Recado aos Comandantes da PM: “para registrar as ocorrências é preciso primeiro parar de matar os outros sem motivo” 60

Para registrar as ocorrências é preciso primeiro parar de matar os outros sem motivo

clayton-131107

O único grande problema das Polícias Militares do Brasil acontece a noite, principalmente em locais ermos ou esquecidos pelo poder público que, elegantemente, os denomina de “comunidades” .

Nesses locais os PM’s do Brasil inteiro assassinam os hipossuficientes e ainda os rotulam de perigosos marginais montando cenários de crime que não ocorreram colocando armas e drogas nas vestes ou mãos das vítimas que acabaram de matar.

É só esse o pequeno probleminha que impede os integrantes das PM’s de registrarem as ocorrência. Quando o fizerem , vão falsear toda sorte de abuso e violência contra a população e se colocarem como valorosos homens da lei que agiram em defesa da sociedade.

Assinado: Oficial reformado formado no Barro Branco.

  1. 90% das supostas injustas agressões sofridas pela PM são forjadas e falsas, são execuções sem direito a julgamento.
    eles gostam de executar a quem lhes possa oferecer algum perigo eminente e não os que oferecem perigo a sociedade, esses eles prendem ou fazem acerto.
    já algum tempo também estão executando donos de biqueiras para colocarem um laranja no lugar e lucrarem com o tráfico também.
    pela grande sujeira morrem até poucos PMs e normalmente sobra para o PM que não tem esquema e nem executa.
    Forjas Trágicas, aRRota e Baeps tudo farinha do mesmo saco, com aquele anéis ridículos de caveira nos dedos se achando os donos da verdade e que tem direito de fazerem o papel do Promotor, Juiz e Constituição e usar uma pena que oficialmente não existe no Brasil.

  2. Quem é que confia numa instituição que antes de comer precisa dar o cu e, pior, dá sorrindo?
    É assim que o ciclo completo da PM está
    sendo gestado. Na barriga de uma puta arrombada.

  3. Acho que a pm pode sim registrar ocorrência. Qualquer um pode. Vide delegacia eletrônica. Desafogaria a polícia civil, combalida pela falta de escrivães, ajudaria a população que não ficaria horas esperando. Uma coisa é registrar uma ocorrência, coisa que qualquer ganso faz com maestria, e outra é deliberar por instauração de i.p. ou pedido de prisão. Não vejo nada contra, portanto, um Mike registrar uma ocorrência ou mesmo elaborar um t.c., cabendo ao judiciário depois ratificar ou retificar uma ação penal. Aliás, conheço vários delegados que não tem o mínimo de conhecimento e coragem para deliberar algo e já vi várias e várias decisões de majuras serem reformadas por juízes…..
    Deixa a pm fazer o que não estamos dando conta e deixemos de querer fazer o que eles fazem muito bem.

    Entendeu? Dr Albano?

  4. Polícia civil deveria apenas ficar com inquéritos policiais de autoria conhecida, instaurados após investigacoes relatadas e documentadas. Pra que escrivão de polícia pra registrar furtos, injúrias, ameacas e outras porcarias de ocorrências? É só otimizar os serviços. Para abusos de policiais, sejam mikes ou Charlies, deixa com a corregedoria.
    A água está batendo na bunda dos majuras. logo, logo vão ter que registrar os b.o.s eles próprios. Pergunto: pra que serve b.o.????
    Bora implementar novas idéias, aposentar os dinossauros, fazer só o que deve ser feito.
    Modernizar a polícia é preciso, modernizando idéias já é um começo.
    Deixa os coronéis e afins encontrarem uma utilidade para sua existência. E ao mesmo tempo, achem uma utilidade para a existência dos delegados.
    Deixa o escrivao livre pra fazer somente o que irá nos ajudar.

    “Sem escrivão não há polícia no Brasil”.

  5. LUCAS,

    Para você e considerável parcela de policiais civis: TUDO É PORCARIA DE OCORRÊNCIA!

    Só não é porcaria os BO O.N.G ( onde nóis ganha ).

    Sabe-se lá como ou porquê conseguem um empreguinho público do qual sabem apenas que o salário é uma merda; depois passam a reclamar que tudo é inútil e porcaria. Contudo, no fundo no fundo , porcarias são todos os policiais civis: do auxiliar de serviços gerais ao DGP. Desculpem-me os verdadeiramente vocacionados!

    Meu caro , se for para otimizar os serviços a Polícia Civil deve ficar apenas com inquéritos policiais de AUTORIA DESCONHECIDA! Instaurados no momento da comunicação da ocorrência do fato.

    Tu queres moleza, né ?

  6. Então é melhor q isso nunca aconteça , porque a cada dia esses marginais se sentem mais encorajados de atirar em policiais, e muitos nunca se quer tiveram registro de ocorrência, então iremos virar de fato o vilão da história. Enquanto esses malditos matam 1000 pessoas de bem p roubar, a polícia mata um por erro ou fatalidade, aonde são severamente punidos.A lei p os policiais funciona dentro de prazos e a rigidez, situação q é diferente p os cidadãos comuns.E só verificar se a audiência de custódia é aplicada p policiais.Nos policiais não queremos fazer justiça com as próprias mãos, mais as coisas tem q ter um limite.

