Brasil vive guerra civil não declarada, afirma policial em CPI — Senado Federal – Portal de Notícias 32

Brasil vive guerra civil não declarada, afirma policial em CPI

Augusto Castro | 05/10/2015, 22h42 – ATUALIZADO EM 06/10/2015, 11h14

O Brasil vive uma guerra civil não declarada, com a violência vitimando não apenas jovens e adolescentes, em sua maioria negros e pobres, mas também policiais civis e militares. Essa foi uma das afirmações do representante da Associação Nacional de Praças (Anaspra), cabo Elisandro Lotin de Souza, durante a audiência pública interativa promovida pela CPI do Assassinato de Jovens na noite desta segunda-feira (5).

O quadro crítico da violência no país também foi comentado pelos outros dois debatedores convidados para a audiência, a representante da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), a delegada federal Tatiane Almeida, e o representante da Associação Nacional dos Defensores Públicos (Anadep), André Praxedes.

A reunião foi conduzida pelos senadores Telmário Mota (PDT-RR) e Lídice da Mata (PSB-BA), presidente da CPI do Assassinato de Jovens do Senado. Lídice registrou que vários cidadãos enviaram perguntas e sugestões à CPI durante a audiência abordando temas como redução da maioridade penal, ressocialização e reintegração de presos, violência contra policiais e outros. A senadora concordou com os convidados sobre o dia a dia perigoso e violento que vivem os policiais brasileiros. Telmário acrescentou que o policial “também é produto da sociedade” e vive cotidiano violento, com baixa renda e poucos direitos trabalhistas.

Modelo arcaico

Na opinião do cabo Elisandro Lotin de Souza, o modelo de segurança pública brasileiro é arcaico, retrógrado e obsoleto. Segundo ele, a lógica e as normas da segurança pública brasileira ainda são as mesmas da época da ditadura militar. Os policiais militares são formados para serem inimigos da sociedade, acrescentou.

O representante da Anaspra também afirmou que os órgãos de segurança pública do Brasil protegem determinados segmentos da sociedade. Para ele, esses órgãos e agentes são direcionados para a proteção “do capital, do dinheiro, do poder, da aristocracia muito bem endinheirada”.

Elisandro disse ainda que morrem seis vezes mais policiais no Brasil do que nos Estados Unidos. Nos últimos cinco anos, sublinhou o cabo, mais de três mil policiais foram mortos no país, em trabalho ou em horário de folga. Ele defendeu a união da sociedade e dos governantes para buscar uma polícia cidadã, que respeite os direitos humanos e previna e combata crimes sem cometer irregularidades.

O militar disse, entretanto, que os policiais civis e militares têm vidas bastante conturbadas também, com baixos salários, jornada de trabalho injusta, humilhações e assédio por parte dos superiores. Para ele, os policiais militares ainda são tratados na corporação como na época da ditadura, sem direitos humanos, sem dignidade e respeito.

– Como o policial vai realizar um serviço de segurança pública de qualidade se ele próprio não tem seus direitos respeitados? Não há efetivo, não há condições de trabalho, eles são explorados e humilhados. Nós, policiais militares, civis e bombeiros somos também vítima desse processo de insegurança pública generalizada – disse o cabo Elisandro.

Grupos de extermínio

A delegada federal Tatiane Almeida falou sobre o trabalho da Polícia Federal no combate aos chamados grupos de extermínio, cujas principais vítimas são jovens negros. Segundo ela, 70% das mortes violentas no país vitimam jovens negros e pobres. Para a delegada, o racismo é uma realidade incontestável no Brasil e a seletividade racial na abordagem policial é um dos retratos desse racismo. Ela garantiu que as estatísticas mostram que a atuação de grupos de extermínio não resulta em diminuição de crimes.

Os grupos de extermínio não estão interessados em praticar justiça social, advertiu Tatiane, mas geralmente descambam sim para o cometimento de crimes em busca de vantagens financeiras, praticamente substituindo os criminosos. Em 2014, disse a delegada, policiais civis e militares mataram mais de três mil pessoas.

Apesar de a Polícia Militar ser muito letal, ponderou Tatiane, os policiais, que em sua maioria são negros, também são vítimas da violência. Ela citou recente pesquisa feita com policiais de todo o país que mostrou a realidade desses profissionais: ameaças em serviço e fora do serviço, assédio moral e humilhação no ambiente de trabalho, acusações injustas, distúrbios psicológicos, falta de apoio da sociedade e do Estado, baixos salários e cotidiano extenuante.

