Crente libidinosa só pensa naquilo – A deputada Marta Costa de religiosa não tem nada…É a encarnação da maldade e da negação à diversidade e pluralidade…Minha cara, inadequada influência na formação de jovens e crianças é a sua “teologia” que de sagrada não tem nada…Falsa moralista, proponha a proibição de propaganda de cerveja e a proibição de cultos e missas engana trouxas na TV, rádios e internet…É por gente assim que eu prefiro o Diabo! Resposta

Alesp vota nesta terça projeto que proíbe propagandas com LGBTs

Para a autora do projeto, a deputada Marta Costa, LGBTs são má influência na formação de jovens e crianças

Alexandre Putti

A Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) vota nesta terça-feira 20 um projeto de autoria da deputada Marta Costa (PSD) que proíbe a veiculação de publicidade com pessoas LGBTQIA+ ou famílias homoafetivas no estado de São Paulo.

Leia também:Osmar Terra vira réu por improbidade após censurar edital com obras LGBT“Vejo o pior dos cenários para o movimento LGBT em 2021”, diz Duda SalabertPeça online de coletivo da periferia de SP trata de temas do universo LGBT

Segundo a parlamentar, essas propagandas trariam “desconforto emocional a inúmeras famílias” e que mostram “práticas danosas” às crianças. Para ela, a proibição vai “evitar a inadequada influência na formação de jovens e crianças”.

Na prática, se for aprovado o projeto, ficará proibida no estado propagandas como a da Natura no dia dos pais em 2020, que trouxe o vereador de São Paulo Thammy Miranda com seu filho. Também a do Boticário em 2019, que colocou um casal gay no dia dos namorados.

A deputada Erika Malunguinho (Psol), que é uma mulher trans, lidera a oposição ao projeto dentro da Alesp. Segundo a parlamentar, a iniciativa reafirma a desumanização que a população LGBTI+ enfrenta no País.

“A maior Casa legislativa do País opta por não enxergar o que, de fato, vulnerabiliza crianças e adolescentes: trabalho infantil, abuso físico e sexual, ‘balas perdidas’ em contextos periféricos, entre outras violências”, afirma a deputada.

“Como apontado por pesquisadoras/es, a estratégia utilizada por setores conservadores tem como objetivo criar um pânico moral em torno das questões de gênero e sexualidade. Isso foi materializado por esse projeto de lei, mas não é inédito, visto que segue a lógica da ‘ideologia de gênero’ e suas distorções discursivas. A retórica utilizada por esses parlamentares reafirma a desumanização  que a população LGBTI+ já é historicamente submetida neste País, induzindo como responsáveis por causar danos éticos e morais às crianças”, diz Erica.

Nas redes sociais, há uma forte campanha contra o projeto com a #LGBTnãoÉmáInfluência. 

Doria é o governador que mais trabalha pelo Brasil ; vagabundo é esse milico bunda suja sem a menor urbanidade e capacidade para o cargo de Presidente 21

Doria, até o presente, tem mais acertos.

Não fosse ele não haveria nenhuma vacina.

Bolsonaro prefere a morte de milhões a admitir que ele sim é o grande vagabundo da pátria. Um canalha que promove aglomerações negando-se a usar máscara e defender a vacinação. Está em férias desde a posse; só aparece pra falar e fazer estulticies.

PM terá salário suspenso – Governadores , diante da tentativa de golpe policial-militar planejado por Bolsonaro, determinaram reprogramação dos sistemas de pagamento objetivando imediato corte dos vencimentos no caso de alinhamento dos policiais estaduais ao governo federal 14

Bolsonaro nomeou um delegado subserviente com a “missão” de reorganizar as Polícias Militares sob o seu comando e caprichos.

Quer fazer das PMs sua guarda pretoriana afrontando as competências dos governadores do estado e instrumento de coação do eleitorado nas próximas eleições.

PM que embarcar nessa aventura ficará sem vencimentos.

E aqueles que apoiarem tal medida serão expulsos ; sendo que os processos demissórios serão presididos pelas corregedorias gerais dos Estados.

As policiais civis e policiais municipais serão reestruturadas com a criação de milhares de cargos em substituição aos PMs.

A PM de São Paulo já alertou a tropa que , em nenhuma hipótese , salvo as atualmente previstas por lei , será mobilizada ou cooptada para fins golpistas.