  7. Polícia civil deveria apenas ficar com inquéritos policiais de autoria conhecida, instaurados após investigacoes relatadas e documentadas. Pra que escrivão de polícia pra registrar furtos, injúrias, ameacas e outras porcarias de ocorrências? É só otimizar os serviços. Para abusos de policiais, sejam mikes ou Charlies, deixa com a corregedoria.
    A água está batendo na bunda dos majuras. logo, logo vão ter que registrar os b.o.s eles próprios. Pergunto: pra que serve b.o.????
    Bora implementar novas idéias, aposentar os dinossauros, fazer só o que deve ser feito.
    Modernizar a polícia é preciso, modernizando idéias já é um começo.
    Deixa os coronéis e afins encontrarem uma utilidade para sua existência. E ao mesmo tempo, achem uma utilidade para a existência dos delegados.
    Deixa o escrivao livre pra fazer somente o que irá nos ajudar.

    “Sem escrivão não há polícia no Brasil”.

    Na pastelaria onde trabalho é muito comum receber inquérito de AUTORIA CONHECIDA, onde a vítima reconheceu a
    fotografia do autor, geralmente estava preso por outro(s) delito(s). Se o pseudo autor estiver recolhido na penitencária local é agendado reconhecimento pessoal.. O que acontece em 99% dos casos: a vítima não reconhece pessoalmente e, muitas vezes acrescenta que não reconheceu fotograficamente “sem sombras de dúvidas”, afirma ter dito que que “poderia ser”. Resumo da ópera, é muito fácil aumentar as estatísticas de caso esclarecido e se por ventura o reconhecimento pessoal for negativo, é só relatar o I.P e encaminhar à competente Vara Criminal.

  8. A polícia civil é uma instituição falida que será extinta em breve.
    Ass. Dr. Delegado (formado na faculdade de direito)

    Que piada!

  9. Caro sr guerra

    Eu quis dizer que a polícia deveria só instaurar Ips de autoria conhecida, não quis dizer que não devamos investigar crimes de autoria desconhecida. Investiga, estabelece autoria e depois instaura inquérito.
    Como escrivão, nunca me eximi, em momento algum de fazer o que me cabe, nunca quis moleza, por isso prestei concurso pra minha função, e somente para escrivão.
    O senhor sabe, e toda a polícia sabe muito bem que se ganha muito, mas muito mesmo, em cima de situações que sequer existe b.o.(0ng). Não sabe????
    Estou falando de idéias novas, modernidade, desculpe se isso incomoda delegados…..
    Estou falando do que eu vivo, todos os dias, cada dia mais..estou falando do que eu vejo: falta de recursos materiais e humanos, falta de planejamento, delegados em discursos absurdos querendo abraçar atribuições da PM quando sequer estão conseguindo fazer o que lhes cabe. Aliás, com raríssimas exceções, delegados sequer sabem abrir um editor de texto. Ainda bem que há exceções, com que podemos contar e ter respaldo.
    Recolhas, acertos, arregos??? Me mostre então a mágica que vai fazer isso parar.
    Não, não quero moleza não, por isso sou escrivão e não tenho tempo pra moleza e, por isso mesmo, prefiro um acervo cartorário enxuto pra fazer bem feito o que faço, porque nós ultimos dois anos tenho escrito que o delegado que preside os inquisitivos que secretario “deixou de tomar providências em razão do invencível acúmulo de serviço ao qual não deu causa”… Se ele não deu causa, fui eu que dei???

    E sim, sem escrivães a polícia vai mesmo parar…já está parando… só não vê quem não quer..

  10. Escriludida disse:
    02/11/2016 ÀS 16:13 para o Lucas que disse:
    02/11/2016 ÀS 14:38
    Polícia civil deveria apenas…….

  11. A PM deveria mudar seu quadro de instrutores pois oficiais que nunca estiveram em ação, são os responsáveis pela instrução nas academias da PM. As corregedorias compostas por oficiais PM, só batem em praças, e oficiais QOA,praças que chegam a condição de oficial, os demais possuem imunidade por se acharem acima dos demais policiais. A PM só funcionará quando as corregedorias forem compostas exclusivamente por membros do MP e jamais por lobos da própria corporação. O policial vem de comunidades carentes e é duplamente marginalizado pela sua corporação e pela sociedade a qual protege.

  12. Escriludida

    Não se deixe iludir mais. Não estou falando de produção, produção, produção…

    Estou falando de esclarecimento de crimes, não de reconhecimento fotográfico.

    Estou falando de oitivas bem elaboradas, de relatório de investigação bem elaborado (precisa de inquérito pra isso???)

    Pra fazer um bom trabalho de investigação precisa de inquérito?

    É por essas ideias, jurássicas, de produção, que eu, você é todos que não queremos moleza estamos com nossos acervos cartorários nas nuvens….

    Enquanto isso, jurássicos fazem de conta que nos dirigem….e não sabem sequer digitar e redigir uma minuta…

    To errado?

  13. Meu comentário em resposta ao guerra não aparece aqui….pq será né?

    Tudo bem…o blog é seu

  14. A propósito, não preciso me esconder atrás de um Nick, meu nome é Lucas, sou escrivão e trabalho na delegacia de ribeirão pires.

    Meus pares sabem que “moleza” não existe no meu dicionário.

    Tks

  15. Bom….. acabaram os argumentos de quem não sabe a diferença entre b.o, investigação, trabalho de campo e inquérito policial.

    Fui

  16. FUTURO DOUTOR INVESTIGADOR disse:
    02/11/2016 ÀS 11:50
    APÓS MESES O GRUPO DE ESTUDOS DIVULGOU O PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO:

    DELEGADO/INVESTIGADOR/ESCRIVÃO CLASSE ESPECIAL = TENENTE CORONEL
    DELEGADO/INVESTIGADOR/ESCRIVÃO 1ª CLASSE = MAJOR
    DELEGADO/INVESTIGADOR/ESCRIVÃO 2ª CLASSE = CAPITÃO
    DELEGADO/INVESTIGADOR/ESCRIVÃO 3ª CLASSE = TENENTE

    DEMAIS CARREIRAS = SARGENTO

    BOA SORTE A TODOS!