– Não se pode culpar só o policial por essa circunstância porque a questão é muito mais institucional. Especialmente no Brasil, a polícia militar, que sofre tanto, é uma polícia muito letal, como é uma polícia que é muito vítima de mortalidade, e tem nas fileiras um grande número de negros. Então, quando a gente está discutindo aqui a questão de mortalidade de negros, a gente tem que lembrar também que os policiais morrem muito. E na polícia militar eles são maioria – disse a delegada.

Epidemia

Em sua explanação, o defensor público André Praxedes afirmou que a violência é um problema epidêmico no Brasil. A violência é crônica segundo ele: entre 1980 e 2010, quase 800 mil brasileiros foram mortos por armas de fogo, mais da metade dessas vítimas jovens entre 15 e 29 anos. O convidado informou que, atualmente, o Brasil é o líder mundial em mortes por armas de fogo, superando países superpopulosos como China e Índia.

– Eu, no exercício da nossa profissão, espero e quero buscar uma polícia cidadã, uma polícia que respeite os direitos humanos de todos os cidadãos deste país, não somente da classe média ou somente das elites. Não. De todos os cidadãos, sem distinção de qualquer um – disse Praxedes.

Dados

A taxa anual de mortalidade de um policial em serviço em São Paulo em 2013, por exemplo, foi de 41,8 por 100 mil policiais. Já no Rio de Janeiro, a situação é ainda pior. Conforme dados contabilizados pelo Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol), 114 agentes da lei, entre civis e militares, haviam sido assassinos em 2014 no estado, a maioria durante a folga. Somente na polícia militar, 96 foram mortos, em serviço ou em folga, o que dá uma taxa de 198 homicídios por 100 mil.

A realidade fora no Brasil é muito diferente. Nos Estados Unidos, entre 2007 e 2013, a taxa de homicídios de policiais foi de 4,7 por 100 mil. Na Alemanha, foram mortos apenas três policiais em 2012, frente a um efetivo de 243 mil — uma taxa de mortalidade de 1,2 por 100 mil na tropa. Os dados são do relatório final da CPI que investigou homicídios de jovens negros e pobres na Câmara dos Deputados, apresentado em julho deste ano.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

http://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2015/10/05/brasil-vive-guerra-civil-nao-declarada-afirma-policial-em-cpi

  1. Hehe mizinfim

    Pai véi C.A. das Aruanda, tava fazendo zoiadô no cardeirão sem fundo, e viu que esse tar ciclocompletadô, que os sordado fazedô de ronda tão fazendo animado….é assim fio…
    Os ocorrenciadô de tudo jeito e cô, vão falar cum seu dotô, os de resistenciadô vão pro sargenteado fazer resolvedô!!!!
    Sarava mizinfim…..hehe!!

  2. Peraí…..o policial diz que estamos em guerra civil não declarada, e os policiais civis a mando do Diretor do Decap, e Seccionais manda vc fazer rondinha ostensiva pega paraguinha de Maconha, maquininha desligada, garupa sem capacete…….e quem é o incompetente da História?

    Quem é culpado? Quem Tb quer que se foda essa guerra?

    Tem que ver isso aí.

  3. Cade os Sindicatos que silencio? ?

    Cade o reajuste de 2015 somos trabalhadores como todos os outros que receberam reajuste ou estao para receber?

  4. Na boa, atualmente nao falo nem em aumento. Agora acho que no mínimo, no mínimo, teriamos que receber o equivalente a inflação do ano. A perda do poder de compra e do custo de vida esta gigantesca. Ao menos a reposição deveriamos receber.

  5. na boa o 4dp é o distrito quem nem recebeu bonus mas o titular quer que faca prisao de flanelinha ta tud acabado…o

  6. As coisas acontecendo em brasilia e a polícia civil nem mandou algum zé ruela pra nos representar. Saporra cabô mesmo.

  7. “Modelo arcaico

    Na opinião do cabo Elisandro Lotin de Souza, o modelo de segurança pública brasileiro é arcaico, retrógrado e obsoleto. Segundo ele, a lógica e as normas da segurança pública brasileira ainda são as mesmas da época da ditadura militar. Os policiais militares são formados para serem inimigos da sociedade, acrescentou.

