DOIS TIROS DE PISTOLA NO QUEIXO – Tristemente noticiamos suposto suicídio de aluno oficial da Polícia Militar de São Paulo nas dependências do Barro Branco 56

O aluno oficial N.S.C –  ex-soldado – empregando pistola pertencente a colega de turma  cometeu suposto suicídio disparando duas vezes contra o próprio queixo.

Histórico  lavrado por um cabo :

   O Al Of PM N. Cruz estava sozinho no alojamento de alunos da APMBB e cometeu suicídio com dois disparos de arma de fogo no queixo. Uma equipe da USA constatou o óbito no local. O policial militar pertencia ao 3º CFO, encontrava-se em convalescença médica e recentemente,passou por atendimento no NAPS (Núcleo de Atendimento Psicológico). A arma utilizada pertence ao Al Of PM Hickmann, também do 3º CFO.
É o segundo aluno do Barro Branco que se mata em menos de um ano.
Observação: a PM não comunicou o evento ao Delegado de Polícia responsável pela circunscrição da Água Fria.

  1. sentimento aos familiares…..sem mais …pois não existem palavras para este tipo de situação

  2. Condolências à família do Oficial.
    Não registrou a ocorrência? Alguém terá de responder a isso. Agora se vai dar alguma coisa já é outros 500.

  3. Blindada olha isso, será que levou tapa na cara e ficou com tanta vergonha que tomou essa atitude , olha a ideia aí …. ahh esqueço que vc não é sujeito homem e não tem vergonha na cara, cagueta de polícia.

  4. Meus sinseros pêsames à família enlutada e, que Deus o acolha num ótimo lugar….

  5. Caros colegas,

    Em primeiro nossos sinceros sentimentos para a família do policial falecido. Que Deus conforte a todos.

    Em segundo lugar, repudio a falta de respeito com viés de covardia veiculado pelo autor da nota. Tentou, o autor da nota, acirrar os ânimos entre as Instituições Polícia Militar e Polícia Civil ao dizer que o Delegado da área não foi comunicado.

    Não foi comunicado e nem deveria ser comunicado. O suposto suicídio (ou um hipotético cometimento de um crime de homicídio) ocorreu em dependência sujeita à administração militar e, de acordo com a novel legislação do final de 2017, cabe à Polícia Judiciária Militar a devida investigação. Isso se de fato houve um crime. E mesmo que haja dúvidas e outras interpretações sobre a quem compete a investigação, isso nunca deveria ser tratado em nota de rodapé dando conta da triste morte de um colega policial.

    O autor da nota deveria sentir vergonha por se utilizar de um acontecimento triste para se locupletar do gosto pela intriga.

    Dependendo do andar dos argumentos, penso que deveria ser processado.

    Um grande abraço para todos.

    • Coronel João Schorne de Amorim,

      Partindo do pressuposto que a PM entendeu o acontecimento como suicídio, de plano, salvo melhores e abalizadas apreciações, descartou quaisquer suspeitas sobre crimes militares.

      Se não houve crime, ainda que o evento tenha como vítima um militar, no interior de repartição militar e empregando arma militar, tal fato deveria, até por transparência, ter sido comunicado concorrentemente ao delegado de polícia.

      Quanto a locupletação, na verdade o autor da nota é quem deveria lhe processar.

      Mas não por ofensa.

      Por sua facciosidade e a cultural tendencia de todo militar a esconder a verdade dos fatos. Além da flagrante falta de educação!

      Lembrando a você que o Delegado de Polícia continua sendo autoridade legitimada a apurar toda e qualquer morte voluntária. Ademais, a PM deveria lembrar das posteriores consequências civis e as decorrentes dúvidas dos familiares do morto. O nobre Coronel acredita que alguém da família acreditará na versão unilateral da caserna?

      Um grande abraço aos irmãos de Santa Catarina!

      Se alguém da PM quiser me processar segue o nome do responsável: Roberto Conde Guerra.

