1. É seu Flit, coloca as barbas de molho. A gente tá ouvindo dizer que foi daqui que saiu o vídeo pras mãos do anel e depois no Youtube. Mas não se preocupa com a saúde, na dúvida você só vai ser demitido ainda mais rápido nas broncas do Herbella e por abandono de função. É injusto, não? Todo mundo sabe. Não se preocupa com o INSS, daqui uns dez anos você volta para pegar a aposentadoria. È claro que vai depender de uns bons advogados. Tem grana pra pagar? Vai procurando emprego. Tamo até relevando pelo fato de você ter raiva da Corró. E você foi até que legal com aquela onda do QUEM AVISA AMIGO É, deu pra sacar que vinha coisa. Olha, mas tem uma conversa. Conta quem daqui deu o filme. A pessoa só vai atravessar a rua. Vai morar no Consolação.

  2. 26.02.2011
    É nois ! Irmãos de todo os pavilhão, procura sabê com os torre por que os faxina já levou a noticia que a gente tem pra dá dos esforço dos nosso irmãos corrupto da poliça que estão também lutando para ter a sua liberdade de trabalhar. Na moral incluindo todo o itinerário do patrimônio. Nada pessoal, mas o piloto também tá dando a mór força nas conjuntura; Fiquem ligado que cada lugar uma lei. Gambés que vive dando uma letra nos manos tão chegando e tão sem atitude. Agora resolveram tamém dar pelado nas mina. Parece até estrupo arrancando calcinha. Não leve a mal. Não estamo generalisando, respeitamo varios manos da policia mas temos que dizê que não somo mais do que ninguém, mais também ninguem é mais do que nóis.
    Mano tava cortando doze quando a tia dava as carta e não deixava completa o salario. Tinha que vivê apertado, nada de roupa nova, das grife, nada de carro importado, não tem IBOPE, não tem rolê, tava tudo sem o dinheiro que caia. Tava só pagando pau, todo mundo ligeiro.,
    Na roda da função mó zoeira, que feiz a tal da tia e num deixava mais corrupto ter seu sossego e arrecadá. mais já se escafedeu e tá tudo liberado pros corruptos. Se liga que tão dizendo que tem majura que tá andando com o bolso lotado, uma na agulha e mais oito no pente e vai jogá com tudo nos nóia. Chega aí que tem esquema saindo. Tão dizendo que é fato que o home que era forte também entrou na treta e tá sem disposição e penhorando por aí. Na moral vamo nos rolê com esse nosso aliado corrupto da policia que tem de nois o mor respeito mútuo.

  3. http://www.istoe.com.br/reportagens/126061_BARBARIE+NA+DELEGACIA?pathImagens=&path=&actualArea=internalPage

    Barbárie na delegacia
    O caso da escrivã despida à força por delegados de São Paulo mostra que a truculência da polícia não tem limites
    Solange Azevedo, Patrícia Diguê e Claudia Jordão

    Assista a vídeo em que a ex-escrivã, seu advogado e a procuradora de justiça, Luiza Eluf falam sobre o caso :

    VIOLÊNCIA
    A ex-escrivã tem medo de se identificar e sofrer represálias nas ruas.
    Ela evitar sair de casa sem o marido, que é policial militar. Durante
    15 minutos, ela pediu mais de 20 vezes para ser revistada por uma mulher

    Perdi a paciência com você”, gritava o delegado Eduardo Henrique de Carvalho Filho. “Ela vai ficar pelada na frente de todo mundo.” Esse show de horror e truculência aconteceu em junho de 2009, dentro de um distrito policial de Parelheiros, no extremo sul da capital paulista. Mas só veio à tona agora, quando as imagens da diligência foram divulgadas na internet e na televisão. A vítima, uma escrivã acusada de receber R$ 200 para favorecer um rapaz investigado no bairro e ocultar o dinheiro sob a roupa, implorava para que não a deixassem nua na frente de seis homens da Corregedoria da Polícia Civil. Suplicou, mais de 20 vezes, para que a revista íntima fosse feita por mulheres – como manda a lei. Não adiantou. Ela foi algemada, jogada no chão e teve as calças e a calcinha arrancadas à força por Carvalho Filho. “Eu sou o condutor da tua cana. Você está presa em flagrante”, bradava o delegado. “Eles ficaram comigo em torno de 50 minutos. Me ameaçavam o tempo todo”, afirmou a moça à ISTOÉ. “Fui humilhada e tratada como um animal por ser mulher.”

