Com general, SP sinaliza início de militarização nacional da segurança 33

Avanço da crise deu mandato ao discurso de endurecimento de Bolsonaro, Doria e Witzel

Igor Gielow
São Paulo

A indicação do general João Camilo Pires de Campos para a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo é o sinal mais vistoso de um movimento de integração nacional do combate ao crime organizado pela via ainda informal da militarização.

Não é algo que conste num plano por escrito, mas está nas entrelinhas de conversas de envolvidos com o tema em Brasília e nos principais estados ao longo da campanha eleitoral de 2018.

O general de Exército João Camilo Pires de Campos em solenidade no Palácio dos Bandeirantes, em SP
O general de Exército João Camilo Pires de Campos em solenidade no Palácio dos Bandeirantes, em SP – Zé Carlos Barretta/Folhapress
A sinalização dada pelo eleitorado em favor do endurecimento no combate à violência, bandeira tanto de Jair Bolsonaro (PSL) como de João Doria (PSDB-SP), Wilson Witzel (PSC-RJ) e outros, abriu o caminho para a ideia de alguma coordenação nacional na área.

De tanto serem convocadas a tapar buracos país afora nas chamadas GLOs (operações de Garantia da Lei e da Ordem), quando os militares atuam como polícias nas ruas, as Forças Armadas são repositório natural de experiência com a agudização da crise na segurança.

De 1992 a setembro de 2018, foram 133 operações, metade de 2005 para cá. No total, o grupo violência urbana e greve de PMs responde por 38% das ações, empatando na liderança com requisições para grandes eventos.

Antes do general Campos, já havia sido indicado para o mesmo cargo, no Paraná, o general Luiz Carbonell, que serviu na área de comunicação da antiga missão brasileira no Haiti. O estado é central nas investigações de lavagem de dinheiro de todo o país, como a Operação Lava Jato provou, e está na rota do tráfico internacional de drogas no país.

No Rio, Witzel já disse que pretende elevar as duas polícias ao status de secretaria e extinguir o atual posto. Mas a situação lá é peculiar, pois a intervenção federal na área desde fevereiro tratou de aplicar métodos militares a problemas tão diversos como corrupção em batalhões e falta de equipamento.

Se os resultados finais da ação são controversos, o legado do trabalho do interventor Walter Souza Braga Netto é avaliado como positivo tanto no estado quanto no governo federal: reequipamento, diagnóstico e melhoria na administração penitenciária.

Esse arcabouço fica, independentemente de Witzel chamar o problema para si. E Braga Netto estará ao lado, reassumindo o Comando Militar do Leste. A intervenção termina em 31 de dezembro.

Em Minas, para fechar o triângulo do Sudeste, a expectativa é a de que o eleito, Romeu Zema (Novo), entre também no clube da militarização. Ele só deve anunciar seu secretariado na semana que vem.

l

PONTA DE LANÇA

A disposição do governo Doria de fazer dobradinha com a Brasília de Bolsonaro poderá azeitar cooperações e servir de ponta de lança para o país. A ideia tem muita simpatia entre envolvidos da Defesa na transição de governo.

Restará saber como isso se encaixaria nacionalmente. O superministério que está desenhado para o juiz Sergio Moro irá reincorporar a Segurança Pública, extirpada da Justiça no começo do ano.

A ideia em estudo é incluir áreas de inteligência financeira e controle de movimentações atípicas de valores. Isso, a volta da Polícia Federal para a Justiça e os prováveis integrantes da equipe de Moro dá um caráter “Lava Jato” ao ministério que não parece ter conexão natural com a atividade mais militarizada que se vê nos estados.

Essa parece ter mais a ver com o caráter de fusão de dados do Gabinete de Segurança Institucional que ficará com o general Augusto Heleno, caso Bolsonaro não mude de novo de ideia —o militar da reserva havia sido anunciado como seu nome para a Defesa.

Hoje, o GSI concentra informações de agências de inteligência, tendo alcance nacional: é tecnicamente o único órgão capaz de antever movimentos pulverizados como greves de caminhoneiros.

Se uma estratégia nacional envolvendo os estados de ponta do combate ao crime, hoje personalizado na potência transnacional que se transformou o PCC, for funcionar, terá de harmonizar esses perfis.

A crítica é esperada caso o processo vá em frente: será acusado de ser a volta a um passado marcado por abuso e violência. Na ditadura (1964-1985), as PMs eram forças de reserva do Exército, comandadas usualmente por coronéis da Força —em São Paulo, o último no cargo foi o polêmico Erasmo Dias (1974-1979).