      Em tempo: você é quem é o covarde, pois sibila a sua língua viperina a distância!

  6. e eu que pensava que somente um tiro no queixo seria o suficiente para um suicidio ……

    pelo jeito eu estava desatualizado………………os tempos mudam………….tempos modernos……………..

  7. Triste notícia essa!
    Pai de 4 filhos, dois deles policiais civis, nem assim consigo imaginar o que possam estar sentindo neste momento os familiares, amigos e colegas de farda do jovem aluno oficial.
    As providências legais – todas elas -, quer pela Polícia Militar quer pela Polícia Civil, certamente serão competentemente tomadas. De nossa parte, a mais sincera expressão de respeito.

  8. Dois alunos suicidas?
    Eram ambos ex-soldados ou Praças?
    Será que houve pressão social em razão da ascensão conquistada?

  9. Estranho é ver alguém que acaba de realizar, talvez, um sonho e se matar, isso, está obscuro, a investigação não pode se limitar, para maior transparência, seria prudente ao comandante militar solicitar uma investigação civil.

  10. João Schorne, qualquer evento morte é de competência da polícia civil, é a PC foi comunicada sim.

  11. Coromé de Santa Catarina repudia mensagem do site em tom de ofício. Nós te repudíamos, coromé! disse:

    Prezado João Coromé, aqui não é a sua casa quanto menos seu quartel! Neste ambiente vigora a democracia, onde emitimos nossas opiniões e ninguém vem repudiá-las! Não venha nos dizer em tom de ofício o que podemos ou não e qual assunto dizer: não somos a sua tropa! Coisa feia, coromé: para psssoas como o senhor, o que menos importa é o morto, usado para vir atacar a polícia civil de São Paulo!

  12. Somente quando o responsável por este site for imparcial em relação aos policiais militares, talvez suas palavras passem a ter um pouco de credibilidade. “militar ter o hábito de esconder…”. Isso me permite dizer que Delegado tem o hábito de achar que é o primeiro em competência para apreciar aspectos legais de atos humanos. Minhas condolências aos familiares do policial

  13. Tristeza!
    Deus ajude a todos!

    Quem aciona Carro de Cadáver ou SVO é o CEPOL (Delegado).
    Morte dessa natureza (arma de fogo) é IML.
    Quem solicita exame necroscópico é Delegado.

  14. Percebe-se que os oficiais da PM querem se transformar em Delegados sem concurso. Isso está ficando cada vez mais evidente. Todo mundo tem inveja do Delegado, só não querem ganhar os seu salários ne??

  15. Infelismente, este site não permite que outras opiniões sejam postadas. Seu Administrador, aparentemente, impõe uma ditadura de ideiais, como que uma religião monoteísta. Creio que, por tal motivo, acaba sendo motivo de descrença. Minhas condolências à família do policial.

  16. Ratifico o que o guerra diz.
    Ha criticas ferozes contra sua pessoa ou opinião, mas todas elas são expostas, como a da pessoa acima do post do administrador do blog.
    Guerra, como esta aquele processo contra aquele gestor de um grande hospital, acusado de mandar matar sua ex esposa?

    • Dois mundos,

      O processo de indenização contra mim foi extinto. Perdi a ação e indenizei – prontamente – o “ofendido”!
      O inquérito acerca da tentativa de homicídio sofrida pela ex-mulher foi arquivado – a toque de caixa – em razão de a PC , tanto o DP da área como o DHPP , ser incompetente . O médico, segundo consta, perdeu a credibilidade e acabou demitido do famoso hospital , inclusive! Parece que anda mal das pernas, não conseguindo honrar suas contas básicas. Enfim , perdi paguei ! Faz parte do jogo.

  17. Aos burros que questionam a não apresentação no DP, fiquem tranquilos. Se não foi apresentado, é pq não há previsão legal para tal. Vão estudar.

