PM tem prisão decretada após criticar corporação em comentário no Facebook 51

Ricardo Senra

Em São Paulo

27/09/201608h38

Reprodução/Facebook

Um policial militar do Rio Grande do Norte teve decretada prisão de 15 dias após escrever um comentário crítico à corporação em uma postagem no Facebook.

Soldado há 8 anos, João Maria Figueiredo da Silva foi punido por “publicar em rede social” palavras “que desrespeitam e ofendem a instituição e seus integrantes, além de promover o descrédito do bom andamento do serviço ostensivo da Polícia Militar”, segundo decisão publicada em Boletim Geral da PM potiguar na última quarta-feira (21).

Na postagem do Facebook, Figueiredo escreveu: “Esse estado policialesco não serve nem ao povo e muito menos aos policiais que também compõe uma parcela significativa de vítimas do atual contrato social brasileiro. Temos uma polícia que se assemelha a jagunços, reflexo de uma sociedade hipócrita, imbecil e desonesta.”

“Repito: o modelo de polícia ostensiva baseado nos moldes militares é uma aberração para o estado democrático e de direito, a começar pelo exercício da cidadania nesse ambiente onde a importância do subordinado se resume apenas a um elemento de execução”, prosseguiu o soldado.

À BBC Brasil, o policial, estudante de Direito e conhecido por defender publicamente a desmilitarização da polícia, classificou a pena como “injusta” e “censora”. A corporação, entretanto, argumenta que a decisão é legítima e respeitou o amplo direito de defesa.

“Eu estava fazendo um comentário em uma discussão acadêmica”, disse Figueiredo. “Meu comentário trazia a visão de alguém de dentro da corporação. O discurso do ‘bandido bom é bandido morto’ tem aflorado cada vez mais dentro das corporações e quem pensa diferente, como eu, acaba sendo um ponto fora da curva e sofrendo sanções.”

O texto foi publicado na página da plataforma Mudamos, do Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro. A postagem original discutia a criação de ouvidorias externas na PM para controle e garantia de direitos dos policiais –lançada em outubro de 2015, a plataforma discute problemas e soluções para problemas de interesse público.

Investigação

À BBC Brasil, a Polícia Militar do Rio Grande do Norte confirmou, em nota, o pedido de prisão, argumentando que “sempre prezará pela ética e impõe aos seus membros uma conduta profissional ilibada, com rigorosa observância das leis”.

A decisão foi publicada na última quarta-feira –e a efetivação da prisão, segundo as normas da corporação, pode acontecer a qualquer momento.

A Polícia Militar disse à reportagem que “lamenta quando policiais militares são acusados de envolvimento em atos que vão de encontro aos regulamentos e normas que regem nossa Instituição”.

Na decisão pela prisão, a instituição se baseou em parágrafos do regimento interno que exigem que policiais sejam “discretos em suas atitudes e maneiras e em sua linguagem escrita e falada”, “mesmo fora do serviço ou na inatividade”, e zelem pelo “bom nome da Polícia Militar e de cada um dos seus integrantes, obedecendo e fazendo obedecer os preceitos da ética policial-militar”.

Em sua peça de defesa, os advogados do policial afirmam que na “publicação não há qualquer identificação ou manifestação do paciente enquanto policial militar ou no exercício da função, aludida declaração foi dada fora do expediente e, como dito, dentro de um fórum de discussões acadêmico fechado, sem direcionamento específico a qualquer autoridade ou organização”.

“A corporação se julga dona do cidadão”, argumentou à BBC Brasil, por telefone, o advogado Bruno Saldanha, que defende o soldado. Ele critica a forma com que o caso foi conduzido dentro da polícia.

“Se seguisse a norma, a autoridade (policial) deveria ter levado o caso à corregedoria da Secretaria de Segurança Pública, que analisaria se há ou não justa causa. Mas a própria autoridade policial abriu a sindicância, nomeou uma pessoa para ouvir o João e ela mesmo determinou a pena, que é extremamente pesada pelo que vem se observando no meio militar”, disse Saldanha, por telefone.

A PM nega que o procedimento tenha ferido qualquer regra. “Ao soldado João Maria Figueiredo, foram salvaguardados todos os direitos e prerrogativas, além de observados os princípios constitucionais da inocência e do devido processo legal.”

Figueiredo também alega ser vítima de perseguição política dentro da corporação, por ser um “defensor dos direitos humanos e lutar pelos direitos básicos dos policiais e seus familiares”.

“A liberdade de pensamento e de expressão é garantida pela Constituição Federal”, argumenta a defesa. “A decisão pela prisão administrativa do militar tem claro viés político, haja vista a incongruência de pensamentos defendidos pelo paciente e a autoridade coatora que, infelizmente e ao que tudo indica, valeu-se de sua função para censurar e intimidar o militar no exercício de sua liberdade de expressão e acadêmica.”

