O delegado Alexandre Henrique Augusto Dias, responsável pela apuração da chacina em Suzano – falando pouco e produzindo provas – obtém a apreensão do adolescente suspeito de cogitação e preparação do massacre na escola 12

Adolescente apreendido foi um dos mentores de ataque em Suzano, diz polícia

  • Massacre em Suzano

Bernardo Barbosa

Do UOL, em Mogi das Cruzes

19/03/2019 17h48

O delegado Alexandre Henrique Augusto Dias informou hoje que já é possível concluir a partir de provas obtidas na investigação do massacre em Suzano, na Grande São Paulo, que o jovem de 17 anos apreendido hoje foi o mentor intelectual do ataque à escola Raul Brasil juntamente com Guilherme Taucci, 17, um dos assassinos. Segundo o delegado, o adolescente apreendido, que é ex-aluno da escola, também comprou objetos usados no ataque.

A Polícia Civil investiga se outras pessoas participaram do planejamento do massacre e qual a origem da arma do crime –oito pessoas foram mortas por dois assassinos, que também morreram. O delegado não deu detalhes sobre esta frente de investigação, mas disse que o objetivo é concluir os trabalhos “o quanto antes”.

O advogado do suspeito, Marcelo Feller, declarou que orientou o jovem a ficar em silêncio na audiência de hoje no Fórum de Suzano. Segundo o defensor, o adolescente negou as acusações e está disposto a falar, “mas isso não pode ser um teatro”.

Segundo a decisão judicial que determinou a apreensão do suspeito, à qual o UOL teve acesso, o adolescente revelou em conversas de WhatsApp que participou do planejamento do ataque. Em uma delas, cinco meses antes do crime, ele chega a fazer um passo a passo do atentado. Segundo as investigação, o suspeito também enviou uma mensagem para Taucci logo depois do massacre dizendo: “um dos atiradores tinha um machado igual ao seu”.

A defesa do jovem apreendido questionou o teor desta mensagem como prova de seu envolvimento no crime e afirmou que o adolescente nega participação no caso.

Dias confirmou que, segundo o laudo sobre a causa da morte dos assassinos, Taucci matou Luiz Henrique Castro, 25, e cometeu suicídio em seguida. Segundo o delegado, os resultados dos exames toxicológicos dos atiradores ainda não estão prontos.

Segundo o promotor Rafael do Val, que concedeu entrevista à imprensa junto com o delegado em Mogi das Cruzes, as provas obtidas na investigação estão sob sigilo por imposição do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente). Dias e Do Val não deram detalhes, por exemplo, das conversas de WhatsApp que teriam incriminado o jovem apreendido hoje.

Após decisão da Justiça, o adolescente ficará detido provisoriamente por 45 dias na Fundação Casa –a unidade não foi revelada pela instituição por motivos de segurança.

A decisão da juíza Érica Marcelina Cruz, da Vara da Infância e da Juventude, tem como base a descoberta pela Polícia Civil de uma conversa de WhatsApp em que o jovem detalha sua “estratégia para fazer um atentado”. O interlocutor ainda não foi identificado.

Logo após o massacre, o suspeito disse em um grupo de WhatsApp que Guilherme Taucci teria agido conforme seus planos. Na semana passada, o adolescente disse que queria ter participado do massacre, mas não foi chamado, segundo informou a polícia.

Uma “pessoa fria”, diz delegado

Dias afirmou que a polícia ainda investiga por que o terceiro suspeito não participou da execução do crime.

O delegado também não detalhou o perfil psicológico do adolescente e disse que isso ainda depende da realização de exames periciais, mas afirmou que se trata de uma “pessoa fria”.

Segundo o promotor Do Val, a análise da personalidade do suspeito será levada em conta para um eventual pedido para o período máximo de internação, que é de três anos.

Do Val também afirmou que pessoas que têm exaltado atentados em escolas “estão sendo monitoradas e vão ser responsabilizadas” criminalmente.

_________________________________________________

Inicialmente, a investigação incumbe aos Delegados e demais policiais civis daquela região; sem embargo do auxílio de outros órgãos.

Contudo não cabe ao DGP , conforme a legislação , presidir investigações criminais. 

Pior ainda fazendo midiaticamente juízo de valor acerca do perfil psicológico dos autores; revelando-se a identidade do suspeito.

Com isso colocando a vida e integridade física deste sob risco. 