    • Sr Inteligente, digo, Messi,

      O único a questionar a falta do chamamento de um delegado ao local é o burro abaixo assinado.
      Penso que os delegados de polícia não estão nada interessados no infortúnio do aluno e de seus familiares , ou seja, com todo o respeito, cagam e andam para as providências adotadas pela PM.
      Quanto a previsão legal: suicídio não é crime.
      É um fato jurídico com consequência exclusivamente civil, logo, salvo o melhor entendimento de pessoas mais inteligentes, tais como vocês policiais militares , deveria ser apurado em procedimento policial civil.
      De qualquer forma, mais uma vez, acredito que a Polícia Civil não dê qualquer importância para o chamamento ou não de um delegado ao local.
      Por fim, para a Administração Pública esse aluno era só mais uma despesa e para a PM só mais um fraco.
      Ninguém se importa com suicidas, salvo seus familiares , principalmente quando o suicida pertence a quadros policiais.

  18. Infelizmente mais um policial que morre naquela fábrica de loucos. Quanto ao caso em si, penso que o “laudo” descrito por um cabo PM não é suficiente para atestar que não houve crime (homicidio). Está na cara que alguém o mandou escrever as asneiras sobre o incidente. Quem teria feito o local de crime? Desconheço a existência de peritos criminais na de Polícia Militar de São Paulo. E ao coronel abelhudo de Santa Catarina, vá chupar um canavial de rola, antes que nos esqueçamos.

  19. Infelizmente, esses casos são recorrentes na PM. A pressão do regime, a baixa remuneração, o stresse da própria profissão, a necessidade de fazer “bicos” para uma sobrevivência digna, conduzem a isso.

    O que nos causa alguma surpresa é sua ocorrência no estabelecimento de ensino superior da PM e, principalmente, por atingir dois ex praças.

    Todos os que passaram pela PM sabem o quão difícil é uma praça, mormente soldado, alcançar os bancos escolares da Academia. Só por isso já merece nossa admiração.

    Diante de tantas adversidades, inclusive competindo com quem só fica em casa estudando, conseguir uma vaga, não é fácil.

    O que nos causa estranheza e alguma surpresa é saber que após tanto esforço, pôs termo a própria vida no lugar onde tanto lutou para chegar.

    Algo de errado tem e deve merecer atenção por parte da administração policial militar.

    Não entendi a insurgência do coronel catarinense. Aquela conhecida justificativa da arma militar, da unidade militar, etc.

    Como bem ressaltou o Guerra, melhor seria a apuração do fato pela autoridade policial, que é civil, para que não pairasse qualquer dúvida quanto a veracidade dos fatos.

    Fica meuis sinceros sentimentos de pesar aos familiares e amigos.

    Palavras não confortam, só a Dele.

  20. Sr Administrador, vi que a minha primeira postagem também foi publicada (acredito que tenha entrado na página em momento posterior). Assim, retrato-me em relação á segunda. Obrigado e parabéns por permitir a discussão de ideias.

  21. Guerra, se não estão interessados, então dá um tempo e para de querer questionar uma legislação que é válida e que está em vigor. Eu hein… fica remoendo… é a mesma ladainha o tempo todo. Vai ver lá no RJ a quem os delegados estão subordinados. A um Civil? Já deu esse papo. Quer mudar a lei? Vire deputado federal e apresente um projeto em que tudo deve ser levado pro DP.

  22. Então vira o disco. Quer mudar a lei? Torne-se deputado e apresente um projeto de lei em que tudo deva ser apresentado no DP. É essa ladainha o tempo todo questionando uma legislação que não é de hoje e que está em pleno vigor.

