O GECEP É MEIO ESQUISITO: DENUNCIA O CARREL SEM MATERIALIDADE E ABSOLVE O “DIRD” EM RAZÃO DO DESAPARECIMENTO “DA MATERIALIDADE”…GECEP, BAH! 29

Enviado em 22/02/2011 às 17:01

Luciana Frugiuele, Promotora de Justiça há 15 anos, integrante do Grupo de Ação Especial para o Controle Externo da Atividade Policial (GECEP), é quem vai coordenar as investigações sobre o comportamento dos delegados da Corregedoria da Polícia Civil de são Paulo que participaram da chamada Operação Pelada.

A ordem da Procuradoria-Geral é não poupar esforços para encontrar um caminho que permita a reabertura do caso. O desafio é grande. O primeiro inquérito policial foi arquivado a pedido do procurador Lee Robert Kahn da Silveira. Além de não enxergar abuso nas imagens que chocaram o País, ele ainda elogiou a atuação dos delegados (veja post sobre o assunto aqui). Como o pedido do promotor anterior foi acatado pelo juiz da Vara Distrital de Parelheiros, onde corria o inquérito, os três promotores que integram o grupo estão trabalhando em conjunto.

Não é difícil vislumbrar a divergência deles em relação a Kahn da Silveria. Hoje de manhã, Fernando Albuquer Souza, um dos integrantes do CEGEP postou no Facebook uma mensagem que pode sintetizar a disposição do trio. “Para aqueles que têm acompanhado as notícias do caso da escrivã de polícia que foi despida em busca do dinheiro ilegalmente recebido, informo que o inquérito policial foi arquivado a pedido da Promotoria de Parelheiros. Eu e meus colegas, integrantes do GECEP, respeitosamente discordamos desse posicionamento por entender que a busca foi contrária à lei”.

A primeira providência, que já foi tomada, foi oficiar a Corregedoria solicitando o envio de todo o material que integrou os procedimentos administrativos. Os passos seguintes não serão divulgados porque, segundo Luciana Frugiuele, envolvem as intimidades da vítima, o sigilo a que os delegados têm direito e a privacidade de muitas outras pessoas. “Nada aqui será violado, nem em nome da contenção do clamor público”.

“Vocês só vão saber o resultado quando todos os elementos forem colhidos e permitirem uma conclusão”. A promotora, no entanto, pede que a população confie no Ministério Público. “Nós vamos dar o máximo do nosso esforço para que seja feita justiça nesse caso”, arremata Frugiuele.

http://www.pannunzio.com.br/?p=7177

A tia vai cair!…(A TIA É MULHER QUE HONRA O CARGO COMO NINGUÉM…UM EXEMPLO DE CORAGEM E LEALDADE QUE DEVERIA SER SEGUIDO POR TODOS OS DELEGADOS DESTE ESTADO ) 110

———- Mensagem encaminhada ———-
De: Gabriel Silvestre
Data: 22 de fevereiro de 2011 12:29
Assunto: A tia vai cair!
Para: dipol@flitparalisante.com

Publica ai Guerra!
 
 

Operação Pelada: Corregedora-geral é a próxima da lista de exonerações

February 22 | Posted by Fábio Pannunzio | Direitos humanos, Manchetes, Notícias, Segurança Tags: , , , , ,

Trefiglio: se ela não ligar pedindo a conta, o Secretário liga para ela.

A situação da Corregedora-Geral da Polícia São Paulo é crítica. A saída dela deve ser anunciada nas próximas horas, segundo uma fonte da Secretaria de Segurança Pública. Maria Inês Trefiglio causou embaraços ao Palácio dos Bandeirantes e à cúpula da Polícia Civil ao apoiar e elogiar a ação truculenta da turma de delegados que algemou, despiu e humilhou uma escrivã acusada de concussão nas dependências da delegacia de Parelheiros, na Zona Sul de São Paulo. “Ou ela sai a pedido, ou saímos com ela”, afirmou um dos integrantes da cúpula da Segurança no Estado.