    O representante da Anaspra também afirmou que os órgãos de segurança pública do Brasil protegem determinados segmentos da sociedade. Para ele, esses órgãos e agentes são direcionados para a proteção “do capital, do dinheiro, do poder, da aristocracia muito bem endinheirada”.

    Elisandro disse ainda que morrem seis vezes mais policiais no Brasil do que nos Estados Unidos. Nos últimos cinco anos, sublinhou o cabo, mais de três mil policiais foram mortos no país, em trabalho ou em horário de folga. Ele defendeu a união da sociedade e dos governantes para buscar uma polícia cidadã, que respeite os direitos humanos e previna e combata crimes sem cometer irregularidades.

    O militar disse, entretanto, que os policiais civis e militares têm vidas bastante conturbadas também, com baixos salários, jornada de trabalho injusta, humilhações e assédio por parte dos superiores. Para ele, os policiais militares ainda são tratados na corporação como na época da ditadura, sem direitos humanos, sem dignidade e respeito.

    – Como o policial vai realizar um serviço de segurança pública de qualidade se ele próprio não tem seus direitos respeitados? Não há efetivo, não há condições de trabalho, eles são explorados e humilhados. Nós, policiais militares, civis e bombeiros somos também vítima desse processo de insegurança pública generalizada – disse o cabo Elisandro.”

    E acrescento:

    Perseguido pela Instituição, pelo governo e por outras Instituições que deveriam garantir os direitos dos policiais, mas, pelo contrário, subtraem esses direitos sob qualquer bizarro motivo ou pretexto.

    E assim chegamos a 56 mil homicídios/ano.

    Parabéns aos governadores, presidente, legisladores, Fazenda, MP, Judiciário etc!!!

  8. SR. FOME !, HÁ POUCO, EU PASSANDO PELA RUA AURORA, PROXIMIDADES DO 3 D.P., DEU-ME AQUELA VONTADE DE BEBERICAR UM CHOPINHO, POIS EU PASSAVA DEFRONTE AO BAR DO LÉO, FAMOSO NAQUELA REGIÃO, TOMEI UM E AO SOLICITAR A CONTA R$ 8,70. E ESSES INFELIZES AINDA VEM COM BÔNUS DE 60,00 POR MÊS. E, ME AJUDEM AI Ó !…

  9. ISTO MOSTRA A NECESSIDADE DE MUDANÇAS

    Faxineira come bombom e é autuada por furto pela Polícia Federal em RR
    ALINY GAMA
    COLABORAÇÃO PARA O UOL, EM MACEIÓ

    06/10/2015 15h50
    Compartilhar1,7 mil
    Ouvir o texto
    Mais opções
    PUBLICIDADE
    Uma faxineira que prestava serviço à sede da Polícia Federal em Boa Vista (RR) foi autuada em flagrante por furto qualificado após ser flagrada comendo um bombom de chocolate pertencente ao delegado federal Agostinho Cascardo, na última quinta-feira (30). O delegado é corregedor da PF em Roraima. Apesar de autuada em flagrante, a mulher não foi presa.

    A mulher pegou “sem autorização” um bombom de uma caixa de chocolate, que estava em cima da mesa, e comeu durante a faxina na sala do delegado. O furto foi flagrado pelas câmeras do circuito interno de imagens e, segundo a PF, foi aberta uma “notícia-crime” contra a prestadora de serviço. A faxineira foi afastada das funções na PF e devolvida à empresa prestadora de serviço.

    A mulher, que pediu para não ter o nome divulgado, disse que não imaginou que o delegado “iria fazer questão de um bombom” e se propôs a pagar o valor do chocolate, mas o delegado recusou.

    “Fui levada à sala do delegado e me perguntaram sobre o chocolate. Eu disse que comi. Peguei a embalagem no lixeiro e entreguei ao delegado. Não imaginava que ele ia fazer tanta questão, até me ofereci para pagar, mas ele disse que não era o pagamento que ia resolver porque eu poderia ter pego um documento. Eu não teria coragem de pegar nada de ninguém, nunca peguei nada de ninguém”, defendeu-se a mulher.

    Ela disse que teme perder o emprego, ficar marcada e não conseguir mais trabalho. “Tenho quatro filhos para criar e sei que emprego está difícil. Eu não imaginava que comer um bombom traria esse transtorno todo. Estou envergonhada de tudo que aconteceu.”

