Grande operação da Polícia Civil contra o PCC instalado na cracolândia; infelizmente – em razão do Antônio F.P. ter aniquilado os grupos especiais da PC – contou com o auxílio luxuoso da inimiga coirmã 107

Polícia faz operação contra tráfico na cracolândia e mira grupo de sem-teto

ROGÉRIO PAGNAN
ARTUR RODRIGUES
PAULO GOMES
FABIANO MAISONNAVE
DE SÃO PAULO

05/08/2016 09h17 – Atualizado às 15h48

A polícia de São Paulo realizou na manhã desta sexta-feira (5) uma grande operação de combate ao tráfico de drogas em dois pontos do centro de São Paulo, com a participação de 500 policiais civis e militares. A ação teve dois focos, um na cracolândia e outro no Cine Marrocos. Ao menos 32 pessoas foram detidas, segundo a polícia.

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), afirmou que desconhecia a operação da polícia e fez duras críticas ao MSTS (Movimento Sem-Teto de São Paulo). Para ele, os líderes do movimento exploravam os moradores.

Entre os alvos da operação policial estavam lideranças do MSTS, grupo que ocupa o Cine Marrocos. Segundo investigação do Denarc (departamento de narcóticos), elas coordenavam a venda de crack e maconha, respectivamente, na cracolândia e na região da Galeria do Rock, também no centro. O MSTS, criado em 2012, é uma dissidência de outros grupos que lutam por moradia na cidade e já esteve envolvido em outras polêmicas como a cobrança de taxa de famílias –o que não é aceito por parte dos grupos de sem-teto.

OPERAÇÃO POLICIAL

Na cracolândia, pouco antes da ação desta sexta começar, os moradores perceberam a presença das tropas policiais montando a sua formação no entorno e começaram a recolher seus pertences. “Não corre! Não corre! É a polícia, sem correr”, gritavam alguns moradores. “Sem repressão”, disse um viciado, que levantava os braços para a tropa de choque em formação.

A operação policial começou por volta das 8h30, logo depois das equipes de limpeza da prefeitura realizarem a lavagem das ruas com jatos d’água na região da cracolândia. Policiais militares da Tropa de Choque cercaram todo o quarteirão.

Para dispersar os usuários de drogas, policiais da Tropa de Choque atiraram jatos d’água com um veículo blindado e dispararam balas de borracha e bombas de gás. Houve corre-corre e gritaria –alguns poucos usuários de drogas permaneceram dormindo no chão. Os moradores de rua se espalharam pelas ruas paralelas da cracolândia e alguns chegaram até a praça Princesa Isabel.

Depois, policiais civis passaram a arrombar hotéis e estabelecimentos comerciais na alameda Dino Bueno, onde fica o chamado fluxo da cracolândia. Ao menos seis estabelecimentos foram arrombados, com ajuda de aríetes para forçar as portas. “Prenderam uns irmãos do PCC [Primeiro Comando da Capital] lá na Dino e o negócio ficou feio”, dizia, às 10h, um usuário que se deslocou para a alameda Barão de Limeira. “Acho que eles querem acabar com aquele lugar.”

O repórter fotográfico da Folha acompanhou a incursão policial em um dos hotéis. No local, bastante escuro, várias portas foram arrombadas. Uma mulher com uma criança saiu de uma delas bastante assustada. Vários suspeitos e viciados eram retirados dos hotéis, alguns deles aparentando desorientação. Em seguida, eles eram colocados no chão algemados, e posteriormente levados para os carros da polícia. “Entra na viatura, entra”, disse um policial, que bateu o porta-malas do veículo sobre a perna de um dos detidos.

O principal ponto era um hotel na esquina com o largo Coração de Jesus, número 135. No local, além da sigla PCC pichada nas paredes, havia vários símbolos utilizados pela facção criminosa, como o yin-yang e o número 1533.

O delegado divisionário do Denarc, Alberto Pereira Matheus Junior, afirmou que o prédio era um quartel-general da facção criminosa. Ali, disse, operava um tribunal do crime onde eram decididas mortes de traficantes. “Ninguém vende uma droga aqui sem autorização [da facção criminosa]”, diz Pereira. Segundo o delegado, o tráfico na região movimenta R$ 4 milhões por mês.

Os agentes afirmam que aprenderam uma “quantidade muito grande” de crack e maconha –na região são comercializados de 10 a 15 kg de crack por dia, segundo a polícia. No hotel, foi encontrada também munição, além de duas armas de fogo rústicas. “Cadê o Jack Sparrow? É do Piratas do Caribe essa arma”, brincou um policial do GOE.

