SERÁ QUE O TOYOTA COROLLA DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA TAMBÉM FOI LOCADO POR EMPRESA DE MINAS GERAIS 45

https://flitparalisante.wordpress.com/2011/02/26/atentado-a-ferreira-pinto-abafado-pelo-governo-o-secretario-de-seguranca-de-sao-paulo-antonio-ferreira-pinto-teria-sido-vitima-de-atentado-ha-dias-segundo-fontes-policiais/

Ah, o péssimo exemplo acima, ou seja, causar impacto ambiental  e desgastes nas vias Paulistas, pagando aluguel de carro para empresa sediada noutro Estado, pagando impostos em geral e IPVA em benefício de Minas Gerais, é dado por certa prefeitura do Partido dos Trabalhadores…

Dizem que o PT gosta de imitar o PSDB.

  1. VEJA AS EXPLICAÇÕES DADA PELO SECRETÁRIO FERREIRA EL KADAF SOBRE OS FATOS. Ele diz para os policiais civis revoltosos para dançar e cantar!!! Absurdo!

  2. DE O PODER A ALGUÉM E VERÁS QUEM É REALMENTE. TUDO FARINHA DO MESMO SACO. MUDA-SE A MERDA, MAS AS MOSCAS….

  3. SP cai do 5.º para o 25.º mais violento e é exemplo de contenção de mortes
    Taxa de homicídios caiu de 39,7 para 14,9 a cada 100 mil habitantes na década 1998-2008, segundo estudo
    24 de fevereiro de 2011 | 10h 38
    Lisandra Paraguassú, Ligia Formenti e Rafael Moraes Moura – O Estado de S.Paulo
    BRASÍLIA – Com a maior queda entre as 27 unidades da federação, o Estado de São Paulo é um dos exemplos da contenção da violência mostrado pelo Mapa da Violência/2011 divulgado na manhã desta quinta-feira, 24, pelo Instituto Sangari e o Ministério da Justiça. A taxa, entre 1998 e 2008, caiu de 39,7 para 14,9 homicídios por 100 mil habitantes – o Estado, que ocupava o 5º lugar entre os mais violentos, caiu para a 25º posição, perdendo apenas para Santa Catarina e Piauí.
    O que São Paulo, a começar pela capital, ainda não consegue controlar são as mortes de jovens (15 a 24 anos) no trânsito. Entre as 27 capitais, São Paulo é a metrópole onde morrem mais jovens na comparação com a população em geral: 68% a mais.

    A principal característica do modelo adotado pelo Estado é a continuidade da política de segurança pública. Os investimentos no Estado mais rico do País começaram ainda no final da década de 90 e foram contínuos, tanto em equipamentos e treinamento para a polícia quanto em políticas de prevenção, como o desarmamento. Desde 2000 a violência homicida em São Paulo vem caindo, mas em 2008 chegou ao seu nível mais baixo, atingindo a 25ª posição.

    Nos Estados do Sudeste, o do Rio também teve uma boa performance na contenção da violência: caiu do 3º Estado mais violento para o 7º lugar. A taxa fluminense caiu de 55,3 para 34 mortes homicídios por 100 mil habitantes.

    Minas Gerais não ajudou a derrubar ainda mais a taxa da violência homicida no País. O Estado continua na mesma posição, 23º lugar. A taxa mineira passou de 8,6 para 19,6 homicídios por 100 mil habitantes, um crescimento de 2,26 vezes.

  4. O Secretário da Segurança Pública de SP, será trocado nos próximos dias, quem viver verá.

    Ontem, entrou em uma reunião no Palácio dos Bandeirantes, 4500 e somente saiu às 00:30 h de hoje (sabádo).

    Já a atual delegada “derrubada” Inês, já entrou em contato com o Delegado Waldomiro – Deinte-6, pedindo para ser colocada na delegacia do idoso; ela quer vir para a baixada, pois possui uma residência no litoral.

    Waldomiro, explicou que ia ver o que fazer, pois já existe delegado neste unidade.

    E assim, caminha a SSP/SP, vamos ver as mudanças que virão…

  5. Dr. Guerra,

    O carro em questão está registrado em Minas Gerais?

  6. Porque o Governador não demitiu o secretario de segurança ainda? Ele já causou muito! chega de notícias que denigre as instituições Políciais do Estado de São Paulo… Vamos Governador, deixe de ser lento nas decisões, tome providências urgente por favor. Depois ficam dizendo que a Polícia Civil que é isso ou aquilo. Tome providências Governador Geraldo Alckimim, pois a sociedade não quer pessoas omissas ocupando cargo de secretário de segurança . Poxa mais qui demora para demitir um secretário indesejado.

  7. já pensou se o Secretário resolve falar??? VOCÊS VÃO TER QUE ME ENGOLIR!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  8. EXCLUSIVO:

    GERALDO CONTA PORQUE O SECRETÁRIO FERREIRA PINTO AINDA PERMANECE NO CARGO. VEJA:

  9. AFP sofreu atentado? Num diga que jogaram um dicionário de boas maneiras no carro dele? Ou recebeu a visita de alguma pedagoga? No final o MAL nunca vence!

  10. Guerra, veja só:

    Operação Pelada: como a Corregedoria preparou o flagrante contra a escrivã e mentiu para incriminá-la
    February 26 | Posted by Fábio Pannunzio | Direitos humanos, Manchetes, Notícias, Segurança Tags: escrivã, Operação Pelada

    Os vícios do rumoroso caso da escrivã despida à força numa delegacia da Zona Sul de São Paulo começaram assim que o Ministério Público encaminhou o motoboyAlex Alves de Souza, de 27 anos, à Corregedoria da Polícia Civil, no dia 9 de junho de 2.008. Como o Blog do Pannunzio revelou nesta sexta-feira, ao prestar declarações sobre a suposta tentativa de suborno, Alex passou recebeu instruções detalhadas dos delegados sobre o que deveria fazer para comprovar a acusação (leia post sobre o assunto aqui).

    Cinco dias se passaram até que a prisão em flagrante de V.F.S.L,. fosse consumada. Nesse período, o motoboy tentou contato, em duas oportunidades diferentes com a escrivã por telefone. A degravação dos diálogos, juntada ao inquérito policial, deixa claro que é o denunciante quem insinua z existência de um acerto prévio. Para materializar o crime de conussão, V. teria que ter exigido dinheiro, situação que não se verifica em nenhum dos registros.

