BLOG DO PANNUNZIO: Corregedoria preparou o flagrante contra a escrivã e mentiu para incriminá-la 63

 

Operação Pelada: como a Corregedoria preparou o flagrante contra a escrivã e mentiu para incriminá-la

February 26 | Posted by Fábio Pannunzio

Os vícios do rumoroso caso da escrivã despida à força numa delegacia da Zona Sul de São Paulo começaram assim que o Ministério Público encaminhou o motoboyAlex Alves de Souza, de 27 anos, à Corregedoria da Polícia Civil, no dia 9 de junho de 2.008.  Como o Blog do Pannunzio revelou nesta sexta-feira, ao prestar declarações sobre a suposta tentativa de suborno, Alex passou recebeu instruções detalhadas dos delegados sobre o que deveria fazer para comprovar a acusação (leia post sobre o assunto aqui).

Cinco dias se passaram até que a prisão em flagrante de V.F.S.L,. fosse consumada. Nesse período, o motoboy tentou contato, em duas oportunidades diferentes, com a escrivã por telefone. A degravação dos diálogos, juntada ao inquérito policial, deixa claro que é o denunciante quem insinua a existência de um acerto prévio. Para materializar o crime de conussão, V. teria que ter exigido dinheiro, situação que não se verifica em nenhum dos registros.

Os dois telefonemas foram feitos por Alex. Os documentos anexados ao inquérito não indicam com precisão a data em que o primeiro deles aconteceu. É provável que a ligação tenha ocorrido no dia 11 de junho, um dia depois de Alex foi ouvido pela primeira vez pela Corregedoria. É certo que a iniciativa de falar implicitamente sobre algo previamente combinado, que não podia ser  discutido por telefone, foi do denunciante, e não da escrivã.

– “Então, Vanessa, é consegui só… uma parte”, diz o motoboy.

– “Isso aí não se fala, entendeu ? Telefone é embaçado”, responde a policial.

Apesar da cautela recomendada por V. na abordagem, é literalmente impossível saber exatamente a que ambos estavam se referindo. O certo é que o diálogo (veja fac-símile à esquerda), a exemplo do que foi anteriormente revelado pelo Blog, nem de longe denota a condição exigida para a tipificação do crime de concussão: exigir, em razão do cargo que ocupa, vantagem indevida, como prescrito pelo Artigo 316 do Código Penal.

O segundo telefonema foi disparado por Alex no dia 15, data em que V. foi presa em flagrante. A conversa foi registrada num gravador microcassete da Corregedoria e estava sendo monitorada — e provavelmente instruída — pela equipe de delegados. É clara a intenção de incriminar V. Mas, ao final, a expectativa nã ose materializou.

Na degravação, é possível depreender que Alex e a escrivã tratam da intimação do pai do denunciante. A iniciativa de insinuar um suposto acordo financeiro, mais uma vez, é do motoboy. E não encontra eco na resposta da escrivã.

– “Deixa eu te falar. Eu arrumei só uma parte daquele negócio”, diz Alex.

– “Então dá uma passadinha aqui que a gente conversa, tá bom?”, responde a policial.

“É uma conversar suspeita”, diz um advogado criminalista consultado pelo Blog do Pannunzio, mas insuficiente para caracterizar concussão ou corrupção. “Eles podiam estar falando sobre rojões, confeitos ou qualquer outra coisa. E ninguém pode ser condenado com base em suposições”, arremata a fonte.

A afirmação inverídica de que a exigência de suborno foi gravada consta de várias peças do inquérito. O Blog teve acesso a todo o processo, que tem 269 páginas, distribuídas em dois volumes, e não encontrou nenhum documento, trancrição ou lado pericial que comprove isso.

No relatório do inquérito encaminhado à Justiça quando a investigação foi concluída, a delegada Patrícia Vaiano Mauad afirma que “a fita da gravação da ligação efetuada na data dos fatos foi devidamente apreendida em auto próprio e encaminhada à perícia pra degravação”. Não há registro dessa perícia nos autos.