    A partir da data em que a autoridade policial instaura inquérito policial de autoria conhecida, baseado no relatório do setor de investigação de que a vítima reconheceu fotograficamente o autor do delito, o qual esse pseudo autor encontra-se recolhido, resta ao “Escravão”, tomar medidas para o reconhecimento pessoal, tendo em vista que o ministério público, da região em que exerço minha função de escrivã de polícia não aceita simplesmente o reconhecimento fotográfico. A autoridade policial instaurou o I.P. pertinentes aos fatos, como autoria conhecida, baseado no relatório do setor de investigação. O MP não apresenta denúncia sem o reconhecimento pessoal, pede cota, caso o I.P. tenha sido relatado. . A vítima ou eventuais testemunha afirmam não reconhecer como autor do delito, aquele que foi apontado no relatório do setor de investigação, como sendo reconhecido fotograficamente pela partes envolvidas. O MP ignora o reconhecimento fotográfico. As partes envolvidas – vítima(s) e eventual (is) testemunha(s) que num primeiro, segundo relatório do setor investigação “reconheceram” fotograficamente. Mas no reconhecimento pessoal, titubeiam e não consolidam tal reconhecimento. PRÁ QUALQUER LEIGO, O QUE DÁ A ENTENDER. ??????????. E ai tudo acaba em pizza.

    Obs.: Caso “esclarecido”, bônus.pelo “esclarecimento”.

  17. Lucas disse:
    02/11/2016 ÀS 17:32
    A propósito, não preciso me esconder atrás de um Nick, meu nome é Lucas, sou escrivão e trabalho na delegacia de ribeirão pires.

    Meus pares sabem que “moleza” não existe no meu dicionário.

    Tks

    O meu também em resposta ao seu 02/11/2016 ÀS 17:26
    Escriludida

    Não se deixe …..

  18. Lucas ,

    Meu caro, ainda que estejamos em feriado , não posso ficar 24 horas administrando comentários que ficam retidos automaticamente pelo WordPress.

    Eis , nas poucas palavras deste ignorante, as diferenças:

    B.O. : um breve relato sobre uma ocorrência de interesse policial, não necessariamente um crime; o qual ninguém quer lavrar. Ouvir as partes e preencher o formulário eletrônico demanda tempo e paciência. De regra, a investigação criminal deveria ser deflagrada com a lavratura do BO.
    Se tornou a fonte oficial de estatísticas criminais. Por outro aspecto, uma verdadeira instituição para defesa de direitos em geral.
    Investigação policial : conjunto de diligências determinadas pelo Delegado de Polícia que, nos termos da lei processual penal, se destinam a averiguar a existência de um crime, determinar os seus autores e respectiva responsabilidade, apurar e recolher as provas que serão materializadas no âmbito do inquérito policial que servirá de base para ação do Ministério Público.

    Trabalho de campo : qualquer atividade extracartorária de pesquisa , oitiva e compartilhamento de informações de interesse policial.

    Inquérito policial: instrumento escrito adotado pelo Brasil para materialização e compartilhamento de elementos de produção de prova ( investigação ) acerca de eventual fato típico.

    Por fim, obrigado pelo elevado e construtivo comentário !

    De fato, sem escrivão a PC não existiria.

  19. E daí, não vai na boa, vai na dor…
    99℅ da população tem certeza que a PC é corrupta, então foda-se…
    Pau no gato… Senta o dedo nessa porra 06…..

  20. Escriludida,

    Se o setor de investigações apontou como suposto autor alguém reconhecido fotograficamente pela vítima, a primeira providência nos autos do inquérito seria a realização do reconhecimento pessoal. Aliás , quando do reconhecimento fotografico os investigadores deveriam efetivar diligências ( trabalho de campo ) buscando apresentar o suspeito na Delpol; imediatamente lavrando-se o auto de reconhecimento , a oitiva da vítima e eventual indiciamento do suspeito que instruirão o inquérito . Outrossim , se não for possível a localização do suspeito , deveria o seu chefe – conforme o crime – representar pela prisão temporária do suspeito.

  21. Escriludida, antes de se pensar em agendar o reconhecimento pessoal, basta obter informações a respeito de registro de fuga ou indulto (saidinha), junto ao sistema penitenciário, que ficará patente a impossibilidade do reconhecido ter cometido o crime. Isto vale para 99,9% dos casos de reconhecimento fotográfico.

  22. joze carlos ioni disse:
    02/11/2016 às 14:54

    TiraGosto
    Se ta estressado será que algum oficial comeu seu cu sem vaselina e quebrou suas pregas.

    Entenda uma coisa, criança. Quem liga para isso de “oficial” são vcs. Cidadão nenhum está nem aí se o sujeito é coroné ou outra merda qualquer. Não é porque vcs gostam de perfilar e prestar continência que os outros acham que isso serve para alguma coisa. E, sinceramente, pra gostar disso tem que ser bem cabecinha. Falei e disse, Zé??

  23. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk rindo dos puliça cevil até 2050………………..ops vou ter que parar antes…………até lá essa bosta de vagabundos de a-c-h-a-r-c-a-d-o-r-e-s já acabou por falta de concurso kkkkkkkkkkk………………enquanto voce lia isto, outro pra 5,400 puliça regime militar……………………….chupa guerra filho da puta.