    O caso foi classificado pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), seccional Roraima, como “abuso de poder”. O presidente da OAB-RR, Jorge Fraxe, analisou que a autuação da faxineira foi “desproporcional”, já que o ato não feriu o patrimônio de ninguém e, dessa forma, não pode ser considerado crime.

    O advogado afirmou que o ato cometido por ela pode ser enquadrado como “desvio de conduta leve” e não haveria a necessidade de ter aberto um inquérito policial sobre o caso. Ele orientou a faxineira a registrar o ocorrido na Comissão de Direitos Humanos da OAB-RR para o caso ser analisado.

    A PF informou que o inquérito foi arquivado ainda na quinta-feira por se tratar de “crime de valor irrisório”. Não houve perícia da embalagem, mas o papel foi anexado ao inquérito.

    Mesmo com o arquivamento do inquérito, a instituição recomendou o afastamento da funcionária das instalações policiais e, à empresa terceirizada que a emprega, a demissão por justa causa.

    A faxineira ainda não decidiu se contratará um advogado para se defender ou buscar reparação. A OAB local, por sua vez, informou que vai analisar queixa na Comissão de Direitos Humanos, se ela for registrada.

  10. e em sun palu

    o desgoverno declarou guerra aos policiais

    desde o primeiro dia de desgoverno do pçç$$$$$$$$db . . .

    . . . o x o . . .

    e a novidade ???

    recessão . . . ajuste das remunerações . . . representações . . .

    eu vejo dois caminhos . .

    o da extinção transição

    ou

    o enfrentamento ao desgoverno krymynosu . . .

    nada virá de graça . . .e nada virá pelas representações oficiais, infelizmente . . .

    é profundamente decepcionante lamentável a inação destas ovelhas . . .

    gostaria que existisse uma terceira opção mas não vejo . . .

    talvez uma representação paralela e universal . . .

  11. PESSOAL !, ESTOU ESTRANHANDO OS METROVIÁRIOS AINDA ESTAREM “SOSSEGADOS” COM RELAÇÃO À FUTURA REIVINDICAÇÃO DE AUMENTO SALARIAL. POIS S.M.J., O ÚLTIMO AUMENTO DELES FOI HÁ APROXIMADAMENTE CINCO MESES. DUVIDO SE AMANHÃ ELES PROFERIREM A PALAVRA GREVE, SE ESSE GOVERNINHO NÃO OS ATENDERÁ NO ATO. AGORA COM RELAÇÃO A NÓS, PCs. E PMs, Ô…0%…Ô,,,0%….Ô..0%. E, NÃO TARDARÁ EM A FAXINEIRA DO METRÔ ESTAR AUFERINDO UM SALÁRIO MAIOR DO QUE ESCRIVÃES E INVESTIGADORES N.Us. AGORA EU PERGUNTO ?, POR ONDE ANDAM OS SINDICATOS E ASSOCIAÇÕES DA P.C.!. E, ME AJUDEM AÍ Ó !…

  12. so por deus (06/10/2015 às 17:53)

    Gostaria de saber como um deputado ou um ministro seria tratado na mesma situação da faxineira.

  13. A guerra civil brasileira é tão verdade que até os magistrados estão se borrando. Vejam:
    Terça-feira, 06/10/15 – 17:31
    Secretaria da Segurança e TJ anunciam reforço de 400 policiais no entorno de fóruns

    O secretário da Segurança Pública, Alexandre de Moraes, assina nesta quarta-feira (7), às 12h30, um termo de cooperação com o Tribunal de Justiça para que até 400 policiais militares de folga reforcem a segurança do entorno de fóruns de todo o Estado de São Paulo, por meio da Diária Especial por Jornada Extraordinária de Trabalho Policial Militar (Dejem).