Conforme se pode ver no trecho destacado no fac-símile ao lado, a mesma delegada afirma que a conversa onde houve a exigência de propina foi “gravada em seu telefone celular [do denunciante]“. Mais adiante, na mesma página, lê-se que no dia 15 de junho houve “um novo contato telefônico entre entre Alex e a escrivã Vanessa, o qual foi gravado pelos Delegados da Corregedoria, onde foi marcado um encontro pessoal no cartório do VigésimoQuinto DP (…) para a entrega de parte da quantia exigida, estipulada pela vítima e policiais civis da Corregedoria em R$ 200,00″. Tampouco há, na perícia das gravações, qualquer menção à entrega de propina.

Embora os delegados-corregedores afirmem o tempo todo que o momento da entrega do suborno foi gravado, não há registro dessa gravação no inquérito. A rigor, ninguém sabe o que se passou enquanto enquanto Alex e V. estavam a sós no cartório da Delegacia.Se esse momento foi efetivamente gravado, tal gravação foi suprimida dos autos por iniciativa da própria Corregedoria.

Causa estranheza também que o video gravado pelos delegados-corregedores, que registra a humilhação imposta à escrivã, não tenha sido juntado ao inquérito, apesar das diversas requisições feitas pelos advogados de V. nas instâncias criminal e administrativa. A peça só passou a ser considerada depois que  o Blog do Pannunzio e a Rede Bandeirantes divulgaram o material, no último dia 18.

LEIA MAIS NO BLOG DO PANNUNZIO

http://www.pannunzio.com.br/?p=7343

FERREIRA PINTO SABIA DE TUDO DESDE AGOSTO DE 2009…RECEBEU O VÍDEO E DOCUMENTOS DA PROMOTORA MARIA JÚLIA KAIAL CURY 48

Enviado em 26/02/2011 às 19:27 – Sandro Barboza

A respeito do editorial do jornal Folha de S. Paulo, preciso apenas fazer alguns esclarecimentos:
Todos os atos da Corregedoria são informados ao Secretário de Segurança Pública, por força do decreto 54.710, publicado no Diário Oficial do Estado em agosto de 2009.
Segundo a então corregedora, Maria Inês Trefiglio Valente, conforme entrevista dada a TV Band, o secretário Antônio Ferreira Pinto, sabia de tudo, nada foi escondido dele.
Também em agosto de 2009, a Promotora de Justiça Maria Júlia Kaial Cury enviou ofício ao secretário da Segurança Pública de São Paulo, contando em detalhes a revista da escrivã, ocorrida no Distrito de Parelheiros. Junto com o documento estava anexada uma cópia do DVD contendo as imagens da operação da Corregedoria, feita pelos policiais do próprio órgão.
O Ministério Público solicitou a abertura de inquérito policial contra os integrantes da Corregedoria por abuso de autoridade. Também foi solicitada a abertura de processo administrativo. O Secretário da Segurança Pública enviou o caso para a Corregedoria, que é subordinada diretamente a ele.
Apenas um inquérito foi aberto. O processo administrativo não. Vale lembrar que o delegado Eduardo Henrique de Carvalho Filho estava em estágio probatório, e um processo administrativo poderia prejudicar a efetivação dele dentro da carreira pública.
Terminado o inquérito, o caso foi enviado para o Ministério Público. O promotor de justiça de Parelheiros, Lee Robert Kahn da Silveira, pediu o arquivamento do processo em 23 de setembro de 2009. Dias depois, a Justiça de São Paulo, concordou com o pedido.
Segundo a então corregedora, os policiais da Corregedoria agiram correta e legalmente, e tudo o que aconteceu, foi necessário.
No dia 10 de dezembro, e não em novembro como foi publicado na Folha, o secretário Antônio Ferreira Pinto, recebeu ofício do presidente da OAB São Paulo, Luiz Flávio Borges D’urso, bem como nova cópia do DVD com as imagens feitas pela corregedoria da operação de prisão da escrivã. Ofícios de igual teor, bem como cópias dos DVDs também foram enviados ao então governador, Alberto Goldman, ao então presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, Antônio Carlos Viana Santos e ao Procurador Geral de Justiça do estado, Fernando Grella Vieira, que mandou investigar o caso. Dos demais, a OAB-SP ainda aguarda resposta sobre as providências tomadas.
Na sexta-feira (18 de fevereiro), o Jornal da Band, exibiu em primeira mão as imagens da operação da Corregedoria, além de entrevista com a ex-escrivã.
Na segunda-feira (21 de fevereiro), o Secretário Antônio Ferreira Pinto emitiu uma nota informando que após ver as imagens divulgadas pela Rede Bandeirantes de Televisão, resolveu afastar os delegados envolvidos no caso, bem como abrir investigação.
Em outra nota, Ferreira Pinto, disse que nunca tinha visto o vídeo, e que a primeira vez que teve contato com as imagens, foi ao ver o material exibido pela Band.
Tudo o que escrevi acima está relatado nas reportagens exibidas entre o dia 18 a 26 de fevereiro na TV Band, portal http://www.eband.com.br e TV Bandnews