Desde a redemocratização de 1985, as PMs passaram por um lento e difícil processo de adaptação à nova realidade. Foram feitas tentativas de “desmilitarização”, palavra de uso fácil mas para a qual nunca houve método claro.

Especialistas em segurança criticam o fato de o processo nunca ter sido levado a cabo, com a manutenção corporativa dos braços civis e militares —teoricamente com funções separadas, mas sempre em conflito e se sobrepondo.

Nos anos 1990, com episódios como o massacre da Casa de Detenção do Carandiru (1992), o governo aplicou anos de políticas visando conter a letalidade em São Paulo. No Rio, a corrupção generalizada gestou o fenômeno das milícias ligadas a policiais e um ambiente de morticínio que a intervenção federal não conseguiu melhorar.

hmias de violência que, de tempos em tempos, obrigam intervenções federais. Minas Gerais, Bahia, Espírito Santo, para ficar em alguns, viveram greves de policiais ao longo dos anos, flertando com caos civil. Crises penitenciárias viraram o segundo nome para acertos de contas de facções.

Isso tudo ajudou a desembocar, entre tantos outros fatores, na onda à direita das eleições deste ano. Não só no Executivo: mais do que dobrou, de 12 para 28, a bancada eleita com carreiras na segurança pública.

O temor de entidades de direitos humanos também é óbvio: o ambiente pode ficar mais permissivo à letalidade, vide os discursos dos eleitos —Witzel quer “abater bandidos”, Doria fala em “polícia na rua” e Bolsonaro defende isentar policiais de julgamento caso matem em serviço.

  1. Sei não. Será?
    A ver.
    Agora o que o novo Secretário poderia começar mudando é a escala de trabalho RIDÍCULA da Polícia Civil.
    24 X 96
    12 X 72

    Nem a PM teria efetivo para essa permissividade.

    12 X 36 em todo mundo.
    Tanto na PM como na PC. Com uma folga mensal.

    Estaria corretíssimo.
    Aliás…Já há nos quartéis iniciativas de grupos de PM’s para inundar o email da SSP e do governo com essa sugestão.

    Tomara que apreciem.

    • Jamiro,

      Em 23 anos eu jamais fui beneficiado com uma escala como essas.
      Ademais, segundo a CF a jornada de trabalho de todo e qualquer trabalhador é de 44 horas semanais; sendo que a jornada mínima na Polícia Civil é de 40 horas semanais, ou seja, das 9h00 às 19h00, com duas horas reservadas a alimentação e pequenos intervalos para descanso.

      Fui plantonista corujão das 19h00 as 9h00, a cada dois dias úteis, das 8h00 as 20h00, feriados, sábados e domingos, ou seja, com apenas um final de semana de folga quando pegava às 19h00 de sexta e saia as 8h00 do sábado. Tudo somado ultrapassava em muito a jornada legal.

      • Bons tempos que não voltam mais Guerra.
        Essa é a Teta de hoje. E com um horário desses, que beira o escárnio, não há efetivo que dê conta. Vai sempre faltar polícia.

        • Você tá falando dos horários da PM?

          Tá essa teta lá????
          Vou prestar concurso para a PM.

    • Vai mudar a do 3° BPChq tbm ?
      Lá tem semana gorda e magra …
      Vai acabar o meio expediente as quartas ?
      Ou as sextas ? Nas escolas, né?

      Quero ver a reserva moral do estado trabalhando numa escala de Decap.
      Carregando preso, fazendo flagrante, atendendo o populacho, cumprindo cota do MP, com um monte de ordem de serviço…

      Eu conheço a sua. Vc não conhece a minha.

      • Semana gorda e magra é 12 X 36 parceiro.
        Magra: Seg, Qua, Sex, Sab e Dom
        Gorda: Ter e Qui

        Quanto a meio expediente isso é horário de ADM. Que aliás é outra teta.
        Mas ainda assim é de Seg a Sex e é igual para a Administração da PM e da PC.

        Agora, 12 X 72 ou 24 X 96…Como se justifica isso?

        É RIDÍCULO!

        • Ridículo para você!!!!! No papel o horário é esse, mas de fato, a coisa é bem diferente.

          • E digo mais, por que isso te incomoda tanto????
            Sai da PM e presta concurso para a Polícia Civil.
            Era só o que faltava.

