menos.
O desembargador relator, no entanto, me parece ser uma pessoa lúcida, tanto que indeferiu de cara a boba tentativa de afastamento do deputado de seu mandato.

Ronaldo Tovani

Advogado e professor universitário, juiz de direito aposentado, ex-promotor de justiça, ex-delegado de polícia.

Fernando Capez está sendo vítima da inveja de seus colegas do MP, menos brilhantes e menos influentes…Será absolvido, tranquilamente! 28

VONTADE DO POVO

Justiça nega pedido do MP-SP e mantém Capez no cargo de deputado estadual

Por Fernando Martines

Tirar o mandato de um deputado em decisão monocrática seria desrespeitar a vontade do povo. Assim entendeu o desembargador Sérgio Rui, membro do Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo, ao negar nesta terça-feira (16/1) pedido do Ministério Público de São Paulo para que o deputado estadual Fernando Capez (PSDB) fosse afastado do cargo.

Desembargador ressaltou que Capez foi o deputado mais votado do estado. 

O procurador-geral de Justiça, Gianpaolo Smanio, acusou Capez de participar de desvios em contratos de merenda escolar. Um dos pedidos era que o deputado fosse afastado de seu cargo e de sua função como procurador de Justiça – ofício originalmente desempenhado por Capez antes de assumir cargo na legislatura.

Segundo Smanio, Capez estaria utilizando sua influência como deputado para cometer crimes e por isso deveria ser afastado. Diziam ainda que haveria o risco desse poder como legislador ser utilizado para constranger testemunhas e influenciar no julgamento.

Para Sérgio Rui, porém, “conferir a uma penada em decisão monocrática, na gênese de expediente cuja denúncia sequer fez jus à mensuração de seus predicados, a suspensão do exercício do mandato é encetar a apologia do desvalor da vontade do povo”. O tucano foi eleito com mais de 300 mil votos, sendo o primeiro colocado na disputa.

O julgador ressaltou que a representação criminal já tem quase dois anos e em nenhum momento se cogitou a periculosidade de Capez ou se falou sobre a possibilidade dele ameaçar testemunhas.

Fernando Capez nega qualquer participação em irregularidades. Ele é defendido pelo criminalista Alberto Toron.

Lavagem de dinheiro 
O Ministério Público de São Paulo ofereceu denúncia contra o deputado estadual Fernando Capez, sob acusação de desvio de R$ 1,1 milhão em verbas da merenda escolar. Capez, que tem origem no MP e hoje está licenciado, foi acusado pelo procurador-geral de Justiça de São Paulo, Gianpaolo Smanio, de praticar corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Clique aqui para ler a decisão. 

Cúpula da Polícia Civil afasta delegado titular do 80º DP que defendeu policiais subordinados…( Esse caso ainda vai azedar a vida de muita gente ! ) 17

Dois policiais civis presos por PMs em SP são soltos por falta de provas

Luís Adorno
Do UOL, em São Paulo

  • Alex Silva/Estadão Conteúdo

    Policiais civis teriam sido presos injustamente por PMs; Corregedoria vai investigarPoliciais civis teriam sido presos injustamente por PMs; Corregedoria vai investigar

Dois policiais civis presos por policiais militares na semana passada, em Mauá, na região metropolitana, sob a suspeita de estarem envolvidos em um assalto a banco, foram liberados pela Justiça Federal de São Paulo após audiência de custódia ocorrida na quinta-feira (11).

Os policiais do 80º DP (Distrito Policial), na Vila Joaniza, zona sul de São Paulo, passaram dois dias presos. No entanto, a juíza Eliane Mitsuko Sato entendeu que não havia elementos o suficiente para comprovar que os policiais estavam em conluio com os criminosos.

Segundo a juíza, havia no caso “várias divergências e inconsistências” relativas à suposta colaboração dos policiais civis no assalto a banco. Por isso, eles foram liberados e a Corregedoria da PM foi acionada para investigar se houve má-fé dos policiais militares envolvidos na ocorrência.

