EDITORIAL DA FOLHA DE SÃO PAULO VELADAMENTE SUGERE QUE O SECRETÁRIO FOI OMISSO NO CASO DA ESCRIVÃ VÍTIMA DE ABUSOS…TERIA SIDO CORPORATISTA EM CAUSA PRÓPRIA? 15

Enviado em 26/02/2011 às 9:43 – ricardo

Azedou pro Pinto, até a folha ta detonando ele, eu fuiiiiiiii ele foiiiiiiiiiiiii

CONTEÚDO LIVRE: EDITORIAL – FOLHA DE SÃO PAULO

Abuso policial

Em junho de 2009, policiais da corregedoria arrancaram à força as vestes de uma escrivã acusada de receber propina em uma delegacia na zona sul de São Paulo. Uma investigação para apurar se houve excessos foi arquivada. A delegada Marina Inês Trefiglio Valente, por ironia a primeira mulher na história a ocupar o cargo de corregedora-geral, defendeu a ação dos subordinados.
Apenas depois do vazamento de um vídeo, na semana passada, que registra a ação, o caso tomou novo rumo. Os policiais envolvidos acabaram afastados, e o inquérito foi reaberto. A delegada, nomeada em março de 2009, foi retirada do cargo.
Assistir à gravação, feita pelos próprios policiais, é testemunhar um abuso. Contra a violência que se anuncia, ouvem-se apelos da escrivã, suspeita de esconder propina sob a roupa para escapar do flagrante. “Você está dificultando nosso trabalho”, diz um agente.
Havia duas policiais femininas na sala, e a escrivã dizia concordar em ser revistada por elas. Exigia apenas que os homens saíssem. Em vão. Depois de arrancados os trajes à força, um deles mostra quatro notas de R$ 50 à câmera. “Está presa em flagrante”, diz. Expulsa em 2010, a funcionária agora recorre da decisão.
Não se trata de discutir se a suspeita era culpada, mas o modo como o caso foi conduzido. É óbvio, mas cumpre ressaltar, que ilegalidades não podem servir de caminho para expor outros ilícitos.
O combate à corrupção policial é uma das principais bandeiras do atual secretário da Segurança Pública de São Paulo, Antonio Ferreira Pinto. Em sua gestão, cerca de um quarto dos pouco mais de 3.000 delegados do Estado tornaram-se alvo de investigações da Corregedoria da Polícia Civil.
Um dos maiores problemas enfrentados pelo órgão é justamente o corporativismo, um tipo de comportamento que não deveria contaminar autoridades graduadas. O vídeo tinha chegado à secretaria em novembro, mas a reação só veio após seu vazamento.

———————————————

Quarta-feira, 26/08/09 – 18:32

Corregedoria da Polícia Civil passa a responder ao gabinete do secretário

Um decreto do Governo do Estado de São Paulo, publicado no Diário Oficial desta quarta-feira (26), transfere a estrutura básica da Corregedoria da Polícia Civil para o gabinete do secretário da Segurança Pública.

Na prática, a Corregedoria passa a ser diretamente subordinada ao secretário da Segurança Pública, que deve ser informado sobre o andamento de todas as atividades da unidade. Antes, quem recebia essas informações era a própria Polícia Civil.

A remoção de integrantes de algumas carreiras, por exemplo, deverá ser previamente comunicada ao secretário. As decisões de penas de remoção compulsórias também passarão a ser submetidas ao titular da pasta.

Assessoria de Imprensa da Secretaria da Segurança Pública

http://www.ssp.sp.gov.br/noticia/lenoticia.aspx?id=1289

  1. na DGPAD, o Dr. GUSTAVO HENRIQUE GONÇALVES, RG
    16.100.720, Delegado de Polícia de 3ª classe, padrão II, lotado
    na Delegacia Geral de Polícia, anteriormente classificado na
    CORREGEDORIA. (DGP 1700/P)
    na DGPAD, o Dr. EDUARDO HENRIQUE DE CARVALHO
    FILHO, RG 29.332.817, Delegado de Polícia de 3ª classe, padrão
    II, lotado na Delegacia Geral de Polícia, anteriormente classificado
    na CORREGEDORIA.(DGP 1701/P)

    UÉ , OS VALENTÕES FICARAM COM MEDINHO DE VIREM TRABALHAR EM UMA DELEGACIA DE VERDADE? KKKKKKKKK
    SE VOCÊS SÃO TÃO HOMENS ASSIM, VENHAM TRABALHAR NO DECAP, PARA SABEREM O QUE É SER POLICIAL DE VERDADE SEU BOSTAS.