A autoridade local procedeu com maior profissionalismo; sem querer se mostrar o personagem mais importante da investigação.

Assim, sem atropelos superiores , esperamos que a Polícia Civil e o MP comprovem a efetiva participação desse adolescente.  

De se ver que a mera cogitação e preparação do crime , pela lei brasileira, é atípica. 

E diga-se de passagem, ele pode ter desistido de participar do massacre ; por isso não foi chamado para a execução. 

Enfim, se for culpado , que seja punido por fatos concretos; não por “teses jurídicas” ! 

Mas , aparentemente , a internação, agora decretada,  busca apenas “mostrar algum serviço” para a sociedade…

A conhecida”resposta das autoridades” depois do sangue derramado!

  1. Morreu um polícia hj no capão, ninguém fala no assunto, e só pau no Bolsonaro, mortadelismo, blog de polícia acabou RIP.
    Lamentável.

    • Fernandão,

      O pé na bunda aqui só pode publicar algo a respeito da morte do policial se for informado por algum de vocês.
      De São Vicente ao Capão Redondo tem uma baita serra!
      Em vez de me criticar vê se posta aqui alguma informação nesse sentido…

  2. kkkkkkkkkkkkkkkkkkk… carcada de rabo hein ?????????????kkkkkkkkkkkkkk

  3. Senhores Policias do DECAP.

        Nesta data assistimos, infelizmente, mais um tombamento de um herói em combate, o Investigador de Polícia Wesley  Siqueira Benites, que estava cumprindo brilhantemente seu dever. 
                        Minutos após a fatal notícia, todos os esforços foram empenhados pelas unidades policiais territoriais, especializadas e de outros Departamentos, com a mais brilhante e emocionante demonstração de força, união, comprometimento e amor pelo distintivo policial, ao qual fizemos juramento quando de nosso ingresso e, graças a isso, os algozes de Wesley foram localizados e presos, os quais serão conduzidos às barras de Justiça, da qual esperamos o fiel e mais lídimo cumprimento da LEI. 
                          Meus agradecimentos e cumprimentos a todos àqueles que, incansavelmente, se dedicaram, se esforçaram e cumpriram sua missão institucional. 
    

    Albano David Fernandes
    Delegado de Policia Diretor do DECAP

  4. Informação Preliminar
    RDO em Aberto

    RDO n.2727/2019 47DP

    Homicídio Consumado contra Policial
    Tentativa de homicídio contra policial
    Tráfico de drogas
    Porte Ilegal de Arma de fogo de calibre restrito

    Indiciados: Anderson Aparecido dos Santos, Jeber, Rafael, Sidney(menor)

    Foragidos: Michael, Cabelo e menor Igor.

    Informo a Vossa Excelência que nesta data Policiais da EIE da 8 Seccional, dando apoio a 2 Seccional e a 6 Seccional tentando localizar criminosos que covardemente mataram pelas costas o investigador Wesley, lograram prender preliminarmente o indiciado Anderson que dirigia o veículo dos criminosas. Concomitantemente Dr Fernando, titular do 36DP, e sua equipe prenderam na mesma favela um menor que cuidava de um barraco com drogas e um espingarda 12.
    Com mais informações as diligências continuaram e em um segundo endereço na mesma favela da Macedônia policiais da EIE 8 e do 47DP prenderam os assassinos Jeber e Rafael e localizaram as armas usadas no crime dois revólveres calibre 38 e uma pistola 9mm. Houve troca de tiros novamente e resistência.
    Continuando as investigações policiais da EIE 8 localizaram uma mochila com duas pistolas .40 roubadas dos policiais e mais uma pistola e um simulacro dos criminosos.

    Ocorrência em andamento no 47Distrito Policial

    Carlos Alberto Da Cunha
    Delpol Titular EIE 8

      • Zerou nada, o negócio hoje e tirar fotinho e postar no Instagram, essa é a polícia moderna, helicóptero no local, 200 viaturas, salseiro, e cana nos caras para entrarem com moral na cadeia, a polícia de verdade acabou, daqui 10 anos os malas na rua com moral e a família do PC destruída.

        • Verdade nua e crua, em poucas palavras demonstrou tudo o que ocorre dentro da instituição, sinteticamente: azar de quem morreu e de seus familiares, o Estado bandido no poder, triste sina!

  5. O pai do Dr. Alexandre foi um grande Delegado de Polícia, puxou o Pai!

Os comentários estão desativados.