Lava Jato recuperou cerca de 12 bilhões fazendo o Brasil perder 1 trilhão…Era preferível o PT e PSDB trabalhando, roubando e dividindo do que os Bolsonaros vagabundeando , fazendo rachadinha com o laranjal e perseguindo desafetos e minorias hipossuficientes 19

Com dívidas de R$ 98,5 bilhões, Odebrecht pede recuperação judicial

Grupo, que já chegou a ter 193 mil funcionários, enfrenta crise desde a deflagração da Lava Jato

Raquel Landim Julio Wiziack
São Paulo e Brasília

A Odebrecht S.A. protocolou nesta segunda-feira (17), na Justiça de São Paulo, o maior pedido de recuperação judicial da história brasileira. Com dívidas que chegam a R$ 98,5 bilhões, a solicitação supera a da Oi, que chegou a R$ 65 bilhões —valores da época.

Compõem o pacote R$ 51 bilhões em débitos diretamente sujeitos à recuperação judicial e R$ 14,5 bilhões extraconcursais —que possuem garantias extras, como as ações da Braskem—, além de R$ 33 bilhões em dívidas com empresas dentro do grupo.

A recuperação envolve 21 empresas do grupo, incluindo a holding ODB e a Kieppe, que congrega a participação da família Odebrecht.

As maiores companhias operacionais —OEC (construção civil), OR (incorporação imobiliária), Enseada (estaleiro), Ocyan (petróleo), Odebrecht Transport (infraestrutura) e Braskem (petroquímica)
— não fazem parte do pedido.

Fundado em 1944, o grupo baiano —que chegou a faturar R$ 132 bilhões e empregar 193 mil pessoas— enfrenta dificuldades desde a Lava Jato.

As investigações da operação revelaram esquema de corrupção em que executivos de empresa pagavam propinas a políticos e funcionários públicos. A crise atingiu o grupo num momento de alto endividamento. Entre 2008 e 2015, a dívida total das empresas da Odebrecht subiu de R$ 18 bilhões para R$ 110 bilhões.

“Diante do vencimento de diversas dívidas, da ocorrência de fatos imprevisíveis e dos recentes ataques aos ativos das empresas, a administração da ODB, com autorização do acionista controlador, concluiu que o ajuizamento da recuperação judicial se tornou a medida mais adequada para concluir o processo de reestruturação financeira”, informou a Odebrecht em nota.

Com R$ 22,8 bilhões a receber, os bancos públicos estão entre os principais credores. O BNDES encabeça a lista, com R$ 10 bilhões —R$ 7 bilhões concursais e R$ 3 bilhões extraconcursais (com garantia de ações da Braskem).

Em seguida vem o Banco do Brasil, com R$ 7,8 bilhões —R$ 4,8 bilhões concursais e R$ 3 bilhões extraconcursais. Depois, Caixa e FI-FGTS, com R$ 5 bilhões de dívida —sem garantia em ações da Braskem.

Os bancos privados, que emprestaram dinheiro para o grupo mais recentemente, foram mais eficientes e conseguiram colocar todas as suas dívidas como extraconcursais: R$ 4,4 bilhões do Bradesco, R$ 3,5 bilhões do Itaú e R$ 500 milhões do Santander.

Isso os deixa em uma situação mais confortável, embora as ações da Braskem tenham se desvalorizado significativamente depois que a holandesa LyondellBasell desistiu de fatia da Odebrecht na companhia. É provável que os papéis já não cubram mais todas as dívidas que garantem.

Segundo fontes próximas à empresa, a Odebrecht preferia ter feito uma negociação amigável com os bancos, mas estes foram surpreendidos com o pedido de recuperação da Atvos. Viram nessa medida uma maneira de a Odebrecht evitar a renegociação e partir para a recuperação judicial de todo grupo.

Logo da Odebrecht
Logo da Odebrecht – REUTERS

Isso porque, caso os bancos executassem dívidas vencidas, acionariam o gatilho das garantias cruzadas, arrastando todo o grupo para a vala da recuperação.