A corporação também comentou, em nota enviada à BBC Brasil, a crítica do soldado. “Como o policial militar alega ‘perseguição política’ para a decisão sobre a sanção disciplinar sofrida, e sempre buscando a lisura e imparcialidade da Polícia Militar, esperamos que o mesmo busque os meios legais para a modificação da aplicação da punição administrativa sofrida.”

Jurisprudência

A decisão da corporação tem base no Regulamento Disciplinar da Polícia Militar do Estado, criado em fevereiro de 1982 – seis anos antes da Constituição de 1988.

Aprovado pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal em agosto passado, um projeto de Lei pretende vedar qualquer “medida privativa e restritiva de liberdade”, classificando-as como “flagrantemente inconstitucionais”, e obriga os Estados a “instituírem novos códigos de ética e disciplina das duas categorias”.

O projeto segue para votação em plenário, ainda sem data determinada.

O tema também é discutido localmente – caso da Paraíba, que no último dia 21 determinou, por decreto, a não aplicação das penas de detenção e prisão disciplinar em relação a PMs e bombeiros.

“A gente não pode esmorecer”, disse o soldado punido à BBC Brasil. “A nossa conduta tem reflexos diretos no tratamento ao povo. Um PM que dorme em ambiente inóspito, que come mal, que é mal tratado, isso é uma bomba prestes a estourar em cima do povo, e é uma bomba.”

  1. Esse vai ser Deputado Estadual, malandrinho!!! Com relação a censura, sou contra a prisão administrativa que existe no militarismo (mas o código penal militar existe, e não adianta chorar), porém se algum funcionário, de qualquer empresa, ou funcionário público fazer criticas abertas aos seus respectivos órgãos ou empresas, com certeza serão alvos de retaliação de seus superiores, quer queira ou não. Por isso acho que este tipo de atitude da instituição não é exclusiva da PM, ela apenas tem a mão um pouco mais pesada que os outros.

    Obs: Cuidado com as redes sociais, todo mundo esta monitorando, seja a polícia, imprensa ou o crime organizado.

  2. O Brasil ainda carrega muito do ESTADO ABSOLUTISTA, que não aceita a verdade, não trabalha com a realidade, não responde ao povo e, principalmente, considera que “faz o bem” quando “retira os direitos individuais”.

    Um Estado Democrático de Direito teria suas instituições sempre transparentes e prontas a lidar reconhecer a própria realidade e a responder à sociedade, da qual é instrumento e não dono.

    Mas eu estou em São Paulo, o Estado mais “desenvolvido” e aqui o absolutismo faz parte do cotidiano.

    Aqui tem a “VIA RÁPIDA” (demitir antes do julgamento criminal)
    O “RESÍDUO ADMINISTRATIVO” (foi absolvido criminalmente, mas a Administração não reconhece a “coisa julgada”)
    e, a melhor parte: a “CONVENIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO”

    “Je souis la Loi, Je souis l’Etat; l’Etat c’est moi.”
    Eu sou a Lei. Eu sou o Estado. O Estado sou eu.

    “O poder corrompe. O Poder Absoluto corrompe absolutamente”

    E não adianta demagogia, policial honesto vai incomodar os interesses internos e externos, mais cedo ou mais tarde. Aí entra esse poder absoluto de demitir para frear quem incomoda por trabalhar. Para os desonestos, há o julgamento e a condenação, sempre houve.

    Enquanto isso, o PCC passou de uma quadrilha de cadeia a uma empresa do crime internacional e os políticos bandidos não têm medo da PC.

  3. Projeto de Lei Orgânica da Polícia 37/2016
    do deputado Campos Machado

    http://www.al.sp.gov.br/propositura/?id=1000001937

    Tramitação

    Último andamento 06/09/2016 Distribuído: CCJR – Comissão de Constituição, Justiça e Redação. CSPAP – Comissão de Segurança Pública e Assuntos Penitenciários. CFOP – Comissão de Finanças, Orçamento e Planejamento

    27/08/2016 Publicado no Diário da Assembleia, página 5 em 27/08/2016
    30/08/2016 Pauta de 1ª sessão.
    31/08/2016 Pauta de 2ª sessão.
    01/09/2016 Pauta de 3ª sessão.
    02/09/2016 Pauta de 4ª sessão.
    03/09/2016 Publicado Requerimento, do autor, solicitando que a tramitação do referido Projeto de lei se faça em caráter de urgência. (DA. pág. 6)
    05/09/2016 Pauta de 5ª sessão.
    06/09/2016 Publicadas as Emendas nº.s 1 e 2, de autoria do Deputado João Paulo Rillo. (DA. págs. 08 e 09)
    06/09/2016 Distribuído: CCJR – Comissão de Constituição, Justiça e Redação. CSPAP – Comissão de Segurança Pública e Assuntos Penitenciários. CFOP – Comissão de Finanças, Orçamento e Planejamento.
    08/09/2016 Entrada na Comissão de Constituição, Justiça e Redação
    14/09/2016 Distribuído ao Deputado Marcos Zerbini

