DELEGADO MACHO PARA PEITAR O SECRETARIO NÃO TEM! E QUEM É NÃO QUER SER DELEGADO GERAL…DIMAS, EU QUERO!…SERÁ QUE O PINTO ALISA COBRA? 40

Enviado em 10/01/2011 às 21:00 – DIMAS PATRIC

O DGP JÁ COMEÇOU MAL, SE A POLÍCIA ESTA DESTE JEITO É PORQUE O SR. QUANDO FOI DIRETOR DO DEMACRO NAO FEZ NADA! ORA É SÓ IR NAS DELEGACIAS DO DEMACRO E VERIFICAR AS CONDIÇÕES FISICAS E ESTRUTURIAIS DELAS, TUDO SUCATEADO. O MAL ATENDIMENTO DO PLANTÃO NÃO É CULPA DOS POLICIAIS QUE FAZEM DE TUDO PARA ATENDER A POPULAÇÃO COM AS CONDIÇÕES QUE TEM. NÃO É SÓ O BAIXO SALÁRIO QUE PEGA, E A HUMILHAÇÃO QUE PASSAMOS DIARIAMENTE SOMENTE QUEM TRABALHOU NO PLANTAO DO DEMACRO CONHECE A REALIDADE 03, 04 EQUIPES.
AGORA FICA FACIL CHEGAR COM O PEITO ESTUFADO E CRITICAR! MAS QUANDO O SR ESTAVA COMO DIRETOR NAÕ MUDOU NADA, MUITO PELO CONTRARIO A MAQUINA ESTA DO MESMO JEITO QUE NOS ULTIMOS ANOS OU PIOR, JÁ QUE A ALTO ESTIMA DE CADA POLICIA HEROI, ESTA PIOR QUE BACTERIA DO COCO DO CAVALO DO BANDIDO!
EU FAÇO QUESTÃO DE EXPLICAR PARA CADA CIDADÃO QUE, ENTRA NA DELEGACIA E DESEJA FAZER UM B.O, EXPLICO QUE A POLICIA ESTA ASSIM POR CAUSA DA MÁ GESTÃO PÚBLICA!
EXPLICO QUE ESTA ASSIM POR CAUSA DOS DIRIGENTES QUE SÃO VALENTES DA BOCA PRA FORA, JÁ QUE QUANDO ESTAO NO PODER NADA FAZEM!
O SR. INFELIZMENTE JÁ ESTA SENDO UMA DECEPÇÃO!

E LOGO LOGO OUTRO FICARÁ EM SEU LUGAR E A HISTÓRIA VAI SE REPETIR, POIS DELEGADO MACHO PARA PEITAR O SECRETARIO NÃO TEM! E QUEM É NÃO QUER SER DELEGADO GERAL

JOW DO FLIT PARA O BRASIL: “NOVOS DIRETORES” DA POLÍCIA CIVIL DO SÉCULO XIX…ORA, MAS O RESTO – DIGO DO SERVIÇO PÚBLICO – AINDA ESTÁ NO SÉCULO XVIII 21

Enviado em 10/01/2011 às 20:30

Novo delegado-geral de SP critica atuação da polícia e fala em melhorar atendimento

JOW (DO FLIT) PARA SÃO PAULO

O novo delegado-geral de Polícia Civil de São Paulo, Marcos Carneiro Lima, tomou posse no cargo nesta segunda-feira criticando a maneira como a instituição atende a população e investiga crimes. “É um absurdo ainda termos uma polícia do século 19 em pleno século 21″, disse durante entrevista na sede da Secretaria da Segurança Pública.

Como prioridade em sua gestão, ele afirmou que quer melhorar o atendimento aos cidadãos que procuram uma delegacia. “Já ouvi reclamação de policial que precisou ir a uma delegacia registrar um boletim de ocorrência de um familiar e sofreu com o atendimento.”

Conforme o delegado-geral, há uma “cultura cartorária” dentro da polícia que atrapalha as investigações. Ou seja, atualmente, vale muito mais o depoimento de uma testemunha dentro da delegacia do que um relatório de campo feito pelos investigadores, diz o policial.