A audiência de custódia, a qual os policiais foram submetidos, é o instrumento judicial que determina que todo preso em flagrante deve ser levado à presença da Justiça, em até 24 horas, para que seja avaliada a legalidade e a necessidade de manutenção da prisão.

Segundo a PM (Polícia Militar), uma agência da Caixa Econômica Federal, localizada no bairro de Vila Bocaina, foi alvo de um bando quando um carro-forte da empresa Protege chegou para repor o dinheiro no local na manhã da terça-feira (9). Quatro homens armados renderam os funcionários da empresa privada e do banco e efetuaram o assalto.

Pouco depois, na região do crime, policiais militares informaram que detiveram sete suspeitos, sendo três policiais civis –depois, ficou constatado que eram dois policiais e um ex-policial civil, exonerado em 2008.

Em nota, a SSP (Secretaria da Segurança Pública) vinha informando que “armas e dinheiro foram apreendidos e sete pessoas detidas pela PM, entre elas, dois policiais civis que foram autuados em flagrante pelos crimes de concussão e prevaricação e encaminhados ao Presídio Especial da Polícia Civil.”

O delegado do 80º DP, Pedro Luis de Sousa, afirmou ao UOL que os policiais “foram liberados pela juíza federal independentes de medida cautelar e sem pagamento de fiança”. “Quanto aos meus policiais, após injustiçados, voltaram ao trabalho”, disse.

“Em face dos depoimentos dos ladrões de banco na audiência de custódia, os quais, diga-se de passagem, estavam presos pelos policiais civis, a juíza determinou a remessa dos autos a Corregedoria da PM par apuração do crime de falso testemunho por parte daqueles milicianos”, complementou Sousa.

Fontes ligadas à cúpula da Polícia Civil informaram à reportagem que, após o incidente, o delegado será afastado da delegacia. Ele recebeu a informação do afastamento nesta segunda-feira (15). “Os policiais foram passados como ladrões. Eles têm família, têm filho e saíram como bandidos. Ocorreu uma injustiça”, argumentou Sousa.

Procurada para comentar a decisão da audiência da custódia e o afastamento de Sousa, a SSP se limitou a informar que “o caso foi apresentado junto à Polícia Federal. Após audiência de custódia os policiais civis foram liberados. O caso segue sendo investigado pela Polícia Federal e posteriormente será julgado pela Justiça Federal.”


Espelho da nossa feiura !

O pensamento policial é bem simples: defendeu e testemunhou por estar correndo junto ( concorrendo com o crime ). 

E por enquanto o fato de a magistrada ter determinado a soltura dos policiais não equivale a absolvição ou arquivamento do inquérito em relação a ambos.  

Na esfera administrativa – independentemente da criminal em trâmite pela Justiça Federal ,  serão submetidos a processo administrativo que poderá culminar em demissões. 

Delegado conclui que jovem achada morta na Riviera de Bertioga se enforcou após a festa da passagem do ano; descartando envolvimento do namorado 11

Polícia conclui que jovem achada morta após réveillon se enforcou

Gabrielly Teixeira Santos, de 20 anos, ficou seis dias desaparecida. Polícia chegou a desconfiar que suicídio poderia ter sido forjado.


Por G1 Santos

 

Gabrielly e Sillas passaram a noite de réveillons juntos em Bertioga, SP (Foto: Arquivo Pessoal)Gabrielly e Sillas passaram a noite de réveillons juntos em Bertioga, SP (Foto: Arquivo Pessoal)

Gabrielly e Sillas passaram a noite de réveillons juntos em Bertioga, SP (Foto: Arquivo Pessoal)

A Polícia Civil descartou, na manhã desta terça-feira (16), que Gabrielly Teixeira de Oliveira Santos, de 20 anos, encontrada morta em um matagal na Riviera de São Lourenço, em Bertioga, no litoral de São Paulo, tenha sido vítima de um crime. A investigação também afastou qualquer envolvimento do namorado dela no caso.

