Ex-Comandantes Gerais não explicam improbidade administrativa, furtos e desvio de dinheiro na PM 38

Editorial

Simulação policial

24/06/2015 02h00

Apontado como operador de um esquema de fraudes milionárias em licitações no Comando-Geral da Polícia Militar de São Paulo, o tenente-coronel José Afonso Adriano Filho tentou a princípio se defender no campo das intenções.

“Assumo tudo o que fiz. Tudo foi feito somente para o bem e jamais para o mal”, declarou a esta Folha. Procurava descrever como os desvios, realizados em 2009 e 2010, ocorriam para bancar despesas da corporação; não se destinavam a enriquecimento próprio. Estava em sua casa, em um condomínio em Itu, a 101 km da capital.

Dias depois, contudo, nova reportagem mostrou que taxas daquele mesmo condomínio haviam sido quitadas com um cheque de uma das empresas envolvidas no esquema. Emitido em 2012, no valor de R$ 14.320, garantiu o pagamento antecipado de quantias referentes a quatro imóveis pertencentes à família de Adriano Filho.

O oficial, dessa vez, preferiu não se manifestar –e suas explicações iniciais tornaram-se ainda mais objeto de desconfiança.

Segundo investigações internas da PM, identificaram-se irregularidades em todas as 458 licitações analisadas. Durante dois anos, gastaram-se ao menos R$ 10 milhões em compras fraudulentas de itens como papel higiênico, clipe para papel e programa de computador.

Em um dos casos mais chamativos, a empresa contratada a fim de fornecer peças para a manutenção de veículos havia ficado em 16º lugar na concorrência. Recebeu R$ 1,7 milhão e não entregou nenhum material.

O tenente-coronel Adriano Filho confirmou a aquisição simulada. O objetivo –como se os supostos fins pudessem purgar a ilegalidade dos meios– seria saldar dívidas por serviços prestados anteriormente de forma extraoficial. Na sindicância, entretanto, não há comprovação do débito alegado.

Não terminam aí, todavia, os aspectos a serem esclarecidos. Em suas declarações, o oficial sustentou que agiu por ordem ou com o conhecimento de seus superiores. Quais? “Todos os superiores”, enfatizou, sem citar nomes.

A atual cúpula da Polícia Militar não disse se vai abrir nova investigação para apurar eventual participação de outros oficiais.

Os coronéis Roberto Diniz e Álvaro Camilo, que foram comandantes-gerais da PM à época das fraudes –nas gestões de José Serra e Alberto Goldman, ambos do PSDB–, têm a oportunidade de mostrar seu interesse em eliminar todas as suspeitas.

editoriais@uol.com.br

Transcrito da Folha de São Paulo ; nos termos do artigo 46 da Lei nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998.‏

  1. Enviado pelo meu Windows Phone ________________________________

  2. PESSOAL !, FICO SÓ PENSANDO SE FOSSE UM POLICIAL CIVIL OPERACIONAL. SEM SOMBRA DE DÚVIDAS HOJE ELE ESTARIA PRESO E NO OLHO DA RUA. LEMBRO-ME MUITO BEM QUE HÁ QUINZE ANOS, UM INDIGITADO DE UM ESCRIVÃO DE POLÍCIA, O QUAL INFELIZMENTE ERA ALCOÓLATRA FOI AUTUADO EM FLAGRANTE, PRESO POR MAIS DE UM ANO E ATO CONTÍNUO EXONERADO, ISTO TUDO EM DETRIMENTO DE EVENTUAL EXTORSÃO DA SOMA EXORBITANTE DE R$ 200,00. É POR ESTE MOTIVO QUE PEÇO : ME AJUDEM AÍ Ó !….

  3. Enquanto isso o soldado da ROCAM que atirou nos sequestradores de moto filmado pelo Datena, ( ação duvidosa, porém heroica ) já está vendo o sol nascer quadrado no Romão. Sou um critico daqueles que dizem para “fazer olho de vidro”, mas estou quase concordando que vocês estão com a razão. Ser operacional hoje em dia não está compensando mais. Infelizmente.

  4. 8,9% DE REAJUSTE VEM AI AGUARDEM, REPOSIÇÃO DA INFLAÇÃO APENAS MAS JÁ MELHORA.

  5. Bom Dia!

    Senhoras e Senhores.

    Sr. ALOPRADO.

    O que mais me deixa triste e com uma tremenda vontade?

    É colocar certos pulhas que dilapidam o numerário público num paredão e expurgá-los sumariamente.

    Caronte.

  6. Charlie Bravo, mas esse soldado da Rocam adulterou a cena do crime, pegou uma arma, provavelmente dos bandidos e deu 2 tiros ao chão, tudo devidamente gravado

  7. A Corregedoria da Polícia Militar vai investigar se houve excesso por parte do policial que baleou dois adolescentes nesta terça-feira (23) após longa perseguição no Capão Redondo, na Zona Sul de São Paulo.
    Helicóptero da TV Bandeirantes acompanhou a perseguição por ruas e avenidas da Zona Sul após os jovens terem roubado uma moto.