A postura de Trefiglio causou revolta e indignação em todas as categorias da Polícia Civil.  Ela chegou a afirmar ao repórter Sandro Barboza, da Rede Bandeirantes, que ” reportagens como essa só servem para desestimular o trabalho sério feito pelos bons policiais”. A censura da Corregedora-Geral tinha como alvo a divulgação das imagens da prisão em flagrante de V.S.L.F., feita em primeira mão pelo Blog do Pannunzio e pela TV Bandeirantes. De acordo com assessores dela, o comportamento dos policiais, afastados no começo da noite desta segunda-feira, foi “honrado e corajoso”.

A opinião diverge frontalmente da que foi manifestada  pelo Secretário de Segurança Antônio Ferreira Pinto. Embora não tenha feito referências diretas à atuação da Corregedora, ele manifestou, em nota oficial, “perplexidade com o requerimento de arquivamento do inquérito policial instaurado por abuso de autoridade pelo representante do Ministério Público oficiante” –  um recado claro do descontentamento do governo paulista com todos os que conspiraram para que os delegados permanecesem impunes.

Sob a coordenação de Maria Inês Trefiglio, a Corregedoria cerceou a defesa da escrivã e impediu que o video com as sevícias contra a escrivã até que fosse divulgado, na última sexta-feira, Blog do Pannunzio e pela Band.

Conhecida como “honesta”, “inflexível” e “durona”, Trefiglio vai cair por seu exacerbado corporativismo. Ela não teria informado seus superiores da existência do video, que circulou abertamente pelos computadores da Corregedoria enquanto seus  funcionários zombavam dos detalhes anatômicos e dos gritos de socorro de V.S.L.F.

PIADA!…APURA; COMO APURA ! 15

Enviado em 22/02/2011 às 15:25

MP apura suposto abuso policial em ação que despiu escrivã em delegacia.

Caso está com promotores que investigam atividade policial e do Patrimônio.

Vídeo com ação que tirou calça e calcinha de ex-policial circula na internet.

Kleber Tomaz Do G1 SP

O Ministério Público Estadual de São Paulo vai apurar se quatro delegados da Corregedoria da Polícia Civil, responsáveis por investigar ilegalidades praticadas por policiais, e outros agentes públicos cometeram abuso de autoridade contra uma então escrivã dentro de uma delegacia na capital paulista. A mulher foi despida à força pelas autoridades durante uma ação gravada pela corregedoria que acabou vazando na internet.

A Promotoria de Justiça de SP instaurou procedimentos para apurar a denúncia a partir das notícias veiculadas na imprensa. De acordo com nota publicada na segunda-feira (21) no site da Procuradoria-Geral de Justiça, duas promotorias do Ministério Público vão apurar o caso do suposto abuso praticado por esses policiais civis contra a escrivã no 25º Distrito Policial, em Parelheiros, Zona Sul, há quase dois anos.

Segundo a procuradoria, o caso “já é objeto de investigação” dos promotores do Grupo de Atuação Especial de Controle Externo da Atividade Policial (Gecep), do Ministério Público. Segundo a assessoria de imprensa do MP, a procuradoria recebeu uma representação em dezembro de 2010 para a reabertura das investigações sobre o fato e o encaminhou ao Gecep.
O secretário da Segurança Pública de São Paulo, Antonio Ferreira Pinto, determinou na noite desta segunda-feira (21) o afastamento de dois delegados lotados na Corregedoria da Polícia Civil. Eles aparecem em um vídeo em que uma ex-escrivã é obrigada a ficar nua para ser revistada.
Os outros promotores que irão apurar o caso são da Promotoria do Patrimônio Público e Social. Segundo o MP, na segunda-feira (21), o órgão “instaurou procedimento para apurar a possível ocorrência de abuso e ilegalidade, além da prática de atos de improbidade administrativa por parte de delegados de polícia e outros agentes públicos, naquela ocorrência.”

