Divisão PM Vítima – A resposta institucional quando o policial militar se torna vítima 31

A resposta institucional quando o policial militar se torna vítima

A Corregedoria PM e “aqueles que jamais esquecem”, os integrantes da Divisão PM Vítima, garantirão a resposta legal quando um policial militar que se tornou vítima assim necessitar.

Agentes da Divisão PM Vítima e equipe tática da Polícia Militar Catarinense – operação de inteligência onde foi preso um homicida que vitimou um policial militar no litoral paulista. O criminoso empreendeu fuga até Santa Catarina. Foto: Autores
Major PM Flávio César M. Fabri – Capitão PM Ricardo Savi
Integrantes da Corregedoria PMESP
Poucos profissionais juram em sua carreira defender uma causa a ponto de colocar a própria vida em risco. Entre as exceções, está o Policial Militar. Para que o cidadão, no momento em que mais o aflige tenha uma solução para a sua demanda, o primeiro representante do Estado que se fará presente (a qualquer hora) muito possivelmente será um policial militar. Essa demanda, muitas vezes, terá repercussão para o policial que a responde, que vai da satisfação de poder ter sido útil até a real possibilidade de se ferir gravemente ou mesmo perder a própria vida. Os meios de comunicação podem confirmar esse posicionamento. Diariamente diversos policiais militares estão sujeitos ao rigor do seu trabalho. São os verdadeiros heróis (muitas vezes não reconhecidos pelo sacrifício extremo feito).

Agentes da Divisão PM Vítima e equipe tática da Polícia Militar Catarinense – operação de inteligência onde foi preso um homicida que vitimou um policial militar no litoral paulista. O criminoso empreendeu fuga até Santa Catarina. Foto: Autores
A Polícia Militar possui diversas unidades, com especialização para atender a cada missão que o complexo mister da segurança pública exige. Unidades de Policiamento Territorial, atendendo diretamente o cidadão, Policiamento Ambiental, Controle de Distúrbios Civis, Operações Especiais etc. Uma das unidades especializadas da Polícia Militar é a Corregedoria PM.

A Corregedoria da Polícia Militar, órgão estratégico para a orientação, manutenção da disciplina e, quando necessário, apuração de notícia/correção de não conformidades apresentadas por policiais militares, também é a unidade responsávelpara dar a resposta quando um policial militar se torna vítima de homicídio, tentativa de homicídio ou ameaça.

Desta forma, possui vários departamentos que lidam desde o aspecto técnico da aplicação, análise e difusão de doutrina de Polícia Judiciária Militar, questões de apoio e gestão administrativa / instrução, tão como o Departamento Operacional, composto por Divisões responsáveis pela apuração de não conformidades em relação ao público interno.

Os policiais que integram uma das Divisões do Departamento Operacional da Corregedoria da Polícia Militar são aqueles que compõem a Divisão PM Vítima.

Criada em 1983, a atual Divisão PM Vítima é composta por equipes (Seções) que possuem a incumbência de dar apoio aos demais integrantes da instituição que se tornaram vítimas no cumprimento do sagrado dever de defender a sociedade (cumprindo seu juramento como policial militar) ou mesmo aqueles que, em razão da função, tornaram-se alvo de criminosos no horário de folga.

A área de atuação da Divisão PM Vítima é todo o território paulista. Mas, por vezes, mediante análise do Corregedor da Polícia Militar e Alto Comando da PM, já deslocou agentes para outros Estados com a finalidade de prender criminosos que atentaram contra a integridade de policiais militares (de São Paulo). Corroborando esse posicionamento, em caráter recente, setores de inteligência das Polícias Militares de Santa Catarina e de São Paulo obtiveram informação do paradeiro de um homicida que, após vitimar um policial militar no litoral de São Paulo, empreendeu fuga para o município de Itajaí (SC).