    Dois homens ficam feridos durante perseguição da PM na Zona Sul de SP

    As imagens mostram que os dois adolescentes na moto são seguidos de perto por um policial da Rocam-Ronda Ostensiva com apoio de motocicletas da Polícia Militar. Um dos adolescentes joga o capacete em direção ao policial, que reage com disparos. As imagens mostram que a moto parece encostar e fica encoberta pelo telhado da casa. É possível ver que o policial atira pelo menos mais uma vez. O policial, então, desce da moto e vai até os suspeitos que estavam caídos. Ele se agacha e parece pegar uma arma que estava com um dos jovens. Em seguida, é possível ver duas luzes de tiros em direção ao chão.

    O dono do bar próximo ao local dos tiros estava servindo os clientes quando ouviu os tiros.
    “De repente, o que eu escutei foi os tiros, né? Aí, tinha umas crianças aí, eu falei: Vem gente, é troca de tiro, entra pra dentro, entra pra dentro, né?”, disse o comerciante Pedro Alves Pereira.
    Um dos jovens foi levado para o Hospital Campo Limpo. A família reclamou ao Bom Dia São Paulo que não podia visita-lo e não tinha informações sobre o estado de saúde porque ele estava sob custódia da polícia no Pronto-Socorro. O outro rapaz foi ferido com três tiros, um na nádega e dois na perna.

    Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública, a Polícia Civil, a Polícia Militar e a Corregedoria vão investigar o caso.

    GLOBO.COM – G1

  8. ELAS CONTINUAM DESCONTROLADAS ! EPISÓDIO 2 - NÃO VAI RESTAR UM PAISANO VIVO PARA DENUNCIAR OS ASSASSINOS disse:

    Dois policiais militares foram presos por suspeita de mentir sobre as circunstâncias da morte de uma travesti de 18 anos na madrugada deste sábado (21), na Zona Leste de São Paulo. Os dois vão responder por fraude processual e falso testemunho. A Polícia Civil investiga se eles têm alguma relação com a morte da travesti.

    O sargento Ailton de Jesus, de 43 anos, e o soldado Diego Clemente Mendes, de 22, foram presos em flagrante por causa de seus depoimentos sobre a morte de David Laurentino Araújo, de 18 anos, que usava o nome social de Laura Vermont. Eles omitiram o fato de um deles ter atirado no braço da vítima durante uma abordagem policial.
    As informações acima foram confirmadas nesta terça-feira (23) ao G1 pelo delegado José Manoel Lopes, do 32º Distrito Policial, que instaurou inquérito para apurar as causas e circunstâncias da morte da travesti Laura.

    De acordo com a investigação da Polícia Civil, o corpo de Laura apresentava lesões após ela ter brigado com outra travesti. Mas também tinha um ferimento à bala no braço esquerdo após supostamente ter roubado um carro da PM. Em seguida, teria batido o veículo no muro.

    Segundo o delegado, Ailton e Diego foram presos não porque são suspeitos de matar a travesti, mas devido ao fato de terem mentido quando prestaram a ocorrência e deram seus depoimentos no 63º DP, Vila Jacuí, onde o caso foi registrado inicialmente como homicídio culposo, no qual não há intenção de se matar.

    PMs presos
    Os dois policiais foram levados ao Presídio da Polícia Militar (PM) Romão Gomes, na Zona Norte da capital. O G1 não conseguiu localizar os advogados deles para comentar o assunto.

    Por meio de nota, a assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública (SSP) informou que “a conduta dos PMs está sob investigação da Corregedoria da corporação”.

    “Foi instaurado um inquérito para apurar morte suspeita a esclarecer. Os PMs se furtaram da verdade num primeiro momento”, disse o delegado sobre o fato de eles omitirem que um dos policiais militares atirou na travesti após ela, segundo os agentes, ter roubado o carro da Polícia Militar quando a separavam de uma briga com outra travesti.
    De acordo com o delegado, os dois PMs também são investigados como suspeitos da morte de Laura. “É uma das linhas de investigação: se Laura morreu em decorrência do disparo de arma de fogo é um homicídio. Se foi o corte na cabeça em decorrência da colisão da viatura com o muro é uma outra situação”, completou o responsável pelo 32º DP, onde o caso é investigado.

    A Polícia Civil aguarda os resultados dos laudos necroscópicos e toxicológicos, que estão sendo feitos pelos Instituto Médico Legal (IML), para saber as causas da morte de Laura. “Ainda não há certeza de como ela morreu e precisamos desses exames para saber disso e depois se poderemos responsabilizar alguém”, disse Lopes.
    Caso seja confirmada a participação dos dois policiais na morte de Laura, eles poderão responder pelo crime de homicídio, segundo o delegado.