O corpo de Gabrielly foi encontrado no último dia 6, com uma corda no pescoço, pendurada, mas não suspensa, no galho de uma árvore em um matagal no condomínio de luxo. A cena da ocorrência era atípica e fez a polícia desconfiar, inicialmente, que um suicídio poderia ter sido forjado para esconder um homicídio.

“Para nós, os fatos já estão esclarecidos, mesmo faltando ainda a remessa do laudo necroscópico. Toda a prova reunida na investigação aponta para o suicídio, incluídas, aí, as informações prévias recebidas do IML a respeito das lesões apresentadas pela vítima”, diz o delegado Sérgio Nassur, responsável pelo caso.

Gabrielly morava em São Vicente, SP, segundo informações da polícia (Foto: Arquivo Pessoal)Gabrielly morava em São Vicente, SP, segundo informações da polícia (Foto: Arquivo Pessoal)

Gabrielly morava em São Vicente, SP, segundo informações da polícia (Foto: Arquivo Pessoal)

Preliminarmente, os médicos legistas informaram a Nassur que Gabrielly morreu em decorrência de asfixia, e que não havia outra lesão pelo corpo. Inicialmente, havia a desconfiança de um trauma no crânio. O desaparecimento dela por seis dias, sem que qualquer pessoa acionasse a polícia, inclusive o namorado, intrigou.

“Já é possível cravar que não houve crime. A investigação aponta para a ocorrência de suicídio, sem sombra de dúvidas a esta altura. Não tenho mais nenhuma dúvida a respeito disso”, afirmou o delegado. Sérgio Nassur também teve acesso a conversas obtidas pelo G1que registram os últimos momentos da jovem.

“Quanto a tais áudios, são irrelevantes. Eu os ouvi, e não acrescentam nada à investigação do fato, salvo que a vítima passava por esse tipo de problema. Não é possível estabelecer qualquer ligação entre isso e a morte dela”, afirmou o delegado, que ainda aguarda o laudo necroscópico para encerrar o caso.

Corpo da jovem foi encontrado por turistas em condomínio de luxo em Bertioga, SP (Foto: Arquivo Pessoal)Corpo da jovem foi encontrado por turistas em condomínio de luxo em Bertioga, SP (Foto: Arquivo Pessoal)

Corpo da jovem foi encontrado por turistas em condomínio de luxo em Bertioga, SP (Foto: Arquivo Pessoal)

O caso

Gabrielly ficou desaparecida por seis dias, mas o namorado, conhecidos e familiares não acionaram as autoridades. O corpo dela foi encontrado por turistas que caminhavam pela Alameda do Remo, na Riviera de São Lourenço, durante a noite do dia 6 de janeiro, após sentirem forte odor proveniente do local.

A princípio, o caso era tratado como um suicídio, uma vez que a jovem estava com uma corda amarrada ao pescoço e parcialmente pendurada em um galho de árvore em meio a um matagal. Um possível afundamento do crânio foi registrado no boletim de ocorrência, mas o fato foi posteriormente descartado pelo IML.

“O nó da corda estava embaixo do queixo dela, mas, geralmente, teria que ficar atrás, na nuca. Os pés dela também tocavam o chão e ela não estava completamente suspensa. A cena que estava ali não é padrão de suicídio, por isso foi registrado como morte suspeita”, explicou o delegado na época.

A autoridade policial apurou, ainda, que a jovem havia brigado com o namorado na noite réveillon, não morava com os familiares desde os 15 anos e que passou a viver sozinha recentemente. A mãe dela é falecida e havia lhe deixado uma pensão, de onde tirava o sustento. O caso foi registrado na Delegacia Sede de Bertioga.

Polícia Civil investiga as circunstâncias da morte de Gabrielly em Bertioga, SP (Foto: Arquivo Pessoal)Polícia Civil investiga as circunstâncias da morte de Gabrielly em Bertioga, SP (Foto: Arquivo Pessoal)

Polícia Civil investiga as circunstâncias da morte de Gabrielly em Bertioga, SP (Foto: Arquivo Pessoal)

Oficiais da antiga reserva moral do estado foram presos por envolvimento com a jogatina…( Mas não são eles que dizem que todo Delegado é ladrão ? ) 19

Coronel da PM é preso em operação contra jogos de azar em SP

Ele foi levado a audiência de custódia e liberado. Outros três oficiais tiveram prisão decretada. Ação de combate a cassinos clandestinos envolveu 20 promotores e 208 policiais.