  23. Meu caro (dorminhoco por conveniência) Coronel João Schorne de Amorim: dentre os antros de SAFADOS pelos quais a PM me constrangeu a perambular, em nome das PATIFARIAS denominadas “movimentações por conveniência do serviço público” – a APMBB conseguiu superar até mesmo o CPA/M-6 (Comando das Patifarias Abafadas nº seis). Aliás, destaque-se que minhas transferências para a APMBB ocorreram, PREMEDITADAMENTE, para tentativa de salvaguarda do mencionado CPA. Por conta dessa falta de transparência é que a polícia militar paulista (com iniciais minúsculas) está pior que o PCC! Não grafo, com iniciais maiúsculas, o nome desta facção criminosa para lhe envidar ou insinuar destaque: é para chamar a atenção para o fato de que se o cumim cupim come a madeira, algo de desleixado há com o dono ou responsável pela madeira. De nada adiantaria blasfemar e fazer palanque eleitoreiro contra tais insetos! Da mesma forma, o tecido da sociedade brasileira se acha carcomido, dentre outros fatores, porque as polícias militares se tornaram PARASITAS do Estado!! Conheço qual o nefasta é a pm paulista! Não o é só a carioca que estabelece parceria com o crime organizado! A menos que Vossa Senhoria também “pense” que o Ministro da Justiça pode ou deve ser processado! Faça-o, em solidariedade àquela corporação.

    Primeiramente, peço-os que acorde para a realidade. Em segundo, que atente para o meu seguinte comentário, publicado em decorrência de várias reportagens acerca da Operação Lava Jato da PM, mais precisamente sobre as veiculadas semana passada, detalhadoras da condenação do ex-Coronel PM José Adriano Filho.

    Eis a íntegra do comentário: O REQUERIMENTO S/Nº, protocolo sob nº CPAM6-2920392, que encaminhei ao CPA/M-6 – Comando das Patifarias Abafadas Nº 6 – em 27/10/17, é prova IRREFUTÁVEL de que esses R$ 200 milhões não passam de reles trocadinhos, comparados com a tradicional dilapidação do erário causada por essa ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA, polícia militar do estado de são paulo (imerecedora de iniciais maiúsculas na sua identificação para que isso se coadune, literalmente, com o apequenamento ao qual se permitiu). Fim do comentário postado em vários veículos de comunicação.

    Em tempo: sugiro que não basta Vossa Senhoria se tornar atento ao que vos peço, mas, e sobretudo, que tenha a HONRA de, em caso de não apenas “pensar” que o autor da nota deveria ser processado, SE ENVERGONHAR do descrito REQUERIMENTO, além de todos os demais expedientes direta e indiretamente nele referenciados.

    Sinceramente, fiar nessa sua manifestação de “sinceros sentimentos”, oriunda de quem defende a APMBB, um antro daquele nível de conspurcação …. é mais fácil fazer-me acreditar que “Pelé é neto de chinês”!

  24. Flit, veja esse video de 15 segundos e tire suas conclusões.

    • Dizem que suicidio é crime,

      Verdade, mas só na Torá ou na Bíblia!
      No Brasil, posso até estar errado, suicídio no Código Penal nunca foi crime.
      Crime é induzir ou instigar alguém a suicidar-se ou prestar-lhe auxílio para que o faça.
      Afinal, esse vídeo é real ou algum programa humorístico?

  25. Sr Administrador: meu ainda não publicado comentário – em decorrência do feito por “Coronel João Schorne de Amorim” – é de minha mais INTEIRA e ABSOLUTA responsabilidade! Após publicado (pelo que ainda espero, literalmente) veremos se ele HONRARÁ a tréplica!
    Obrigado!,

  26. Vamos lá:
    Primeiro: Há anos mais de 50% Do efetivo de Alunos Oficiais é formado por Praças, então, quem diz o contrário só pode não conhecer nada do cotidiano da Academia;
    Segundo: Bradar por uma investigação Civil por “transparência” é piada. É o mesmo que dizer que se algo do gênero ocorresse na Academia de Polícia Civil a investigação não poderia ser feita por civis pois não haveria “transparência”;
    Terceiro: É fato, Praças, Praças Especiais e Oficiais Subalternos são lixos para o sistema de Saúde da PM;
    Quarto: Um moleque de 20 anos nunca deveria, sem nenhuma experiência de vida, estar prestes a se tornar alguém que comandará homens armados nas ruas.
    A pressão é grande demais!
    Essa é a idade de aprender e ser comandado, nunca de comandar.
    Esse é um dos motivos das portarias de 2 Ten que temos mas ruas. NÃO SABEM FAZER NADA, MAS QUEREM FAZER TUDO!

