Paulo Marinho: “se dependesse de mim, Doria já era presidente hoje” 4

‘Patrocinador’ de Bolsonaro diz agora que Doria é mais preparado para Presidência

Empresário Paulo Marinho acha que ‘há delírios completos’ no entorno do presidente

27.jun.2019 às 12h52

Catia Seabra
Rio de Janeiro

Um dos principais apoiadores da candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência da República, o empresário Paulo Marinho cedeu casa, carro e até cozinheira para o hoje presidente. Ao longo da campanha, sua academia foi convertida em estúdio do programa eleitoral de Bolsonaro.

[ x ]

No dia seguinte à eleição, Bolsonaro pediu que a casa abrigasse a primeira reunião de composição ministerial. Desde então, o presidente não procurou mais Marinho. Agora essa estrutura está a serviço do governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

Paulo Marinho, vestido com suéter preto e óculos, gesticula com caneta na mão
O empresário Paulo Marinho, suplente do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), em seu escritório no Rio – Ricardo Borges/Folhapress

Recém-filiado ao PSDB, Marinho terá a tarefa de estruturar o partido no Rio com vistas a 2022. Marinho chama Bolsonaro de voluntarista e diz que Doria é melhor que o presidente.

Segundo Marinho, que ainda é suplente do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente, o tucano é “um sujeito de sucesso, diferentemente do capitão cuja formação não é a mesma do governador Doria”.

O presidente Jair Bolsonaro já admite concorrer à reeleição. Mas o sr. manifesta apoio ao projeto Doria 2022. O que fez o sr. mudar de candidato seis meses depois da posse? O sr. se arrependeu de apoiar Bolsonaro? Não. Estava engajado, entusiasmado e acreditando —​como acredito até hoje— que o projeto João Doria é a melhor solução política para o Brasil. Mas ele não conseguiu viabilizar a candidatura dentro do partido. Comecei a ajudar o capitão sob a perspectiva de que era o único que poderia derrotar o PT.

Por isso, não se arrepende? A candidatura do capitão Jair Bolsonaro é um atalho que peguei para que houvesse uma alternância de poder no governo federal. O João Doria não era candidato na ocasião. E ele era meu candidato originário. E abracei a candidatura do capitão por essa questão [derrotar o PT]. De fato foi o que aconteceu. O capitão deixou de ser uma piada como no início da candidatura dele.

Paulo Marinho está ao lado do governador João Doria. Todos estão vestidos com a cor preta. Ao fundo vê-se plantas iluminadas por uma luz amarela.
O empresário Paulo Marinho e João Doria, em evento no Rio – Divulgação

Mas nunca foi seu candidato? Nunca me passou pela cabeça me dedicar aí a uma candidatura… Até porque, enfim, ninguém acreditava nessa possibilidade. Mas, quando ele me procurou, e entendi o projeto dele, resolvi ajudá-lo.

Qual foi a última vez que o sr. falou com o presidente? Ele se elegeu no domingo (28 de outubro), na segunda à noite (29) telefonou pedindo para fazer a primeira reunião de composição ministerial aqui em casa. O capitão estava sentado aqui nesta mesa, nesta cadeira. Depois dessa reunião, não mais estive com o capitão.

O que foi que aconteceu? Ele é presidente da República e tem os afazeres dele. É natural que ele se cerque do núcleo mais íntimo, do qual nunca fiz parte.

Aliados do presidente dizem que o sr. queria ser vice dele. Já ouviu isso? Já. Mas é delírio.

Tem muito disse-me-disse no entorno do presidente? Há delírios completos. Isso aí é uma ficção. Acompanhei todo o processo da vice-governança.

No entorno do Bolsonaro, há quem diga que o sr. está por trás das denúncias contra o Flávio Bolsonaro por ser o beneficiário direto da cassação de seu mandato. Já ouvi isso. Existe um grupo que cerca algumas pessoas da família e que padecem da síndrome da conspiração. Essas pessoas viveram a vida inteira nesse ambiente e acham que tudo que não está dentro daquele núcleo familiar resulta em conspiração. Ajudei muito o Flávio durante a campanha. Aliás, sou suplente a convite dele próprio. A informação que tive foi de que a sugestão foi do próprio pai.