  24. FLIT PARALISANTE disse:
    02/11/2016 ÀS 20:01
    Escriludida,

    Se o setor de investigações apontou como suposto autor alguém reconhecido fotograficamente pela vítima, a primeira providência nos autos do inquérito seria a realização do reconhecimento pessoal. Aliás , quando do reconhecimento fotografico os investigadores deveriam efetivar diligências ( trabalho de campo ) buscando apresentar o suspeito na Delpol; imediatamente lavrando-se o auto de reconhecimento , a oitiva da vítima e eventual indiciamento do suspeito que instruirão o inquérito . Outrossim , se não for possível a localização do suspeito , deveria o seu chefe – conforme o crime – representar pela prisão temporária do suspeito.

    É mas: porém, todavia, contudo e entretanto aqui funciona (há controvérsias, pois não funciona, quero dizer não resolve) assim: B.O. autoria desconhecida, investigação aponta em seu relatória que a vítima reconheceu FOTOGRAFICAMENTE, um meliante que tem em seus antecedentes vários crimes e na época do delito em questão, estava solto, mas na data do pseudo reconhecimento fotográfico encontrava-se preso. Aí a digníssima autoridade policial, instaura IP com autoria conhecida. O MP quer reconhecimento pessoal. A vítima afirma em declarações que não reconhece o meliante a ela apresentado como sendo o autor do delito que sofrera. Será por medo? /Será que foi induzida no primeiro momento (fotográfico) ????? Será, será. Já que o MP não aceita mais, tão somente o reconhecimento fotográfico, não seria mais produtivo, o reconhecimento pessoal, antes da instauração do inquérito policial. É só uma uma pergunta de uma reles escrivã prestes a se aposentar.

  25. “fernandinho disse:
    02/11/2016 às 21:07

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk rindo dos puliça cevil até 2050………………..ops vou ter que parar antes…………até lá essa bosta de vagabundos de a-c-h-a-r-c-a-d-o-r-e-s já acabou por falta de concurso kkkkkkkkkkk………………enquanto voce lia isto, outro pra 5,400 puliça regime militar……………………….chupa guerra filho da puta.”

    Cai na real, nandinho. Ou vc é inocente ou é retardado. A PM é uma baleia azul em tamanho. Cheia de inocentes peixinhos dourados, claro. Ah, vai se fudê. Como diz um parça meu: carregar a arma num lado só, vai entortando o sujeito aos poucos.

  26. Senhora Escriludida

    Me perdoe a intromissão em seara que não é meu mister, mas, todo REGISTRO DE OCORRENCIA DE CRIME OU PRESUNÇÃO DE CRIME, de fato deve-se instaurar inquérito, vou mais além, em tempos passados, vi varias vezes Delegado baixando Portaria apenas com relatorio de Investigação. Creio que não instaure desta forma (todos) pela impossibilidade material para sua conclusão (falta de EFETIVO), então passou a ser usual, nos delitos de autoria desconhecida o aguardo de deligências e relatorio esclarecedor.
    Torno a repetir, enquanto a Policia Civil mantiver Policiais em serviço administrativo e assumir tarefas alheias, isso perpetuará!

    C.A.

  27. GUERRA, GOSTARIA QUE VC CRIASSE UM TÓPICO PARA TRATAR DESSE ASSUNTO ABAIXO, ACREDITO QUE É DE INTERESSE DE MUITOS.

    DECLARADA INCONSTITUCIONAL A RESOLUÇÃO NÚMERO 110/2010 EDITADA PELO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA DE SP

  28. Senhor Conde Guerra

    Antes tarde do que nunca, gostaria de me desculpar por algum excesso de minha parte, ou por alguma ofensa à sua pessoa, pois não tive o prazer de conhece-lo pessoalmente.
    Aliás, este espaço criado por vossa senhoria tem sido fonte imprescindível de informação para nós, políciais civis, há alguns anos. E longe de mim querer chama-lo de ignorante, muito pelo contrário, acho que o senhor foi um delegado muito diferente da maioria que conhecemos. Tomara que volte a ser delegado, caso ainda queira.
    Sobre os meus comentários, explico que essas ideias sobre instauração de inquéritos policiais advém da atual situação que estamos vivendo atualmente, sem estrutura e recursos humanos necessários para secretariar inquisitivos que vão de nenhum lugar a lugar algum, e que nos impedem de confeccionar adequadamente nosso trabalho.
    Compartilho também da opinião da colega “escriludida” sobre os tais reconhecimentos fotográficos a toque de caixa, já me deparei com inquéritos instaurados em desfavor de “reconhecidos” que estavam encarcerados na data e horário do crime pelo qual foram reconhecidos.
    Lógico que sabemos que essa situação não vai mudar tão cedo ne?
    Então, mais uma vez lhe peço desculpas, apenas achei que meu comentário não seria publicado.

    Obrigado. Sigamos em frente

    Abraço

  29. Interessante a discussão sobre IP, autoridade , escrivao …….

    Há dois movimentos ocorrendo neste momento que pode modificar , a longo prazo, o quadro atual .

    O primeiro ocorre em Brasília com uma ofensiva nunca antes vista por parte do MPF. Os procuradores estão forçando seis projetos que mudam a forma de investigação e alguns deles que simplesmente acabam com a figura do Delegado.