Ex-diretor do Demacro (departamento da região metropolitana de SP), Carneiro Lima afirmou que vai emitir uma portaria que impede que termos em latim sejam usados nos boletins de ocorrência e memorandos internos da Polícia Civil. Na sua avaliação, os registros de ocorrências precisam ser claros e objetivos para, dessa forma, auxiliar no esclarecimento dos crimes. “O pior é quando escrevem em latim de maneira errada”, reclamou.

NOVOS DIRETORES

Nos próximos dias, o delegado-geral deverá anunciar os novos diretores de postos chaves da polícia. Três cargos já foram confirmados por ele: Ana Paula Soares, será sua adjunta na delegacia-geral, Marco Campos assume a Academia da Polícia Civil e Marco Antonio Desgualdo permanece como diretor do DHPP (departamento de homicídios).

Conforme Carneiro Lima, alguns convites deverão ser feitos e ainda dependem da aprovação do secretário da Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto. “Em princípio não queremos mudar muito. Vou assumir e analisar a situação”, declarou.

A Folha apurou que entre os possíveis novos diretores estão Youssef Abou Chain, para comandar o Demacro; Wagner Giudice, para o Denarc (departamento de narcóticos); Carlos José Pachoal de Toledo, para o Decap (capital), Eduardo Hallage para o Dipol (inteligência policial) e Massilon José Bernardes Filho, para o Deic (crime organizado).

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/857647-novo-delegado-geral-de-sp-critica-atuacao-da-policia-e-fala-em-melhorar-atendimento.shtml

________________________

Cacete, que lei é a nossa?

O nosso chefe , publicamente em alto e bom som, faz comentário que – na boca de outrem – seria reputado ilícito, ou seja, capaz de gerar descrédito na Instituição.

Ele pode; eu não?

Ora, dizer neste século XXI que a Polícia Civil está no século XIX, é a mesma coisa que eu escrever: É UMA MERDA QUE NÃO SERVE PRA NADA .

Doutor, cuidado!

Uma coisa é blogueiro e flitadores escreverem verdades, outra coisa é Vossa Excelência exagerar nas frases de efeito.

Por favor, limite-se a descrever as falhas…

O esculhambo e a avacalhação pode deixar por nossa conta.

GREVE, SÓ DENTRO DA LEI…PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, TAMBÉM SÓ DENTRO DA LEI…O DGP JÁ DEVE TER RECUPERADO AS REMINGTONS E OLIVETTIS, O MODELO 18, OS BOs. AMARELINHOS, etc…etc…etc. 71

Enviado em 10/01/2011 às 18:37 – JOW

‘Greve, só dentro da lei’, diz novo delegado-geral da Polícia Civil de SP

Marcos Carneiro anunciou suas metas mais imediatas em entrevista.

Prioridade é melhorar a investigação policial e o atendimento ao público, diz.

Marcelo Mora e Jow
Do G1 SP

Marcos Carneiro concede primeira entrevista como delegado-geral da Polícia Civil de São Paulo nesta segunda-feira (Foto: Marcelo Mora/G1)

O novo delegado-geral da Polícia Civil de São Paulo, Marcos Carneiro, concedeu na tarde desta segunda-feira (10) sua primeira entrevista coletiva no cargo, na sede da Secretaria da Segurança Pública (SSP), no Centro. Em sua apresentação, entre outros assuntos, deixou claro, como metas imediatas, que vai priorizar o trabalho investigativo da polícia e a melhoria do atendimento ao cidadão. Ao ser questionado, falou de melhorias salariais para os policiais, de greve, corrupção e de pacto pela segurança pública, como o que vem sendo proposto pelo governo federal.

O delegado-geral fez questão de deixar claro que não é contra o direito dos policiais de participarem de campanhas salariais. “Mas não vamos admitir a quebra da hierarquia. Polícia Civil não é centro acadêmico, não é clube”, afirmou.

Para Carneiro, a greve de policiais só deve ocorrer em último caso. “Quero deixar claro que respeitamos toda e qualquer ação que vise a melhoria salarial. O governo está sensível à melhoria salarial. Mas greve nunca é o primeiro recurso. É o último recurso. Nosso critério é: greve tem de ser dentro da lei. O dirigente sindical tem que respeitar a lei. Se depois de todas as negociações, se decidir pela greve, tem que fazer dentro da lei. E já existe uma lei que regulamenta a greve de servidores públicos em serviços essenciais”, declarou.