Que é subordinada exclusivamente ao governador João Doria.

As Políciais Militares estarão se preparando para revelar a essência de muitos de seus componentes: “militar alternativo” , “militar genérico” , “milícia oficial” , traidores da sociedade e assaltantes da Pátria?…Quanto essa bandalha liderada pelo major Vitor Hugo quer como butim? 11

Bolsonaro quer Estado de Mobilização Nacional, com PMs subordinadas a ele

31-05-2020, 12h00: O presidente Jair Bolsonaro cumprimenta apoiadores na frente do Palácio do Planalto e depois dá uma volta em um cavalo da PM, durante uma manifestação em apoio ao governo. - Pedro Ladeira/Folhapress
31-05-2020, 12h00: O presidente Jair Bolsonaro cumprimenta apoiadores na frente do Palácio do Planalto e depois dá uma volta em um cavalo da PM, durante uma manifestação em apoio ao governo. Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress

Olga Curado

Colunista do UOL

30/03/2021 14h49Atualizada em 30/03/2021 17h04

O líder do PSL na Câmara dos Deputados, Major Vitor Hugo, apresentou ontem, em regime de urgência, requerimento à mesa da Casa para apreciação do Projeto de Lei 1074/2021, que “Altera a Lei n.11.631, de 27 de dezembro de 2007, para permitir a decretação da Mobilização Nacional a que se referem os incisos XXVIII do caput art. 22 e XIX do caput do art. 84 da Constituição Federal, nos casos de situação de emergência de saúde pública de importância internacional decorrente de pandemia e de catástrofe natural de grandes proporções.

As polícias ficariam subordinadas diretamente ao governo federal, como prevê o art. 3º, d, do Decreto-Lei n. 667/1969:

Art. 3º – Instituídas para a manutenção da ordem pública e segurança interna nos Estados, nos Territórios e no Distrito Federal, compete às Polícias Militares, no âmbito de suas respectivas jurisdições:

d) atender à convocação, inclusive MOBILIZAÇÃO, do Governo Federal em caso de guerra externa ou para prevenir ou reprimir grave perturbação da ordem ou ameaça de sua irrupção, subordinando-se à Força Terrestre para emprego em suas atribuições específicas de polícia militar e como participante da Defesa Interna e da Defesa Territorial;

O capitão já entendeu que os militares das Forças Armadas não vão se render ao seu delírio golpista.

O projeto que quer ver triunfar contra a democracia, apresentado pelo major, é flagrantemente inconstitucional. Ele quer um novo instituto de emergência constitucional fora da Constituição, que precisaria apenas de maioria absoluta do Congresso para ser aprovado.

O capitão reformado está com medo e quer mostrar que truca os militares. E conta com a ajuda do major. Baixas patentes do baixo clero tentando reduzir ainda mais o país às suas baixarias.

O ex-ministro da Defesa, informa, ao sair do cargo, que as Forças Armadas são instituição de Estado.

O general Braga Netto recebe ainda do capitão a “missão” de comandar o Ministério da Defesa.

O Exército segue as orientações das autoridades sanitárias no combate ao novo coronavírus. O índice de mortalidade por Covid-19 nas tropas é menor do que na população, pelo rigor na adoção das medidas de distanciamento e higiene, como revelou o general Paulo Sérgio, chefe do Departamento de Pessoal, em entrevista ao Correio Braziliense no final de semana. Portanto, a ideologia da pandemia não vinha sendo obedecida pelas tropas.

Ainda está muito clara na memória do oficialato a nódoa de reputação de um Exército que não honrou a Constituição. Não querem isso na sua biografia porque entendem que a sua “missão” é defender a pátria. E qual é mesmo a ameaça?

Covardia e lealdade.

Quem é o inimigo da pátria?

A Constituição define as regras e estabelece os limites dos poderes que sustentam a democracia.

O inimigo é aquele que repudia os limites. E que tenta assustar as pessoas com um poder que não tem, e tenta subtrair poder daqueles que legitimamente possuem. E ficar fazendo golpismos.

O capitão queria de volta os cargos que tinha dado aos comandantes militares. Recebeu. Mas será que teve mesmo a autonomia para comunicar a substituição dos comandantes ou fez uma encenação de que os demitiu?

Covardia e lealdade.

Lealdade das Forças Armadas e do Congresso a quem? Ao capitão? E a quem serve o capitão?