Pereira afirma que a operação tem mais de dez mil horas de interceptação telefônica. Segundo o delegado, as lideranças do tráfico na cracolândia foram presas durante a madrugada.

REPÓRTER DETIDA

Durante a operação, a jornalista Daniella Laso, da rádio CBN, foi temporariamente detida e teve seu celular apreendido por dois policiais. Em entrevista à rádio, Laso contou que estava filmando a operação quando foi abordada. As imagens feitas pela repórter foram apagadas.

Laso disse que começou a gravar imagens com o celular quando os PMs jogaram bombas de gás em moradores de rua que atiravam pedras contra os agentes. “Um policial chegou abordando o motorista e disse, com violência, para ele sair dali.”

A repórter afirmou que ela e o motorista que a acompanhava usavam crachás de identificação de imprensa, e que o carro da empresa também era sinalizado. “O policial pediu o meu celular e eu disse que eu não poderia entregar porque era meu instrumento de trabalho. Nesse momento o policial abriu a porta e puxou o Carlos, nosso motorista, para fora do carro. Outro policial abriu a minha porta e pegou o meu celular. O policial ficou muito nervoso e disse que ele iria me algemar e me jogar no chão, e que iria me retirar do carro para poder fazer uma abordagem.”

Após sair do carro, Laso teve seus documentos apreendidos, foi revistada por uma policial e avisada que seria levada à delegacia para ser enquadrada por desobediência. Após meia hora, os agentes a liberaram ainda no local e devolveram o aparelho celular, mas as imagens haviam sido apagadas.

Em nota, a CBN afirmou estar perplexa com a ação e que repudia veementemente qualquer tentativa de impedir o trabalho da imprensa. A Secretaria de Segurança Pública ainda não se manifestou sobre o ocorrido.

A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT) também divulgou uma nota de repúdio e solicitou às autoridades uma apuração rigorosa do ocorrido e a punição dos responsáveis.

“Qualquer tentativa de impedir que profissionais da imprensa exerçam seu trabalho deve ser condenada em respeito à liberdade de expressão e ao direito da sociedade à informação” diz a nota.

INVESTIGAÇÃO

A partir da investigação feita nos últimos meses, a suspeita da polícia é que pessoas alvo da operação atuem em sintonia com a facção criminosa PCC. O grupo alvo da operação, segundo investigadores do Denarc, é um dos quatro grandes mapeados na cracolândia, todos ligado ao PCC, e responsável pelo comércio de 100 kg a 150 kg de crack por mês na região.

Com base em interceptações telefônicas feitas com autorização da Justiça, a polícia suspeita da vinculação do MSTS no suporte logístico da facção e do comércio de drogas na cracolândia. O grupo, criado em 2012 a partir de um racha em grupos sem-teto, também é investigado sob suspeita de extorquir famílias sem moradia.

O movimento foi responsável pela invasão do antigo “Cine Marrocos” em 2013. A suspeita do Denarc é de que os últimos andares do imóvel serviria para realização de reuniões do crime organizado, assim com uma hospedaria da rua Dino Bueno, no chamado “fluxo” da cracolândia (onde os usuários de drogas se concentram).

Nos últimos dias, outras seis pessoas já haviam sido presas, e uma delas aceitou ajudar os policiais para apontar os chefes do tráfico e os códigos usados por eles nos telefonemas. Entre os alvos de mandado de prisão estão Robinson Nascimento dos Santos, coordenador-geral do MSTS, Lindalva Silva, vice-presidente do movimento, além do secretário-geral, Wladimir Ribeiro Brito, e da tesoureira, Elenice Tatiane Alves.

CINE MARROCOS

Dezenas de policiais do Choque e da Polícia Civil tomaram o antigo Cine Marrocos, na região central de São Paulo, por volta das 8h30 desta sexta-feira (5), em operação contra o tráfico de drogas.

Os dez primeiros andares do Cine Marrocos abrigam cerca de 300 famílias, que são obrigadas a pagar R$ 200 mensais ao grupo, como revelou a Folha em outubro de 2015. A investigação suspeita que esse dinheiro também era utilizado para compra de droga.

Procurados pela Folha, integrantes do MSTS não haviam se manifestado até a publicação desta reportagem.

Operações e tumultos na cracolândia

A cracolândia já foi alvo de uma série de operações das gestões Geraldo Alckmin (PSDB) e Fernando Haddad (PT) nos últimos anos, mas que não conseguiram impedir a concentração de usuários de crack e a presença dominante do tráfico.