Foi o que fez a Caixa. Sob a gestão de Pedro Guimarães, executou duas dívidas já vencidas: R$ 650 milhões no Itaquerão (estádio do Corinthians) e R$ 250 milhões no centro administrativo Centrad (DF).

No pedido protocolado na Justiça, a Odebrecht argumenta que a Braskem é hoje o carro-chefe dos seus negócios e que a empresa precisa ser protegida para que a recuperação seja bem-sucedida. Por isso, pede, em caráter de urgência, o bloqueio de qualquer execução de ações da Braskem.

Em 2018, a Braskem gerou 79,4% das receitas do grupo Odebrecht e pagou R$ 5,5 bilhões em dividendos aos acionistas —R$ 2,1 bilhões para empresas do grupo. A Petrobras também é sócia da empresa.

Outro credor importante são os detentores de bônus no exterior, que chegam a R$ 12 bilhões. Esses papéis entraram na recuperação judicial porque foram emitidos por uma empresa chamada OSL, que é diretamente ligada à holding ODB. No entanto, como são garantidos pelo braço de construção do grupo, a OEC, haverá uma negociação separada.

A partir do momento em que o juiz aceitar o pedido, a Odebrecht terá 60 dias, prorrogáveis por mais 30, para propor um plano de recuperação aos credores. A empresa vem sendo assessorada por Eduardo Munhoz, do escritório Munhoz Advogados, e por Ricardo Knoepfelmacher, da RK Partners.

Conforme apurou a reportagem, o objetivo é deixar nas empresas operacionais apenas as dívidas que elas têm condição de pagar e colocar todo o demais sob o guarda-chuva das holdings. Essa dívida “extra” seria quitada num prazo longo com a venda de ativos e os dividendos gerados pelas próprias companhias.

A estratégia é arriscada, pois depende da venda de ativos, incluindo a participação na Braskem, e da recuperação da economia brasileira. Desde que foi atingido pela Lava Jato, o grupo fez melhoras de governança e vendeu R$ 7,2 bilhões em ativos, mas ainda não conseguir se desfazer de participações importantes, como a usina de Santo Antônio (RO).

A Odebrecht S.A. decidiu não incluir os valores devidos nas multas de seus acordos de leniência no processo de recuperação. Em dezembro de 2016, comprometeu-se a pagar R$ 3,83 bilhões para o Ministério Público Federal no Brasil, para o Departamento de Justiça nos EUA e para a Procuradoria-Geral na Suíça.

​Em julho de 2018, outros R$ 2,72 bilhões foram empenhados com a Controladoria Geral da União e com a Advocacia-Geral da União. Os prazos já são bastante longos, respectivamente, 23 e 22 anos. Ainda assim, a empresa precisa negociar com as autoridades condições mais favoráveis.


 

O brasileiro chorará  sangue em razão das inconsequencias dessa Lava Jato!

Para se prender um presidente e alguns políticos MATARAM A GALINHA DOS OVOS DE OURO!

Mataram O BRASIL!  

  1. Fale por vc quanto a preferência.
    Só de ver estes dois “partidões” dar espaço aos outros já é um início de mudança, seja para o bem ou mal.

    Curtir

  2. ESSA FOI BOA! O CUMULO DA INVERSÃO DE VALORES FALAR QUE ERA MELHOR DEIXAR OS POLÍTICOS ROUBANDO. SÓ NO BRASIL MESMO!

    Curtir

  3. Quer dizer quer DEIXAR ROUBAR é melhor que combater o crime? Bela pensamento pra um Blog policial. O esquerdismo esta subindo à cabeça mesmo.