O rastro de mortes soma mais de 310 mil vítimas no Brasil e inunda de doentes os hospitais carentes de gente para trabalhar, de remédios para tratar, de equipamentos para minorar a dor dos que sofrem à espera de leitos e com aqueles em estado grave, tentando sobreviver. E, além de todos, ainda estão os sequelados pela doença.

A quem é leal o capitão?

Ao caos. E ele não esconde. À morte, e ele não nega. Afinal “todo mundo morre”.

Mas tem o Centrão. Lira, depois da reunião do comitê que teria como função criar saídas para o combate à pandemia, acendeu luz amarela e fez uma retórica de impacto advertindo. E, já tinha ganhado R$ 47 bilhões em emendas parlamentares no Orçamento, combustível para a campanha eleitoral dos nobres deputados e senadores ano que vem. Mas é um orçamento que está sendo questionado no TCU (Tribunal de Contas da União) e que pode configurar pedaladas, no estilo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Então, é um presente ainda não totalmente favas contadas.

Mas o Centrão do Lira ganhou também uma despachante dentro do Palácio do Planalto, a recém deputada, consorte de um governador duas vezes cassado por corrupção. Esses presentes acalmam a gula do Centrão?

A quem serve o Centrão? Ao capitão?

Não. Serve a si próprio, à própria sobrevivência, o que, por vezes, pode coincidir com os interesses do país. Sempre? Não.

O Centrão deve ficar quietinho diante do troca-troca militar. Vai emprestar normalidade ao movimento, enquanto mexe com os seus cordões para se manter no controle de um capitão acuado, que usa a estridência infantil para mostrar que manda. E o Lira, vai aceitar o requerimento do major para que seja criada uma força armada subordinada ao capitão?

Os militares continuarão militares. Dentro dos quarteis e ao Congresso cabe cortar as asas do capitão que não desiste de criar o caos

Cassino Gabigol – Nico , em vez de insinuar corrupção alheia , mostre os relatórios com os nomes dos supostos corruptos mencionados pelos funcionários…Ah, a sua Unidade não é santa , sabiam que era um cassino e sabiam que a casa paga para outros Departamentos da PC 16

Rogério Pagnan São Paulo

Quando os policiais invadiram o cassino de luxo na zona sul de São Paulo onde estava o atacante Gabigol, parte deles acreditava que iria acabar com a aglomeração de uma festa LGBT, conforme denúncia recebida por um dos integrantes da força-tarefa de combate à Covid-19.

Descobriram ali um pesado esquema de jogos de azar, que movimenta milhões de reais, e que o funcionamento do cassino clandestino era conhecido por policiais e políticos, citados nominalmente por funcionários para tentar intimidar o grupo que comandava a operação e evitar o fechamento da casa.

São autoridades que, desconfiam os próprios policiais, podem estar na “folha de pagamento” da casa para ajudar a manter o esquema funcionando, mesmo sendo ilegal. Entre elas estaria gente graúda que, ainda conforme esses policiais, pode até comprometer o futuro de operações semelhantes.


Esse pessoal é muito descarado , meteram a mão na cumbuca alheia sabendo exatamente o que estavam fazendo ; depois ficam alimentando a imprensa com insinuações. E ainda queimando o pessoal LGBT!

Que acabar com festinha Gay nada, vislumbro que foram tomar uma nota da casa e houve desacerto…

Cumpra o seu dever, Nico!

Se declinaram nomes de autoridades exiba documentação que demonstre , até para que os interessados possam processar quem fez falsas acusações.

Deixar no ar dá a impressão de que haverá prevaricação ou extorsão .

De qualquer forma, você – mais do que ninguém – sabe muito bem que nada é aberto na Capital que não pague propina para diversos departamentos da PC e batalhões da PM .

E duvidamos que o seu pessoal linha de frente, aqueles que trabalham de verdade , não tenha alguns carnezinhos pela cidade.

A PC não é composta apenas por empresários , professores e donos de segurança privada.

A maioria só tem a polícia como ganha pão…

E só do salário ninguém vive na Capital!

Quanto aos responsáveis pelo cassino, melhor matar esse tipo de gente que não dá a mínima para a grave situação sanitária. Gente muito desprezível – pagando ou não pagando – continuar em funcionamento.