Quando o sr. falou com o Flávio pela última vez? Umas duas semanas após a diplomação. Conversamos aqui em casa e falamos sobre o assunto do Queiroz e, desde então, falamos umas duas ou três vezes ao telefone. Depois estivemos em Brasília na posse.

Ele pediu ajuda no caso do Queiroz. Não foi? Não pediu ajuda. Trocou ideia sobre o assunto me pedindo opinião a respeito de comunicação e jurídico. Disse-lhe: “Você deve ficar tranquilo porque nada vai te alcançar diante do relato que está fazendo”. Ele estava revoltado com a maneira que estava sendo tratado. Acho que o Flávio não tem participação nesse episódio do Queiroz. Acho que o Queiroz traiu a confiança do Flávio.

O que o sr. acha de o presidente creditar a vitória dele ao filho e vereador, Carlos Bolsonaro? É uma maneira de querer acarinhar o filho. Mas não corresponde à realidade.

O sr. acha que é injusto? O sentimento de gratidão é muito importante na vida de um modo geral. Mas na política é mais importante ainda. Acho que o capitão não tem tido esse sentimento com algumas pessoas que o cercaram e o ajudaram muito a chegar lá.

O sr. acha que faltou isso no processo de demissão do Bebianno? Totalmente. Não houve gesto de gratidão. Inclusive a maneira com que ele tratou a demissão. A consequência mais grave disso é que outras pessoas quando veem um episódio desses ficam imaginando quem será o próximo. Cria uma dificuldade de liderar em função disso. ‘Se o sujeito tratou assim esse aliado de primeira hora, como vai me tratar?’

O presidente atribuiu sua vitória ao Carlos Bolsonaro. O sr. viu isso na campanha? Não vi. Estive duas vezes com o Carlos Bolsonaro na campanha. As duas na minha casa. Uma quando ele organizou uma live com um grupo de influenciadores de direita com o capitão e o Paulo Guedes. E a outra quando o capitão foi entrevistado no JN, em um ‘media training’. Enfim. A pergunta qual era?

Se Carlos exercia essa função na campanha. Não. Não sei no âmbito da família. Aqui funcionava o núcleo da campanha. Quando houve o segundo turno, vieram 42 pessoas aqui para dentro. Sob o comando do Gustavo Bebianno e do Marcos Carvalho. O Marcos Carvalho que, através da empresa dele, a M4, cuidou da rede do PSL e da campanha.

Quem cuidou da rede social do capitão, que na ocasião não era do tamanho que é hoje, foi o Carlos Bolsonaro. Era quem tinha a senha da rede social do capitão. Então era ele que cuidava. Ele trabalhava lá na casa do capitão. Depois da facada, o capitão ficava muito mais tempo na casa dele. Eu assistia aos programas da TV no horário que todo mundo assistia. Nem sabia do que tratava.

O que o sr. achou da demissão do ex-presidente do BNDES? Foi uma maneira ruim. O capitão não é bom de demitir. A demissão do Bebianno e a do general Santos Cruz mostram isso.

Por que o sr. acha que Doria é melhor candidato do que Bolsonaro? Doria teve uma vida empresarial de grande sucesso. Um sujeito de sucesso, diferentemente do capitão cuja formação não é a mesma formação do governador Doria. Segundo, Doria enfrentou uma eleição para prefeitura dificílima e ganhou em primeiro turno. Governou a cidade de São Paulo com muito sucesso.

Aí ele enfrentou uma segunda eleição para o governo do estado de São Paulo, que é quase um país, e ganha com quase todas as forças políticas contra ele, inclusive de dentro do próprio partido. Conheço a maneira como ele trata a gestão pública. Com a mesma competência que uma empresa de sucesso. De longe o mais preparado para governar o Brasil.