    • Porra Jamiro, que chance de ficar calado você perdeu…li vários posts seus (a maioria com razão), mas agora você se superou! Comprovou que é PM mesmo,ou seja, não cagou na entrada,mas cagou na saída!
      “Aliás…Já há nos quartéis iniciativas de grupos de PM’s para inundar o email da SSP e do governo com essa sugestão.” Que coisa de mimizeiro, coisa feia, Língua Preta! Faça me o favor…

      • Concordo com o segundo comentário.
        Mas não é Mimi não parceiro.
        É RIDÍCULO reclamar de efetivo, e ter esse tipo de horário para o Operacional.
        12 X 72 ou 24 X 96 é um escárnio.

  2. Jamiro

    De que planeta você veio heim…

    Essa escala que vc comenta pode até ser para meia dúzia de apadrinhados, tipo aquelas escalas dos Pm’s “peixes”

    Cai na real vai.
    Cola em algum DP da vida e constate essa aberração que vc acabou de dizer, mas, se encontrar, joga o local aqui no flit que te garanto que nenhum Pm precisará mandar nada pro SSP, pode deixar que os próprios colegas o farão.

    Tinhamos no máximo 12x24x12x72, Hoje 12x24x12x36 portanto diurno e noturno sem folga nenhuma por mês e na maioria dos casos temos o terceiro dia.

    Lembrando que a PM pega em 98,76% dos casos, lixo e levam pra PC fazer o papel de Polícia Judiciária, e ao final do plantão, quando os Pm’s já se recolheram no mínimo 1 hora antes para suas cia’s, a equipe fica no plantão até finalizar todos os procedimentos e tendo que remover os presos e apresentá-los na audiência de custódia.

    Isso vc não comenta porque?

    • Pois bem:
      DEINTER 7
      1° ao 5° DP de Sorocaba
      Plantão Norte de Sorocaba.
      EM TODOS…ABSOLUTAMENTE TODOS ESSES DP’S.

  3. Jamiro!
    Vc é um invejoso que nunca conseguiu passar no concurso da policia civil.
    Aceita que vc é um incapaz!

    • Nunca tentei ser Delegado…Isso é verdade.
      Para outros cargos seria ilógico.
      Não vou prestar concurso para ganhar menos.

      • Senhor Jamiro

        A Policia é uma roda gigante, vai rodando, rodando…
        Quanto iniciei minha carreira, um Investigador nível I, ganhava um pouco mais que um Sub-tenente e um nivel IV, o salario base perdia por alguns Cruzeiros do base do Capitão.
        Veio Mario Covas, criou o Soldado I e II e consequentemente majorou o salario da tropa em aproximadamente 40%.
        Mas repito, é uma roda gigante, vai rodando…rodando…

        C.A.

        • Então, quando eu entrei um Tenente ganhava como Delegado.
          Não há portanto sentido algum de deixar um cargo que paga XX e com carreira bem definida para outro que tenho dificuldades de entender a carreira e que paga X.

          Não há lógica nisso.
          Não creio sequer que Sargentos tenham vantagem em termos de carreira ao trocar a PM pela PC nos dias atuais.

          Se a coisa “der volta” e mudar no futuro…Aí quem puder que mude ué… Eu já não poderei. Estarei na reserva.
          Mas só dá para planejar o que está ocorrendo nos dias atuais, e veja lá.

          Conjecturas para o futuro, sendo funcionário estadual…Não só é loucura como desespero.

  4. Maravilha!!!! Chega né de bla bla bla de polutiqueiro que coloca como ssp um indicado por ongs de direitos dos manos. Chega né?!!! Chega!!! Muitos brasileiros já foram mortos por politicalhas politicamente corretas cheias de mimimi, de bla bla bla e NENHUMA AÇÃO REAL E CONCRETA! Taí! Sr. Dória foi inteligente e entendeu o recado das urnas. O brasileiro quer SEGURANÇA, SE-GU-RAN-ÇA. Dória fez o discurso do Bolsonaro e levou a vitória e pelo visto cumprirá com o que afirmou durante campanha. Parabéns! Mete um GENERALZÃO na Segurança que a coisa ANDA!!!!