    Os dois contatos registrados foram feitos por iniciativa de Alex. Os documentos anexados ao inquérito não indicam com precisão a data em que o primeiro telefonema foi feito. É provável que a ligação tenha acontecido no dia 11 de junho, um dia depois de Alex foi ouvido pela primeira vez pela Corregedoria. É certo que a iniciativa de falar implicitamente sobre algo previamente combinado, que não podia ser discutido por telefone, foi do denunciante, e não da escrivã.

    – “Então, Vanessa, é consegui só… uma parte”, diz o motoboy.

    – “Isso aí não se fala, entendeu ? Telefone é embaçado”, responde a policial.

    Apesar da cautela recomendada por V. na abordagem, é literalmente impossível saber exatamente a que ambos estavam se referindo. O certo é que o diálogo (veja fac-símile à esquerda), a exemplo do que foi anteriormente revelado pelo Blog, nem de longe denota a condição exigida para a tipificação do crime de concussão: exigir, em razão do cargo que ocupa, vantagem indevida,como prescrito pelo Artigo 316 do Código Penal.

    O segundo telefonema foi disparado por Alex no dia 15, data em que V. foi presa em flagrante. A conversa foi gravada num gravador microcassete da Corregedoria e estava sendo monitorada — e provavelmente instruída — pela equipe de delegados.É clara a intenção de incriminar V. Mas, ao final, a expectativa nã ose materializou.

    Na degravação, é possível depreender que Alex e a escrivã tratam da intimação do pai do denunciante. A iniciativa de insinuar um suposto acordo financeiro, mais uma vez, é do motoboy. E não encontra eco na resposta da escrivã.

    – “Deixa eu te falar. Eu arrumei só uma parte daquele negócio”, diz Alex.

    – “Então dá uma passadinha aqui que a gente conversa, tá bom?”, responde a policial.

    “É uma conversar suspeita”, diz um advogado criminalista consultado pelo Blog do Pannunzio, mas insuficiente para caracterizar concussão ou corrupção. “Eles podiam estar falando sobre rojões, confeitos ou qualquer outra coisa. E ninguém pode ser condenado com base em suposições”, arremata a fonte.
    A afirmação inverídica de que a exigência de suborno foi gravada consta de várias peças do inquérito. O Blog teve acesso a todo o processo, que tem 269 páginas distribuídas em dois volumes, e não encontrou nenhum documento, trancrição ou lado pericial que comprove isso.

    No relatório do inquérito encaminhado à Justiça quando a investigação foi concluída, a delegada Patrícia Vaiano Mauad afirma que “a fita da gravação da ligação efetuada na data dos fatos foi devidamente apreendida em auto próprio e encaminhada à perícia pra degravação”. Não há registro dessa perícia nos autos.

    Conforme se pode ver no trecho destacado no fac-símile ao lado, a mesma delegada afirma que a conversa onde houve a exigência de propina foi “gravada em seu telefone celular [do denunciante]“. Mais adiante, na mesma página, lê-se que no dia 15 de junho houve “um novo contato telefônico entre entre Alex e a escrivã Vanessa, o qual foi gravado pelos Delegados da Corregedoria, onde foi marcado um encontro pessoal no cartório do VigésimoQuinto DP (…) para a entrega de parte da quantia exigida, estipulada pela vítima e policiais civis da Corregedoria em R$ 200,00″. Tampouco há, na perícia das gravações, qualquer menção à entrega de propina.

    Embora os delegados-corregedores afirmem o tempo todo que o momento da entrega do suborno foi gravado, não há registro dessa gravação no inquérito. A rigor, ninguém sabe o que se passou enquanto enquanto Alex e V. estavam a sós no cartório da Delegacia.Se esse momento foi efetivamente gravado, tal gravação foi suprimida dos autos por iniciativa da própria Corregedoria.

    Causa estranheza também que o video gravado pelos delegados-corregedores, que registra a humilhação imposta à escrivã, não tenha sido juntado ao inquérito, apesar das diversas requisições feitas pelos advogados de V. nas instâncias criminal e administrativa. A peça só passou a ser considerada depois que o Blog do Pannunzio e a Rede Bandeirantes divulgaram o material, no último dia 18.

  11. A cana foi limpa como ficará comprovado no decorrer do julgamento. Toda essa cortina tem o objetivo de derrubar o Secretário. Daqui há alguns dias, com o novo secretário e as coisas mais frias a escrivã vai responder pelos crimes de que é acusada. e vai ser condenada. A cana foi lima e a meliante enquadrada aos costumes. Não se iludam voces defensores de corruptos. Ninguém está pensando nela. Querem é derrubar o secretário e esse foi o meio que conseguira,. Até a primeira audiência dela em junho tudo já ,esfriou. E a meliante, após condenada será recolhida, aos costumes.

  12. 1 – A DEMOCRACIA BRASILEIRA está totalmente consolidada?

    2 – Há, no mundo, em alguma Democracia séria e respeitável, alguma POLÍCIA MILITAR?

    3 – Entendo que a causa geradora de tudo isso que estamos discutindo esteja, sim, diretamente ligada ao MILITARISMO que só funciona, a meu ver, em ocasiões de Guerra e “olhe lá”;

    3.1. Em SP, há mais 13 anos, não há nenhum Secretário de Segurança proveniente da Polícia Civil (que tantos insistem em generalizar injustamente, precisamente no caso em questão), nem sequer um Delegado de Polícia, não obstante haver inúmeros BRILHANTES DELEGADOS DE POLÍCIA EM SP;

    3.2. Grande parte dos escolhidos para Secretário de Segurança são escolhidos, em SÃO PAULO, das fileiras da POLÍCIA MILITAR.

    3.3 Pois bem, o atual Secretário de Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, ex-Policial Militar, resolveu, mediante DECRETO nº 54.710, de 25 de agosto de 2009 (ALCUNHA POR ALGUNS DE MULA SEM CABEÇA), retirar a Corregedoria da Polícia Civil dos quadros da Polícia Civil (como assim?…. tentarei explicar:), criando assim, uma espécie de “mula sem cabeça”, diretamente subordinada a ele. É óbvio que há reconhecer inúmeros trabalhos honestos e bem feitos por inúmeros corregedores sérios e honrados. Todavia, no fundo no fundo, deu no que deu.

    3.4. Detalhe: Esse DECRETO 54.710/2009 (apelidado de DECRETO DA MULA SEM CABEÇA) VIOLA, ao mesmo tempo, A Constituição do Estado de São Paulo e a Lei Orgânica da Polícia.