    Curtir

  4. PSDB + PT = PCC + CV. Me ajuda ai pô! O Flit sempre teve uma linha de combate à corrupção e seus protagonistas, policiais ou não. Não vai virar a casaca né!
    Rouba mais faz = Uma bomba do lateral Roberto Carlos no saco.
    Bonito é ver o DEIC derrubando “batedeira”. O acontecimento é tão emblemático para a instituição quanto a conversão de Paulo na estrada de Damasco para os cristãos.
    Aleluia!, Aleluia!,Aleluia!

    Curtir

  5. PSDB + PT = PCC + CV. Me ajuda ai pô! O Flit sempre teve uma linha de combate à corrupção e seus protagonistas, policiais ou não. Não vai virar a casaca né!
    Rouba mais faz = Uma bomba do lateral Roberto Carlos no saco.
    Bonito é ver o DEIC derrubando “batedeira”. O acontecimento é tão emblemático para a instituição quanto a conversão de Paulo na estrada de Damasco para os cristãos.
    Aleluia!, Aleluia!,Aleluia!

    Curtir

  6. Comentário de um “paisano” revoltado com o sistema! Seus posts eram mais serenos Doutor. O que houve com seu equilíbrio?
    O Brasil pode ter perdido 01 trilhão (se é que foi isso, pois não temos a fonte), mas pelo menos parou a sangria pela via da corrupção, que em mais alguns anos do jeito que vinha sendo feito, teríamos uma guerra civil por completa falência do país! Esse 01 trilhão viraria todo o resto do caixa do Brasil que entraríamos de mãos dadas na vala da desgraça, como ocorre com a Venezuela!

    Curtir

  7. Sei q essa observacao nao tem la muita pertinência com o espirito desse “nosso” espaço, mas, na Recuperação Judicial da Odebrecht, o “mico” ficou com o BNDES, B do Brasil e CEF.. Os demais Bancos Santander, Itau, Bradesco…entraram como privilegiados. Quem pagará mais esta conta ????

    Curtir

  8. É só que faltava. É O CUMULO DA INVERSÃO DE VALORES. Aceitar que os políticos corruptos continuassem roubando o nosso dinheiro e distribuindo entre eles. SÓ MESMO NO BRASIL.

    Curtir

  9. É a "marginalha" política, empresarial e jurídica viva, querendo destruir ainda mais a nação brasileira. disse:

    O Ministro Sergio Moro é a autoridade pública deste país com a maior credibilidade junto à população brasileira, quiça em todo o mundo.
    Revelou com sua corajosa atuação como magistrado a podridão da “marginalha” política que, de forma recorrente, dilapidava os cofres públicos da nação, estados e municípios. “Marginalha” política que ai está até hoje a fazer estragos no país com proteção da “marginalha” jurídica, que tem entre seus mais importantes representantes, alguns integrantes daquela conhecida 2ª turma, entende?
    No meu tempo, censura telefônica, sem autorização judicial era CRIME. A quem interessava “grampear” as autoridades públicas encarregadas dos processos da Lavajato? Interessava à “marginalha” política e empresarial que afundaram esse Brasil. É simples assim.
    Vai saber a extensão dessa atuação criminosa. Quantas outras autoridades ou não estão com o conteúdo de suas comunicações telefônicas nas mãos dessa bandidagem.
    A poderosa empreiteira e seus tentáculos no poder político, “assaltaram” o erário público do Brasil, e de vários países, inclusive da América do Sul, e quase destruíram a Petrobrás, Precisa falar mais alguma coisa.

    Curtir

    • Espere pelo desenrolar dos acontecimentos e verá que seu ícone não passa de mais um ídolo-de-pès-de-barro, como tantos oportunistas.

      Curtir

  10. Senhtores

    Se a lava-jato arrebentou as construtoras…
    As construtoras e suas obras no exterior, (Cuba, Venezuela, Equador, Honduras, Angola, etc…) não honradas, quebraram o avalista do financiamento pelo BNDES, ou seja, O POVO BRASILEIRO!

    noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2019/06/23/cpi-ve-falhas-do-bndes-em-operacoes-no-exterior.htm

    C.A.

    Curtir

Os comentários estão desativados.