‘Ponto Quarenta’: A Volta dum Clássico da Literatura Policial Brasileira 26

abril 8, 2015

por Débora Lopes

Repórter

ponto-quarenta-roger-franchini-body-image-1428527194

“Você anda armado?”, ela pergunta ao descobrir que o amigo de faculdade é policial civil. “Claro. Por quê? Você não?”, ele rebate com ironia. Este é um dos diálogos presentes em Ponto Quarenta – a Polícia para Leigos, livro do ex-investigador policial ecolaborador da VICE Roger Franchini, que será relançado pela Editora Veneta na próxima segunda-feira (13).

Tudo começou em 2004, quando Roger mantinha um blog que contava sua vida enquanto “polícia”. Boa parte dos textos eram produzidos dentro da própria delegacia. “Eu fazia muitos plantões. Alguns momentos eram bastante ociosos”, explica. Depois de pedir exoneração, o então escritor resolveu compilar algumas dessas histórias postadas na internet e dar vida a seu primeiro livro, que em 2009 foi lançado de maneira independente. Em dois dias, as 50 primeiras cópias impressas acabaram. Depois, vieram mais 100 e evaporaram. “Quando me dei conta, quase mil livros haviam sido vendidos nessa brincadeira.” Não demorou muito pra obra virar um clássico disputado entre entusiastas do gênero, e a carreira de Roger deslanchar.

Ponto Quarenta agora vai oficialmente para as prateleiras. A obra retrata a rotina do investigador Vital, que lida com vítimas e criminosos de maneira inescrupulosa – passando a mão na bunda de defunta menor de idade e batendo no sujeito que chora na sala de interrogatório. “A polícia verdadeira é essa que nós vemos no dia a dia. É a polícia que dá tapa na cara do negro, que aceita uma graninha pra liberar o filho de um tiozinho pego com maconha”, pontua o autor. Entre amores, trepadas, aulas na faculdade, bicos de segurança numa loja e dinheiro proveniente de corrupção, Vital segue sua vida cheia de frustrações e horas extras na delegacia.

roger

O escritor Roger Franchini. Foto: Anna Mascarenhas

É difícil discernir o que é verossímil e fruto da experiência do escritor e ex-policial do que é literatura. Roger prefere deixar no ar. “Misturar ficção e realidade é uma característica que vem me perseguindo há algum tempo. A realidade da polícia e do crime em São Paulo é tão absurda e grotesca que parece mentira. Costumo jogar a dúvida na cabeça do leitor.”

Às vezes, os capítulos soam desconexos, mas são orquestrados de uma maneira específica para se consolidar num romance que levam o protagonista a chafurdar cada vez mais num ciclo horroroso de corrupção.

O que motivou Roger a escrever Ponto Quarenta é o que ele considera ser um grande déficit na literatura policial brasileira. “Não conseguia achar um livro ou filme que retratasse a dor do investigador, que é uma posição sócio-política completamente diferente de um policial militar”, afirma. Apesar de expor as mazelas recorrentes de dentro da corporação, de certa maneira, a obra humaniza o policial civil. A comparação com a Polícia Militar também foi motivadora para o autor. “O policial militar é um homem fardado que está sempre exposto na rua. O investigador, não. Ele é um rato. Ele se esconde entre o lixo e a legalidade”, frisa.

Vital é um homem bom? Roger ri quando ouve a pergunta. “Os seres humanos são instáveis”, coloca. O protagonista nutre uma gana insaciável por flagrantes, quando a possibilidade de extorsão monetária aparece. A corrupção é constante no livro. E aparece de forma natural. O escritor defende sua ex-classe: “Você tem pessoas mal pagas, convocadas das classes sociais mais baixas. Elas são colocadas diariamente diante de valores financeiros muito grandes, com a possibilidade de que eles sumam sem que ninguém fique sabendo”. É o que acontece quando Vital e seu parceiro de trampo estouram a casa de um traficante e encontram uma grana que será partilhada entre os dois e o delegado.

