Delegado flagra assalto com agressões e prende três suspeitos em Santos; Capitão PM ajuda 45

Delegado flagra assalto com agressões e prende três suspeitos em Santos

O crime aconteceu na Aparecida. Um rapaz de 22 anos levou socos no rosto e foi jogado no chão

EDUARDO VELOZO FUCCIA
19/09/2015

Dois rapazes e um adolescente de 17 anos foram detidos logo após agredir e roubar um jovem em um ponto de ônibus da Rua Guaiaó, em frente ao Praiamar Shopping, na Aparecida.

No exato momento do assalto, o delegado Fábio Pierry transitava pelo local em seu carro. Ao presenciar a ação, ele deu a volta no quarteirão para capturar os acusados.

Jonathan Helbert Bravo Aires da Cunha, de 19 anos, Jony da Silva Franco, de 21, e o adolescente infrator foram alcançados na Avenida Epitácio Pessoa com a Rua Januário dos Santos.

Pierry desembarcou do veículo, deu voz de prisão ao trio e ordenou que ele se deitasse no chão. Capitão da Polícia Militar, Michael Douglas Morais estava de folga e à paisana, passava de carro pelo local e parou para dar apoio ao delegado.

Jony portava o celular da vítima, enquanto uma mochila com outros pertences dela foi recuperada em poder de Jonathan. Os acusados estavam desarmados.

O jovem roubado tem 23 anos e trabalha em uma loja do shopping. Ele foi levado ao Pronto-Socorro da Zona Leste, sendo realizado curativo em seu rosto e tirada radiografia de suas costas.

Na Central de Polícia Judiciária (CPJ), a delegada Cláudia Santana Barazal autuou os dois adultos em flagrante. O adolescente foi removido ao Núcleo de Atendimento Integrado (NAI)

  1. Nossa! Que cana! Merece um elogio os dois! Esse sim é o ciclo completo das polícias!

  2. ASSIM É QUE SE FAZ, A UNIÃO FAZ A FORÇA, PORTANTO É O QUE A SOCIEDADE ESPERA, QUE AS POLÍCIAS, TENHA AMPARO DENTRO DA LEI, PARA PROSSEGUIR AGINDO ASSIM. PEDRO BAIANO.

  3. Parabéns!

    Cana linda!

    Ah… se o governo quisesse mesmo Segurança Pública, como tudo seria diferente.

  4. .
    .
    .

    O Abecê do policial civil vagabundo 62
    por Flit Paralisante • Sem-categoria
    Enviado em 19/09/2015 as 1:32 – C. A

    Senhores

    Descreverei a seguir, algumas atitudes e palavras, comum em nosso meio, que nada nos adiciona de bom, muito pelo contrário, só nos prejudica…

    a-Sindicado não faz nada- realmente, não é o sindicato que deve fazer e sim os sindicalizados, participando de assembleias, cobrando posições na sede, aderindo a movimentos…

    Resposta:

    A primeira atitude de um líder sindical seria a luta por uma entidade única que traria representatividade e poder de negociação, este universo de associações e sindicados servem, na pratica, apenas para arrecadar contribuições.

    b-Eu faço igual ao fulano, quero o mesmo salário- nada mais justo que atividades idênticas, salários iguais, mas, presta concurso!

    Resposta:

    Somos Quatorze carreira de policiais, mas deveríamos ser tratados como Policiais de quatorze carreiras, já que não se justifica o mesmo grau de dificuldade com salários tão diferenciados, sem contar que na moderna administração a existência desta estrutura só favorece a ineficiência e a corrupção.

    c-Não é comigo, estou na boa, então, fod…..- A Policia é uma roda gigante, sempre em movimento, amanhã será voce!