    A ação, filmada pela própria Corregedoria, mostra que a brutalidade da polícia não tem limites. “Se fizeram isso comigo, uma colega, dentro de um prédio público, imagine o que pode acontecer nas periferias, nas ruas escuras?”, reclama a vítima. Quando Carvalho Filho expôs violentamente o sexo dela, quatro cédulas de R$ 50 caíram no chão. Para o delegado, aquela seria a prova de que a funcionária se corrompera. Ela permaneceu encarcerada durante 20 dias e, em outubro do ano passado, acabou demitida. A ex-escrivã nega ter pedido dinheiro. Diz que o rapaz deixou as notas em cima da mesa e, como ela não sabia o que fazer, saiu da própria sala para consultar seus superiores quando foi surpreendida pelos agentes da Corregedoria. Eles chegaram com armas em punho, berrando e lhe dando voz de prisão. A ex-escrivã alega que escondeu o dinheiro sob as vestes porque ficou com medo. O processo, que definirá se ela cometeu o crime de concussão, ainda não foi concluído. A questão que emerge desse caso, no entanto, não é se a ex-escrivã é ou não é corrupta, porque sobre isso nem mesmo a Justiça deu a palavra final, mas por que os policiais agiram daquela maneira.

    A escrivã implora aos delegados Carvalho Filho (de vermelho)
    e Gonçalves para que a revista seja feita por uma mulher

    Os delegados se negam. Carvalho Filho
    a algema com as mãos para trás

    Carvalho Filho ordena que a PM e a guarda civil
    presentes o ajudem a arrancar a roupa dela

    A escrivã é jogada no chão, grita por ajuda
    e pede para que os policiais parem de gravar

    O delegado consegue puxar as calças
    e a calcinha da escrivã e as notas aparecem

    “Foi uma história escabrosa de violência de gênero. Os agentes tinham tanta convicção de que o que faziam era correto que gravaram tudo. Me espanta a falta de percepção deles sobre o próprio papel, sobre o que é certo ou errado e sobre os direitos da moça”, afirma a procuradora de Justiça Luiza Nagib Eluf, estudiosa do tema. “Ela foi torturada como nos tempos da ditadura, quando os militares tiravam as roupas das presas e as expunham com a intenção de apavorá-las.” Luiza afirma que as cenas da ex-escrivã berrando para que a ajudassem lembram o que acontecia de pior nos porões do Deops e do DOI-Codi. “O delegado ficou nervosinho porque foi desafiado por uma mulher. Ele quis se vingar, mostrar quem manda”, acredita o cientista social Guaracy Mingardi, ex-subsecretário Nacional da Segurança Pública. “Boa parte das besteiras praticadas pela polícia acontece porque o policial quer mostrar que é ele que está no comando.”

    Nos corredores da polícia paulista, o delegado Carvalho Filho é descrito como um homem truculento. Certa vez, teria se desentendido com a mulher de um investigador e dado um tapa na cara dela. Em 2009, quando coordenou a barbárie contra a ex-escrivã, Carvalho Filho tinha 27 anos – a mesma idade da vítima. Estava no estágio probatório e louco para mostrar serviço. Trabalhava havia apenas um mês na Divisão de Operações Policiais (DOP) da Corregedoria da Polícia Civil e nunca havia estado à frente de uma operação vultosa. “Aquela foi a primeira prisão que ele fez”, revela o delegado-corregedor Emilio Antônio Pascoal, chefe de Carvalho Filho naquela época. Embora Carvalho Filho tenha dito que a ordem para deixar a escrivã “pelada na frente de todo mundo” tenha partido do chefe, Pascoal nega. “Sempre orientei toda a equipe para agir de forma absolutamente escorreita”, afirma Pascoal. O delegado lembra que, antes de integrar a DOP, Carvalho Filho atuou como plantonista do presídio da Polícia Civil. Antes disso, fora do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra).