    Fonte: http://www.ssp.sp.gov.br

  14. Ta … E dai ??? Hum … Sei , e dai ?? Acham que alguém está preocupado ??? Só nos babacas que estamos na linha de frente temos certeza dessa guerra …. Mas e dai ? Perguntam os poderosos …

  15. pois é jurássica . . . existem seres humanos na linha de frente sim . . muitos . .

    e passou da hora destes

    também cruzarem os braços . . .

    deixa um ferro na mão de cada querido e querida . . .

    e fodaç principalmente o rei e seus asseclas . . .

    que morram todos . . .

    será que ninguém consegue enxergar isto . . . grevi br4nc4 . . .

    sem ódio, sem armas, sem violência . . .

    entrega a conta para o reizinho alcool in mim dead pçç$db e fodamç . .

    explodiu o caix4 q explodam todos . . . e o rabo do bankeyro também . . .

    tão vendendo drog4s que vendam tudo até a mãe . .

    tão invadindo . . pancadão . . . 24 hs . . fodamç todos os crédulos, mansos, oportunistas e o rei juntos . . .

    deixa pegar fogo nesta merd4 logo . . .

    pra q segurar . . .???

    . . . R$ 3.500,00 . . . mês e a lei para te foder . . . . te matar , , vc e tua família . . . acordem !!!!

    . . . R$ 3.500,00 . . . mês e a lei para te foder . . . . te matar , , vc e tua família . . . acordem !!!!

    . . . R$ 3.500,00 . . . mês e a lei para te foder . . . . te matar , , vc e tua família . . . acordem !!!!

    . . . R$ 3.500,00 . . . mês e a lei para te foder . . . . te matar , , vc e tua família . . . acordem !!!!

    . . . R$ 3.500,00 . . . mês e a lei para te foder . . . . te matar , , vc e tua família . . . acordem !!!!

    . . . R$ 3.500,00 . . . mês e a lei para te foder . . . . te matar , , vc e tua família . . . acordem !!!!

    . . . em tempo 12ª economia do mundo ok . . .

  16. Quem pode me explicar a intensão dessa diferença de DEJEC entre (delegados) e (escrivães e investigadores), pois o nível de escolaridade é o mesmo, todos são cargos de nível superior, ou não são?
    A quem recorrer sobre tal discrepância, já que não há qualquer tipo de representatividade na polícia civil?

  17. Thoreau é só ficção (07/10/2015 às 10:39 )

    . . . R$ 3.500,00 . . . mês e a lei para te foder . . . . te matar , , vc e tua família . . . acordem !!!!

    . . . em tempo 12ª economia do mundo ok . . .

    —————–

    Exatamente isso.

  18. Marcelo disse: (07/10/2015 às 11:17)

    Quem pode me explicar a intensão dessa diferença de DEJEC entre (delegados) e (escrivães e investigadores), pois o nível de escolaridade é o mesmo, todos são cargos de nível superior, ou não são?
    A quem recorrer sobre tal discrepância, já que não há qualquer tipo de representatividade na polícia civil?

    ————————————

    Pior é a desproporção salarial. Até perito ganha mais que escravão e investigador. Nada contra os peritos, acho que eles até deveriam ganhar algo mais próximo dos delegados, o problema é deixar as outras carreiras que são os alicerces e as colunas da PC desvalorizadas.

    Eu acredito que a solução possível para desatolar a PC do séc XIX e começar a empurrar a instituição para o presente é a CARREIRA ÚNICA.

    Ingresso com nível superior. Salário compatível e proporcional etc.

  19. 05/10/2015
    ATA-PLEN – SUBSECRETARIA DE ATA – PLENÁRIO
    Situação:
    AGUARDANDO DECISÃO DA MESA
    Ação:
    Encaminhado à publicação o Requerimento nº 1139, de 2015, de autoria do Senador Randolfe Rodrigues, que solicita, de acordo com o disposto no art. 258 do Regimento Interno do Senado Federal, a tramitação conjunta da Proposta de Emenda à Constituição nº 131, de 2015 com a Proposta de Emenda à Constituição nº 102, de 2011 (que já tramita em conjunto com as Propostas de Emenda à Constituição nº 40, de 2012 e 19, 51 e 73, de 2013), que regulam matérias correlatas.
    O Requerimento vai à Mesa para decisão.
    Recebido em:
    MESA – MESA DO SENADO FEDERAL em 06/10/2015 às 8h28

  20. A PC só deveria ter duas carreiras: Agente e Delegado, com metade das vagas para a carreira de Delegado reservada aos Agentes. Na científica, por analogia, Agente Técnico e Perito, com metade das vagas de Perito reservada aos Agentes Técnicos. Promoção automática a cada 5 anos da 3a. classe até a classe especial, com 20% de diferença salarial entre as classes. Não dá pra se falar em carreira única, enquanto houver o Inquérito Policial.