    3.5. Outro detalhe não menos curioso: A Corregedoria da PM continuou subordinada diretamente ao Comando da PM. Aqui sim, aleatoriamente, resolveu-se obedecer as Leis do Estado. Por que a discriminação (?) ao arrepio da Constituição de SP e da Lei Orgânica da Polícia? Fica a dúvida.

    Pois bem, lanço a seguinte indagação: VALE A PENA A MILITARIZAÇÃO DAS POLÍCIAS? Por ironia, graças a um Decreto INCONSTITUCIONAL (flagrantemente) idealizado pelo atual Secretário, um ex – Policial Militar, deu-se origem a todo esse presente imbróglio. E a culpa não pode recair sobre a Polícia Civil, já que a Corregedoria, desde então, não pertence formalmente, mais à Polícia Civil.

    A Corregedoria, no atual modelo, É DA SECRETARIA DE SEGURANÇA OU É DA POLÍCIA CIVIL?

    Com o nobre pretexto de melhor combater a Corrupção, vejam como ocorreu a criação do DECRETO 54.710/09, alcunhado por alguns de DECRETO DA MULA SEM CABEÇA:

  13. Aqui vai a opinião de quem não é político, mas é Polícia. Logo teremos eleições para prefeito e, acredito eu que esses escandalos serão combustivel contra a forma de administrar do PSDB. Sabemos que quem paga a conta pelos erros do governador Geraldo Alckimim é o partido de maneira geral. Não falamos em culpa do governador, mas falemos em responsabilidade na transparência das ações de seu governo, e é exatamente o que esta acontecendo, pois o governador sabedor das barberagens cometidas pela corregedoria, endossada pela secretaria de segurança pública, causa a cumplicidade do governador também, portanto a conta é do partido PSDB e isso será cobrado nas próximas campanhas eleitorais com certeza. A morosidade do governo paulista em tomar as devidas providências para mostrar ao povo que ele é quem manda na administração, deixa transparecer que há conivência por parte do governo em razão da demora em responsabilizar os culpados da mal fadada ação criminosa contra a escrivã de polícia, antes de tudo ela é uma (mulher). Tudo isso vai custar muito caro e será cobrado nas próximas eleições, pois a sociedade não tolera violência contra a mulher. Será que o governador não tem assessoramento suficiente para clarear sua mente e dizê-lo que o preço de manter o secretário na pasta da seguranção publica paulista é um preço muito alto?

  14. Não há mais nada a fazer!

    A policia civil de SP acabou…

    Olha a diferença da luta classista dos antigões Agentes Policiais Federais da PF, e, da Policia Civil de SP!

    Eu tenho vocação pra ser policial mas não pra ser policial-politiqueiro_corrupto_puxa-saco eu tô fora!

    Não foi a PM…

    Não foi o PSDB…

    Não foi o MP…

    Foram os próprios policiais civis de SP que acabaram com a civil…

    Se fossemos unidos dia 25/02 teríamos fechadoa a rua da Consolação…Mas se o pessoal do interior não vem já era… Pq os tiras do DECAP e do Demacro tão muito ‘ocupado’.

    Uma colega foi ‘barbaramente’ humilhada!
    E o que fizemos? Nada! Eu inclusive!

    Aqui cada um corre pro seu lado e os colegas que se fodam…

    Uma corporação só é forte se há ideais e principios a serem seguidos dentro dela…

    AQUI NA POLICIA CIVIL NÃO HÁ NADA

    SÓ SE INVESTIGA CASOS DE REPERCUSSÃO E DE TRÁFICO DE INFLUÊNCIA…

    A PERÍCIA REALIZADA É MEDÍOCRE NA ESMAGADORA MAIORIA DOS POUCOS CASOS(isso quando é realizada-com exceção do caso Isabela Nardoni)

    Se o governo se organizasse só um pouquinho conseguiria substituir-nos sem maiores dificuldade.

    • Querido “Horario de Almoço”

      Vc tem toda a razão. O que poderíamos fazer? Eu quero fazer algo!!!

    • HORÁRIO DE ALMOÇO,tenho que concordar com o seu comentário em gênero,número e grau.A Polícia Civil de SP,já está em derrocada há um bom tempo,só não acabou porque existem na Instituição,Policiais verdadeiramente idealistas,que dão o seu sangue,ideal,cultura e solidariedade aos pares,a contrário sensu,a Instituição Policial já estaria com as portas fechadas,o comentário é UNÃNIME NA POLÍCIA,nunca se viu coisa igual,na dimensão que estamos vendo e vivenciando aqui em terras bandeirantes.Curial é que nos demais Estados da Federação,a situação é bem mais confortável e perene,com vencimentos compatíveis à responsabilidade de quem as têm.Lamentável,no Estado líder do país,estamos vendo e sentindo o denegrimento institucional,como se tudo isso estivesse interessando um determinado grupo a mando nao sei de quem.Sou do tempo em que a Autoridade Policial,EXPEDIA O COMPETENTE MANDADO DE BUSCA,presidia-se o PROCESSO SUMÁRIO EM TODA A SUA POMPA,PROCESSO SIM NÃO PROCEDIMENTO COMUM,a derrocada foi se institucionalizando na Polícia sem termos percebido o grau da derrocada implantada.Ou os Delegados e demais policiais,arregaçam as mangas e buscam uma nova e melhor direção e imposição frente às demais Instituições no universo jurídico-social ou então,simplesmente teremos sim,o SOLAPAMENTO INSTITUCIONAL DA POLÍCIA COMO UM TODO.Obrigado e fiquem alertas,impedindo que o mal cresça.

    • Querido amigo, a Policia Civil não acabou.

      Pense bem. Quantos policiais não conseguem exercer sua função por falta de intelectuo e capacidade?

      Eu conto nos dedos os que conheço, ainda que este não são de jogar fora. Ou melhor o mais bobo é esperto demais.

      O que falta é direção e coragem, mas sempre tem alguém com o r… preso, uns verdadeiro viados…..

      Ainda há nesse mundo policial pessoas em busca de holofote e com vaidades pessoais destrutiva a instituição, isso faz com que o foco se dirija para a parte e não para o todo.

      Não sei se concorda com isso.

