Entrevista – Alexandre de Moraes: ‘É possível prevenir homicídios em SP’, diz secretário de segurança 68

Entrevista. Alexandre de Moraes

Secretário da Segurança diz que nº de mortes caiu após ação direta em bares e locais onde há violência doméstica

‘É possível prevenir homicídios em SP’, diz secretário de segurança

Alexandre Hisayasu, Ana Carolina Sacoman – O Estado de S. Paulo

31 Janeiro 2016 | 05h 00 – Atualizado:30 Janeiro 2016 | 23h 54

Há pouco mais de um ano à frente da Segurança, a gestão do secretário Alexandre de Moraes alcançou uma marca histórica, com a menor taxa de homicídios, 8,73 casos por 100 mil habitantes, do País. Mesmo com as estatísticas criminais favoráveis, ele nega ter interesse em disputar as eleições para a Prefeitura neste ano ou para o governo estadual, em 2018. Em entrevista ao Estado, disse que o Movimento Passe Livre (MPL) é antidemocrático e que deu total liberdade para a Polícia Civil investigar a fraude na distribuição da merenda escolar, na qual os suspeitos citam nomes do Executivo e do deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa, Fernando Capez (PSDB), como supostos envolvidos no esquema.

No passado, o senhor fez relação entre crimes patrimoniais e o “boom” econômico. Até onde a crise interfere nas estatísticas?

Continuo achando a mesma coisa. Não é algo só do Brasil, mas a questão da crise, muito desemprego, acaba gerando impacto. Se a gente pegar os três últimos meses (de 2015), quando a crise afetou mais, principalmente o roubo e o furto aumentaram um pouco. Existe uma relação, não só no Brasil, mas no mundo, que uma crise econômica maior, com as pessoas mais necessitadas de dinheiro, acaba gerando principalmente um aumento no roubo de carga, na carga de comida. Depois de seis meses de queda de roubo a carga, nós tivemos em outubro, novembro e dezembro um ligeiro aumento. Não significa dizer que tem relação entre ficar desempregado e virar criminoso, mas a criminalidade acaba tendo um incremento.

Alexandre de Moraes, secretário da Segurança Pública do Estado de São Paulo, durante entrevista ao Estado 
Alexandre de Moraes, secretário da Segurança Pública do Estado de São Paulo, durante entrevista ao Estado

Além de roubo e furto, houve aumento de latrocínios no quarto trimestre de 2015.

O latrocínio teve uma pequena variação, são quatro a mais (de 89 para 93 casos no Estado, em comparação com o quarto trimestre de 2014). É crime que se combate de uma forma reflexa: a pessoa não sai para praticar latrocínio, ela sai para praticar um roubo. Costumo dizer que é um roubo que não deu certo até para a própria pessoa que saiu para praticar, e geralmente está muito ligado à droga. É um crime que você combate pelo roubo. Antes, nós tínhamos 42% dos latrocínios ligados ao roubo de veículo: põe a arma, a pessoa assusta, o carro dá aquele tranco e o outro atira. Caiu o roubo de veículo, caiu o latrocínio. Ou seja, é crime reflexo.

Qual o motivo da queda constante nos índices de homicídio?

Todo crime é grave, mas homicídio é prioridade. Já vem caindo desde 1996. Desde 2001, tivemos dois aumentos. Incrementamos a fiscalização das situações que podem causar homicídio. Terminamos o ano de 2014, no Estado, com 10,14 (casos por 100 mil habitantes). Baixou de 10, baixou de 9 e chegou a 8,73. E, se continuar nesse ritmo, vai baixar mais ainda. Tradicionalmente, todo georreferenciamento (estratégia policial) de viaturas, rotas de viaturas, tudo é mais ligado ao crime de patrimônio, que é um volume maior. Eu aumentei um ingrediente que é o homicídio, que é possível prevenir.

Existe circunstância mais favorável para um homicídio?

Bar, sábado, chegando mais para a noite, é o dia maior com homicídio. Nós fortalecemos o policiamento, diferentemente dos demais dias. Agora, sábado à noite é o dia com menor índice de roubo de carga, de roubo, de crimes contra o patrimônio. Nós mudamos o policiamento privilegiando o combate ao homicídio. Estou agora esperando o Ministério Público dar provimento aos cargos da Promotoria de Violência Doméstica para verificar mais detalhadamente os locais onde há violência doméstica, para tentar combater previamente (as mortes dentro de casa). Briga de bar você previne pedindo para as prefeituras verificarem horário, verificarem o bar, fecharem se está irregular.

Especialistas em segurança criticam a forma de divulgação das estatísticas de maneira “fatiada”, privilegiando os melhores índices. O senhor vai continuar “fatiando”?

Fatiar é uma expressão da imprensa. Eu vou continuar divulgando em dias diferentes até o dia 25 de cada mês, porque eu acho que é muito mais interessante para a sociedade do que você colocar todos os índices no mesmo dia. Vocês não vão pegar nenhuma divulgação minha só de índice bom, sempre tem um critério. Nenhum dado deixou de ser divulgado.

É difícil fazer as Polícias Militar e Civil trabalharem juntas sem que haja brigas entre as corporações, como ocorreu nas investigações da chacina dos 19 mortos?

É até natural que isso ocorra, mas quando extrapola, aí a secretaria tem de entrar. A primeira reunião com o comandante-geral e o delegado-geral, até por ter a experiência de ter filhos gêmeos, eu disse que saberia conviver muito bem com isso (rivalidade), porque eu sei que não se pode dar uma coisa para um e não dar para o outro, não pode favorecer um e desfavorecer o outro, porque nenhum secretário da Segurança consegue andar numa perna só. A nossa estrutura de segurança pública tem duas pernas. Instituições não precisam se gostar, elas precisam se respeitar. Se dá faísca embaixo, a gente resolve em cima.