Quando começou a carreira de escritor, o medo de sofrer represálias até existia. “Eu tinha muito receio de ser considerado X-9, de ser chamado de traidor.” Hoje, depois de cinco livros publicados, a reação dos leitores continua positiva. “Quem é policial e conhece essa realidade, adora os livros.”

Para mais informações sobre o lançamento de Ponto Quarenta – A Polícia para Leigosem São Paulo, confira o evento no Facebook

  1. GRANDE GAROTO, PARABÉNS, SAIU PELA PORTA DA FRENTE, E PELO JEITO NÃO SE ARREPENDEU NEM UM POUQUINHO, AVANTE CARA, QUE DEUS TE ABENÇOE.

  2. nem tudo e igual nos 645 municipios do estado bem como nem tudo munfo e ladrao
    e a policia tem muita gente seria que ainda tem vergonha na cara e que mantem a policia funcionando
    para vender livro nao pode versar sobre anjos senao nao vende

  3. Guaraci Minguardi também escreveu um livro, mas atestando como verdadeiros os fatos ali relatados!
    Em nada melhorou a PC este ou aquele livro , serve somente estigmatizar como comportamento geral a conduta de alguns da instituição, estes fatos ocorrem mas não são regras hoje em dia( como bem mencionou o Pedro). A PC acovardou-se diante do crime ,por isso eu pergunto, quem trabalha hoje em dia, vale a pena ! Lógico que não.
    O PCCSDB acabou com esta instituição em pouco mais de 20 anos.

  4. gostei da frase: “O policial militar é um homem fardado que está sempre exposto na rua. O investigador, não. Ele é um rato. Ele se esconde entre o lixo e a legalidade”. muito boa kkkkkkkkkk

  5. POLICIAL DO DEINTER TESTANDO AS NOVAS 24/7 GERAÇÃO II…PUTA ARMAMENTO!!!!

  6. Péra péra péra, esse cara era tira? Com essa cara de viado passivo? Óculos de fundo de garrafa da Chillin Bins? Barbinha de maconherio e camisa xadrez aberta? Esse aí tá mais praqueles playboys metidos a comunistas da rua Augusta. Olha, não li e nem pretendo, mas fiquei em dúvida, se esta aqui, não é um livro mentiroso, mas as palavras que ele usa são se gente que quer se promover encima da satanização da polícia, alguém ai leu?

  7. Tá parecendo o sargento da PM que assassinou uns malas, depois se arrependeu e caguetou todo mundo. Fez umas comparações esdruxulas. Comparar PM e PC é sacanagem. Não por sermos melhor ou pior que os PMs, porque são atribuições distintas. Acho, que todo policial deveria iniciar na carreira no policiamento ostensivo, só depois de pelo menos cinco anos de policiamento ostensivo deveria ir para o policiamento investigativo.

    O policiamento ostensivo apesar do desgaste que trás o fato de você está exposto a todo momento é tecnicamente mais simples do que a investigação.

    Nosso modelo de segurança pública com duas polícias está exaurido. Polícia Civil e Polícia Militar devem ser extintas e a nova polícia deve ser civil, fazendo o policiamento ostensivo e repressivo.

    Pretendo comprar esse livro, porque todo conhecimento é válido.

    Abraço.

  8. Hélio disse:
    09/04/2015 ÀS 13:03
    Péra péra péra, esse cara era tira? Com essa cara de viado passivo? Óculos de fundo de garrafa da Chillin Bins? Barbinha de maconherio e camisa xadrez aberta? Esse aí tá mais praqueles playboys metidos a comunistas da rua Augusta. Olha, não li e nem pretendo, mas fiquei em dúvida, se esta aqui, não é um livro mentiroso, mas as palavras que ele usa são se gente que quer se promover encima da satanização da polícia, alguém ai leu

    MAS CARO HELIO, EU NUNCA VI POLICIAL CIVIL SE PORTANDO DE OUTRA FORMA SENÃO IGUAL A ESSE MOÇO, PRA MIM NADA DE ANORMAL, SE PRA VC ISSO APARENTA SER BAITOLA, ENTÃO TÔ DOIDO, A MAIORIA DOS PCS ENTÃO SÃO TAMBÉM, E ISSO É VC QUE ESTA AFIRMANDO, E NÃO ME VENHA FALAR QUE FUI EU TÁ.