    Primeira versão
    Ainda de acordo com o delegado, primeiramente, os policiais militares haviam ido ao 63º DP, onde disseram que tinham ido atender uma ocorrência de briga entre travestis, por volta das 5h40, na Avenida Nordestina, na Vila Curuçá.
    Em seguida, Lopes contou que os policiais militares disseram que viram na rua uma travesti ferida após ter sido esfaqueada por outra. Na versão deles, tentaram conter Laura, que entrou no carro da PM e saiu dirigindo o veículo. Um dos PMs contou que ainda tentou impedir, mas foi arrastado pelo carro, que bateu num muro em seguida.
    Ainda de acordo com o delegado, os policiais militares narraram que Laura saiu do automóvel da PM e foi atropelada por um outro veículo, possivelmente um ônibus. E ao se levantar, saiu correndo mais uma vez e bateu a cabeça num poste.
    Depois, os policiais militares alegaram que levaram a travesti para um hospital da região, segundo Lopes.
    Os PMs ainda levaram uma testemunha que teria visto o que o ocorreu para corroborar com a versão que deram no 63º DP. Uma delegada que estava no plantão, no entanto, desconfiou do rapaz que falava de forma decorada e depois descobriu que ele havia lido um bilhete escrito por um dos policiais com o que deveria falar. “Esse papel foi apreendido”, disse Lopes.

    Segunda versão
    Posteriormente, segundo Lopes, investigadores da Polícia Civil foram ao local onde ocorreu o suposto acidente e atropelamento de Laura. No local, tiveram acesso a câmeras de segurança que teriam mostrado os PMs agredindo a travesti após ela ter roubado o carro da corporação e batido num muro.
    Indagados novamente pela delegada do 63º DP, os PMs então disseram que tinham mentido porque estariam com medo de ser punidos, de acordo com o delegado. Contaram que, na verdade, após chegarem ao local onde as travestis tinham brigado, Laura roubou o carro, e um dos policiais atirou, acertando o braço da travesti. Depois, ela bateu o carro no muro e foi socorrida. Parentes da vítima a teriam levado ao hospital.
    Depois disso, a delegada deu voz de prisão aos dois PMs, de acordo com Lopes. A equipe de reportagem não encontrou os familiares de Laura para comentar o caso.

    GLOBO.COM – G1

  9. Viatura “roubada” ?

    Nãããõoo santa, como é que pode um sargento e um sordado, chegarem para apartar piti de duas franguinhas e deixar que uma delas leve a viatura embora e depois ainda assassinem a criatura, manipulem os fatos e adulterem o local e circunstâncias, mentindo descaradamente ao delegado de Plantão ?

    É esse o preparo, o nível de excelência, o tal ciclo completo, decantado em prosa e verso pelo Geraldinho Picolé e estrelinhas larápios da PM ?

    VERGONHA ALHEIA dessa corporação inútil, que gasta uma fortuna dos cofres públicos para mantê-la, inoperante, só para fazer flagrantes em casqueiros e moradores de rua, ladrões pé-de-chinélos, atender brigas de vizinhos, ou autuar motoristas que tomam chopp depois do trabalho, nas chamadas blits

  10. FIM DA VIOLÊNCIA POLICIAL! A SOLUÇÃO É ACABAR COM O PRESÍDIO MILITAR ROMÃO GOMES. disse:

    JUSTIÇA, POLÍTICA E SOCIEDADE EM GERAL,

    ACABEM LOGO COM ESSA MERDA DE PM QUE SÓ SERVE PARA ROUBAR DOS COFRES PÚBLICOS, ROUBAM MAIS QUE POLÍTICOS BRASILEIROS.

  11. FIM DA VIOLÊNCIA POLICIAL! A SOLUÇÃO É ACABAR COM O PRESÍDIO MILITAR ROMÃO GOMES. disse:

    ALÉM DOS ROUBOS ONDE ATÉ PADRE OFICIAL É PRESO, É UMA CAGADA ATRÁS DAS OUTRAS E NÃO PARA NUNCA.
    VÁ PRO INFERNO, ASSASSINAM UM TRAVECO NUM DIA E NO OUTRO UM DESPREPARADO SEGUE DOIS BANDIDOS, LEVA SORTE EM NÃO CAIR DA MOTOCICLETA QUANDO QUASE É ATINGIDO POR UM CAPACETE E APÓS DETEM OS LADRÓES E NÃO CONTENTE E TAMBÉM PARA NÃO PERDER O COSTUME, PREPARA O LOCAL DO CRIME.
    COVARDES!

  12. Quem assistiu a açao do policial militar poderia esclarecer, não sei se ví errado, mas a moto que estava sendo perseguida era semelhante, nas cores e moldelo, as utilizadas pela rocam, o capacete utilizado pelo mala, que depois lançado contra o pm, também era semelhante ao da rocam. O pm fazia a perseguição sozinho, o que não é habitual, já que esse tipo de policiamento é feito por dois componentes, onde estava o outro pm com sua moto. Até o porta objeto da traseira era igual aos da rocam. Será que essa moto que estava com os fugitivos não era da pm ? Quem assistiu pode observar e esclarecer essa minha dúvida ?

