Em CPI da Merenda, deputado Olim demonstra que: TODO DELEGADO QUER APARECER 25

Em CPI da Merenda, ex-membros da Coaf acusam investigadores de coação

Reprodução
14.04.2016 - Mafia da merenda - Carlos Luciano Lopes, alvo da operacao Alba Branca, aparece em foto com dinheiro que teria recebido do esquema de fraude. Foto divulgacao ***DIREITOS RESERVADOS. NÃO PUBLICAR SEM AUTORIZAÇÃO DO DETENTOR DOS DIREITOS AUTORAIS E DE IMAGEM***
O ex-vendedor da Coaf Carlos Luciano Lopes, que depôs nesta terça (16) na CPI da Merenda

REYNALDO TUROLLO JR.
DE SÃO PAULO

16/08/2016 20h29 – Atualizado às 21h22

Dois ex-integrantes da cooperativa suspeita de fraudar a merenda escolar em São Paulo prestaram depoimento, nesta terça (16), à CPI que apura o caso na Assembleia Legislativa. Eles isentaram políticos e servidores estaduais de participação no esquema e acusaram um promotor e três delegados de polícia de ameaça e coação.

Foram ouvidos Carlos Alberto Santana da Silva, ex-vice-presidente da Coaf, e Carlos Luciano Lopes, ex-vendedor da entidade. A Coaf firmou contratos com prefeituras e com a Secretaria Estadual da Educação do governo Geraldo Alckmin (PSDB).

Ao final da sessão, o deputado Barros Munhoz (PSDB) afirmou que houve um “complô” entre delegados de polícia e promotores com o objetivo de desgastar o governo. O tucano também criticou a cobertura da imprensa.

Silva, ex-vice-presidente da Coaf, confirmou que ouvia o ex-presidente Cássio Chebabi e o lobista Marcel Ferreira Julio dizerem que parte da propina dos contratos com o Estado era repassada ao deputado estadual Fernando Capez (PSDB).

Silva também relatou que Chebabi e Marcel diziam que outros políticos ganhavam “comissão”, como os deputados federais Baleia Rossi (PMDB-SP) e Nelson Marquezelli (PTB-SP). Todos negam envolvimento no caso.

Na opinião de Silva, porém, o dinheiro não chegava até os agentes públicos. “Não havia esse tipo de repasse [para políticos]. Para mim, [Chebabi e Marcel] ficaram com o dinheiro para eles”, disse.

O depoimento foi diferente do concedido ao Ministério Público e à Polícia Civil em janeiro, quando foi deflagrada a operação Alba Branca. Naquela ocasião, Silva havia dito, conforme os registros, que podia afirmar que parte do dinheiro ia para Capez.

Questionado sobre a aparente contradição, Silva respondeu que, em janeiro, estava sob ameaça do promotor Leonardo Romanelli, que investigou o caso em Bebedouro (SP), onde a Coaf tem sede.

“O doutor Romanelli foi claro: ou assina [o depoimento] do jeito que está ou continua preso”, disse o advogado de Silva, Rogério Valverde, que o acompanhou na CPI.

Procurado, o promotor negou a acusação. “O depoimento dele foi todo gravado. Ele está mentindo e serão adotadas as providências contra ele”, disse Romanelli.

EX-VENDEDOR

O depoimento Lopes foi na mesma direção do de Silva, mas com alvos diferentes. Lopes atacou os delegados de polícia que iniciaram a investigação.

Segundo o ex-vendedor, os delegados de Bebedouro o coagiram para que ele incriminasse políticos em seu depoimento. Lopes é o ex-funcionário da cooperativa que foi fotografado sorrindo com maços de dinheiro na mão –a imagem veio a público em abril.

“O senhor acha que eles [delegados] quiseram ser um Sergio Moro [juiz responsável pela Lava Jato]?”, perguntou o deputado Delegado Olim, integrante da CPI. “Eles queriam aparecer?”

“Eu senti que, para que esse caso tivesse notoriedade, eles precisavam fazer algo assim, e fizeram. A Polícia Civil não podia ter aberto esse inquérito, porque desde o início eles sabiam que as verbas eram federais”, respondeu Lopes, repetindo uma das críticas recorrentes que deputados da base de Alckmin têm feito à operação Alba Branca.

Em junho, a apuração referente às prefeituras paulistas passou da esfera estadual para a federal, porque, segundo as autoridades, descobriu-se que 92% do dinheiro pago à Coaf veio do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação), um fundo federal.