  4. PESSOAL !, S.M.J., ESSE É UM OUTRO DESGOVERNO, POIS AO INVÉS DE ENXUGAR A MÁQUINA ADMINISTRATIVA, MANDO ESSE MONTE DE ASSECLAS, APANIGUADOS PARA O OLHO DA RUA, FICA PRENDENDO POLICIAIS A TROCO DE ABSOLUTAMENTE NADA. E, ME AJUDEM AÍ Ó !…

  5. Para o Estado ( e para a sociedade em geral) bom policial é aquele que tem uma vida humilde, anda com roupa velha, mora em bairro ruim, tem carro velho, filho em colégio público, seja endividado, vive mendigando aumentos irrisórios anuais (que nunca vem), cumpre as ordens e determinações superiores sem questionar, NÃO PENSA e MORRE QUIETO!!!!
    Qualquer policial que fuja a uma destas características é visto (pelos superiores, pelos próprios colegas e a sociedade em geral) como LADRÃO, CORRUPTO, INSUBORDINADO e outros termos mais que conhecemos bem.
    O maior crime que um policial pode cometer, principalmente o militar, É PENSAR!!!!!!!

  6. Para os colegas que dizem que na PM é mil maravilhas, que lá os chefes e subordinados brigam pelos mesmos ideais, etc., etc. Essa é a PM real, implacável com os praças. Imagina num eventual (nunca terão) ciclo completo o que o cidadão sofreria numa investigação militar.

    Lá, praça só entra no alojamento do oficial para fazer faxina e no refeitório para lavara a louça.

    Abraço.

  7. REALMENTE; O BOM POLICIAL É AQUELE QUE NÃO ROUBA, AQUELE QUE TRABALHA SOB O CÓDIGO PENAL BRASILEIRO; ESTE SIM É O BOM POLICIAL.
    PRECISAMOS VENDER ESTA CULTURA…
    A OUTRA; A CULTURA DO ESPERTO PRECISA SER BANIDA DA POLICIA, ESTA FILOSOFIA TEM QUE ACABAR.
    DAÍ A NECESSIDADE DE SE ORGANIZAR EM BUSCA DE MELHORES CONDIÇÕES, NÃO HÁ OUTRA MANEIRA…
    ESTAMOS VIVENDO UM OUTRO MUNDO…

  8. Rodrigo disse:
    27/09/2016 às 16:04

    Esse vai ser Deputado Estadual, malandrinho!!! Com relação a censura, sou contra a prisão administrativa que existe no militarismo (mas o código penal militar existe, e não adianta chorar), porém se algum funcionário, de qualquer empresa, ou funcionário público fazer criticas abertas aos seus respectivos órgãos ou empresas, com certeza serão alvos de retaliação de seus superiores, quer queira ou não. Por isso acho que este tipo de atitude da instituição não é exclusiva da PM, ela apenas tem a mão um pouco mais pesada que os outros.

    Obs: Cuidado com as redes sociais, todo mundo esta monitorando, seja a polícia, imprensa ou o crime organizado.

    ============================

    A empresa privada tem um dono e ele precisa saber o que se passa na sua empresa. Ou perderá tudo.

    No Estado, a sociedade é a dona e ela precisa saber o que se passa no seu Estado. Ou perderá tudo.

    O silêncio sobre os erros do Estado destrói a própria sociedade.