Por Walace Lara e Robinson Cerantula, TV Globo

 

Dinheiro apreendido durante a Operação Cabaré (Foto: Divulgação/MPSP)Dinheiro apreendido durante a Operação Cabaré (Foto: Divulgação/MPSP)

Dinheiro apreendido durante a Operação Cabaré (Foto: Divulgação/MPSP)

 

 

 

 

 

 

 

 

Um coronel da Polícia Militar foi preso em operação realizada nesta segunda-feira (15) pelo Ministério Público (MP) de São Paulo e pela Corregedoria da corporação contra cassinos clandestinos. Outras duas pessoas e mais três oficiais também foram detidos na operação, intitulada Cabaré.

O coronel é Luiz Flaviano Furtado, que está na reserva. Contra ele havia um mandado de busca e apreensão. Na casa dele foi encontrada uma arma irregular e, por isso, o oficial foi preso em flagrante. Na audiência de custódia o juiz decidiu liberá-lo. Ele irá responder ao processo em liberade.

Os demais detidos tiveram prisão temporária (de cinco dias) decretada. O G1 procurou a assessoria de imprensa da PM e aguardava resposta.

Bingo que ficava na Zona Sul de São Paulo (Foto: Divulgação/MPSP)Bingo que ficava na Zona Sul de São Paulo (Foto: Divulgação/MPSP)

Bingo que ficava na Zona Sul de São Paulo (Foto: Divulgação/MPSP)

Quatro pessoas são procuradas pela Justiça, dentre elas dois donos de bingos. Os nomes destes envolvidos não foram divulgados.

Vinte promotores de Justiça do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) e 208 policiais militares foram destacados para cumprir 35 mandados de busca e apreensão e nove de prisão expedidos tanto pela Justiça Comum como pela Justiça Militar. A Polícia Técnica e servidores da Prefeitura deram apoio à operação.

Também foram apreendidas cinco armas de fogo, munições e mais de mil máquinas caça-níqueis.

Máquinas caça-níqueis em bingo descoberto em ação do MP com a Polícia Militar (Foto: Divulgação/MPSP)Máquinas caça-níqueis em bingo descoberto em ação do MP com a Polícia Militar (Foto: Divulgação/MPSP)

Máquinas caça-níqueis em bingo descoberto em ação do MP com a Polícia Militar (Foto: Divulgação/MPSP)

Zona Sul

A investigação foi feita pela 4ª auditoria da Justiça Militar, que descobriu que os PMs agiam na Zona Sul de São Paulo. A operação ocorreu em vários endereços, incluindo imóveis na região de Moema, bairro nobre da região.

A Cabaré está sendo apontada como “uma das maiores operações de caça níqueis da história”, segundo fontes ouvidas pela reportagem. Foram destruídas numa única ação 1.054 máquinas. Quinze foram apreendidas. Cada máquina tinha valor médio de R$ 25 mil. “Só em equipamento são mais de R$ 20 milhões”, disse a fonte.

Um dos endereços fica na Avenida Interlagos, também na Zona Sul. “Nesta casa tinha sistema de segurança com reconhecimento facial. A pessoa só entrava se passasse pelo reconhecimento do rosto”, acrescentou.

Máquinas de video-bingo em cassino clandestino na Zona Sul de SP (Foto: Divulgação/MPSP)Máquinas de video-bingo em cassino clandestino na Zona Sul de SP (Foto: Divulgação/MPSP)

Máquinas de video-bingo em cassino clandestino na Zona Sul de SP (Foto: Divulgação/MPSP)

Jovem mandou áudios para o namorado dizendo que ia se matar após briga, diz advogado…( Tá certo, mas o celular não foi esquecido no carro da testemunha ? ) 43

Jovem mandou áudios para o namorado dizendo que ia se matar após briga, diz advogado

Polícia em Bertioga (SP) investiga se jovem, de 20 anos, foi vítima de homicídio. Namorado, que não é considerado suspeito, nega que a tenha matado.


