Vem aí mais uma semana das torturantes estatísticas criminais de São Paulo 74

Vem aí mais uma rodada das estatísticas policiais do Estado
Como convencer diante do que acontece diariamente?

No decorrer da semana teremos a recorrente tortura da divulgação mensal ou trimestral, ou ambas juntas, das contestadas, discutidas, manipuladas e não convincentes estatísticas da variação da criminalidade no tempo e no espaço no Estado de São Paulo.
Como porta voz, o nosso SSP num verdadeiro contorcionismo facial, tentando explicar o inexplicável, ou seja, a diminuição da criminalidade mesmo diante desse quadro de verdadeira guerra civil em que vivemos.
Desta feita, para não ficarmos na “mesmice” de sempre, acreditando nas palavras do nosso Governador sobre a transparência dos dados, o SSP talvez divulgue uma nota explicativa sobre a rotina implantada na SSP para a consolidação dos dados e a eventual possibilidade de não retratarem com fidelidade a realidade, face aos seguintes fatos:
– A SSP, em relação ao mês em que os dados são divulgados, não dispõe da relação de necropsias feitas pelo IML em todo o Estado requisitadas em razão de “Morte Suspeita”, explicitando quantas foram mortes naturais e quantas foram violentas e, dentre estas, quantas foram em razão de homicídio, latrocínio, homicídio culposo ou decorrente de acidente não intencional;
– No caso de roubo de veículo e carga, simultaneamente, como o dado é consolidado estatisticamente? É lançado como roubo de carga e também como roubo de veículo ou apenas um deles? Se for apenas um deles, é correto o procedimento? Não estará sendo subestimado um ou outro indicador, ou ambos? Para ocultar a verdadeira quantidade de modalidades específicas de determinados crimes, como por exemplo, roubo de carga, existe a possibilidade de, intencionalmente, os crimes serem agrupados como roubo-outros? Como entidades da sociedade civil organizada podem conferir essas bases de dados para avalizarem os indicadores divulgados pelo Governo?
– É sabido que, com base na consolidação desses indicadores criminais, o governo concede bônus às unidades que apresentarem melhor desempenho. “Crime Esclarecido” é indicador de avaliação de desempenho da unidade policial.Pergunta: Em qual ato normativo da Polícia Civil está definido um critério uniforme do que deva ser considerado como crime esclarecido para fins de consolidação?
– PM matou no “bico”, fora do serviço, é homicídio doloso ou não? Os homicídios praticados por PM’s, de serviço ou fora dele, apesar de consolidados em separado, no final, são somados aos demais homicídios para sabermos o total do Estado?
– Será informada a imprensa que as estatísticas não são extraídas em tempo real da Base de Dados do Registro Digital de Ocorrências e que existe uma rotina humana ao se lançarem esses dados na planilha eletrônica da Resolução 160, fonte oficial dos dados estatísticos criminais do Estado. Onde existe a mão humana, existe a possibilidade de manipulação.
– Será informada ainda que grande parte das ocorrências são registradas pela internet e que nem todas são lançadas na Base de Dados do Registro Digital de Ocorrências, pois a incorporação das mesmas ao sistema depende da convalidação do delegado de polícia titular da área onde, eventualmente, teriam acontecido ou por serem registradas como “local incerto” acabam agrupadas num arquivo morto da própria Delegacia de Polícia Eletrônica?
Se é pra ter transparência e já que fundamenta a concessão de bônus ou não, é necessário que a equipe técnica da SSP esteja preparada para não apenas responder essas perguntas, mas também para disponibilizar as bases de dados para qualquer tipo de conferência.
Aproveita e esclarece o que é “Carga” para fins de tabulação dos crimes de carga. No meu entendimento: Carga é toda e qualquer mercadoria destinada a revenda, com o devido demonstrativo fiscal, que seja roubada ou furtada em transporte. Ou “carga” é só o que tenha valor econômico? Uma caixa de medicamento pode custar 100 mil reais e ser furtada de um transeunte. Será considerado crime de carga?Um caminhão carregado de carvão vegetal avaliado em mil reais não será crime de carga?

  1. Não sei de quem é o texto acima: se do próprio Flit ou de algum jornalista. Seja de quem for, está impecável, percuciente e instigante. Vai ser difícil o Sr. Secretário esclarecer todas as realísticas hipóteses levantadas. Acho incrível o esforço vão de demonstrar que tá tudo bem, que o crime está sob controle. Sem falar aquilo que o grande radialista Joelmir Betting dizia: “Se eu como um frango e você não come nenhum, a Estatística mostra que cada um de nós comeu meio frango”. É a isso que se chama Estatística: a arte de mentir através dos números. Parabéns ao Flit por trazer a lume a angustiante questão, de real interesse público.

  2. PESSOAL !, S.M.J., ” TEMOS QUE DAR A CESAR O QUE É DE CESAR “, PORTANTO, MEUS PARABÉNS PELO EXPOSTO AO NOSSO EX-COLEGA JARIM LOPES ROSEIRA, MESMO PORQUE ELE E EU ESTAMOS NA INATIVIDADE, OU SEJA, DEVIDAMENTE APOSENTADOS. E, ME AJUDEM AÍ Ó !…

  3. Boa noite!

    Senhoras e Senhores.

    Estatisticamente falando, somos duzentos milhões de brasileiros, sendo:

    A – 30% pagantes das contas públicas;
    B – 10% vive de aposentadoria mínima;
    C – 10% vive de aposentadoria milionária;
    D – 20% vive esmolas e bolsas como cala boca e voto cabresto; e,
    E – 40% vive de falcatruas, BNDES, licitações fraudulentas e etc…

    Caronte.