    • Jamiro,

      Para o seu conhecimento vou quebrar o protocolo e informar que o comentarista de quem você acredita nada conhecer sobre o cotidiano da Academia é Capitão reformado da PM e Delegado de Polícia aposentado, diga-se de reputação e competência profissionais inabaláveis.
      Quanto a transparência, é induvidoso que todo e qualquer procedimento da PC é muito mais controlado e fiscalizado do que os procedimentos da PM. Aliás, a PM dificulta o acesso aos seus procedimentos até para os advogados dos interessados. Pergunte para qualquer advogado de policial militar o quão é sofrido exigir o cumprimento das garantias constitucionais de seus defendidos.

      Quer apostar que ao final dessa história, a família do morto – que jamais acreditará na versão de suicídio – receberá uma porcaria de pensão calculada sobre o soldo de soldado ; sem direito a qualquer indenização complementar. O aluno que deixou a própria pistola a disposição do colega enfermo vai ser expulso da Academia. E nenhum oficial que deveria ter o dever de cuidado em relação aos alunos será responsabilizado por coisa alguma. E ai daquele que resolver acusar a academia de violências físicas e psicológicas contra os alunos. Ora, o rapaz para lá ingressar não passa por rigorosos exames físicos e psicológicos? Ou continuam só examinando os dentes? Entrou hígido e saiu no caixão como 13? Como explicar isso para os pais e familiares?
      Por fim, penso que você exagerou nos zeros ou esqueceu da virgula ! Cinquenta por cento ( 50% ) dos alunos são Praças?
      Menos meu caro, bem menos…Que tal 5,0 ( cinco por cento )?

  27. Senhor Guerra

    Envergonhado, com a vergonha alheia, posso lhe afirmar sem possibilidade de erro, que não se trata de programa humoristico, estas pisadas de bola não é mosca branca.

    C.A.

  28. Senhores

    Quem ja viveu bem, presenciou muitas coisas boas e ruins, delas fez aprendizado e se o Criador permitir, ver bem mais no futuro, conhece das pressões sofridas dentro da Policia Civil, as da Caserna se torna infinitamente maior, por conta da hierarquia militar. O ser humano possui limitação, cada um com a sua peculiar e certas pessoas quando premiadas com algum poder de mando, estrapolam o limite da razoabilidade, se possuir insignias sobre os ombros, em alguns casos o portador se acha herdeiro do Olimpo. Ai de quem for a ele subordinado….
    Algumas cadeiras também exercem esta ilusão em certas pessoas quando a ocupa…

    é o que penso

    C.A.

  29. Senhor Guerra

    A cada dia que passa, minha curiosidade aumenta, por favor, o senhor tem conhecimento do desfecho daquele caso da moça pendurada na árvore?

    C.A.

  30. Guerra, não exagerei. Se o tal já foi Capitão, já saiu da PM há muito tempo.
    Se não acredita no índice, pesquise. Vai ver que há mais de 10 anos o percentual de praças como alunos oficiais é de mais de 40% e há 4 anos seguidos vêm sendo de mais de 50% das turmas, verifique e verá que é fato.
    Quanto ao IMBECIL que deixou a própria arma com outro ser expulso é o mínimo.
    Quanto a ilibada investigação Civil, em detrimento da Militar, tenho sinceras dúvidas, mas como vc entende disso muito mais que eu não contesto sua posição.
    Fato que se houve suicídio deveria ter sido comunicado ao Delegado da área. Agora, se houve crime, é crime militar e Delegado algum tem nada com isso.
    Já a parte de quem deveria responder por cuidados não oferecidos ao aluno vc tem total e absoluta razão. Ninguém será sequer investigado a respeito. Nunca!
    Concordo em gênero, número e grau.
    Quanto a algum instrutor ou Oficial que sirva na Academia abrir a boca para apontar erros e culpados, nunca ocorrerá. Quem quer perder R$ 200 de hora aula, dando 40 aulas no mês?
    Nesse aspecto, não discordo nenhum pouco. O único “culpado” será o próprio “suicida” e o imbecil que deixou a arma com ele, de resto, vida que segue!