Por G1 Santos

 

Gabrielly e o namorado na noite de Ano Novo em festa em Bertioga, SP (Foto: Arquivo Pessoal)Gabrielly e o namorado na noite de Ano Novo em festa em Bertioga, SP (Foto: Arquivo Pessoal)

Gabrielly e o namorado na noite de Ano Novo em festa em Bertioga, SP (Foto: Arquivo Pessoal)

O advogado do namorado de Gabrielly Teixeira Santos, de 20 anos, que foi encontrada morta em um condomínio de luxo em Bertioga, no litoral de São Paulo, vai entregar à Polícia Civil, nesta sexta-feira (12), dois áudios em que a jovem afirma que iria se matar. O rapaz, que não é considerado suspeito, já foi ouvido e negou qualquer envolvimento com o crime.

O corpo de Gabrielly foi encontrado no sábado (6) com uma corda no pescoço, pendurada, mas não suspensa, no galho de uma árvore em um matagal na Riviera de São Lourenço. A polícia investiga a possibilidade de a situação ter sido forjada para simular um suicídio. O homicídio, portanto, não foi descartado.

Para a polícia, a jovem morreu nas primeiras horas do dia 1º de janeiro. Momentos antes, ela havia se recusado a subir ao apartamento de um hotel onde se hospedaria com o namorado, de 30 anos, que além de ser DJ, também é empresário e publicitário. Eles passaram a noite de réveillon juntos em uma festa.

Polícia Civil investiga as circunstâncias da morte de Gabrielly em Bertioga, SP (Foto: Arquivo Pessoal)Polícia Civil investiga as circunstâncias da morte de Gabrielly em Bertioga, SP (Foto: Arquivo Pessoal)

Polícia Civil investiga as circunstâncias da morte de Gabrielly em Bertioga, SP (Foto: Arquivo Pessoal)

No evento, ela comemorava o aniversário de 20 anos e ele havia sido contratado para se apresentar como DJ. No local, testemunhas afirmam que viram o casal brigando em diferentes oportunidades. Em depoimento à polícia, após o corpo dela ter sido localizado, o rapaz afirmou que os dois discutiram por ciúmes, mas que não a matou.

“Se essa menina foi morta, temos a certeza de que não foi por ele [pelo namorado]. Estamos com dois áudios que ela enviou ao rapaz naquela noite, via WhatsApp, avisando que ‘iria se matar’. A motivação dela ter tirado a própria vida não sabemos, mas também não foi por ciúmes”, afirmou o advogado do DJ, Mario Badures.

Conforme o defensor, o DJ ajudava a namorada. “Ele arrumou emprego e até uma escola para seus estudos. Eles brigaram, como em outras ocasiões, e ele a procurou após a menina ter saído do carro. Ele não teria motivo nenhum para matá-la, pelo contrário, está com o coração partido com tudo o que aconteceu”.

Corpo da jovem foi encontrado por turistas em condomínio de luxo (Foto: Reprodução/Aconteceu em Bertioga)Corpo da jovem foi encontrado por turistas em condomínio de luxo (Foto: Reprodução/Aconteceu em Bertioga)

Corpo da jovem foi encontrado por turistas em condomínio de luxo (Foto: Reprodução/Aconteceu em Bertioga)

Os áudios serão entregues ao delegado Sérgio Nassur, responsável pelo caso e titular da Delegacia Sede de Bertioga. O advogado também informou que irá apresentar à autoridade policial os demais bens que tinham ficado com o cliente dele, depois que a jovem abandonou o carro, na madrugada do dia do ocorrido.

“Ele não acionou, de fato, a polícia nos dias seguintes, pois ela já havia feito isso antes. Ele achou que a menina tinha ido até São Bernardo do Campo (SP) encontrar uma amiga. Em outras brigas, a menina desaparecia e voltava a entrar em contato dias depois. Ele não acreditou quando soube da morte dela”.