  2. Eu também fui vítima de abuso policial dos corregedores, embora de outra equipe (embora não me tiraram as calças.. só faltou isso); um dos delegados dizia que se reportava diretamente ao secretário, pelo telefone, e à dra. Maria Inês também…

    Na verdade, ele que determinava essa política contra os policiais, especialemnte, os policiais civis, de quem o Secretário não gosta – como todo mundo sabe;

    O que eles precisam é combater a corrupção nas licitações e contratos da SSP e deixar os coitados dos policiais em paz…. já estamos ganhando pouco, nos deixe em paz.

  3. Então, se o Gabinete passou a monitorar a Corregedoria somente em agosto, não seria muito provável que os fatos deploráveis tivssem sido realmente trabalhados pelos responsáveis após a transferência da Oorregedoria para a SSP…Arredondados para o AFP não f*** a vida do povo?

    Agora me pergunto: se o Secretário que agora é da área de Transportes não agrada a maioria dos flitadores (por conta das notícias e dos então beneficiados do passado e acho que tudo isso tem dedo de interesses escusos), e agora o AFP também não agrada parcela da PC (apesar de haver dissolvido parte do leque de beneficiados de outrora) porque ele é PM….Não dá prá entender…Como já disseram, nem Jesus Cristo é suficiente para a PC…

    • Eduardo,

      Para a Polícia Civil poderia ser um Delegado da Polícia Federal estilo José Mariano Beltrame, perfil técnico e não político, sem corporativismo com esta ou aquela polícia, que soubesse respeitar as competências de cada uma e que não ficasse buscando insistentemente o fim de uma delas.

      Há dezesseis anos somos submetidos a fórmula falida de nomear secretários de segurança vindos do Ministério Público. Essa fórmula já está superada, não deu certo.

      Não que os Promotores não entendam sobre segurança, o problema é que eles já tem uma pré-disposição de não gostar da Polícia Civil, já que tem interesse direto em incorporar o trabalho de investigação criminal, desta forma, graças a esta fórmula a Polícia Civil vem sendo aleijada dia-a-dia, com a falta de reposição de gente e com a perda de quadros importantes para outras funções públicas, política esta reforçada por baixos salários, falta de plano de carreira, poucas expectativas profissionais, perseguições, transferências forçadas, abusos, etc…

      Não queremos um Jesus Cristo, mas também não queremos um Judas a frente da secretaria.

      • CHUTANDO O BALDE,não sei disso não.Os membros do Parquet,não são especialistas em Segurança Pública,o fato de serem promotores de Justiça,não lhes dá o condão de entenderem a fundo a área nevrálgica da Segurança Pública.Quem tem de opinar em matéria policial,são seguramente os DELEGADOS DE POLÍCIA e tb OS OFICIAIS DA POLÍCIA MILITAR,como presunção Juris Tantum,a não ser que rasguemos a Carta Constitucional,a Doutrina e os princípios gerais do Direito.Quem teria que assumir o comando da nossa Secretaria,deveria ser um DELEGADO ou OFICIAL DA PM,seguramente estaríamos muito bem dirigidos e conseguiríamos que as nossas lídimas aspirações funcionais,salariais e de matéria policial fôssem devidamente equacionadas em condição salutar e altaneira por aqui.Outrossim,em SP com a assunção do PSDB no Governo,tivemos membros do Parquet assumi ndo a direção da Casa,e o que sempre se viu até o momento,uma grande Derrocada institucional que nos atinge sem eira nem beira.Em outros tempos,os Delegados teriam a força política necessária para impedir que na Pasta da Segurança Pública,o seu titular fôsse oriundo do MP,infelizmente,devido ao comportamento espúrio de vários colegas,a nossa força teve dispersão negativa,e ainda não se conseguiu,o religamento de forças necessárias e condizentes para que revertêssemos o quadro atual,que como se diz,LAMENTÁVEL E PÍFIO.Obrigado.

