Povo da Baixada Santista vítima do monopólio da TERRACOM; será que ninguém percebe que há superfaturamento ?…Por quê alguns políticos gostam tanto dessa empresa?… Terracom deveria ser proibida de firmar contratos com o poder público 17

Terracom suspende coleta de lixo em três cidades da Baixada Santista

Cubatão, Guarujá e São Vicente possuem dívidas com a empresa.
Lixo se acumula nas ruas das cidades desde a suspensão dos serviços.

G 1

Funcionários ficaram parados no pátio da empresa, em Guarujá (Foto: Solange Freitas/G1)
Funcionários ficaram parados no pátio da empresa, em Guarujá (Foto: Solange Freitas/G1)

Três cidades da Baixada Santista, no litoral de São Paulo, estão sem coleta de lixo por falta de pagamentos à Terracom, responsável pelo serviço. A coleta foi suspensa pela empresa na última quarta-feira (9), em Guarujá. Já em Cubatão  e São Vicente, o serviço foi paralisado nesta quinta-feira (10). A empresa afirma que continua pagando os funcionários normalmente.

Segundo a Terracom, as dívidas de Guarujá passam de R$ 21,2 milhões de reais. Em Cubatão, o valor devido é superior a R$ 16 milhões e, em São Vicente, a R$ 8 milhões. A coleta de lixo e de entulho, além da varrição das ruas, foram suspensas nos três municípios.

Restos de alimento ficaram espalhados após feira (Foto: Anderson do Nascimento/Arquivo Pessoal)Restos de alimento ficaram espalhados após feira
(Foto: Anderson do Nascimento/Arquivo Pessoal)

Em diversos pontos das três cidades, o lixo pode ser visto se acumulando pelas ruas. Em Guarujá, os restos de alimentos das feiras livres da cidade também não foram varridos.

Na rua Manoel Domingos Cravo, no bairro Vila Santa Rosa, os restos de comida causam um forte cheiro pelas ruas e a presença de diversos urubus no local. A empresa estima que faz a remoção de 360 toneladas de resíduos das ruas da cidade por dia.

Os funcionários que realizam o serviço em Guarujá permaneceram em frente ao pátio da empresa, junto aos caminhões da Terracom, que não saíram do local.

Segundo a empresa, a prefeitura de Guarujá não efetua pagamentos integrais desde março de 2016 e foi notificada no dia 6 de novembro da suspensão do serviço. Já a administração afirma que cumpre rigorosamente o pagamento de acordo dos ajustes do serviço juntamente com a fatura mensal.

A prefeitura diz também que a fatura de outubro será paga na próxima quarta-feira (16) e que a paralisação por uma semana “é injustificada”. A administração afirma que entrará com um pedido de liminar para encerrar a paralisação.

Lixo também se acumulou pelas ruas de São Vicente (Foto: Solange Freitas/G1)
Lixo também se acumulou pelas ruas de São Vicente (Foto: Solange Freitas/G1)

Cubatão e São Vicente
Em São Vicente, a coleta já havia sido suspensa em outubro pela falta de pagamentos, mas foi retomada dois dias depois. Segundo a Terracom, as dívidas da prefeitura com a empresa ultrapassam R$ 8 milhões e que pagamentos fracionados vêm sendo feitos desde novembro de 2015. A Prefeitura de São Vicente ainda não se pronunciou sobre a paralisação da Terracom.

Já em Cubatão, o serviço foi paralisado em julho por dívidas da administração. Na época, a prefeitura havia negociado um sistema de pagamento dos atrasos para a empresa, que, de acordo com a Terracom, não foi cumprido. A prefeitura afirma que está em negociações com a empresa para que a retomada dos serviços ocorra o mais rápido possível.

Em nota, a Terracom ressaltou que está honrando os salários e benefícios dos funcionários e colaboradores mesmo mediante aos atrasos por parte das três cidades contratantes.

Com dívida de R$ 70 mi com a Terracom, Santos pode ficar sem coleta de lixo

Por falta de pagamento, três cidades estão com os serviços paralisados

SANDRO THADEU
SIMONE QUEIRÓS
A TRIBUNA 

A Prefeitura de Santos admitiu que possui uma dívida de cerca de R$ 70 milhões com a Terracom. Os valores são referentes ao contrato anual de limpeza urbana e recolhimento do lixo assinado em 10 de dezembro do ano passado.