Não é contraventor; está muito mais para assassino como alguns dos nossos governantes…

A jogatina pode ficar paralisada por meses, nunca falirá…

Os donos recuperam em pouco tempo o eventual prejuízo e podem até manter os funcionários afastados.

E quem aluga imóvel pra jogatina não ingressa com ação de despejo por falta de pagamento…

Há 26 anos a Polícia Civil da Baixada Santista não é dirigida por autoridade com raízes na região 4

Desde 1995 , quando o Dr. Edgard Lázaro foi substituído pelo Dr. Geraldo Camargo ( este atuou aqui antes de cumprir funções em outras regiões, retornando como Regional ) na titularidade da então Delegacia Regional de Santos , a região da Baixada Santista não vê um dos seus quadros locais promovido e nomeado para ocupar o Deinter-6 .

Todos os diretores que passaram por aqui, desde 2000, ou foram indicados por políticos de outras regiões ou egressos de departamentos da Capital; sob indicação do Delegado Geral .

Isso em total desprestígio aos Delegados locais que , a maior parte da vida funcional, permanecem dedicados á coletividade praiana ; mesmo sabendo que dificilmente lograrão êxito em alcançar os maiores postos do órgão, sempre reservados aos Delegados da Capital ou daqueles com grandes amizades interna ou externamente , especialmente amizades políticas.

Ocorre que quem vem de fora sabe que está de passagem ; de preferência para lugar mais prestigiado…

Logo não demostra muito comprometimento em lutar por mudanças sérias na estrutura local.

Flagrantemente, nenhum se dispôs a lutar pela reforma do Palácio da Polícia…Medo de incomodar e ser substituído, diga-se a verdade!

E até são omissos em relação a algo tão desnecessário quanto estupido como foi a criação da Seccional de Praia Grande.

Sabe-se lá quem foi o seu inventor!

Dizem que foi para agradar o ex-prefeito de Praia Grande e retirar qualquer influência do ex-governador Márcio França sobre São Vicente.

Aliás, que nunca vimos se envolvendo em nomeações locais.

Aparentemente ele se envolveu muito mais em reintegrações meio obscuras e sigilosas.

Mas retornando à nova Unidade, diga-se: inaugurada sem recursos materiais e humanos; o que fará dela pouco mais do que uma delegacia municipal melhor ornamentada com a pretensão de exercer a chefia policial civil sobre cidade mais antiga, mais populosa e com maiores problemas.

E já nasce criando problemas no lugar de trazer soluções.

Em vez de combater a criminalidade em geral , principalmente a organizada e violenta , em total distorção de objetivos, aparentemente chegou para instalar a cizânia .

A coisa é tão escabrosa que se torna impublicável.

É como se a cidade de São Vicente tivesse novos proprietários.

Alguns dizem com a finalidade de que a contravenção organizada de Praia Grande, outrora muito influente, assalte o controle da Célula Mater.

Sim, no meio da disputa fica São Vicente , embora depauperada, muito mais produtiva do que Praia Grande e , em certos assuntos, mais produtiva do que Santos.

Se é que me entendem !

E a coisa está assim: quem aqui mandava quer continuar mandando ; quem chegou de fora quer mandar também …

E quem em São Vicente está não ficará muito bem…Se ficar!

Não adianta delegado linha de frente criticar o Governador , falta mesmo é vergonha na cara dos cadeira !

Sempre com a mesma fome e com o mesmo hábito alimentar:

Farinha pouca, meu pirão primeiro

GAÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉCOOOOOOO…

Observação : O delegado G. Vergine não foi nomeado Diretor pelo mérito de seu trabalho nesta região.

Foi uma indicação pelos seus estreitos laços com o atual Secretário-adjunto; depois de ter sido diretor da Corregedoria, do Dipol e Deic.

Jair Messias é o grande líder dos psicopatas nativos 48

“São indivíduos sem remorso e arrependimento.
Schneider destaca características de personalidades anormais. Carentes de compaixão, toscos em regra, anestesiados de senso moral. Frente ao sofrimento alheio, à morte de milhares de pessoas, não medem palavras, como “eu não sou coveiro”, “chega de frescura” e “vai ficar chorando até quando?”. Não há ressonância afetiva com a dor alheia.
Por vaidade exagerada, se acham acima de tudo, de todos. Não toleram contrariedades: reagem com expressões “quem manda aqui sou eu”, “eu sou o chefe supremo”, “faço o que quero” e outras ególatras.”