  13. ESSA CORREGEDORIA TEM MAIS É QUE FICAR DE OLHO NO INVESTIGADOR DO DEIC O TAL ALBANO VULGO CABEÇÃO COMPARSA DOS MARRETAS DO DECADE ( CLEBER E PORPETA ) NÃO DEIXA A GENTE TRABALHAR EM PAZ. O CABEÇAO QUER DINHEIRO TODA HORA E SE NÃO TEM CHAMA OS MARRETAS PARA NOS QUEBRAR. TÁ NA HORA DE ALGUEM VERIFICAR QUAL É O INTERESSE DA PROTEÇÃO AO TURISTA COM A CONTRAVENÇAO E PORQUE UM TIRA DA ESTELIONATO ESTORQUE DINHEIRO DA GENTE E CHAMA POLICIAIS DE OUTRO DEPARTAMENTO PRA DERRUBADA. AINDA POR SIMA ESCULAXARAM A MINHA MULHER.

  14. A moto roubada não era da PM e sim de um Motoboy, por isso tinha o guarda volumes na traseira. A perseguição, os disparos iniciais, até aí tava tudo bem, cagou tudo no momento em que ele pegou a arma do vagabundo e praticou a fraude processual. Assistindo a cena eu pensei que ele fosse “fazer a mão do mala”. Santa burrice.

  15. De acordo com O BO/PC:

    A Arma dos malas, disparou acidentalmente.
    Alguem prova o contrário?????????

  16. Cara pela Décima vez vou repetir aqui:

    Nossos amigos PM / PC tem que acordar, hoje em dia em todos os lugares tem câmera hoje em dias qualquer celular tem câmera então MUITO cuidado na hora de arredondar situação.

    Um dos tiros pegou na Bunda do mala isso que dizer atirou pelas costas ou não ???????

    o PM vai ter muita sorte se não tiver que responder nada….

  17. Quem sabe um dia. disse:
    24/06/2015 ÀS 17:51
    Cara pela Décima vez vou repetir aqui:
    Um dos tiros pegou na Bunda do mala isso que dizer atirou pelas costas ou não ???????

    Amigo, retorno a pergunta a voce:
    ATIROU PELAS COSTAS? ou
    ATIROU NAS COSTAS?

    Qual dos dois é crime???????

  18. GAME OVER disse:
    24/06/2015 ÀS 18:26

    Atirar nas costas de uma pessoa é crime…

  19. A não ser que essa pessoa esteja cometendo um crime, ai sim qualquer pessoa em defesa de terceiro pode atirar em outra mesmo nas costas.

  20. Quem sabe um dia. disse:
    24/06/2015 ÀS 18:53

    Correto amigo.
    Atirar nas costas
    Porem, perceba que não estou fazendo defesa de ninguem aqui
    O PM atirou quando o MENOR, jogava o capacete no PM correto?
    Então não atirou nas costas, alias, veja bem: Tentei atirar na moto para fazer parar, porem sou ruim de tiro e o tiro pegou nas nadegas.

    Fica ai a luz.

  21. Se nosso Pais fosse uma Pais Serio, esse Policial teria que ser afastado das ruas e ido treinar no estande de Tiros.

    Mais com é Brasiluiuiuiuiu o Policial está preso nesse momento e os coitadinhos dos menores devem estar sendo acolhidos pelos direitos humanos…..

  22. É por isso que não tem que dar boi prá imprensa, eles nos lambem quando precisam de matéria pra vender na emissora e quando é prá nos foder, escracham sem dó!!! Datena, vc pisou na bola, que o cinegrafista do helicóptero parasse a transmissão da imagem, agora tá ardendo no rabo do mike. Imaginem a situação dele na hora, uma perseguição longa, de motocicleta, o ladrão fazendo loucura prá fugir no meio do transito….o mike aloprou mesmo, tá errado??? Eram ladrões armados, mereciam o que???? Que o polícia saia logo e não seja punido, assim como o alto clero da PM que depois da descoberta da fraude……NINGUÉM SABIA DE NADA, ERA PARA O BEM,UMA DESPESA PAGA A OUTRA….. hipócritas do caralho!!!

  23. BRuno disse:
    24/06/2015 ÀS 12:04
    Charlie Bravo, mas esse soldado da Rocam adulterou a cena do crime, pegou uma arma, provavelmente dos bandidos e deu 2 tiros ao chão, tudo devidamente gravado