Lopes afirmou que prestou queixa à Corregedoria da Polícia Civil contra os delegados que o investigaram. A Folha não conseguiu localizar os policiais até a publicação desta reportagem. Na semana passada, em depoimento à CPI, eles negaram irregularidades na investigação.

Questionado sobre um carro da Coaf que, conforme depoimentos, foi cedido para a campanha de Capez em 2014, Lopes afirmou que o veículo saiu da cooperativa em junho daquele ano e só foi devolvido em dezembro.

Ainda segundo Lopes, o lobista Marcel lhe disse que o carro era para Jéter Rodrigues Pereira, assessor do gabinete de Capez à época. O tucano nega que o carro tenha sido usado em sua campanha.

Ex-membros da Coaf estão divididos sobre a participação de políticos no suposto esquema. A CPI ainda não ouviu o ex-presidente da Coaf Cássio Chebabi e o lobista Marcel, que acusaram políticos em seus acordos de delação premiada já homologados pela Justiça.

‘COMPLÔ’

Para o tucano Barros Munhoz, os depoimentos desta terça deixaram evidente que houve um “complô” entre promotores e delegados para atingir o governo do Estado.

“Ficou totalmente desmascarada a tese da máfia da merenda do governo do Estado. Indiscutivelmente [houve um complô entre policiais e promotores]. Acho que qualquer pessoa de bom senso chega a essa conclusão”, declarou.

Questionado sobre o carro da Coaf supostamente emprestado à campanha de Capez, Barros Munhoz irritou-se. “Isso é uma questiúncula tão minúscula que não tem sentido alguém fazer uma pergunta dessa. Não é essa a discussão num país onde se roubam milhões”, respondeu.

  1. Filme triste de se ver.

    O presidente da Comissão, com procuração do governo tucano para atacar, tem um primo delegado de polícia e como membro efetivo da comissão outro delegado de polícia.

    Qual a estratégia a ser adotada para abafar a “ROUBALHEIRA” que transformou a merenda escolar em alguns biscoitos e “tódinho”. ” Vamos desqualificar as investigações, desprestigiando o minucioso trabalho feito por delegados e pelo promotor de justiça do caso” . Como? Convencendo testemunhas a dizerem que falaram ou assinaram mediante tortura, pressão psicológica, vamos convencê-las a mentir a vontade, porque em CPI brasileira e paulista vale tudo.

    Vai o nosso desagravo a esses valorosos delegados e ao promotor de justiça que atuaram com absoluto profissionalismo e isenção política na apuração dos fatos.

    Por conta de fatos assim, firmamos o sólido convencimento de que o projeto anticorrupção do Ministério Público Federal, infelizmente, não tem a menor chance de prosperar nessa terra tupiniquim lotada de mandatário popular batedor de carteira.

  2. Essa conversa e dita por quase todos os clientes no dp pois todos são inocentes e foram pegos de laranja ou a polícia intrujou provas e fizeram o co.complô.não importa ladrão comum ou de colarinho branco quando a casa cai a conversa e a mesma.