  4. Os índices criminais precisam cair !
    .
    Assim, os índices para validar o nome do SSP para a eleição Municipal, devem subir !
    .
    Essa é a ação, esse é o objetivo !!
    .
    e tome Hexa… e 6 x 1 ( novo hexa )
    .
    boa semana a todos…

  5. ENQUANTO NÃO SE INVESTIR EM INVESTIGAÇÃO PARA PRENDER QUADRILHAS DE ROUBOS DE CARGA, ADULTERAÇÃO DE REMÉDIOS,DE COMBUSTÍVEL, CASA DE PROSTITUIÇÃO, TRAFICO DE DROGAS, OS ÍNDICES CRIMINAIS CONTINUARAM ALTOS. A PM NUNCA CONSEGUIRA CONTER A CRIMINALIDADE COM POLICIAMENTO PREVENTIVO. É NECESSÁRIO O INVESTIMENTO NA POLICIA CIVIL POIS ATÉ A CONTINUIDADE DESSE GOVERNO DEPENDE DE UMA RESPOSTA AO CRIME E AO CRIMINOSO. EXEMPLO É O QUE ESTÁ ACONTECENDO NO BRÁS. A POPULAÇÃO É ROUBADA, PEDE AJUDA AO PM( E OLHA QUE O BRÁS TEM MAIS PM DO QUE COMPRADOR) E ESSE MANDA LIGAR 190. É O FIM DA PICADA. PRA QUE SERVE A PM NAQUELE LOCAL SE QUANDO ACONTECE UM CRIME ELES ESTÃO “ENGESSADOS” E PRECISAM DE AUTORIZAÇÃO DO COMANDO PARA PRENDER? ISSO É A TAL EFICIÊNCIA TÃO PROPALADA PELO PRESIDENTE DO TJSP? ESTÁ NA HORA DE APRENDER A VOTAR. NÃO DÁ MAIS PRA AGUENTAR TANTA ROUBALHEIRA. FORA PSBD, FORA PT, FORA CORJA DE LADRÕES.

  6. ESTATISTICAS EM São Paulo e meiosis complexa.
    Temos de TUDO. Por exemplo.
    Homicidio cometido por falta de amizade, esse nao conta.
    Homicidio simples se der para enquadrar em lesao corporal, esse entra.
    Roubo de carga, esse se ninguem viu, e furto, e o caminhoneiro que se dane, Asian AQUI.
    E assim vai de vento EM popa a seguranca publica de São Paulo.
    Vida longa ao psdb, e ao seu candidato a PREFEITURA de São Paulo.
    Quanto ao pogo. Esse NAO tem inportancia.

  7. CABE AINDA QUE, O S.S.P., INFORME, SE SÃO CONTADOS OS CRIMES DE EXTORSÃO E CORRUPÇÃO PRATICADO PELOS POLICIAIS CIVIS, VEZ QUE, SÃO ESTES CRIMES CAPITULADOS,, NO C.P.B., E DE INTERESSE PÚBLICO ESTA DIVULGAÇÃO, TÃO QUANTO OS CRIMES PRATICADOS POR PMs, QUE SÓ ERRA, QUEM TRABALHA, QUEM NÃO TRABALHA, APENAS ATRAPALHA…. ASS. PEDRO BAIANO. 78a

  8. que venha essa estatística. eu quero bônus do terceiro trimestre, pois é o unico jeito de ganhar alguma merreca do governo esse ano….

  9. POLICIAIS DE SÃO PAULO

    EU JÁ SEI O RESULTADO DOS ÍNDICES DA VIOLÊNCIA:

    1- OS ROUBOS, FURTOS E HOMICÍDIOS DIMINUÍRAM EM 50 %;
    2- ESPECIALMENTE NA REGIÃO DO MORUMBI, OS ARRASTÕES DIMINUÍRAM 30 %;
    3- O NÚMERO DE POLICIAIS CIVIS E MILITARES AUMENTARAM 20 %;
    4- AS CONDIÇÕES DE TRABALHO E AS ESCALAS DE SERVIÇO MELHORARAM EM 30%;
    5- OS POLICIAIS CIVIS E MILITARES TIVERAM REAJUSTE ACIMA DA INFLAÇÃO EM 10%
    6-O GOVERNADOR DE SÃO PAULO TEVE UMA AVALIAÇÃO POSITIVA ACIMA DE 80 %;
    7- O ILUSTRE SECRETARIO DE SEGURANÇA TEM 60 % DE INTENÇÃO DE VOTO PARA PREFEITO DE SÃO PAULO.

    AGORA VAMOS DIRETO PARA O EMPREGO, PORQUE A POLICIA AGORA É BICO E A SEGURANÇA SEM SÃO PAULO TÁ DOMINADA..

    PC SÃO PAULO

  10. Essas operações furadas de final de mês são sempre iguais!
    Prende-se todos os vendedores de DVDS piratas da região, os devedores de pensão alimentícia e os pés de chinelo! Prender traficantes de verdade, latrocidas, ladrões de banco etc nada!
    Armas e drogas então! Só se for os canelas secas e meia dúzia de pinos de cocaína, crack e maconha!
    A polícia finge que trabalha, anuncia na imprensa que houve prisões, apreensões etc, engana a população e o governo fica feliz!
    Não temos aumento de salário, nem de efetivo, mas mesmo assim estamos fazendo exatamente o que o governo quer e manda, sem nem reclamarmos!
    Somos ou não somos trouxas?

  11. ouço esta conversa a anos, será que agora vai?

    Na tarde do dia 18/11/2015, o Presidente da Agepol Leone esteve em audiência com o Delegado Geral de Polícia Dr. Youssef Chahin, pleiteando a reclassificação dos vencimentos, não só dos Agentes Policiais, mas também dos Atendentes de Necrotério, Auxiliares de Papiloscopistas e Carcereiros, a fim que passem a receber seus proventos baseados na tabela das demais carreiras de ensino médio. O Delegado concordou com o pleito da Agepol e prometeu dar andamento na questão.