O que o senhor espera das próximas manifestações do Movimento Passe Livre (o grupo anunciou pouco depois que só voltaria às ruas em fevereiro)?

A estratégia não muda. Tem de ter comunicação prévia. Não sou eu quem pede, é a Constituição que exige. Em todos os países democráticos, se exige a comunicação prévia, informar quem são os responsáveis, etc. O Passe Livre é o único que em todas as manifestações não só não comunica (trajeto) como tem depredação.

Foi noticiado que o senhor teria feito uma provocação ao deputado Fernando Capez no Facebook pelo fato de o nome dele ser citado como investigado e ele ser um eventual rival numa disputa para o governo do Estado em 2018.

Até ontem disseram que eu era candidato a prefeito. Agora falaram que vou ser candidato a governador e que foi uma provocação (postagem no Facebook). Todas as grandes operações da polícia eu coloco no meu Facebook. Não sei onde inventaram isso.

Sobre os boatos sobre suas candidaturas. Se filiar ao PSDB, em dezembro, fez com que aumentassem…

Eu voltei à vida pública em janeiro de 2015. Em março, já falavam que eu seria candidato (a prefeito de São Paulo). Boato é boato. Nunca ninguém viu eu dar motivo para esses boatos. Eu fui no Roda Viva (TV Cultura), em março, e eu perguntei de onde tiraram isso. E responderam que eu viajava muito com o governador Geraldo Alckmin para o interior.

Com os índices em queda, seu nome seria o dos sonhos do governador, não?

Eu não vou reclamar que vocês imaginem isso. Para mim, é uma honra ser o nome dos sonhos… Mas, antes de ser tucano, PSDB, eu sou “alckmista”, independentemente do partido em que eu estava. Mudei de partido (do PMDB para o PSDB) porque sou secretário da Segurança Pública do governador Geraldo Alckmin. Talvez, se eu tivesse falado que seria candidato, em março, esse assunto estaria encerrado. O PSDB nem definiu os pré-candidatos à Prefeitura e já dizem que sou pré-candidato a governador. Isso não existe. Eu tenho compromisso com o governador de ficar até o fim do mandato dele. E tenho histórico de nunca ter sido candidato a nada.

Transcrito de O Estado de São Paulo ; nos termos do artigo 46 da Lei nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998.‏

  1. “É um crime que você combate pelo roubo. Antes, nós tínhamos 42% dos latrocínios ligados ao roubo de veículo: põe a arma, a pessoa assusta, o carro dá aquele tranco e o outro atira. Caiu o roubo de veículo, caiu o latrocínio. Ou seja, é crime reflexo”
    O Secretário está utilizando os mesmos argumentos que os bandidos usam! A vítima não tem porr@ nenhuma a ver com o susto do bandido! O bandido se acha no direito de matar a vítima porque ela tossiu, espirrou, tomou susto, enfim, jogam a culpa na vítima. Fica até parecendo que isso justifica tudo! E a Polícia, o MP e o TJ engolem esse argumento dos assassinos latrocidas!

  2. Por mim não ganha nem pra síndico de prédio! Quanta bobagem dita nessa entrevista! Só trouxa pra acreditar nessas mentiras!

  3. kkkkk… temos que agradecer ao PCC através do Sr. Marcola, pois disciplinaram o homicídio.. irmão só mata com salve… claro que o 121 passional e o latrocinio em geral continuam no mesmo ritmo… mas qualquer Puliça sabe que o PCC foi mais competente que o Estado… fui, pois tem mais um xarope do balcão querendo fazer BO porque a “adevogado” mandou….

  4. Esse é o SSP zero %?

    Quais mudanças trouxe para Polícia Civil ou Segurança Pública de SP?

    Quais inovações trouxe para Polícia Civil?

    E a reestruturação já aconteceu?

  5. “Com os índices em queda, seu nome seria o dos sonhos do governador, não?”. Cadê um candidato dos sonhos da população?

    Estranhamente, nenhuma pergunta do PCC.

    Agora tudo é culpa de bar e briga de casal?

    Fica difícil falar de Segurança Pública quando nem o jornal leva o assunto a sério e está mais preocupado com campanha política.

  6. Resposta do Exmo SSPSP. É difícil fazer as Polícias Militar e Civil trabalharem juntas sem que haja brigas entre as corporações, como ocorreu nas investigações da chacina dos 19 mortos?

    É até natural que isso ocorra, mas quando extrapola, aí a secretaria tem de entrar. A primeira reunião com o comandante-geral e o delegado-geral, até por ter a experiência de ter filhos gêmeos, eu disse que saberia conviver muito bem com isso (rivalidade), porque eu sei que não se pode dar uma coisa para um e não dar para o outro, não pode favorecer um e desfavorecer o outro, porque nenhum secretário da Segurança consegue andar numa perna só. A nossa estrutura de segurança pública tem duas pernas. Instituições não precisam se gostar, elas precisam se respeitar. Se dá faísca embaixo, a gente resolve em cima.
    Bom já que é assim estou me aposentando e quero 20% a mais como os oficiais coronéis já que não vou esperar a especial. Quero integralidade e paridade. Quero RETP turbinado. Este gêmeo aqui não quer ser filho bastardo ou o que valha.

  7. Esse secretário é bom mesmo, quando crescer quero ser igual ele.
    Para quem não sabe, ele criou as Deleco e está funcionando muito bem.
    Pode ir á qualquer CPJ criado e verá que qualquer palavra sua terá resposta, pois como não há policiais, virá um eco, bem audível.
    Foi uma fantástica criação essa DELECO. – Delegacia do Eco.

  8. Alguém solta uns bizus quentes do bônus…
    Alguém ai sabe qual trimestre que vai pagar? Qual tá faltando? Quando paga?

  9. O pior de tudo é ouvir de borra bota de um nóia que o PCC é responsável por não haver homicídio, que para matar tem que pedir, depois de sumariar é q se decide se pode ou não.