      Reflita quando você pensa na policia federal você não ve alegorias, digo, grupos, somente o nome da operação, e não há estrelismo pessoal. Já aqui vemos nossas alegoria e não a policia como um todo. Estamos fragmentados entre os especiais, carregadores de carroça e os imprestaveis.

      Ainda contamos com essa miséria de salario para o continismo de nossa casta, sem previsão de melhora a nós e nossas familias.

      LUTEMOS PELA RESTRUTURAÇÃO! A PARTIR DAI CERTAMENTE POUCOS IRÃO QUERER VISLUMBRAR LUCRO FACIL VENDENDO-SE POR POUCO.

      SÓ ASSIM REENCONTRAREMOS O ORGULHO DE SER POLICIAL, E POR CONSEGUENCIA RECUPERAR NOSSA AUTO ESTIMA.

  15. recado ao ilustre administrador…
    ao ilustre Dr. GUERRA…

    PARTICULARMENTE… EU gostava mais fo “formato” anterior deste “blog”

    Gostava mais da forma anterior como as “mensagens” eram “postadas”….

    Nesse “novo formato”, os “post” estão sumindo à medida que se acrescentam outros….

    Dá para melhorar este BLOG…. sensacional…???
    como disse….
    Este “blog”, do Universo Policial….

    Já criou “VIDA PRÓPRIA”….

    Não a deixe se perder….

    OBRIGADO!

  16. COLEGAS, SE O CARRO É DE MG OU NÃO, JÁ QUE NÃO DÁ PARA VISUALIZAR A PLACA. MAS ISSO DE TER CARRO ONDE A EXTORSÃO ESTADUAL É MENOR SÓ VALE PARA O PATULÉIA. QUANTO A MOBILIZAÇÃO INFÍMA DOS COLEGAS, ISSO DE DEVE A FALTA DE COSTUME DE NÓS MESMOS EM NOS MOBILIZAR-MOS, POIS ATÉ ESSA CORJA demotucana ASSUMIR O PODER, NÃO TINHA-MOS O QUÊ REINVINDICAR COM GREVES E TIROS, MAIS COM O TEMPO APREDEREMOS. NO INTERIOR, OS NOBRES delegados AMEAÇAM OS SUBORDINADOS DIZENDO QUE SE EWSTIVEREM FORA DA ÁREA DE SERVIÇO E FOREM CONVOCADOS, DEUS SABE LÁ PRA QUÊ, E NÃO COMPAREÇEREM, SERÃO SINDICADOS. ELES MEREÇEM UMA BALA NA NUCA. TRAÍDORES DE DAR INVEJA A JUDAS. ELES AFUNDARAM NOSSO NAVIO, MAIS OSPEGAREMOS PELO RABO E ELES, COMO RATOS QUE SÃO, NÃO IRÃO ABANDONAR O BARCO. BALA NELES!!!!!!!!!!!

  17. AZEITONAS:

    ATÉ O CARNAVAL, NADA MUDARÁ, DEPOIS DO CARNAVAL, TUDO MUDARÁ.

    O AZEITONÃO AQUI SABE O QUE FALA.

    AVANTE AZEITONAS!!!

  18. Dr. Guerra, por favor, verifique a possibilidade de voltar o formato anterior do BLOG, eu particularmente acho melhor.

    SE NÃO VOLTAR, VAMOS PEDIR SUA TRANSFERENCIA PARA BOISSUCANGA CERTO? rsrsrsrs.

  19. MARÇO ESTÁ AI…Só para recordarrr…

    SP: greve da Polícia Civil NAO preocupa governo

    Do portal Joven Pan Online

    Eventual paralisação ocorreria já no 1º trimestre de 2011; policiais reivindicam reajuste salarial

    Mesmo com a ameaça da Polícia Civil de São Paulo em fazer uma greve ainda no primeiro trimestre de 2011, o governo paulista não acredita na eventual paralisação.

    O sindicato dos delegados e a associação da categoria prometem uma grande manifestação.

    Os policiais civis querem reajuste salarial e melhorias no plano de carreira.

    Segundo o secretário de Segurança Pública de São Paulo, Antônio Ferreira Pinto, o diálogo com a categoria é aberto. “Vamos aguardar os acontecimentos, eu tenho um diálogo franco e aberto com a Associação dos Delegados e com o Sindicato dos Investigadores. Até agora, não se falou em greve”.

    Entrevistado pelo repórter Jovem Pan Thiago Samora, o secretário do governo Alckmin diz que é possível melhorar os salários. “É evidente que em um governo que se começa há a preocupação com o salário dos policiais. Tem como melhorar, com certeza”.

    Além dos reajustes salariais e do plano de carreira, Ferreira Pinto pode enfrentar protestos relacionados a sua gestão frente à Polícia Civil.

    Para o presidente do Sindicato dos Delegados, Jorge Melão, as preferências do secretário pela Polícia Militar não trazem nenhum benefício para a população.

    “A população como toda a sociedade está vendo os tratamentos diferenciados entre o que é dado à Polícia Militar e à Polícia Civil. Porém, este não é pior assunto do momento. Eu acho que as policias têm o seu papel na sociedade e têm o seu papel constitucional. Elas devem desempenhá-las de acordo com a lei. Nenhuma pode invadir a seara da outra, assim como o secretario não pode invadir a seara das duas”, declarou Melão.

    Os policiais civis ameaçam o protesto desde o início do ano passado. A única vez que uma greve da categoria teve força foi em 2009. As informações são do portal Joven Pan Online.

    Ouça mais detalhes com o repórter Jovem Pan Thiago Samora no jornal Hora da Verdade.

    • Sabemos que a GREVE vai começar do interior e não da capital, foi asssim em 2009 e se repetirá novamente caso o governador não d~e atenção para nossas reivindicações que é reajuste salarial. Não adianta o Pinto conversar com a ADPESP e SIPESP e achar que esta tudo resolvido, pois nós não nos curvaremos á acordos que não seja reajuste salarial para corrigir as injustiças cometida pelo governo do PSDB nesses longos 16 anos..Haa não adianta fazerem chantagens ou ameaças aos servidores que nós estamos cada vez mais fortes e unidos com as outras categorias no interior afora . iiiiii , com a greve de 2009, nós aprendemos a lidar melhor com a antes desconhecida GREVE na POLÌCIA CIVIL e agora sabemos direitinho como lidar com os canalhas que querem puxar o saco do governo e para isso tentam atrapalhar o sucesso da greve. É melhor para todos que o Governador autorize um reajuste salarial decente, pois com uma eventual greve os prejuizos é da sociedade e do PSDB.