    CARO BRUNO, SÓ ME RESPONDE, VC É POLICIAL, SE ACASO FOR, NUMA MESMA SITUAÇÃO, SÓ QUE NO LUGAR DO PM FOSSE A SUA PESSOA, VC DEIXARIA A ARMA NO LOCAL (NO CHÃO) AO LADO DOS BANDIDOS SÓ PELO FATO DE PRESERVAR O LOCAL, UMA VEZ QUE A OCORRÊNCIA AINDA ESTAVA EM TRÂMITE!, EU NÃO COMPACTUO COM COISAS ERRADAS, AO MEU VER ESSE PM FOI UM HERÓI NA SUA PROFISSÃO, TALVEZ TENHA SIDO UM POUCO INFELIZ NA FINALIZAÇÃO, MAS QUANTO A SUA COLOCAÇÃO, VC DEU UMA BELA PAZADA COLEGA, VC MOSTROU QUE NÃO SABE NADA DE SERVIÇO POLICIAL, E TE ACONSELHO A REVER OS SEUS CONCEITOS PROFISSIONAIS ENQUANTO ESTIVER VIVO, POIS DA FORMA QUE VC DEMONSTROU, NA PRIMEIRA VEZ QUE DEPARAR COM UMA OCORRÊNCIA DO NAIPE, VC VAI PRO SACO TÁ, FICA ESPERTO NÃO VACILÃO.

  24. Travéco Júnior furta VTR dos Steve e é suicidado com cabeçadas em poste. É a cara dos coxas! Segura essa, Jacaré Sem Dente

  25. FIM DA VIOLÊNCIA POLICIAL! A SOLUÇÃO É ACABAR COM O PRESÍDIO MILITAR ROMÃO GOMES. disse:

    SOBRE O TÍTULO,

    EX-COMANDANTES GERAIS NÃO….

    ESSES BANDIDOS DEVEM SEREM PRESOS POR DETERMINAÇÃO DA JUSTIÇA E TAMBÉM ATRAVÉS DE MANIFESTAÇÕES DA POPULAÇÃO CONTRA ESSA MALDITA CORRUPÇÃO.

    QUANTO AO POLICIAL DA ROCAN QUE BALEOU OS MARGINAIS,

    1º- DEVE RECEBER TODOS OS ELOGIOS POR DISPARAR CONTRA OS MARGINAIS QUANDO UM DELES ATIROU O CAPACETE CONTRA O MESMO, AGIU DE FORMA CORRETA.

    2º- DEVERIA RECEBER TODOS OS ELOGIOS POR TER DISPARADO CONTRA OS MARGINAIS ASSIM QUE OS MESMOS CAIRAM NO CHÃO, JÁ HAVIAM PROVADO QUE ESTAVAM ARMADOS E NINGUÉM SABIA SE HAVIA UMA OUTRA ARMA OU NÃO EM PODER DOS MARGINAIS

    3º- DEVERIA RECEBER TODOS OS ELOGIOS POR RETIRAR A ARMA DAS PROXIMIDADES DOS MARGINAIS, NÃO TEM COMO SABER SE OS DISPAROS CONTRA OS MARGINAIS TERIAM ATINDIDO-OS OU NÃO, PARABÉNS.

    4º- DEVE SER PRESO, CONDENADO E EXPULSO DA CORPORAÇÃO, QUE NÃO PASSA DE UMA FACÇÃO CRIMINOSA JÁ PROVADO, POR DETERMINAÇÃO DA JUSTIÇA POR PROVAR QUE É MAIS UM BANDIDO FARDADO ALÉM DE BURRO POR SER FILMADO E INDISCUTIVELMENTE, APÓS PEGAR A ARMA DO BANDIDO, DISPARAR COM A PRÓPRIA ARMA DO BANDIDO PARA, MAIS UMA VEZ, ARREDONDAR A MALDITA OCORRÊNCIA.

  26. FIM DA VIOLÊNCIA POLICIAL! A SOLUÇÃO É ACABAR COM O PRESÍDIO MILITAR ROMÃO GOMES. disse:

    ACABEI DE ABRIR O SITE DA UOL E TAMBÉM DA FOLHA E MAIS UMA VEZ DEPAREI COM NOVA REPORTAGEM QUE AFIRMA OUTROS ROUBOS DOS OFICIAIS DESSA FACÇÃO CRIMINOSA QUE SE CHAMA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO.

    AGORA AFIRMA QUE O ESQUEMA DOS BANDIDOS FARDADOS EXISTE HÁ OITO ANOS.

    VAMOS COMEÇAR AGIR, JUSTIÇA.

    META ESSES LAZARENTOS NA CADEIA.

    É UMA ATRÁS DA OUTRA, ATÉ O OFICIAL PADRE FOI PRESO?

  27. Não se trata de partido “a” ou partido “b”, tampouco de político “a” nem político “b”, trata-se no entanto da hipocrisia e do falso moralismo que norteiam o tilintar das panelas dos coxinhas…

    Publicado em 24/06/2015
    Nogueira:
    FHC está acima da lei, Ele pode fazer qualquer coisa

    Paulo Nogueira, do DCM, fala sobre FHC e as doações de empreiteiras:

    FHC PODE FAZER QUALQUER COISA PORQUE ESTÁ ACIMA DE UMA COISA CHAMADA LEI

    Uma das frases mais descaradas da cena política moderna foi pronunciada hoje por FHC.