  12. SR. “desiludido” ! ME DESCULPE, MAIS SE VOCÊ DEPENDER DESSA “FIGURA”, O QUAL S.M.J., NEM O “MISERITH” DELE ELE SABE O QUE VIRA. AGORA COM RELAÇÃO AO PRESIDENTE ACIMA CITADO PEÇA PARA ELE TOMAR UM CHÁ DE ” ERVA DOCE ” QUE ELE IRÁ SE ACALMAR. RAPAZ !. DESSA “TOCA” QUE AÍ PERDURA HÁ ANOS, JAMAIS IRAM SAIR COELHOS. E, ME AJUDEM AÍ Ó !…

  13. O que eu não entendo é a quantidade de polícia e servidor estadual em geral que vota no Alckmin. Eu até entendo que a população em geral o vê como “EXCELENTE HOMEM PÚBLICO, HONESTO E CORRETO” que ele COM CERTEZA É, ORA POIS. Mas não entendo polícia votar nele. Será que é por causa do BONUS super generoso? Será que é por causa do BICO LEGALIZADO que paga super bem? Aí fica a pergunta, se o salário fosse bom, precisaria de BONUS? Precisaria fazer BICO por uns trocados de “hora extra” pro Estado, quando deveria estar DE FOLGA? Passo o ano inteiro ouvindo os colegas matracarem BONUS, CADÊ O BONUS, QUANTO VAI SER DE BONUS, JÁ VIU SE CAIU O BONUS, ATRASOU O BONUS, MAS FULANO DISSE QUE VIRIA X DE BONUS, SERÁ QUE VEM O BONUS?! Não percebem que esses BONUS são migalhas, no orçamento DO ESTADO MAIS RICO DO BRASIL, que talvez mal dê pro cara TAPAR BURACO NO CHEQUE ESPECIAL ou quem sabe ADIAR AQUELE EMPRÉSTIMO NO BANCO DO BRASIL, ou PAGAR IPVA IPTU etc? Digo e repito, salário bom não precisa de bonus. E me entristece, da pena, ver colegas parecendo puta, ansiosos, morrendo pra receber uns trocados, que, verdade seja dita, não aliviam em nada a PINDAÍBA LASCADA que é a situação financeira da maioria dos policiais (honestos). Para alguns a polícia é bico, não ligam pra salário, infelizmente isso enfraquece a classe pois não há interesse por parte de alguns que a coisa mude. O que me desanima é ver os colegas honestos, ferrados, mas CONFORMADOS com o salário baixíssimo, custo de vida altíssimo, e sendo enrolados por promessas de um bonus aqui e outro ali e “esperando sair a aposentadoria”.

  14. Li o boletim de ocorrência, acima citado, verifico que sumiram as drogas apreendidas em 98 b.o.s, bem como, as planilhas de controle de ocorrências. Muito estranho..

  15. Corrigindo a tempo: as 98 ocorrências com drogas não existiram, foram frutos da imaginação do chefe dos tira, que estava estupefato com a operação novembro.

  16. S E N S A C I O N A L…
    .
    TODOS FALSIFICANDO ESTATÍSTICAS…
    .
    ESTADO E MUNICÍPIO…
    .
    NA CRACOLANDIA O PREFEITO DISSE QUE O CRIME DIMINUIU 80 %…
    .
    SÓ ESQUECEU DE FALAA QUE NENHUMA PESSOA LÚCIDA PASSA NA REGIÃO…
    .
    É A PAZ DO CEMITÉRIO…
    .
    ISTO É O PAÍS DO FAZ DE CONTA MESMO…
    .
    A SAÍDA É O AEROPORTO…..

  17. Será que não dá para publicar as estatísticas de todos os crimes do CP das violências dos bandidos contra as vítimas todos os meses para transparência a ineficiência do Governador em gerenciar a Segurança Pública? Do jeito que é apontontado, parece que é a sociedade de bem e os policiais que cometem torturas e homicídios.

  18. Reportagens
    More Sharing ServicesCompartilhe| Share on facebook Share on myspace Share on google Share on twitter
    Perfil
    Estudo esmiúça por que cresce a violência no Brasil
    Pesquisadores argumentam que opor prevenção à repressão é um obstáculo à eficácia de políticas públicas de controle da criminalidade
    Redação

    Tweet

    O Brasil está entre os países mais violentos do mundo. A ocorrência cotidiana de homicídios e assaltos atinge patamares inadmissíveis. E essa violência cresceu nas últimas décadas, sem dar sinais de trégua. O mais intrigante é que a deterioração da segurança pública na sociedade brasileira está acontecendo paralelamente a significativos avanços nos indicadores socioeconômicos, especialmente a partir dos anos 2000. Diminuímos a pobreza absoluta, o acesso à educação básica se universalizou, o acesso dos jovens mais pobres à universidade foi ampliado, a taxa de analfabetismo diminuiu, a esperança de vida ao nascer foi incrementada e até a desigualdade na distribuição da renda nacional diminuiu. Alçamo-nos à posição de sexta economia do planeta, a inflação permaneceu relativamente controlada, o desemprego e a informalidade no mercado de trabalho caíram.

    Estamos vivenciando uma situação inusitada: há menos pobres e mais crimes. Como explicar esse aparente paradoxo? Como é possível uma sociedade que reduz a exclusão social sofrer com o recrudescimento da violência? A proposta do livro Por que cresce a violência no Brasil?, dos sociólogos Luís Flávio Sapori e Gláucio Ary Dillon Soares, lançamento da Autêntica Editora, em parceria com a Editora PUC Minas, é oferecer respostas a essas indagações. Na verdade, não se trata de um paradoxo. O argumento defendido pelos autores, dois dos maiores especialistas da área no Brasil, é que a dinâmica da violência na sociedade brasileira não é mera derivação da dinâmica da estrutura socioeconômica. “A violência crescente nas cidades brasileiras está relacionada mais a fatores internos do que a fatores externos ao País. São nossas próprias mazelas sociais que estão interferindo na dinâmica do fenômeno. Esqueçamos a ação imperialista, o ‘demônio neoliberal’ e a globalização. Debruçar-nos sobre as contradições de nossa sociedade é um bom começo para explicar, entender e reverter o crime e a violência”, explicam os autores.