    Uma vergonha criada e nutrida aqui, onde se rouba merenda de nossas criancas.

  10. ESSE SUJEITO É SECRETÁRIO DA SEGURANÇA? PENSEI QUE FOSSE O AMIN KHADER

  11. Interceptações da Operação Alba Branca indicam que Luiz Roberto dos Santos, o Moita, então chefe de gabinete de Edson Aparecido, secretário chefe da Casa Civil do governo GERALDO ALCKIMIN (PSDB), conversava com suspeitos de participar de um esquema de fraudes na merenda escolar de sua sala no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo de São Paulo. Santos foi flagrado no grampo da Polícia Civil várias vezes dizendo a interlocutores que falava do Bandeirantes.

    Relatório policial mostra que ele mantinha sucessivos contatos ao celular, de seu próprio gabinete, com integrantes da organização sob suspeita de fraudar licitações e superfaturar produtos agrícolas e suco de laranja destinados à merenda escolar da rede pública.

    Um dia antes de a Alba Branca ser deflagrada, em 19 de janeiro, Santos foi demitido do cargo de confiança que ocupava. O secretário Edson Aparecido o devolveu à função de origem na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

    Boa parte dos grampos flagra o ex-chefe de gabinete orientando o lobista Marcel Ferreira Júlio, apontado como operador de propinas da organização que se infiltrou em pelo menos 22 prefeituras paulistas e mirava em contratos da Secretaria da Educação do Estado. Ele fala sempre de um celular e diz que está “no Palácio”.

    O dossiê da Alba Branca indica o campo de ação do investigado. Segundo as investigações, Santos age diretamente para atender os interesses da Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (Coaf), apontada como carro-chefe da fraude.

    O presidente da Coaf, Cassio Chebabi, confessou à Polícia e ao Ministério Público como era o trabalho de “cooptação” de gestores municipais e que as propinas pagas eram equivalentes a 10% sobre o valor dos contratos. Segundo ele, “quando a Coaf atrasava (as comissões), devido a dificuldades financeiras, eram feitas retaliações e ameaças”.

    “As apurações demonstraram que Marcel trabalhou em duas frentes para a Coaf. A primeira, num contrato firmado com a Secretaria de Educação do Estado, onde aparentemente se deu a participação de ‘Moita’, e a segunda, em contratos firmados com Prefeituras”, afirma o relatório policial.

    Escutas
    Numa interceptação de 4 de dezembro do ano passado, o então assessor de Edson Aparecido sugere a Ferreira Júlio que ele peça o reequilíbrio financeiro de contrato de merenda, e não aditamento. Santos contou que tinha falado antes com Fernando Padula, na época chefe de gabinete da Educação, de quem disse ter recebido a orientação. Em entrevista ao Estado na semana passada, Padula negou ter feito a sugestão.

    “As interceptações trouxeram a lume a participação no esquema dos indivíduos apontados como ‘Moita’ e ‘Alex'”, destaca o inquérito. “Marcel menciona mais de uma vez que Alex, que seria da executiva do PMDB, iria fazer o primeiro contato com prefeitos para depois a prefeitura ser visitada pelos vendedores da Coaf. A partir daí, o órgão público é visitado, já com a proposta da comissão, negociada de acordo com o valor do contrato pactuado.” O relatório assinala que “os valores enviados em espécie para Marcel pelo vendedor César (Bertholino, também investigado no caso) se deu em razão do contrato firmado entre a Coaf e a Secretaria de Educação”.

    O documento, de 7 de janeiro, é subscrito pelos delegados de polícia Mário José Gonçalves, presidente do inquérito, Paulo Roberto Montelli e João Vitor Silvério.

    “Sobre este tema o investigado Marcel se refere diretamente ao indivíduo apontado como ‘Moita’ e conversa com ele sobre o assunto. As informações trazidas por eles mesmos nas conversas se trata de Luiz Roberto dos Santos, atual chefe de Gabinete da Casa Civil de São Paulo, conhecido também por ‘Luiz Moita’, o qual demonstra nas conversas interceptadas saber e interferir nos assuntos de interesse da Coaf e que estaria agindo diretamente num contrato da cooperativa com o Estado, cujo reajuste de preço deveria ser tratado como reequilíbrio financeiro”, continua o documento.

    Segundo a Polícia, os grampos “demonstram que Moita mostra claramente estar íntimo de César e que se imiscui, profundamente, nos assuntos da Coaf”.

    Procurado, o ex-chefe de gabinete da Casa Civil do governo Alckmin Luiz Roberto dos Santos não retornou contatos da reportagem. Os outros citados não foram localizados.

    As informações são do jornal “O Estado de S. Paulo”.

  12. Não passamos de mão de obra eleitoreira para este senhor! Operação aqui, operação ali, e salário que eh bom nada! O nosso salário diminuindo! A inflamação comendo a miséria de salário e os sindicatos quietos! Cadê o kiko, cadê o Rebouças? Cadê o bailoni? Cada dia que passa vejo que estas instituições não lutam por nossos interesses!

  13. Estão perguntando sobre a reestruturação, bônus e grupo de estudo kkkkkkkk

    Fala sério, nem recebemos ainda o reajuste de 2015 !!!!!!!!!!!!!!

  14. Grampos apontam que tucano operava “do Palácio” para máfia da merenda199
    Estadão Conteúdo De São Paulo 01/02/201609h45
    Ouvir texto

    0:00
    Imprimir Comunicar erro
    Leonardo Wen/Folhapress
    Palácio dos Bandeirantes, sede do governo de São Paulo
    Palácio dos Bandeirantes, sede do governo de São Paulo
    Interceptações da Operação Alba Branca indicam que Luiz Roberto dos Santos, o Moita, então chefe de gabinete de Edson Aparecido, secretário chefe da Casa Civil do governo Geraldo Alckmin (PSDB), conversava com suspeitos de participar de um esquema de fraudes na merenda escolar de sua sala no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo de São Paulo. Santos foi flagrado no grampo da Polícia Civil várias vezes dizendo a interlocutores que falava do Bandeirantes.