  3. PODER JUDICIÁRIO
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO
    Vistos,relatados e discutidos estes autos deAPELAÇÃO CÍVEL n° 136.735-5/0-00,da Comarca de SÃO PAULO, em que é apelante FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO, sendo apelada ASSOCIAÇÃO DOS DELEGADOS DE POLÍCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO:ACORDAM,em Sexta Câmara de Direito Público doTribunal de Justiça do Estado de São Paulo, proferir aseguinte decisão: “negaram provimento aos recursos, v.u.”, de conformidade com o relatório e voto do Relator, que integram este acórdão.O julgamento teve a participação dos DesembargadoresAFONSO FARO (Presidente) e OLIVEIRA SANTOS.São Paulo, 3 de dezembro de 2001.TELEES CORRÊARelatorACÓRDÃOVOTO N° 14794APELAÇÃO CÍVEL N° 136.735.5/0-00APELANTE: FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULOAPELADA : ASSOCIAÇÃO DOS DELEGADOS DE POLÍCIA DOESTADO DE SÃO PAULO.Trata-se de reexame necessário, afora recurso, em face de sentença proferida em autos de mandado de segurança coletivo, em que restou outorgado o writ, ora insistindo a impetrada na denegação da ordem, ponderando padeça de congruência o raciocínio desenvolvido na sentença limitador da atividade da polícia judiciária, excludente do transporte e escolta de presos, limitando-se, conseqüentemente, à função de polícia judiciária e apuração de infrações penais, porquanto, se assim fosse, igualmente, defeso aos impetrantes seria a atividade do licenciamento e registo de veículos, emissão de carteiras de habilitação, de identidade e expedição de porte de arma, aduzindo, linhas adiante, estenda-se o desempenho funcional dos impetrantes na produção de provas, cumprimento de mandados de prisão custódia de presos, além da condução destes ao Fórum para audiência, processado o recurso comoferta de contra-razões, manifestando-se o órgão do Ministério Público, de ambos os graus, pela manutenção do julgado.É o relatório.A sentença merece ser prestigiada.Conforme assinala a ilustrada Procuradoria Geral de Justiça, em seu lúcido parecer, que fica fazendo parte integrante deste voto, o art. 144, § 4o, da Constituição Federal, comete à polícia civil, chefiada por delegados de carreira, “as funções de polícia judiciária e a apuração de infrações penais, exceto as militares”. Ora, nisso não se inclui o transporte e a escolta de presos, atividade muito mais amoldada às funções de policiamento ostensivo e manutenção da ordem pública, cometidas constitucionalmente à polícia militar (§ 5o). Isso já se viu reconhecido em precioso precedente jurisprudencial originado de ação semelhante promovida pela associação de escrivães de polícia contra a mesma resolução: “Mandado de Segurança. Resolução Conjunta SSPSAP, de 30.6.95, determinando escolta de presos, além de outras atribuições. Procedimento que caracteriza em policiamento ostensivo, afeto à Polícia Militar do Estado de São Paulo”. O argumento utilizado na apelação – a polícia civil já exerce funções que se incluem nas atribuições constitucionais (como o licenciamento de veículos, v.g.), de que, com certeza, não pretende ser dispensada – é menor e não interfere com a solução a ser dada na questão aqui posta. Eventual irregularidade na atribuição de outras funções não obrigam, por óbvio, os policiais civis a aceitar tarefas que não incluem entre aquelas para as quais se prepararam.Em assim sendo, há de se convir em que a Resolução SSP-SAP, de 30.6.95, em seus arts. 1o, caput, 2°,4°, inciso I e parágrafo único, 6° 7o e 10° afrontam o art. 144, §§ 4o e 5o, da Constituição Federal, daí a insubsistência daqueloutras normas.Nega-se, assim, provimento ao reexame necessário e ao recurso.São Paulo, 19 de novembro de 2001.TELLES CORRÊARelator
    Postado por Coragem e Transparência às 18:01 0 comentários
    Quinta-feira, 17 de Julho de 2008

    Constitucional n. 20/1998.Sustenta que o art. 1º, inc. I, da Lei Complementar n. 51/1985, não teria sido recepcionado pela Emenda Constitucional n. 20/1998, por adotar requisitos e critérios diferenciados para a concessão de aposentadoria a servidores cujas atividades não são exercidas exclusivamente sob condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física.3. O tema constitucional tem relevância jurídica e ultrapassa o interesse das partes, pois diz respeito à revogação de dispositivo legal que disciplina a aposentadoria de uma das categorias com maior número de servidores públicos do País.4. Pelo exposto, manifesto-me pela existência de repercussão geral da questão constitucional suscitada no recurso extraordinário, em razão do pleno atendimento do art. 543-A, § 1º, do Código de Processo Civil e submeto-a à apreciação dos Pares deste Supremo Tribunal.Brasília, 7 de dezembro de 2007.
    Ministra CÁRMEN LÚCIA
    Relatora

  4. Caro Guerra,

    A via rápida adotada pelos coproprietários da empresa PC S/A para não serem incomodados pelas verdades que repercutia e ainda repercute neste blog foi retirá-lo do nosso convívio. Da sua saída até a presente data nada mudou, pelo contrário, tudo piorou e muito.

    O aparelho de segurança do Estado está destroçado e, em sentido contrário, a criminalidade mais organizada e consideravelmente mais bem armada.