Considerando a possibilidade de que o criminoso tomasse rumo ignorado, o Corregedor PM (Sr. Cel PM Marcelino), em pessoa, imediatamente efetuou os contatos burocráticos de praxe (o que incluiu o próprio Comandante Geral PM), determinou que uma equipe de resposta da Divisão PM Vítima se deslocasse emergencialmente e atuasse de forma colaborativa com agentes catarinenses. Poucas horas depois, uma operação de inteligência foi montada (contando com o apoio de uma equipe tática local), o homicida preso e apresentado no Fórum de Itajaí. Esta operação é somente uma das várias que já ocorreram em outros Estados, sempre contando com a colaboração das Polícias locais.

Desde já, necessário esclarecer que a vocação desses agentes é atuar de forma conjunta com outros agentes de inteligência lotados nas diversas Unidades da Polícia Militar (P/2), tão como com a Polícia Civil e Poder Judiciário.

Parte do estágio dos novos integrantes da Divisão PM Vítima – visita ao Mausoléu da Polícia Militar e leitura de todas as cartas deixadas por familiares nos túmulos dos policiais tombados Foto: Autores

Conhecidos como “aqueles que jamais se esquecem”, em alusão ao fato de se preocuparem em dar uma resposta a Policia Militar, aos amigos e familiares dos policiais vitimados (e a própria memória da vítima), independentemente do tempoque demore até a devida responsabilização legal do(s) acusado(s), os agentes da Divisão PM Vítima começam seus trabalhos assim que chega a notícia de que um Policial Militar tenha sido ferido, ameaçado ou mesmo mortalmente ferido. Iniciam as atividades “de campo”, a análise do cenário da ocorrência, dinâmica do evento e arrecadação de informações.

Via de regra ocorre a colaboração e trabalho conjunto com outros policiais militares, policiais civis (e até mesmo com o cidadão que decide fornecer, de forma discreta, informações com que é possível se chegar a autoria). É uma atuação que exige grandes esforços, dedicação, paciência e discrição (não sem motivo, também são conhecidos como “guerreiros sem rosto”).

O sucesso advém quando os esforços culminam com a expedição do(s) mandado(s) de prisão e a respectiva operação de inteligência para levar aqueles que ousaram atentar contra a integridade de um policial militar para a devida responsabilização perante o tribunal. Muitas das operações podem ocorrer anos após o fato motivador. Neste ponto esclarecemos que apesar disso, todos os esforços são feitos para que nenhum policial militar vitimado seja esquecido.

Em outro aspecto das suas missões afetas, os agentes da Divisão PM Vítima também ministram palestras para o público interno, objetivando reforçar condutas que potencializem a segurança do Policial Militar. Também, quando solicitado ao Corregedor PM e Alto Comando da Polícia Militar, prestam apoio a outras Instituições Policiais quando desejam angariar expertise na criação de equipe similar. Junto ao Ministério Público Estadual, a Divisão PM Vítima já atuou nas chamadas “operações preemptivas”, quando se há arrecadação prévia de provas pela justiça de que ações contra policiais militares podem estar em curso ou na iminência de ocorrer.

Em uma das missões junto ao Ministério Público, em um município da Grande São Paulo, no ano de 2016, os agentes prenderam 11 (onze) criminosos que se articulavam para cometer ações contra policiais militares ou agentes de órgãos de segurança. Com a morte de policiais, pretendiam ter o ingresso em uma facção do crime organizado.

Os agentes da Divisão PM Vítima possuem a capacidade de atuar em diversos tipos de ambientes Foto: Autores

Defender o policial militar é defender a própria sociedade. O autor do homicídio contra um policial é o mesmo que irá cometer (ou que já cometeu) crimes contra o cidadão. Assim, da mesma forma que a sociedade conta com a Polícia Militar nos momentos em que precisa de ajuda, a Instituição se incumbe de que nenhum policial seja esquecido.

A Corregedoria PM e “aqueles que jamais esquecem”, os integrantes da Divisão PM Vítima, garantirão a resposta legal quando um policial militar que se tornou vítima assim necessitar. Aos policiais militares tombados, verdadeiros heróis da sociedade, dedicamos nossos melhores e mais sinceros esforços.

  1. Andar à paisana, investigar e dar cana.

    Nem parecem PMs.