    Relatório policial mostra que ele mantinha sucessivos contatos ao celular, de seu próprio gabinete, com integrantes da organização sob suspeita de fraudar licitações e superfaturar produtos agrícolas e suco de laranja destinados à merenda escolar da rede pública.

    Um dia antes de a Alba Branca ser deflagrada, em 19 de janeiro, Santos foi demitido do cargo de confiança que ocupava. O secretário Edson Aparecido o devolveu à função de origem na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

    Boa parte dos grampos flagra o ex-chefe de gabinete orientando o lobista Marcel Ferreira Júlio, apontado como operador de propinas da organização que se infiltrou em pelo menos 22 prefeituras paulistas e mirava em contratos da Secretaria da Educação do Estado. Ele fala sempre de um celular e diz que está “no Palácio”.

    O dossiê da Alba Branca indica o campo de ação do investigado. Segundo as investigações, Santos age diretamente para atender os interesses da Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (Coaf), apontada como carro-chefe da fraude.

    O presidente da Coaf, Cassio Chebabi, confessou à Polícia e ao Ministério Público como era o trabalho de “cooptação” de gestores municipais e que as propinas pagas eram equivalentes a 10% sobre o valor dos contratos. Segundo ele, “quando a Coaf atrasava (as comissões), devido a dificuldades financeiras, eram feitas retaliações e ameaças”.

    “As apurações demonstraram que Marcel trabalhou em duas frentes para a Coaf. A primeira, num contrato firmado com a Secretaria de Educação do Estado, onde aparentemente se deu a participação de ‘Moita’, e a segunda, em contratos firmados com Prefeituras”, afirma o relatório policial.

    Escutas
    Numa interceptação de 4 de dezembro do ano passado, o então assessor de Edson Aparecido sugere a Ferreira Júlio que ele peça o reequilíbrio financeiro de contrato de merenda, e não aditamento. Santos contou que tinha falado antes com Fernando Padula, na época chefe de gabinete da Educação, de quem disse ter recebido a orientação. Em entrevista ao Estado na semana passada, Padula negou ter feito a sugestão.

    “As interceptações trouxeram a lume a participação no esquema dos indivíduos apontados como ‘Moita’ e ‘Alex'”, destaca o inquérito. “Marcel menciona mais de uma vez que Alex, que seria da executiva do PMDB, iria fazer o primeiro contato com prefeitos para depois a prefeitura ser visitada pelos vendedores da Coaf. A partir daí, o órgão público é visitado, já com a proposta da comissão, negociada de acordo com o valor do contrato pactuado.” O relatório assinala que “os valores enviados em espécie para Marcel pelo vendedor César (Bertholino, também investigado no caso) se deu em razão do contrato firmado entre a Coaf e a Secretaria de Educação”.

    O documento, de 7 de janeiro, é subscrito pelos delegados de polícia Mário José Gonçalves, presidente do inquérito, Paulo Roberto Montelli e João Vitor Silvério.

    “Sobre este tema o investigado Marcel se refere diretamente ao indivíduo apontado como ‘Moita’ e conversa com ele sobre o assunto. As informações trazidas por eles mesmos nas conversas se trata de Luiz Roberto dos Santos, atual chefe de Gabinete da Casa Civil de São Paulo, conhecido também por ‘Luiz Moita’, o qual demonstra nas conversas interceptadas saber e interferir nos assuntos de interesse da Coaf e que estaria agindo diretamente num contrato da cooperativa com o Estado, cujo reajuste de preço deveria ser tratado como reequilíbrio financeiro”, continua o documento.

    Segundo a Polícia, os grampos “demonstram que Moita mostra claramente estar íntimo de César e que se imiscui, profundamente, nos assuntos da Coaf”.

    Procurado, o ex-chefe de gabinete da Casa Civil do governo Alckmin Luiz Roberto dos Santos não retornou contatos da reportagem. Os outros citados não foram localizados.

    As informações são do jornal “O Estado de S. Paulo”.

  15. Governo de SP demite chefe de gabinete da Secretaria de Esportes1
    Estadão Conteúdo De São Paulo 01/02/201619h31
    Ouvir texto

    0:00
    Imprimir Comunicar erro
    Márcio Fernandes/Estadão Conteúdo
    Geraldo Alckmin, governador de São Paulo
    Geraldo Alckmin, governador de São Paulo
    O governador Geraldo Alckmin (PSDB) mandou demitir o chefe de gabinete da Secretaria de Esportes, Aildo Rodrigues (PRB-SP), após receber denúncias de que ele estaria pedindo contribuições partidárias a correligionários com cargo em comissão. A Secretaria de Esportes informou, no entanto, que foi Rodrigues quem pediu exoneração.

    Rodrigues ocupava o cargo desde dezembro de 2014, quando o PRB assumiu o comando da pasta. O atual secretário é Jean Madeira, que é pastor da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD). A exoneração foi publicada na edição desse sábado (30), do Diário Oficial.

    A decisão de pedir a demissão de Rodrigues foi tomada após o governo ter recebido uma carta anônima na qual apontava que o chefe de gabinete pedia dinheiro para o partido a funcionários em cargos comissionados que também eram filiados ao PRB. As denúncias foram encaminhadas pelo Palácio dos Bandeirantes à Corregedoria-geral da Administração (CGA), que apurou o caso.

    Em nota, a secretaria comunicou também que Aildo pediu exoneração para poder se dedicar à coordenação da campanha de Celso Russomanno à Prefeitura de São Paulo.

    Procurado pelo jornal “O Estado de S. Paulo”, Rodrigues classificou as denúncias como “absurdas” e disse que estava cumprindo uma função que é inerente ao cargo de tesoureiro da legenda. “Isso é um absurdo. Não tem nada a ver. É inerente à minha função de tesoureiro. Não tem sentido”, afirmou o chefe de gabinete.