SERÁ QUE O TOYOTA COROLLA DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA TAMBÉM FOI LOCADO POR EMPRESA DE MINAS GERAIS 45

https://flitparalisante.wordpress.com/2011/02/26/atentado-a-ferreira-pinto-abafado-pelo-governo-o-secretario-de-seguranca-de-sao-paulo-antonio-ferreira-pinto-teria-sido-vitima-de-atentado-ha-dias-segundo-fontes-policiais/

Ah, o péssimo exemplo acima, ou seja, causar impacto ambiental  e desgastes nas vias Paulistas, pagando aluguel de carro para empresa sediada noutro Estado, pagando impostos em geral e IPVA em benefício de Minas Gerais, é dado por certa prefeitura do Partido dos Trabalhadores…

Dizem que o PT gosta de imitar o PSDB.

O delegado Renzo Santi Barbin foi afastado de seu trabalho no núcleo da Corregedoria da Polícia Civil de Bauru 45

26/02/2011

Delegado corregedor de Bauru é afastado

 

Vitor Oshiro/Com Redação

O delegado Renzo Santi Barbin foi afastado de seu trabalho no núcleo da Corregedoria da Polícia Civil de Bauru. Ele é um dos quatro envolvidos no caso da escrivã que, após constatada suspeita de recebimento de propina, foi despida à força na Delegacia de Parelheiros, em São Paulo.

Juntamente com outros dois delegados, Barbin aparece no vídeo da prisão em flagrante de V.F.S.L. O caso ocorreu um junho de 2009, quando a escrivã foi acusada de receber R$ 200,00 para favorecer um suspeito de portar munição.

De acordo com a assessoria de comunicação da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, Renzo Santi Barbin, que veio trabalhar na unidade de Bauru depois de sair de Parelheiros, está afastado de qualquer atividade na Corregedoria desde a decisão tomada no início dessa semana pelo secretário Antônio Ferreira Pinto. O afastamento ainda não foi oficializado no Diário Oficial.

O titular da divisão de Operações Especiais da época, Emílio Antonio Pascoal, também será alvo do mesmo processo, uma vez que, de acordo com o entendimento do secretário, “concorreu para o desfecho daquela intervenção policial”.

No vídeo de 12 minutos, a escrivã diz que os policiais poderiam revistá-la, porém, somente tiraria a roupa para policiais femininas. Entretanto, sem a presença de qualquer investigadora da Corregedoria, os homens rtiram a calça e a calcinha da mulher. Após encontrar o dinheiro supostamente de origem ilícita, ela foi demitida da Polícia Civil, porém, recorre da decisão.

Antonio Ferreira Pinto…(lobby do deputado Tobias “de Aguiar”, do Comitê Olímpico e aumento salarial só para “ativos” ) 31

———- Mensagem encaminhada ———-
De: L

Data: 26 de fevereiro de 2011 10:18
Assunto: Antonio Ferreira Pinto
Para: dipol@flitparalisante.com

Caro Dr Guerra, estou lhe enviando este email para lhe falar sobre reuniões que aconteceram nestes dias para segurar o secretário  de segurança publica, obtive informações de que a força politica de AFP  é o deputado Tobias, mas até ai acho que não tem muita novidade, estranho é uma conversa sobre o comite olimpico estar fazendo loby para mante-lo no cargo mesmo após saberem sobre os metodos que este AFP esta utilizando, outro ponto grave que tive informações é que o governador esta estudando alguma forma de dar algum aumento de salário que não vá para os aposentados que não averbe no salário dos aposentados.    
 