    O governo de São Paulo só se mostrou indignado com a ação da equipe comandada por Carvalho Filho depois que o escândalo se tornou público. Mais de um ano e meio depois do ocorrido. Antes, as imagens da escrivã implorando para não ficar nua na frente de um bando de homens não foram consideradas abusivas – nem pela polícia, nem pelo Ministério Público, nem pelo Judiciário. Tanto que houve uma sindicância interna na Corregedoria e os policiais não receberam nenhuma punição. Quando o caso chegou ao Ministério Público, o promotor Lee Robert Kahn da Silveira elogiou a atuação dos agentes e escreveu, em sua fundamentação, que “à Polícia será sempre permitido relativo arbítrio, certa liberdade de ação, caso contrário esta se tornaria inútil, ensejando vença e impunidade, ante os obstáculos que surgem para a apuração e descoberta de fatos delituosos”. Baseado nesses argumentos, o juiz Octávio Augusto de Barros Filho (leia quadro abaixo) decidiu arquivar o inquérito por abuso de autoridade.

    BRIGA
    Chefe da escrivã, Engler quase saiu no
    tapa com Carvalho Filho tentando defendê-la

    Como se diz no jargão policial, a casa só começou a cair na segunda-feira 21, quando o secretário da Segurança Pública, Antônio Ferreira Pinto, anunciou o afastamento de Carvalho Filho, de outros dois delegados que participaram daquela diligência – Gustavo Henrique Gonçalves e Renzo Santi Barbin – e de Pascoal, então chefe da equipe, da Corregedoria. “Fui escalado para a operação, mas não estava na sala na hora em que fizeram aquilo com a moça”, afirma Barbin. “Eu estava presente no início da discussão. Mas, quando percebi que o rapaz que acusou a escrivã estava no pátio da delegacia com a namorada, fui vigiá-lo para que nenhum policial que trabalhava naquele distrito tentasse intimidá-lo.” Barbin se sente injustiçado. Disse à ISTOÉ que atuou como delegado na zona leste de São Paulo, mas pedira transferência para a Corregedoria porque pretendia melhorar a corporação.

    Nem a corregedora-geral da Polícia Civil resistiu à pressão. Maria Inês Trefiglio Valente, que estava na função desde abril de 2009, foi tirada do cargo na tarde da quinta-feira 24. Apesar de policiais afirmarem que, na prática, quem sempre comandou de verdade a Corregedoria foi o próprio secretário Ferreira Pinto. Logo depois que o escândalo eclodiu, Maria Inês explicou a violência de seus subordinados de maneira desastrada. “Se fez necessária, depois de 48 minutos de atuação”, justificou. “Como mulher, ela poderia ter se sentido constrangida. E, como corregedora, deveria ter feito valer a lei do nosso país”, reclama a ex-escrivã. “Todo mundo errou. O delegado, que não tinha vivência e fez tudo errado, a Corregedoria, que deixou passar, e o Ministério Público e a Ordem dos Advogados do Brasil, que não ficaram em cima”, acredita Mingardi.

    QUEDA
    Maria Inês perdeu o comando da Corregedoria-Geral

    Em novembro do ano passado, o advogado da ex-escrivã, Fábio Guedes Garcia da Silveira, comunicou a OAB sobre o abuso e o presidente da entidade, Luiz Flávio Borges D’Urso, enviou ofícios ao então governador, Alberto Goldman, ao secretário Ferreira Pinto, ao procurador-geral de Justiça, Fernando Grella, e ao então presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, Antonio Carlos Vianna Santos. Até o caso chegar à tevê, porém, ninguém havia tomado providências. “Aquela ação foi absurda, não concordamos com ela. Mas, para que o inquérito de abuso de autoridade (arquivado a pedido do promotor Lee Robert Kahn da Silveira) seja reaberto, é preciso que haja um fato novo”, afirma a promotora Luciana Frugiuele, do Grupo de Ação Especial para o Controle Externo da Atividade Policial (Gecep). Além de o Gecep estar reexaminando o inquérito, a Promotoria do Patrimônio Público e Social vai apurar se os delegados devem responder por improbidade administrativa.