    Resposta:

    A maior característica POSITIVA do Policial Civil é seu raciocínio lógico e sua capacidade em adaptar-se (Um PC chamais “deixaria” um preso algemado “cair” de um telhado). O crime é dinâmico e imprevisível exigindo um policial com características incompatíveis com o militarismo que exige obediência sem questionamentos.

    d-Fui extinto, então? – Oras, a secretaria mandou que devolvesse sua funcional e arma? para com esta conversinha fiada, extintos foram os cargos vagos, vai chorar na cama que é lugar quente e macio.

    Resposta:

    A forma como o governo extinguiu o cargo de carcereiros policiais sem cumprir o a Lei do Estatuto do Funcionalismo que prevê que quando um cargo é extinto os ocupantes devem ser enquadrados no cargo mais próximo que no caso do carcereiro seria o Agente Policial, demostrou falta de respeito à LEI e aos Profissionais. E um governante que não cumpre uma lei, provavelmente, não cumpra outras.

    e-Delegado não está nem aí para o restante da Policia….- Vos pergunto, os demais Policiais se importam com os Delegados?

    Resposta:

    Um dirigente que não se preocupa com seus subordinados, fatalmente, levara sua instituição ao fracasso.
    Exemplificando: Os estrelinhas chamais permitiriam que seus soldados recebessem um auxilio alimentação inferior ao dos policiais civis (120 a 580), pois sabem que isto traria desmotivação e no trabalho policial motivação é 90 por cento dos resultados.

    f- O Estado me explora…..- Siga o exemplo, o judiciário está aí, bastam ações…

    Resposta:

    Uma causa contra o Estado, na maioria esmagadora das vezes, leva mais de dez anos para chegar nos Tribunais em Brasília
    e uma Justiça “lenta” é pior do que a injustiça pois gera descrença.

    g- Eu sou mal remunerado, por isso não trabalho! – Senhores, acham mesmo que algum ou alguns assessores do Governador não frequentam este sítio, não analisam o nível e a qualidade dos comentários?
    Foi o que me lembrei no momento, mas, tenho certeza que o alfabeto seria insuficiente para relacionar todas as mazelas que ocorrem em nossa Policia, mas claro, todas elas, com absoluta anuência de boa parte dos Policiais, pela omissão!

    Resposta:

    A atual situação falimentar em que esta instituição se encontra é o resultado da decisão do administrador em não fazer uma Reestruturação dos cargos e salários que traria motivação resultando em um aumento da eficiência, mas se em vinte anos não conseguiram entender esta regrinha básica, da moderna administração, não vai ser agora que irão aprender.

    (É o que penso)

  5. Resposta ao C.A.
    A- A primeira atitude de um líder sindical seria a luta por uma entidade única que traria representatividade e poder de negociação, este universo de associações e sindicados servem, na pratica, apenas para arrecadar contribuições.
    B-Somos Quatorze carreira de policiais, mas deveríamos ser tratados como Policiais de quatorze carreiras, já que não se justifica o mesmo grau de dificuldade com salários tão diferenciados, sem contar que na moderna administração a existência desta estrutura só favorece a ineficiência e a corrupção.
    C-A maior característica POSITIVA do Policial Civil é seu raciocínio lógico e sua capacidade em adaptar-se (Um PC chamais “deixaria” um preso algemado “cair” de um telhado). O crime é dinâmico e imprevisível exigindo um policial com características incompatíveis com o militarismo que exige obediência sem questionamentos.
    D-A forma como o governo extinguiu o cargo de carcereiros policiais sem cumprir o a Lei do Estatuto do Funcionalismo que prevê que quando um cargo é extinto os ocupantes devem ser enquadrados no cargo mais próximo que no caso do carcereiro seria o Agente Policial, demostrou falta de respeito à LEI e aos Profissionais. E um governante que não cumpre uma lei, provavelmente, não cumpra outras.