  31. parece, não é certeza, mas o aluno “que se matou” tinha uma filha de “dois meses”.
    Pergunta: qual pai, na casa dos 20 anos, realizou seu sonho, como filho nessa idade ia se suicidar?
    Sendo que lá não tem drogas, álcool?
    aqui entre nós policiais, sabemos que em matéria de alterar cenário de crime!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  32. Nada sei sobre esse jovem que se matou, mas pode ser falta de aceitação da própria sexualidade. me desculpem, mas a realidade é essa, há um grande número de jovens que dão fim a própria vida por não se aceitarem como são. Prá tudo há um motivo.

  33. Pêsames aos familiares , gostaria de saber o porquê não foi comentado sobre a morte do policial civil Júnior do 7 DP de Santos???

    • Celso,

      Não comentei pelo fato de ele ser meu considerado e por termos trabalhados juntos naquele mesmo DP. Quando da prisão ou funeral dos seus algozes a gente comenta .

  34. Vamos esconder a sujeira debaixo do tapete.Por fora bela viola, por dentro pão bolorento. disse:

    Guerra, não só estive lá, como também fui um dos primeiros colocados nos cursos preparatório e de formação, de onde levo apenas os poucos e grandes amigos que por lá fiz, entre os quais o saudoso Rangel.

    Jamiro, só se ao longo desses anos, o processo seletivo mudou muito, sinceramente não sei de onde você tirou esse percentual de 50%.

    O aluno oficial oriundo da tropa, como era chamado a praça que ingressava na APMBB, sofria flagrante preconceito pelos virtuosos oficiais instrutores, que alegavam ser portadora de vícios. A quais vícios se referiam é que até hoje eu não sei.
    Em relação ao caso em testilha, só o fato do instrumento da morte do aluno não ser sua própria arma e sim de um colega, de per si, seria motivo suficiente, para uma efetiva demonstração de transparência, que a investigação fosse presidida pela autoridade policial, ou seja, delegado de polícia.

    Por fim, toda a população conhece inúmeros casos onde essa suposta transparência na apuração pela própria PM não se evidenciou. Por conta disso, o crime doloso contra a vida, que estranhamente foi nominado neste Estado como “Morte por Intervenção Policial” é apurado pelo DHPP, em muitos casos, com o acionamento da Corregedoria PM, vez que a versão inicial dos fatos dada pelos PM’s é totalmente divorciada daquilo que a investigação acaba revelando.

    Em tempo: Essa vai para o coronel catarinense que se insurgiu contra o comentário: Na minha turma de APMBB, após três anos de curso, teve um colega que pediu exoneração, por não suportar a pressão. Hoje, ele é coronel na sua polícia, quem sabe até seu amigo de turma. Só não vou declinar o nome por questão de ética. Pergunta pra ele porque pediu exoneração.

    Era praça. Com saúde física e mental devidamente comprovada no processo seletivo. Se mata, do nada?

    Acorda Jamiro.

    Disso tudo, e com conhecimento de causa, só reitero meus profundos sentimentos de pesares aos familiares que, orgulhosos, um dia por lá estiveram, participando de alguma, entre tantas comemorações e festividades que costumam realizar, e agora, lamentavelmente, retornam para providenciar a transferência do parente para um cemitério.

  35. Vamos esconder a sujeira debaixo do tapete.Por fora bela viola, por dentro pão bolorento. disse:

    Guerra, não só estive lá, como também fui um dos primeiros colocados nos cursos preparatório e de formação, de onde levo apenas os poucos e grandes amigos que por lá fiz, entre os quais o saudoso Rangel.