JAIR MESSIAS E O “PAI DOS PSICOPATAS”
Por Guido Palomba
Psiquiatra forense, é membro emérito e ex-presidente da Academia de Medicina de São Paulo

“Personalidades Psicopáticas” é o título no Brasil do livro “Die Psychopathischen Persönlichkeiten”, de Kurt Schneider, psiquiatra alemão. A obra rendeu-lhe reconhecimento e a alcunha de “pai dos psicopatas”.
É ótima fonte para decifrar distúrbios de personalidade em tempos tensos, como os desta pandemia. Suas descrições tipológicas baseiam o diagnóstico de desvios de comportamento social, resultados da ausência de sentimentos de piedade, compaixão e altruísmo; da falta de valores éticos-morais; e da incapacidade de se reconhecer culpado. São indivíduos sem remorso e arrependimento.
Schneider destaca características de personalidades anormais. Carentes de compaixão, toscos em regra, anestesiados de senso moral. Frente ao sofrimento alheio, à morte de milhares de pessoas, não medem palavras, como “eu não sou coveiro”, “chega de frescura” e “vai ficar chorando até quando?”. Não há ressonância afetiva com a dor alheia.
Por vaidade exagerada, se acham acima de tudo, de todos. Não toleram contrariedades: reagem com expressões “quem manda aqui sou eu”, “eu sou o chefe supremo”, “faço o que quero” e outras ególatras.
São agressivos, mal-educados e provocadores. Kurt Schneider menciona que esses sujeitos oferecem dificuldades particulares em circunstâncias militares. O desacato e a desobediência são marcas da carreira. A insubordinação/mau comportamento redundam em prisão, expulsão ou abandono (“Las personalidades psicopáticas”; Madrid: Morata, 1974, p. 166).
Eles são pouco inteligentes. Schneider chama-os de “antissociais que, por regra, associam-se aos oligofrênicos” (ibidem, p. 169). A inteligência limítrofe ou seletiva leva-os a praticar atos bizarros, de turrice e teimosia. O foco: o benefício próprio. Se voltarem atrás, não é por reconhecer o erro, mas estratégia momentânea. Rancorosos e vingativos, em seguida, recidivam, até com virulência. São, por todo o quadro, de periculosidade social. Nada os detêm, salvo reprimenda enérgica, judicial e legal.
Kurt Schneider se refere a esses anormais com o termo psicopatia. Preferimos condutopatia (conduta patológica, transtorno de comportamento) por ser menos genérico e autoexplicativo.
Em cargos públicos, interessa-lhes o poder para escoar as condutopatias em louvor a si mesmos. Como chefia, são tiranos. Egoístas, colocam a própria vontade e a autoridade acima das leis e da Justiça.
É comum a psiquiatras discordâncias sob uma mesma doutrina. Porém, todos admitimos que psicopatas (condutopatas, para nós) não têm cura, já que a origem do mal é orgânica e irremovível. Não raro sofreram lesões cerebrais em fase intrauterina ou em tenra idade —etapa de acelerado desenvolvimento do sistema nervoso—, impactando a formação do órgão.
Em clínica, o diagnóstico é dado quando, frente a sinais/sintomas psíquicos, comportamentais e sociais, há história concreta de possível lesão do encéfalo, no estado fetal ou nos primeiros anos.
Tudo isso para falar do segundo nome do presidente Jair, Messias, dado pela mãe, Olinda Bonturi Bolsonaro, após gravidez complicada, atribuindo a Deus o nascimento.
Gravidezes complicadas são causas de sofrimento cerebral e de consequentes distúrbios de comportamento na adultícia —para Schneider e todos dedicados à psiquiatria.

ACADEPOL demonstra que a Polícia Civil de Mato Grosso não é uma instituição: é um bando armado…O Governador tem a obrigação de exonerar todos os dirigentes do órgão e desligar os alunos que se submeteram a essa manifestação horrorosa de soberba de uma carreira que é insignificante na Administração Pública 95

“Escrivão não é polícia”, gritam alunos em curso de investigador
Vídeo gerou críticas dos profissionais da área e repúdio do sindicato de policiais civis
Por Adriano Fernandes | 08/03/2021 23:20
462

Vídeo em que alunos do curso de formação para investigador da Acadepol (Academia de Polícia Civil) aparecem satirizando o trabalho dos escrivães da corporação, gerou críticas entre os profissionais da área e manifestação do sindicato da categoria, nesta segunda-feira (8), em Campo Grande.