  9. Well, amigos. Tenho 12 anos de polícia, às vezes leio o Flit, mas JAMAIS escrevi qualquer coisa nesse sítio. Eu conversava sempre com o Dr. Guerra, quando ele ainda era DelPol pelo MSN e pela saudosa comunidade do Orkut. Um homem educado e muito culto, por sinal. Meu codinome era Doc Holliday naquela rede social e o pessoal “das antigas” deve se lembrar de mim.

    Estou dizendo a minha história virtual, pois ela foi pareada a do Roger, que para mim foi uma das mais gratas amizades que fiz na polícia, ainda que até hoje nunca falei com ele pessoalmente. Para quem não leu como o colega acima confessou, as obras dele, acima de tudo, são romances. E esse e outros gêneros literários não têm compromisso com a verdade ou com a mentira, e essa é a liberdade do escritor e de qualquer artista. Não é um documentário ou artigo do NYT. Se ele disse coisas que encontram eco na realidade de quem lê, devemos condená-lo ou parabeniza-lo pela coragem de vanguarda? Ele que deve saber se quer ou não se enforcar na corda da liberdade. Agora comentar a aparência do escritor, se ele é de esquerda ou de direita, é um argumento vil demais.

  10. Parabéns ao Roger Franchini, esse Ponto Quarenta tinha sumido, tem muita semelhança tanto nesse livro como no Matar Alguém que não são apenas meras coincidências.
    Dr. Guerra cuidado com esse moço, me falaram que ele vai escrever um. “romance ” das circunstâncias que envolveram a prisão do Naldinho, envolvimento com o Edinho, dinheiro do tráfico em contas de empresários, jogador de futebol amigo/sócio (que saiu do pais mas já voltou), suicídio do seccional com dois tiros, etc
    Muito melhor que o gibi que o Velozo escreveu.
    Falei cuidado porque esse livro tem que ser seu, seria a cereja do flit.
    ” A vergonha do Caso Naldinho: do plebeu ao filho do Rei.” por Roberto Conde Guerra com prefácio de Guaraci Mingardi.

  11. Quero comprar comida e pagar minhas contas……………..cade a porra do reajuste salarial e o tal bônus?

  12. Para ser policial é preciso gostar. Tenho 26 anos de exercício. “Ser polícia”, não basta ter distintivo e arma.Nunca foi fácil e nunca será.
    Não gosta, está ruim. Vai embora. Simples.

  13. freitascop disse:
    10/04/2015 ÀS 9:48
    Para ser policial é preciso gostar. Tenho 26 anos de exercício. “Ser polícia”, não basta ter distintivo e arma.Nunca foi fácil e nunca será.
    Não gosta, está ruim. Vai embora. Simples.

    ———————————-

    Tenho uma linha de pensamento parecida com a sua, mesmo ainda não sendo Policial e também não tendo um conhecimento prático do ” sistema ”, respeito a opinião de cada um, mas se não está da forma que quer e não vê melhorias, saia e procure algo que faça você satisfeito.