    As imagens da operação que durou 48 minutos, obtidas na íntegra por ISTOÉ, deixam claro que os chamados “fatos novos” não passam de filigranas jurídicas que podem favorecer os criminosos. Elas mostram que Carvalho Filho e o delegado titular de Parelheiros, Renato Luiz Engler, quase se agrediram fisicamente porque o delegado-corregedor insistia em acompanhar pessoalmente a revista íntima da ex-escrivã. Uma policial militar e uma guarda civil metropolitana foram chamadas, mas Carvalho Filho se recusou a deixá-las sozinhas na sala com a moça, alegando que era o responsável pela operação. “Ele veio pra cima de mim, dizendo ‘você tá me chamando de moleque?’”, contou Engler. “Tenho 30 anos de polícia, ele é iniciante. Chegou lá e falava comigo como se eu fosse um faxineiro, tal a arrogância e petulância dele.” Quando Engler saiu da sala, os agentes da Corregedoria trancaram a porta e partiram para cima da escrivã. A moça berrava desesperada pedindo ajuda, mas foi jogada no chão e o próprio Carvalho Filho, com a ajuda da guarda civil, puxou violentamente as calças e a calcinha dela. Depois, ficou mostrando o dinheiro para a câmera e gritando: “Você está presa em flagrante.”

    “No vídeo, o delegado (Carvalho Filho) parece ser passional demais”, avalia Vanessa Fonseca, psicóloga do Instituto Promundo, ONG que defende a igualdade de gêneros. “Ele demonstra insegurança sobre o que fazer e, com o passar do tempo, perde a paciência.” Ainda que desconfiasse da policial militar e da guarda civil, em vez de deixar a escrivã nua, Carvalho Filho poderia ter levado a moça para ser revistada na Corregedoria, já que, naquela época, não havia mulheres lotadas na Divisão de Operações Policiais para acompanhá-lo até Parelheiros. “Ela poderia ser revistada pela faxineira do DP, mas nunca por homens e daquela maneira”, afirma George Melão, presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo. “Conheci o Eduardo (Carvalho Filho) e tive uma ótima impressão. Ele me pareceu um homem inteligente, profundo conhecedor do meio jurídico. Sabia muito de legislação, de direitos e deveres.”

    No dia 15 de junho de 2009, no entanto, Carvalho Filho passou por cima do que aprendera na faculdade de direito e cometeu um desatino que pode lhe custar a carreira. “Vou provocar o procurador-geral da República para que a apuração desse crime seja federalizada porque se trata de uma violação de direitos humanos. Só faltou colocarem o saco plástico na cabeça da minha cliente”, diz Silveira, advogado da ex-escrivã. “Mas não foi só o delegado Eduardo que errou. Os outros agentes que estavam na sala pecaram, no mínimo, por omissão.” Esse episódio mancha a reputação de um órgão que deveria servir de exemplo para toda a corporação. “O delegado queria humilhá-la, feriu a dignidade dela como mulher e ninguém que estava na sala teve a decência de acudi-la”, afirma a procuradora Luiza Nagib Eluf. “Se aconteceu isso com essa moça, dentro de uma delegacia, devemos pensar: quem será a próxima vítima?”

  4. UEH, NÃO TEM ENQUETE PRÁ PUNIÇÃO DA TIA… SERÁ PQ É MAJURA E DE CLASSE ESPECIAL?

  5. GUERRA,vc está sendo ameaçado em seu próprio blog.Que barbaridade,vc sendo um Delegado de Polícia.Vamos apurar melhor,realizar um rastreamento e ter conhecimento probatório quem está ameaçando,o dono deste espaço e seus postantes.obrigado.vejam bem a que ponto chegamos aqui no Estado pujante da Federação.