    ANTAGONISMO
    Para eles, o pretenso antagonismo entre prevenção e repressão constitui um sério obstáculo à eficácia e à e ciência das políticas de controle da criminalidade. “O debate está contaminado de conotação ideológica, atrelando as políticas repressivas ao ideário da direita, ao passo que as políticas preventivas seriam a expressão das posições políticas da esquerda. E, quando é percebido nesses termos, o diálogo torna-se ainda mais difícil, separando ainda mais o que poderia ser articulado. À medida que prevenção e repressão são concebidas como polos opostos e excludentes, reduz-se a capacidade do Estado em prover segurança com efetividade”, afirmam. Podemos reduzir a violência e nos tornar uma sociedade mais civilizada e pacífica, se formos capazes de formular e implementar políticas públicas de controle da criminalidade consistentes. E, para começar, é primordial um diagnóstico mais preciso do fenômeno. Essa é a principal contribuição desse livro.

    SOBRE OS AUTORES
    Luís Flávio Sapori é doutor em Sociologia pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj), foi secretário-adjunto de Segurança Pública do Estado de Minas Gerais de 2003 a 2007, coordenou o Instituto Minas Pela Paz no biênio 2010-2011 e, atualmente, é professor do curso de Ciências Sociais da PUC Minas e coordenador do Centro de Estudos e Pesquisas em Segurança Pública (Cepesp/PUC Minas). Além disso, é autor de diversos artigos científicos e de livros, destacando-se Segurança pública no Brasil: desa os e perspectivas, publicado pela Editora Fundação Getúlio Vargas, e Crack: um desafio social, publicado pela Editora PUC Minas.

    Gláucio Ary Dillon Soares é graduado em Sociologia e Ciência Política pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, graduado em Direito pela Universidade Cândido Mendes, mestre em Direito pela Tulane University e doutor em Sociologia pela Washington University em St. Louis Mo. Atualmente, é pesquisador sênior nacional do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Iesp/Uerj), um dos principais especialistas brasileiros na temática da segurança pública, com publicações referenciais: Não matarás, publicado pela Editora Fundação Getúlio Vargas, e As vítimas ocultas da violência na cidade do Rio de Janeiro, publicado pela Editora Civilização Brasileira.

    TÍTULO: Por que cresce a violência no Brasil?
    AUTORES: Luís Flávio Sapori e Gláucio Ary Dillon Soares
    NÚMERO DE PÁGINAS: 144

    Conhecimento Prático Geografia :: 23/11/15
    Novos rumos da África e os interesses do Brasil

    Conhecimento Prático Geografia :: 23/11/15
    Bomba-relógio

    Conhecimento Prático Geografia :: 23/11/15
    Corrupção padrão Fifa

    Conhecimento Prático Filosofia :: Reportagens :: Edição 23 – 2010
    Mito da Caverna:

    Conhecimento Prático Filosofia :: Capa :: Edição 28 – 2011
    Hannah Arendt, pensadora da política e da liberdade

    Conhecimento Prático Filosofia :: Reportagens :: Edição 23 – 2010
    O animal Político

    Conhecimento Prático Filosofia :: Capa :: Edição 42 – 2013
    Trabalho como conceito filosófico

    Edição 62

  19. É preciso falar sobre ele.

