Governador cumpre promessa e determina a abertura de concursos para Delegado, Investigador e Escrivão de Polícia 40

Doria manda contratar quase 3 mil policiais

Governador de São Paulo autoriza concursos para admissão de delegados, investigadores, escrivães e médicos legistas; ao menos quatro editais devem ser abertos em 2020

O governador João Doria (PSDB) reagiu no último sábado ,  em Hortolândia, às reclamações dos delegados de Campinas, que no começo desta semana denunciaram a falta de estrutura na Polícia Civil. Em solenidade de entrega de uma ponte estaiada na cidade, o governador prometeu ampliar o número de delegados, escrivães e investigadores, sem informar em qual prazo. Prometeu também que até final deste ano vai encaminhar à Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) um projeto para estabelecer um “novo tipo de remuneração” para as polícias — Militar e Civil.
“Temos um compromisso arranjado e afirmado com o Macris (deputado Vanderlei), vamos propor um novo tipo de remuneração para os policiais militares e policiais civis, fazendo isso de maneira conscienciosa, planejada, sem rasgar a responsabilidade fiscal, sabendo onde estamos pisando, reconhecendo o valor dos policiais civis e policiais militares”, disse em entrevista coletiva.
Na última terça-feira, todos os delegados de Campinas participaram de uma reunião convocada pelo presidente do Conselho Municipal de Segurança Pública (Conseg), Marcos Alves Ferreira, na qual participaram a promotora pública Cristiane Hillal e o Secretário Municipal de Segurança Pública de Campinas, Luiz Augusto Baggio. No encontro foram apontados baixos salários, déficit de pessoal, equipamentos sucateados — inclusive coletes balísticos vencidos — e estrutura ruim dos prédios. Ferreira se comprometeu a levar a reivindicação ao governador em até 30 dias, com uma comissão formada por representantes de vários segmentos da sociedade civil.
Na coletiva, Doria fez questão de destacar investimentos na área de Segurança Pública e citou que só nos cinco primeiros meses de seu mandato, o volume de prisões em flagrante no Estado foi um dos maiores na história. “Foram mais de 40 mil criminosos presos. Um número histórico, nunca houve um número como esse, fruto de uma política pública e deliberada para garantir a segurança nas cidades, campo, regiões metropolitanas e interior”, destacou.
Segundo governador, o resultado é consequência de investimentos em maior efetividade, presença de policias nas ruas e ações dos programas de inteligência da polícia, além de ação preventiva. “Estamos aumentando o efetivo da Polícia Militar em 3,7 mil, que começam treinamento em junho; em 1,1 mil civis, em especial para a científica, que precisava, e também vamos ampliar concurso delegados e delegadas, escrivães e investigadores. Vamos apresentar ainda neste semestre um novo lote de convocação para formação de policiais militares”, falou.
Segundo Doria, além de investir em contratações de policiais, o seu governo também está fazendo aquisições de novos equipamentos tais como veículos, drones, armas, tabletes e equipamentos de inteligência, para ajudar na redução da criminalidade.
Durante a reunião do Conseg, em Campinas, na última terça-feira, o delegado da 2ª Delegacia Seccional, Aldo Galiano Júnior, destacou que os equipamentos de inteligência da Polícia Civil estão defasados há, pelo menos, cinco anos. Segundo a presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Sindepesp), Raquel Kobashi Gallinati, os números de policiais civis anunciados pelo governo não são suficientes para suprir o déficit estadual que chega a 13.862 profissionais em todo o Estado.

Publicado 31/05/2019 – 09h36 – Atualizado 31/05/2019 – 10h03

Por Alenita Ramirez

Polícia Final – Não precisamos de Secretário Executivo, precisamos de policiais que reproduzam a nossa verdade e a humilhação a que somos submetidos no Estado mais rico da federação 59

Resultado de imagem para delegacia desmorona em são paulo

 

A falência da Polícia Civil é fato público, notório e consumado. O público e notório não precisa ser comprovado nem tampouco comentado. Até há bem pouco tempo ainda investigávamos ao menos o que era repercutido nesses programas de reportagens policiais sensacionalistas, hoje nem isso fazemos por absoluta falta de recursos humanos, materiais e motivação salarial.

Esse estado de coisas devemos atribuir única e exclusivamente à imprevidência e/ou improbidade dos dirigentes da instituição que sempre defenderam o próprio umbigo e o dos comparsas dos núcleos de poder que chefiavam. Alguns deles, há mais de duas décadas mamando nas tetas da recolha e do carnê que a cadeira de chefe ou dirigente possibilita. Ainda batem no peito arrotando que são classistas e fazem tudo pela polícia.

Vergonha!, vergonha!, vergonha!

Centenas de unidades policiais distribuídas em todas as cidades deste Estado fechadas à noite e aos finais de semana. Boa parte das que restam, funcionando em condições precárias, com contingenciamento de recursos e o dobro, quiça o triplo, de demanda de ocorrências policiais, vez que atendem todo o movimento das cidades circunvizinhas fechadas.

Desperdiçando recursos públicos com aluguel de imóveis, água, luz, telefone, etc, em prédios abandonados ou então guarnecidos por algum policial em fim de carreira que, a título de vigiar o prédio, vai lá para dormir depois de ter feito “bico” o dia inteiro para sobreviver.

