Justiça aceita denúncia contra suspeitos de formar grupo de extermínio em Osasco 15

R7

Testemunha que disse ter visto grupo com “lista da morte” foi assassinada após fazer denúncia

Alvaro Magalhães, do R7, e Josmar Jozino, da TV Record

Policiais civis e peritos em local de ataque ocorrido em 2013. Investigação apontou atuação de grupo de extermínioAlex Falcão/30.01.2013/FuturaPress/Estadão Conteúdo

A Justiça aceitou, no último dia 11, denúncia oferecida pelo Ministério Público Estadual contra quatro suspeitos de integrar um grupo de extermínio em Osasco, na Grande São Paulo. As investigações da Polícia Civil indicaram que o bando agia na cidade desde o final de 2012.

Entre os acusados, está o soldado da Rota Fabrício Emmanuel Eleutério, também suspeito de participar dos ataques que deixaram 25 mortos em Osasco e cidades vizinhas em agosto do ano passado.

A acusação aceita pela Justiça agora se refere especificamente a um ataque que deixou dois mortos e dois feridos em 29 de janeiro de 2013. Além do soldado Eleutério, foram denunciados os vigias Paulo Roberto da Silva e Marcio Silvestre Ferreira, e Adriel Teixeira Souza. Todos tiveram a prisão preventiva decretada — Souza está foragido; os outros três estão detidos.

O grupo dos denunciados também é apontado como suspeito por ao menos outras sete matanças na região. O soldado Eleutério e os vigias Silva e Ferreira negam participação nos crimes.

Parte dos acusados já havia passado um tempo presa em 2013. Ao aceitar a denúncia, a juíza Élia Bulman, da Vara do Júri de Osasco, lembrou-se do fato e afirmou: “É certo ainda que, com a prisão destes réus, à exceção de Adriel, naquele ano de 2013, este tipo de crime (chacinas) havia cessado, contudo, alguns deles foram soltos e, novamente, diversos crimes da mesma natureza voltaram a ocorrer e novamente os mesmos acusados de outrora são novamente suspeitos e apontados como seus autores/partícipes”.

Na acusação, a promotoria classifica explicitamente o grupo como “grupo de extermínio”. O uso do termo contradiz a versão do secretário de Estado da Segurança Pública, Alexandre de Moraes. No final do ano passado, em entrevista ao R7, Moraes afirmou que não havia grupos de extermínio em São Paulo.

Grupo formado em 2012

Inicialmente, a Polícia Civil acreditava que o grupo havia sido formado em 2013 para vingar a morte do soldado Luiz Carlos do Nascimento Costa, executado em 5 de fevereiro daquele ano, quando chegava ao bico (trabalho informal), na farmácia Campeã, centro de Osasco. Depois do assassinato do PM, Osasco e a vizinha Carapicuíba foram palco de uma série de ataques.

Mas o depoimento de David Sabino de Oliveira Filho, que chegou a trabalhar como vigia com os acusados na farmácia, indicou que a atuação do bando teve início antes.

Oliveira Filho afirmou que, desde o final de 2012, o soldado Costa — que também faria parte do grupo — se reunia no estoque da farmácia Campeã com os quatro acusados. Também participariam dos encontros ao menos outros dois PMs, além de um terceiro policial militar que está atualmente reformado.

Ali, segundo a testemunha, eles comentavam sobre possíveis execuções.

Lista da morte

A testemunha afirmou que chegou a ver um papel com o grupo, com uma lista de supostos integrantes do PCC. Ao menos dois nomes já estavam riscados, dando a entender que já tinham sido executados: Guru e Cacá.

A Polícia Civil acredita que Guru seja José Roberto de Carvalho, morto em uma chacina em outubro de 2012. Na ocasião, policiais encontraram em seu bolso o nome do tenente-coronel Henrique Dias, do 42º Batalhão (Osasco).

Guru era apontado como uma liderança local do PCC. A suspeita é de que ele estaria planejando um ataque contra o tenente-coronel — o ano de 2012 foi marcado por uma série de confrontos entre a facção criminosa e a PM.

A Polícia Civil acredita ainda que o soldado Costa tenha sido morto justamente por ter participado da execução de Guru. Rodrigo de Sousa Vieira, atualmente preso, é apontado como o autor dos tiros que matou o PM — ele teria assumido o posto de Guru e jurado vingar o parceiro.

Já Cacá, segundo as investigações, seria Oscar Rodrigues Macedo, executado também em 2012, pouco depois de Guru.

Testemunha-chave executada

Na manhã de 6 de novembro passado, um ano e meio após fazer as revelações, a testemunha Oliveira Filho foi executada. Ele estava em frente à loja de galões de água da qual era proprietário, em Osasco. O negócio havia sido montado poucos meses antes, depois de Oliveira Filho voltar à cidade (após realizar as denúncias, ele passou uma temporada longe de Osasco).

Um dia antes de ser morto, Oliveira Filho procurou a Polícia Civil para relatar que um Celta preto estava rondando, havia uma semana, a casa onde anteriormente morava com os pais. Ele disse ainda que, ao ver o carro parado em um posto de gasolina, chegou a reconhecer o vigia Ferreira como sendo motorista.