  9. © First Look Media. Todos os direitos reservados
    Comentário no Facebook criticando a polícia rende prisão no Rio Grande do Norte
    Cecilia Olliveira
    Sep. 26 2016, 5:55 p.m.
    Foto: Ben Curtis/AP Photo
    “É livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”. A Constituição Brasileira é clara e deveria ser soberana, mas não para a Polícia Militar do Rio Grande do Norte, que decretou a prisão de um soldado, na última quarta-feira (21), por um comentário feito em abril no Facebook, como apurou com exclusividade The Intercept Brasil.
    Este é mais um dos casos em que militares que expressam críticas razoáveis recebem punição excessiva. A mensagem é clara: a corporação não quer debate, quer obediência e silêncio. Militares que se arriscam para melhorar um sistema que ignora os direitos de cidadãos comuns têm, em troca, seus próprios direitos ignorados e violados. Assim, elimina-se qualquer possibilidade de diálogo e prestação de contas fundamentais a uma sociedade democrática.
    Em 26 de abril,  a plataforma digital Mudamos, onde qualquer cidadão pode opinar sobre políticas públicas, fez uma consulta: “Monitorar a ação das polícias é uma demanda urgente da sociedade. O que pensam os policiais?”
    Na página da Mudamos, o soldado da PM João Figueiredo disse o que pensava:
    Comentário postado em 26 de abril de 2016, na Fan Page do Mudamos. Imagem: Facebook
    Quase cinco meses depois, o Comando da PMRN decretou que, por isso, ele cumpra 15 dias de prisão administrativa no quartel. A justificativa é tão absurda quanto a pena. Para a instituição, Figueiredo ofendeu gravemente a Polícia Militar e seus colegas, usando “palavras não condizentes com a ordem castrense”. Decisão tão arcaica quanto o palavreado empregado nela:
    Decisão da Polícia Militar do Rio Grande do Norte, publicada na quarta-feira (21)
    Figueiredo em ato contra o assassinato de policiais Foto: Arquivo Pessoal
    “Quando o código se sobrepõe à Constituição, ele está no caminho contrário do que prega o verdadeiro militarismo, que preconiza exatamente o respeito às leis do país. O regulamento diz que eu sequer posso casar se eu não tiver a anuência do meu comandante. Isso é um absurdo”, diz João Maria Figueiredo, o militar autor do comentário, que também é estudante de Direito. Ele ingressou na polícia aos 26 anos e está há oito na corporação. O regimento usado na punição de Figueiredo é de 1982, baseado em regimentos militares da década de 70, que vigoravam durante a ditadura.
    “A decisão é ilegal porque não observa os princípios constitucionais, é desproporcional e tem viés político. Ademais, o processo é irregular e sumário. Não respeitou as leis relativas ao direito administrativo Estadual. Nenhum contrato, ainda que existisse, poderia flexibilizar ou isentar o cumprimento da Constituição”, pontua Bruno Saldanha, advogado do soldado (leia a defesa na integra aqui).
    Figueiredo não foi o primeiro a passar por isso. O presidente da Associação dos Bombeiros Militares do RN, Dalchem Viana do Nascimento Ferreira, foi punido com três dias de prisão administrativa por enviar um áudio no WhatsApp em que convocava associados para uma assembleia. A decisão foi repudiada pela Comissão de Direito Militar da Ordem dos Advogados do RN, que tem buscado o diálogo com a PM sobre tais casos.
    Em 2012, um soldado do mesmo estado ficou preso 21 dias por um comentário no Orkut.
    Geralmente, a corda arrebenta do lado mais fraco, nas costas dos praças. Mas, no Rio de Janeiro, houve dois casos que fugiram desse padrão. Em outubro de 2010, o então capitão da PM Luiz Alexandre Souza da Costa foi punido com 20 dias de prisão administrativa por ter comentado sua nomeação para determinado cargo na corporação no Twitter.
    À época, a PM disse que não censurou o capitão, mas que, sim, o puniu “pelo fato de haver veiculado em canal de mídia particular mensagens com conteúdo negativo, depreciativo e irônico sobre ato legal do Comandante”.
    Numa outra ocorrência em 2008, Costa foi chamado a prestar esclarecimentos na Corregedoria Geral Unificada do Rio de Janeiro por um post em seu blog. Caso similar ao que aconteceu com Major Wanderby no mesmo ano. Ele respondeu a um Inquérito Policial Militar por uma “crítica indevida a ato do superior hierárquico” postada em seu blog. Um colega de farda, Coronel Roberto Viana, ao se solidarizar com ele em um comentário no mesmo post, foi punido com 12 dias de prisão.