    E-Um dirigente que não se preocupa com seus subordinados, fatalmente, levara sua instituição ao fracasso.
    Exemplificando: Os estrelinhas chamais permitiriam que seus soldados recebessem um auxilio alimentação inferior ao dos policiais civis (120 a 580), pois sabem que isto traria desmotivação e no trabalho policial motivação é 90 por cento dos resultados.
    F-Uma causa contra o Estado, na maioria esmagadora das vezes, leva mais de dez anos para chegar nos Tribunais em Brasília e uma Justiça “lenta” é pior do que a injustiça pois gera descrença.
    G-E atual situação falimentar em que esta instituição se encontra é o resultado da decisão do administrador em não fazer uma Reestruturação dos cargos e salários que traria motivação resultando em um aumento da eficiência, mas se em vinte anos não conseguiram entender esta regrinha básica, da moderna administração, não vai ser agora que irão aprender.
    (É o que penso)

  6. Sou só eu que acha que quando todo mundo joga junto fica mais fácil ?!

  7. Senhor Carcereiro 13

    Realmente, não há pessoa com liderança e pujança suficiente, para em nome e com apoio da Classe, iniciar um movimento melhorando nossas condições funcionais e institucionais, isso se consumaria, com massiva e constante presença de todos na vida sindical, surgindo dai, alguém com disposição para concorrer com o “atual presidente”.
    Torno a repetir, OS CARGOS EXTINTOS FORAM OS VAGOS, remanejados segundo o decreto, para as carreiras de Investigador e Escrivão(segundo o decreto), pense, a administração lhe pediu a devolução de sua Carteira Funcional ou armamento? Caso fosse extinta a “Carreira de Carcereiro”, aí sim, haveria a transposição para carreira similar (trocariam a funcional inclusive)
    Para o bom entendedor “pingo é letra”, não só os Operacionais não se preocupam com os Delegados, como os Delegados não se preocupam com Operacionais e nem mesmo Operacionais se preocupam com Operacionais, nem mesmo com colegas da mesma carreira.
    Se não estou enganado, na Policia Militar, por regulamento Militar, o Praça graduado, ganha uma porcentagem a mais que o Soldado raso, e esta escala é progressiva, até o posto de Tenente Coronel, eles não fazem nada para os subordinados, por força do Regime Militar, não há como aumentar o ganho do Oficial sem arrastar o Praça.
    Lembro-me bem, de quando a Policia Federal tinha salário menor que o nosso, esta situação se modificou nos dias atuais, pelos méritos próprios, não de Governantes, basta relembrar os movimentos paredistas do passado e do presente que efetuaram.
    Todo e qualquer Governante, só se movimenta se lhe for aplicada força motriz, caso contrario, a situação estática permanece, sem o ativismo sindical, continuaremos eternamente discutindo estes tópicos por anos e anos, como eu mesmo presencio e já presenciei por décadas.
    Estaremos sempre com a mesma duvida existencial (Biscoito Tostines vende mais porque é fresquinho ou é fresquinho porque vende mais)
    O meu comentário em momento algum teve a intenção depreciativa, na verdade, o objetivo foi a reflexão e a conscientização.
    Embora, por alguns comentários que postaram, demonstra claramente que não alcancei o esperado, por falta de uma interpretação de texto digna.

    é o que penso

    C.A.

  8. Parabéns pela prisão. Eles se multiplicam como baratas, infelizmente. Mudar as leis?… nem pensar.

  9. Sabe por quê ainda estou aqui, pois amo o que faço e principal tem muita gente idônea e prestativa.
    É por isso que não desisto.

  10. Alias cadê os apagão hidroeletrico.
    Só aceito o impeachment quando o Brasil quebrar 3 vezes, como na época FHC. Este ex presidente quantas usinas hidroelétricas e eólica fez, quantas faculdades.
    Não precisar de dedos para isso, se é que me entendem.

    Parem com esse golpe, aprendam a perder.

  11. Senhores

    Se então observarmos os feitos e maus feitos de todos os governos passados….