  16. Corregedoria investiga 11 PMs por achacar traficantes e revender drogas em SP33
    Estadão Conteúdo Em São Paulo 01/02/201608h40
    Ouvir texto

    0:00
    Imprimir Comunicar erro
    A Corregedoria da Polícia Militar investiga policiais do 2º Batalhão, na zona leste de São Paulo, por suspeita de formação de quadrilha. Onze PMs foram indiciados por achacar traficantes, roubar drogas de pontos de tráfico para revender depois, forjar flagrantes em troca de propina, cobrar mensalidade de casas de bingo e até matar. Na maioria dos crimes, eles estavam em serviço.

    O inquérito policial militar da Corregedoria, ao qual a reportagem teve acesso com exclusividade, mostra que os crimes foram descobertos, ao longo de nove meses, por meio de escutas autorizadas pela Justiça.

    Em dezembro, foram decretadas as prisões da tenente Beatriz Marandola da Silva; dos cabos Bruno Marandola da Silva (seu irmão), Ricardo de Nofre, Raphael Mendes Sparapani Oliva, Erick da Silva Andrade, Pedro Henrique Santos da Silva; dos soldados Aquiles da Silva Duarte, Rafael Lima de Albuquerque, Marcio Henrique de Campos, Anderson Teixeira Lopes; e do sargento Reinaldo Luiz José de Lima. Erick e Pedro pertencem ao 29º BPM.

    A apuração começou em abril do ano passado, depois que os promotores do Grupo Externo de Controle da Atividade Policial (Gecep) acionaram a Corregedoria quando descobriram que PMs estavam agindo com um informante que se passava por investigador do Departamento de Investigações Criminais (Deic) para cobrar propina de criminosos.

    Segundo o grupo, o falso policial apurava nomes e endereços de bandidos, principalmente traficantes, para que os PMs exigissem dinheiro. Em seguida, faziam a partilha.

    Escutas revelaram que um criminoso, relutante em dar dinheiro para os PMs, pode ter sido assassinado.

    A apuração concluiu que eles descobriram que o informante era um falso policial e passaram a extorquir dinheiro dele. Ele, em depoimento aos promotores, revelou que pagou R$ 35 mil para não ser preso ou denunciado.

    Sequência de crimes
    De abril a dezembro do ano passado, os suspeitos praticaram pelo menos dez crimes, segundo as investigações da Corregedoria.

    Em agosto, segundo o órgão, a tenente Beatriz e os demais PMs de sua equipe tentaram forjar flagrante de tráfico de drogas contra dois jovens que foram pegos com R$ 28.780 em uma sacola e uma pequena porção de maconha.

    As escutas mostram que o cabo Bruno se prontificou a buscar um quilo de maconha na casa do soldado Albuquerque para imputar mais crimes aos jovens. “Se for precisar mesmo, eu te ligo”, disse a tenente em conversa por celular com seu irmão. Ela desistiu da ideia.

    No mês seguinte, os cabos Bruno, Nofre e o soldado Albuquerque abordaram dois suspeitos em um ponto de tráfico em Ermelino Matarazzo, na zona leste, mas apenas um foi preso.

    Eles disseram no 24º DP que o rapaz foi surpreendido com 20 trouxas de maconha, R$ 65 e 135 pinos de cocaína. As escutas, porém, revelaram uma história diferente. O rapaz, na verdade, foi pego depois de comprar duas pequenas porções de um traficante conhecido como “Tô”.

    Os dois foram achacados pelos PMs, que exigiram mais drogas, armas e dinheiro para liberá-los. O traficante pagou a exigência e foi solto. O rapaz ficou preso. Se fosse levado ao DP com duas porções de maconha, seria considerado usuário.

    Negociação
    Os corregedores também flagraram o cabo Raphael negociando porções de cocaína. Em outubro, ele telefona para um amigo e diz que pegou 20 pinos da droga prontos para venda. Em outra ligação, ele revela que conseguiu a cocaína depois de um acordo com traficantes. Para a Corregedoria, o PM roubou a droga.

    Ainda em outubro, os soldados Campos e Lopes localizaram uma casa de bingo, na Ponte Rasa, zona leste. Segundo a Corregedoria, os PMs junto com o sargento Lima pediram propina ao proprietário para não levar o caso até o DP. Por telefone, Lopes diz para Campos “arrebentar” e pedir “cincão” (R$ 5 mil) por mês.

    Funcionários do local confirmaram aos corregedores que, no dia da blitz, os policiais conversaram com o proprietário em um local reservado e foram embora em seguida. Os depoimentos aconteceram apenas em janeiro, quando o endereço do bingo foi descoberto. A Corregedoria apreendeu máquinas caça-níqueis.

    Na semana passada, a Justiça Militar mandou soltar a tenente Beatriz e os cabos Pedro e Erick. Eles respondem em liberdade. Os demais continuam no Presídio Militar Romão Gomes. As informações são do jornal “O Estado de S. Paulo”.

  17. Policiamento de previne violência doméstica e homicídio passional ?
    .
    Esse KOJAK é um piadista mesmo…
    .
    logo logo estará no quadro da PRAÇA É NOSSA !!

  18. ADOREI A FRASE.. EU TENHO FILHOS GÊMEOS…
    .
    COMPAROU PC e PM aos filhos dele…
    .
    esse é o verdadeiro PADRASTO…
    .
    VÁ DE RETRO KOJAK !!