  6. Paschoaldo:

    Nunca vi, tampouco chegou até nós cópia desse vídeo.
    Você tem uma imaginação fértil, mas pouco prática.
    Ora, meu caro, o que lhe dá a certeza de que eu não venderia o vídeo prá turma do contra? Limpava minhas broncas, ganhava uns duzentinhos e , da mesma forma, livrava a barra da escrivã.

  7. Fausto:

    Obrigado pela sua preocupação. Mas isso não é coisa séria. A minha preocupação é quanto a boatos de sermos responsáveis pelo vazamento do vídeo. Nunca soube de cópia de vídeo. Mas se o tivesse recebido imediatamente entregaria nas mãos da escrivã; com cópias para os nossos superiores.

  8. Sabem o que vai acontecer com Dudu, Gugu & Cia.?
    Absolutamente N-A-D-A.
    Foram afastados da Corregedoria e colocados numa função maçaneta. O inquérito arquivado dificilmente será reaberto, e no âmbito administrativo as chances de punição exemplar são remotas.
    Mas é bom salientar que HÁ OUTROS DELEGADOS da Corregedoria que rezam pela cartilha desses aí. Praticaram toda sorte de abusos nos últimos dois anos, e ouvi dizer que vítimas irão procurar a imprensa e denunciá-los. Já é tempo dessa barbárie ter um fim.

  9. Quando o bode estrebucha é porque os pelos estão queimando!
    A coisa está ,realmente, pegando para os estupradores de escritório.
    Esse tipo de ameaças é o comprovante de que estão com o pescoço apertado!
    Muita força e paz ao FLIT!
    Cachorro que late muita vez está com medo!

  10. O TRUCULENTO ANTONIO FERREIRA PINTO TEM CONSEGUIDO RECORDS DE ABUSO, DE VIOLAÇÃO DE PRINCÍPIOS BÁSICOS DA CONSTITUIÇÃO, TRANSFERINDO INCLUSIVE A CORREGEDORIA PARA SUA SECRETARIA, PASSANDO POR CIMA DO DELEGADO GERAL, INSTIGANDO OS CORREGEDORES PARA SEREM PARCIAIS, ABUSIVOS, ESQUECENDO-SE DE QUE VÁRIOS POLICIAIS QUE SÃO JOGADOS LITERALMENTE À COVA DOS LEÕES – DECAP, DEMACRO, ETC. – NÃO TÊM OU NUNCA TIVERAM A MALÍCIA DE LIDAR COM GRUPOS DE POLICIAIS CRIMINOSOS, MAS A CORREGEDORIA NÃO TEM QUALQUER SENSIBILIDADE QUANTO A ISSO, PEDINDO A DEMISSÃO INDISCRIMINADA CONTRA TAIS POLICIAIS, NÃO LEVANDO EM CONTA A AUSÊNCIA DE PROVAS CONTRA ELES, NÃO LEVANDO EM CONTA SUAS FAMÍLIAS, OS ESFORÇOS FEITOS PARA CONSEGUIREM ENTRAR NA POLÍCIA ATRAVÉS DE CONCURSO, ETC.

    UM DOS MAIORES PROBLEMAS DA CORREGEDORIA, PRINCIPALMENTE COM A BRINCADEIRA DE MAU GOSTO CHAMADA FERREIRA PINTO, FOI O APADRINHAMENTO INTERNO, QUE DEU A FALSA SENSAÇÃO DE PODER AOS CORREGEDORES OPORTUNISTAS, COMO NO CASO DA ESCRIVÃ, FAZENDO COM QUE TODOS ALI SE SENTISSEM ACIMA DA LEI, A FINAL, COM O RESPALDO DO MINISTÉRIO PÚBLICO E DO JUDICIÁRIO – COM OS QUAIS FERREIRA PINTO GOZA DE GRANDE PRESTÍGIO -PODERIAM ATUAR COM BASE EM UM PSEUDO PRINCÍPIO DE PROBIDADE ACIMA DE QUALQUER OUTRO PRINCÍPIO, QUASE DE FORMA PSICOPATA, SOCIOPATA.

