Se bandido for duro de matar como as baratas a polícia vai perder a guerra contra o crime 12

PMs do Rio de Janeiro e de São Paulo estão matando mais

barata
Publicado em 6 agosto, 2019 7:05 am
Policial Militar (PM). Foto: Reprodução/Facebook

Do Globo:

O avanço nacional do número de mortes decorrentes de intervenção policial – os chamados autos de resistência -, detectado em 2018, segue como tendência no Rio e em São Paulo, dois dos estados mais populosos do país. Em entrevista ao canal da jornalista Leda Nagle no Youtube, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que enviará ao Congresso um projeto para dar “retaguarda jurídica” a policiais para que usem suas armas de fogo, e disse que bandidos “vão morrer que nem barata” nas ruas.

Especialistas vêm alertando que, apesar da redução de homicídios a nível nacional, detectada por estudos como o Atlas da Violência, o aumento da violência policial nos estados pode retroalimentar a sensação de insegurança.

Nos quatro meses iniciais do governo de João Doria (PSDB), 252 pessoas foram mortas por ações da polícia, segundo dados das Corregedorias da Polícia Militar e da Polícia Civil de São Paulo, analisados pelo Instituto Sou da Paz. O índice representa um aumento de 17% em relação ao mesmo período do ano anterior.

No Rio, o número de autos de resistência chegou a 881 no primeiro semestre do governo de Wilson Witzel (PSC), contra 769 casos no mesmo intervalo de 2018. Os dados, divulgados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP) do governo do Rio, representam um crescimento de 14% do índice no estado.

  1. Se a polícia matando mais esta reduzindo os outros índices de violência é sinal que esta fazendo efeito. Que continuem assim.

    Curtir

    • A policia não mata, policia prende! Se o vagabundo não entende que se render ė o melhor caminho, azar o dele. Bandido que atira para matar, tem que levar tiro para morrer!!

      Curtir

  2. Policial que pensa não entra nessa vibração, porque tem consciência de que os maiores bandidos estão na elite e na política. Não se combate violência com policiais pobres matando pobres. Violência se reduz com investimento em educação. No passado tivemos Ditadura, grupos de extermínio, esquadrão da morte e estes não resolveram o problema da criminalidade.

    Curtir

  3. Comentário perfeito a respeito disso que li em uma rede social recentemente: “Desculpe o transtorno. Estamos trabalhando para melhorar sua vida”.

    Curtir

  4. Parafraseando nossa célebre presidANTA : “não temos meta , mas essa meta ainda pode melhorar!”
    O número de mortes ( de marginais da lei )por intervenção policial está aumentando,porém todos os tipos de delitos estão diminuindo . Sinal que estamos no caminho certo !
    Próximo passo é arrumar a casa dando educação , saúde e a dignidade que o povo perdeu faz tempo !!!

    Curtir

  5. Enquanto o foco contra a bandidagem for a cracolândia e não Helicoca (Aécio) e Fab Assunção (Bozo), ENXUGAREMOS GELO!

    Curtir

  6. Bom Dia!

    Senhoras e Senhores.

    Fala-se em estatísticas de que houve muitas mortes em confronto com a Polícia, mas ninguém comenta o fato gerador desta questão.

    Miséria e desemprego são quesitos deste aumento da criminalidade, sem contar que a paralelo a esses, se instalou também derivadas das inconsequentes decisões jurídicas em benefício da vagabundagem aliada ao tráfico de drogas e intervenções políticas equivocadas criando pseuda sensação de impunidade.

    Esta sensação de que se pode tudo devido a inércia ou recusa que certos indicados no tocante jurídico exercem em facilitar a vida de uma minoria que se intitula “protegidos da lei”, demanda muitas incoerências administrativas, quiçá, inversões de valores.

    A lei é para todos! Pelo menos é o que preceitua a Constituição Federal.