  14. 10/04/2015 20h11 – Atualizado em 10/04/2015 21h57
    Professores estaduais de SP decidem manter greve
    Docentes caminharam até o Palácio dos Bandeirantes, sede do governo.
    Sindicato quer aumento de 75%; governo diz que deu 45% nos últimos anos.
    Do G1 São Paulo
    FACEBOOK

    Professores da rede estadual de ensino de São Paulo decidiram, na tarde desta sexta-feira (10), manter a greve iniciada em 13 de março. De acordo com a PM, 20 mil manifestantes participaram do ato. O sindicato da categoria (Apeoesp), porém, diz que 60 mil pessoas foram ao protesto. O G1 acompanhou o protesto em tempo real.
    Os docentes se concentraram em frente ao estádio do Morumbi, na Zona Sul da capital, onde fizeram uma assembleia que decidiu pela continuidade da paralisação. Em seguida, caminharam até o Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.

    GREVE NAS ESCOLAS
    Sindicato busca aumento em SP
    pedidos e propostas
    alckmin nega paralisação
    relatos de pais e alunos
    assembleia decide greve
    De lá, eles seguiram por ruas e avenidas do Morumbi até a Marginal Pinheiros e fecharam momentaneamente as pistas local e a expressa, sentido Rodovia Castello Branco. O grupo se dispersou próximo à Ponte Octavio Frias de Oliveira, a Estaiada, às 21h30.
    De acordo com a Apeoesp, o governo não abriu negociações salariais, apesar de quatro pedidos de audiência. Já a Secretaria da Educação diz que a entidade sindical, “cujas solicitações de negociação sempre são atendidas pela Pasta, na verdade, tem participado desde 2011 dos trabalhos conjuntos com representantes” da pasta.
    O sindicato alega que a Secretaria de Estado da Educação acenou com 10,5% de aumento para apenas 10 mil professores que se saíram bem em uma prova, ignorando outros 220 mil profissionais da rede. Dentre as reivindicações, os professores pedem aumento de 75,33% para equiparação salarial com as demais categorias com formação de nível superior.
    Nesta quinta, a categoria já tinha realizado uma série de protestos. Durante os atos, que interditaram ruas de São Paulo e rodovias. Na ocasião, a diretora executiva da Apeoesp, professora Vicentina Martins dos Santos, disse que os atos têm um objetivo: “Estamos fazendo isso para chamar a atenção”.
    Por meio de nota, a Secretaria de Estado da Educação afirma que “rechaça as inverdades divulgadas pela Apeoesp para tentar promover seu calendário de mobilizações políticas”. No texto, o governo ainda afirma que o movimento do sindicato “tem incitado os pais a não levarem seus filhos às unidades escolares para inflar a paralisação e usado, em alguns casos, até mesmo de violência.”
    A secretaria ainda defende que a valorização dos professores tem sido foco da gestão. “Os docentes garantiram, ao longo de quatro anos, um aumento de 45% em seus salários. O último reajuste se deu há oito meses.” O comunicado acrescenta que será pago, apenas em 2015, R$ 1 bilhão em bônus por mérito.
    O governo também garante que em seus dados oficiais, “baseados no cadastro funcional e não em estimativas aleatórias do sindicato”, o índice de comparecimento desta semana foi de 91%. “O que mostra que a ampla maioria dos docentes está comprometida com as atividades escolares e pedagógicas.”

    OS POLICIAIS DEVERIAM ESTAR FAZENDO O MESMO QUE OS PROFESSORES E NÃO DISCUTINDO SE A RODA DEVERIA SER REINVENTADA!

  15. Bacana o trabalho de falar sobre Polícia, ainda mais na perspectiva de um investigador.

    Se eu encontrar e tiver dinheiro, vou comprar.

    Agora, aproveitando a sinceridade dele:

    “… Boa parte dos textos eram produzidos dentro da própria delegacia. ‘Eu fazia muitos plantões. Alguns momentos eram bastante ociosos’…”

    Se fosse escrivão, não teria conseguido escrever nem um conto.

    A Polícia precisa racionalizar os seus recursos humanos. Saber quem faz o quê, quando e como.

  16. Sr. freitascop

    (…Para ser policial é preciso gostar ….)