    É O QUE OCORRE QUANDO A DITADURA – OU UM TRAÇO DELA -TOMA CONTA DE UM ÓRGÃO VINCULADO A UM QUASE DOENTE, SOCIOPATA, FERREIRA PINTO…

    SERÁ QUE A PARTIR DE AGORA, OS JULGAMENTOS DAQUELA CASA CORREGEDORA SE PAUTARÃO PELA LEGALIDADE ESTRITA, PELA TÉCNICA, E PELO EQUILÍBRIO E BOM SENSO, ACREDITO QUE PODE SER UM COMEÇO…

  11. Tá com medo Pascoaldo? Provavelmente vai sobrar pra você também, por isso começou o desespero. Não esquenta não, logo logo você estará do lado de cá, vai pensando alguma coisa para se explicar.

  12. VAMOS PARABENIZAR, OS SENHORES DELEGADOS DE POLÍCIA:
    RENZO SANTI BARBIN, EDUARDO HENRIQUE DE CARVALHO PINTO “DUDA LOUCA” BIXONA NÉ?, E GUSTAVO HENRIQUE GONÇALVES, QUE CONSEGUIRAM MANDAR PARA A CASA DO CARALHO A “BRUXA DO MAR” TIA MARIA INÊS. OS QUAIS PARTICIPARAM DA “CANA” DO ANO DE 2009 DA CORRÓ. E O OSCAR VAI PARA…………….. VCS MAJURAS DE BOSTA . MEUS SINCEROS AGRADECIMENTOS!!!!!!!!
    SÓ GOSTARIA DE SABER QUEM VOCÊS VÃO PRENDER AGORA? RSS

  13. SOMENTE PARA OS VOADORES, O VIDEO APARECEU NO BLOG DO PANNUNZIO E DEPOIS FOI PASSADO PARA A BAND, CAINDO EM TODA A REDE

  14. DR. GUERRA, FIQUE TRANQUILO QUE ESSE TAL DE pachoaldo É PAU MANDADO TAMBÉM, SE ELE TEVE INTENÇÃO DE AMEAÇAR O SR., ELE SIMPLESMENTE DEU A LETRA PARA QUE NÓS PASSEMOS A DESEJAR BOA SORTE PRA ELE TAMBÉM. SE MEXEREM COM O SR. O BICHO VAI PEGAR…HAAA NO PIOR DAS IPÓTESES, EM CASO DE UMA SUPOSTA DEMISSÃO…..SIMPLESMENTE O SR. VAI SER NOSSO DEPUTADO NA PRÓXIMA ELEIÇÃO……TA BOM ASSIM paschoaldo!!!!

  15. O caminho do vídeo não é fácil de saber.
    O adevo da favelada espalhou pra todos os lados.
    Muitas pessoas tiveram acesso em diversos orgãos. SSP, MP, TJ, OAB …..
    Quando resolveram que estava demorando pra a PC fazer alguma cagada e o Pinto iria sobreviver ao Carnaval resolveram criar o factóide. Com a ajuda do Pannunzio ( que sabe muita coisa mais do que divulga ) caiu na imprensa e recebeu acolhida na Band. O resto foi consequência.

    *** Dr. Guerra, muda esse avatar meu aí. Tá perecendo cabeça de pinto depois de operação de fimose. Volta o meu veridnho… Tava acostumado com ele……

  16. ANÔNIMO:
    TE PARABENIZO PELO COMENTÁRIO. VOCE CONSEGUIU DESCREVER COM A MAIOR EXATIDÃO E REALIDADE O QUE VINHA ACONTECENDO NA POLICIA CIVIL, DESDE QUE O DESPREPARADO FERREIRA PINTO SE ARVOROU EM SER O DONO DA CORREGEDORIA. ESSE SECRETÁRIO, QUE MUITAS VEZES AO FALAR PODERIA SER CONFUNDIDO COM QUALQUER MEMBRO DO PCC, BRINCOU DE SER DEUS, OU MELHOR, BRINCOU DE SER DIABO. QUE BOM QUE ELE ESTÁ FORA!