 
Aposentado.
 

 

EDITORIAL DA FOLHA DE SÃO PAULO VELADAMENTE SUGERE QUE O SECRETÁRIO FOI OMISSO NO CASO DA ESCRIVÃ VÍTIMA DE ABUSOS…TERIA SIDO CORPORATISTA EM CAUSA PRÓPRIA? 15

Enviado em 26/02/2011 às 9:43 – ricardo

Azedou pro Pinto, até a folha ta detonando ele, eu fuiiiiiiii ele foiiiiiiiiiiiii

CONTEÚDO LIVRE: EDITORIAL – FOLHA DE SÃO PAULO

Abuso policial

Em junho de 2009, policiais da corregedoria arrancaram à força as vestes de uma escrivã acusada de receber propina em uma delegacia na zona sul de São Paulo. Uma investigação para apurar se houve excessos foi arquivada. A delegada Marina Inês Trefiglio Valente, por ironia a primeira mulher na história a ocupar o cargo de corregedora-geral, defendeu a ação dos subordinados.
Apenas depois do vazamento de um vídeo, na semana passada, que registra a ação, o caso tomou novo rumo. Os policiais envolvidos acabaram afastados, e o inquérito foi reaberto. A delegada, nomeada em março de 2009, foi retirada do cargo.
Assistir à gravação, feita pelos próprios policiais, é testemunhar um abuso. Contra a violência que se anuncia, ouvem-se apelos da escrivã, suspeita de esconder propina sob a roupa para escapar do flagrante. “Você está dificultando nosso trabalho”, diz um agente.
Havia duas policiais femininas na sala, e a escrivã dizia concordar em ser revistada por elas. Exigia apenas que os homens saíssem. Em vão. Depois de arrancados os trajes à força, um deles mostra quatro notas de R$ 50 à câmera. “Está presa em flagrante”, diz. Expulsa em 2010, a funcionária agora recorre da decisão.
Não se trata de discutir se a suspeita era culpada, mas o modo como o caso foi conduzido. É óbvio, mas cumpre ressaltar, que ilegalidades não podem servir de caminho para expor outros ilícitos.
O combate à corrupção policial é uma das principais bandeiras do atual secretário da Segurança Pública de São Paulo, Antonio Ferreira Pinto. Em sua gestão, cerca de um quarto dos pouco mais de 3.000 delegados do Estado tornaram-se alvo de investigações da Corregedoria da Polícia Civil.
Um dos maiores problemas enfrentados pelo órgão é justamente o corporativismo, um tipo de comportamento que não deveria contaminar autoridades graduadas. O vídeo tinha chegado à secretaria em novembro, mas a reação só veio após seu vazamento.

———————————————

Quarta-feira, 26/08/09 – 18:32

Corregedoria da Polícia Civil passa a responder ao gabinete do secretário

Um decreto do Governo do Estado de São Paulo, publicado no Diário Oficial desta quarta-feira (26), transfere a estrutura básica da Corregedoria da Polícia Civil para o gabinete do secretário da Segurança Pública.

Na prática, a Corregedoria passa a ser diretamente subordinada ao secretário da Segurança Pública, que deve ser informado sobre o andamento de todas as atividades da unidade. Antes, quem recebia essas informações era a própria Polícia Civil.

A remoção de integrantes de algumas carreiras, por exemplo, deverá ser previamente comunicada ao secretário. As decisões de penas de remoção compulsórias também passarão a ser submetidas ao titular da pasta.

Assessoria de Imprensa da Secretaria da Segurança Pública

http://www.ssp.sp.gov.br/noticia/lenoticia.aspx?id=1289

PM mulher tentou impedir delegado que tirou roupa à força de escrivã…ESTÁ NO REQUERIMENTO DO PROMOTOR QUE NÃO VIU ABUSOS E PEDIU ARQUIVAMENTO DO INQUÉRITO 35

26/02/2011 08h07 – Atualizado em 26/02/2011 08h07

PM mulher tentou impedir delegado que tirou roupa à força de escrivã

Policial militar feminina disse que delegado queria ver suspeita nua em SP.
Escrivã conta que delegado sorriu ao vê-la nua, diz relatório da Promotoria.