  21. VEJAM SÓ MAIS ESSE ABSURDO! DEPOIS VÊM FALAR EM CICLO COMPLETO! É CIRCO COMPLETO MESMO!

    JusBrasil – Notícias 07 de outubro de 2015
    Zeladora é autuada por furto em RR ao comer chocolate de delegado da PF
    Zeladora que trabalha na Polícia Federal foi flagrada em sala por câmeras. Delegado entendeu que mulher cometeu furto ao comer chocolate dele.

    Publicado por Fátima Miranda – 1 dia atrás

    Zeladora autuada por furto em RR ao comer chocolate de delegado da PF

    Uma zeladora de 32 anos foi autuada em flagrante após ser filmada por câmeras comendo um chocolate do delegado da Polícia Federal Agostinho Cascardo, que teria entendido se tratar de furto qualificado. O produto estava em uma caixa sobre uma mesa na sala dele. Ela diz ter assinado ainda um documento sobre a apreensão da embalagem do bombom, que serviria como ‘prova do crime’.

    A mulher trabalha para uma empresa terceirizada que presta serviço à Polícia Federal. O caso ocorreu na quinta-feira (30) e foi divulgado no domingo (4). Em entrevista ao G1 nesta segunda-feira (5), a zeladora admitiu ter comido o chocolate que estava em cima da mesa do delegado quando ele estava ausente.

    A assessoria de comunicação da Polícia Federal em Roraima admitiu que a mulher foi autuada em flagrante por furto e o caso enviado ao Ministério Público Federal (MPF). Agostinho Cascardo também é corregedor da PF.

    “Estava limpando a sala dele e tinha uma caixinha cheia de bombons sobre a mesa. Peguei um e pensei comigo mesma: depois falo para ele, porque não vai ‘fazer questão’ de um bombom. Comi o chocolate na sala. Terminei a limpeza e saí. Não sei porque comi. Não tenho o costume de pegar ‘coisas’ dos outros, nunca mexi em nada. Não é porque uma pessoa é de uma família pobre que ela vai sair pegando as coisas dos outros”, relata.

    A zeladora conta ter saído do prédio da Polícia Federal para resolver problemas pessoais e, ao retornar, foi abordada por um escrivão, que a chamou para ser ouvida. “Não sabia porque estavam me chamando. De qualquer forma, assinei dois documentos que ele me entregou, até pedi uma cópia, mas ele não me deu”, afirma.

    Ao ser levada à sala do delegado Cascardo, a zeladora foi questionada sobre o bombom que estava na mesa. “Eu admiti ter comido. Me questionou onde estava a embalagem e o levei até a lixeira. Revirei o lixo e encontrei o papel do bombom. Me ofereci para pagar o chocolate, mas o delegado disse que não era essa a questão. Ele disse que assim como eu tinha pegado o bombom, poderia ter sido um documento. Jamais pegaria”, sustenta.

    Ao entregar a embalagem, ela viu o material sendo embrulhado como ‘prova de um crime’. “Ainda tive que assinar um documento sobre a apreensão da embalagem e prestei depoimento por quase uma hora. Na minha opinião, o corregedor deveria primeiro ter me procurado, em vez de mandar outros policiais atrás de mim. Ele se precipitou ainda ter colocado câmeras na sala por desconfiar de mim”, opina.

    A zeladora foi à empresa onde trabalha e ficou sabendo que um servidor da PF havia ligado para a proprietária pedindo a demissão dela por justa causa.

    “Falaram que eu estava roubando a Polícia Federal. A minha patroa contou que durante o telefonema esse servidor chegou a afirmar que eu deveria ter saído do prédio algemada e direto para a penitenciária” , resume. “Eu tenho quatro filhos pequenos, posso perder meu emprego, ficar com o meu nome sujo. Como é que as pessoas vão me ver agora? Estou constrangida, envergonhada”, assume.

    A zeladora adiantou que vai procurar um advogado para saber o que pode fazer sobre o caso. “Quero saber se o que fiz foi errado, porque eu nem sequer tive a chance de me defender. Sei que estou abaixo dele [corregedor], mas queria conversar e entender porque ele fez tudo isso comigo”, conclui.