Gostei: “O Guerra faz o dele e nós fazemos o nosso. Todos estamos olhando apenas o que é melhor para nós e não o que é melhor no geral. O Brasil não tem solução fácil” 9

Parei de ler neste trecho: “Não sei se falaria desse modo caso o entrevistador fosse um homem.”

O Flit faz a parte dele que é fazer a anti campanha do Bolsonaro. Cabe a nós filtrar.
Bom sejamos imparciais agora…
O Guerra, assim como alguns colunistas, faz campanha de quem ele “gosta”. Pq ele faz isso? Pelo mesmo motivo que todos nós fazemos ao votar em quem for, ou seja, nós votamos naquele que é melhor para nós ou que atenda nossos “desejos” e não no que seria melhor para todos. Sempre foi assim e sempre será assim. Parece ser algo da nossa “cultura”.
Fica parecendo esse cenário:
Quem vota no Bolsonaro acredita que ele fará mudanças radicais e solucionará o problema da segurança. O Policial acredita que fará parte da patota com militares nos ministérios ou que ganhará melhor (cuidado a política q sempre consegue dar um jeitinho de nos enganar).
Quem vota no Lula acredita que está ajudando a classe menos favorecida e as minorias. Nem preciso continuar. Basta ver a atual conjuntura do País que o partido dele fez. Conseguiram dividir o povo! Isso é uma atitude nefasta! Botou a PF lá em cima? Botou e parou. Não se iludam que o PT, ganhando no Governo de SP ou União, irá aumentar seus vencimentos. O PT fez igual outros partidos já fizeram anteriormente, ou seja, faz o que tem q fazer prometendo ou aprovando contas absurdas e depois deixa a bucha para quem vier depois. Isso é praxe na política.
PSDB merece comentários? F…. o servidor público (enxugando a folha) e teoricamente agradava aos comerciantes e empresários (que geram empregos). Atualmente nem os comerciantes e empresários estão gostando do PSDB. Este partido é inimigo declarado do servidorismo! Para ele todos servidores são “vagabundos” que ganham muito bem para o que fazem.
PMDB é outro que não merece comentários. É o Governo atual. Um lixo.

Viram? Todo mundo vota de acordo com seus interesses e desejos. Com a política não é diferente. Todos os políticos fazem de tudo para se perpetuar no poder e f…. o povo.
Para liberar verba para os políticos (que fizeram promessa aos seus eleitores) botarem em prática seus projetos (que teoricamente ajudaria ao povo) eles têm de ceder algo em troca para o Governo, ou seja, no caso atual tem que votar a favor da reforma da previdência. No fim mesmo que os políticos façam algo que seja muito benéfico a sociedade, os próprios políticos não aprovarão tal medida ou não liberarão verba caso os políticos que fizeram tal medida não os ajudem com “algo em troca”, ou seja, mesmo sendo benéfico a todos eles não aprovam ou liberam verba se não tiverem o apoio dos mesmos.
Uma andorinha não faz verão sozinha.
Tem que ser quadrilha mesmo se vc quiser aprovar alguma medida.
Fica difícil assim. O povo que se f…..
O que importa é se manter no poder e se ver que vai perder as próximas eleições deixar as contas f….. para quem assumir. Mais uma vez quem se f…. é o povo.
O problema dos políticos são eles mesmos, assim como o problema do Brasil é o próprio Brasileiro.

Por fim. O Guerra faz o dele e nós fazemos o nosso. Todos estamos olhando apenas o que é melhor para nós e não o que é melhor no geral. O Brasil não tem solução fácil.
Qualquer um que assumir vai dar na mesma.
Alguns querem uma mudança radical, outros não querem mudar nada e outros querem o meio termo, mas no fim nada muda de fato; Apenas muda-se a corrupção de mãos.
Política…. Podemos debater durante dias e tudo ficará na mesma. Só que nós é que acabamos stressados. Não vale a pena.
Acredito que nós apenas “pensamos” que vivemos em uma democracia.
PS: desculpa pelo tamanho do comentário.kkkk

Autor: NA REAL.