    Após o golpe militar de 1964, no início do governo de Castelo Branco, foi criado o PAEG – Programa de Ação Econômica do Governo, que tinha como objetivos combater a inflação e realizar reformas estruturais, que permitissem o crescimento. A procedência do milagre econômico está nas reformas econômicas praticadas pelo PAEG, que adaptou a economia rumo ao crescimento e gerou uma capacidade ociosa no setor industrial (IPEA, 2007). O período de 1968 a 1973 foi marcado por taxas de crescimento excepcionalmente elevadas, com relativa estabilidade de preços (GREMAUD et al, 2002). O período caracterizou-se por uma elevação média do produto acima dos 10%a.a., principalmente para o produto industrial, enquanto a inflação estabilizava-se em torno de 15 e 20% no período. Segundo o portal FGV, “em setembro de 1970 a Bolsa de Valores do Rio de Janeiro bateu o recorde de volume de transações em toda a sua história, negociando 24 milhões de cruzeiros num só dia”. O crescimento econômico e o domínio da inflação eram os objetivos principais do governo em 1967. Aceitava-se a inflação em torno de 20 a 30%a.a., com redução gradual, em objeção ao tratamento de choque. A inflação teve seu diagnostico alterado, de uma inflação de demanda para uma inflação de custos, causando um afrouxamento das políticas monetária, fiscal e creditícia, exceto a política salarial, considerada como parte de custos. Em 1968, criou-se o CIP – Conselho Interministerial de Preços, órgão responsável pela política de controle de preços, onde os reajustes deveriam ter a aprovação prévia do governo.

    É importante destacar que o crescimento se colocava também como uma necessidade para legitimar o regime militar, que procurou justificar sua intervenção na necessidade de eliminar a desordem econômica e político-institucional, e recolocar o país nos trilhos do desenvolvimento (GREMAUD et al, 2002, p. 398).

    As principais fontes de crescimento foram: o aumento do investimento das empresas estatais, a demanda por bens duráveis, devido à grande expansão do crédito ao consumidor; a retomada do investimento público em infra-estrutura, resultante da recuperação financeira do setor público; o crescimento da construção civil, por consequência dos investimentos públicos na área; e o crescimento das exportações, em efeito ao crescimento do comércio mundial, alterações da política externa do país e incentivos fiscais (GREMAUD et al, 2002).
    A agricultura tornou-se uma fonte de demanda para a indústria, pois houve um aumento de produtividade intensiva no setor agrícola, ou seja, utilizando a mesma quantidade de terras para o plantio. Segundo Gremaud et al (2002, p.399) “nessa fase, deu-se início o processo de modernização agrícola, por meio da mecanização”. Devido ao aumento do emprego, da massa salarial e ao crescimento das exportações de produtos agrícolas e manufaturados tradicionais, a agricultura e o setor de bens de consumo leve exibiram uma atuação mais modesta. Em relação ao setor de bens de capital, o seu desempenho divide-se em duas fases: até 1970, apresentou um crescimento menor, ocasionado pela não ampliação da capacidade instalada; conforme aumentava-se os investimentos na economia, a elevação da demanda por bens de capital permitiu que este setor fosse o de maior crescimento entre 1971 e 1973, com taxas de crescimento médio de 18,1% a.a. (GREMAUD et al, 2002). Já o setor de bens intermediários registrou uma taxa média de crescimento de 13,5%a.a. no período.
    A deficiência de oferta interna causou, nos setores de bens de capital e de bens intermediários, uma pressão por importações, ainda incitada pela política liberal e de incentivos à importação do Conselho de Desenvolvimento Industrial – CDI, e pode ter influenciado na produção interna de bens de capital, que cresceu somente após 1970.

    A pressão por importações poderia levar à necessidade de recursos externos para cobrir o Balanço de Pagamentos, não fosse o elevado crescimento do valor das exportações brasileiras. (GREMAUD et al, 2002, p. 400).

