A Polícia Civil do jeito que está; com essa Lei Orgânica que concentra poderes nas mãos de duas dúzias de proprietários o melhor é acabar mesmo 124

A Polícia Civil esta literalmente falida. A culpa?. Não tenha a menor sombra de dúvidas que é de seus dirigentes que sempre dela se serviram, sem se preocupar em mantê-la em condições de bem servir a sociedade, razão de sua existência.

Transformaram a estrutura da polícia num enorme esquema de recolhimento de propinas em cascata, partindo-se da titularidade de unidades de polícia territorial até a diretoria de departamento ou, quiça, o topo da instituição.

É o maquineiro, o bicheiro, o adulterador de combustível, o gerente da biqueira, do bingo ou carteado clandestino, do puteiro, do desmanche, etc…, todos colaboradores da chefia da unidade policial.

Por conta disso, sempre se preocuparam com o “salário paralelo”, disputando a peso de ouro as titularidades das unidades policiais. Vários deles se perpetuam no cargo de Diretor, Divisionário,Seccional ou Titular de DP há décadas.Só alternam o lugar ou cadeira. Nenhuma investigação por parte do Ministério Público, órgão de controle externo, é desencadeada para apurar casos ostensivos de enriquecimento sem causa. Nada podemos esperar do órgão de controle interno, vez que, por mais incrível que pareça, até nele, na gestão anterior, montou-se um escandaloso esquema de arrecadação de propina dos Departamentos Policiais para não apurar denúncias contra seus policiais, chegando ao absurdo de os avisar antecipadamente. O caso ganhou grande repercussão na mídia quando uma promotora e um delegado entraram por uma porta do Deic e os policiais que seriam presos saíram pela outra. Sabe o que aconteceu? NADA.

Se você não tem parentesco ou apadrinhamento de Delegado de Classe Especial, Membro do MP, da Magistratura, vai só se “phoder” na polícia, vão te classificar nos piores lugares, vai assumir equipe desfalcada com centenas de inquéritos sem providências efetivas, vai responder cumulativamente por outras equipes nas férias de seus titulares e só vai tirar férias nos meses que ninguém quer.

Antigamente morar perto de uma delegacia era motivo de segurança e valorização imobiliária. Depois transformaram as delegacias em presídios e, em razão das recorrentes rebeliões, ninguém queria morar próximo de uma delegacia. Agora ninguém quer morar próximo porque os prédios estão abandonados e se tornaram vulneráveis a ataques por parte de grupos criminosos.

As unidades policiais não investigam mais nada, salvo raras exceções de policiais abnegados que, apesar de todos os contratempos, ainda conseguem, por exclusiva dedicação pessoal esclarecer um ou outro caso, mormente se foi objeto de divulgação pela mídia.

Os indicadores de crimes graves como o latrocínio dispararam. O objeto mais visado pelos ladrões que redundam na morte da vítima é o veículo automotor ou o motociclo. Pergunta: Cadê a fiscalização da Lei dos Desmanches? Trata-se de uma ótima lei, mas que o governo não fiscaliza seu cumprimento. Se deixar para a polícia fazer isso, com certeza será mais uma fonte de corrupção policial para se fazer olho de vidro. Por conta disso no entorno da Seccional Centro, próximo do Palácio da Polícia, próximo de inúmeras unidades do complexo do Comando Geral da PM proliferam lojas comercializando peças de motos roubadas.

Os bairros da Saúde, Moema, Vila Clementino são campeões de roubo e furto de veículos. Pergunta: Existe fiscalização dos inúmeros desmanches da Ricardo Jafet, Abraão de Moraes, do Cursino. Todo mundo sabe que vários desses estabelecimentos possuem paredes falsas que ocultam locais onde os veículos roubados e furtados são desmontados. O mesmo acontece em Santo André, será que os desmanches da Seccional de São Mateus são fiscalizados?

Tudo isso regado com mais de três anos sem aumento e com um desfalque de um terço do efetivo que estava previsto para a Polícia Civil há dez anos atrás.

Neste contexto, o melhor mesmo é acabar com a Polícia Civil e aproveitar o que ainda resta da parte boa de seus recursos humanos em outras instituições.

Por:  Amigo da rua Brigadeiro Tobias, nº 527, 9° andar, Luz, São Paulo.