    Bandidagem de fuzil automático, carregada de explosivos e polícia de . 40 que “engastilha” ou dispara sozinha.Do tipo que “engastilhou” e levou a vida do grande amigo Gonçalves. Hoje, 17/08/2016, o crime saqueou o município de Santo André. Veículos foram incendiados na mais importante via de ligação do ABC com a capital, a Av. do Estado. O mais incrível! Dois veículos utilizados na fuga dos marginais foram incendiados defronte ao Batalhão da PM do município. Cerca de cento e cinquenta milhões de reais foram roubados dessas empresas transportadoras de valores e o que foi feito até agora? Prenderam alguns peixes pequenos e recuperaram uma quantidade irrisória de dinheiro. Cadê o restante das quadrilhas? Cadê toda essa grana roubada? Cadê as especializadas em investigar crimes dessa natureza? Cadê a inteligência policial? Por que não solicitar auxilio da Polícia Federal? É o 4º grande roubo a empresas de transportes de valor neste ano. Será que o governo não percebeu que roubo a caixa eletrônico passou a ser crime de batedor de carteiras?

    São Paulo se transformou literalmente na capital do roubo. Diversas reportagens são veiculadas diariamente em diferentes bairros da capital dando conta do aumento significativo de roubos e furtos e a Secretaria da Segurança Pública só se limita a emitir nota à imprensa, dizendo que nos locais mencionados, a criminalidade está diminuindo e que foram efetuadas “x” prisões. Chegou-se ao absurdo de roubarem e explodirem uma viatura da PM.

    Segurança Pública não é só sentar a bunda na cadeira e ficar gerando planilhas de Excel sobre a variação da criminalidade para tentar explicar o inexplicável, ou seja, o governo dizendo que a criminalidade esta diminuindo ao passo que para o cidadão deste Estado está atingindo uma situação insustentável. O efetivo policial sem reposição e significativa parte dele, principalmente na PM, dentro dos quartéis e gabinetes exercendo funções administrativas.

    Investigação policial em distrito de bairro literalmente acabou. Só se investiga o que a imprensa repercute e, logicamente, tem a equipe de confiança da “chefia” que não deixa de exercer as funções de coletoria da delegacia.

    Policial duplamente desmotivado, profissional e salarialmente, policiais aposentados esquecidos pelo Estado, sem dinheiro sequer para comprar remédios para doenças adquiridas em razão do exercício da profissão.

    A coisa ainda vai ficar pior, mormente quando a única boa notícia que você recebe durante todo o ano é de que o Delegado Geral garantiu o bolsa miséria até dezembro.

  5. Estão reclamando de quê?
    Quem o colocou lá foram os próprios policiais civis, principalmente os delegados.

  6. GENTE !, MESMO MUDANDO DO SUDESTE PARA O NORDESTE, CONTINUO A DIZER SÃO TODOS FARINHA DO MESMO SACO. RAPAZ !, NÃO ESQUEÇO JAMAIS DAQUELA VELHA E VERDADEIRA MUSIQUINHA ” SE GRITAR PEGA LADRÃO, NÃO FICA UM MEU IRMÃO E SE GRITAR PEGAR LADRÃO NÃO FICA UM “. E, ME AJUDEM AÍ Ó !…

  7. Deste jeito, daqui a algum tempo vão dizer que toda a culpa da crise é da Policia Civil de S.P, porque na verdade, todo político é honesto e jamais, aqui no pais das maravilhas, um político se corrompeu.

  8. Rindo muito aqui. É normal o agente delitivo tentar desmerecer ou desqualificar qualquer investigação ou ação penal que contra ele tramite. Todo mundo sabe que quando o violador da lei sente a “água batendo na bunda”, passa espernear e difundir um monte de mentiras visando com isso se safar. Quando se trata da área política é ainda pior. Quem dera que PC fizesse mais investigações desse tipo, igual a PF faz. Se os caras forem culpados, que respondam. Instaurar CPI em cima de inquérito ou investigação do MP é que não pode. É usar poder político indevidamente. Que não esmoreçam os partícipes da investigação. Quem não deve, não teme. Esse negócio de testemunha ficar mudando depoimento é piada. Não assinou o primeiro? Foi sozinho depor (sem advogado)? Duvido! O próprio promotor disse aí na entrevista que foi tudo gravado. No mínimo falso testemunho, então. Tem gente que pensa que está acima do bem e do mal. Coloquem uma coisa na cabeça, todos podemos ser investigados. Se vai ser condenado ou não, é outra história. Poder Judiciário tá aí pra isso.