O delegado-geral mostrou-se favorável à reestruturação da Polícial Civil no que se refere aos planos de carreira. Em São Paulo, atualmente são 14 carreiras. Para ele, deveriam existir apenas o delegado, o perito e o agente policial, que executaria diferentes funções na polícia. Um projeto de lei que tramita no Congresso Nacional prevê a redução para sete carreiras policiais.

Sobre corrupção, Carneiro prometeu combater os “policiais bandidos” e, para isso, apoiar a atuação da Corregedoria da Polícia Civil. “Corrupção vamos combater de frente. Não podemos tolerar nem o mínimo sequer. O policial bandido é pior que o bandido”, disse. No entanto, ele negou a existência de uma “banda podre” da polícia. “Existem policiais podres, que precisam ser expurgados. Cabe a nós resgatar a confiabilidade da Polícia Civil”, disse.

Sobre um pacto nacional para uma melhora da segurança pública em todo o país, ele o considera viável desde que exista uma “melhor comunicação entre as insituições”.

Ao iniciar a entrevista, Carneiro anunciou a sigla – LIMPE – com a qual norteará suas ações e decisões à frente da Delegacia Geral. “São as iniciais de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência”, explicou. As suas duas primeiras metas como novo delegado-geral serão aprimorar o trabalho de investigação e melhorar o atendimento ao público.

“Atualmente prevalece a cultura cartorial para elucidar crimes, que consiste em colher os depoimentos dos envolvidos na delegacia. Queremos mudar isso, com o trabalho investigativo de campo. Minha ideia é que o delegado assuma definitivamente os comandos. Incentivo muito que os delegados de polícia saiam de seus gabinetes e que vão para o campo”, reforçou.

Ao comentar sobre a sua segunda meta mais imediata, Carneiro declarou que até mesmo policiais costumam reclamar que são mal-atendidos em delegacias. “É algo crônico, que vem se arrastando há décadas”, afirmou. Por isso, nos plantões nos distritos policiais, os boletins de ocorrência deverão ser registrados mesmo que o serviço de processamento de dados do governo estadual esteja fora do ar. Além disso, ele disse que determinará que não sejam mais utilizadas expressões em latim no registro dos boletins.

Antes de assumir como delegado-geral, Carneiro era diretor do Departamento de Polícia Judiciária da Macro São Paulo (Demacro). Ele se formou em direito pela Universidade de São Paulo (USP) em 1986 e começou a trabalhar como delegado em 1989. Ele completa 22 anos na carreira neste mês.

Durante seus anos como delegado, ele trabalhou na Divisão Operacional da Corregedoria, na Divisão Antissequestro, no 47º Distrito Policial, no Capão Redondo, Zona Sul da capital paulista, e foi chefe da Divisão de Homicídios do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Desde 2001, Carneiro também é professor de Gerenciamento de Crises na Academia de Polícia Civil (Acadepol). Ele substitui Domingos de Paula Neto no cargo de delegado-geral. A Secretaria da Segurança Pública ainda não informou qual será o novo cargo de Neto.

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2011/01/greve-so-dentro-da-lei-diz-novo-delegado-geral-da-policia-civil-de-sp.html

Novo DGP de SP, diz que PC precisa de um ‘choque’ de gestão…A POLÍCIA CIVIL NÃO PRECISA DE “CHOQUE”, NECESSITA DE CARINHO, RESPEITO E MAIOR SALÁRIO…5.000,00 É MUITA GRANA PARA UM TENENTE DE 21 ANOS, MAS UMA PORCARIA PARA UM DELEGADO COM 30…R$ 2.000,00 É UMA FORTUNA PARA UM SOLDADO DE 19, UMA MISÉRIA PARA UM OPERACIONAL COM 28 ( valores brutos ) 64

Polícia Civil de São Paulo tem nova chefia
 
Folhapress
São Paulo – O novo delegado-geral de São Paulo, Marcos Carneiro, foi escolhido ontem para o cargo para tirar a Polícia Civil da pasmaceira, segundo a reportagem apurou. A avaliação do secretário de Segurança, Antonio Ferreira Pinto, é que Polícia Civil precisa de um choque de gestão que tenha como epicentro a melhora na qualidade da investigação e no atendimento à população.Exemplo do atraso: só 20% dos boletins de ocorrência em São Paulo são feitos via Internet, o que é considerado um índice baixíssimo. No Rio de Janeiro, por exemplo, já é possível agendar pela Internet o registro de uma ocorrência. Os policiais vão até a casa do cidadão.