CARA ODETE, A POSIÇÃO DO FLIT ESTÁ POSTA HÁ QUASE DOIS ANOS: HOUVE ESTUPRO E IMPERATIVO A PRISÃO DAS PRETENSAS AUTORIDADES ( DELEGADOS DE POLÍCIA NÃO SÃO; NUNCA SERÃO! ) 20

Enviado em 22/02/2011 às 16:04- ODETE

Caro Guerra, boa tarde, se puder destacar estas colocações agradeço;

Vamos lá, em que pese a servidora estar sendo averiguada pela Casa Censora, o despreparo dos agentes públicos desaguaram em uma tragédia de erros que beira a insanidade.
Muito se falou aqui, em violência, violação, abuso, tortura, ditadura.
Pois bem caríssimos, a única conclusão a qual podemos chegar é a seguinte:

O ato foi um atentado violento ao pudor?
Fica claro a tortura física e psicologica pela qual a servidora passou?
tais condutas são equiparados ao crime hediondo ?
Crimes hediondos são punidos com maior severidade ?

Deve a autoridade policial agir de ofício?

Já que a divulgação está sendo ampla e irrestrita, sugiro o encaminhamento do caso ao tribunal Penal internacional e à Corte de Haia.
Seguem os dados para encaminhamento, esperandojustiça em favor de um ser humano cujo grito continua ecoando em nossas mentes….

Please use one of the working languages of the Court – English or French – for any correspondance.

Postal Address

Po Box 19519
2500 CM, The Hague
The Netherlands

Visiting the International Criminal Court

Main Entrance Hearings/Visits

Maanweg, 174 Regulusweg
2516 AB, The Hague 2516 AB, The Hague
The Netherlands The Netherlands
Tel. + 31 (0)70 515 8515 Email visits@icc-cpi.int
Fax +31 (0)70 515 8555 Fax +31 (0)70 515 8499
Map More information

Communications and claims under art.15 of the Rome Statute may be addressed to:

Information and Evidence Unit
Office of the Prosecutor
Post Office Box 19519
2500 CM The Hague
The Netherlands

or sent by email to otp.informationdesk@icc-cpi.int ,
or sent by facsimile to +31 70 515 8555.

Job opportunities

To apply

Please read our application guidelines
Email applications@icc-cpi.int
Fax +31 (0)70 515 8553
Job vacancies

Technical support

Please contact websupport@icc-cpi.int

For e-Recruitment, please contact: applications@icc-cpi.int

O Exmº Secretário deveria, em razão do cerceamento da defesa com supressão da verdade real, anular imediatamente sua decisão demitindo a escrivã…EMÍLIO, A GENTE QUE TE CONHECE SABE QUE VOCÊ MANDOU ESCRACHAR A ESCRIBA…Sr. CORREGEDOR, Bah! 344

O secretário da Segurança Pública, ao tomar conhecimento das imagens veiculadas pela Rede Bandeirantes de Televisão, relacionadas com operação desenvolvida pela Corregedoria da Polícia Civil em 15 de junho de 2.009, determinou a saída dos delegados de polícia EDUARDO HENRIQUE DE CARVALHO FILHO e GUSTAVO HENRIQUE GONÇALVES, lotados até a presente data na Corregedoria.


O terceiro delegado de polícia que participou da diligência, RENZO SANTI BARBIN, já não mais integra os quadros daquele Departamento.

Determinou ainda a instauração de Processo Administrativo Disciplinar para apurar a responsabilidade funcional de cada um deles, bem como do delegado de polícia EMÍLIO ANTONIO PASCOAL, à época titular da Divisão de Operações Policiais da Corregedoria, que concorreu para o desfecho daquela intervenção policial.

Por fim, determinou a expedição de ofício ao Exmo. Sr. Procurador de Justiça manifestando perplexidade com o requerimento de arquivamento do inquérito policial instaurado por abuso de autoridade, pelo representante do Ministério Público oficiante, à época, junto ao juízo criminal da Vara Distrital de Parelheiros.

http://videos.band.com.br/v_87844_delegados_que_deixaram_ex_escriva_nua_em_revista_serao_afastados.htm