    “Nossa, que epígrafe inusual”, dirão alguns.
    Com efeito, e de início, já esclareço: o pronome pessoal a encimar esse texto substitui a locução interesse público.
    Esclareço, ademais, que fiz a blague bobinha por dois motivos.
    Primeiramente, pois quero estabelecer um fator claro de distinção. Interessa-me falar de um interesse público concreto, prontamente discernível. Nada que ver, portanto, com abstrações, com interesses circunstanciais ou te categorias várias.
    E faço a ressalva pelo seguinte: de uns tempos a essa parte, notadamente no funcionalismo público, muitos interesses particularistas se arvoram em interesse público, quando, em verdade, são apenas ambições subalternas dessa ou daquela categorias.
    Interessa-me versar então sobre um interesse público genuíno e premente.
    Segundamente, pois cri, ingenuamente que seja, que o chiste chamaria a atenção de um eventual leitor.
    Qual o caso?
    Bom, li, na internet, uma notícia muito interessante. Segundo consta, a senhora Maria da Penha Maia Fernandes, num congresso do ministério público do Espírito Santo, defendeu aquilo que vai no texto do projeto de lei 6433/2013.
    Para quem não sabe, Maria da Penha é a biofarmacêutica cujo nome, em razão de sua história pessoal, plena de sevícias perpetradas pelo ex-marido, serve de epíteto à Lei 11340/06 – Lei da Violência Doméstica.
    O projeto de lei aludido acima versa sobre o delegado de polícia deferir as chamadas medidas protetivas de urgência.
    É claro que eu considerei a defesa dela muito eloquente.
    É claro que eu, na qualidade de delegado plantonista, entusiasmei-me.
    Afinal, quantas e quantas vezes, vi-me às voltas, na alta madrugada, com uma vítima de violência doméstica, a implorar-me que eu impeça seu algoz de voltar ou de ficar no lar conjugal.
    No mais das vezes, temos seguinte: domingo à tarde, o marido, tendo passado longo período no bar, a beber, volta para casa. Por um qualquer pretexto inapreensível, exaspera-se. Passa a ofender sua companheira. Ela, briosa, não se cala. Ele se abespinha mais e mais. Agride-a. Tapas na cara. Aperta-lhe os braços. Joga-a no chão. Quebra utensílios da casa. Cheio de razão, ele sai de novo. Volta de onde veio. Do bar. Vai beber mais. Está puto.
    Ela, em casa, chora com a face vultuosa e dolorida pelos tapas. Ainda jaz em posição fetal, no chão da cozinha. Circundando-a, sua prole. Cinco crianças. O mais velho com apenas sete anos. A menorzinha, ainda de colo, chora com estrépito, segura pelo mais velho. Todos choram. À exceção do maior. Ele está ensimesmado, ruminando um ódio antigo que sente do pai.
    Não é a primeira vez que isso ocorre.
    Pelo contrário, é algo recorrente. Ela nunca fez um boletim de ocorrência.
    Eis o dilema: malgrado seja com ela um facinoroso; malgrado sinta um ciúme que o leve à cólera, à violência e ao desatino; malgrado tudo isso, ele é trabalhador. Paga as contas da casa e põe comida nos pratos.
    Ela veio com ele de outro estado da federação. Não tem qualquer parente por aqui. Nem sequer conhece bem o bairro no qual residem. Essa imensidão a que chamam bairro dos Pimentas. No frigir dos ovos, ela não o quer preso. Mas sim seria uma benção que ele fosse obrigado, naquele instante, a sair do lar, que já naquela noite de domingo, ela e seus filhos tivessem paz.
    Resoluta, ela liga para o 190. No copom, aconselham-na a fazer o boletim. No mesmo ensejo, advertem-na que todas as viaturas estão empenhadas e que ela terá de ir à delegacia por meios próprios. As crianças, assustadiças, relutam em ficar sozinhas. Não há dinheiro para condução. Soçobrando a de colo e com os outros quatro rebentos de caudatários, ela percorre a pé o longo e percalçado caminho.
    Ao final, cansada, ferida, com o emocional em frangalhos, ela chega à delegacia. As crianças lacrimosas.
    No átrio da delegacia, uma chusma de partes.
    No delegado, bem formado nas letras jurídicas e pleno de cultura humanitária, avalia as ocorrências precedentes, deliberando por priorizar a dela.
    Na sala, ela lhe expõe os pormenores, enfatiza temer por sua integridade.
    O delegado, ele próprio, lavra o boletim. Ao final, adverte-a da necessidade da necessidade de que ela oferte representação para prosseguimento do feito. Por derradeiro, coloca-se à disposição para levá-la até a casa e pegar seus bens de primeira necessidade, levando-a e as crianças para o local que ela indicar.
    Ela então explode em lágrimas, argumentando que não tem para onde ir e que, no caso, o ideal era que ele saísse pois tem parentes no bairro mesmo, além de estar bem empregado.
    À autoridade então só resta explicar-lhe que não tem poderes para determinar o afastamento do agressor do lar conjugal. Acresce, porém, que no dia subsequente, com o retorno dela, o delegado da chefia aviará o pedido ao judiciário. O juiz por seu turno irá apreciá-lo e que, no mais tardar, seu verdugo estará alijado do lar.
    Ela ouve com atenção. Sem entender muito, concorda. O delegado e o tira levam a todos para casa. Eles entram. O causador de tudo não se encontra. Eles se vão. Ela e os filhos ficam. No caminho de volta, o delegado ainda pensa por que cargas d’Água não há disponíveis entidades para os recolherem.
    Às quatro da segunda-feira, ele chega. De tão bêbado, está inerme. Mas ela e os filhos ouvem-no chegar. Retesados, claro. Ele dorme, aboletado no sofá.
    Ela não dorme. Tiritando na cama, está ainda mais inerme do que ele.
    Todavia, o mais inerme de todos é estado, personificado no delegado de polícia.
    Com base nessa exposição, eu gostaria de fazer um convite. Parlamentares, juízes, promotores, advogados, cidadãos encampem o projeto de lei 6433/13.
    Promotores, bem sei que muitos de vocês não gostam da gente. Reputam-nos uma excrescência tupiniquim, como se mundo afora houvesse paralelismo entre os cargos públicos. Mas não quero discutir isso de novo. Vocês já podem investigar. Montem aí os seus Gaecos. Pouco me importa. Mas por favor não se oponham ao projeto aludido.
    E mais do que isso, trabalhem por ele. Afinal, vcs nunca estão no plantão das periferias, mas nós sim.

  20. fiquei curioso e verifiquei o BO 7133/15-1dp… deixa ver se entendi direito, as antas tentaram burlar as estatisticas, fizeram mais de 100 apreensões, deu merda e ainda sentaram em cima registrando o bo 7133, justificando que o lagarto do chefe delirou na maconha e imaginou que as ocorrencias existiram e não existiram pq não apresentaram as drogas????

  21. Exatamente o que aconteceu. Foram feitos 98 b.o.s de apreensão de drogas sem autoria e praticamente com mesmo histórico, segundo os quais contam que o usuário pinoteou e largou a “droga” no chão. Acontece que não haviam drogas para exame de constatação de natureza e quantidade de entorpecente e os registros foram realizados somente para elevar a produção da unidade, nas famigeradas operações criadas pelo DECAP. Dai foi feito o B.O 7133/15 – 1º DP/SÉ anulando todos os 98 B.O.S devido a ausência das drogas apreendidas. O chefe do DP disse que se equivocou devido a falta de $erviço, mas tem a questão da falsa comunicação de crime a ser apurada em procedimento próprio.

  22. A Estatística é a seguinte:
    Governo = Timão.
    Policiais = #somos todos são paulo.

  23. Xiii Alckmista Pinóquio, demorou mas perceberam suas falcatruas nos índices de criminalidade….. E agora? É pra gente continuar lançando as vítimas de tiro ou facada como “lesão corporal” com boletim complementar de “comunicação de óbito”?

  24. esse BO 7133/15-1DP/Sé, é tentar arredondar o arredondavel… se alguém precisava de documento para provar que as estatisticas são maquiadas, parabéns ao delegado idealizador dessas apreensoes imaginarias, vc e sua bichisse enrustida vai ajudar muita gente que joga contra a policia civil.