Carneiro, 53 anos, era o diretor do Demacro, o conjunto de delegacias das cidades que formam a Grande São Paulo, com exceção da capital. Foi também das divisões de homicídios, antissequestro e Corregedoria Geral.

Na corregedoria, Carneiro teve armas apontadas para sua cabeça e foi ameaçado ao fazer uma prisão na sede do Denarc (narcóticos).

O secretário não esconde de ninguém que considera fraquíssima, para usar uma palavra polida, a gestão de Domingos Paulo Neto, que deixou a chefia da polícia.

Carneiro é considerado um delegado de perfil “operacional”, do tipo que gosta de investigação de cunho mais científico, tem ideias inovadoras e vai às ruas.

Duas dessas ideias surgiram na passagem pela delegacia de homicídios. Ele criou uma unidade chamada Grupo Especializado em Assessoramento de Local de Crime (Geacrim), que tinha como função investigar a cena do crime nas primeiras 48 horas, período decisivo para buscar provas.

Outra criação foi um questionário para o preenchimento de boletins de ocorrência. A avaliação de Carneiro é que, com a queda de qualidade no ensino, os boletins de ocorrência se tornaram cada vez mais obscuros e cheios de jargões, o que resultava numa peça quase inútil.

Advogado formado pela USP, Carneiro é visto como um profissional capaz de reatar a confiança da Polícia Civil no secretário de Segurança. Por conta das investigações em torno de policiais suspeitos de corrupção, Ferreira Pinto é tido como um inimigo da Polícia Civil.

A principal qualidade de Carneiro para essa tarefa é o respeito com que é tratado pela base da Polícia Civil e de ele não fazer parte dos grupos políticos que disputam o controle da Polícia Civil.

OUTRA OPINIÃO: SE O SENHOR SECRETÁRIO NÃO BUSCAR ANGARIAR A SIMPATIA DA MAIORIA DOS POLICIAIS CIVIS NÃO TEM CARNEIRO, TIGRE OU LEÃO QUE NOS FARÁ MAIS OPERANTES, VOLUNTARIOSOS…ENFIM, MOTIVADOS POR ESPÍRITO PÚBLICO!…OU O SECRETÁRIO TENTA DISSIPAR OS RANCORES JÁ PLANTADOS OU PODE PEDIR PARA SAIR 12

Enviado em 10/01/2011 às 12:53 – PIANO PESADO

mas o secretário continua esculachando o Dr. domingos, olha que deu na folha de sábado (08/01/2011)

Segurança Pública troca a chefia da Polícia Civil

Marcos Carneiro é tido como policial “linha de frente”, com perfil voltado para investigação

MARIO CESAR CARVALHO
ANDRÉ CARAMANTE
DE SÃO PAULO

O novo delegado-geral de SP, Marcos Carneiro, foi escolhido ontem para tirar a Polícia Civil da pasmaceira, segundo a Folha apurou.
A avaliação do secretário de Segurança, Antonio Ferreira Pinto, é que a Polícia Civil precisa de um choque de gestão que tenha como epicentro a melhora na qualidade da investigação e no atendimento à população.
Carneiro, 53, era o diretor do Demacro, o conjunto de delegacias das cidades que formam a Grande São Paulo, com exceção da capital. Foi também das divisões de homicídios, antissequestro e Corregedoria Geral.
Na corregedoria, Carneiro teve armas apontadas para sua cabeça e foi ameaçado ao fazer uma prisão na sede do Denarc (narcóticos).
O secretário não esconde de ninguém que considera fraquíssima, para usar uma palavra polida, a gestão de Domingos Paulo Neto, que deixou a chefia da polícia.
Carneiro é considerado um delegado de perfil “operacional”, do tipo que gosta de investigação de cunho mais científico, tem ideias inovadoras e vai às ruas.
Duas dessas ideias surgiram na passagem pela delegacia de homicídios. Ele criou uma unidade chamada Geacrim (Grupo Especializado em Assessoramento de Local de Crime), que investigava a cena do crime nas primeiras 48 horas, período decisivo para buscar provas.
Outra criação foi um questionário para o preenchimento de boletins de ocorrência. A avaliação de Carneiro é que os boletins estão cada vez mais obscuros e cheios de jargões, o que resulta numa peça quase inútil.
Advogado formado pela USP, Carneiro é visto como um profissional capaz de reatar a confiança da Polícia Civil no secretário de Segurança. Por conta das investigações em torno de policiais suspeitos de corrupção, Ferreira Pinto é tido como um inimigo da Polícia Civil.