    Entre os projetos há um que atribui aos relatórios de investigação fé pública naquilo que diz respeito aos dados colhidos em campo ou mesmo durante entrevistas nas unidades. A ideia deste projeto , também capitaneado pelos procuradores, é agilizar a investigação e evitar milhares de outivas .

    Por outro lado há a iniciativa do judiciário com relação ao IPD. Toda o judiciário já está digitalizado com relação aos processos , falta somente o IP.

    Com o IPD, a médio prazo, os laudos e relatórios de investigação, serão diretamente inseridos no IP sem a necessidade de ser juntada pelo escrivao , ou seja , o policial que está num local pode , em tese, colher a informação no local e registrar mediante relatório diretamente no IP.

    Não estou fazendo juízo de valor a respeito. Apenas trago s informação .

    Com relação aos oficiais da PM , com todo o respeito , fazem papel de inocentes úteis . Sonham em tornar-se autoridade , aliam-se ao MP para acabar com os Delegados , mas se os promotores querem a investigação sem intermediários não vão substituir um intermediário por outro .

  30. Deveriam modernizar o IP, reduzir essa quantidade excessiva de documentos.
    Em um flagrante é tanto papel que gasta em média 100 folhas de papel A4.

  31. Sou PC e longe de mim querer me passar por advogado do Diabo aqui, mas lendo estas matérias, me parece que os policiais militares saem para trabalhar somente para matar, intrujar, extorquir, agredir e por aí vai.
    O estranho é que nasci e fui criado na periferia de uma grande cidade, vou e volto do trabalho em uma motocicleta 150 cc.
    Cansei de ser parado em abordagens – cedo, tarde, noite – e nunca…digo NUNCA fui maltratado por nenhum policial militar. Sempre me trataram normalmente, mesmo sem saber que eu era policial.
    Essas matérias se referem à PM como se ela fosse um ser e não composta por pessoas sob os mesmos problemas de qualquer cidadão.
    Vejam no COPOM quantas ocorrências atendem por dia e quantas dão alguma novidade. Em qualquer lugar do mundo é assim. Se durante algumas delas dá merda é normal, afinal, estão tratando com gente e não máquinas que funcionam de modo esperado.
    Digo e repito, a polícia é reflexo da sociedade. O brasileiro tem a polícia que merece.
    Em países civilizados a conversa é outra.

  32. as policiais sao estruturas de 1969, que a democracia ate hoje não chegou, sendo ate o momento monarquias policiais

  33. Alguém aqui já participou de alguma operação do MP? Eu já, de várias.E uma coisa interessante que eu percebi é que os mikes que trabalham para eles nem olham na cara dos seus camaradas fardados. Mas com os tiras o tratamento é diferente. Por que será? Fácil de responder: sonho de todo mike é ter o poder de investigar. Vigia de rua qualquer um pode ser.

  34. C.A. disse:
    02/11/2016 ÀS 22:14
    Senhora Escriludida

    Me perdoe a intromissão em seara que não é meu mister, mas, todo REGISTRO DE OCORRENCIA DE CRIME OU PRESUNÇÃO DE CRIME, de fato deve-se instaurar inquérito, vou mais além, em tempos passados, vi varias vezes Delegado baixando Portaria apenas com relatorio de Investigação. Creio que não instaure desta forma (todos) pela impossibilidade material para sua conclusão (falta de EFETIVO), então passou a ser usual, nos delitos de autoria desconhecida o aguardo de deligências e relatorio esclarecedor.
    Torno a repetir, enquanto a Policia Civil mantiver Policiais em serviço administrativo e assumir tarefas alheias, isso perpetuará!

    C.A.

    Mas a pergunta que não quer calar, pois está engasgando,F O I C A S O ESCLARECIDO, ou foi só “pra inglês ver”. e VAMOS QUE VAMOS, até nos aposentarmos.

  35. Sra. Escriludida

    Não sei o que deseja saber, sou das antigas, Boletim de Autoria Desconhecida esclarecido, é aquele com o positvo certinho no Relatório, nome do mala, goma, etc….e se possível, testemunha participando do reconhecimento fotográfico e posterior pessoal, se por acaso estiver preso, da-se o reconhecimento pessoal no estabelecimento e se não tiver coletiva, pede-se ao Juiz Corregedor e ele autoriza e determina o local para o feito. Fazendo desta forma, A CANA É DURA!

    C.A.

  36. Evidente, que não pode ser como alguns fazem, só o vilão, um vilão grande no meio de baixinhos, ou negão em meio a brancos, quero dizer, reconhecimento técnico!
    Támbém pode reconhecer vestimentas….timbre de vóz, modo de caminhar e tatuagens….

    C.A.

  37. Eles realizaram levantamento tendencioso e os números mentem.

    Ficar “parado” enquanto se registra o Flagrante é inerente ao trabalho da PM e faz parte do processo da prisão, sendo que para não haver esse prejuízo citado o comandante tem por obrigação realizar planejamento para a reposição do efetivo que está no DP, mas na realidade ocorre o contrário, pois para cada PM que apresenta uma ocorrência tem no mínimo mais 05 soldados ociosos e encostados cuidando da parte burocrática para a PM.

    E outra, para fazerem TCO não “perderão” tempo, ou vai ser tudo no copia e cola? Não terão que desviar mais PM para trabalharem em cartórios nas Cia.? Não terão que desviar PM para entregar os expedientes? Não farão mais documentos?

    E sobre perder tempo, será que computaram as horas que os PM perdem para prestar depoimentos no Fórum, ou isso também não faz parte dos trabalhos?

