João Alkimin – AS AGRURAS DE UM ADVOGADO QUE DEFENDE POLICIAS 35

AS AGRURAS DE UM ADVOGADO QUE DEFENDE POLICIAS

Caso: No dia 14/10/2013, a Corregedoria da Secretaria de  Administração  do Governo do  Estado de São Paulo juntamente com uma equipe da corregedoria do   Detran e uma equipe da Corregedoria da Policia Civil, fizeram uma diligencia na 77 Ciretran ( São Jose dos Campos-SP); colheram depoimentos e apreenderam documentos; os funcionários (civis e policiais civis) foram tratados com violência e quebra de direitos humanos (impedidos de se comunicar entre si, com familiares e advogados; ficaram sob escolta até para tomar água e ir ao banheiro; impedidos de sair do local por várias horas e sem alimentação; os que foram ouvidos num IP instaurado para apurar o horror daquele ato, relataram que os depoimentos foram colhidos sob forte pressão: gritos e murros na mesa).
Uma das policiais constituiu advogados que desde o dia 17/10/2013 pediram vista de autos e até o momento não tiveram acesso ao processo. Os autos tramitam na Corregedoria da Administração  do Governo , a Corregedoria da Policia Civil não recebeu cópia dos autos. Indignados impetraram mandado de segurança, cuja liminar foi negada sob o fundamento de que não há prejuízo para a defesa em não conhecer dos autos no momento; recorreram via agravo de instrumento, e, o TJSP manteve o indeferimento pelo mesmo fundamento.
O direito de defesa?? Ora, só no papel. A publicidade e a legalidade, idem. A prerrogativa profissional do Advogado é sistematicamente violada, e, a Ordem dos Advogados se omite. O Poder Judiciário é absolutamente dócil com o Poder Executivo. Tempos perigosos. Em que a Corregedoria da Policia Civil e coadjuvante das arbitrariedades da Corregedoria da Administração com o Delegado de Policia Divisionário da Corregedoria que  permite que não Policiais revistem Policiais , os mantem sem comer, para usar o banheiro só com escolta , com Policiais Militares participando da diligencia, se e que se pode chamar essa opera bufa de diligencia , não conheço o Dr Nestor  mas conheci seu pai por quem nutro admiração e respeito por isso posso afirmar com ele tais fatos não ocorreriam , mas se eventualmente ocorressem a resposta seria dura , rápida e adequada , mas infelizmente outra época , outra Policia.
A indagação que se faz é para que serve a Corregedoria Geral da Policia Civil hoje, somente para perseguir com denodo aos policiais e ex-policiais. Veja-se o caso do Delegado Conde Guerra, já demitido sem motivo justo ou justificado, e, com novo PAD instaurado contra si, ou o Delegado Paulo Fleury, demitido quatro vezes pelo Secretário demitido Ferreira Pinto. A única coisa que critico em Paulinho foi quando o ex-Secretário lhe disse “não passe vontade”, ele ter continuado com a vontade.
O procedimento da Corregedoria me lembra o sistema judicial americano, onde o indivíduo é condenado a duas penas de morte consecutivas ou a pena de prisão perpétua e mais 25 anos.
João Alkimin