Na região, Estado e prefeitura desenvolvem programas diferentes voltados aos dependentes. O programa Braços Abertos, criado em 2014 pela gestão Haddad, é baseado na redução de danos. O dependente é incentivado, pela oferta de emprego e renda, a diminuir o uso de drogas, sem necessidade de internação. O Recomeço, instituído por Alckmin em 2013, trabalha a saída do vício com tratamentos que incluem isolamento em hospitais e comunidades terapêuticas.

A última grande operação na região, em abril de 2015, transformou o centro em uma praça de guerra e deixou dois usuários e um PM ferido. Houve bombas de gás, barricadas de fogo, furtos a pedestres e depredação de ônibus.

A ação desastrosa foi resultado de uma desarticulação entre prefeitura e Estado. O então secretário estadual da Segurança Pública, Alexandre de Moraes, dizia não ter sido avisado da iniciativa da prefeitura para desmontar a “favelinha” e atribuía os problemas na região a uma questão social, e não policial.

Já Haddad falava que as ações estavam coordenadas e que cabia à polícia a repressão ao tráfico de drogas. À época, a prefeitura comemorou os resultados, dizendo que dependentes haviam deixado a região ou aderido ao programa Braços Abertos.

Dois dias depois, no entanto, a aglomeração de usuários migrou para a quadra ao lado. Na primeira semana, o fluxo chegou a mudar três vezes de lugar. Em agosto, a “favelinha” –desta vez com guarda-sóis além dos barracos com sacos pretos, para esconder o tráfico e o uso dos cachimbos– também voltou.

*

CRONOLOGIA

Jan.2012 PMs fazem operações nas ruas e desocupam imóveis abandonados que eram usados por usuários, usando inclusive bombas de gás. Dependentes que se concentravam na rua Helvétia dispersam para outros pontos da região central

15.jan.2014 Assistentes sociais e funcionários de limpeza da prefeitura retiram usuários de drogas e limpam a rua ocupada por usuários. Segundo a prefeitura, 300 pessoas foram cadastradas no programa Braços Abertos. O tráfico na região, porém, persistiu

23.jan.2014 Três policiais civis à paisana vão ao local para prender um traficante e usuários reagem com paus e pedras. A confusão aumentou com chegada de reforços e dois quarteirões foram isolados. O tumulto terminou com cerca de 30 detidos

11.mar.2014 Frequentadores da região jogam pedras contra guardas da GCM depois da prisão de duas mulheres flagradas por câmeras de monitoramento vendendo drogas na região

27.mar.2014 Depois de três pessoas serem presas por tráfico de drogas, segundo a PM, um grupo de usuários depreda quatro carros da polícia com pedras e paus. Polícia revida com bombas

18.set.2014 Policiais militares atiram bombas contra usuários de crack após dependentes jogarem pedras em guardas-civis e funcionários da prefeitura que faziam limpeza na região

6.dez.2014
Durante embate com usuários, pelo menos cinco veículos da GCM (Guarda Civil Metropolitana), segundo a prefeitura, são depredados por dependentes de crack

29.abr.2015 Uma operação desarticulada e desastrosa da prefeitura e do governo do Estado para desmontar a cracolândia transforma o centro em uma praça de guerra, com bombas de gás, barricadas de fogo, furtos a pedestres e depredação de ônibus. Dois dias depois, fluxo retornou à quadra ao ladoi

  1. Essa coisa de castas, ou carreiras, não dá certo!

    Só cria burocracia, desvaloriza a experiência, o conhecimento técnico e o empenho. E ainda cria divergências e atritos desnecessários. Faz mal para os policiais, prejudica a Instituição e dificulta significativamente o trabalho policial, fazendo a polícia ficar muito cara e ineficiente.

    CARREIRA ÚNICA, de 5a à 1a classe, ou mesmo até especial, é uma das necessidades da Polícia, com critérios objetivos de promoção (números, como números de IPs feitos, número de prisões, número de operações etc. Nada de cartinha de titular, porque aí quebra a meritocracia).

    Assim como Segurança Jurídica (ninguém vai prender estelionatário, bicheiro e até traficante sabendo que pode ser demitido por isso).

    Direitos trabalhistas de praxe, como hora extra.

    Só isso já faria uma diferença que nem é possível imaginar, mas comparando com outros países… nem vou sonhar tão alto.

    Depois dessas reformas e com resultados importantes na Segurança Pública, fica muito mais fácil pedir aumento de salário. Do jeito que está, não acho que um governador (qualquer um, não estou falando do Alckmin) daria aumento de verdade, porque como iria justificar para a sociedade?