  20. OH, PINTO, PASSA A RASTEIRA NO LOURIVAL BAIANÃO POIS ESTE JÁ ESTÁ SENTINDO O DRAMA DE PERDER A CADEIRA, E VOLTA PARA A SAP, PODE TER CERTEZA O PARTIDO DO CRIME VAI AGRADECER.
    OS TORRES VÃO FAZER UMA FESTA EM HOMENAGEM AO SEU RETORNO, NÃO HAVERÁ REBELIÕES,POR CAUSA DE SUA POSTURA RIGIDA EM MATÉRIA DE DISCIPLINA. KKKKKKKK
    VAI TER FESTA,CHURRASCO, TV LCD DE 42″E UMAS COISINHAS A MAIS NÃO É?

  21. Alguem sabe onde foi registrado o boletim do delegado que atirou no cunhado, tinha dito que seria no 24 dp, outros no 13 dp casa verde, na data de 23/08/2010, mas não tem nenhum registro

  22. Nunca ocultou isso, conduta bem melhor do que a de vários diretores e delegados do 1º escalão da polícia que utilizam as viaturas descaracterizadas e com chapas frias viajam com a família nos finais de semana para a praia ou para o interior.

  23. http://segurancaurbanamunicipal.blogspot.com/2010/05/revista-veja-sao-paulo-conheca-antonio.html

    Revista Veja São Paulo – Conheça Antonio Ferreira Pinto, o secretário de Segurança Pública
    Em pouco mais de um ano, o ex-oficial da PM demitiu e expulsou 317 policiais civis e militares

    Por Henrique Skujis | 05/05/2010

    Pilhas e mais pilhas na mesa de Ferreira Pinto: 7 514 processos administrativos contra policiais civis em um ano

    por Fernando Moraes
    Dois carros pretos, uma Blazer e uma Captiva, encostam diante do 91º Distrito Policial, na Avenida Doutor Gastão Vidigal, na Zona Oeste da cidade. Do primeiro, descem quatro seguranças — armados, mas discretos. Do segundo, salta um senhor de 66 anos, acompanhado de mais um brutamontes com uma pistola na cintura. Ele ajeita os óculos, abotoa o terno e, com as mãos para trás, entra na delegacia. Adianta-se às pessoas que aguardam a vez e, polidamente, pergunta pelo delegado. Os cidadãos, cansados pela espera, olham torto para quem parece, descaradamente, furar a fila. Passos tranquilos, como se andasse em casa, ele sobe as escadas e topa com o chefe do distrito, que não se dá conta da identidade daquele homem de cara fechada e cabelos brancos. “Prazer, Antonio Ferreira Pinto, secretário de Segurança Pública.”

    O delegado gagueja um bocado, mas convida a inesperada visita para a sua sala. Logo, inicia-se uma conversa com cara de interrogatório. “Quantos inquéritos estão na sua mesa?”, “O atendimento ao público melhorou?”, “Receberam as novas viaturas?”, “A carceragem está em bom estado?” O secretário escuta queixas e elogios com atenção e vai ouvir o que têm a declarar os demais funcionários do distrito. “Sim, eu sei. A falta de escrivães é o gargalo da delegacia”, concorda com uma escrivã que pede mais contratações. “Mas vocês receberam os novos computadores e as novas impressoras, não?”, pondera. Pouco depois de uma hora de vistoria, Ferreira Pinto agradece a atenção, despede-se e embarca de volta no carro blindado.

    O fato de não ser reconhecido pelos funcionários da delegacia não incomoda o secretário — nas outras sete visitas-surpresa feitas desde o começo do ano, ele também passou anônimo até se apresentar. Nascido no Tucuruvi, bairro da Zona Norte, filho único de um português que vendia verduras no Mercado Municipal, Antonio Ferreira Pinto assumiu o posto máximo da segurança do estado há pouco mais de um ano e não é de aparecer em reportagens. Os serviços prestados ao longo de sua carreira, no entanto, já deveriam ter lhe rendido mais fama. Para chegar ao topo, passou por desafios até mais duros que o atual. Em 2006, por exemplo, em meio às rebeliões e aos ataques promovidos pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), foi chamado pelo governador Cláudio Lembo para comandar a Secretaria da Administração Penitenciária, que ele mesmo havia criado a pedido do governador Luiz Antônio Fleury Filho dias depois da invasão do Carandiru, em 1992.

    Fernando Moraes

    Ida ao 91º DP: ele não foi reconhecido pelos delegados nas oito visitas-surpresa que fez desde janeiro
    “Assumi funções cruciais em dois dos momentos mais complicados da segurança pública: o Carandiru e o PCC”, diz Ferreira Pinto. “O que aconteceu no Pavilhão 9 foi um massacre”, afirma, sem demonstrar sombra de dúvida e dando a letra de que não tem papas na língua para, se necessário, criticar a instituição que comanda. Na época dos ataques covardes do PCC, chegou a ser acusado de usar dureza excessiva com os rebelados ao deixá-los por três semanas sentados em um pátio da penitenciária de Araraquara. “Não foi uma punição. Simplesmente eles destruíram tudo. Não havia onde colocar aqueles homens.”

    A posse na Secretaria de Segurança Pública, em março de 2009, também ocorreu em ocasião conturbada. As corporações ainda digeriam a greve de 58 dias da Polícia Civil, que culminou no enfrentamento com a Polícia Militar nas imediações do Palácio do Governo em outubro de 2008. Além disso, o antecessor, Ronaldo Marzagão, pedira as contas devido ao acúmulo de denúncias de corrupção envolvendo seus comandados. A pior delas atingiu o ex-secretário adjunto Lauro Malheiros Neto, suspeito de cobrar propina para anular processos de punição contra policiais corruptos.

    Quando já planejava se aposentar para afinal poder curtir a casa de madeira recém-construída em um condomínio fechado na Zona Norte (“Não tem uma viga de ferro nem de concreto”, orgulha-se), foi chamado pelo governador José Serra para apagar mais este incêndio. “Às vezes eu me sinto como o Gardelón”, brinca, referindo-se a um antigo personagem de Jô Soares, célebre pelo bordão “muy amigo” ao ser escalado para missões complicadas. “Não creio que seja uma sina. São desafios. E eu sempre me senti preparado para eles.”