Kleber Tomaz Do G1 SP

V.F., de 29 anos, se diz traumatizada até hoje com a humilhação a qual foi submetida (Foto: Marcelo Mora/G1)A ex-escrivã de 29 anos se diz traumatizada até hoje  (Foto: Marcelo Mora/G1)

Relatório do Ministério Público Estadual revela que uma policial militar chamada por policiais civis para revistar a escrivã suspeita de corrupção em 2009 tentou vistoriá-la no banheiro da delegacia, na companhia de uma guarda-civil metropolitana, sem a presença masculina, mas foi impedida pelo delegado da Corregedoria que comandava a ação.

O documento da Promotoria foi obtido pelo G1. A ex-escrivã, expulsa da corporação, foi despida à força por um delegado da Corregedoria da Polícia Civil e filmada nua pela equipe dele, formada por homens, dentro do 25º Distrito Policial, em Parelheiros, na Zona Sul de São Paulo.

Em seu depoimento, a policial militar disse que o delegado alegou que ele precisava acompanhar a revista, exigindo que a escrivã se despisse na sua frente. A testemunha afirmou que a suspeita se recusou, dizendo que só iria tirar a roupa para mulheres.

Mas o delegado arrancou a calça e a calcinha da escrivã, que ficou nua na frente da policial militar, de uma guarda-civil metropolitana, de uma mulher e de pelo menos quatro delegados. Em seguida, o delegado da Corregedoria mostrou R$ 200 que disse estar com a escrivã e a prendeu. O dinheiro, segundo a acusação, foi pago à escrivã por um suspeito de porte ilegal de arma para favorecê-lo no inquérito.

A testemunha solicitava ao delegado da Corregedoria para fazer a revista pessoal (…) no banheiro existente no local. Porém, o delegado exigia que ela se desnudasse na frente dele. Referido delegado não deixou que a testemunha realizasse a revista pessoal (…) no banheiro porque ele dizia que, por ser o condutor, precisava acompanhar a diligência. Na sala também estava uma guarda-civil metropolitana para auxiliar na diligência e uma outra mulher. Por fim, (…) se jogou no chão e referido delegado a segurou pelas pernas e arrancou as calças dela, arrancando também a calcinha, permitindo que todos vissem seus pelos pubianos”, disse a policial militar em depoimento ao Grupo de Atuação Especial de Controle Externo da Atividade Policial (Gecep), que instaurou procedimento para apurar eventual crime de abuso de poder e violação de direitos durante a prisão em flagrante da escrivã.

Vídeo na internet
Recentemente, imagens da ação vazaram na internet, causando mal-estar na cúpula da Secretaria da Segurança Pública do estado. Pelo menos dois documentos foram encaminhados ao secretário da Segurança, Antonio Ferreira Pinto, nos últimos dois anos o alertando sobre esse vídeo no qual o delegado despe a escrivã.

São eles o relatório do Gecep, ao qual a equipe de reportagem teve acesso, e que foi enviado em 28 de agosto de 2009 ao secretário Ferreira Pinto; e um ofício da Ordem dos Advogados do Brasil, em São Paulo (OAB-SP), enviando cópia da fita com a ação da Corregedoria a ele em 4 de novembro de 2010.

A assessoria de imprensa da SSP foi procurada para comentar a informação de que o Gecep encaminhou o relatório ao secretário, mas não se pronunciou. A respeito do DVD com cenas da ação policial, a secretaria informou que Ferreira Pinto recebeu o conteúdo com as imagens em 22 de dezembro de 2010, mas não as viu, e enviou as cenas à Corregedoria da Polícia, que já havia investigado e arquivado o caso.

O vazamento do vídeo da Corregedoria foi criticado nesta semana pelo governador Geraldo Alckimn (PSDB), que o classificou como “grave”.