Apesar de sentir-se ameaçado, Oliveira Filho não quis entrar para o Programa de Proteção à Testemunha.

A Polícia Civil levantou as placas do carro e descobriu que o veículo pertencia à empresa de segurança na qual o vigia Ferreira estava trabalhando. Os investigadores ouviram o vigia, que negou usar o carro. Ferreira disse que seu trabalho na empresa era interno, monitorando câmeras de segurança. E que havia feito serviço externo apenas uma vez, ocasião em que viajou para o Rio de Janeiro.

O caso segue em investigação.

Prensista era o alvo de ataque

No ataque de 29 de janeiro de 2013, pelo qual o quarteto passou a responder após a denúncia ser aceita no último dia 11 pela Justiça, foram mortos Evanderson de Jesus Amorim, 20 anos, e Valdir Souza Amorim, 43 anos.

As investigações, porém, apontaram que o alvo dos matadores era um dos sobreviventes: Ronaldo Barreto da Silva, 34 anos. Ele e Luciano do Carmo Souza, 24 anos, foram baleados, mas resistiram depois de receber atendimento em hospitais da região.

Os acusados, ainda conforme a investigação, acreditavam que a vítima Silva fosse traficante. Ele, de fato, possuía uma passagem, mas não por tráfico: havia ficado preso por três meses, no início da década passada, por porte ilegal de armas.

Na época em que foi baleada, a vítima Silva trabalhava com carteira assinada: era operador de prensa em uma fábrica de Santana do Parnaíba, Grande São Paulo.

Ironicamente, em 22 de abril de 2013, um dos acusados — o vigia Ferreira — seria também indiciado pelo mesmo tipo de crime que sujava a ficha do alvo do ataque, porte ilegal de arma, após a polícia encontrar uma arma sua, em situação irregular, num clube de tiros de Barueri.

Pistola-metralhadora

A testemunha Oliveira Filho também disse que, no dia seguinte ao ataque de 29 de janeiro de 2013, viu o grupo discutindo a respeito do crime.

O vigia Silva teria se queixado que o soldado Eleutério teria desregulado a própria pistola, para que ela disparasse rajadas, como uma metralhadora, em vez de tiros intermitentes. Com a arma desregulada, o soldado Eleutério por pouco não teria acertado um parceiro no ataque.

Na ocasião, ainda segundo o depoimento de Oliveira Filho, o soldado Eleutério também teria sido repreendido pelo soldado Costa, que não havia participado do ataque. Costa teria afirmado que o soldado acertou pessoas inocentes.

Tatuagem de matador

A testemunha Oliveira Filho afirmou também que alguns policiais que integravam o grupo possuem uma tatuagem no braço: duas armas cruzadas.

Ainda conforme a testemunha, a figura os identificaria como matadores.

Carro emprestado com placas falsas

Para cometer o crime do dia 29 de janeiro de 2013, segundo as investigações, os acusados teriam utilizado um Corsa prata de um outro PM. Esse PM, que mora em Barueri, prestou depoimento como testemunha e confirmou que havia emprestado o veículo ao soldado Eleutério.

Em seu depoimento, a testemunha Oliveira Filho afirmou ter visto o soldado Eleutério colocando duas placas falsas sobre as placas verdadeiras do Corsa.

Acusados negam envolvimento

Ao ser ouvido pela Polícia Civil, o vigia Ferreira negou participação no crime. Ele disse que nem sequer sabia das mortes. E ressaltou que jamais esteve com os três outros acusados ao mesmo tempo. O vigia Ferreira afirmou ainda que jamais entrou no Corsa prata que o soldado Eleutério teria pegado emprestado de outro policial — e também não viu o soldado Eleutério colocando placas falsas no veículo.

A defesa do vigia Ferreia pediu à Justiça sua soltura, afirmando que não há evidência de que ele tenha tentado fugir ou prejudicar as investigações. E acrescentando que o vigia foi absolvido sumariamente (por decisão do juiz) no único processo referente ao suposto grupo de extermínio que chegou ao fim (referente a uma chacina de três irmãos, em Osasco, no dia seguinte à morte do soldado Costa). Segundo a defesa, os outros casos seguem todos em investigação.

Também o vigia Silva negou envolvimento no caso. Ele afirmou ainda desconhecer o Corsa prata que o soldado Eleutério teria pegado emprestado de outro policial.

O soldado Eleutério, também em depoimento à Polícia Civil, reconheceu que pegou um Corsa prata emprestado com outro policial, mas afirmou que havia utilizado o veículo para sair com uma mulher. Ele negou qualquer envolvimento no crime e disse ainda que jamais havia visto o acusado Souza.

Questionado a respeito de tatuagens, o soldado afirmou que tinha uma caveira no bíceps direito. Segundo ele, o desenho simbolizaria a Força Tática e a Rota.

  1. Deserviço dos coxas: em bandos, matam aos montes; solitários, morrem como moscas! Os justiceiros vão puxar uma corda no romão! E aí, coxa sexta parte, o que tem a falar agora?