    Como andam os índices de criminalidade
    Ao assumir o cargo, Ferreira Pinto falou em acalmar os ânimos das corporações, equipá-las, reduzir os crimes contra o patrimônio e, principalmente, combater a corrupção e os abusos de poder. Comprou, entre outros itens, quatro helicópteros, 1 700 viaturas, 15 000 computadores e garantiu que ninguém envolvido em denúncias graves ocuparia cargos de confiança em seu mandato. Desde então, começou a fazer uma faxina (ele não gosta do termo). Pela primeira vez na história, a corregedoria da Polícia Civil, à qual compete apurar denúncias contra policiais, passou a ser subordinada ao gabinete do secretário.

    “É muito fácil declarar que sei da gravidade do fato e apenas mandar apurar”, afirma.“A responsabilidade também deve ser do titular da pasta.” De março de 2009 a março de 2010, instaurou 7 514 procedimentos contra policiais civis — nesse número estão incluídos desde processos por descumprimento de horário até desvios graves de comportamento. Foram 72 demissões, nove exonerações e 579 punições (suspensão, repreensão e advertência). “Mais do que os números, o importante é que a corregedoria passou a agir com rapidez e rigor”, diz Ferreira Pinto. “Quando eu cheguei, encontrei no Deic (Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado) gente suspeita de envolvimento com o PCC, e no Denarc (Departamento de Investigações sobre Narcóticos) pessoas que haviam compactuado com o (megatraficante colombiano Juan Carlos) Abadía”, afirma. “Tirei sessenta pessoas logo de cara, e os envolvidos foram remanejados para delegacias afastadas ou até para funções administrativas.” Isso não significa, é claro, que esses policiais remanejados não continuem fazendo achaques por aí. A eventual expulsão dos suspeitos depende do término dos processos, o que, segundo a otimista previsão do secretário, pode ocorrer ainda neste ano. “Enquanto não houver certeza de que os corruptos realmente foram expulsos da corporação, fica uma sensação na população de que qualquer policial pode pertencer à parte podre da polícia”, diz o professor José dos Reis Santos Filho, coordenador do Núcleo de Estudos sobre Situação de Violência do Departamento de Sociologia da Unesp. Um episódio que representa a linha dura da corregedoria aconteceu no último dia 13, quando o departamento armou uma emboscada para prender três policiais do Deic acusados de corrupção. A operação terminou em troca de tiros, atropelamento e a prisão de dois suspeitos.

    Na Polícia Militar, dona da própria corregedoria e que vive um momento delicado devido às acusações contra policiais suspeitos do assassinato de um motoboy na semana retrasada, o número de investigados em 2009 foi o maior dos últimos cinco anos: 563. As demissões e expulsões (quando o policial militar perde a patente) somam 245 de março de 2009 a março de 2010. “Na PM, as punições sempre foram mais severas. Existem inúmeros casos de oficiais superiores demitidos. Mas na Civil não vinha sendo assim, principalmente dos anos 90 para cá. Por isso trouxe a corregedoria para o meu gabinete”, afirma Ferreira Pinto. Desde então sua mesa ganhou a companhia constante de uma pilha de processos, seus sábados viraram dia útil e a tal casa de madeira, onde vive com a segunda mulher e o enteado — que acaba de seguir os passos do padrasto e se formar na Academia de Polícia Militar do Barro Branco —, passou a ser seu refúgio apenas aos domingos.

    A falta de tempo também não permite mais que ele leia seu autor predileto, o francês Saint-Exupéry. “Mas deixe claro aí que não é ‘O Pequeno Príncipe’. Gosto muito de ‘Voo Noturno’ e de ‘Terra dos Homens’.” Sua leitura agora se resume a livros jurídicos e, claro, às dezenas de processos administrativos. O secretário também deixou de jogar futebol de salão com os amigos e de ir ao Pacaembu assistir ao Corinthians, seu clube de coração. Mas ele continua caminhando por uma hora, a partir das 6h15, pelas alamedas arborizadas do condomínio e relaxando por trinta minutos na sauna de sua casa todas as manhãs, antes de ir para o trabalho. Ferreira Pinto é daqueles que sabem a escalação e lembram placares e detalhes de jogos antiquíssimos. “Ele sempre gostou de futebol. Na academia, toda vez era escalado para a seleção”, diz o coronel da reserva José Vicente da Silva Filho.

    O também coronel da reserva Niomar Cyrne Bezerra, instrutor de Ferreira Pinto nos tempos da academia, lembra que Toninho, como o secretário era chamado entre os amigos, “tinha inteligência e sagacidade acima da média” e não se importava em dedicar dias de suas férias para dar aulas particulares aos aspirantes com dificuldade em matemática. “Era muito bonito ver um jovem com menos de 18 anos ajudando os garotos que poderiam ser reprovados.” O bom relacionamento que Ferreira Pinto mantém com seus pares da PM, no entanto, não impediu que, meses depois de assumir, ele mexesse em pontos nevrálgicos das atribuições da corporação da qual foi tenente em Bauru (1968 e 1969) e capitão em Ourinhos (1970 a 1979). “Antigamente, era difícil encontrar ladrão com revólver. Hoje, estão todos com fuzil.”

    Se, por um lado, Ferreira Pinto reestruturou a Rota (“É um instrumento eficaz, que a gente não pode ter medo de usar, mas sem excessos”), por outro, proibiu a expedição de Termos Circunstanciados (espécie de Boletim de Ocorrência) e determinou que toda escolta de presos — seja entre unidades prisionais, seja para audiência, seja para atendimentos médicos — passasse a ser feita por policiais militares, e não mais pelos civis. A medida, tomada em agosto de 2009, provocou protestos veementes. “Sou amigo dele, mas fui contra, porque muitos policiais que deveriam estar na rua agora precisam ficar levando presos para lá e para cá”, diz o coronel Bezerrra. O objetivo da mudança, explica Ferreira Pinto, foi permitir que a Polícia Civil se dedicasse à investigação dos crimes e traçasse inquéritos mais elaborados. “Investigar é a essência da segurança pública.”

    O secretário gosta de almoçar com velhos e novos amigos, mas evita os restaurantes das redondezas da secretaria, na Rua Líbero Badaró. “Tem muito assédio, muito pedido… Quando vou ao restaurante Itamarati saio com pelo menos duas solicitações de audiência”, conta, referindo-se a um restaurante muito frequentado por advogados. Seu esconderijo, agora revelado, é a Cantina Roperto, no Bixiga, onde ele possui uma mesa cativa. Lá costuma pedir peixe e, vez ou outra, reúne-se com delegados. “É para evitar que sejam vistos entrando no meu gabinete, fiquem marcados como amigo do secretário e passem a sofrer pressão.” Ele não come carne vermelha nem fritura. Aos domingos, adora fazer feira (no Tucuruvi) e gosta de ir à igreja. “Eu me apeguei muito a Deus em 1974, quando perdi minha filha, de 1 ano e meio.”

