Na PM nem padre é santo, quando não é viado é peculatário ? 13

Corregedoria investiga capelão militar em São Paulo

Em São Paulo

23/02/201508h16

  • Jorge Araujo/Folhapress

    O tenente-coronel Osvaldo Palópito, que é padre da Igreja CatólicaO tenente-coronel Osvaldo Palópito, que é padre da Igreja Católica

A Corregedoria da Polícia Militar de São Paulo está investigando o suposto desvio de recursos da Capelania Militar da corporação. O alvo do Inquérito Policial-Militar (IPM) é a atuação do tenente-coronel Osvaldo Palópito, que é padre da Igreja Católica e dirigia o órgão até o dia 31 de janeiro, quando pediu a sua passagem para a reserva.

Com a crise em torno da Capelania, o comandante-geral da PM, coronel Ricardo Gambaroni, decidiu acabar com o cargo de capelão militar –o sacerdote que é ao mesmo tempo oficial da corporação. Com isso, a vaga de tenente-coronel de padre Palópito será transferida para o quadro de oficiais da PM.

A decisão de instaurar o inquérito foi tomada pelo coronel Levy Anastácio Félix, comandante da Corregedoria. Suspeita-se de enriquecimento ilícito e de desvios que envolveriam até R$ 2 milhões. As desconfianças contra o padre Palópito na corporação surgiram em 2009, mas só agora teriam sido achados indícios que justificariam a abertura da investigação.

Cantor –ele gravou seis discos–, bem falante e com vida social intensa, Palópito era o responsável pela Paróquia Santo Expedito –santo que foi militar–, na rua Jorge Miranda, na Luz, no centro de São Paulo. É ali que funciona a Capelania, cujo prédio foi erguido nos anos 1940 com doações feitas pelos integrantes da antiga Força Pública, corporação que deu origem à Polícia Militar.

Na primeira metade do século passado, a Força Pública era uma tropa que ficava em sua maioria aquartelada, com pouca participação no policiamento das ruas. Sua lógica organizacional era militar. Isso significava que cada batalhão devia ser autossuficiente, com oficinas mecânicas, serviço de alimentação, equipe médica e com sacerdotes que acompanhavam a tropa em missões, como no caso da combate à coluna Miguel Costa-Prestes, nos anos 1920.

Palópito entrou para a PM por meio de concurso – outros padres concorreram ao cargo. Aprovado, ganhou a patente de segundo-tenente e fez carreira na corporação como os demais oficiais.

O Estado procurou o sacerdote por meio de seu telefone para contatos e de seu perfil em uma rede social. Até as 20 horas de ontem, ele não havia sido localizado ou respondido às mensagens deixadas.

Quebra de sigilo

A investigação contra o capelão começou em setembro de 2014. De imediato, o comando da Corregedoria decretou sigilo no inquérito. Ao Tribunal de Justiça Militar (TJM) de São Paulo, o corregedor da corporação pediu a quebra dos sigilos bancário e telefônico do sacerdote. Chefiada pelo juiz Luiz Alberto Moro Cavalcante, a Corregedoria do TJM deferiu ambas as medidas.

O jornal “O Estado de S. Paulo”  apurou que as interceptações telefônicas forneceram pistas que justificaram a realização de uma busca e apreensão realizada em 11 de fevereiro em um imóvel que seria frequentado pelo sacerdote em uma praia do litoral norte.

Procurado pela reportagem, o comando da corporação informou apenas que “a Polícia Militar confirma a existência de um Inquérito Policial-Militar em andamento, para apurar denúncias de possíveis irregularidades na administração do capelão Osvaldo Palópito na Capelania Militar Santo Expedito”. As informações são do jornal “O Estado de S. Paulo”.

15/10/2011

RESERVA MORAL DO ESTADO – Secretário de Segurança é misericordioso para com ex-capelão-mor da Polícia Militar…O Tenente-coronel acusado de abusar sexualmente de coroinhas e sacristãos continua metendo no bolso R$ 12.000,00 por mês, pelos anos de viadagem doados ao capelanato policial…( Hehe!…Muitos anos foram doados…Na capela do padre PM, ajoelhou tem que gozar)

  1. . . . mas é completamente diferente daqui . . .

    como é que ficam as leys que o men$alão comprou . . inclusive o desarmamento ????

    . . . mas tem carnaval . . .copa do imundo . . .gersons inzoneiros . . .desce redondo . . .

    http://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/2015/02/advogado-detalha-como-comprou-lei-de-inspecao-veicular-no-rn-veja-video.html . . .

    sic . . . A operação Sinal Fechado investigou dois esquemas de fraude envolvendo o Detran do RN. O primeiro diz respeito à celebração de convênio fraudulento entre o Detran e o Instituto de Registradores de Títulos e Documentos de Pessoa Jurídica do Rio Grande do Norte com criação da obrigação de registro em cartório de contratos de financiamento de veículos com cláusula de garantia real. O segundo se refere à concessão do serviço de inspeção veicular no estado.

  2. Então, pelo andar da carruagem ou da procissão, não bastavam os dízimos ao bom ladrão!

  3. Porra, que merda!!! Sou tira, mas a PM (leia-se de sargento prá baixo, aqueles que carregam a instituição)não merecem uma putaria dessas, sempre aparece uma cagada envolvendo os deuses “gemadas”. Com raríssimas exceções, muitos arrogantes e prepotentes!!!