    Destarte a isso, inconcebível dizer que deva existir vários países num só! Pois se existe lacunas e facilidades duvidosas, estas hão que serem revistas urgentemente, pois, se assim não forem, gerará paralelos de justiça, tanto quanto já existe facções criminosas e milícias arraizadas no seio de algumas comunidades carentes, onde infelizmente, o serviço público muitas vezes deixa a desejar, pois sua presença por mais que se seja desejada, carece de investimentos e de vontade política séria.

    A criminalidade se camufla no meio da miséria, dos desafortunados e também no meio dos mais afortunados e, por essas e outras muitas vezes o Policial não consegue fazer atuação compatível devido às incessantes investidas de pseudos organizações sociais e de pessoas influentes e duvidosas mantidos pelo crime organizado.

    Estamos vivendo uma época perigosa onde o pecador se veste de bom pastor para assim arrebatar várias ovelhinhas desavisadas.

    Todo cuidado é pouco neste momento.

    Caronte

    Curtir

  7. Poxa o flit não vai repercutis as gravações, obtidas de forma legal, em que o pcc afirma que tem um dialogo cabuloso com o pt ?????

    Curtir

    • Promotor desmente ‘fake news’ de negociação entre PT e PCC

      Compartilhe esta matéria

      Publicado em 10/08/2019

      Promotor responsável por investigar a organização criminosa PCC, Lincoln Gakiya afirmou que não há indícios de negociações entre a facção e o Partido dos Trabalhadores (PT), conforme matéria divulgada na última sexta-feira (9) pelo jornal Estado de São Paulo.

      PUBLICIDADE

      “Não há nenhum indicativo de negociação do governo PT com o PCC. Aliás, é bom que se diga que os presos não foram transferidos em décadas de governo PSDB em São Paulo”, afirmou o promotor de Justiça do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público de São Paulo (MP-SP).

      Nota do PT denuncia ‘armação’ de notícia sobre relação com PCC

      Estadão força a barra ao ligar PT a PCC na tentativa de salvar Moro

      Alexsandro Roberto Pereira, conhecido como “Elias” ou “Veio” é apontado como um dos líderes do PCC, o que é rechaçado por Gakiya, segundo o portal UOL.

      O presidente Jair Bolsonaro (PSL) compartilhou na última sexta-feira, em seu Twitter, uma matéria sobre o assunto, ironizando que “a esquerda sempre alegou defender o diálogo”, em referência às conversas do suposto integrante do PCC divulgadas.

      Nas gravações, é possível ver o suspeito se referir ao ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro.

      Curtir

    • Promotor desmente ‘fake news’ de negociação entre PT e PCC

      Compartilhe esta matéria

      Publicado em 10/08/2019

      Promotor responsável por investigar a organização criminosa PCC, Lincoln Gakiya afirmou que não há indícios de negociações entre a facção e o Partido dos Trabalhadores (PT), conforme matéria divulgada na última sexta-feira (9) pelo jornal Estado de São Paulo.

      PUBLICIDADE

      “Não há nenhum indicativo de negociação do governo PT com o PCC. Aliás, é bom que se diga que os presos não foram transferidos em décadas de governo PSDB em São Paulo”, afirmou o promotor de Justiça do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público de São Paulo (MP-SP).

      Nota do PT denuncia ‘armação’ de notícia sobre relação com PCC

      Estadão força a barra ao ligar PT a PCC na tentativa de salvar Moro

      Alexsandro Roberto Pereira, conhecido como “Elias” ou “Veio” é apontado como um dos líderes do PCC, o que é rechaçado por Gakiya, segundo o portal UOL.

      O presidente Jair Bolsonaro (PSL) compartilhou na última sexta-feira, em seu Twitter, uma matéria sobre o assunto, ironizando que “a esquerda sempre alegou defender o diálogo”, em referência às conversas do suposto integrante do PCC divulgadas.

      Nas gravações, é possível ver o suspeito se referir ao ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro.

      Curtir

Os comentários estão desativados.