    Patrícia foi vítima de um choque anafilático durante um procedimento odontológico. “Foi o momento mais triste da minha vida. A saudade fica para sempre.” À tarde, costuma pegar um filme policial ou de suspense no Shopping Iguatemi, onde, de vez em quando, compra uma camisa ou uma gravata. “Sou um cara de hábitos modestos.” Com a mulher, Denise, assessora da presidência da Sabesp, que conheceu quando trabalharam juntos na Secretaria de Administração Penitenciária, gosta de jantar no Magari, na Rua Amauri, e no A Bela Sintra, na Rua Bela Cintra, onde invariavelmente escolhe bacalhau. Em casa, recebe os amigos, muitos da corporação, com vinho chileno, charuto cubano, ao som de Chico Buarque. Tem três cachorros: um dachshund, um westie e um vira-lata com jeitão de pit bull, que recolheu da rua. “Cuidamos dele e chamamos o Doutor Pet, do programa da Record, para adestrar”, diz Denise, empunhando uma garrafinha para borrifar água caso Mike ouse desobedecer ao homem mais importante na segurança paulista.

    Controlar Mike, no entanto, é fichinha perto das queixas que rondam o gabinete do secretário. Apesar da reclamação dos policiais, Ferreira Pinto acredita que gente é o que não falta na Secretaria de Segurança Pública. São 130 000 cargos (95 000 na PM e 35 000 na Polícia Civil), o mesmo contingente desde o início da gestão Mário Covas, em 1995, suficiente para dar tranquilidade aos 42 milhões de habitantes do estado. “O que é preciso é racionalizar o efetivo e a distribuição dos distritos”, afirma. “Piracicaba tem 370 000 moradores e conta com sete distritos. É muito.”

    José M. Leal, presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo, discorda. Ele diz que nem todos os cargos estão ocupados. “É necessário abrir mais concursos. Precisamos de 150 delegados, sem falar de investigadores, escrivães, agentes…” O secretário informa que em breve serão abertos 777 cargos de escrivão, que devem entrar no lugar dos quase 1 000 cargos de carcereiro, já que hoje poucas delegacias contam com cadeia. Dos 158 000 presos do estado, 9 400 estão em delegacias — um avanço conquistado durante a gestão de Ferreira Pinto à frente da Secretaria de Administração Penitenciária, de 2006 a 2009, quando 13 700 detentos se encontravam nessa situação. Quanto à questão salarial, outra demanda recorrente da polícia (e de quase todo lugar), o secretário mostra desconforto com o fato de a unidade mais rica da federação pagar o vigésimo pior salário (5 243,30 reais) para delegados em início de carreira).

    O novo momento da segurança pública paulista surge também nos números. Todos os indicadores criminais, exceto homicídios e roubos a banco, caíram no primeiro trimestre de 2010 em relação ao trimestre anterior e igualmente se comparados ao mesmo período do ano passado. Os latrocínios (roubos seguidos de morte) despencaram 22%. Já os homicídios, que nos anos 2000 haviam caído 70%, subiram 7%. “Vamos nos debruçar sobre os números, mas chega uma hora em que é difícil reduzir ainda mais esse tipo de crime”, diz Ferreira Pinto. Para o coronel Alvaro Batista Camilo, comandante- geral da PM, 80% dos homicídios estão relacionados a drogas e álcool e são praticados em bares e pontos de tráfico da periferia. Sobre as seis mortes registradas em apenas três dias no Guarujá na se- mana retrasada, Ferreira Pinto assegura que a Polícia Civil está investigando e que “tudo leva a crer se tratar de disputa entre quadrilhas” de traficantes. “Enviamos a cavalaria, o canil e cinquenta homens da Rota para reforçar o policiamento.”

    Tantos abacaxis para ser descascados e tanto apetite para mexer em assuntos delicados ao longo da carreira lhe renderam inimizades. “Várias pessoas que eram minhas amigas históricas se voltaram contra mim. Mas faz parte. Quem não tem inimigos não tem amigos”, filosofa. Seu rol de desafetos era maior (e mais perigoso), no entanto, quando comandou a Secretaria da Administração Penitenciária. À época, escutas telefônicas desvendaram um plano, já adiantado, para matar Ferreira Pinto e seu adjunto. “Os líderes do PCC diziam para um advogado do lado de fora do presídio que dinheiro não era problema.” A segurança foi reforçada e o advogado, preso. Com o término de sua gestão chegando — nada garante que continue no cargo mesmo em um eventual novo governo estadual do PSDB —, ele jura que não almeja voos mais altos. “Quero voltar para o Ministério Público, ir para o Pacaembu de bermuda, sem segurança, e ter mais tempo para curtir minha neta.” Se um novo muy amigo não aparecer no caminho, ele poderá fazer tudo isso.

    Cinco décadas de polícia
    1962 – Aos 19 anos, Antonio Ferreira Pinto entra na Academia de Polícia Militar do Barro Branco

    1968 – Serve como tenente em Bauru

    1970 – Serve como capitão em Ourinhos

    1975 – Forma-se em direito no Paraná

    1979 – Torna-se promotor de Justiça Criminal

    1989 – Trabalha como assessor da Corregedoria-Geral do Ministério Público

    1993 – Cria a Secretaria de Administração Penitenciária e atua como secretário adjunto

    1998 – Forma-se procurador de Justiça

    2006 – É empossado secretário de Administração Penitenciária

    2009 – Aos 65 anos, assume a Secretaria de Segurança Pública

  24. O GOVERNO NÃO TEM MEDO DA GREVE DOS POLCIAIS CIVIS, ELA SABE DA ”DESUNIÃO” QUE EXISTE, OU VOCES ACHAM QUE OS ”TIRAS” COM SEUS BELOS CARRÕES IMPORTADOS,SUAS MANSÕES,SITIOS,APTO. NA PRAIA,PESCOÇO CARREGADO DE OURO, OS DEDOS CHEIOS DE ANEIS CRAVEJADOS DE BRILHANTES, IRÃO SE JUNTAR À NÓS MORTAIS???? ACORDA MENINA……………

  25. Só que essa avaliação deu errada em 2009 e, foi uma GREVE muito bacana, pois além das porradas com a PM com imagens ao vivo na TV, ainda fizemos passeatas maravilhosas denunciando o desrespeito do governo com a família Policial e consequentemente com a sociedade. 2011 será bem melhor, é só o Geraldo alckimim não atender nossas reivindicações e la vamos nós para as Avenidas com apitos, faixas e adesivos. Creio também que poderá não haver greve, em razão de uma negociação razoavel para ambas as partes.