    O soldado da PMRN João Figueiredo foi punido com 15 dias de prisão por opinar no Facebook Foto: Arquivo pessoal
    Tais punições são questionáveis e danosas à democracia, explica Renata Neder, assessora de direitos humanos da Anistia Internacional no Brasil. “A liberdade de expressão é um direito humano, garantido não só pela Constituição, mas também pelos tratados internacionais de direitos humanos, dos quais o Brasil é signatário.”
    Para Neder, a situação é ainda pior porque o país vive uma grave crise na segurança pública, e a superação dessa crise precisa envolver um amplo debate com todos os setores da sociedade. “Ver estes profissionais, policiais, sendo punidos por entrar nesse debate é muito grave. Não só porque é uma violação do direito de liberdade de expressão, mas também porque não ajuda a gente a avançar”, reitera.
    Em 2013, o Supremo Tribunal Federal julgou uma ação de liberdade de expressão de um militar. O então relator da ação, Ministro Marco Aurélio Melo, afirmou que o direito se estende aos fardados porque não há Estado Democrático de Direito sem liberdade de expressão.
    De acordo com o porta-voz da PMRN, Tenente Coronel PM Arthur Emílio Monteiro de Araújo, o comentário do soldado Figueiredo foi pejorativo, já que comparar policiais a cangaceiros é como compará-los a criminosos. A PM acrescenta que enquanto fizeram parte da corporação, militares precisam cumprir o regulamento. “É uma sanção administrativa, não é preso, dentro uma cela. Ele pode inclusive recorrer, se acha que foi excesso, que tem outra conotação. Alguns alegam perseguição política, outros abuso de autoridade. Tudo sempre foi feito dentro da legalidade, sem nenhum dano ao policial, sem ser autoritário”, disse.
    No caso de Figueiredo, segundo o regimento, não cabe recurso. Seu advogado vai recorrer ao Tribunal de Justiça do Estado para anular a decisão.
    As limitações à liberdade de expressão previstas em nossa legislação se referem basicamente a casos de ofensas pessoais direcionadas a indivíduos. Os crimes contra a honra (calúnia, injúria e difamação), além do previsto em crimes de ódio e injúria racial, servem para punir quem aja de maneira inadequada, ferindo o direito dos outros cidadãos – não se aplicam a corporações, empresas, instituições etc.
    A cultura que gera tais punições é produzida desde a doutrinação dos integrantes. Um cadete da Academia de Polícia Rio Branco, berço da formação dos oficiais de Polícia Militar do Estado de São Paulo, denunciava punições abusivas a que os aspirantes são submetidos num e-mail enviado ao blog policial Flit Paralisante:
    “No mês de março tentaram denunciar aqui, neste blog, algumas irregularidades que ocorrem na APMBB e, em decorrência disso, sofremos castigos psicológicos, físicos e ameaças por parte do comando da academia, no sentido de que fariam de nossas vidas um inferno caso continuássemos contrariando as arbitrariedades impostas pelo comando”.
    O post original foi apagado do Flit, mas o cache ainda está disponível.
    No e-mail, foram relatadas uma série de violações de direitos humanos e civis. O denunciante relata o suicídio de um cadete que sofria perseguição na Academia e descreve uma sequência de erros e abusos por parte do Comando, como não permitir que os cadetes fossem ao enterro do colega, que foi chamado de “covarde” por um superior que dava a notícia de sua morte aos alunos.
    Print do e-mail enviado ao Blog Policial Flit Paralisante
    O cadete faz um questionamento que é o cerne do que tem sido discutido sobre Segurança Pública e militarização no país: que tipo de oficiais serão formados com esse tratamento que fere a dignidade da pessoa humana? E se os policiais fazem com a população o que aprendem com seus comandantes?
    Precisamos falar de desmilitarização da polícia e não podemos tolerar nenhum direito a menos. Nenhum direito pode ser negociado. Perdem eles, perdemos todos.
    Related
    Com pelo menos 92 baleados durante as Olimpíadas, Rio de Janeiro ganha medalha de chumbo
    Armas defeituosas da Taurus matam impunemente, blindadas pelo lobby e pelo Exército
    Contact the author:
    Cecilia Olliveira
    cecilia.olliveira@​theintercept.com