  19. Homicídio de butequim, de pingão?????Violencia de marido que espanca a mulher em casa???? A violencia é aquela que está nas ruas, nos assaltos, nos latrocínios onde quem perde é sempre a população, e ultimamente, nós policiais. Quando assaltados e identificados não há jeito, quando não, somos caçados na região onde moramos ou nos bicos. É essa violencia que atinge à todos nós!!!! Muita impunidade prá bandido crescer do jeito que está………

  20. Não precisamos de aumento, temos a recolha das máquinas do bicho dos desmanches e agora aprovado pela cúpula da corregedoria pois se o ex sabia que tinha e agora está lá e tem kkkkk ou seja tudo acertado, parem de reclamar e vamos
    Roubar também a polícia é feita de acerto , vê-se aqui tem tira da fazendaria reclamando, do dppc do deic, eles só entram para ler e se cobrir das caguetagem e tentar subornar para pegar ips porém sem sucessos

  21. Será lembrado como o SSP do reajuste zero e como o SSP do grupo de estudo eterno.

  22. E o nosso reajuste senhor KOJAK?

    E os senhores representantes de classe, Cidinha, Marilda -como fica nosso reajuste?

  23. Agora com os dinossauros indo até os 75 acabou mesmo de vez com a PC

    Bem faz a PM que aposenta cedo os estrelados

  24. Por que a Fundação Casa Recebe Presos de Madrugada e com Funcionários terceirizados e Desarmados, e a Penitenciária Não Recebe Presos de Madrugada, sendo que há Agentes de Muralha com Fuzil Famae?

  25. Porque a SAP manda e desmanda na PC, na verdade enquanto estes delebostas ficarem ai preocupados com sua cadeiras, a PC está este lixo que você está vendo,a PC acabou, já era mano.

  26. Não sou irmão de corrupto, nem de filhos da puta…

  27. Como pode!! Tanto tempo sem aumento, se é que posso dizer aumento..o certo seria ao menos dissidio anual, pois cada ano que passa ficamos mais pobres, todas as contas aumentaram , esse ano só de mensalidades escolares, perua e aluguel tive um aumento de 460,00 sem contar no supermercado que tudo está mais caro, poxa não tenho como manter tudo isso se o salário não acompanha. Não estamos pedindo nada além do essencial, ninguém vê isso????
    Estou muito triste, quando vejo os aumentos da até vontade de chorar. Sei que tem inumeras pessoas desempregadas, mas se eu deixar de pagar escola, terei que colocar na pública ( menos emprego nas escolas e mais gasto para o governo), se deixo de contratar a perua escolar o perueiro tb fica sem salário, tudo vira uma bola de neve…então aos responsáveis por estes cálculos, não deixem de pensar nestas questões….
    Desabafo de uma trabalhadora, mãe e estudante ( pago minha faculdade integral, não há benefício nenhum como bolsas para nós funcionários)

  28. Nem perco tempo lendo o que este cidadão(a) fala, é um verdadeiro x-tudo de padoca, está secretário da segurança, mas poderia estar na secretaria da cultura, transporte, justiça, é equilibrista por profissão, nunca disse a que veio.
    Em todos os cargos em comi$$ão que ocupou, é sempre mais do mesmo, so tro, lo.lo…
    Sempre tem em vista a próxima cadeira que quer e pode ocupar, onde houver uma boca rica lá estará este cidadão.
    Ideologia, compromisso, seriedade passam longe dele, como não consegue resolver nada, á que não tem compromisso com nada, a sua única e principal estratégia é a criação de um GRUPO de estudos, que nunca chegam a lugar nenhum, este é o perfil dos secretários de segurança na gestão PSDBosta.

  29. IML de Campinas reduz horários e fecha plantão

    Com déficit de funcionários, especialmente de médicos legistas, o Instituto Médico Legal (IML) de Campinas reduziu o período de atendimento ao público e ficará fechado a partir da meia-noite. Os casos de flagrante, prisão cautelar e embriaguez serão atendidos, a partir de agora, das 9h às 11h e das 22h às 24h na sede do IML, no complexo da 1º Delegacia Seccional, na Avenida Andrade Neves.

    Exames de corpo de delito poderão ser feitos também das 5h30 às 6h30 no necrotério do Cemitério dos Amarais. Para o público, o instituto abrirá apenas na parte da tarde, das 14h às 18h. Durante a madrugada, só haverá atendimento em situações excepcionais e o delegado convocará o legista por celular.

    O novo horário começou nesta segunda-feira (1º), mas os policiais civis das delegacias que fazem o encaminhamento ao IML afirmaram que não foram avisados e muitas vítimas tiveram que esperar pelo atendimento até cinco horas de segunda.

    O IML de Campinas atende também as cidades de Paulínia, Valinhos, Vinhedo e Indaiatuba. Até sexta-feira passada, o expediente ao público funcionava de segunda a sexta-feira das 9h ao meio-dia e das 14 às 18h, com plantão das 18h às 6h para casos de flagrante e embriaguez.

    Diariamente, o IML faz uma média de 60 atendimentos, 20 deles de presos. Até julho do ano passado, 12 médicos legistas faziam o revezamento em sistema de plantão. Hoje, segundo fontes, do Correio são apenas seis e um deles está prestes a se aposentar. “Precisamos de pelo menos dois médicos trabalhando por dia para atender o público. Com o horário reduzido, não será possível atender a demanda diária”, disse um policial civil.

    “Prestei concurso para atendente de necrotério e fui chamado para assumir o cargo em setembro do ano passado, mas até agora nada. Se faltam funcionários, não entendo por que o Estado não convoca”, disse o desempregado Rafael Adilson Bernardes, que afirma ter pedido demissão do emprego por causa da aprovação no concurso.

    A Secretaria de Segurança Pública do Estado de São paulo (SSP-SP) foi procurada para falar sobre o déficit de funcionários e a redução do horário de atendimento, porém, não retornou até o fechamento desta edição.

    NO OUTRO DIA, SSP ENTRÁ EM AÇÃO….

    Secretário de Segurança barra mudança no IML

    Com déficit de funcionários, especialmente de médicos legistas, o Instituto Médico Legal (IML) de Campinas decidiu reduzir o período de atendimento ao público e o fechamento do plantão a partir da meia-noite. A mudança, que começou a valer nesta segunda-feira (1º), porém, durou pouco. À noite, a Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP) informou, por meio de nota, que o titular da pasta, Alexandre Moraes, determinou que o IML voltasse a funcionar imediatamente no horário normal, sem detalhar as razões que motivaram o anúncio.