Sob o comando de dois alunos, os outros acadêmicos em formação aparecem cantando uma canção que fala do trabalho dos colegas de profissão em tom pejorativo.

Escrivão não é polícia e só sabe digitar, se tem guerra e terror é o tira que vão chamar. Oh ‘escriva’ não adianta, você pode até tentar. Mas como um investigador você nunca vai vibrar”, cantam os alunos.

A música ainda “tira sarro” da rotina de trabalho dos escrivães. “Sua arma é o teclado, um carimbo e uma caneta, enquanto o investigador amedronta até o capeta”, diz outro trecho.

Vale ressaltar que os policiais escrivães são os profissionais responsáveis por redigirem as oitivas e fazerem outros trabalhos internos nas delegacias, enquanto os investigadores, como o próprio nome já diz, saem a campo para realizar o trabalho de investigação dos crimes. Ambos precisam ser aprovados em concursos públicos e passar por treinamento para assumirem as suas funções.

O vídeo foi compartilhado em grupos de WhatsApp e causou descontentamento entre os profissionais da área. Diante da repercussão, o Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis de MS) repudiou o “tom ofensivo” do vídeo e acionou a DGPC (Delegacia-Geral da Polícia Civil) e a própria academia, pedindo providências para que esse tipo de conduta não venha estimular a rivalidade entre os policiais civis.

Ainda não houve manifestação da instituição sobre o caso. “Cada profissional tem a sua função na Polícia Civil, seja o escrivão, o papiloscopista, um delegado ou o próprio investigador. Nenhum deles trabalha de forma isolada, um depende um do outro”, comentou o presidente do Sinpol, Giancarlo Miranda, que inclusive é escrivão.

Miranda ponderou que os acadêmicos não agiram de “má fé”, mas comenta que a brincadeira acabou “passando dos limites”. “O que deve prevalecer entre os policiais é a parceria, o companheirismo para poder servir e proteger as pessoas”, disse à reportagem.

Em vídeo publicado no YouTube, Giancarlo também repudiou a conduta dos instrutores do curso. “Estamos aqui para estimular a união na Policial Civil, principalmente para aqueles que pretendem ingressar na nossa instituição. Repudiamos essa manifestação denegrindo a carreira dos escrivães”, disse ao lado do vice-presidente do sindicato, Pablo Pael que também é investigador da Polícia Civil. – CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

https://www.campograndenews.com.br/cidades/capital/escrivao-nao-e-policia-gritam-alunos-em-curso-de-investigador

Relator da PEC emergencial mantém congelamento de salários dos policiais 28

Relator mantém congelamento de salário de servidores em PEC

Por Lauriberto Pompeu 

Em 09 mar, 2021 – 13:34 Última Atualização 09 mar, 2021 – 17:19

 

Deputado federal Daniel Freitas Agência Câmara.Agência Câmara

O relator da  proposta de emenda à Constituição (PEC) Emergencial, deputado Daniel Freitas (PSL-SC), afirmou que não vai excluir o congelamento dos salários dos servidores da proposta. “O meu relatório leva ao plenário da Câmara dos Deputados exatamente o texto que recebemos do Senado Federal“. Leia a íntegra do parecer.

O texto dá as condições fiscais para a volta do auxílio emergencial. Após a promulgação da matéria, o governo vai editar uma medida provisória solicitando crédito extraordinário para que um auxílio de R$ 250 seja pago de março até junho. Para quem mora sozinho o benefício deve ser de R$ 175 e para mães solteiras, o valor deve ser de R$ 375.

A ideia de retirar o congelamento de salários foi sugerida pelo presidente Jair Bolsonaro, que queria retirar os agentes de segurança do fim do reajuste. Caso o desejo do presidente fosse atendido, todos os servidores poderiam ter aumento de salário, pois a PEC não especifica categorias distintas e trata os servidores da mesma maneira.Leia mais

Ao vivo: Câmara analisa PEC Emergencial9 mar, 2021

Renan diz que Pacheco “enfraquece o Legislativo” ao não…8 mar, 2021

“Essa é uma PEC que veio de um senador e vai ser promulgada no Congresso Nacional. Portanto, eu levei ao conhecimento do presidente Bolsonaro o entendimento da maioria dos líderes. O presidente naturalmente gostaria de ver principalmente a segurança pública neste momento, mas nós entendemos que agora o plenário da Câmara dos Deputados é soberano e vamos levar à apreciação dos deputados”, afirmou Daniel Freitas em entrevista coletiva.

