MPE e PM deflagram operação contra o jogo ilegal na Baixada 8

Policiais militares foram presos e um policial civil foi conduzido coercitivamente; até a noite desta terça-feira (29), não foi divulgado balanço oficial

Por Gilmar Alves Jr. – DIÁRIO DO LITORAL

Uma operação contra o jogo ilegal na Baixada Santista deteve policiais militares e conduziu coercitivamente um policial civil, além de outras pessoas, nesta terça-feira (29). A ação foi deflagrada pelo núcleo santista do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual (MPE), com apoio de policiais militares da Corregedoria.

Até a noite desta terça-feira (29), o MPE não divulgou balanço sobre o total de prisões e outras ordens judiciais cumpridas durante a operação.

O Diário apurou que um dos alvos da operação foi a casa de um PM, no Jóquei Clube, em São Vicente. No imóvel, vistoriado com respaldo de mandado de busca e apreensão, a Corregedoria da PM apreendeu uma arma sem numeração (garrucha) e seis munições de calibre 12.

O policial, de 58 anos, foi autuado em flagrante por porte ilegal de arma de fogo no 2º Distrito Policial de São Vicente (Cidade Náutica). Ele foi solto após pagar fiança.

No bairro Parque São Vicente, ainda conforme apurou o Diário, policiais desativaram oito máquinas de caça-níqueis em um estabelecimento comercial e apreenderam R$ 1737,00, além de anotações com a suposta contabilidade.

Presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública projeta para breve o fim das Polícias Civis no País 68

O diretor-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), professor Renato Sérgio de Lima, projeta um futuro sombrio para as Polícias Civis no País. Para ele, o baixo índice de solução de crimes  tem contribuído para o descrédito da instituição em todo o Brasil. Em entrevista esta semana ao Blog do Elimar Côrtes, o professor Renato de Lima declarou que “muito em breve”, as Polícias Civis entrarão em colapso.

Segundo Renato Sérgio de Lima, as Polícias Civis no País encontram-se em uma difícil situação, “pois, historicamente têm (Polícias Civis) apresentado baixíssimas taxas de esclarecimento de crimes, e parte da ‘clientela’ do sistema de Justiça Criminal é aquela presa em flagrante pelas Polícia Militar”.

Nessa toada, acrescenta o professor, a população tem muita dificuldade de registrar delitos e o excesso de burocracia e formalismo do rito dos inquéritos policiais tomam tempo, racionalidade e recursos humanos.

“Por outro lado, as Polícias Civis passam simultaneamente por um processo de sucateamento, com dificuldades de realizarem concursos e contratarem policiais. Muitas de nossas Polícias Civis Estaduais estão diminuindo de tamanho e aumentando a idade média dos seus efetivos”, completou o diretor-presidente do FBSP.

No entender de Renato Sérgio de Lima, há pouca margem para renovação e dinamização de práticas e procedimentos. “Em meio a esse processo, que junta crise da sua missão fim (investigação), falta de recursos e baixa prioridade política de governantes, temo que as Polícias Civis entrarão em colapso muito em breve”, ponderou o professor.

Ele explica: “Na medida em que temos que conviver com quase 60 mil mortes e 55 mil estupros por ano, ou valorizamos a investigação ou a segurança continuará sendo um dos mais graves problemas do Brasil.”

Para Renato Sérgio de Lima, o que virá para substituir a Polícia Civil, num futuro próximo, é uma incógnita. “Se o projeto é acabar com as Polícias Judiciárias Estaduais, o que será posto no lugar? Afinal, não podemos dizer que elas não farão falta. Pelo contrário, precisamos de investigações de qualidade e mais bem feitas para fazer frente ao crime e à violência.”

Segundo Renato de Lima, “boa parte da ‘clientela’ do sistema de Justiça Criminal e da segurança pública é aquela encaminhada pelas Polícias Militares, com as prisões em flagrante de suspeitos de crimes.”

O professor afirma que a PM prende muito mais porque a investigação das Polícias Civis é precária e baixíssima em todo o Brasil:

“Na medida em que a qualidade da investigação criminal no Brasil é muito baixa, quem vai preso ou quem é processado é aquele levado pela Polícia Militar, na maioria das vezes. Quando um crime depende da investigação por parte da Polícia Civil, as chances de não ser esclarecido aumentam, gerando vieses no fluxo do sistema. E tais vieses impactam a confiança da população, a eficiência do sistema e afastam as instituições da sociedade.”

Renato Sérgio de Lima, que é também professor do Departamento de Gestão Pública da FGV/EAESP (Escola de Administração de Empresas de São Paulo), analisou recentemente em entrevista à Folha SP, a situação que vive a Polícia Civil do Estado de São Paulo. Lá, o índice de aposentadoria de policiais civis é altíssimo.

Os dados apontam que somente neste ano 1.260 escrivães, investigadores e delegados pediram desligamento, contra 139 em todo ano de 2006. Outro número que impressiona: 48% dos policiais civis da ativa estão no término da carreira. Em São Paulo, somente 2% dos roubos são esclarecidos pela Polícia Civil.

“Se a Polícia Civil não se repensar é bem capaz que, nos próximos cinco anos, ela seja extinta. E isso não é só São Paulo. Isso é uma realidade parecida no resto do País”, sacramentou o professor Renato Sérgio de Lima.

No Espírito Santo, levantamento realizado pelo Sindicato dos Servidores Policiais Civis do Estado (Sindipol/ES)  aponta que o Estado tem uma defasagem de 1.428 policiais civis. Isso equivale a quase 38%.

http://sinpoldf.com.br/na-midia/2016/11/baixissimas-taxas-de-solucao-de-crimes-falta-de-recursos-e-sucateamento-provocado-pelos-governantes-presidente-do-forum-brasileiro-de-seguranca-publica-projeta-para-breve-o-fim-das-policias-civis-no.html.