    As exportações brasileiras foram beneficiadas pelo crescimento do comércio mundial e pela política cambial e comercial, além da melhora dos termos de troca. Mas além do bom desempenho do setor exportador, o país presenciou a primeira onda de endividamento externo, principal fonte da viabilização do crescimento durante o milagre econômico. Fatores como a nova conjuntura mundial, imposta após a Segunda Guerra Mundial, a consolidação de um capitalismo independente e o equilíbrio na balança comercial despertaram o interesse de empresas norte americanas e dos liberais brasileiros na entrada do capital estrangeiro no país (IANNI, 1996). A situação cambial era estável. O volume de reservas, em 1973, era equivalente a mais de um ano de exportações, ao passo que o FMI recomendava que este volume fosse de três meses de importações.
    As taxas de juros elevavam-se devido à reforma financeira (1964/1966) e pela alta demanda de crédito, que unida aos recursos que permitiam o acesso ao crédito levaram à obtenção de recursos estrangeiros, tendo como principais tomadores as empresas multinacionais e os bancos de investimentos estrangeiros. Enquanto a entrada de capital estrangeiro era transformada em reservas, a dívida pública interna crescia, tendo em vista o controle da base monetária através das operações de mercado aberto.
    O Estado manifestou grande participação na economia, controlando os principais preços – câmbio, salário, tarifas, juros –, objetivando a eliminação de problemas oriundos de uma economia marcada pela inflação. Além disso, o Estado respondia pela maioria das decisões de investimento, sejam elas da administração pública ou privada, ou pela captação de recursos financeiros, incentivos fiscais e subsídios.
    A principal crítica ao período do Milagre Econômico é a concentração de renda, encarada como uma estratégia para possibilitar o crescimento econômico, elevando a capacidade da poupança da economia e financiando investimentos, para que depois todos pudessem desfrutar. Foi a chamada Teoria do Bolo, onde a renda deveria crescer primeiro para que depois todos pudessem usufruir. Acreditava-se que a concentração de renda era uma propensão lógica de um país em desenvolvimento e que precisava de uma mão de obra qualificada (GREMAUD et al, 2002). Apesar do aumento da concentração de renda, a renda per capita de toda a população cresceu, o que resulta numa melhora geral, embora os ricos tivessem melhorado mais que os pobres.

    CONCLUSÃO

    O Brasil inicia sua atividade econômica com o cultivo e a exportação de matérias-primas de produtos agrícolas. Em alguns períodos, que se estenderam entre o século XVI e XIX, foi considerado um dos principais exportadores de açúcar, ouro e café, sendo estes seus produtos primários e tendo como secundários o fumo, algodão, cacau.
    Alguns fatores contribuíram para que o país permanecesse na atividade de agroexportação por um período tão longo. O cultivo do açúcar e café gerava uma riqueza extremamente concentrada. E, a renda superavitária obtida era gasta com bens de consumo de produtos manufaturados importados, ao invés de ser revertida na produção. As técnicas de cultivo na atividade permaneciam arcaicas, a mão de obra era escrava, sem nenhuma instrução, não havia investimento na infraestrutura das fazendas não favorecendo assim a produtividade. Conclui-se ainda que, nesses três ciclos a atividade econômica no país era totalmente dependente da exportação de um único produto, cada um em sua época, tornando-se um país vulnerável a quaisquer mudanças relacionadas a eles.
    A extração do ouro gerava uma menor concentração de renda. Porém, Portugal obtinha forte controle sobre as atividades econômicas brasileiras. Através de estradas mantidas propositalmente obsoletas, das proibições de navegações particulares, da isenção de qualquer instituição de ensino no país e da proibição da fabricação de produtos manufaturados que vinham da metrópole, ele manteve a economia estagnada até a independência em 1822.
    O período de crescimento industrial iniciou-se em 1852 de forma modesta. As primeiras fábricas e oficinas instituídas foram de produtos têxteis, artigos de couro, cerveja, sabão, vestuário, dentre outros, denominadas indústrias leves. Neste momento o país ainda não é considerado industrializado, pois sua atividade econômica ainda é movida por 79% em exportações agrícolas.
    A importação de bens de capital durante a Segunda Guerra possibilitou a construção da siderúrgica de Volta Redonda. A desvalorização da moeda e o controle de câmbio contribuíram para a queda das importações e tiveram papel fundamental na industrialização do país.
    Conclui-se também que o Processo de Substituição de Importações permitiu a execução de um programa desenvolvimentista jamais realizado no país, o Plano de Metas. A produção interna de bens de capital foi valorizada, ao contrário da agricultura. O plano priorizou os investimentos em infraestrutura e energia elétrica, estimulou o aumento da produção de bens intermediários e incentivou a introdução dos setores de consumo duráveis e de capital.
    Mais tarde, o país viveu um período de espetacular crescimento econômico, juntamente com o crescimento da dívida externa. O Milagre Econômico caracterizou-se por altas taxas de crescimento e uma inflação consideravelmente estabilizada.
    Ao final deste trabalho, conclui-se que o Brasil desenvolveu-se economicamente principalmente pela vinda da indústria de bens de capital e pelos financiamentos estrangeiros na economia do país, que viabilizaram a expansão da atividade econômica interna do país, possibilitando o desenvolvimento
    econômico.

