Covardes, burros e arbitrários : Rapaz que criticou a Polícia Militar é preso por desacato em São Paulo 56

Jovens criticam PM nas redes sociais e acabam ‘detidos’ por desacato

Reprodução
Homem que criticou a Polícia Militar é preso por desacato em São Paulo
Homem que criticou a Polícia Militar é preso por desacato em São Paulo

ARTUR RODRIGUES
DE SÃO PAULO
RENATO SOUSA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, DE FORTALEZA (CE)

01/07/2016 12h21 

A crítica foi pelas redes sociais, mas a resposta não veio na caixa de comentários. Dois jovens, um de São Paulo e outro do Ceará, foram buscados em casa e levados à delegacia após se queixarem da Polícia Militar de suas cidades. A justificativa: desacato a autoridade.

O caso mais recente aconteceu nesta quinta (30), em Pedregulho, uma cidadezinha de pouco mais de 15 mil habitantes a 437 km de São Paulo.

Uma agência da Caixa foi assaltada por criminosos na madrugada do mesmo dia. Os bandidos, fortemente armados, trocaram tiros com os policiais militares e fugiram, em um tipo de ação recorrente na região.

O jogador de basquete Wesley Venancio, 19, acordou com o barulho e depois escreveu um post criticando a atuação da polícia, afirmando que os PMs ficaram com “medo” dos criminosos. “Pra pegar os filhos dos outros e bater na cara e outras coisas eles são bons. Aí chega o crime organizado aqui e leva um banco, e os PMs sumiram, cadê? Correu”, escreveu o rapaz.

Na manhã seguinte, PMs foram buscar o rapaz em casa e o levaram à delegacia da cidade para registrar boletim de ocorrência por desacato a autoridade. A reportagem apurou com moradores da cidade que o rapaz foi levado na parte de trás da viatura.

O caso veio à tona porque os próprios policiais postaram uma foto do rapaz de costas, entrando na delegacia com as mãos para trás, ao lado de um PM fardado.

O tenente Ailton Ramos justificou a ação dos policiais na madrugada, afirmando que os bandidos estavam armados com fuzis e que os PMs apenas ” deixaram o local pra se abrigarem e aguardar o apoio”.

“Toda ação tem reação. Este rapaz aí publicou asneiras em sua página no Facebook, foi detido pelos policiais militares cabo Rogerio e soldado Bolonha, logo, conduzido a Delegacia de Pedregulho pra registro de ocorrência de desacato”, escreveu o oficial.

A página de comentários tem várias mensagens de apoio aos policiais pela atitude.

EM CASA

A Folha apurou que, devido à repercussão do caso, o jovem tem evitado sair de casa e faltado aos treinos de basquete. Em sua página do Facebook, ele apagou o post e escreveu “todo mundo erra um dia”.

Questionada sobre a atuação dos PMs, a corporação afirmou que abriu investigação para apurar o motivo da condução do rapaz ao distrito.

Sobre o post feito pelo policial no Facebook, a corporação afirmou: “A Polícia Militar esclarece que todos os policiais militares, dentro de sua liberdade de expressão, podem postar o conteúdo que bem entenderem nas redes sociais, sendo, contudo, os responsáveis por suas declarações e atitudes”.

O comunicado da PM afirmou ainda que “a opinião de um integrante da Polícia Militar não expressa, obrigatoriamente, a opinião da Instituição, tampouco a realidade dos fatos”.

CEARÁ

O outro caso aconteceu em Itatira (176 km de Fortaleza). Um adolescente de 17 anos foi acordado à tarde de um cochilo em casa por uma dupla de policiais. A ordem era vestir uma camisa e entrar no carro dos PMs.

Sem os pais, sentado no banco de trás, o jovem foi levado por 16 km pelos policiais até um posto da PM e, de lá, com um conselheiro tutelar, viajou para outra cidade, onde é levado para a delegacia. O motivo: um dia antes, postou em seu perfil no Facebook críticas genéricas à polícia de sua cidade, Itatira (176 km de Fortaleza).

O episódio, ocorrido no dia 22, provocou revolta nos pais e no garoto –que cogitava justamente prestar concurso para ser policial.