  5. JAMIRO,
    .
    Cuidado com o que você pede, pois, pode ser que vire realidade.
    .
    Eu trabalhei na PM e sei como é lá. Nos meus quase onze anos de milícia trabalhei a noite,, porque fazia faculdade e estágio durante o dia. Eu nunca tive, mas conheci determinado policiais militares que tinham direito a uma folga por mês, etc. E sempre defendi isso, o policial deveria sim ter direito a uma folga por mês, nossa atividade é muito estressante (PM & PC).
    .
    Aqui na PC, fizemos plantões diurnos de 12 horas, descansamos 24 (e não trinta e seis como vocês) e fazemos o plantão noturno e depois descansamos 48h. No final das contas, é pior que o 12/36 de vocês. A PM tentou implantar esse horário, acho que na região de Campinas, mas ninguém se adaptou, principalmente os mikes que estudam ou fazem o seu bravo.
    .
    Vocês da polícia militar acham que conhecem as atividades da polícia civil, etc., na prática não sabem nada. Muito do que vocês acham que sabem sobre a PC, são lendas urbanas, tipo a loira do banheiro.
    .
    Voltando ao tema central da postagem. Perdemos uma grande chance de ver o PSDB chutado de São Paulo. O Doria é mais do mesmo. Vai fazer uma pirotecnia qualquer e depois, azeitar a candidatura para presidente. Se o Bolsonaro e seus estrategistas tiverem um pouquinho de visão (espero que não seja o mesmo estrategista que teve a brilhante ideia de mudar a embaixada brasileira em Israel), saberão que o grande adversário na próxima eleição será o Doria. Ele tirar todos os eventuais aliados do Bolsonaro e reunirá todos em um novo partido que ele fundará com o Kassab.
    .
    Estamos vivendo uma “generalização” da política, segurança pública incluída.
    .
    Mais planilhas serão preenchidas informado que a criminalidade violenta, etc., foi reduzida em 10%, etc., e o cidadão em casa acendendo velas para São Bolsonaro e aguardando mais de duas horas para registrar um bo na delegacia, porque o plantão funciona com um único Escrivão.
    .
    Aguardemos os 32 BAEPs, com “padrão rota” para combater o crime organizado. Mas tá bom, é isso que os paulistas merecem, afinal, estão repetindo a fórmula há quase trinta anos.

  6. Esquece aumento reajuste por 4 anos. Ainda tem policia que vota nesse partido. Jamiro pm ja que quer equiparar a jornada começa equiparando o vale coxinha. O da pm ja esta em uns 700 reais enquanto o nosso 120 reais. Ja que voce tem inveja da policia civil estuda e tenta passar ao inves de ficar com dor de cotovelo.

  7. Só falta o soldado Maurício Freira Sangue Novo que ficou coagulado na eleição tentar voltar.Delegado Milico e entreguista é demais..Acorda General.Essas merdas da cavalaria querem voltar.

  8. Senhores

    Basta vir para uma delegacia do interior, constatará que os infelizes trabalham todos os dias em horario de expediente e tem escala de plantão, para noite e final de semana. Detalhe, um Escrivão e um Investigador!
    Onde tem esta escala que eu garanto que na região um monte de gente correrá atrás de permuta!!!

    C.A.

  9. Ah sim, antes que falem, expediente é igual em qualquer delegacia, indiferente do porte!

    C.A.

  10. Vcs acham q não existem escalas assim? Passa no IC/IML bem do interior q vcs vão ver a realidade. Aqui em sampa já consegui a 24/5 dias. No fim do mundo o camarada só trabalha quando morre alguém. Kkkk
    Na PC:PM é muito difícil encontrar uma escala assim com exceção de alguns peixe$$$.

  11. Jamiro, antes de mais nada, acho que voce deveria estar mais preocupado com as escalas da PM.

    Segundo lugar, essa escala 12×24 e 12×72 resulta em 40 horas semanais de trabalho, não é nenhum favor da administração. Exemplifico:

    Segunda: 08h às 20h = 12h
    terça: 20h as 08h = 12h
    quarta quinta e sexta: folga
    Sabado: 08h às 20h = 12h
    Domingo: 20h às 08h (obs: das 20h às 00:00 de segunda = 4h)

    12(seg) + 12(ter) + 12(sab) + 4(dom) = 40h semanais.

    Agora, se voce é super herói e quiser trabalhar 60 horas semanais para perder saúde, é um problema individual seu.

    E digo mais, não sei se ainda existe, mas fui informado por um PM que se voce der um flagrante, voce ganhava uma folga.

    Isso é real? Se sim, na PC eu nunca vi isso. Aliás, quem der flagrante aqui tem que, na folga (via de regra), comparecer à audiência no fórum.

  12. e digo mais:: se o Doria quisesse agradar a todos, seria interessante colocar por 2 anos um PM na SSP e um vice Delegado, nos 2 anos seguintes um delegado como SSP e um PM como vice.

    O problema é ele cumprir as promessas…

Os comentários estão desativados.