De acordo com o relator, se a PEC for mudada isso acontecerá durante a votação no Plenário. Os deputados podem modificar o texto por meio da votação de destaques em separado.

>Bancada da bala pressiona Bolsonaro a livrar policiais de congelamento de salário

Rubens Anusiewicz Rubwicz; eu que como merda? Meu caro, não fui eu quem comeu o teu cérebro… 18

 


Meu caro “super tira” , milhões de judeus como você – sem nunca terem comido merda – morreram como merda e na mais absoluta merda física e moral.

E muitos deles, tempos antes da miséria, da fome e da fornalha , tinham grande simpatia por Hitler, tal como um monte de ingênuo, atualmente,  tem pelo Bolsonaro. Esses judeus ingênuos acreditavam, como muitos brasileiros, que o Fürrer os protegeria do comunismo Russo. E tem muito ignorante aqui que ainda não ouviu falar da queda do Muro de Berlin! 

Contudo, você não é ingênuo; não passa de um ignorante metido a inteligente.

Na verdade , não passa de um pobre coitado…

Talvez com medo do comunismo ou com raiva da simpatia que o Lula demonstrava pela causa Palestina, não é? 

Da minha parte, apenas estou comemorando um ato processual legal; que só não chamo justo pela demora !

Viva a Democracia e parabéns ao Lula!

Quanto a você descerebrado , até posso vir a morrer na merda , mas não vivi na merda como  você…

E também nunca fui , não sou e jamais serei um merda  que nem sequer é capaz de conviver com quem pensa diversamente…

Rubens Anusiewicz Rubwicz; eu que como merda?

Meu caro, não fui eu quem comeu o teu cérebro…

Por fim, não adiantava se fantasiar de S.W.A.T, você na PC nunca passou de um policial cuzão se julgando mais realista do que o rei.  Aliás, dedicado muito mais ao bico, né?

BAEP de Sorocaba é mais perigoso que o PCC – Deus nos livre desse tipo de PM, melhor ser amigo de bandido…Pior: Tenente comandou o latrocínio e matou o empresário 14

PMs de SP são suspeitos de matar com tiros de fuzil empresário que tentava pedir socorro

Rogério PagnanSÃO PAULO

“E aí, rapaziada, a Rota está lá. Se Deus quiser, esses vagabundos vão morrer hoje”, comemorou, em áudio, um morador de Mairinque (SP) na noite da última sexta (26) quando soube que a Polícia Militar chegava para salvar uma família cuja propriedade rural havia sido invadida por homens armados.

Minutos depois, porém, as comemorações no grupo de WhatsApp deram lugar à tristeza, incredulidade e revolta. Nenhum dos invasores havia sido preso e, pior, a única pessoa morta pelos policiais militares era o dono da propriedade invadida, o empresário Rinaldo Magalhães, 55, o Ninão, morto com tiros de fuzil.

“A família foi orientada a procurar a Corregedoria da Polícia Militar, a Ouvidoria da Polícia, a Secretaria da Segurança Pública. Isso não pode ficar impune”, reclamou outro integrante do grupo, conforme a série de mensagens obtidas pela Folha.

A Corregedoria da Polícia Militar acompanha o caso e pode avocar as investigações conduzidas pelo batalhão da PM da região. Os policiais foram liberados, mas, segundo a Folha apurou, podem ser presos se as suspeitas se confirmarem ao longo das investigações. Eles foram afastados dos trabalhos de rua.

A investigação apura ainda se o grupo que invadiu a propriedade da vítima, que os vizinhos pensaram inicialmente se tratar de criminosos, seria formado por PMs que agiram sem mandado, à noite, sem identificação, atrás de uma falsa denúncia de tráfico de drogas, e que, durante a ação, também teriam torturado a dona da casa, Sandra, mulher de Ninão, para obter informações sobre as drogas.

empresário segura copo de bebida
O empresário Rinaldo Magalhães, 55, morto em suposto confronto com policiais militares; família diz que homem foi morto quando tentava pedir socorro – Arquivo pessoal

A operação policial sob suspeita ocorreu na sexta por volta das 20h30.

