TOGAS DE OURO 6

TOGAS DE OURO

Supersalários e desigualdade de gênero entre os magistrados paulistas

POR SÉRGIO SPAGNUOLO
 
GRÁFICO: SÉRGIO SPAGNUOLO_VOLT DATA LAB

Em 2016, os 2 591 juízes e desembargadores do Tribunal de Justiça de São Paulo ganharam, em média, 42 mil reais líquidos por mês. Ainda que o teto salarial da magistratura paulista fosse de 30,4 mil reais, muitos deles conseguiram ultrapassar o limite legal de vencimentos porque somaram vantagens extras – como subsídios, indenizações e gratificações –, que não entram na conta.

A maior bolada mensal foi recebida pelo desembargador José Carlos Gonçalves Xavier de Aquino. Apenas em novembro, ele embolsou 130 mil reais.

A desigualdade salarial entre gêneros também é visível na Corte que, até hoje, jamais foi presidida por uma mulher. Juízes homens ganham em média 44 mil reais por mês – 13,5% a mais do que as mulheres (38 mil reais mensais). No caso de desembargadores, a diferença é maior: homens faturaram 55 mil reais por mês, 16,5% a mais do que as mulheres, que ganham em média 46 mil reais.

  1. Togas de ouro, supersalários na sua maioria acima do teto limite, tem também as gemadas de ouro, com seus elevadíssimos soldos….ohhhhhhhhhhhhh, e nós aqui ganhando uma merda, sem reajuste sequer inflacionário, trabalhando pelos que aposentaram e ainda vendo o cinismo falando em bonus…..sabe quando a polícia, vendo tudo isso, vai funcionar??? Nuncaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa Recebo a mesma coisa que há alguns anos atrás, a inflação comeu e hoje não paga metade das despesas, temos família e temos nossa responsabilidade na profissão, aí vão querer que façamos como??? Ainda o cara de pau nos culpa pela folha de aposentados querendo foder a vida de quem vai faze-lo…….tá pedindo mesmo!!!!

  2. Quem tem capacidade, passa em concurso?

    Quem é esperto, vira Juiz ou Promotor?

    No Brasil, não vale a pena ser idealista?

  3. Brasil, Política
    Todas as acusações da delação da JBS
    De Temer aos ex-presidentes Lula e Dilma, Joesley Batista e seus executivos citaram repasses milionários de propina a políticos de diversos partidos

    Por Da Redação access_time 19 maio 2017, 13h43 – Atualizado em 19 maio 2017, 13h57 more_horiz
    O Supremo Tribunal Federal (STF) liberou na tarde desta sexta-feira o acesso à delação premiada dos donos e executivos da JBS. Saiba o que de mais importante Joesley Batista e seus executivos contaram à força-tarefa da Lava-Jato em seu acordo de delação premiada:

    Propina a Temer

    Joesley diz que em 2017 o presidente Michel Temer pediu “vantagem indevida” para resolver um assunto de grande interesse do grupo – a o fim do monopólio da Petrobras no fornecimento de gás natural. O auxílio também se estenderia a outras demandas da companhia, como o “destravamento das compensações de créditos de Pis/Cofins com débitos do INSS”. O presidente da República, segundo ele, receberia 5% dos valores em questão. Joesley Batista cita ainda o repasse, em 2014, de valores próximos a R$ 15 milhões para Temer “em troca da atuação favorável aps interesses do grupo J&F”. A J&F é a holding da qual faz parte o frigorífico JBS.

    Pagamentos a Lula e Dilma no exterior

    O dono da JBS diz que transferiu para uma conta no exterior, a título de “vantagens indevidas”, US$ 50 milhões destinados ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e mais US$ 30 milhões em outra conta, também no exterior, em favor da ex-presidente Dilma Rousseff. Os repasses, disse ele, foram feitos por intermédio do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega.

    Campanha de Dilma

    O empresário diz ter repassado R$ 30 milhões ao ex-ministro Antonio Palocci a pretexto de ajudar na campanha de Dilma Rousseff em 2010.

    Ajuda de Temer no STF

    Joesley Batista diz que ouviu do presidente Michel Temer que poderia ajudar Eduardo Cunha, preso desde o ano passado, no Supremo Tribunal Federal. O presidente afirma que teria como auxiliar o ex-deputado junto a dois ministros da Suprema Corte.

    Pagamento ao presidente do Senado

    Segundo Ricardo Saud, um dos principais executivos de JBS, o senador Eunício Oliveira recebeu R$ 5 milhões para ajudar na aprovação de uma medida provisória que tratava da cobrança de PIS e Cofins, um tema de grande interesse da companhia.

    Propina a Aécio Neves

    Os donos e executivos da JBS contam que o senador afastado Aécio Neves, do PSDB, recebeu em 2014 valores próximos a R$ 63 milhões para defender interesses da J&F, a holding da qual faz parte a JBS. Aécio ajudaria, por exemplo, a liberar créditos de ICMS devidos à empresa. Joesley Batista cita ainda o repasse de 2 milhões ao tucano “em razão da aprovação da lei de abuso de autoridade e anistia ao caixa dois”.

    Repasse para José Serra

    O senador tucano, segundo Joesley Batista, foi destinatário de R$ 20 milhões. O dinheiro foi repassado, diz ele, a pretexto de auxiliá-lo em campanha eleitoral.

    Repasses a Eduardo Cunha

    O delator diz que que, por meio de um sistema de conta corrente gerenciado pelo operador de mercado Lúcio Funaro, repassou R$ 50 milhões entre 2009 e 2014 a Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados. Os pagamentos foram feitos em troca de facilidades em financiamentos da Caixa Econômica Federal. A movimentação do dinheiro se dava em uma espécie de conta corrente. Josley também cita um pagamento de R$ 20 milhões a Cunha em troca de alterações na legislação para desonerar a folha de pagamento de funcionários – um tema que beneficiava financeiramente a JBS. Ele relata ainda o repasse de mais R$ 30 milhões para que Cunha, enquanto presidente da Câmara, apoiasse as demandas do grupo empresarial no Congresso.

    Propina ao ministro Marcos Pereira

    Marcos Pereira, ministro de Temer, é citado como beneficiário de propina. O titular do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio recebeu repasses de dinheiro em troca da aprovação de um empréstimo de R$ 2,7 bilhões junto à Caixa.

    Dinheiro para Gilberto Kassab

    Wesley Batista, irmão de Joesley, e o executivo Ricardo Saud contam que o ministro das Comunicações de Temer e ex-prefeito de São Paulo também recebeu “vantagens indevidas”.

    Dinheiro para Marta Suplicy

    A senadora do PMDB, ex-petista, recebeu R$ 1 milhão do grupo a pretexto de auxílio à campanha eleitoral de 2010. Outros R$ 3 milhões, segundo Joesley, foram repassados em troca de “possíveis negócios caso Marta Suplicy vencesse a eleição para a Prefeitura de São Paulo”.

    Daqui a pouco, mais detalhes.

  4. Liberem aí, oh! é de interesse de todos que estão nas dúvidas e incertezas.

O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do comentarista que venha a ofender, perturbar a tranquilidade alheia, perseguir, ameaçar ou, de qualquer outra forma, violar direitos de terceiros.O autor do comentário deve ter um comentário aprovado anteriormente. Em caso de abuso o IP do comentarista poderá ser fornecido ao ofendido!...Comentários impertinentes ou FORA DO CONTEXTO SERÃO EXCLUÍDOS. Contato: dipolflitparalisante@gmail.com

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s