  9. Rindo muito aqui. É normal o agente delitivo tentar desmerecer ou desqualificar qualquer investigação ou ação penal que contra ele tramite. Todo mundo sabe que quando o violador da lei sente a “água batendo na bunda”, passa espernear e difundir um monte de mentiras visando com isso se safar. Quando se trata da área política é ainda pior. Quem dera que PC fizesse mais investigações desse tipo, igual a PF faz. Se os caras forem culpados, que respondam. Instaurar CPI em cima de inquérito ou investigação do MP é que não pode. É usar poder político indevidamente. Que não esmoreçam os partícipes da investigação. Quem não deve, não teme. Esse negócio de testemunha ficar mudando depoimento é piada. Não assinou o primeiro? Foi sozinho depor (sem advogado)? Duvido! O próprio promotor disse aí na entrevista que foi tudo gravado. No mínimo falso testemunho, então. Tem gente que pensa que está acima do bem e do mal. Coloquem uma coisa na cabeça, todos podemos ser investigados. Se vai ser condenado ou não, é outra história. Poder Judiciário tá aí pra isso.

  10. Delegado contra o PSdb? Piada pronta e de péssimo gosto do fdputad!!! Se Delegado fosse contra psdb a PC não estaria assim! Se Delegado fosse contra o Governo não estaríamos 3 anos sem reajuste! Quem dera fosse verdade, quem dera! Quem dera o PSDB tratasse o restopol como trata os Deltas! A vdd é que o PSDB da tudo pra Delegado e Oficial, em troca espera panos quentes! Quando o pano rasga o delta ta na merda! PARABÉNS DELEGADOS DE PELÚCIA, CONTINUEM DEFENDENDO QUEM PHODE COM SEUS ESCRAVOS SUBALTERNOS! NADA Q VCS NÃO MEREÇAM!!!

  11. Delegado contra o PSdb? Piada pronta e de péssimo gosto do deputado!!! Se Delegado fosse contra psdb a PC não estaria assim! Se Delegado fosse contra o Governo não estaríamos 3 anos sem reajuste! Quem dera fosse verdade, quem dera! Quem dera o PSDB tratasse o restopol como trata os Deltas! A vdd é que o PSDB da tudo pra Delegado e Oficial, em troca espera panos quentes! Quando o pano rasga o delta ta na merda! PARABÉNS DELEGADOS DE PELÚCIA, CONTINUEM DEFENDENDO QUEM PHODE COM SEUS ESCRAVOS SUBALTERNOS! NADA Q VCS NÃO MEREÇAM!!!

  12. Delegado contra o PSdb? Piada pronta e de péssimo gosto do deputado!!! Se Delegado fosse contra psdb a PC não estaria assim! Se Delegado fosse contra o Governo não estaríamos 3 anos sem reajuste! Quem dera fosse verdade, quem dera! Quem dera o PSDB tratasse o restopol como trata os Deltas! A vdd é que o PSDB da tudo pra Delegado e Oficial, em troca espera panos quentes! Quando o pano rasga o delta ta na merda! PARABÉNS DELEGADOS DE PELÚCIA, CONTINUEM DEFENDENDO QUEM PHODE COM SEUS ESCRAVOS SUBALTERNOS! NADA Q VCS NÃO MEREÇAM!!!

  13. Delegado contra o PSdb? Piada pronta e de péssimo gosto do deputado!!! Se Delegado fosse contra psdb a PC não estaria assim! Se Delegado fosse contra o Governo não estaríamos 3 anos sem reajuste! Quem dera fosse verdade, quem dera! Quem dera o PSDB tratasse o restopol como trata os Deltas! A vdd é que o PSDB da tudo pra Delegado e Oficial, em troca espera panos quentes! Quando o pano rasga o delta ta na merda! PARABÉNS DELEGADOS DE PELÚCIA, CONTINUEM DEFENDENDO QUEM PHODE COM SEUS ESCRAVOS SUBALTERNOS! NADA Q VCS NÃO MEREÇAM!!!

  14. Delegado contra o PSdb? Piada pronta e de péssimo gosto do deputado!!! Se Delegado fosse contra psdb a PC não estaria assim! Se Delegado fosse contra o Governo não estaríamos 3 anos sem reajuste! Quem dera fosse verdade, quem dera! Quem dera o PSDB tratasse o restopol como trata os Deltas! A vdd é que o PSDB da tudo pra Delegado e Oficial, em troca espera panos quentes! Quando o pano rasga o delta ta na merda! PARABÉNS DELEGADOS DE PELÚCIA, CONTINUEM DEFENDENDO QUEM PHODE COM SEUS ESCRAVOS SUBALTERNOS! NADA Q VCS NÃO MEREÇAM!!!