  10. Pelo menos na PM tem integralidade e paridade.
    Já, quem entra hoje na polícia civil, além de não tem nem integralidade e nem paridade, tem ainda o teto salarial fixado pelo INSS, quando aposentar.
    Quem tem salário superior a 5 mil , se quiser aposentar com mais que isso, terá de pagar previdência privada.

    Na PM quem entra hoje ainda, além de ter a integralidade e a paridade não, tem teto salarial.

    Resumindo: ser PC é melhor do que ser PM ???

    Acho que não.

  11. Corrigindo : Quem entra hoje na PM, além de ter a integralidade e paridade, não tem o teto salarial.

  12. NA POLÍCIA CIVIL OS CARAS SÓ SE FODEM

    NÃO GANHAM NADA !

    NA PM , TEEM MILHARES DE BENEFÍCIOS:

    VEJA:

    SE APOSENTAM COM TRINTA ANOS DE SERVIÇO COM PARIDADE E INTEGRALIDADE

    SÃO PROMOVIDOS TRÊS VEZES

    EXEMPLO SE É 1º SARGENTO COM ÀS LEIS JURUNA, CHACAU E CURSO UNIVERSITÁRIO

    ALGUNS VÃO A CAPITÃO , OUTROS A PRIMEIRO TENENTE E OUTROS SEGUNDO TENENTE

    TEM MILHARES DE ESQUEMAS LEGAIS

  13. A FISCALIZAÇÃO DE PARA TIRAR HABILITAÇÃO AGORA É DA PM

    GANHAM R$ 4.OOO,OO A MAIS NO SALÁRIO

    E QUANDO SE APOSENTAM CONTINUAM ATUANDO

    NÃO É UM ESQUMA LEGAL

  14. OS OFICIAIS SE BENEFICIAM DE TUDO QUANTO É FORMA

    SEGURANÇA DOS COMÉRCIOS EM GERAL

    NÃO É OUTRO ESQUEMA LEGAL

  15. NA POLÍCIA CIVIL APÓS 35 TRINTA E CINCO ANOS SE FUDENDO OS CARAS SAEM TODOS BAGUNÇADOS

    COM SALÁRIO DE MERDA , PERDEM TODOS OS BENEFÍCIOS

    ALÉM DISSO A PROMOÇÃO NA DA CLASSE ESPECIA,L POR QUE SE NÃO FICAR 5 CINCO ANOS

    NA CLASSE PERDE A PROMOÇÃO

    É SAFADEZA OU NÃO É !

  16. OS OFICIAIS DA PM UTILIZAM O PESSOAL TREINADO PELO ESTADO

    PARA FAZEREM BICOS E SEGURANÇAS PRIVADAS

    OUTRO ESQUEMA LEGAL ONDE GANHAM

  17. DESDE QUE A POLÍCIA CIVIL EXISTE HÁ MAIS DE 200 ANOS ELA SÓ SE FODE

    OS CARAS NUNCA ENXERGARAM ISSO

    NÃO ESTÁ NA HORA DE MUDAR TUDO ISSO !

    OU JÁ PASSOU DA HORA A MUITO TEMPO !

  18. TUDO QUE TEM DE MELHOR NO ESTADO A PM JÁ UTILIZA A MUITO TEMPO

    É SEMPRE ELA BENEFICIADA EM PRIMEIRO LUGAR

    É SEMPRE OS OFICIAIS QUE NÃO FAZEM NADA QUE LEVAM A MELHOR

    HOJE EM DIA ATÉ NAS OCORRêNCIAS

    O DELEGADO SEMPRE ESTÁ VENDIDO

    O CARA CHEGA NA DELEGACIA COM A OCORRÊNCIA REDONDA

    FALA QUE OS FATOS ACONTECERAM DE DETERMINADA FORMA

    ORIENTA AS PARTES

    E AÍ JÁ ERA O DELEGADO FICOU DE GRAÇA NO SAMBA , TOTALMENTE VENDIDO

  19. por que nunca vão acabarem as BIQUEIRAS

    O TRÁFICO DE DROGAS

    ROUBO DE CARROS, CARGAS,

    A BANCOS, ETC,

    SEMPRE TEEM ENVOLVIMENTOS DE POLICIAIS

  20. TUDO QUE TEM DE MELHOR NO ESTADO A PM JÁ ESTÁ LÁ

    MAMANDO !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  21. OS CARAS ENTRAM SOLDADOS NA POLÍCIA MILITAR E SAEM OFICIAIS COM SALÁRIO

    MAIS DE R$ 10.000,00

    NA POLÍCIA CIVIL OS CARAS ENTRAM INVESTIGADOR, ESCRIPOL NUNCA CHEGARÃO A DELEGADO

    DE POLÍCIA COM UM SALÁRIO DE MISÉRIA POUCO MAIS DE R$ 4.000,00,

    ISSO DEPOIS DE 35 ANOS DE SERVIÇO SEM DIREITO A MAIS NADA !

    O TETO DO INSS, JÁ É MAIS QUE ISSO !

  22. VEJAM A PM É OU NÃO É MELHOR QUE A POLÍCIA CIVIL

    PELOS VARIADOS BENEFÍCIOS QUE TEEM

    FORA MILHARES DE CURSOS GRATUITOS

    NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA TEM O CURSO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E PODEM SEREM

    PROFESSORES DE ESCOLAS ESTADUAIS E MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

    TEEM CURSO DE IDIOMAS : INGLÊS, E OUTROS

    TEEM CURSOS VARIADOS , TODOS OS TIPOS DE ARMAS, FISCALIZAÇÃO,

    AUTOESCOLA, HABILITAÇÃO, E TANTOS OUTROS

    A POLÍCIA CIVIL SÓ SE FODE

  23. já que la na mike é tão bão esra resolvido
    quem quizer é so pedir tranferencia pra la
    mas tem que fazer o seletivo e tambem o
    cursinho de um ano. e vai bater casco a vantade

  24. NÃO É QUESTÃO DE SER PM

    A QUESTÃO É QUE A POLÍCIA CIVIL SÓ SE FODE E NÃO TEM BENEFÍCIOS E REGALIAS

    DENTRO DO MESMO ESTADO DEMOCRATICO DE DIREITOS !