Apesar de estar entre as quatro cidades inadimplentes com a empresa, em Santos, a coleta de lixo não foi paralisada.

A confirmação da dívida veio após a Reportagem verificar, por meio do Portal da Transparência, que a empresa recebeu até agora R$ 34 milhões dos R$ 133,5 milhões previstos em contrato, uma diferença de quase R$ 100 milhões.

A Administração Municipal chegou a ficar cinco meses sem passar um centavo para a prestadora de serviço.

O último pagamento rolou no dia 21 de outubro (R$ 641 mil) e o penúltimo somente em 19 de maio (R$ 574 mil).

Intimada

Por conta desse calote, a Reportagem apurou que, em outubro, a Terracom notificou a Prefeitura de Santos sobre a possibilidade de interromper os serviços, caso ficasse sem receber. Contudo, o prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa, nega a informação.

“Essa dívida realmente está sendo administrada dentro da disponibilidade financeira da Administração Municipal, mas até o momento não recebemos qualquer documento nesse sentido”.

Por esse motivo, ele afastou qualquer possibilidade de a coleta de lixo e a limpeza urbana serem suspensas em Santos, como vem ocorrendo em outros municípios da região.

Em Guarujá, a coleta de lixo está interrompida desde quarta-feira (Foto: Rogério Soares)

Explicação

A Prefeitura de Santos explica que a dívida com a Terracom é de R$ 70 milhões, e não de R$ 100 milhões, porque os R$ 133,5 milhões fazem referência ao valor estimado em contrato.

Ainda conforme a Administração Municipal, a quantia mensal a ser repassada à Terracom deveria ser superior a R$ 11 milhões, mas houve um esforço para reduzir para pouco mais de R$ 8 milhões.

Independente da existência de uma notificação de cobrança, a Prefeitura disse manter conversas com a empresa para tentar dar um jeito nesta situação.

Ruas cobertas de lixo

Os serviços de limpeza urbana estão suspensos em Guarujá, São Vicente e Cubatão.  Juntas, as quatro prefeituras devem pelo menos R$ 114 milhões à Terracom.

Conforme apurado por A Tribuna, as quatro prefeituras receberam notificações. A de Guarujá foi protocolada em 6 de outubro, mas o serviço foi suspenso nesta quarta-feira (9). De acordo com a Terracom, a Administração Municipal guarujaense não efetua os pagamentos integrais das faturas desde março deste ano, acumulando até agora uma dívida de R$ 21,2 milhões.

Já Cubatão e São Vicente devem amanhecer com as ruas cheias de lixo nesta sexta-feira (11). Conforme apurado por A Tribuna, a Prefeitura de Cubatão deve em torno de R$ 15 milhões à empresa, e vem efetuando pagamentos parciais de suas faturas – de modo que tem débitos que se acumulam desde 2011.

Já a Prefeitura de São Vicente acumularia uma dívida de mais de R$ 8 milhões, conforme também apurado pela Reportagem. A Administração Municipal admite que está devendo quatro faturas à empresa e que “está em fase de negociação para acertar as pendências”.


A confirmação da dívida veio após a Reportagem verificar, por meio do Portal da Transparência, que a empresa recebeu até agora R$ 34 milhões dos R$ 133,5 milhões previstos em contrato, uma diferença de quase R$ 100 milhões.

Aparentemente a empresa está contente com os R$ 34 milhões – de R$ 133, 5 milhões –  que recebeu por dez meses de prestação de serviços; por tal motivo não paralisa seus trabalhos na cidade de Santos como fez em São Vicente, Cubatão e Guarujá.

Por que Santos pode se manter parcialmente inadimplente e as demais cidades não podem ?

Discriminação , bairrismo ( o dono da empresa mora em Santos ) ou uma longa estória de contratos vantajosos para a empreiteira e para os prefeitos de Santos?

Ou ainda: será que a  diferença de quase R$ 100 milhões corresponde – apenas – aos repasses políticos ?

Assim: por enquanato  não pagam , por enquanto não recebem !

Os comentários estão desativados.