O caso foi registrado como desacato pelos policiais. O post, que foi deletado pelo adolescente assim que os policiais bateram em sua porta, dizia assim, segundo o Ministério Público Estadual, que acompanha o caso: “Aqui em Itatira os roubos acontecem e a polícia não faz nada, e quando faz é para ajudar bandido”.

‘TRAZ A CARRETA’

Para a OAB Ceará, houve excesso da parte dos policiais. “O desacato só pode ser caracterizado pessoalmente”, afirmou o advogado Renato Torres, membro da Comissão de Direito da tecnologia da Ordem. Se confirmada a versão do adolescente, diz, há espaço para um processo administrativo contra os PMs.

O promotor Francisco Lucídio de Queiroz Júnior, que acompanha o caso, disse ver irregularidade no fato de policiais terem conduzido o garoto sem a presença dos responsáveis. Já quanto ao comentário, em sua opinião, o texto postado no Facebook poderia, sim, configurar ato equivalente a calúnia. “Ele atribuiu aos policiais a coautoria de atos criminosos”.

O pai do adolescente discorda. “Se forem prender todo mundo que critica a polícia, é melhor trazer logo uma carreta”. A família pretende levar o caso à Secretaria de Direitos Humanos do Estado.

Depois do episódio, o adolescente disse à Folha que desistiu do sonho de prestar concurso para se tornar um policial militar –ele tem tio e primo sargentos. “Eles não prendem bandido, mas cidadão de bem eles prendem”.

Ainda segundo o garoto, no trajeto até o posto da PM, sozinho com os policiais, ele diz ter sido xingado pelos PMs.

Nem policiais nem os conselheiros tutelares quiseram falar com a reportagem. A Controladoria-Geral de Disciplina dos órgãos de segurança Publica e Sistema Carcerário do Ceará, responsável pela conduta de servidores, em nota, afirmou que instaurou uma investigação preliminar para apurar a possibilidade de “conduta de policiais de Itatira que possa configurar abuso de autoridade”.

A Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Ceará, também em nota, confirmou a registro por desacato, sem dar detalhes, e afirmou que há canais para reclamações em caso de excessos na conduta de policiais.

Missão oficial da PM: “assassinar” os hipossuficientes pretos ou pobres das periferias das cidades deste Estado 44

PM = P(Permissão) para M(Matar).

Desgraça pouca é bobagem. Mata, monta o cenário e rotula a vítima de marginal.

E o Ministério Público que compartilha o governo de SP? Não vi, não sei, até que depois de muita pressão da mídia e da opinião pública, anunciou a conhecida frase:” O Ministério Público vai designar dois promotores para acompanhar as invest………”.

E vem mais por aí. Sumiram com o rapaz lá na zona sul. PM’s fardados e com viatura oficial + PM a paisana de carro particular. Vamos aguardar. Para mudar o foco dos acontecimentos, estão querendo punir a delegada que fez um ofício para a família conseguir as imagens que comprovam o “sequestro” da vítima. Tudo indica que se trata de mais um “assassinado” oficial. E ainda, através de mandatários populares que os representam, querem afastar o ouvidor da polícia, única voz que se levanta contra essa barbárie que se arrasta há décadas neste Estado.

São fatos recorrentes que fazem parte da gloriosa história da “reserva moral” do Estado, ou seja, “assassinar” os hipossuficientes pretos ou pobres das periferias das cidades deste Estado, com promoção de arquivamento das investigações que responsabilizaria seus autores.

Terra da mais completa imunidade penal aos bandidos que integram o poder público.

Gostaria que a imprensa escrita, falada e televisionada, questionasse o Governador, o Ministério Público e o Comando Geral da PM, das razões pelas quais, até a presente data, as viaturas da PM responsáveis pelo policiamento não contam com monitoramento de câmeras que atestem a legitimidade das condutas de seus ocupantes? O Governo, o Ministério Público e o Comando da PM tem medo que elas revelem muito mais casos de tortura e de abusos do que, vez ou outra, a imprensa, a ouvidoria, as câmeras de rua ou a população pobre deste Estado revelam?

MUDA BRASIL

Autor: Amigo do Guerra