Então, o sr. acha que ele é melhor do que o Bolsonaro para a Presidência. Não são candidatos juntos. Não sei se serão. Se essa opção me fosse dada, obviamente eu votaria no João Doria. Aliás, estou no PSDB. Aceitei esse desafio por acreditar no projeto político do João Doria.

Se depender do sr., Doria é candidato em 2022. Se dependesse de mim, Doria já era presidente hoje. Acredito que o capitão vá cumprir a promessa de campanha e não vá tentar a reeleição. Se Bolsonaro concorrer, coisa que não acredito, Doria será meu candidato. Vim para o partido para isso. Para ajudá-lo a construir o novo PSDB e construir a candidatura dele. Ele quer fazer a história do PSDB daqui para frente.

O sr. diz que o Doria é a melhor liderança do PSDB… O Doria hoje é, talvez, uma das maiores lideranças do Brasil. Do PSDB, disparado. Não tem ninguém dentro do partido com maior protagonismo do que ele.

Qual será o futuro de nomes como Geraldo Alckmin e Aécio Neves? Não tenho capacidade de prever isso. No caso do Aécio, são muitos fortes os problemas que ele enfrenta na Justiça, nos inquéritos e nos processos. E acho que em algum momento ele vai se distanciar do partido. Ele perdeu a condição de liderar o PSDB. Ouvindo aquele áudio, aquelas conversas, naquela intimidade dele, difícil acreditar que não haja um… Aquilo foi ruim para a história dele.

O sr. acha que as denúncias contra o Alckmin, o Serra, o Aloysio Nunes não têm tamanha gravidade? Não é que não tenham gravidade. Não conheço os detalhes de cada investigação, nem dos processos ou das acusações. Obviamente que este ambiente que a imprensa noticia não favorece o partido. Tanto assim que diminuiu de tamanho, de representação, justamente por causa desses episódios. O que o governador Doria quer para o partido, obviamente, não é ter esse ambiente ao lado dele. Ele está querendo deixar isso para o passado para construir um novo PSDB.

Essa é sua missão também. Minha missão aqui é muito mais difícil. PSDB do Rio, na origem, é o PDT, do Marcello Alencar. O PSDB cresceu com essa marca. Agora eu espero que a gente possa construir o PSDB dentro dessa liderança do João Doria. O PSDB chegou ao extremo de não eleger um deputado federal no Rio de Janeiro. Mostra a situação do partido aqui.

O sr. atuou como consultor do Crivella? – Quando o Crivella ganhou a eleição [para prefeito do Rio em 2016], propus que recebesse pessoas que amam o Rio para ajudar em planos para o governo dele, pro bono, sem nenhum interesse. Esse trabalho foi entregue ao Crivella e ele não se interessou a dar prosseguimento a essas sugestões pela falta de vocação dele de ser prefeito. Ele não gosta de ser prefeito do Rio, não conhece a cidade, não ama a cidade.

O PSDB vai lançar candidato à Prefeitura do Rio? O PSDB vai eleger o futuro prefeito do Rio.

  1. Começou a campanha da mídia para colocar o PSDB no poder novamente.

    A mídia odeia o bolsonaro e o PT.

    Curtir

  2. Dória Presidente será a maior tragédia para o país. Nada fez na prefeitura (abandonou barco), e nada faz no governo do Estado. Só fumaça. Vaidoso ao extremo, anseia pelo poder. Mas como gestor não paga placê. Político extremamente profissional e ambicioso. Engana muitos, espero que não engane a maioria.

    Curtir

  3. Estava demorando pra começarem a incensar o Mauricinho Tucano. Enquanto isso, de olho na faixa de presidente ele vai matando a Polícia de São Paulo à Mingua como o fizeram seus antecessores no governo de SP também Tucanos bons de bico. Só quem não conhece PSDB vota PSDB.

    Curtir

Os comentários estão desativados.