    Será que computaram as “Dispensas Recompensa” devida aos PM que tem folga por terem cumprido sua obrigação de prender em flagrante? Computaram as horas em que os PM estão malhando, jogando futebol, correndo e demais atividades esportivas, tudo em horário de serviço?

    E os milhares de PM em desvio de função no MP, Prefeitura, Assembléia, Fórum, Administração, etc, quanto será o prejuízo para a sociedade?

    Não que queira defender a PC e sua precariedade em que seus Diretores e Governo deixaram, mas também não é justo uma PM que nem suas atribuições legais conseguem cumprir, querer fazer um outro trabalho e assim “esquecer” sua função principal de PREVENIR o crime, sendo assim eles querem atuar depois que o crime aconteceu, fazendo TCO, etc.

    Agora basta nossos Sindicatos e Associações demonstrarem com números também e desmentir esses Comandantes que são incapazes de cumprir seu papel.

    A Sociedade agradece!

  38. o interesse do ip digital e para que o judiciario possa trabalhar em casa, como ja funciona com os processos civis.

  39. ESTA NO SIPESP

    No dia de ontem, 03/11/2016, o Secretário da Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, recebeu os membros do Movimento S.O.S Segurança Pública.

    Na oportunidade, o movimento ressaltou que permanece unido e mobilizado na tentativa de obter melhorias para a Polícia Civil.

    O Secretário, ressaltou a importância do diálogo e comunicou que nos próximos dias, novos policiais civis, de todas as carreiras, serão convocados, destacando que a carreira de Escrivão de Polícia terá um número maior de convocações, em razão de ser a carreira com maior defasagem de pessoal.

    A próxima manifestação do Movimento S.O.S Segurança Pública, ocorrerá no próximo dia 08/11/2016, às 16:00hs, no vão livre do Masp, oportunidade que os policiais civis poderão externar o seu descontentamento.

    Acredito que primeiramente temos que ter Reajuste Salarial e Valorização Salarial !!!!

  40. A Polícia Civil de São Paulo perdeu 3 mil policiais desde que Geraldo Alckmin (PSDB) assumiu o governo do estado em 2011. Levantamento realizado pelo G1 com dados do Diário Oficial e do Portal da Transparência mostra que, em contrapartida, o efetivo da Polícia Militar pouco se alterou no período: a taxa de ocupação dos cargos da instituição sempre se manteve na casa dos 95%.
    Para especialistas, a diferença de investimento é clara, aponta a priorização de uma polícia de confronto e acirra uma competição já existente entre as duas instituições. O governo garante que “investe constantemente na modernização e ampliação de todas as polícias” e que “não há qualquer privilégio de uma em detrimento das outras”.
    Em janeiro de 2011, quando tomou posse, Alckmin encontrou uma Polícia Civil com defasagem de 13% no número de funcionários. A instituição deveria contar com 35.337 policiais, mas apenas 30.714 estavam em atividade.
    Em julho de 2013, o próprio governador promulgou a Lei Complementar nº 1206 que determinou que o contingente da Polícia Civil fosse ampliado e composto por um total de 36.506 profissionais – já excluindo o cargo de carcereiro que acabou extinto pelo tucano.
    A lei de 2013 adicionou 1.169 cargos aos quadros da Polícia Civil. O reforço aconteceria especificamente no braço técnico-científico da instituição, que é o encarregado pelos trabalhos de perícia criminal. As novas vagas foram anunciadas, mas, até agora, não foram ocupadas integralmente. E, segundo o governo, não há nem previsão certa para que sejam.
    Após quase seis anos de gestão Alckmin, o déficit de servidores na Polícia Civil na verdade quase dobrou, subindo para 24%. Ou seja, já são 8,7 mil policiais a menos do que o previsto em lei. Em outubro de 2016, o efetivo da instituição era de apenas 27.714 profissionais, distribuídos em 13 cargos: delegado, investigador, escrivão, perito, fotógrafo técnico-pericial, desenhista técnico-pericial, papiloscopista, auxiliar de papiloscopista, médico legista, auxiliar de necropsia, atendente de necrotério, agente de telecomunicações e agente policial.
    saiba mais
    Perícia policial de SP tem déficit de 40% no quadro de funcionários
    Dos 13 cargos, nove tiveram queda na quantidade de funcionários de 2011 para cá. As únicas funções que registraram aumento no número de profissionais no período foram a de perito e auxiliar de necropsia. O crescimento, nestes casos, foi de 1%