  25. Balanços de crimes em SP viram alvo da Promotoria
    ROGÉRIO PAGNAN
    LUCAS FERRAZ
    DE SÃO PAULO

    24/11/2015 02h00

    O Ministério Público Estadual abriu inquérito para apurar supostas irregularidades nas estatísticas oficiais de criminalidade divulgadas pelo governo de São Paulo entre os anos de 2006 e 2015.

    A investigação terá como base reportagem da Folha que revelou a omissão nos balanços do Estado, por quase uma década, de 973 mortes cometidas por policiais militares.

    Essas mortes, ocorridas de 2006 a março deste ano, são de autoria de PMs que, em horário de folga, mataram alguém ao reagir a algum crime.

    Segundo o governo Geraldo Alckmin (PSDB), essas 973 mortes por PMs não estão contabilizadas nas estatísticas de homicídios, divulgadas mensalmente desde 1995. Também não aparecem nos balanços sobre letalidade policial.

    Disciplinada por lei e resoluções, a divulgação dos dados de criminalidade é obrigatória no Estado desde 1995.

    Caso de homicídio é quando um policial, por exemplo, mata alguém de forma ilegítima, como nas chacinas de Barueri e Osasco, em agosto.

    Esse tipo de crime é incluído na contabilidade que define a taxa de homicídios de todo o Estado –no ano passado, fechou em 10,6 mortos para cada 100 mil habitantes.

    Já a letalidade policial é um conjunto paralelo de estatísticas que fica disponível no site da Secretaria Estadual da Segurança Pública com o total de policiais mortos em confronto e as mortes atribuídas a agentes nas ações.

    Ladrões mortos por PMs em uma troca de tiros, por exemplo, entram apenas nessa conta de letalidade, sem interferência nas taxas de homicídio.

    Essas 973 mortes cometidas por policiais militares, porém, estão apenas publicadas no “Diário Oficial” de SP em extratos da Corregedoria da PM.

    Ao somá-las aos dados dos balanços oficiais, o número oficial da letalidade de PMs de folga no Estado aumenta em 155%, chegando a 1.600 mortes desde 2001, e não as 627 divulgadas até o momento.

    Para apurar essa omissão, um inquérito foi aberto pela Promotoria do Patrimônio Público. O principal objetivo é apurar se essa omissão causou prejuízo aos cofres públicos, já que os pagamentos de bônus da polícia paulista são baseados em metas que utilizam em suas fórmulas os homicídios e a letalidade.

    Só no ano passado, segundo a gestão Alckmin, foram pagos mais de R$ 173 milhões em bônus. Isso representa 222.720 bônus entre R$ 350 e R$ 4.500 que foram somados aos salários dos policiais que têm direito a tal benefício.

    A apuração será conduzida pelo promotor Silvio Marques, que encaminhará cópia do inquérito ao grupo especial da Promotoria responsável por controlar a atividade policial, conhecido pela sigla Gecep.

    Procurada pela Folha, a Secretaria da Segurança Pública “disse que não foi notificada sobre nenhum inquérito.”
    .
    http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/11/1710161-balancos-de-crimes-em-sp-viram-alvo-da-promotoria.shtml

  26. Balanços de crimes em SP viram alvo da Promotoria
    ROGÉRIO PAGNAN
    LUCAS FERRAZ
    DE SÃO PAULO

    24/11/2015 02h00

    O Ministério Público Estadual abriu inquérito para apurar supostas irregularidades nas estatísticas oficiais de criminalidade divulgadas pelo governo de São Paulo entre os anos de 2006 e 2015.

    A investigação terá como base reportagem da Folha que revelou a omissão nos balanços do Estado, por quase uma década, de 973 mortes cometidas por policiais militares.

    Essas mortes, ocorridas de 2006 a março deste ano, são de autoria de PMs que, em horário de folga, mataram alguém ao reagir a algum crime.

    Segundo o governo Geraldo Alckmin (PSDB), essas 973 mortes por PMs não estão contabilizadas nas estatísticas de homicídios, divulgadas mensalmente desde 1995. Também não aparecem nos balanços sobre letalidade policial.

    Disciplinada por lei e resoluções, a divulgação dos dados de criminalidade é obrigatória no Estado desde 1995.

    Caso de homicídio é quando um policial, por exemplo, mata alguém de forma ilegítima, como nas chacinas de Barueri e Osasco, em agosto.

    Esse tipo de crime é incluído na contabilidade que define a taxa de homicídios de todo o Estado –no ano passado, fechou em 10,6 mortos para cada 100 mil habitantes.

    Já a letalidade policial é um conjunto paralelo de estatísticas que fica disponível no site da Secretaria Estadual da Segurança Pública com o total de policiais mortos em confronto e as mortes atribuídas a agentes nas ações.

    Ladrões mortos por PMs em uma troca de tiros, por exemplo, entram apenas nessa conta de letalidade, sem interferência nas taxas de homicídio.

    Essas 973 mortes cometidas por policiais militares, porém, estão apenas publicadas no “Diário Oficial” de SP em extratos da Corregedoria da PM.

    Ao somá-las aos dados dos balanços oficiais, o número oficial da letalidade de PMs de folga no Estado aumenta em 155%, chegando a 1.600 mortes desde 2001, e não as 627 divulgadas até o momento.

    Para apurar essa omissão, um inquérito foi aberto pela Promotoria do Patrimônio Público. O principal objetivo é apurar se essa omissão causou prejuízo aos cofres públicos, já que os pagamentos de bônus da polícia paulista são baseados em metas que utilizam em suas fórmulas os homicídios e a letalidade.

    Só no ano passado, segundo a gestão Alckmin, foram pagos mais de R$ 173 milhões em bônus. Isso representa 222.720 bônus entre R$ 350 e R$ 4.500 que foram somados aos salários dos policiais que têm direito a tal benefício.