  2. O Escriboy não é Escrivão de Polícia pq se fosse não seria tão arrogante, tbm não escreveria tão mal e vulgar. Dá mesma maneira não escreveria coisas fora do assunto e desconexa. Aposto que é um Burro de Cabresto por falar Cada um no seu Quadrado. Vou explicar aos Burros do Quadrado da Polícia – 1° A Polícia Civil é investigativa visa a infiltração, serviço velado; 2° A Polícia Científica é tecnológica visa a investigação em material, corpos e objetos; 3° A Polícia Militar é ostensiva visa a prevenção; 4° Penitenciária é penal visa o cumprimento de pena estipulada pela Justiça; 5° GCM é policial municipal visa o policiamento do patrimônio municipal. – ISTO É CADA UMA NO SEU QUADRADO – Seu infeliz

  3. VOU PROVAR QUE O ESCRIBOY NÃO É ESCRIVÃO PORQUE ELE ESCREVE MUITO MAL PRA SER OU FOI LAÇADO NO CONCURSO DELE.

    Escriboy em 09/08/2016 às 23:58
    Esse negócio de falar que SÓ so quem TRABALHA trabhana rua sabe de tudo não confere de boa SEM ESPAÇO AQUI ! Sou escriba e trabalho interno como todos os delega e garanto que de COLHAO O QUE É colhao ou não me garanto ! Feedback

    Escriboy em 10/08/2016 às 0:01
    Sem vaidade polícia POLICIAL É e polícia POLICIAL merda na rua todos os cargos fazem SEM ESPAÇO AQUI !!!!! Nos últimos anos não escutei escriba ou Delega fazendo besteira na rua , casos mínimos são relevantes !!! SEM ESPAÇO DE NOVO NEM PARECE QUE ESCREVE.

    Escriboy em 10/08/2016 às 0:09
    Parabéns a minha classe homens que MEXEM mechem com papel sejamos ocultos como Delegados, Juízes etc….
    Nos NÓS apresentamos no momento certo temos força DE prender na rua qualquer um do povo pode fé pública temos nos !!!!! PÉSSIMA SINTAXE.
    Muito sucesso e saúde a nossas famílias apesar de não termos maior valorização salarial!!!

    A ignorância fica para poucos como um jogo de xadrez que amo, os piões vão na frente !!!

    Colega onde você viu essa notícia tão agradável para nossa tão honrosa POLÍCIA policia que sempre tentamos dar o melhor, APESAR apesarmos de não ter o reconhecimento devido.

  4. alguem ja avisou o SECCIONAL CENTRO,, alertando que 4 tiras dele estao acabando com a area central? extorquindo comerciantes, e tudo da SECCIONAL mesmo, do lado dele e nao ve?

    Celeção Holímpica disse:

    nao pudemos aprender as maquinas, seccional centro virou maquina de grana. os caras que recolhiam para aquele tal caipira estão la ainda uns no 1 dp e o resto tudo na sede, gosado é o delegado seccional nao ver o que esta acontecendo na rua rsrsrsrsrs

    NAO PODEMOS ACEITAR UM DELEGADO SECCIONAL SER CONIVENTE COM TUDO ISSO, QUEM PUDER PASSA PARA ELE QUE TEM UNS 3 RECOLHAS LA QUE ESTAO USANDO O NOME DELE UM DE CABELO BRANCO UM DE COR, E UM COM PELE MORENA KKKKK

    ACHO QUE O CHEFE DOS TIRAS E O SECCIONAL NAO SABIAM DESSA KKKK NEM DA PAJE NEM DAS MOTOS

    ME AJUDA AI OHHH

    AVISA LA ELES ALGUEM

    Afh…..como tem cagueta invejoso nesta merda.

  5. Carcereiro – GOE de Santos –

    Até que escrevi bem para quem estava ingerindo bebida alcoólica no ato da digitação kkkkkkkkkkkkkkkjk

    Agora sai da minha ABA nem Policia tu és

O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do comentarista que venha a ofender, perturbar a tranquilidade alheia, perseguir, ameaçar ou, de qualquer outra forma, violar direitos de terceiros.O autor do comentário deve ter um comentário aprovado anteriormente. Em caso de abuso o IP do comentarista poderá ser fornecido ao ofendido!...Comentários impertinentes ou FORA DO CONTEXTO SERÃO EXCLUÍDOS. Contato: dipolflitparalisante@gmail.com

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s