    Retroescavadeira trabalha em terreno perto da casa de pintor na Zona Sul (Foto: Will Soares/G1)
    Peritos da Polícia Civil de São Paulo investigam crime em setembro de 2015 na Favela Alba (Foto: Will Soares/G1)
    Justificativas
    A Secretaria da Segurança Pública afirma que o quadro na Civil foi agravado por conta da Lei Complementar 144/2014, que estabeleceu em 65 anos o limite de idade com a qual os policiais podem atuar. Com ela, 862 policiais foram aposentados compulsoriamente entre 2014 e 2015. A lei foi revogada depois, mas os cargos não foram restituídos automaticamente.
    A pasta também aponta a “pior crise econômica da história do país” como um empecilho para a reposição do efetivo da Polícia Civil. Segundo a secretaria, a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) limita os gastos do governo com o funcionalismo público a no máximo 46,55% do que ele arrecada. Como as receitas caíram, os gastos, então, não poderiam aumentar.
    O governo se diz “obrigado” a seguir a lei. “São Paulo tem reconhecido histórico de cautela fiscal, continuará respeitando os limites da LRF e, em respeito ao contribuinte, efetuará as contratações conforme a disponibilidade orçamentária”, afirmou a administração estadual.
    A própria LRF, no entanto, ressalta que a proibição de contratações não se estende à reposição decorrente de aposentadoria ou morte de servidores das áreas de saúde, educação e segurança.
    Casos críticos
    A situação mais crítica dentro da Polícia Civil é a de médico legista. Quase uma centena deles deixou a instituição nos últimos dois mandatos do tucano que, curiosamente, também é formado em medicina. Servidores ouvidos pelo G1 afirmam que, em cidades do interior, não são raros os casos em que o auxiliar de necropsia faz as vezes de legista.
    As aposentadorias e exonerações representam uma diminuição de 18% na quantidade de médicos quando comparados os registros de 31 de dezembro de 2010 e setembro deste ano. Com a queda, a defasagem na carreira, que já era considerável antes de Alckmin, atingiu índices alarmantes: quase metade das vagas estão desocupadas.
    Já em números absolutos, os cargos de investigador e escrivão apresentam a maior redução de pessoal no período. Milhares de policiais deixaram seus postos e a reposição do governo não acompanhou o ritmo das saídas. Segundo a última atualização do Portal da Transparência, as duas carreiras têm, juntas, 2195 policiais a menos do que há seis anos.
    Policiais civis chegaram a paralisar as atividades durante uma hora na quarta-feira (19) em protesto por novas contratações e melhores condições de trabalho. A manifestação, batizada de “Operação Nocaute”, foi realizada em diversas cidades do estado, como Avaré, Bauru, Santos, Presidente Prudente e na capital paulista.
    Alckmin e secretário de Segurança Pública, Mágino Alves, em entrega de viaturas para PM neste ano (Foto: Divulgação/SSP)
    Alckmin e secretário de Segurança Pública, Mágino Alves, em entrega de novos carros para a PM neste ano
    (Foto: Divulgação/SSP)
    PM fora da crise
    Se a Polícia Civil sofre com a falta de profissionais, como alegam os sindicatos da categoria, a coirmã no combate ao crime, a Polícia Militar, deste mal não padece. Desde que assumiu o governo, Alckmin mantém um índice de ocupação dos cargos da PM na casa de 95%. 89.057 policiais militares estavam na ativa em outubro de 2016.
    Em 2013, o governo abriu concursos para a contratação de policiais para as duas instituições. Enquanto no certame da PM todos os aprovados foram empossados e até remanescentes acabaram convocados, as primeiras contratações na PC só foram acontecer agora, três anos depois da publicação do edital, e de forma parcial: a previsão, por exemplo, era contratar 1.384 novos investigadores, mas só 346 deles tomaram posse.
    Este ano, em 30 de agosto, Alckmin voltou a autorizar, com anuência das secretarias da Fazenda e de Planejamento e Gestão, a abertura de outro concurso para a PM. Desta vez para contratar 5,4 mil soldados para exercício em 2017, como consta na edição do Diário Oficial da data. A publicação ressalta: “devendo ser observadas, por ocasião do provimento dos cargos, as disponibilidades orçamentário-financeiras”.
    Competição
    Para o criminalista Daniel Bialski, a diferença de contratações entre as polícias Civil e Militar acirra uma espécie de competição que já existe entre elas. “Isto vai do campo de atribuição funcional até a salarial. Uma não aceita ser preterida em privilégio da outra. E ambas têm razões. O nivelamento deveria ser em prol da valorização das carreiras, o que não tem sido observado pelo governo”, afirma.
    Já para o especialista Rafael Alcadipani, do Fórum de Segurança Pública, a diferença de investimento nas duas instituições é evidente. “Governar é fazer opções. Ainda mais em uma época de crise econômica. E a opção que o governo tem feito é clara e transparente: fortalecer a PM e enfraquecer a Civil.”
    De acordo com o especialista, o favorecimento de uma polícia de confronto acaba se configurando em uma estratégia de “enxugar gelo”. “Como não há investigação criminal, as pessoas são presas e soltas. Não há capacidade pra gerar provas e punir as pessoas efetivamente”, acrescentou.
    Por nota, a administração estadual afirmou que, em 2016, já foram empossados 763 profissionais para a Polícia Civil (49 delegados, 339 investigadores e 375 escrivães) e reforçou que não há qualquer tipo de privilegiamento nos investimentos realizados nas duas polícias.
    Alcadipani defende que o problema também não é a quantidade de efetivo, mas sim o atual modelo de segurança pública. “Se você juntar Guarda Civil Metropolitana, Polícia Civil e PM, são muitas polícias e muitos policiais, mas está mal distribuído”, finalizou. Para ele, o ideal seria unir todas as forças em uma única instituição, de caráter civil.

  41. ESTA NO SITE ADPESP 04/11/2016

    O Governador Geraldo Alckmin acaba de anunciar, em evento oficial, a nomeação de 80 Delegados de Polícia, 387 escrivães e 120 investigadores, além de vários nomeados para as carreiras da Polícia Técnico-Científica.

    MUITO BOM !!!

    Cadê a valorização Salarial e o Reajuste Salarial ???

  42. no momento e em carater emergencial, nao e mais num primeiro nomear todos os escrivaes aprovados no concurso e fazerem uma academia de 15 dias, tendo em vista que vao fazer serviço interno, completado o quadro nomeia outros cargos

  43. considerando 80 delpols mais 60 medicos/peritos, considerando o salario, 140 destes cargos, daria para nomear 420 escrivaes, para cada delpol nomeado por causa do salario daria para nomear 03 escrivaes

  44. Serão anunciados 7,2% de reajuste salarial, a serem pagos em fevereiro de 2017.

  45. Se fosse para falar em Justiça, primeiro tinha que igualar a ajuda de alimentação igual da PM. Aliás, um PM disse que a DEJEM teve aumento, será?