    OAB considera abuso de poder Para o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil em Roraima (OAB-RR), Jorge Fraxe, a ação do corregedor foi ‘desproporcional’ e pode ser classificada como abuso de poder. Para ele, o delegado errou em usar a estrutura da Polícia Federal para ‘resolver um problema pessoal’.

    “Se ele tivesse se sentido lesado, a apuração teria de ser feita no âmbito da Polícia Civil, porque a zeladora não é servidora da Polícia Federal e não tem foro especial. Agora, ele usar a estrutura da PF, que serve para investigar desvios de condutas da própria instituição, contra essa moça é um absurdo, é desproporcional e desnecessário”, avalia.

    Fraxe avaliou que o ato da zeladora não pode ser classificado como crime e nem enquadrado como furto qualificado, ‘porque não afetou a esfera de direito de ninguém, não feriu o patrimônio do corregedor e não teve nenhuma tipificação de crime’. “Nenhum juiz classifica isso dessa maneira. É um desvio de conduta mínimo”, declara.

    O presidente disse ainda que a servidora deve procurar a Comissão de Direitos Humanos da OAB-RR para registrar o ocorrido. “O caso precisa ser avaliado, ela tem que buscar um advogado para se proteger”, diz.

    Assessoria da PF admite furto Segundo a assessoria de comunicação da Polícia Federal, houve ‘algumas situações’ no local onde ocorreu o caso envolvendo a zeladora e, por esse motivo, foram colocadas câmeras para monitorar o ambiente. Ainda conforme a assessoria, as imagens flagaram a zeladora ‘furtando’ o chocolate na sala do delegado Agostinho Cascardo.

    A comunicação da PF afirma que foi feita uma ‘notícia crime’ e a demissão da mulher se deu por justa causa.

    “No âmbito penal, esse fato já foi arquivado no mesmo dia porque é um crime de ‘valor irrisório’. Foi pontuado o ato em si. Não houve prisão ou perícia. Foi feita apenas ‘notícia crime’, sendo autuada em flagrante por furto. O procedimento se deu na PF porque o fato ocorreu em um prédio da União. Talvez ela seja absolvida na Justiça Federal pelo crime”, diz a assessoria.

    O G1 tentou localizar a supervisora da zeladora para se pronunciar sobre o caso, mas as ligações não foram atendidas. Por telefone, o delegado Agostinho Cascardo disse que não iria tratar do assunto com a reportagem, o que ocorreria somente através da própria assessoria de comunicação da PF.

    Fonte: http://cms.comtexto-juridico7.webnode.com/news/zeladoraeautuada-por-furto-em-rr-ao-comer-chocolate-de-delegado-da-pf/

  22. Valeu “exescravão”, obrigado pela resposta, você está certo em defender todas as carreiras, também concordo com isso, mas não vejo ninguém tomando qualquer atitude, para diminuir as diferenças, isso nos desanima demais.
    Como exemplo tal projeto deveria ser indagado sobre tal diferença, já seria alguma atitude, mas não vejo nada, apenas nos é enfiado goela a dentro e ficamos inertes.(Como escravos, um tipo de escravidão moderna).

  23. E quem leva a polícia nas costas não tem defesa NEM SALÁRIO.
    SALÁRIO é só pra JUIZ, pra PROMOTOR – que foram EQUIPARADOS AOS FEDERAIS HÁ ANOS mas servidor não.
    E os caras ainda pedem 400 POLICIAIS NO ENTORNO DOS FORUNS. Paguem segurança particular do bolso, senhores.
    Por falar em salário, tem capítulo da novela hoje:

    Cenas dos próximos capítulos em um país HIPOTÉTICO:
    Semana passada, no capítulo anterior, houve o DESMONTE DA LAVA-JATO (acontecida COINCIDENTEMENTE bem NO DIA da votação do veto ao reajuste dos SERVIDORES do judiciário), no próximo capítulo, haverá a LIBERAÇÃO TOTAL de todos os acusados e presos, invalidação das provas já obtidas, acatamento das teses de defesa, etc.
    Isso acontecerá logo após a manutenção do veto do aumento dos SERVIDORES do judiciário.
    Será CONFIRMADO que há mesmo, como já se sabia, um SUPERAVIT NO JUDICIÁRIO e, portanto, haverá LIBERAÇÃO DE VERBAS PARA OS JUÍZES:
    O PL 2646/2015 que AUMENTA o salário DOS JUÍZES para R$ 40 MIL REAIS será APROVADO.
    Também será APROVADA a novíssima LEI DA MAGISTRATURA, que aumenta de 13 para 17 SALÁRIOS POR ANO para JUÍZES, as inúmeras benesses PARA OS JUÍZES (auxílio-livro, auxílio-dependente, auxílio-moradia, auxílio-transporte, etc, folga de 2 meses e meio, etc) e lhes dá PODERES SEM LIMITES, inclusive o de continuar no cargo mesmo depois de condenação e de aumentar os PRÓPRIOS salários quando lhes der na telha…
    Também serão APROVADOS centenas de cargos DE CONFIANÇA para os Tribunais, além disso, os queridos APADRINHADOS terão aumentos expressivos.
    Dilma e cupinchas sairão vitoriosos, afinal, a chefe liberou todo mundo e provou que é ótima negociante, sua PIZZA ficou realmente MUITO BARATA (com ajuda da defesa inconteste de alguns capachos).
    Os cegos acreditarão piamente que as autoridades vetaram o reajuste dos servidores para “ajudar o país”.
    Não importa para eles que os servidores do judiciário estão há nove (9) anos sem reajuste NENHUM – todos foram manipulados pela mídia, que faz confundir os anuais aumentos e benesses DOS JUÍZES com os inexistentes reajustes DOS SERVIDORES.
    Mesmo depois de todos os sinais, mesmo depois da LIBERAÇÃO DE 1 BILHÃO em emendas para deputados e senadores em junho, MAIS 700 MILHÕES EM JULHO, em agosto foram MAIS 500 BILHÕES, fora a liberação de contratação de COMISSIONADOS, fora MAIS 5 MINISTÉRIOS para aliados, etc etc etc, os cegos acreditarão piamente na LAVAGEM CEREBRAL de que os servidores são os MALVADOS e a causa de todos os problemas brasileiros, afinal, juízes são DEUSES e é muito perigoso contestá-los.
    Os cegos nunca saberão que estão usando os servidores como MOEDA DE TROCA – que não reajustam servidores para sobrar para liberar verbas, aumentar (e agradar) juízes, para dar benesses para todos e outras cositas mas.
    Nunca se saberá se a imprensa é CONIVENTE ou se CAIU COMO UM PATINHO mas todos continuarão no país das maravilhas.
    Nunca se saberá quem é porco e quem é … (não péra, assim George Orwell vai acabar me pedindo direitos autorais).

  24. A Polícia Militar do Estado de Minas Gerais anuncia Concurso Público com 1.590 vagas para admissão ao Curso de Formação de Soldados de 2016 (CFSd QPPM – Interior).

    São 1.431 oportunidades para homens e outras 159 vagas para mulheres, para as seguintes Regiões do interior : 4ª, 5ª, 6ª, 7ª, 9ª, 10ª, 11ª, 12ª, 14ª, 15ª, 16ª, 17ª e 18ª.

    Podem participar os candidatos de nível Superior completo, nascidos entre 28 de julho de 1986 e 28 de julho de 1998, com altura mínima de 1,60m, entre outros requisitos.

    Se você for um dos selecionados, saiba que vai receber remuneração básica inicial de Soldado 2ª classe da PMMG no valor de R$ 3.049,05, e a carga horária a ser cumprida é de 40 horas semanais.

    O Curso de Formação de Soldados (CFSd) para o QPPM funcionará nas Sedes de Regiões e Unidades do Interior do Estado e terá duração de nove meses, com início previsto para 28 de julho de 2016 e término em abril de 2017.

    Participe! Faça a sua inscrição no site do CRS (www.pmmg.mg.gov.br/crs) entre os dias 10 de setembro de 2015 e 13 de outubro de 2015. A taxa de participação é de R$ 122,95 e deve ser paga via DAE.

    Este certame consiste de provas de conhecimentos, previstas para o dia 13 de dezembro de 2015, com possibilidade de serem realizadas nas cidades das Regiões já citadas. Para te auxiliar nos estudos você pode adquirir a apostila digital em nosso site, que inclui vários testes.

    Outras etapas como exames de saúde, teste de capacitação, avaliações psicológicas e exame toxicológico também serão realizadas.

    Com validade de trinta dias, existe a possibilidade deste Concurso Público ser prorrogado. Consulte o edital de abertura completo disponível em nosso site com todas as informações.

Os comentários estão desativados.