    fonte-http://www.administradores.com.br/artigos/economia-e-financas/a-evolucao-economica-no-brasil/34817/

  12. C.A. não tem videozinho do XUXU fodendo seu rabinho sem aumento nem bonus em 2015???

  13. Meus cumprimentos ao delegado Fábio Pierry e ao capitão da Polícia Militar Michael Douglas Morais, que, mesmo estando de folga e em condições de “numa boa” simplesmente fingirem que nada haviam visto, deixaram suas vocações falarem mais alto e concretizaram com firmeza e legalidade a prisão do trio de assaltantes.
    Atenção SSP! Nós, cidadãos brasileiros, que pagamos nossos impostos com retidão, e não somos policiais, mas precisamos muito deles, não estamos interessados se teve ou “festinha” de final de expediente nas dependências da Seccional, ou se o PM não engraxou direito os coturnos. Estamos interessados, isto sim, nas vocações afloradas como essas desses dois policiais exemplares: delegado Fábio Pierry e ao capitão da Polícia Militar Michael Douglas Morais. (a) Ronaldo TOVANI, ex-delegado de Polícia, ex-promotor de Justiça, juiz de Direito aposentado, especialista em direito pela USP e mestre pela PUC/SP, atualmente advogado e professor universitário, aprovado e classificado no concurso para procurador do município de SP, o mesmo concurso do atual ministro José Eduardo Cardoso, cargo que não assumi para não me “misturar” com gente do tipo do atual ministro, que é procurador do município de SP até hoje.

  14. Detalhe, nestas manifestações, os participes não ganharam diária e nem lanche de mortadela!

  15. Parabéns aos dois. pena que infelizmente uma notícia ótima dessa é raro de se ver, mas mostra o que seria uma união total das polícias, sem ressentimentos, sem estrelismos. Não iria ter para ninguém. parabéns ao Delegado e ao Capitão.

  16. Pois é! O delegado foi maluco ao enfrentar três malas sozinho. Felizmente, havia um PM à paisana por perto que “vestiu a camisa” e foi ajudá-lo. Parabéns aos dois.

  17. Vixe, se não bastasse funcionários do PT bisbilhotando o Flit para falar mal do xuxu, agora temos “guerrilheiros cibernéticos” de alguma central da PM para falar bobagens aqui: “O OFICIAL CHEGOU E DEU VOZ DE COMANDO…” nem dá pra ficar bravo de tão engraçado que esses coxinhas são!!!
    .
    Aqui, coxinhas, mais um delegado em ação:

    http://g1.globo.com/goias/noticia/2015/09/video-mostra-delegado-atirar-contra-suspeitos-em-tentativa-de-assalto-veja.html