    Gostar não basta! Magistério, Medicina e Polícia é só para quem Ama de Paixão.

    (…Nunca foi fácil e nunca será ….)

    Observação Perfeita.

    (…Não gosta, está ruim. Vai embora. Simples…)

    Neste ponto o Senhor está enganado, pois o policial insatisfeito pode simplesmente entrar para o grupo dos “olhos de vidro” e “braço curto” e com recompensa passara a ter as seguintes prerrogativas:

    A- Não estressar, passando a levar uma vida mais tranquila, pois adrenalina é um veneno que com os anos afeta os nervos.

    B- Na polícia só responde Sindicância e Processos criminais quem trabalha, portanto não trabalhar ajuda a manter a ficha limpa, sem contar que não vai ter que pagar Advogados.

    C- Quem não enfrenta criminosos não precisa andar com atenção redobrada e principalmente não arruma inimigos.

    E hoje em dia está cada vez mais comum:

    -Não se identificar como policial,
    -Não andar armado,
    -Não andar com a funcional.

    No passado achava que era covardia mais hoje entendo que é adaptação a uma dura realidade.

  17. Sr. Carcereiro 13.
    O senhor é muito sábio, mesmo discordando da minha última observação, só confirmou o que eu penso. Nunca foi fácil e nunca será.

  18. Dois lixos, Guerra e Franchini.
    EX que vivem de pichar e enxovalhar quem colocava comida no seus pratos.
    Não fosse a Polícia Civil você Guerra estaria fazendo o quê?
    E o Roger comédia? Devolve o relógio do L Huck.
    Vocês não sabem nada. Não sabem o que é Polícia.Nunca fizeram Polícia.
    Acham-se no direito de criticá-la, como fossem profundos, íntimos conhecedores do assunto.
    Vocês estão mais para DATENA, MARCELO REZENDE, WAGNER MONTES, RATINHO e outros fanfarrões.
    Guerra – Roger vocês esclareceram o quê? Resolveram o quê? Prenderam quem? PIADAS.
    A Polícia é tão boa e profissional, que, de uma maneira ou de outra, se livrou dos dois.
    Reside aí minha fé nesta Instituição.

    Foram tarde!!!!!

  19. indi gnado,

    Colocava comida nos seus pratos ?

    Casualmente, você deve ser desses polícia que ganharam o cargo, né ?

    Meu irmão, tu é homem ou apenas um rato ?

    Só os apadrinhados e ladrões dependem da PC para comer!

    Por fim, atualmente, gente boa e honesta de verdade nem sequer se inscreve em concurso da PC.

    Dou graças por ser ex-corrupto!

  20. …..Por fim, atualmente, gente boa e honesta de verdade nem sequer se inscreve em concurso da PC…..

    Pura verdade. Quando falo que sou PC todos falam se nao tinha um concurso melhor pra prestar. A PC SP esta carimbada com a marca da corrupção, ladroagem, dos sem escrúpulos, dos mãos curtas.

  21. Sempre quis comprar esse livro, agora com certeza o comprarei, outro que tenho muita vontade de ler é “sobre tiras, trutas e gansos”, o autor deveria fazer uma nova edição bem como fez o Roger. Discordo do Guerra, gente boa a honesta se inscreve nos concursos da PC sim, mas em decorrência do desânimo institucional saem, eu serei um desses. Pela primeira vez em 2 anos e meio pensei tanto que decidi sair da PC, instituição cansada e sem perspectiva de melhora, só de pensar que por dia eu imprimo por volta de 250 folhas, e saber que depois tudo vai pro lixo é de foder. Voltar pro rádio não me deixam, precisam de algum tonto pra fazer B.O., em cidade grande descobri que setor de investigações é só para as pessoas “certas”, o resto vai fazer qualquer outra coisa, mas os setores tem os “vocacionados” que não largam o osso. Na primeira semana de outubro acaba meu probatório, se não voltar pro rádio vou “baixar”, e espero no ano que vem estar fora da Polícia Civil. CANSEI!