  25. SE É O MESMO GOVERNO PATRÃO

    OS DIREITOS TEM QUE SEREM IGUAIS PARA TODOS OS POLICIAIS

    O NEGÓCIO SÃO ESSAS DISCRIMINAÇÕES NO FINAL DA CARREIRA

    A CIVIL LEVA A PIOR

    O GOVERNADOR NÃO ESTÁ NEM AÍ !

  26. A POLÍCIA CIVIL ESTÁ ACOVARDADA PARA LUTAR PELOS SEUS DIREITOS

    SOMOS MINORIA MAS O PODER JUDICIÁRIO ESTÁ DE PORTAS ABERTAS

    NO PRIMEIRO GRAU

    NO SEGUNDO GRAU

    NO S T J

    NO S T F

    JÁ QUE SOMOS POLÍCIA JUDICIÁRIA

    VAMOS BRIGAR PELOS DIREITOS QUE TEMOS

    NÃO TEM ESSE NEGÓCIO DE UMA POLÍCIA

    TER MAIS ESQUEMAS VANTAJOSOS QUE A OUTRA

    QUATRO PROMOÇÕES NO FINAL DA CARREIRA

    NÃO ESTÁ CERTO ISSO !

  27. QUATRO PROMOÇÕES NO FINAL DA CARREIRA
    PROMOÇÃO AUTOMÁTICA,
    PROMOÇÃO POR TER CURSO SUPERIOR
    PROMOÇÃO PELA LEI JURUNA
    PROMOÇÃO PELO CHACAU
    NÃO ESTÁ CERTO ISSO !

    e VÁRIOS ESQUEMAS ONDE EM TUDO LEVAM VANTAGENS !

  28. ENQUANTO NA POLÍCIA CIVIL SE NÃO FICAR 5 CINCO ANOS NA CLASSE

    NA APOSENTADORIA PERDE A PROMOÇÃO RETORNANDO UMA CLASSE !

  29. TEM QUE SEREM APLICADOS OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS

    DA ISONOMIA – IGUALDADE

    E NÃO DA FODELÂNCIA GOVERNAMENTAL !

  30. Logo Portal O POVO Online JORNAL DE HOJE Assine Já NOTÍCIAS ESPORTES DIVIRTA-SE POPULARES

    O POVO Online

    DECISÃO JUDICIAL – 03/09/2015 – 19h10 – Deputado Cabo Sabino é reintegrado à Polícia Militar do Ceará

    Deputado Cabo Sabino é reintegrado à Polícia Militar do Ceará
    (0)JANELA PARTIDÁRIA

    O deputado federal Cabo Sabino (PR) foi reintegrado à Polícia Militar do Ceará por decisão judicial nesta quinta-feira, 3. Desde 2013, ele lutava contra expulsão da corporação por ter dito palavras consideradas depreciativas ao Comando da PM, ao secretário de Segurança Pública e ao governador do Ceará, à época Cid Gomes (Pros).

    A decisão do juiz Roberto Soares Bulcão Coutinho, titular da Auditoria Militar do Estado do Ceará, declarou nulo todo o procedimento administrativo disciplinar que resultou na expulsão do cabo. O juiz determinou ainda o pagamento da remuneração correspondente ao período da exclusão da folha de pagamento até o efetivo retorno ao trabalho. Foi estabelecida multa diária de mil reais por descumprimento da sentença.

    LEIA TAMBÉM
    Justiça suspende liminar que reintegrava cabo Sabino à PM
    Audiência debate mudanças no desarmamento

    Em novembro do ano passado, o desembargador e então presidente do Tribunal de Justiça do Ceará, Gerardo Brígido, suspendeu liminar que reintegrava o deputado à função na Polícia. Ele havia sido reintegrado em junho de 2014.

    À época, Sabino afirmou que sua demissão se tratava de “perseguição política”. Segundo ele, a expulsão foi “injusta” e aconteceu após participar de reunião informativa da Associação dos Profissionais de Segurança Pública do Ceará (Aprospec).

    O policial teria sido expulso, de acordo com os autos, após processo administrativo disciplinar que concluiu que Sabino havia praticado transgressões disciplinares de natureza grave. Em janeiro de 2013, durante manifestação promovida pela Associação dos Profissionais de Segurança Pública do Ceará (Aprospec), o agora ex-policial teria proferido palavras depreciativas ao Comando da PM, ao secretário de Segurança Pública e ao governador do Estado, tendo também ameaçado a deflagração de greve.