  17. GUERRA,estou solidário ao colega,COMO SE DIZ CÃO QUE LADRA NÃO MORDE.PASCHOALDO,qta indisciplina,vc é petulante,AMEAÇAR UMA AUTORIDADE LEGITIMAMENTE CONSTITUÍDA,UM DELEGADO DE POLÍCIA,aliás,bem afamada por seus pares e pela maioria dos Policiais Civis deste Estado.PASCHOALDO,aconselho vc a se quedar,entender melhor os fatos constituídos,solidarizar-se com o sentido bom e escorreito dos fatos,e antes de tudo,PENSAR E RACIOCINAR DUAS VÊZES ANTES DE AMEAÇAR UM D E L E G A D O D E P O L Í C I A,DOUTOR GUERRA VC NÃO ESTÁ SO.ABRS.OBRIGADO.

  18. PUNIÇÃO PARA DUDÚ,GUGÚ E PINTINHO?

    Mandar os 3 em cadeiras cativas para o 25º DP,sendo os dois primeiros como plantonistas-vitalícios e o terceiro como decano do pelotão de gansos do Wilson Cobrão.

  19. PUNIÇÃO PARA DUDÚ,GUGÚ E PINTINHO?

    Dar cadeiras-cativas para os 3 no 25º DP,os dois primeiros como plantonistas-vitalícios e o terceiro como decano do pelotão de gansos do Wilson Cobrão.

  20. É FLITADORES, A COISA TÁ ESQUENTANDO. TEM GENTE(?) ATÉ AMEAÇANDO FLITADOR DE DEMISSÃO E PROMETENDO O INFERNO DA EMPRESA PRIVADA. MAIS QUAL O PROPÓSITO DISSO? QUEM QUER VINGAR A HONRA DA CORRÓ?. ESTÃO PREOCUPADOS EM QUEM VAZOU A PROVA DA BÁRBARIE E NÃO COM A PRÓPRIA BÁRBARIE. PAREÇE AQUELAS EXECUÇÕES FEITAS PELOS PMs, ONDE TODO MUNDO TINHA QUE ATIRAR NO MALA PARA AMARRAR O RABO E SE DISSESE ALGO, IRIA TER O MESMO DESTINO DO INFELIZ. SE LIGA ZÉ, QUE A ÁGUA JÁ PASSOU DO PEITO, PODE ATÉ VER QUE NEGUINHO JÁ FOI PRA CIMA DA PEDRA E VOÇÊ AÍ MARCANDO. FICA CAÇANDO ROLO, QUE OS OUTROS DE LARGAM NA ENXURADA, VAÇILÃO. BALA NELES!!!!!!!!!!!

  21. Não conheço o Dr. Guerra , porém , creio que o mesmo em posse do vídeo , postaria aqui mesmo no seu site e não repassaria para um terceiro postar no Youtube . AH ! aliás , o vídeo não foi postado primeiramente no youtube como afirma o Paschoaldo , ele foi colocado no site do próprio Panuzzio (o jornalista ) que começou a divulgar essa história toda . O referido vídeo só foi hospedado no youtube beeem depois de ser visto zilhões de vezes no site do Panuzzio .

    Creio que fizeram isto – de postar no youtube – tendo em vista a dificuldade de ver esse vídeo no site do jornalista , devido ao grande fluxo de acessos . No youtube nao existe isso , pode ser visto pelo mundo inteiro de uma vez que o site segura e não cai !

    Isso aqui , com o devido respeito , está parecendo a piada do cara que encontra a sua esposa o traindo na sua cama e culpa o marceneiro que fez a cama pelo o ocorrido pois acredita que sem a cama nada teria acontecido .

    O errado foi o que fizeram com a escrivã (estão aí juízes , procuradores , ministra , presidente da OAB , especialistas na área , e a própria LEI para comprovar ) e não o Dr. Guerra , Panuzzio , Youtube , etc ).

    P.S. : Paschoaldo , não é legal ficar jogando indireta dizendo que vão matar a pessoa daí da corregedoria que supostamente teria divulgado o vídeo , sendo que do outro lado da rua existe um cemitério .

  22. Já pensou se fosse um carcereiro fazendo isso em uma prisão?

    TAVA PRESO ATE HOJE!!!!!!!!!!!!

Os comentários estão desativados.