Corregedoria conclui que suschiman foi executado desnecessariamente por faltar profissionalismo aos PMs 10

Por Léo Arcoverde, GloboNews — São Paulo

 

Exclusivo: Corregedoria aponta reviravolta no caso da morte de sushiman
GloboNews em Ponto
00:00/06:01
Exclusivo: Corregedoria aponta reviravolta no caso da morte de sushiman

Exclusivo: Corregedoria aponta reviravolta no caso da morte de sushiman

O relatório da Corregedoria da Polícia Militar (PM), obtido com exclusividade pela GloboNews, aponta que um tenente e um sargento atiraram e mataram o sushiman Leandro Santana dos Santos em 21 de novembro do ano passado em São Paulo. Antes de ser baleada, a vítima teve surto psicótico e ameaçava esfaquear funcionários e clientes do restaurante japonês onde trabalhava na Zona Sul.

Câmeras de segurança gravaram a ação policial para conter e deter Leandro, que segurava duas facas. Após analisar as imagens e ouvir depoimentos, a Corregedoria concluiu no documento que morte do sushiman foi “desnecessária” e faltou “profissionalismo” aos dois agentes do 23º Batalhão da PM.

“Estamos diante de uma morte desnecessária em razão de excesso doloso por parte dos policiais”, destaca o relatório da Corregedoria. “A sociedade não pode se sujeitar a falta de profissionalismo de policial militar”.

Para a Corregedoria da PM, os policiais ainda “desobedeceram” procedimentos operacionais padrão adotados pelo corporação em situações desse tipo. Deixaram, por exemplo, de usar escudo à frente deles para se proteger das facas lançadas por Leandro.

“Os policiais militares não se posicionaram em local seguro, já que notoriamente adentraram a área de perigo sem qualquer proteção ou anteparo”, aponta o relatório. “Cabe ressaltar que o único policial militar que portava escudo de proteção, posicionava-se à retaguarda” dos dois policiais que atiraram contra o sushiman.

Leandro Santana dos Santos foi baleado em restaurante após ameaçar clientes e colegas com faca — Foto: Arquivo pessoal; Glauco Araújo/G1

PMs foram ‘afoitos’

Além disso, continua a Corregedoria, os PMs cometeram “excesso” ao serem “afoitos” e dispararem cinco tiros contra Leandro pelas costas dele, depois de não terem conseguido imobilizá-lo usando balas de borracha e pistola de choque.

“Em razão da região do corpo atingida e quantidade de disparos na vítima, não há que se falar em moderação, mas em excesso”, informa trecho do documento de sete páginas.

O relatório destaca ainda que, mesmo armado com facas, o sushiman estava de costas, encurralado por seis policiais militares num balcão do mezanino, e não ameaçava mais esfaquear clientes e funcionários do restaurante.

“Não oferecia mais perigo a clientes e funcionários daquele estabelecimento, em que pese que estivesse armado com facas”, diz a Corregedoria sobre Leandro. Por esse motivo, o entendimento é de que os agentes devem ser levados a júri por haver, nesse caso, “indícios de crime, de natureza homicídio”.

“Os policiais militares tinham a opção de mantê-lo isolado no mezanino até ser vencido pelo cansaço ou arrependimento, mas escolheram a decisão de solucionar a ocorrência através do confronto”, continua o documento.

corregedor da PM, coronel Marcelino Fernandes da Silva, encaminhou nesta quarta-feira (21) uma cópia do relatório ao ouvidor da Polícia do Estado de São Paulo, Benedito Mariano.

A Corregedoria encaminhará nesta quinta-feira (22) o relatório ao 5º Tribunal do Júri, à Polícia Civil de São Paulo e ao comandante do 23º Batalhão da PM, chefe dos dois PMs, para apreciação no campo disciplinar. Passados nove meses, a Polícia Civil ainda não concluiu o inquérito que apura as causas e eventuais responsabilidades criminais pela morte de Leandro.

A GloboNews tentou ouvir nesta quarta-feira, por telefone, os dois policiais militares sobre o conteúdo do relatório, mas nenhum dos dois foi localizado no 23º Batalhão. A reportagem deixou um telefone de contato para os policiais retornarem, mas isso não ocorreu até o momento da publicação desta reportagem.

Câmeras mostram morte de sushiman

Câmeras mostram morte de sushiman

Reviravolta

A investigação da Corregedoria representa uma reviravolta no caso, uma vez que um Inquérito Policial Militar (IPM), feito pelo próprio 23º Batalhão, não havia apontado nenhuma ilegalidade na ação dos agentes que atiraram e mataram o sushiman.

Mas no relatório, Corregedoria faz críticas duras à conduta dos dois PMs que deixaram de observar o fato de que o agressor não tinha antecedentes e estava tendo um surto. “A vítima era uma pessoa que estava trabalhando, pai de família e que foi acometido por surto psicótico, de fúria, podendo qualquer pessoa estar sujeito a tal surto.”

O documento ainda cita que “não se pode permitir que qualquer pessoa que tenha algum surto psicótico seja morto por agente do Estado, sendo que existia outros meios para preservar sua vida”, diz um trecho do relatório.

Os agentes da PM entraram no restaurante armados com pistolas com balas de verdade, de borracha e de choque. Ainda usavam escudo.