    Pela decisão anterior, os casos de flagrante, prisão cautelar e embriaguez seriam atendidos das 9h às 11h e das 22h às 24h na sede do IML de Campinas, localizado no complexo da 1ª Delegacia Seccional, na Avenida Andrade Neves. Exames de corpo de delito seriam feitos também das 5h30 às 6h30 no necrotério do Cemitério dos Amarais. Para o público, o instituto abriria apenas na parte da tarde, das 14h às 18h. Durante a madrugada, só haveria atendimento em situações excepcionais e o delegado convocaria o legista por celular.

    O novo horário chegou a valer ontem, mas os policiais civis das delegacias, que fazem o encaminhamento de casos ao IML, afirmaram que não foram avisados e muitas vítimas tiveram que esperar pelo atendimento até cinco horas.
    “Moro em Indaiatuba e cheguei às 9h. É um descaso o Estado mudar o horário de atendimento e não avisar nas delegacias”, disse J.S., de 21 anos, que sofreu violência doméstica na semana passada e tinha até ontem para entregar o laudo na Delegacia de Defesa da Mulher de sua cidade.

    FONTE: http://correio.rac.com.br/_conteudo/2016/02/campinas_e_rmc/411297-secretario-de-seguranca-barra-mudanca-no-iml.html#

  30. Tenho fé que
    a Polícia Militar tome conta de toda Segurança Pública!

  31. Esse grupo de estudo já fez alguma proposta???

    CICLO COMPLETO PARA A POLÍCIA CIVIL JÁ!!!!!

  32. Super secretário! As penitenciárias estão pianinhas, o PCC vai muito bem. Pela primeira vez na história, o homicídio de políciais é maior do que o da população civil, isto é, se somarmos os efetivos da PM e PC, a taxa de policiais assassinados é maior que a da população. O pior que o policial não pode se defender porque as armas estão com defeito. Viva o PSDB!
    Mudando de assunto: prestaram bem atenção no artigo 6º do DEJEC?

  33. SR. NADA SABE, E AINDA EXISTE ESSA TAL DE” FIGURA” DE D.G !., POIS S.M.J., HÁ MAIS DE UM ANO DESCONHECEMOS, POIS COM RELAÇÃO A “KOJAK”, SÓ LÁ NOS USA. . E, ME AJUDEM AÍ Ó !… ,

  34. AOS SIPOLS QUE ADORAM TOMAR CAFÉ E TIRAR FOTO COM O SECRETÁRIO:

    ” porque eu sei que não se pode dar uma coisa para um e não dar para o outro, não pode favorecer um e desfavorecer o outro, porque nenhum secretário da Segurança consegue andar numa perna só.”

    Se é assim, poruqe até agora a diária de alimentação da PC é 1/3 do valor pago à PM?????????????????????

    Com a palavra nossos queridos sipols, em especial o de Bauru que gosta de conversar com o PSDB.

  35. A população não perde nada, afinal foi ela quem propiciou esse cargo à ele. Não tem outro jeito a população tem que pagar o preço, foi ela quem elegeu o governador. Só assim, através da população, haverá mudanças. Enquanto ela acreditar em PT, PSDB, Big Brother, novela, imprensa etc. ficará tudo como está.

  36. 31/01/2016 09:16

    / Última Atualização 31/01/2016 09:53

    Kaique Barretto

    Prédio que abrigará CPJ de Sumaré é escolhido
    Imóvel fica nas imediações da Praça Manoel de Vasconcellos e ainda está em construção

    Um imóvel ainda em construção, situado nas proximidades da Praça Manoel de Vasconcellos, na região central, foi escolhido pela Delegacia Seccional de Americana para abrigar a CPJ (Central de Polícia Judiciária) que será implantada no município. Embora ainda não haja previsão de quando a nova CPJ passará a funcionar, a reportagem do LIBERAL apurou que a meta é concretizar esse plano até o final do ano. O projeto, que vai unificar os cinco distritos policiais de Sumaré em um mesmo endereço, está em fase de estudos pela SSP (Secretaria de Segurança Pública), que deverá elaborar uma fundamentação jurídica para que a empresa Vivo/Telefônica pague o aluguel do imóvel, orçado em cerca de R$ 45 mil por mês.

    CPJ Sumaré_Portal liberal.com.br
    Prédio de dois andares ainda está em construção; meta da Seccional é concretizar a mudança até o fim do ano, segundo apurou a reportagem do LIBERAL

    João Carlos Nascimento / O Liberal
    Assim que receber o aval e o contrato for assinado, o proprietário do imóvel deverá concluir a obra e depois será “ressarcido” com o recebimento do aluguel. Atualmente, há apenas um “esqueleto” do prédio, que deverá ter dois andares e está situado no cruzamento da praça com a Rua Luiz José Duarte.

    De acordo com o delegado seccional de Americana, Paulo Afonso Tucci, o projeto não terá nenhum custo para o Governo do Estado. O aluguel será pago pela Vivo pelo prazo de, no mínimo, 10 anos, pelo fato de a empresa ocupar um prédio na Rua José Maria Barroca, ao lado do prédio da delegacia, 1ºDP e cadeia, em área que pertence à SSP e foi objeto de concessão por 30 anos. O contrato venceu há sete anos e a empresa não quer deixar o imóvel, onde há mais de 40 mil linhas telefônicas.

    O argumento do governo estadual para implantar uma CPJ em Sumaré, como já aconteceu em Americana em 2014, é que, com a concentração de funcionários no mesmo prédio, o atendimento deve melhorar e haverá mais condições para o trabalho investigativo. A delegacia do município continuará funcionando no prédio atual, assim como a cadeia. O plantão policial provavelmente também não mudará de endereço, segundo o delegado titular de Sumaré, Elias Kobayashi. A Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) continuará em prédio próprio, à Rua Josias Pereira de Souza, também na região central.