  46. Estão brincado mas parece que os 7,2% está fechado entre governo e SIPESP, juntamente com a Associação dos investigadores, único risco de não termos 7,2% de reposição 2015 é o governo voltar atrás, que não seria nenhum absurdo.

  47. 7,2% kikikiki, só pode ser mais uma piada.

    não veem que esse bizu da radio pião é mais uma bravata pra acalmar os restopols ?

    se os caras não quer nem publicar as promoções obrigatórias anuais. imaginem um aumento salarial.

  48. e por falar nas promoções anuais , é inacreditável nós termos que assistir a vergonhosa inoperancia dos SINDICATOS
    que se dizem ser nossos representantes,

    é vergonhoso os sindicalistas assistirem o passar do ano , e não vermos publicados as nossas promoções…

    sera que é impossivel algum sindicato mandar uma mensagem aos responsáveis pelas promoções anuais dos policiais civis de são paulo , cobrando as providencias para eles PUBLICAREM AS PROMOÇÕES OBRIGATORIAS ANUAIS….

    sera que estou pedindo muito aos sindicalistas ???????????????????????????????????????

  49. HomeÚltimas NotíciasTJM decide que Polícia Civil não pode investigar os homicídios cometidos por PMs em serviço
    TJM decide que Polícia Civil não pode investigar os homicídios cometidos por PMs em serviço
    Declarada Inconstitucional a Resolução nº SSP 110/2010 do Secretário de Segurança Pública

           Por unanimidade de votos, o Pleno do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo declarou inconstitucional a Resolução nº SSP 110/2010, editada pelo Secretário de Segurança Pública Dr. Antonio Ferreira Pinto.
    

    Na referida resolução, o Chefe das Polícias determinava que, nos crimes dolosos contra a vida praticados por policiais militares contra civis em qualquer situação – durante serviço (resistência seguida de morte) ou não, os autores deveriam ser imediatamente apresentados à autoridade policial civil para as providências decorrentes de atividade de polícia judiciária, nos termos da legislação em vigor (art. 9º, parágrafo único do Código Penal Militar e art. 10, § 3° c/c art. 82 do Código de Processo Penal Militar).

    Suscitada a inconstitucionalidade da ordem, o TJM/SP decidiu que é de competência exclusiva da Polícia Judiciária Militar a condução da investigação de tais delitos, sustentando que o Secretário de Segurança Pública usurpou competência legislativa para alterar o predisposto no Código de Processo Penal Militar, produzindo norma contra legem e extrapolando os limites impostos pela natureza dos atos meramente executórios, emanados pelo Poder Executivo.

    Antecedendo à sessão de julgamento, nos termos do §3º, do art. 482, do Código de Processo Civil, o Relator deferiu pleito de sustentação oral, apresentado verbalmente em Plenário pelo advogado João Carlos Campanini, sócio-administrador da Oliveira Campanini Advogados Associados.

    De acordo com o Relator, Juiz Paulo Adib Casseb, havendo crime militar, nos moldes do art. 9º, do CPM, torna-se inafastável a previsão do §4º, do art. 144, da Constituição, que confere à polícia judiciária militar, com exclusividade, a investigação delitiva.

    “A subtração dessa atribuição, da seara policial militar, mediante ato normativo infraconstitucional, intenta grosseira e frontal agressão ao Ordenamento Supremo”.

    Com essa decisão, a Polícia Civil não mais poderá investigar as chamadas “Resistências Seguidas de Morte” quando partes Policiais Militares e civis infratores da lei.

    Na mesma toada, a decisão emanada pelo Governador do Estado que culminou na Resolução nº SSP 45/2011, que objetiva destinar ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) todas as investigações oriundas das ocorrências envolvendo morte com partes policiais militares em serviço é natimorta.

    Fonte: Assessoria de Imprensa da Oliveira Campanini Advogados Associados – Divulgação permitida desde que citada a fonte.

  50. Águem tem idéia de quando vai ser anúnciado o Reajuste e se vai vir algo a mais ?

  51. Pimenta preta

    É preciso se manter atualizado . Os sindicatos e associações não mandaram mensagem ou ofícios para cobrar o SSP sobre as promoções dos operacionais que está parado desde 01.07 ( os delegados da mesma lista foram promovidos em 19/07), mas cobraram pessoalmente o SSP na reunião do dia 03/11.

    A resposta é que está parado no palácio aguardando viabilidade econômica

  52. Na mesma toada, a decisão emanada pelo Governador do Estado que culminou na Resolução nº SSP 45/2011, que objetiva destinar ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) todas as investigações oriundas das ocorrências envolvendo morte com partes policiais militares em serviço é natimorta.

    Fonte: Assessoria de Imprensa da Oliveira Campanini Advogados Associados – Divulgação permitida desde que citada a fonte.
    (Se for deste jeito, com o corporativismo da justiça Militar, a investigação de chacinas no estado de São Paulo já natimorto).

  53. Considerando alguns comentários:

    Promoções Automáticas Anuais na PM:

    Dia 21 de ABRIL
    +
    Dia 09 de JULHO
    +
    Dia 07 de SETEMBRO
    +
    Dia 15 de DEZEMBRO

    Sempre promovem 50% por Antiguidade e 50% por merecimento, considerando listagem atualizada periodicamente.

Os comentários estão desativados.