    Aliás, parecem até tiras.

    Né, Jacaré?

  2. Já demos cana com eles e são muito profissionais. Mais que muito “colega”

  3. Aqui na baixada trampam direto com a gente e ajudam muito. Nunca atrasaram nenhum lado nosso. Só tenho que elogiar. Se o pessoal nosso tivesse a mesma preocupação quando um colega se ferra ia ser bem melhor. A única hora que vi uma coisa parecida com a gente foi quando fizemos um corre para achar o colega enterrado na ilha.

  4. Grandes e valorosos policiais. Não poderia deixar de declarar meu carinho, meu respeito, minha lealdade por esta divisão. Já estivemos juntos em várias operações. Foram momentos que dignificaram a disposição, competência e presença policiais. Parabéns!!

  5. Qual a base legal? Até onde sei, corregedoria investiga crimes praticados por policiais e não contra policiais, principalmente, no caso da PM que só pode investigar crimes militares.

    Civis não podem ser investigados por militares, no âmbito da Justiça Militar Estadual.

    “Aqueles que nunca esquecem”, é lema adotado pelo MOSSAD quando foi criado para caçar e assassinar antigos chefes nazistas e depois os terroristas do “Setembro Negro”. Por aí já dar pra ter uma idéia do que a PM montou.

    A população de Osasco, Carapicuíba e Barueri aguardam a eficiente corregedoria da PM apurar as chacinas semestrais que acontecem nesses municípios.

  6. Parabéns a esses PMs. Já trampei junto deles quando estava no DECAP. Já deram muito mais cana que os leões de teclado . E de boa, tinha um monte de captura que fizeram e a gente entrou junto. Parabéns para eles.

  7. Parabéns ao Policiais.
    E aqueles que criticam independentemente da base legal é o minimo que deve ser feito pelo policial que morre vitimado por bandidos. Se a polícia civil se empenhasse em esclarecer os crimes, isso não seria necessário. Hoje a polícia civil não se empenha nem para esclarecer a morte de seus parceiros que dirá de policiais militares muito menos ainda da população.

  8. Em SP esse setor da PM já existe faz tempo, e trabalham com muito profissionalismo. Na maioria dos casos, em que PMs são mortos, o esclarecimento é deles, a cana também e apresentam no DHPP.

  9. no dhpp tem delegacias para tudo, e so criar uma delegacia para atendimento do policial vitima, agente penitenciario vitima, e outros servidores publicos, ha esqueci que a policia civil tem mais importantes…..

  10. Quer dizer que os fins justificam os meios? “Se a Civil se empenhasse em esclarecer os crimes, isso não seria necessário”. Se a PM se empenhasse em fazer policiamento ostensivo não teríamos essas taxas de criminalidade.

    Os entendidos poderiam dizer em qualquer batalhão ou companhia da PM quantos trabalham no 01 (zero um). O policiamento ostensivo que é a viga mestra da segurança pública é relegado a quinta opção entre as prioridades da PM. Depois toda essa ineficiência deságua nos plantões da Polícia Civil.

    A PM brigava para fazer registro de ocorrências porque diziam que perdiam tempo nos DPs, hoje tem acesso ao RDO e podem registrar quase todas as ocorrências que nós. Agora vai lá na base da PM é pede para fazer um BO. No máximo vão te apontar o endereço da delegacia.

    Veio a resolução 57, que seria a “bala de prata” da PM para os problemas da segurança pública e o que aconteceu, os crimes patrimoniais aumentaram. Hoje a PM manda parente de vítima de homicídio para apresentar a ocorrência, levando para delegacia 1/4 de folha A-4, escrito NOC.

    A Polícia Civil carrega toda a segurança pública nas costas.

    Pelo efetivo que tem, quase cem mil policiais, não era para ter nem furto de balas no Estado de São Paulo.

    Qual polícia do mundo tem efetivo igual ao da PMSP?.

    Qualquer unidade da PC que ficasse com a incumbência de investigar menos de cem crimes por ano, com dedicação exclusiva a um único tipo de crime, sem precisar fazer a parte cartorária, audiências de custódia, guarda de presos, etc., e efetivo de sobra, teria resultados excepcionais.