    Ele disse não ver problemas em empreiteiras darem dinheiro para seu instituto. Para o instituto de Lula, é outra história.

    Por cínica que seja, por despudorada que soe, a frase não poderia ser mais correta, no mundo das coisas reais.

    Para simplificar, FHC pode tudo porque é um intocável.

    A imprensa não o fiscaliza e a Justiça não o aborrece: é a retribuição que o 1% dá aos que defendem seus interesses, como FHC.

    Ele pode comprar no Congresso os votos que lhe permitiriam um segundo mandato.

    Não acontece nada.

    Ele pode nomear seu genro para uma função estratégica na administração do petróleo e depois demiti-lo quando este de divorciou da filha, numa bofetada sinistra no conceito de meritocracia.

    Não acontece nada.

    Ele pode arrumar uma sinecura para uma filha no Congresso.

    Não acontece nada.

    Ele pode patrocinar com recursos públicos uma nova gráfica das Organizações Globo, saudada como um retrato do século 21 mas hoje um fracasso miserável.

    Não acontece nada.

    Ele pode nomear um juiz como Gilmar Mendes para o STF, completamente alinhado com o PSDB.

    Não acontece nada.

    A lista é interminável.

    O caso das empreiteiras é apenas mais um.

    Seu herdeiro entre os intocáveis é Aécio. Eis outro que pode tudo.

    Aécio pode ser amigo do peito de um homem em cujo helicóptero foi encontrada meia tonelada de pasta de cocaína.

    Nenhum jornal o questiona sobre isso. Nenhum sequer cita a amizade, expressa em fotos em que ambos estão abraçados.

    Aécio pode construir um aeroporto particular com dinheiro público e, em questão de semanas, se sentir tão inimputável que se põe a fazer discursos moralistas.

    Aécio pode dar dinheiro público a rádios de sua família – dele mesmo, portanto – em Minas Gerais.

    Ninguém o cobra por isso.

    Como FHC, Aécio pode tudo. Pode ser flagrado por um vídeo completamente bêbado numa madrugada no Rio, pode fugir de um teste no bafômetro – e ainda assim o apelido de Brahma será dado a Lula.

    A impunidade de homens como FHC e Aécio é uma das maiores tragédias nacionais.

    Enquanto ela persistir, a Justiça será desacreditada, objeto de escárnio e ira. E a mídia será o que é: o pilar de um sistema em que o 1% pode fazer qualquer coisa.

    A posteridade não haverá de ser tão complacente para figuras como FHC e Aécio.

    Seus netos haverão de vê-los representados como símbolos de uma sociedade iníqua, injusta – repulsiva.

  28. GENTE !, S.M.J., ESSE POLICIAL MILITAR FOI UM EXEMPLO DE POLICIAL, ELE DEVERIA É RECEBER O FAMOSO “P.M. ZITO”, POIS QUEM DEVERIA ESTAR ATRÁS DAS GRADES, SÃO AQUELES QUE O CONDUZIRAM. E ME AJUDEM AÍ Ó !

  29. JACARÉ SEM DENTE, você é um analfabeto funcional.Para de escrever com letra maiúscula e escreva corretamente seus textos.São todos eles sem concordância e difícil de entender.Só podia ser um coxinha.

  30. Bastaria a PM explicar um item: as transferências “por conveniência do serviço”, para se computar o rombo provocado no erário. Tais atos administrativos, em si – desconsideradas demais implicações -, já ofereceriam suficiente materialidade para que TODOS,SEM NENHUMA EXCEÇÃO, respondessem pelo crime de improbidade administrativa.

    Considerando que venho constatando tais atos, desde 1998, não me custa garantir que se traduzem em banalizada tradição (como as “químicas”, em razão das quais o Ministério Público apura desvios de verbas, fraudes, falsidade ideológica, dentre outros). Em assim sendo – pela tradição -, nenhum ex-Comandante-geral escapa da apontada improbidade.

    Eu já havia sugerido ao João Alkimin que se aprofundasse nessa matéria.

  31. Corregedoria , Ministério Público, Tribunal de Faz de Contas, não pode ser apenas para policial sem padrinho disse:

    Roubalheira em licitação na SSP é mais velho do que mijar pra frente. Desde os tempos das construções de DP’s e outras unidades policiais pagas e nunca construídas se exercita a rapinagem em licitações e contratos nesta pasta, verdadeiro “causo de puliça”. Sabe o que vai dar? NAAAAAAAAAAAAADDDDDDDDDDDDAAAAAAAAAAAAA. Tchau!

  32. Enquanto a “Viatura M-10290” – cujos destroços foram estranhamente recuperados depois de gravíssimo acidente de trânsito, quando “tirava racha” com a viatura M-10220 – ficou à disposição do próprio Comandante de Companhia que me impediu de apurar o fato, sou capaz de apostar que outra, a viatura M-10390, “nunca foi” à baixada Santista,(Guarujá) carregada com materiais de construção, “devidamente” guarnecida pelo Sd PM Lopes e Sd PM Cacetari, dar-se à nobre missão de reformar o apartamento do Comandante do 10º BPM/M,Tenente-coronel SILVINO BARBOSA DA CRUZ.