    Apesar do novo prédio, o maior desafio para a Polícia Civil de Sumaré continuará sendo a falta de efetivo. O LIBERAL apurou que, atualmente, em todas as unidades policiais do município, existem hoje apenas 19 policiais civis de carreira, entre eles quatro carcereiros, além de outros 25 servidores cedidos pela prefeitura e quatro estagiários.

    Com exceção da Delegacia, 1º DP e cadeia, todos os outros prédios usados pela Polícia Civil são alugados pela Prefeitura de Sumaré, inclusive o imóvel onde funciona o 4º DP, que foi invadido por ladrões na madrugada do Natal do ano passado. No local, não há câmeras de monitoramento. “Há um projeto em andamento para aquisição de vigilância eletrônica naquele distrito”, comentou Tucci. Segundo ele, na futura CPJ, haverá sistema de monitoramento.

  37. Seria bom ele se aconselhar com o ministro da marinha da Bolívia, Seria uma troca de experiência muito legal entre duas pessoas que administram o que não existe!

  38. avisa o secretário que a prefeitura de são paulo( e os demais municípios ) tem na secretaria da saúde um órgão que tem PODER de fechar qualquer estabelecimento em desacordo com as regras de higiene. pronto: 90% dos bares, pastelarias e afins teriam as portas lacradas e a criminalidade, sem se dar um tiro sequer, cairia vertiginosamente….quem tem saco para agir dessa forma?

  39. O Dr. Alexandre de Moraes ficará com a pecha para o resto de sua vida como o pior secretário de segurança pública de todos tempos. Será o secretário “0%”.

  40. ‘É possível prevenir homicídios em SP’, diz secretário de segurança”

    É POSSÍVEL PREVENIR ATÉ TERREMOTO, TSUNAMI, ALTA DA INFLAÇÃO… DIFÍCIL ESTÁ ARRUMAR GENTE COMPETENTE PARA FAZE-LO!

  41. 30 de janeiro de 2016 Publicações Sobre o Sindicato
    Lideranças das Entidades de Classe vão se reunir na sede do SINPOL Campinas, sob coordenação da FEIPOL para discutir o futuro das reuniões de trabalho na Secretaria de Segurança Pública, garantindo assim que todas as Regiões apresentem suas peculiaridades.

    COMEÇOU TARDE

    Trabalhar sozinho não dá. As lideranças estão no caminho certo. Visando a união de desígnios, deixando muito claro ao Governo a mobilização que se avizinha por conta das dificuldades enfrentadas pelos servidores policiais civis. Esperamos que todos os líderes se compenetrem da necessidade de união. Pela classe. Não pela Entidade.

    Poucos chegam à classe especial. Não há reposição salarial. Não se reconhece a Lei 144/15. Cria-se mecanismos contra a integralidade salarial. Absurda e ilegalmente um parecer “autoriza” o governo a tirar a classe conquistada pelo policial quando se aposenta antes de completar 5 anos na classe. Nível universitário anunciado pelo Governador ao lado do Delegado Geral e do SSP abertamente à imprensa totalmente “reconfigurado” um dia depois. Falta de servidores. Excesso de unidades em cidades menores dividindo o quadro e agravando a situação. Entre outras situações.

  42. 30 de janeiro de 2016 Publicações Sobre o Sindicato
    Lideranças das Entidades de Classe vão se reunir na sede do SINPOL Campinas, sob coordenação da FEIPOL para discutir o futuro das reuniões de trabalho na Secretaria de Segurança Pública, garantindo assim que todas as Regiões apresentem suas peculiaridades.

    COMEÇOU TARDE

    Trabalhar sozinho não dá. As lideranças estão no caminho certo. Visando a união de desígnios, deixando muito claro ao Governo a mobilização que se avizinha por conta das dificuldades enfrentadas pelos servidores policiais civis. Esperamos que todos os líderes se compenetrem da necessidade de união. Pela classe. Não pela Entidade.

    Poucos chegam à classe especial. Não há reposição salarial. Não se reconhece a Lei 144/15. Cria-se mecanismos contra a integralidade salarial. Absurda e ilegalmente um parecer “autoriza” o governo a tirar a classe conquistada pelo policial quando se aposenta antes de completar 5 anos na classe. Nível universitário anunciado pelo Governador ao lado do Delegado Geral e do SSP abertamente à imprensa totalmente “reconfigurado” um dia depois. Falta de servidores. Excesso de unidades em cidades menores dividindo o quadro e agravando a situação. Entre outras situações.

    ” LEGAL, AGORA SERÃO CRIADOS GRUPOS DE ESTUDO”

  43. Cadê o Reajuste de 2015 ??????????????????

    Pessoal temos família para sustentar não somos máquina !!!!!

  44. Existe no Brasil um advogado que trabalhava para os bandidos do PCC e, graças a importantes serviços prestados a estes bandidos amigos do Lularápio e ligados aos narco-traficantes e às FARC da colômbia, foi nomeado para exercer o cargo de SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA ! Era só o que faltava amigos da Polícia Civil ! Estamos perdidos e mal pagos ! Agora só nos resta clamar ao TODO-PODEROSO para que ilumine as nossas FORÇAS ARMADAS e que elas possam acabar com esta PORCA-VERGONHA, ou seja, que seja instaurada a INTERVENÇÃO MILITAR que DEMITIRÁ sumáriamente TODOS os POLÍTICOS do país, de vereador à presidente da república e que os LESA-PÁTRIA sejam PRESOS e FUZILADOS por crimes que causaram já a morte de 1.860.000 brasileiros além da degradação geral da economia do país !

  45. Sem reajuste de 2015, auxílio alimentação, promoção automática, valorização do Nu realmente está difícil !!!!!

Os comentários estão desativados.