    A apuração será conduzida pelo promotor Silvio Marques, que encaminhará cópia do inquérito ao grupo especial da Promotoria responsável por controlar a atividade policial, conhecido pela sigla Gecep.

    Procurada pela Folha, a Secretaria da Segurança Pública “disse que não foi notificada sobre nenhum inquérito.”
    .

  27. Cacete, essa praça da Sé não tá fácil mesmo. Os policiais civis em campo operacional estavam em patrulhamento preventivo especializado quando se depararam com nada menos que 98 (noventa e oito) indivíduos em atitude suspeita. Ato contínuo, simultaneamente os 98 indivíduos, de características físicas não observadas devido a precária luminosidade do local, se evadiram em tresloucada fuga pela via pública. Cada um desses indivíduos abandonou o entorpecente que pretendia consumir. As drogas foram apreendidas cada uma em auto separado, tendo em vista que se trataram de fatos isolados. NADA MAIS.

  28. SR. “Big Boss ” !, SE TODOS OS INDIGITADOS LOGRARAM EXITO EM SE EVADIR, S.M.J., EU QUANDO NA ATIVA ELABORARIA APENAS UM B.O. DE APREENSÃO DE ENTORPECENTES. E, ME AJUDEM AÍ Ó !…

  29. Mas caro colega, aí a estatística ficaria afetada! Ora, em muitas delegacias, quando a PRF apresenta roubo de carga e encontro de veículo no mesmo “pacote”, a orientação é fazer dois BOs separados, um para o roubo e outro para a apreensão/entrega. É pra garantir que a planilha de estatística do DECAP vai sair correta no fim do mês. Pastelaria DECAP é ruim? É. Mas o hospício DEMACRO é bem pior. Me ajuda aí…

  30. Para as próximas rodadas serão acrescidos mais dois indicadores de avaliação de desempenho:

    Para a PM: Quantidade de cidadãos de bem assassinados pela PM e,
    Para a Polícia Civil: Quantidade de policiais civis presos por corrupção pelo GAECO ou pelo GECEP

  31. Se a prisão tiver que ser feita pelo GAECO/MP ou GECEP/MP significa que o DOP não serve mais pra nada ?

  32. tá dando merda no 1º DP/Sé e na Seccional por conta do BO 7133/15… também vai ser burro assim na PM kkk

  33. Estatísticas decapianas….
    .
    SE FIZER UM PENTE FINO… NÃO TEM NADA CORRETO…
    .
    samba todo mundo… começando pelo caput…
    .
    esperar… pra ver !

  34. Fiquei sabendo que o BO 7133/15 já está em analise da Ouvidoria das Polícias e Gaeco

  35. Aos matemáticos do 1 DP SÉ.

    “Estatística é a arte de torturar os números, até eles falarem o q vc quiser q eles digam.”

  36. que história estranha essa do 1dp da se ennnnn 100 ocorrências realizadas que não existiram???

  37. enquanto isso na realidade lá na praça da se a feira do rolo rolando solta, jornal do sbt descendo a madeira!

  38. Pessoal tá motivado heinn para essa queda nas estastísticas(sic), tivemos um baita reajuste.

    PSDB realmente é ridículo.

  39. RATO EM MARTE…
    .
    de fato, a nossa NASA está mandando os caras cada vez mais pra longe !
    .
    que coisa !

  40. Quantos Investigadores nas portarias?
    Quantos Investigadores choferes?
    Quantos investigadores nos poupa tempos?
    Quantos Investigadores em serviços administrativos?
    Quantos Investigadores nas carceragens?
    Quantos Investigadores fazendo B.Os.?

    POR FIM: Quantos Investigadores investigando?

  41. Ainda bem que a cadeira da centro é do próprio picolé de chuchu. Se Não rodava.

  42. Boa noite aos flitadores. Ouvi comentarios de que professor nao teve aumento, funcionarios da saude tb nao e policiais muito menos, porem o auxilio reclusao teria tido aumento de 11% para acalmar os animos e nao virarem as cadeias ate o final de ano. Se isso for verdade parei de vez ate por disseram que isso demonstra o atuacao de uma pessoa do governo ligada ao pcc.

  43. Só acredita no resultado destas estatísticas, publicadas, quem desconhece completamente a realidade da PC.

    Se o investigador fica:

    -Fazendo b.o.,
    -Transportando presos,
    -Rondando (patrulhamento ostensivo, serviço da PM).

    Quem investiga?

  44. SUGESTÃO PARA ESTATÍSTICA, VOCÊS ACHAM QUE MUITOS DOS INVESTIGADORES QUE ESTÃO FAZENDO ESSE TIPO DE SERVIÇO ESTÃO CONTRARIADOS? SE LIGA, É BOM PARA AS DUAS PARTES.

  45. Realmente, Investigador fica na boa porque tem os “pagapau pra dar uma de tira”, todo orgulhoso por ser chamado de Investigador e recebem salário até de ensino fundamental, é mole??????? Se cada um ficasse no seu quadrado a PC seria bem melhor. Vamos começar com os majuras assumindo suas funções e pararem de sugar o pobre do escrivão, acabar com os carcetiras, papilostira, agetira, auxilitira, ecritira e outras esquisitisses mais, que só existe na PCSP.

  46. Alguém consegue me explicar pq o goe não consegue levar os presos para audiência de custódia?
    alguém consegue me explicar pq o ciap não tem condições de levar os presos para a audiência de custódia?
    Eles são bons demais para esse tipo de trabalho?
    Ou não tem capacidade?
    O que acontece?

  47. Até que enfim o MP resolveu investigar essas estatísticas. Quando o MP investiga, o bicho pega.Não é aquele “bicho” que os majuras da PC conhecem.Não deve se restringir apenas aos homicídios não. Vai fundo nos crimes de carga porque tem gato nessa tuba.