Delegados afastados
Após a divulgação da ação em sites e a reprodução dela nas TVs e jornais, o secretário Ferreira Pinto demonstrou indignação com o arquivamento do inquérito da Corregedoria que apurava suposto abuso de poder praticado pelos delegados que fizeram a prisão da escrivã. Na segunda-feira (21), ele determinou o afastamento dos quatro delegados envolvidos. No dia seguinte, foi a vez de ele transferir a delegada Inês Trefiglio Valente do posto de corregedora-geral. Ela chegou a defender os policiais publicamente, ao dizer que eles agiram com “moderação”.

O secretário também determinou a nova instauração de processo administrativo disciplinar na Corregedoria da Polícia Civil para apurar a responsabilidade dos delegados envolvidos naquela ação de 2009.

A equipe da Corregedoria investigava a escrivã por crime de concussão (quando um servidor exige o pagamento de propina). A mulher respondeu a processo administrativo e foi exonerada da Polícia Civil em outubro de 2010.

Arquivamento
No relatório obtido pelo G1, o Gecep pediu para a Promotoria do Fórum de Parelheiros apurar o suposto abuso policial, mas o promotor designado decidiu arquivar o caso em 23 de setembro de 2009. Também informou que foi instaurado inquérito policial na Corregedoria da Polícia Civil e a apuração na então Promotoria de Justiça da Cidadania (substituída hoje pela Promotoria do Patrimônio Público e Social).

Não há que falar em abuso de autoridade por parte do delegado (…), pois à polícia será sempre permitido relativo arbítrio, certa liberdade de ação (…)”, escreveu o promotor que arquivou o caso.
Sobre as imagens a que assistiu, o promotor escreveu que “o clima existente no local dos fatos ficou bem adverso a atuação destes, aliás, muito idêntico àqueles retratados nos filmes, quando policiais são investigados por outros policiais”.

O promotor ainda escreveu que os delegados “agiram, portanto, estritamente no exercício de suas funções policiais”.

Nesta semana, a Promotoria de Justiça instaurou procedimentos para apurar novamente a denúncia de abuso de autoridade praticado por policiais contra a escrivã a partir das notícias veiculadas na imprensa.

Delegados trocam acusações
O documento também mostra trechos de depoimentos dos delegados que eram investigados pelo Ministério Público, bem como da escrivã e de testemunhas.

O delegado-corregedor apontado como o responsável por tirar a roupa da escrivã sem o consentimento dela foi ouvido e alegou que “a ordem para despir (…) partiu do delegado de polícia divisionário, (…). Disse também que não permitiu que as policiais femininas que estavam no local efetuassem a revista pessoal (…) porque não confiou nelas. Por fim, informou que como era ele quem comandava a operação, deliberou que a revista pessoal (…) fosse feita por ele mesmo”.

O então delegado divisionário negou que ele tenha permitido que a revista da suspeita fosse feita por homens e “afirmou que jamais autorizou ou determinou que a escrivã (…) fosse desnuda por policiais do sexo masculino. Autorizou que a revista fosse realizada dentro dos ditames legais, ou seja, por policiais femininas.”

Vídeo gravado pela Corregedoria foi parar na internet  (Foto: Reprodução)Vídeo gravado pela Corregedoria foi parar na internet
(Foto: Reprodução)

Escrivã
No mesmo relatório, o Gecep informa que escrivã lhe contou que o delegado começou a sorrir quando ela ficou nua. “Algemou a depoente, com as mãos para trás, e jogou a depoente no chão e, sem sequer abrir os botões arrancou a calça da depoente. Nisso o dinheiro caiu no chão. Sem necessidade alguma o delegado abaixou a calcinha da depoente, tendo ela ficado com a intimidade exposta. A depoente viu que o delegado de polícia da Corregedoria sorriu enquanto estava desnuda”, escreveu a promotora.

Em entrevista ao G1 na segunda, a ex-escrivã, que não quis ter o nome divulgado, afirmou que se sente humilhada em dobro com a veiculação do vídeo na internet com a cena dentro da delegacia. “É uma dupla humilhação, no dia e agora”, disse a mulher, que preferiu não comentar a acusação.