    Abraço

  11. Todo apoio para eles. Se tem GOE e GARRA andando de uniforme eles também podem fazer esse trabalho. Uma vez vieram e fizeram um trabalho conjunto com a gente. Pessoal educado, com boa vontade e profissional. Só tenho que elogiar mesmo. Deixaram uma boa impressão. Mais ainda, se é para atrasar lado de ladrão tem mais que bater palma

  12. A Corregedoria da Polícia Civil tem uma Divisão de Policial Vítima?
    Ou só tem um divisão para f@d&r o policial civil vítima?
    Não querem saber o que os outros fazem com a gente, mas sim o que nós fizemos mesmo sendo inocente.

  13. Merecem. Em vez de discutir teoria, estão correndo atrás de ladrão. Já vieram aqui e trabalhamos juntos várias vezes de boa. São muito educados e trabalham muito

  14. O mais absurdo nesse país de merda, governado por marginais, é que os relatores da reforma da previdência estão colocando toda a culpa do deficit da previdência, no âmbito público, nas costas dos policiais, segundo o lixo do relator disse ontem, uma policial feminina aposenta com 43 anos num país em que a expectativa de vida é de 84 anos, ele esqueceu de dizer que o policial ganha salário de fome, e com muita sorte consegue se aposentar, isso se não morrer antes, e que a expectativa de vida do policial é de 65 anos, e que o policial demora pra aposentar na esperança de melhorar o seu salário de fome, e quando aposenta morre no bico, não são os juízes e promotores com salários de 100 mil reais por mês que quebra o Estado, puta demagogia

    Lendo essa reportagem, só posso dizer que é um grupo de guerreiros tentando amenizar o sofrimento dos esquecidos, pois é isso que somos, esquecidos pelo Estado, mas lembrados na dor de barriga para doarmos nossas vidas pra manter essa República de marginais que destroem o Estado

  15. Esses policiais podem até serem bons mas estão desempenhando um papel que não é deles. Se a Policia Civil não esclarece crimes é porque o Estado não fornece os meios necessários. Não é burlando as leis que vai funcionar. Policia Militar NÃO PODE INVESTIGAR crimes comuns e ponto final. Essa excrescência tem que acabar. Finalmente algum PM cabeça de bagre comentou que existe o GOE, GARRA, etc, sim mas foram criados com base em lei…..”policiamento preventivo ESPECIALIZADO”…….Façam a sua parte e deixem a nossa conosco ( mesmo que com baixo desempenho. Isso não é da suas contas).

  16. As criticas aqui no Blog, são de delegado criticando a atuação deles por questões corporativistas.

  17. RESPOSTA AO EDUARDO:

    ATÉ A FAMILIA DA VITIMA PODE INVESTIGAR A MORTE DE UM ENTE, EXISTE INUMEROS, ALGUNS ATÉ DIVULGADOS NA MIDIA, DE FAMILIAR IDENTIFICAR O AUTOR DE TER MATADO SEU ENTE QUERIDO.

    ASSIM, NÃO SEI O PORQUE DESSA VAIDADE DE QUEM PODE INVESTIGAR OU NÃO, A PCS TEM ESSA INCUMBENCIA, MAIS A GRANDE MAIORIA SOMENTE QUER A CARTEIRA DE POLICIA E O PORTE DE ARMA PARA FINS EXCLUSOS, QUE ATUALMENTE SOMENTE SERVE PRA LEVAR O TROUXA DO PC PARA A CADEIA .

  18. ANTES QUE ME CORRIGAM:

    LI O DICIONÁRIO E CONSTATEI QUE A PALAVRA CERTA E ESCUSO E NÃO EXCLUSO

  19. EITÁ COISA,

    VIRAM QUE NÃO É FÁCIL SER ESCRIVÃO SEJA DA POLICIA, OU DE OUTRA SECRETARIA, TEM QUE SER CULTO ESTAR E DIA COM A GRAMATICA E A LINGUA PORTUGUESA.