  18. TAI UMA LIÇÃO PARA OS DELPOLS E AOS OFICIAIS.

    aos revoltados , e reincidentes xiitas.bairristas.

    este fato foi um exemplo de que como todos os pertencentes as forças de seguranças do estado de são paulo .
    tem que se comportar..independentes de que corporação pertençam……

    nós policiais temos que estar sempre unidos, como no fato acima.
    nossos inimigos a quem temos que combater , são os Criminosos soltos ,eles são os nossos verdadeiros inimigos.

    por isso que eu sempre disse,
    se ha essa antiga rixa isolada entre PM e PC , na verdade sempre foi entre os mandas chuvas e nunca entre os restopols…

    pois os restopols da PM e os da PC sempre tiveram uma boa convivencia…..

    Parabéns ao Delpol e ao Oficial por mandar estes vagabundos pra cadeia.

  19. Romário disse:
    20/09/2015 ÀS 14:34
    Parabéns aos dois.O oficial chegou e deu voz de comando a bela ação do policial civil. Êxito total.Nós oficiais da PM sempre ajudamos a quem quer seja.Logo chamamos nossos comandados e deliberamos rapidamente o que fazer.Comandar é isso e o oficialato sabe fazer.

    ==========================

    Não acho que este SR ai de cima seja um oficial da PM.

    pela análise do comentário dele, é difícil acreditar que um oficial da PM escreveria tantas asneiras, como ele escreveu.

    no meu entender no máximo este SR é um CABO da PM.

  20. PESSOAL !, ATÉ AGORA S.M.J., SE DESCONHECE QUEM FOI O CONDUTOR DO FLAGRANTE, SE EU FOSSE ESSE MAJURA MALUCO, DETERMINARIA QUE O SAMANGO (CAPITÃO/PM), FOSSE O CONDUTOR, POIS SEMPRE FOI A “CARA DELES”. E, ME AJUDEM AÍ Ó !…

  21. O POST TA MUITO EDUCADINHO./ TA CHEIO DE BANDIDOS SEM PASSAGEM NA POLICIA …

    o Certo é colocar assim :

    três marginais , sendo que um deles é de menor , foi surpreendido e preso por um DELPOL ,e um oficial da PM após roubar mediante arma de fogo um transeunte em um ponto de onibus. …………..

    e ta na hora de colocar as capivaras destes demônios presos para a mídia.
    aposto que estes 03 demônios são primários. e todas as vezes que um demônio deste é aniquilado em troca de tiros.
    aparecem os familiares , e a imprensa alegando que eles são bonzinhos e trabalhadores ,e que os mesmos nunca foram presos , e que são inocentes…..

    esta sociedade precisa saber que NÃO existe SÓ bandido com passagem pela policia……
    precisam saber que uma multidão de bandidos estão apavorando as ruas , e todos primários.
    precisam saber que existe o PCC MIRIM .. E SÃO TODOS DE MENORES…

    e que quando completarem 18 anos . só mudarão de idade . mas o comportamento de bandidagem deles continua…

  22. “ROMARIO”, V-O-C-Ê É U-M F-A-N-F-A-R-R-Ã-O!
    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  23. Se houvesse incentivos como salário digno, respaldo da Instituição e leis severas, faço um flagrante por dia, mais ainda nas folgas! Agora dar cana, na folga, vagabundo sai na custódia,menor o pai retira na Vara da Infancia, arriscar me foder por usar minha arma ou levar um tiro na cara, ainda com esse salário de merda……..NEM FUDENDO!!!!!!!! Mas naõ critico a atitude de ambos, parabenizo-os inclusive!!!!Ambos já devem ter sido de rua, pois a maioria dos delegados e oficiais de alto escalão sequer andam armados!

  24. Parabéns ao PM por ajudar a prender os bandidos ignorando o fato desse delegado ser intragável. (foi o termo mais respeitoso para o flit que consegui)

  25. esse Romário tá de brinks… O cara quer botar fogo de qq jeito.