  4. Esses pilantras safados, têm que ser exonerados, se são machões pq não vão despir maquineiros,traficantes ai esses bostas não vão.

  5. MAIS CASOS DEVERÃO VIR À TONA! HÁ RELATOS QUE ESSES CANALHAS ESTAVAM BARBARIZANDO COLEGAS. PAU NELES!

  6. A respeito do editorial do jornal Folha de S. Paulo, preciso apenas fazer alguns esclarecimentos:
    Todos os atos da Corregedoria são informados ao Secretário de Segurança Pública, por força do decreto 54.710, publicado no Diário Oficial do Estado em agosto de 2009.
    Segundo a então corregedora, Maria Inês Trefiglio Valente, conforme entrevista dada a TV Band, o secretário Antônio Ferreira Pinto, sabia de tudo, nada foi escondido dele.
    Também em agosto de 2009, a Promotora de Justiça Maria Júlia Kaial Cury enviou ofício ao secretário da Segurança Pública de São Paulo, contando em detalhes a revista da escrivã, ocorrida no Distrito de Parelheiros. Junto com o documento estava anexada uma cópia do DVD contendo as imagens da operação da Corregedoria, feita pelos policiais do próprio órgão.
    O Ministério Público solicitou a abertura de inquérito policial contra os integrantes da Corregedoria por abuso de autoridade. Também foi solicitada a abertura de processo administrativo. O Secretário da Segurança Pública enviou o caso para a Corregedoria, que é subordinada diretamente a ele.
    Apenas um inquérito foi aberto. O processo administrativo não. Vale lembrar que o delegado Eduardo Henrique de Carvalho Filho estava em estágio probatório, e um processo administrativo poderia prejudicar a efetivação dele dentro da carreira pública.
    Terminado o inquérito, o caso foi enviado para o Ministério Público. O promotor de justiça de Parelheiros, Lee Robert Kahn da Silveira, pediu o arquivamento do processo em 23 de setembro de 2009. Dias depois, a Justiça de São Paulo, concordou com o pedido.
    Segundo a então corregedora, os policiais da Corregedoria agiram correta e legalmente, e tudo o que aconteceu, foi necessário.
    No dia 10 de dezembro, e não em novembro como foi publicado na Folha, o secretário Antônio Ferreira Pinto, recebeu ofício do presidente da OAB São Paulo, Luiz Flávio Borges D’urso, bem como nova cópia do DVD com as imagens feitas pela corregedoria da operação de prisão da escrivã. Ofícios de igual teor, bem como cópias dos DVDs também foram enviados ao então governador, Alberto Goldman, ao então presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, Antônio Carlos Viana Santos e ao Procurador Geral de Justiça do estado, Fernando Grella Vieira, que mandou investigar o caso. Dos demais, a OAB-SP ainda aguarda resposta sobre as providências tomadas.
    Na sexta-feira (18 de fevereiro), o Jornal da Band, exibiu em primeira mão as imagens da operação da Corregedoria, além de entrevista com a ex-escrivã.
    Na segunda-feira (21 de fevereiro), o Secretário Antônio Ferreira Pinto emitiu uma nota informando que após ver as imagens divulgadas pela Rede Bandeirantes de Televisão, resolveu afastar os delegados envolvidos no caso, bem como abrir investigação.
    Em outra nota, Ferreira Pinto, disse que nunca tinha visto o vídeo, e que a primeira vez que teve contato com as imagens, foi ao ver o material exibido pela Band.
    Tudo o que escrevi acima está relatado nas reportagens exibidas entre o dia 18 a 26 de fevereiro na TV Band, portal http://www.eband.com.br e TV Bandnews.

  7. A cana foi limpa como ficará comprovado no decorrer do julgamento. Toda essa cortina tem o objetivo de derrubar o Secretário. Daqui há alguns dias, com o novo secretário e as coisas mais frias a escrivã vai responder pelos crimes de que é acusada. e vai ser condenada. A cana foi lima e a meliante enquadrada aos costumes. Não se iludam voces defensores de corruptos. Ninguém está pensando nela. Querem é derrubar o secretário e esse foi o meio que conseguira,. Até a primeira audiência dela em junho tudo já ,esfriou. E a meliante, após condenada será recolhida, aos costumes.