  22. Ser policial não é pra qualquer pessoa, infelizmente poucos funcionários da PC são realmente POLICIAIS. disse:

    Mania que muitos tem de medir os demais com suas réguas.
    Gosto da PC independente dos maus profissionais que há com em qualquer profissão.
    Não tô nem aí pra quem fala que aqui só tem ladrão, eu não sou, isto é o que importa.
    Se você não consegue rebater uma afirmação desta, obviamente para alguém que mereça , você não serve pra ser policial.
    O livro não posso comentar algo que não conheço, apesar que literatura é livre, você pode criar o que quiser, afinal ele não diz que é um documentário, nem relato, muito menos fatos reais, mas sim literatura, misturando fantasia e realidade.
    Não é a PC que não presta, são as pessoas.
    Não são as pessoas da PC que não prestam, pessoas brasileiras em sua maioria não prestam, são invejosos, só querem levar vantagem, são mau educados, analfabetos etc.
    Enfim, a PC só será melhor se pessoas melhores ingressarem na instituição, mas com esse salário atual fica muito difícil, os competentes fazem apenas trampolim, para os que já estão há muito tempo não compensa sair, mas os competentes sempre conseguem manter-se sem ultrapassar a linha que divide o policial do ladrão e ainda estudar sempre, manter-se atualizado não só na polícia como também na vida.
    Família em primeiro lugar, seguindo esta máxima você nunca se arrependerá.

  23. A POLÍCIA CIVIL É SÓ MAIS UMA DENTRE VÁRIOS ORGÃOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PÚBLICO.
    GRANDE EXAGERO DA PARTE DE ALGUNS QUE TENTAM DE FORMA IRRESPONSÁVEL REBAIXAR O SER HUMANO POLICIAL CIVIL. HÁ MUITOS HOMENS DE BEM NESSA INSTITUIÇÕ, MAS NÃO NOS ESQUEÇAMOS QUE NA POLÍTICA A INSATISFAÇÃO É MUITO MIOR SE COMPARAD COM POLÍCIA CIVIL, NÃO NOS ESQUEÇAMOS QUE A POPULAÇÃO ESTÁ DESCONTENTE COM FUNCIONÁRIOS D SAÚDE, DA EDUCAÇÃO, ENFIM COM TUDO QUE É PÚBLICO.
    O DIRETOR DA ESCOLA TAMBÉM DESVIA DINHEIRO PÚBLICO, O DIRETOR DO METRO, O DIRETOR DO HOSPITAL, O DEPUTADO ,O VEREADOR. OS EMPRESÁRIOS TAMBÉM ACEITAM O MODO SUJO DE SE FAZER NEGÓCIO COM O ESTADO, TUDO E TODOS COM O MESMO PROPÓSITO, LUCRO, VANTAGEM INDDEVIDA
    AI APARECE UM PAU NO CU COMO ESSE JACARÉ SEM DENTE PRA DIZER QUE POLICIAL CIVIL É TUDO CORRUPTO.!!!!!!!!!!!!!!!

  24. Acabei de ligar na Secretaria da Fazenda querendo saber a data do crédito do tal do bônus para os Policiais Civis de São Paulo, onde fui informada que não há previsão, fui informada também que os funcionários da Secretaria da Fazenda estão esperando o crédito de seus respectivos bônus, sem informação de quando será.

O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do comentarista que venha a ofender, perturbar a tranquilidade alheia, perseguir, ameaçar ou, de qualquer outra forma, violar direitos de terceiros.O autor do comentário deve ter um comentário aprovado anteriormente. Em caso de abuso o IP do comentarista poderá ser fornecido ao ofendido!...Comentários impertinentes ou FORA DO CONTEXTO SERÃO EXCLUÍDOS. Contato: dipolflitparalisante@gmail.com

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s