    Jamiro, só se ao longo desses anos, o processo seletivo mudou muito, sinceramente não sei de onde você tirou esse
    percentual de 50%.

    O aluno oficial oriundo da tropa, como era chamado a praça que ingressava na APMBB, sofria flagrante preconceito pelos virtuosos oficiais instrutores, que alegavam ser portadora de vícios. A quais vícios se referiam é que até hoje eu não sei.
    Em relação ao caso em testilha, só o fato do instrumento da morte do aluno não ser sua própria arma e sim de um colega, de per si, seria motivo suficiente, para uma efetiva demonstração de transparência, que a investigação fosse presidida pela autoridade policial, ou seja, delegado de polícia.

    Por fim, toda a população conhece inúmeros casos onde essa suposta transparência na apuração pela própria PM não se evidenciou. Por conta disso, o crime doloso contra a vida, que estranhamente foi nominado neste Estado como “Morte por Intervenção Policial” é apurado pelo DHPP, em muitos casos, com o acionamento da Corregedoria PM, vez que a versão inicial dos fatos dada pelos PM’s é totalmente divorciada daquilo que a investigação acaba revelando.

    Em tempo: Essa vai para o coronel catarinense que se insurgiu contra o comentário: Na minha turma de APMBB, após três anos de curso, teve um colega que pediu exoneração, por não suportar a pressão. Hoje, ele é coronel na sua polícia, quem sabe até seu amigo de turma. Só não vou declinar o nome por questão de ética. Pergunta pra ele porque pediu exoneração.

    Era praça. Com saúde física e mental devidamente comprovada no processo seletivo. Se mata, do nada?

    Acorda Jamiro.

    Disso tudo, e com conhecimento de causa, só reitero meus profundos sentimentos de pesares aos familiares que, orgulhosos, um dia por lá estiveram, participando de alguma, entre tantas comemorações e festividades que costumam realizar, e agora, lamentavelmente, retornam para providenciar a transferência do parente para um cemitério.

  36. Se houve crime, é militar, então a PM é a responsável. Fato cometido dentro de um quartel ainda.

    Não tem que comunicar porra nenhuma para Delegado da área.

    AHhhh, mas é suicídio. Uai, desde quando a Polícia Civil investiga suicídio? Tá parecendo o delegado (sempre eles), comédia do youtube. O que se verifica é a presença (ou não) de vestígios de crimes.

  37. “Dois alunos suicidas?
    Eram ambos ex-soldados ou Praças?
    Será que houve pressão social em razão da ascensão conquistada?”

    Não duvido nada, a elitização naquele lugar é imensa.
    Filhos de pessoas poderosas, “são muito inteligentes” e sempre passam em bons concursos, como o em tela.
    Os praças que alçam tal lugar, assim como policiais civis do baixo clero que, raramente, alcançam a condição de delegados, certamente são vistos com olhares de nojo e repúdio.
    Este homem certamente foi mais um a sentir tal pressão, com ameaças de “vou te reprovar”, “vou te dar os piores locais de trabalho” e etc…
    Os seres repugnantes que fazem isso, são lixos encrustados dentro destas academias, que se julgam deuses e perseguem os fracos sem apadrinhamento.
    Muito triste o que aconteceu, já perdi vários colegas de profissão que fizeram o mesmo.
    Fica uma sensação de impotência e complexidade.
    Imaginar que uma pessoa que teria um futuro brilhante, veio a tomar a atitude mais grave, tirar a própria vida.
    Quantos e quantos irmãos, policiais civis e militares já o fizeram.
    Desejo que Deus possa receber estas almas em sua morada, e que dê aos familiares e amigos, o pertinente conforto.

  38. Ali, só formação de berço, de casa, de família não te transforma em arrogante, petulante, soberba, acima de mim só Êle.
    Deveriam trocar aquela pintura do telhado do rancho para:” Escola de Ignorantes”

  39. E o monitoramento remoto do ministério público quem vai fazer ?? Sim porque ninguém é melhor ou pior que niguém…

Os comentários estão desativados.