O advogado da ex-escrivã tenta reverter sua exoneração da Polícia Civil. O inquérito criminal ainda corre na Justiça. A primeira audiência do caso só deverá ocorrer em maio, conforme seus advogados. “Foi um excesso desnecessário. Ela só não queria passar pelo constrangimento de ficar nua na frente de homens”, disse o advogado Fábio Guedes da Silveira.

Testemunhas
Ainda no mesmo documento, são mostrados trechos dos depoimentos dos delegados suspeitos do abuso e das testemunhas.

Outro depoimento que chama a atenção é do delegado titular do 25º DP, que tentou defender a escrivã e chegou a responder uma sindicância na Corregedoria por atrapalhar a ação do órgão. De acordo com o delegado de Parelheiros, o delegado da Corregedoria “gritava para que (…) tirasse a roupa dela na frente dele; porém, ela dizia que a revista deveria ser feita por uma policial feminina e não por homens. Havia uma policial militar e uma guarda-civil metropolitana femininas no distrito policial no momento dos fatos”.

O G1 não conseguiu localizar os delegados afastados da Corregedoria pelo secretário, os promotores, a policial militar que prestou depoimento e as testemunhas para comentar o assunto

————————————————————–

https://flitparalisante.wordpress.com/2011/02/24/segue-e-mail-que-a-escriva-enviou-aos-orgaos-publicos-percebam-o-porque-de-nao-colherem-o-depoimento-da-policial-militar-silvian-no-auto-de-flagrante/

Policial militar feminina disse que delegado queria ver suspeita nua em SP 25

Enviado em 26/02/2011 às 9:50– AGUARDANDO O BONDE

26/02/2011 08h07 – Atualizado em 26/02/2011 08h07
PM mulher tentou impedir delegado que tirou roupa à força de escrivã
Policial militar feminina disse que delegado queria ver suspeita nua em SP.
Escrivã conta que delegado sorriu ao vê-la nua, diz relatório da Promotoria.
Kleber Tomaz
Do G1 SP

imprimir
A ex-escrivã de 29 anos se diz traumatizada até hoje (Foto: Marcelo Mora/G1)

Relatório do Ministério Público Estadual revela que uma policial militar chamada por policiais civis para revistar a escrivã suspeita de corrupção em 2009 tentou vistoriá-la no banheiro da delegacia, na companhia de uma guarda-civil metropolitana, sem a presença masculina, mas foi impedida pelo delegado da Corregedoria que comandava a ação.

Tá tudo no G1 reportagem completa.

PENICO ESPALHADO ( gongorismo ) 32

Enviado em 26/02/2011 às 8:37

na DGPAD, o Dr. GUSTAVO HENRIQUE GONÇALVES, RG
16.100.720, Delegado de Polícia de 3ª classe, padrão II, lotado
na Delegacia Geral de Polícia, anteriormente classificado na
CORREGEDORIA. (DGP 1700/P)
na DGPAD, o Dr. EDUARDO HENRIQUE DE CARVALHO
FILHO, RG 29.332.817, Delegado de Polícia de 3ª classe, padrão
II, lotado na Delegacia Geral de Polícia, anteriormente classificado
na CORREGEDORIA.(DGP 1701/P)
no DEINTER 4 – BAURU-SEDE, o Dr. RENZO SANTI BARBIN,
RG 27.157.982, Delegado de Polícia de 3ª classe, padrão II, lotado
na Delegacia Geral de Polícia, anteriormente classificado na
CORREGEDORIA (4ª Corregedoria Auxiliar – Bauru) (DGP 1702/P)
no DEINTER 5 – SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SEDE, o Dr. EMÍLIO
ANTONIO PASCHOAL, RG 11.076.225, Delegado de Polícia de
1ª classe, padrão IV, lotado na Delegacia Geral de Polícia, anteriormente
classificado na CORREGEDORIA, cessados os efeitos
da Portaria que o designou a exercer a função de Delegado
Seccional de Polícia II da 5ª Corregedoria Auxiliar – São José do
Rio Preto, ficando em conseqüência, cessados o “pro labore”
correspondente.(DGP 1703/P)