  26. Se fosse o capitão quem tivesse deparado com a ocorrência a manchete seria assim: “Três indivíduos mortos depois de roubarem e trocarem tiros com PM”

  27. JClaudio:

    Complementando: “Três indivíduos mortos depois de roubarem e trocarem tiros com PM, enquanto Delegado intruso dificultava a ação”.

  28. Anonimo em furia disse:
    21/09/2015 ÀS 9:16
    esse Romário tá de brinks… O cara quer botar fogo de qq jeito.

    —————

    ESSE TAL DE ROMARIO DEVE UM BAITA DUM MAÇANETA.. KIKIKIKI.
    FICOU TODO ENCIUMADO DA CANA FEITA PELOS POLICIAIS DE CORPORAÇÕES DIFERENTES.

    SERA QUE ELE JÁ PRENDEU PELO MENOS O ZIPPER NA BARGUIA ??? OU O DEDO NA PORTA ??????

    KIKIKIKIKIKIKIKIKIKIKIKIKI.. A INVEJA MATA KIKIKIKIKIKIKI..

  29. Boa Valdir!

    As milícias brasileiras têm um prazer sádico em matar.

    Depois dizem que são casos isolados. É só analisar, do Oiapoque ao Chui, o procedimento é o mesmo.

    Abraço.

  30. ESTÃO DE PARABÉNS OS DOUTORES. APOSTO QUE SE FOSSE UM OFICIAL DA PM, NÃO FARIA UMA PALESTRA PARA IDOSOS SABEREM SOBRE SEUS DIREITOS.

  31. JClaudio

    Pelo que conheci dos integrantes da PM, em geral, posso afirmar que disponho de irrefutável comprovação pela qual, aproximadamente 99% (NOVENTA DE NOVE POR CENTO) foram “obrigados” a ver na covardia uma das poucas opções de sobrevivência.

    Conheci milhares de Praças e centenas de Oficiais, estes mais proximamente, pelas Unidades da PM por onde perambulei: são honrados, dignos, honestos, porém, até que:

    – pensassem que poderiam vir a sonhar com “alguma coisinha” quase meio aparentemente susceptível de, quem sabe, estar errada, pelo que viam nas documentações sobre mim, porém, já mereciam olhares de soslaio;

    – os indecisos quanto a essa possibilidade de sonho foram “voluntariamente OBRIGADOS” ao convencimento de que tudo não passava de mero e fortuito pesadelo;

    – os que tinham certeza que sonhariam com essa remota possibilidade teriam que pôr a barba de molho, todavia, como o RDPM proíbe a ostentação de barba, acabavam “meio vulneráveis” (a exemplo de baratas atravessando o galinheiro);

    – os que sonharam, de fato, com essa possibilidade e cometeram o CRIME de não convencimento do contrário, foram imediatamente transferidas;

    – os que viram essa possibilidade, simplesmente foram perseguidas e punidas, antes de transferidas;

    – os que se meteram na ousadia de não ajudar o respectivo Comando a me “ferrar”, continuam sofrendo feito cão sarnento na feira, a exemplo do Tenente-coronel PM Paulo Chaves de Araújo, administrativamente preso (depois de inativo) ONZE VEZES … depois perdi a conta ….

    – os que bateram o pé, afirmando, algo do tipo: “o que fazem com o Capitão Valdir é um absurdo”, ou foram assassinados ou tidos como “doidos”;

    Enfim, NENHUM conseguiu me ajudar, a contento – como gostaria – quero dizer, discordar das PATFARIAS que a “merecedora” do ciclo completa engendrava contra mim.

    Conclusão: é matematicamente impossível que praticamente TODOS os integrantes de uma instituição não possam nutrir o direito de sonhar com justiça, aliás, nem com a reivindicação de direitos líquidos e certos, ou seja, a falha não é do processo seletivo, mas, do sistema “esculhambativo”!

Os comentários estão desativados.