  4. Vitor Abdala
    Repórter da Agência Brasil

    Quatro policiais que estavam de folga foram assassinados a tiros entre a tarde de sábado (21) e a tarde de ontem (22) na região metropolitana do Rio de Janeiro. O último caso ocorreu na Praia do Amor, na Barra da Tijuca, quando o policial militar Alan Barros da Silva sofreu uma tentativa de assalto.

    O policial, lotado no Batalhão de Policiamento em Grandes Eventos, chegou a ser socorrido no Hospital Lourenço Jorge, mas morreu durante o atendimento. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios.

    Na manhã de ontem, mais dois policiais foram mortos: o policial militar Pedro Gabriel Ferreira foi levou um tiro quando saía de uma padaria com dois colegas em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. O policial civil Thiago Thomé morreu dentro de seu carro, em Niterói.

    No sábado à tarde, o policial civil Cid Jackson Silva foi baleado durante um assalto em Mesquita, na Baixada Fluminense.

  5. 12 mil port Mês. Onde? Quem jogou esta informação que ela ganha 12 mil está desatualizado ao extremo.

    Basta entrar no Portal Transparência e todos verão que o sujeito ganha $ 38 mil bruto e R$ 23 LIQUIDO. ISSO MESMO 23 MIL REAIS LIQUIDO!!!

    é mole ou querem mais???

  6. Se o cara que cuida da igrejinha da PM consegue apropriar-se de mais de dois milhões, imagina o que cuida da Caixa Beneficente e da Folha de Pagamento.

    Será instaurado um Conselho de Justificação e ele se justificará perante seus pares e amém.

  7. Absurdo! Em um estado laico tem oficial PM como padre católico trabalhando em igreja para a PM e recebendo salário por isso? Deviam demitir quem foram os autores dessa idéia, bem como, todos os envolvidos. Olharam a carinha de santo desse capelão na foto? É brincadeira! Pouca vergonha! Atrás dele na foto é o Celso Russomano ou estou enganado? Fala sério!

  8. Isso non ecxiste!!Padre ladrão,pedofilo,bichona,mulherengo!!kkk só 2 milhas!!Imagina mesmo,tá tudo dominado!!Assim dizia um amigo ex PM hoje Delegado da Policia Federal “A Pm é um Estado dentro do Estado”

  9. Karaca, tem até padréco pedófilo nessa PM do Tucanistão ?

    Já sabia que tinha PM músico, da bandinha furiosa, que recebia salários do povão para tocar marchinhas militares e tocar punheta nos quartéis.

    Também sabia da existência do Zoológico Militar, com cães farejadores, cavalos adestrados, soldados idem, sargentos burros e Oficiais estrelinhas veadinhos.

    Conhecia a história das ratazanas fardadas, que estouram caixas eletrônicos nas madrugadas e com ajuda dos PMs Corujas, que ficam à distância só vigiando, levavam a grana dos bancos para os quartéis.

    Até diretores de cinema temos na meganha: os caras fazem merda na periferia e chegam nas DPs com um roteiro de filme holywwodiano, contando uma versão totalmente forjada, digna de receber um Oscar de filme de ficção.

    Ah…, mas tem também os Zé Ruelas, uma grande parcela que entra, veste a farda e só leva carcada dos superiores, arrisca a vidinha mixuruca em pról do povinho criador de tucanos e recebe uma merréca todo mês.

  10. Publicado em quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015 às 10:01 Histórico

    VÍDEO MOSTRA JOVENS BALEADOS NO RIO E CONTRARIA VERSÃO DA PM

    Estadão Conteúdo

    Um vídeo gravado no telefone celular por um grupo de amigos contraria a versão dada pela polícia sobre um episódio em que dois jovens foram baleados na favela da Palmeirinha, em Honório Gurgel (zona norte do Rio), na madrugada do último sábado, 21. Alan Souza de Lima, de 15 anos, morreu e Chauan Jambre Cezário, de 19 anos, foi baleado no peito, mas passa bem. Após a divulgação do vídeo, a Corregedoria da Polícia Militar apreendeu as armas dos policiais que participaram da ação.
    Na versão da polícia, os jovens foram alvejados durante confronto com a PM. Eles seriam suspeitos de integrar a quadrilha que controla o tráfico de drogas na comunidade, e estariam portando armas. Cezário recebeu alta do hospital, mas permaneceu detido acusado de porte ilegal de arma.

    Familiares e amigos das duas vítimas afirmam que eles são inocentes. Alan Lima era ajudante de pedreiro e Cezário vendia mate na praia de Ipanema, na zona sul.

    O celular de um amigo gravou o momento em que os dois foram atingidos. Não havia energia elétrica na comunidade e quatro amigos estavam conversando no portão da casa de um deles. A gravação mostra o grupo fazendo brincadeiras até que começa o tiroteio. Embora o celular tenha caído, continuou gravando e registrou uma conversa em que policiais militares questionam as vítimas sobre a razão pela qual estavam correndo.

Os comentários estão desativados.