  8. FOLHA DE SÃO PAULO????

    QUE PORRA É ESSA? PAPEL DE LIMPAR A BUNDA?????

    QUEM LÊ ESSA MERDA DE JORNAL??????

  9. A respeito do editorial do jornal Folha de S. Paulo, preciso apenas fazer alguns esclarecimentos:
    Todos os atos da Corregedoria são informados ao Secretário de Segurança Pública, por força do decreto 54.710, publicado no Diário Oficial do Estado em agosto de 2009.
    Segundo a então corregedora, Maria Inês Trefiglio Valente, conforme entrevista dada a TV Band, o secretário Antônio Ferreira Pinto, sabia de tudo, nada foi escondido dele.
    Também em agosto de 2009, a Promotora de Justiça Maria Júlia Kaial Cury enviou ofício ao secretário da Segurança Pública de São Paulo, contando em detalhes a revista da escrivã, ocorrida no Distrito de Parelheiros. Junto com o documento estava anexada uma cópia do DVD contendo as imagens da operação da Corregedoria, feita pelos policiais do próprio órgão.
    O Ministério Público solicitou a abertura de inquérito policial contra os integrantes da Corregedoria por abuso de autoridade. Também foi solicitada a abertura de processo administrativo. O Secretário da Segurança Pública enviou o caso para a Corregedoria, que é subordinada diretamente a ele.
    Apenas um inquérito foi aberto. O processo administrativo não. Vale lembrar que o delegado Eduardo Henrique de Carvalho Filho estava em estágio probatório, e um processo administrativo poderia prejudicar a efetivação dele dentro da carreira pública.
    Terminado o inquérito, o caso foi enviado para o Ministério Público. O promotor de justiça de Parelheiros, Lee Robert Kahn da Silveira, pediu o arquivamento do processo em 23 de setembro de 2009. Dias depois, a Justiça de São Paulo, concordou com o pedido.
    Segundo a então corregedora, os policiais da Corregedoria agiram correta e legalmente, e tudo o que aconteceu, foi necessário.
    No dia 10 de dezembro, e não em novembro como foi publicado na Folha, o secretário Antônio Ferreira Pinto, recebeu ofício do presidente da OAB São Paulo, Luiz Flávio Borges D’urso, bem como nova cópia do DVD com as imagens feitas pela corregedoria da operação de prisão da escrivã. Ofícios de igual teor, bem como cópias dos DVDs também foram enviados ao então governador, Alberto Goldman, ao então presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, Antônio Carlos Viana Santos e ao Procurador Geral de Justiça do estado, Fernando Grella Vieira, que mandou investigar o caso. Dos demais, a OAB-SP ainda aguarda resposta sobre as providências tomadas.
    Na sexta-feira (18 de fevereiro), o Jornal da Band, exibiu em primeira mão as imagens da operação da Corregedoria, além de entrevista com a ex-escrivã.
    Na segunda-feira (21 de fevereiro), o Secretário Antônio Ferreira Pinto emitiu uma nota informando que após ver as imagens divulgadas pela Rede Bandeirantes de Televisão, resolveu afastar os delegados envolvidos no caso, bem como abrir investigação.
    Em outra nota, Ferreira Pinto, disse que nunca tinha visto o vídeo, e que a primeira vez que teve contato com as imagens, foi ao ver o material exibido pela Band.
    Tudo o que escrevi acima está relatado nas reportagens exibidas entre o dia 18 a 26 de fevereiro na TV Band, portal http://www.eband.com.br e TV Bandnews

  10. Alguem sabe onde foi registrado o boletim do delegado que atirou no cunhado, uns diziam que foi no 24 dp, ou no 13 casa verde, no dia 23/08/2010

  11. ALGUEM SABE QUE PORRA DE DGPAD É ESSA???????
    ONDE FICA? O QUE FAZ? QUEM MAIS ESTÁ ESCONDIDO LÁ?
    QUEM É O TITULAR?????
    PORRA QUE PALHAÇADA É ESSA??????

    MANDE ESSES BOSTAS PRO DECAP…..

  12. A Polícia Civil do DF está exigindo um salário melhor, o que falta para SP. Greve Geral Já. Essa é a melhor hora, acorda meu povo esperar por quem?

Os comentários estão desativados.