    Nota-se que o Comandante do referido BPM/M exerceu muito “rigoroso” acompanhamento sobre quem, me disse que “na política não importa o fato, mas, a versão que a este se dá”, o Capitão EDSON DE JESUS DARDANO, a pretexto de me demover daquelas apurações..

    Quis os desígnios políticos da terra brasilis que o então titular desse “celebre” pensamento se tornasse o atual Vereador Coronel Sardano, na cidade de Esculhambandré, muito vulgarmente conhecida como “Santo André”.

    Sou capaz de apostar que “ninguém” daquela 3ª Companhia – nem mesmo o então Subtenente Vasques sabia de nada, quanto as recorrentes idas da citada viatura à Baixada Santista.

  33. O ESTADO DE SÃO PAULO

    Terça-feira, 3 de Setembro de 2002, 21:21 | Online

    CARRO ROUBADO É USADO PELA POLÍCIA MILITAR EM SP

    O comerciante Carlos Eduardo de Souza Tomé teve sua perua Santana Quantum furtada em 1996. Nunca mais a viu. O destino do carro não foi um desmanche nem o Paraguai. O veículo levado por ladrões transformou-se num carro da Polícia Militar de São Paulo. Com o número do chassi adulterado, foi pintado de cinza, cor usada pela polícia, e recebeu rádio, sirene e uma identificação: “viatura M-10290”, substituindo uma Quantum da PM que tinha sofrido um acidente.

    Durante cinco anos, o veículo serviu ao capitão comandante da 2.ª Companhia do 10.º Batalhão e ao serviço reservado da unidade. Ninguém, nesse tempo, percebeu que o veículo batido, uma Quantum CL 1988, voltara da oficina como GLS, com ar-condicionado, vidros elétricos e direção hidráulica, itens que o carro comprado pela corporação não tinha.

    “Antes de voltar da oficina, o carro passou por vistoria na sede do batalhão. Ninguém ia desconfiar que era produto de crime”, disse o capitão Edson de Jesus Sardano, então comandante da 2.ª Companhia e hoje secretário da Segurança de Santo André. Isso foi descoberto pelo comando do batalhão em setembro de 2001 – Sardano não estava mais na companhia.

    Mesmo assim, o dono do carro não foi avisado de que a Quantum havia sido encontrada com a polícia. Isso só ocorreu hoje, quando o comerciante foi localizado pela reportagem. O carro não foi nem mesmo entregue à Polícia Civil, que deveria apreendê-lo. A ordem para que isso fosse feito estava no ofício do coronel Luciano Antonio da Silva, comandante da PM no ABC.

    Turbo – A história do carro furtado transformado em veículo da PM começa em 17 de agosto de 1996.

    Naquele dia, a Quantum que funcionava como “viatura M-10290” se envolveu num acidente de trânsito no qual morreu “o civil Marcelo Gomes da Cruz”. O motor da Quantum havia recebido um turbo antes do acidente e, temendo a repercussão disso na imprensa, os policiais resolveram levá-la a uma oficina.

    Consertar carros oficiais em oficinas particulares é praxe na polícia. Muitos donos de oficinas são amigos de policiais e fazem preços camaradas. O que se segue é a explicação dos policiais da 2.ª Companhia para o fato de a Quantum oficial ter desaparecido, sendo trocada por uma furtada. O sargento Oseias Francisco de Barros disse que apenas indicou a oficina de um amigo, Jadir Eugênio, para que o conserto fosse realizado.

    Eugênio afirmou que recebeu o carro levado pelo sargento Sérgio Zagorac e pelo soldado Luiz Carlos Tenório Cavalcante, que trouxeram ainda peças de reposição e tinta. O mecânico contou ter ficado com o carro uma semana em sua oficina, quando apareceu o único policial que, segundo todos dizem, pode explicar o mistério: o soldado José Flávio Manchini.

    Com um guincho, ele retirou o carro e levou-o para outra oficina junto com as peças e a tinta. Ninguém sabe para onde Manchini a levou e não há como saber, pois o soldado morreu em outubro de 2000. Os reparos foram realizados, segundo o tenente Dauri Benedito da Cruz, “a título de cortesia”.

    De volta da oficina, o carro passou, conforme o regulamento, por vistoria que “visa avaliar as cores padronizadas, os sistemas de iluminação, alinhamento, parte mecânica, tapeçaria e prefixo dentro dos padrões”. Tudo conferido, o veículo ficou à disposição do comandante da companhia de 25 de fevereiro de 1997 até julho de 1998, quando passou a ser usado pelo serviço reservado.

    Em abril de 2000, o tenente Eduardo Carlos Farias dos Santos desconfiou dos equipamentos extras do carro e o enviou a nova vistoria, na qual ficou constatado que as alterações não haviam sido registradas. O carro foi mandado ao Instituto de Criminalística, que descobriu a adulteração do chassi.