MINHA OPINIÃO, POIS NÃO: O DESGUALDO FICOU 7 ANOS; NESSE MESMO PERÍODO A PM CONTOU DIVERSOS COMANDANTES…ORA, O SECRETÁRIO CONCEITUAR COMO FRAQUÍSSIMA A GESTÃO DE QUEM INDICOU E MANTEVE POR CERCA DE DOIS ANOS, PARA SER POLIDO, É INCOERÊNCIA 7

Enviado em 10/01/2011 às 12:35

Dr. Guerra, por favor, dê a sua opinião sobre o que foi publicado.

Enviado em 10/01/2011 às 12:43

Ele ficou, enquanto o Dr. Domingos foi embora. E agora?.

______________________________________________________
Combate ao crack será prioridade da PM

Josmar Jozino
do Agora

O combate ao crack é uma das prioridades do coronel Álvaro Batista Camilo, 49 anos, em sua segunda gestão no Comando-Geral da Polícia Militar de SP. Ele foi convidado a permanecer no cargo pelo secretário da Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto. O governador Geraldo Alckmin (PSDB) aceitou a indicação.

Camilo conversou com o Agora, ontem à tarde, por telefone, de Franca (400 km de SP), onde acompanhou o enterro do cabo Odmar Sartório, do 15º Batalhão do Interior.

O coronel disse que a PM vai investir em tecnologia e inteligência para combater o crack em todo o Estado, principalmente na região central da capital, onde a droga vem se alastrando, segundo ele. Ele também disse que pretende instalar, nos próximos dois anos, 3.000 câmeras de inteligência na cidade.

_________________________________

Quanto a suposta preferência pela PM, lembro que o Luís Antônio Fleury Filho – identicamente Promotor e Oficial PM – também era acusado de nutrir maior simpatia pela PM.

Na verdade, Fleury sempre foi isonômico: AS DUAS DEIXOU NA MERDA!

O  Dr. Ferreira Pinto  nutrir maior simpatia pela PM é mais do que natural. Aberração seria ele , como Oficial da reserva da PM, nutrir maior inclinação pela Polícia Civil.

Nossa opinião: o Pinto é assunto para o Alckmin…

Aliás, os jornais escrevem que o secretário disse isto e aquilo –  embora não verifique desmentidos – de viva voz nada ouvi.

ÊPA…ÊPA…ÊPA!…O DOUTOR DOMINGOS FOI UM GRANDE DGP; O TEMPO MOSTRARÁ…SAIU CREDENCIADO A REASSUMIR A DGP NOUTRA OPORTUNIDADE, INCLUSIVE…QUAISQUER COMPARAÇÕES COM ANTECESSORES É ACINTE 23

Enviado em 10/01/2011 às 11:37 – PSDB NUNCA MAIS

SERPICO DO SERTAO,

Acho que quem já tomou bonde, com oficio entregue na saída de plantão de final de semana ou avisado pelo BID sabe muito bem o que o Dr. Domingos fez pela Polícia. Foi por isso que ele foi acusado de ser “classista”.

Dr. Domingos fez muito dentro de suas possibilidades e muitos policiais reconhecem e agradecem o que ele fez. Infinitamente mais que o seu antecessor que só passeou de helicoptero e brincou de SWAT.

_______________________________

O Doutor Domingos de Paula Neto é um excelente Delegado; como Delegado Geral buscou melhorias funcionais. 

Em linhas gerais –  embora o desestímulo e descontentamento endêmicos resultantes do governo José Serra e de todas as mazelas semeadas noutros governos –  deixa para o sucessor uma Polícia Civil melhor do que encontrou há quase dois anos.

Nossas homenagens e insuspeito respeito ao Delegado Geral: Domingos de Paula Neto.

________________________________________

Complemento o insuspeito com  constumeiro  “acinte”: 

Nos fincou uns pintos!

Mas como se diz por aí: “quem não tem cu prá conferir não contrata pica“. 

Corolário:  Nunca julgue  um superior na medida de pessoal satisfação ou insatisfação de interesses.