  2. Muitas cagadas perpetradas mas tem muito vagabundo que mata, lesiona e é violento que não responde por nada, vemos nas ruas vários indivíduos que gostam de dar uma de mala ou de ser mala e quanto a isso ninguém parece que se incomoda. Os envolvidos aparentam que são justiceiros e estão errados mas minha dúvida é o que fazer com esses que matam, estupram, lesionam e saem impunes?

  3. É a guerra, graças a população paulista que adora votar no PSDB, 20 anos de Segurança Pública tocada com a barriga e o fortalecimento dos bandidos. O Governo paulista prefere investir em presídios e fechar escolas.

  4. Parabéns aos que vingam seus parceiros parente colegas de trabalho etc, pois a justiça não funciona, aos covardes que criticam enterrem seus entes queridos e vão pra casa chorar, questão de opinião.

  5. Deserviço dos coxinhas: os camisa 10 vão puxar uma bela corda no romão! disse:
    08/01/2016 ÀS 14:35
    Deserviço dos coxas: em bandos, matam aos montes; solitários, morrem como moscas! Os justiceiros vão puxar uma corda no romão! E aí, coxa sexta parte, o que tem a falar agora?
    ==================================================================================================
    Quando vc tiver a decência de se posicionar e assumir o que faz na vida, se é que tem capacidade para realizar algo, te respondo os comentários.

  6. Coxa sexta parte, eu admiro sua iniciativa de procurar alfabetização depois de adulto, cursar faculdade por correspondência e depois da décima sétima tentativa, ingressar no burro branco e tornar-se oficial-coxa! Mas escolheu o lugar errado: percebo pelos seus escritos que sua mente está dominada pelo vírus pms-semcerébrusépleonasmus. Para ser PM não precisa ter cerébro, coxa sexta parte! Prestaram um deserviço sim!

  7. Coxinha sexta-parte, porque é que vocês sempre querem pré-julgar a nós, “paisanos” ?

    Porque essa mania de “não deve ser coisa lícita” ? Vocês nunca vão entender que quem deve julgar os atos de quem é suspeito de algo, são JUIZES DE DIRETO, DESEMBARGADORES E MINISTROS DE CORTES SUPERIORES ?

    Coxinhas, graduados ou não, com latinha na lapela ou sem, devem limitar-se às suas simplórias atribuições de patrulhamento, rodar a praça, circular. Nem prender como vocês adoram dizer que prendem, não lhes cabe, vocês simplesmente conduzem o suspeito da prática de ilícito à presença de alguma autoridade, policial ou judiciária, para que ela sim, decida sobre a privação de liberdade do sujeito, ou não, sempre fundamentando a decisão nos preceitos vigentes do Direito, coisa que foge à sua limitada capacidade cognitiva.

  8. Coxa sexta parte, aqui é pau todos os dias! Venha tomar seu pau diário aqui conosco! Chegue e sente na cadeirinha do polícia, prepare a buzança e tome cintadas nessa bunda militar!

  9. Jose Carlos Gomes Gomes disse:

    10/01/2016 às 8:22

    Parabéns aos que vingam seus parceiros parente colegas de trabalho etc, pois a justiça não funciona, aos covardes que criticam enterrem seus entes queridos e vão pra casa chorar, questão de opinião.
    ———

    Realmente nota-se nitidamente que a justiça não funciona, mesmo pq se funcionasse fosse seria identificado e preso por fazer apologia ao crime.
    É difícil vc perceber que muitas ideias não podem serem dirigidas para pms por não terem cérebro e poderão sair matando todo mundo e inclusive uma pessoa da sua própria família que esteja simplesmente caminhando na via pública como ocorreu há meses atrás com aquele vigia?
    Acorda ignorante!

  10. Não acredito que uma pessoa pense assim. disse:
    13/01/2016 ÀS 10:36
    Jose Carlos Gomes Gomes disse:

    10/01/2016 às 8:22

    Parabéns aos que vingam seus parceiros parente colegas de trabalho etc, pois a justiça não funciona, aos covardes que criticam enterrem seus entes queridos e vão pra casa chorar, questão de opinião.
    ———

    Realmente nota-se nitidamente que a justiça não funciona, mesmo pq se funcionasse fosse seria identificado e preso por fazer apologia ao crime.
    É difícil vc perceber que muitas ideias não podem serem dirigidas para pms por não terem cérebro e poderão sair matando todo mundo e inclusive uma pessoa da sua própria família que esteja simplesmente caminhando na via pública como ocorreu há meses atrás com aquele vigia?
    Acorda ignorante!
    ==================================================================================================
    Quem não tem cérebro é sua mãe que permitiu a gravidez que gerou vc, seu idiota!

  11. Tenente sexta coxa sem cerébro, vem aqui no Flit para tomar umas lapadas na bunda militar disse:

    Tenente Sexta Coxa gosta de tomar umas piabas aqui no Flit! Todo mundo quer tirar uma lasca do milico burro branco sem cerébro! Hehehehehe

Os comentários estão desativados.