Por efeito reflexo, a falência da Polícia Civil, compromete enormemente o serviço da Polícia Militar, vez que tem que deslocar viaturas para fora de área de policiamento preventivo, a fim de apresentar a ocorrências onde tem unidade da polícia judiciária aberta e, quando lá chegam, a demorada espera é inevitável, pelo movimento na unidade desguarnecida de número suficiente de funcionários para dar um atendimento minimamente digno àqueles que dela se socorrem.

Corroborando com esse estado deplorável da Segurança Pública no Estado, o grave desvio de função da Polícia Militar, empenhado centenas de viaturas e homens que deveriam estar prevenindo o crime, mas estão servindo de UBER para o Poder Judiciário, conduzindo presos para serem avistados pela diferenciada e seleta classe de magistrados que não podem , a título de ajudar o Estado e o Brasil, nessa severa crise econômica e de segurança pública que enfrentamos, ouvir seus convidados através de vídeo conferência.

Tudo isso regado pelo pior salário pago por um Estado Membro da Federação aos seus policiais militares e civis ativos e inativos.Delegado da Polícia Civil do Estado de São Paulo, carreira jurídica de Estado, além de deter por alguns anos o pior salário do Brasil para o cargo, hoje no Estado não recebe mais do que serventuário da justiça, oficial de promotoria, muito menos de analista de promotoria.

Pior ainda é saber que se trata do Estado mais rico e carro chefe da economia da nação. Com a maior população do Brasil e, por conseguinte, todas as consequências dela decorrentes, como por exemplo uma elevada quantidade de crimes para prevenir e investigar.

São mais de duas décadas de governos do PSDB e seu conhecido,porém, não praticado slogan “NÃO ROUBA E NÃO DEIXA ROUBAR”, pelo menos é que agora começa a ficar evidenciado nas roubalheiras da CPTM, do METRÔ, do ROUBOANEL, DA DUPLICAÇÃO DAS MARGINAIS, etc., não graças à atuação do Ministério Público Paulista, mas sim aos desdobramentos da LAVAJATO de Curitiba, vez que muitas dessas obras consumiram verbas da União, à exemplo dos projetos enviados pela SSP à SENASP, que enviava a verba e a rataiada roubava o que podia naquelas licitações ciminosas do DIPOL para compras de equipamentos, programas e sistemas na área da tecnologia da informação na Polícia Civil.

Por conta da conduta ilibada na condução dos negócios públicos, relevantes quadros dessa agremiação político-criminosa estão envolvidos em inúmeros inquéritos na Justiça Federal.

O que a gente assiste hoje, é ver apresentador de programa sensacionalista, um “extraneus” às atividades de polícia judiciária, esculachar a nossa instituição e seus delegados que a dirigem, sem ter a menor noção das dificuldades que enfrentamos, e ainda merecer atenção de alguns dirigentes, que outra coisa não querem, senão a de preservar a cadeira onde esquentam a bunda e, quiça, o próprio bolso, é lógico.

Tudo o que alinhavamos acima, é uma apertada síntese de vários comentários anteriores, prenunciadores do vivemos hoje, ou seja, uma instituição completamente falida, miseravelmente assalariada, sem determinação de rumo, com um ou outro ponto de êxito na atividade que desempenha, graças à dedicação profissional de alguns abnegados que, mesmo diante de severas dificuldades profissionais e pessoais, se sujeitam a essa humilhação imposta pelo poder público, sem perder a esperança de que um dia ocorra essa melhora.

Deus queira que eu não precise do IAMSPE antes, pois caso isso aconteça, tenho certeza que a demorada espera da triagem vai me impossibilitar de sonhar que um dia esse milagre aconteça.

Publica Guerra, o texto é a fotografia de hoje da Segurança Pública e da Polícia Civil que tanto amamos neste Estado.

Autor: amigo do 9º andar da Brigadeiro Tobias

OAB estuprada por advogados que em carta renúncia de mandato beiram a tergiversação , quebra de sigilo e verdadeiro depoimento em desfavor da vítima de violência sexual praticada pelo ídolo Neymar…Mulher depois de agredida sexualmente por Neymar é estuprada juridicamente por advogados 8


Uma verdadeira aberração os termos da renúncia firmada pelos sócios do escritório de advocacia que, preliminarmente, atuou em defesa dos interesses da queixosa.
Aparentemente tratando um grave caso criminal como mero ilícito civil .
Demonstrando, também, comportamento fora dos padrões profissionais ao aceitar reunião na casa do pai do jogador.
Quando, na teoria e na prática, aquele é quem deveria comparecer no escritório do advogado da vítima.
Absurdamente, agora, publicamente, divulga documento que jamais deveria ter extravasado a esfera advogado-cliente, consignando termos flagrantemente pró-defesa do jogador.
Beirando tal conduta ao crime de tergiversação, ou seja, a traição do mandato advocatício; que se caracteriza quando o advogado defende os interesses de ambos os lados ou sabota o próprio cliente com o fim de beneficiar o lado oposto .
E , ainda, tentando desmentir mensagem da cliente que expressamente afirma ter sido vítima de estupro, dizendo que não discutia termos técnicos com a clientela…
Que advogado é esse que, previamente, não esclarece ao contratante os aspectos elementares da demanda lhe apresentada?
Ademais, tratando-se de fato de tal natureza não se busca acordo financeiro…
Busca-se JUSTIÇA na JUSTIÇA!
Com efeito, a OAB tem que se posicionar e instaurar procedimento ético em desfavor desses advogados…
Verdadeiros ESTUPRADORES DO DIREITO e da ADVOCACIA!