  20. Na cidade em que sou delegado não tem juiz nem promotor, por isso poderei julgar e oferecer denúncia, já que tenho a mesma formação do juiz e do promotor? É claro que não!!!!!! Corregedoria é para exercer atividade correicional, é órgão de controle interno.

    O policial da corregedoria pode ser bom músico, bom artista, bom engenheiro, bom médico, o diabo a quatro, mas a função dele é exercer atividade correicional.

    Militares estaduais não podem investigar civis. Não sou eu quem diz isso, é a lei.

    Militares federais, em determinadas circunstâncias podem investigar civis que serão processados pela justiça militar da união. Nos Estados NÃO HÁ PROCESSOS DE CIVIS PERANTE A JUSTIÇA MILITAR.

    Se a corregedoria da PM fizesse o papel dela não haveria chacinas semestrais em Osasco e a rota não sairia pegando pé rapado em um extremo da cidade e levando para assassinar dentro de carros roubados no outro.

    Aqueles que nunca esquecem é o lema do MOSSAD, sejam mais originais.

    Ainda teve um inocente que disse que funcionava porque não tinha delegado. Perguntem aos praças que realmente trabalham como é ser comandado por um aspirante, um tenente ou um capitão.

    Só quem já esteve na PM sabe como aquilo é podre e como quem realmente trabalha é tratado. Na PM, os únicos por quem tenho simpatia são pelos policiais do 01 (zero um).

    Trato com respeito a todos, porque trato as pessoas da forma que gosto de ser tratado, mas admiração por correge PM, rota, coe, força tática, baep, etc., não obrigado, os conheço bem de mais para isso

  21. VTNC… uma das poucas coisas boas que eles fazem e ainda vem gente criticar. como o colega acima menciona, se tem tira, Escriba e delegado pagando de pm (GOE e GARRA), porque eles não podem trabalhar em prol da memoria dos que se foram?

  22. INFELIZ…. A CRÍTICA É PORQUE VOCES NÃO PODEM INVESTIGAR HOMICIDIOS, SEJAM ELES DE PMS OU CIVIS. Façam o trabalho para o qual foram designados e ponto final.
    PS: VTN voce.

  23. Uma coisa eu tenho que admitir: a capacidade de infiltração do P2 é acima da média. E isso é um grande ponto em qualquer investigação.

    Certa vez, durante uma operação conjunta com o MP e seus “tiras”, conheci dois desses malucos e nunca que eu iria desconfiar que eles eram PMs.

  24. cada vez mais vejo PMs sem farda, em serviço, agora eles tem até distintivo (e não utilizam apenas internamente ou quando necessário se identificar).
    Ora, se é “serviço reservado” para investigações internas, para que distintivo? A funcional bastaria.
    A população vê um cara a paisana com distintivo escrito POLÍCIA no pescoço, e aí?

  25. PRA NÃO FALAR DOS GCMS “OPERACIONAIS” emulando a PM, onde vamos parar? GCM agora é polícia?
    Meu Deus!

  26. Vou investigar sim e foda-se o Policial Civil inerte que vier pagar na mente. Não vai deixar de existir o PM Vítima, e ponto.

  27. SR. estive esteves !, NÃO MENOSPREZANDO OS CARCEREIROS, É A MESMA COISA DO CIDADÃO PEDIR EXONERAÇÃO COMO ESCRIVÃO E INGRESSAR COMO CARCEREIRO. S.M.J., ESSE EX-“PULIÇA” É UM RETRÓGRADO E, ME AJUDEM AÍ Ó !…

O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do comentarista que venha a ofender, perturbar a tranquilidade alheia, perseguir, ameaçar ou, de qualquer outra forma, violar direitos de terceiros.O autor do comentário deve ter um comentário aprovado anteriormente. Em caso de abuso o IP do comentarista poderá ser fornecido ao ofendido!...Comentários impertinentes ou FORA DO CONTEXTO SERÃO EXCLUÍDOS. Contato: dipolflitparalisante@gmail.com

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s