  26. Temos segurança meus amigos. de primeiro mundo, na verdade até a swat paga pau para na policia civil de sp mas dentro do estado sem moral,nesse governo .O palacio dos bandeirantes, a daslú tem mais moral do que aquele delegado cardeal de policia nesse governo…… acorda deixa a policia trabalhar, ou vai abraçar o pcc.. logo eles vão chegar no topo….
    apoe e libera a policia, quantos sangue inocente vai rolar nesse chão,esse governador é covarde vão se juntar a ele…..??????

  27. A versão da escrivã:
    1. o indicado entrou em sua sala, deixou o dinheiro sobre a mesa e saiu/
    2. sem saber o que fazer, guardou ( na calcinha ?????)
    3. Logo em seguida chegaram os corregedores
    4. Ficou com medo e não disse nada.

    A transcrição da conversa revela que ela ocultava a negociação
    – Diz – não dá pra falar por telefone.

    Polícia não é juiz. Nem justiceiro e nem vingador. A gente prende. A escrivã foi presa pois fez-se supor ter sido a autora de um crime.

    Então, não me venham dizer que a menina é uma coitada. Havia a notícia de que fora paga a quantia de 200 reais e ela foi pega com essa quantia nas vestes. È CANA NELA. O resto é discussão pra mesa de bar e artigo de jornal.

    Apesar das imagens, a cana foi limpa como ficará comprovado no decorrer do julgamento. Toda essa cortina tem o objetivo de derrubar o Secretário, o que já deve ter acontecido. Daqui há alguns dias, com o novo secretário e as coisas mais frias a escrivã vai responder pelos crimes de que é acusada. e vai ser condenada. A cana foi lima e a meliante enquadrada aos costumes. Não se iludam voces defensores de corruptos. Ninguém está pensando nela. Querem é derrubar o secretário e esse foi o meio que conseguira,. Até a primeira audiência dela em junho tudo já ,esfriou.
    Até decidir se vai haver desarquivamento do inquerito prescreveu tudo.

    E a meliante, após condenada será recolhida, aos costumes.

  28. Este caso da escrivã, acordou um “gigante adormecido”, com medo de passeatas greves etc.. o Governo exonerou do cargo varias pessoas, acho que nem o secretário fica, se é que já não caiu..Se esta união, este coporativismo fosse sempre assim, lutando pela nossa causa,como agora, não importando a carreira e sim a PC como um todo, estariamos ganhando mais que a Federal…

  29. Mas temos que continuar a fazer as denùnicas a conta gotas, como esta fazendo o Panuzio.

  30. R$ 250,00 enquadrada mna cana limpa. Nas declarações da vítima, diz que ela pediu R$ 1.000,00, depois baixou para R$ 600,00 e depois a Gestapo ^disse que a vítima iria receber R$ 200,00. Foi encontrado pelo Delegado cinco notas de cinquenta. Qualquer advogado derruba isso em juízo.

  31. A GREVE PREOCUPA SIM, PRINCIPALMENTE PELO NOVO CHOQUE ENTRE PM E PC
    VAMOS À LUTA QUEM NÃO FAZ GREVE NÃO TEM SALÁRIO DIGNO.
    FAREMOS QUANTAS GREVES FOREM NECESSÁRIAS, DE FORMA CONTÍNUA ATÉ O GOVERNADOR ENTENDER QUE A POLÍCIA TEM QUE SER BEM REMUNERADA NO ESTADO DE SÃO PAULO E OCUPAR AS PRIMEIRAS POSIÇÕES NO RANKING NACIONAL. ISSO É UMA VERGONHA PARA QUEM QUER SER PRESIDENTE.
    ACHO QUE NUNCA CHEGARÁ, MAS EM TODOS OS CASOS…

  32. Atenção, você do povo que foram vítimas de extorsão por parte de policiais corruptos. Entrem neste blog e postem quem exigiu dinheiro, quanto foi e como efetuaram o pagamento.
    Corrupto não faz um, faz mais de cem.
    Vocês ai de Parelheiros… Postem aqui se alguma vez alguém do 25 DP pediu dinheiro para acertar algum fato.

  33. VAMOS PARABENIZAR, OS SENHORES DELEGADOS DE POLÍCIA:
    RENZO SANTI BARBIN, EDUARDO HENRIQUE DE CARVALHO PINTO “DUDA LOUCA” BIXONA NÉ?, E GUSTAVO HENRIQUE GONÇALVES, QUE CONSEGUIRAM MANDAR PARA A CASA DO CARALHO A “BRUXA DO MAR” TIA MARIA INÊS. OS QUAIS PARTICIPARAM DA “CANA” DO ANO DE 2009 DA CORRÓ. E O OSCAR VAI PARA…………….. VCS MAJURAS DE BOSTA . MEUS SINCEROS AGRADECIMENTOS!!!!!!!!
    SÓ GOSTARIA DE SABER QUEM VOCÊS VÃO PRENDER AGORA? RSS

  34. Chega de sacanagens, necessitamos de vencimentos dignos para podermos sobreviver com dignidade.

    Não nos esqueçamos que os aposentados merecem equiparação.

    Acordem senhores operacionais, sem união, continuaremos a ver navios.

    Euclydes Zamperetti Fiori

  35. Gente ! De uma vez por todas… Justiça é o direito do mais forte. Vamos começar pedindo que nos coloquem um chefe de policia que entenda de policia… Enquanto isso nao acontecer, nao tem acerto… Nenhum acerto. Enquanto o governador tiver que retribuir as promessas de campanha… Iremos de mal a pior. Eles nao estão preocupados com funcionários, nem com segurança. Nos fazemos parte de uma parte que por enquanto nao está jogando, muito menos dando as cartas…. Mas tudo pode acontecer quando a tramontana perde o rumo e isso nao demora muito…

Os comentários estão desativados.