    Começaram a investigar a “tomada” lá no DEIC e o bicho pegou. O inusitado é acreditar que a “tomada” ocorria dentro da delegacia do DEIC e o majura titular nada sabia? Vai ver que recebe frequência sem ir trabalhar. O que não é muito raro na nossa PC.

  48. Diálogo entre o Senador Delcidio e o Policial Federal hj cedo:
    – Vossa Excelência está preso, por favor me acompanhe.
    – Eu tenho direito a um advogado.
    – Sim, ele já está preso ali na viatura.
    – Tenho direito a um telefonema, preciso falar com meu assessor.
    – Nem precisa telefonar, senhor ele também está preso na viatura da frente.
    – E se eu precisar de dinheiro pra fiança?
    – Ainda sem problemas, seu banqueiro está na viatura de trás. Vamos embora!

    Sensacional!!!

  49. SR. “chulé”, SE É QUE É VERDADE, S.M.J., ESSA TURMA JÁ MERECIA TER IDO HÁ TEMPOS. HÁ TRÊS MESES ESTIVE POR LÁ À PROCURA DE UM I.P., ATÉ HOJE ELES NÃO SABEM POR ONDE ANDA. PERGUNTAR NÃO OFENDE CERTO ! E I.P. AGORA CRIOU PERNAS !. E, ME AJUDEM AÍ Ó !…

  50. SR. ” Papa Mike ” ME DESCULPE, MAIS S.M.J.,FALTARAM DUAS :
    – onde está o nosso ex-ministro da casa civil !, não esquente, ele já está lá vendo o sol nascer quadrado e lhe esperando.e
    – nosso ex-presidente, ele também logo mais irá acompanhá-los. E, ME AJUDEM AÍ Ó !…,

  51. Sou auxipapipol e nao faco meu servico que prestei porq ta tudo terceirizado!! Ai jogam a gente pra fazer outro trampo!! Nao quero ser tira!! Quero so tirar impressao que e minha funcao e acabou!! Nao Fazer mais nada!! To de desvio de funcao!!

  52. Comentário forte…
    .
    caiu 1º DP – Sé…
    .
    caiu 1ª Seccional – Centro…
    .
    caiu DECAP…
    .
    Diário Oficial de 26/11/15, a conferir !

  53. O peso de 100 Boletins de Ocorrência…
    .
    isso nas costas de qualquer um, provoca uma queda abrupta mesmo !

  54. Hexa; a única coisa que caiu foi O MEU PAU ! PARA DE FOFOCAR DONA MARICOTA!

  55. Esse delegado do 1°DP Maurício del trono deve ter se formado por correspondência. A fama nunca foi das melhores, desde a época do denarc. Vai ser burro assim no inferno. O chefe é um puta cara gente fina, nunca atrasou o lado de ninguém e é das antigas. Desejo toda sorte para o chefe.., e para esse porra desse delegado que sobre uma rola do tamanho de um trem bala. Merece !

  56. Bem que o DR Ismael (4 Sec) poderia vir assumir a 1 sec, acompanhando os informes através de vários tiras da norte, a gente vê que seria muito bom trabalhar com ele.

  57. Parece que tá certo o Dr. Maurício Del Trono para assumir a 4 a seccional no lugar do Dr Ismael. o B.O fajuto foi feito com tirocínio.

  58. LEI 207/79- Artigo 74 – Será aplicada a pena de demissão nos casos de:II – procedimento irregular, de natureza grave; (ESSE INCISO TE PEGA POR QUALQUER COISA).

    Artigo 63 – São transgressões disciplinares:IV – não tomar as providências necessárias ou deixar de comunicar, imediatamente, à autoridade competente, faltas ou irregularidades de que tenha conhecimento;( ESSE DERRUBA QUALQUER UM DA CADEIRA)

  59. Pessoal, pode cair a cúpula inteira e nada vai mudar para nós do baixo clero. Só muda alguma coisa quando trocar o Governador, resta saber se melhorará ou piorará ! Quando saiu o Alckimim e entrou o Serra eu tive esperanças de melhoras, mas foi uma grande decepção, o Serra era pior que o Geraldo Alckimim kkkkkkkkkkk tomamos na tarraqueta de verde e amarelo dinovo kkkk hoooo desgraça de greve em 2008, nunca esqueço das palhaçadas que fizeram conosco kkkkkk rir para não chorar, mas foi uma decepção e meia aquela greve também ! Se o Geraldo fosse o papai Noel, eu pediria á ele um pouco de reajuste salarial nem que fosse só para cobrir a inflação e repor nosso poder de compra, pediria também um bônus gordinho agora em dezembro, tipo assim 10 mil reais para cada um de nós, já ajudava bem, mas o Geraldo não tem o menor jeito para papai Noel. Por isso já vou me acostumando com a ideia de um franguinho na panela ao invés de um peru, um panetoninho pirata, um guaraná xereta e talvez com muita sorte um pernil dianteiro de porco clandestino kkkkkkkkkkkkkk hooooooooooooooooo desgraça essa vida de polícia, bem que minha mãe dizia (filho, estude bastante e não seja polícia porque não presta), haaa mais eu não ouvi minha mamãezinha querida e me fudi.

  60. Li o boletim de ocorrência elaborado no 1ºDP-Sé…
    uma verdadeira comédia…
    e pensar que é um documento oficial…
    haja padrinho prá ficar em pé…
    vai sair ainda mais cara essa cadeira…

O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do comentarista que venha a ofender, perturbar a tranquilidade alheia, perseguir, ameaçar ou, de qualquer outra forma, violar direitos de terceiros.O autor do comentário deve ter um comentário aprovado anteriormente. Em caso de abuso o IP do comentarista poderá ser fornecido ao ofendido!...Comentários impertinentes ou FORA DO CONTEXTO SERÃO EXCLUÍDOS. Contato: dipolflitparalisante@gmail.com

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s