    Redação O POVO Online

  31. O (TOIZINHO) também é o JACARÉ SEM DENTE –
    .
    É só olhar a concordância verbal dele.

  32. É AGENTE NUM SEI DO QUE, AUXILIAR DO PAPI NUM SEI QUE É QUE PORRA É ESSA, PAPIPOL QUE NUM SEI O QUE É ISSO, CARCEREIRO, ATÉ ESCRIVÃO, E O MAIS ABSURDO OFICIAL. ADMINISTRATIVO DO DETRAN QUERENDO, QUERENDO NÃO !!!!!!!!!!!!!!!!!!! FAZENDO O SERVIÇO DE INVESTIGADOR, OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! E O PIOR FAZENDO MELHOR QUE MUITOS INVESTIGADORES, POR OUTRO LADO É INVESTIGADOR, LEVANDO UMA DE DELEGADO, E DELEGADO QUERENDO SER PROMOTOR, !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! AI EU DIGO OOOOOOOOOOOOOOOOOOO, E AI VOCÊS ACHAM QUE O GOVERNO UM DIA VAI VALORIZAR A PC, EM DETRIMENTO DA POLICIA MILITAR.
    SOMENTE RECRUTAS OOOOOOO !!!!!!!!!!!!!!!!!! RECRUTÁRIO QUE NÃO SABEM DA MISSA A METADE, NÃO ENXERGAM, HOJE AGENTE PENITENCIÁRIO, TEM MUITO MAIS IMPORTÂNCIA PARA O GOVERNO POR ISSO ESTÃO SENDO MUITO MAIS VALORIZADOS QUE POLICIAIS CIVIS, BASTA VER A REPERCUSSÃO E O CAOS QUE HOUE NA GREVE DO ANO PASSADO.OOOOOOOOOOOOOOOO !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! EU ACHO QUE POLICIA CIVIL, HÁ TEMPO NÃO ´PASSA DE FUNCIONÁRIO PUBLICO COMUM , CARTÓRIO DA PM E TEM QUE FICAR MUITO CONTENTE COM ISSO, TENDO EM VISTA A CRISE DE DESEMPREGO QUE PASSA O PAIS

  33. Agente penitenciario, eu tbem era da SAP, sai pra assimir na PC como tira, me arrependi muito dessa decisão cara, vc fez bem, essa PC é um lixo se comparada com a SAP, que tbem é um lixo..

  34. Somente Observando (genérico)

    Como seria a simbiose deles: TOIZINCARÉ ou JACATOIZIN?

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  35. O AMIGO AÍ ACIMA ESTA EQUIVOCADO OU MAL INFORMADO: NA POLICIA CIVIL NÃO TEM SALARIAL PARA SE APOSENTAR, SE VOCÊ APOSENTAR, COM INTEGRALIDADE E PARIDADE, NÃO EXISTE TETO, VOCÊ VAI GANHAR IGUAL O DA ATIVA; PORÉM O GRANDE PROBLEMA E NA QUESTÃO SALARIAL, DEVIDO O SALÁRIO ESTAR CONGELADO HÁ QUASE TRÊS ANOS, SE CONTINUAR ASSIM, AÍ SIM IREMOS GANHAR MENOS QUE O TETO DA PREVIDÊNCIA.
    VOCÊS DUVIDAM QUE A INTENÇÃO DESTE PARTIDO É ESTA…
    DAÍ A NECESSIDADE DE SE ORGANIZAR E FAZER GREVE. NO BANCO DO BRASIL, POR EXEMPLO, SÓ O VALE REFEIÇÃO CHEGA A R$1.580,00 E ELES ESTÃO EM GREVE; NÃO PRECISO COMENTAR MAIS NADA, NÃO É…

  36. Estou proibido de comentar aqui ? Nenhum comentário meu passa mais apesar de estar tudo provado.
    LUIS ROSAS JUNIOR, EX INVESTPOL (mas essa profissão foi devidamente esquecida na biografia dele) que ferrou com um monte de RESTOPOL por vingança contra um INVESTPOL desafeto e para defender seu sócio em processo crime – e não adiantou nada porque o socio foi condenado por seqüestro, junto com todo mundo), é hoje CANDIDATO A PREFEITO DE PINDAMONHANGABA
    Seu vice, JULIELTON MODESTO DE ARAUJO, também EX INVESTPOL tem um irmão condenado por SEQUESTRO junto com mais uns 15 (JULIANO MODESTO DE ARAUJO – 002001233.2005.8.26.0625) e outro, também EX INVESTPOL (JULIEL MODESTO DE ARAUJO – 0004929-83.2004.8.26.0116)
    OBS – O acórdão do JULIEL vale a pena de ser lido, VERGONHA ALHEIA TOTAL, envergonhou a PC inteira: http://tj-sp.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/114279910/apelacao-apl-49298320048260116-sp-0004929-8320048260116/inteiro-teor-114279920
    Comemorar o que ? Os INVESTPOLÍTICOS ??? Ou os centenas afastados ??? Só este ano em TAUBATÉ foi mais de duas dúzias.
    POBRE PC, o ultimo que sobrar que apague a luz da viatura.

Os comentários estão desativados.