  15. Olha a alegria do rato. Tudo roubado da verba das merendas dos alunos deste Estado disse:

    Piada. Estava fazendo o pagamento dos funcionários. Só idiota acredita.

  16. Caro Guerra,

    O aparelho de segurança do Estado está destroçado e, em sentido contrário, a criminalidade mais organizada e consideravelmente mais bem armada.

    Bandidagem de fuzil automático, carregada de explosivos e polícia de . 40 que “engastilha” ou dispara sozinha. O crime saqueou o município de Santo André. Veículos foram incendiados na mais importante via de ligação do ABC com a capital, a Av. do Estado. O mais incrível! Dois veículos utilizados na fuga dos marginais foram incendiados defronte ao Batalhão da PM do município. Cerca de cento e cinquenta milhões de reais foram roubados dessas empresas transportadoras de valores e o que foi feito até agora? Prenderam alguns peixes pequenos e recuperaram uma quantidade irrisória de dinheiro. Cadê o restante das quadrilhas? Cadê toda essa grana roubada? Cadê as especializadas em investigar crimes dessa natureza? Cadê a inteligência policial? Por que não solicitar auxilio da Polícia Federal? É o 4º grande roubo a empresas de transportes de valor neste ano. Será que o governo não percebeu que roubo a caixa eletrônico passou a ser crime de batedor de carteiras?

    São Paulo se transformou literalmente na capital do roubo. Diversas reportagens são veiculadas diariamente em diferentes bairros da capital dando conta do aumento significativo de roubos e furtos e a Secretaria da Segurança Pública só se limita a emitir nota à imprensa, dizendo que nos locais mencionados, a criminalidade está diminuindo e que foram efetuadas “x” prisões. Chegou-se ao absurdo de roubarem e explodirem uma viatura da PM.

    Segurança Pública não é só sentar a bunda na cadeira e ficar gerando planilhas de Excel sobre a variação da criminalidade para tentar explicar o inexplicável, ou seja, o governo dizendo que a criminalidade esta diminuindo ao passo que para o cidadão deste Estado está atingindo uma situação insustentável. O efetivo policial sem reposição e significativa parte dele, principalmente na PM, dentro dos quartéis e gabinetes exercendo funções administrativas.

    Investigação policial em distrito de bairro literalmente acabou. Só se investiga o que a imprensa repercute e, logicamente, tem a equipe de confiança da “chefia” que não deixa de exercer as funções de coletoria da delegacia.

    Policial duplamente desmotivado, profissional e salarialmente, policiais aposentados esquecidos pelo Estado, sem dinheiro sequer para comprar remédios para doenças adquiridas em razão do exercício da profissão.

    A coisa ainda vai ficar pior, mormente quando a única boa notícia que você recebe durante todo o ano é de que o Delegado Geral garantiu o bolsa miséria até dezembro.

  17. “Questiúncula tão minúscula…” Hehehehe

    E pensar que tem gente que vota nesses lixos…

  18. URGENTE! IMPUGNARAM AS NOMEAÇÕES DE VÁRIOS “BANCA ESPECIAL” POR NÃO TER SIDO RESPEITADA A ORDEM DA CLASSIFICAÇÃO GERAL NEM AS PORCENTAGENS DE “COTAS”. Pessoal que não foi chamado entrou com ação. Já saiu no D.O. tem gente que já está trabalhando que vai ter que sair.

  19. Deste jeito, daqui a algum tempo vão dizer que toda a culpa da crise é da Policia Civil de S.P, porque na verdade, todo político é honesto e jamais, aqui no pais das maravilhas, um político se corrompeu.

    Concordo com os dizeres do colega. A culpa é da Polícia Civil, em especial dos plantonistas. Políticos brasileiros são todos honestos e íntegros.

  20. Preparem seus traseiros caros maduras! Preparem para a perseguição! Preparem seus familiares pois não vai ter parada! Agora quanto aos membros do M P , vão alegar que quem fez as investigações foi a polícia e se houve erro foi por parte do presidente do inquérito!!

  21. Sim! Eles queriam aparecer no Datena, mas as vagas eram do Olim e do Nico.

Os comentários estão desativados.