Rinaldo estava em casa com a mulher e uma filha quando um homem, que se identificou como Paulo, chamou a vítima ao portão. Acreditando ser o jardineiro da propriedade, que também se chama Paulo, o portão foi aberto, mas, no lugar do funcionário, entrou o grupo de homens armados.

Certo de que se tratava de um roubo, Magalhães correu para o veículo dele, uma Pajero TR4 blindada, e saiu em busca da ajuda. A filha fugiu para o mato, restando apenas a mulher de Ninão, que se trancou dentro de casa. A porta foi arrombada pelos invasores.

Segundo relatou a amigos e parentes, Sandra percebeu haver algo errado quando os homens passaram a perguntar onde estava a droga. Com suas negativas, ela passou a ser agredida com tapas, chutes e xingamentos, até passarem a utilizar sacos de plástico na cabeça dela –para tirar-lhe o ar. Foi em meio a essa sessão de tortura, segundo contou aos amigos, que os homens teriam afirmado serem policiais.

A família guarda em sigilo o nome de uma testemunha que acompanhou a sequência de agressões contra Sandra. A pessoa estava na casa com a patroa e teria corrido para debaixo de uma cama momentos antes da invasão e acabou não sendo descoberta pelos homens armados.

Vista de propriedade rural em Mairinque
Vista da chácara Bando de Loucos, onde família da vítima mantém uma marina – Arquivo pessoal

Enquanto Sandra era agredida, Rinaldo chegava à casa de um vizinho, para quem contou o que estava acontecendo e a quem pediu para chamar a PM. O empresário afirmou que iria tentar ajuda de policiais com o próprio veículo. Ele encontrou uma viatura, mas o resultado foi o pior possível.

Não se sabe ao certo o que aconteceu, por falta de testemunhas. A única versão, por ora, é aquela contada pelos PMs, mas amigos e parentes dizem considerá-la uma fraude.

De acordo a versão dos PMs, eles estavam na região para averiguar uma denúncia de tráficos de drogas e armas quando “se envolveram em um confronto armado com um infrator que faleceu”.

Ainda segundo os policiais, eles estavam em patrulhamento quando viram um carro se aproximar, a TR4 branca, características que se encaixam em uma denúncia recebida momentos antes, de que estaria transportando drogas e armas naquela região.

Mesmo à noite, e, em tese, com os faróis acessos, os policiais afirmam ter percebido que no outro veículo “um indivíduo segurava o volante e apoiava uma arma em suas mãos”.

Disseram ainda que quando emparelharam com carro, “observaram que o motorista apontava a arma contra a viatura”. “Momento em que o cabo Ricardo deu dois disparos com sua pistola .40 e cabo Santos disparou com seu fuzil 762”, diz trecho do boletim de ocorrência.

O veículo, ainda versão dos PMs, movimentou-se por cerca de três metros à frente. Os policiais, então, desembarcaram e se protegeram atrás da viatura.

“Nesse momento, o condutor do Pajero TR4 desceu com a arma em punho efetuando múltiplos disparos em direção ao tenente Estevan e soldado Miranda. Para defesa da equipe, o primeiro-tenente Estevan efetuou disparo com seu fuzil calibre 556 e o soldado Miranda efetuou dois disparos com calibre 762”, disseram os policiais.

carro de homem morto pela polícia
Marcas de sangue no veículo do empresário Rinaldo Magalhães, morto em suposto confronto com policiais militares – Arquivo pessoal

Após ser baleada, ainda segundo a versão oficial, a vítima caiu no chão e, ao lado do corpo, sua arma, uma pistola Taurus, calibre 765.

Magalhães foi socorrido e levado ao Hospital de Mairinque e, segundo a polícia, “não resistiu”. “Os policiais militares passam bem e não foram feridos”, diz o governo paulista.

“Dentro da chácara, em que estava uma mulher, foram localizadas duas armas, carregador de pistola e munições. No total foram apreendidas três armas, com a numeração raspada, incluída a de posse do homem morto, que já respondeu a outros procedimentos criminais”, diz nota do governo paulista.

Parentes e amigos afirmam que as armas foram plantadas e que Ninão nunca andou armado, muito menos as guardava dentro de casa.