    Os peritos encontraram ainda a numeração verdadeira, o que permitiu saber que o veículo foi furtado em 2 de dezembro de 1996, no Parque da Mooca, zona leste de São Paulo. Sindicância – O comando do 10.º Batalhão instaurou sindicância sobre o caso, concluída em julho, apontando transgressões cometidas por um soldado, dois sargentos, dois tenentes e três capitães.

    Um inquérito foi aberto, mas foi concluído sem que nem mesmo o comerciante Tomé fosse ouvido. O comandante do ABC não acolheu a solução da sindicância e mandou anular parte da apuração por ter sido conduzida por um tenente, Como há, em tese, capitães envolvidos no caso, no mínimo, um major deveria presidir a apuração. O coronel Silva mandou apurar responsabilidades para saber quem deve ressarcir o erário – em R$ 8.612,00 – pela perda do verdadeiro carro M-10290. Enquanto isso, o comerciante continuava sem nada saber.

  34. Política

    Publicado em sábado, 7 de setembro de 2002 às 17:58

    SECRETÁRIO DE STO. ANDRÉ AUTORIZOU TURBO EM VIATURA

    Kléber Werneck

    Do Diário do Grande ABC

    O relatório de uma sindicância da Polícia Militar afirma que o atual secretário de Combate à Violência Urbana de Santo André, Edson Sardano, autorizou a instalação de turbo em viatura que meses depois envolveu-se em um acidente com uma vítima fatal. O documento, ao qual o Diário teve acesso, afirma ainda que o equipamento foi retirado às pressas do veículo, após a batida, para que a imprensa não tivesse conhecimento do fato e o Estado não sofresse processo judicial.

    O fato aconteceu em 1996, quando Sardano era comandante da 2ª Companhia da PM de Santo André. Na madrugada de 17 de agosto, duas viaturas se chocaram com um Gol, no cruzamento entre as ruas Alegre e Tapajós, em São Caetano, o que causou a morte da tesoureira Elaine Gonçalves da Cunha, 31 anos.

    Alguns meses antes, Sardano e o tenente-coronel Alberto Bertholazzi (falecido) haviam autorizado a instalação de um turbo – equipamento proibido para viaturas – no Santana Quantum prefixo M-10290, um dos carros envolvidos. A história é relatada na sindicância portaria número 10BPM-0720/11/00, instaurada para investigar a utilização de peças roubadas no automóvel após ser reformado.

    No documento, o 2º Sargento Sérgio Zagorac declara em seu depoimento que pediu autorização a Sardano para colocar o turbo e que, após instalado, o veículo passou por nova vistoria do atual secretário e de Bertholazzi. Além do turbo, o texto diz que o veículo não possuía alguns acessórios obrigatórios.

    Sardano admitiu ter autorizado a instalação do equipamento irregular na viatura: “Eu achei um pouco estranho, mas resolvi aprovar para deixar o motor mais moderno, pois era uma viatura que estava sendo recuperada.”

    O secretário, entretanto, desvincula o uso do acessório ao acidente que vitimou a tesoureira. “A culpa não foi do turbo, quem deve explicar é quem estava dirigindo a viatura. É a mesma coisa se tivesse um saco de 1 kg de cocaína na viatura. Estaria ilegal, mas a batida não seria culpa da cocaína”, disse.

    Zagorac também afirma que, após a batida, a viatura foi levada às pressas para uma oficina a fim de que o turbo fosse retirado, “pois a imprensa estava querendo registrar tal fato”. A retirada do equipamento foi confirmada pelo mecânico Alexandre Hipólito, que disse ter recebido telefonema às 5h para evitar que a “imprensa descobrisse e processasse o Estado”.
    O sargento afirmou, no documento, que não sabia se a perícia havia sido realizada no veículo. O Diário teve acesso ao laudo 6803, feito pelo Instituto de Criminalística de São Bernardo e assinado pelo perito criminal Edison Makoto Adyama, que não faz nenhuma citação ao turbo.

    A reportagem procurou Zagorac para comentar o assunto, mas ele disse que “não podia dar entrevista sem autorização do comando da PM”. Ele confirmou apenas que Sardano foi informado da retirada. “Todos os procedimentos são relatados ao comando”, limitou-se.

    Em princípio, Sardano afirmou que estava afastado da 2ª Companhia na ocasião do acidente. Depois, disse que “devia” estar no comando, mas não se recorda com exatidão. Declarou, entretanto, “ter certeza” de que não foi informado sobre a retirada do turbo após o acidente. “Não é porque eu era o comandante que eu era responsável por tudo o que acontecia”, disse.

    O tenente-coronel Wilson Silveira, atual comandante do 10º Batalhão, onde a sindicância está sendo conduzida, afirmou que “tudo está sendo apurado e quem errou será responsabilizado”. Assim como Sardano, ele desvinculou o turbo do acidente.

Os comentários estão desativados.