Sushiman tem surto durante trabalho, ameaça clientes e acaba morto pela PM em São Paulo
Jornal Hoje
–:–/–:–
Sushiman tem surto durante trabalho, ameaça clientes e acaba morto pela PM em São Paulo

Sushiman tem surto durante trabalho, ameaça clientes e acaba morto pela PM em São Paulo

Procedimento Operacional Padrão

A investigação da Corregedoria é descrita, ao longo do relatório, sob dois aspectos: esfera penal e esfera administrativo-disciplinar.

No âmbito administrativo-disciplinar, a Corregedoria sustenta que os dois policiais militares “desobedeceram ao que preconiza o Procedimento Operacional Padrão (POP)”.

De acordo com o órgão corregedor, o POP é “taxativo ao suscitar que somente se deve fazer o uso da arma de fogo quando houver a impossibilidade de manter a distância de segurança e ainda por motivo contrário à vontade do policial militar, fato que não aconteceu, pois os policiais militares (…), afoitos a resolver a ocorrência, negligenciaram os procedimentos técnicos adquiridos nos bancos escolares da Polícia Militar”.

Tiros atingiram sushiman nas costas, segundo laudo necroscópico
Bom Dia SP
Tiros atingiram sushiman nas costas, segundo laudo necroscópico

Tiros atingiram sushiman nas costas, segundo laudo necroscópico

Segundo a Corregedoria, os dois PMs apontados como responsáveis pelo homicídio de Leandro no relatório seguem trabalhando normalmente nas ruas. Afastamento em casos dessa natureza, via de regra, só ocorrem ou para garantir a eficácia de uma investigação ou após o Ministério Público (MP) oferecer denúncia contra os agentes.

“O caso é investigado pelo 15º DP (Itaim Bibi), que já ouviu familiares da vítima e funcionários do restaurante. O IPM instaurado pela Polícia Militar foi concluído e encaminhado à Justiça”, confirmou a pasta da Segurança.

Funcionário relata que sushiman o ameaçou em restaurante no Itaim Bibi — Foto: TV Globo/ReproduçãoFuncionário relata que sushiman o ameaçou em restaurante no Itaim Bibi — Foto: TV Globo/Reprodução

Funcionário relata que sushiman o ameaçou em restaurante no Itaim Bibi — Foto: TV Globo/Reprodução

  1. São os fudidões que agora desaparecem e não dão entrevista; pq não agem com a mesma valentia agora e colocam o carão na imprensa caraio, não são homens? A reportagem procurou por eles e até a divulgação da matéria os bilões não foram encontrados.
    Se já existe um parecer afirmando que houve despreparo e uma vida foi retirada de quem quer que seja, então cadeia neles e depois que forem mandados embora, sistema no lombo.

    Curtir

    • Não pisa em quem já está fudido.
      Vai vc no calor da ocorrência e recebendo facas atiradas por um sushiman e depois me conta o que vc faria.
      Talvez excesso dos polícias, pode ser, mas, só quem estava lá pra dizer.
      Sou contra muitas atuações de PM’s, essa tenho duvidas.
      Talvez dêem um pano por ter um oficial na parada, mas cana e rua não está descartada a toda equipe, uma pena.

      Curtir

      • Eu não vou não.
        Para não deparar com este tipo de ocorrência, entre outros detalhes, eu deixei de ser pm, primeiro deixei o pais por um certo tempo a trabalho, e qdo retornei, estudei, passei em um concurso e fui para a investigação.
        Quem prefere ficar em patrulhamento com certeza irá deparar com todos os tipos de ocorrência e se fazer algo errado tem que pagar o preço.
        Concorda?

        Curtir

        • Vitória….

          “Não vai não” ?!

          Então vc não é Polícia!

          Não precisa ser PM pra atender uma ocorrência, de Vtr na rua, qq mãozinha te para e aí a surpresa, ou vc prevarica, o que acho que de fato é o seu caso ou estará sujeito a qualquer desdobramento, faz parte do jogo.

          Só no calor da ocorrência pra tomar atitude e como eu disse e o colega CIRCO também compactua.

          E como dizia meu velho e querido PAI, “Quem tem medo de pau grande não leva o cú na festa”. Polícia é pra quem não teme ocorrência, de resto, pra mim é “Cuzão”.

          Curtir

  2. fácil julgar do ar condicionado.

    Talvez nunca tenha passado por uma situação tensa.

    Só quem participa do fato é que pode se julgar ou julgar a outra parte.

    Analisar algo por papéis é tranquilo

    Curtir

    • Eu vou resumir pra vcs: Tratando-se de pms, eu quero é que se foda!
      Eu sempre irei torcer pelo sucesso de um morador de rua, mas também sempre estou pronto para aplaudir a desgraça de um pm.

      Curtir

      • Eu não vou não.
        Para não deparar com este tipo de ocorrência, entre outros detalhes, eu deixei de ser pm, primeiro deixei o pais por um certo tempo a trabalho, e qdo retornei, estudei, passei em um concurso e fui para a investigação.
        Quem prefere ficar em patrulhamento com certeza irá deparar com todos os tipos de ocorrência e se fazer algo errado tem que pagar o preço.
        Concorda?

        Vc é um lixo de pessoa mesmo! Foi estudar? Vc foi lá para fora só para ser auxiliar de pedreiro isso sim! Mal sabe português. Por favor deixe seu nome para os PMs nunca terem que apoiá-lo ou qualquer outra coisa. Pq os que já sabem seu nome estão deixando a cama quentinha para vc depois.

        Curtir

  3. Moral da história: se o fulaninho estiver com surto psicótico usando uma faca(espada) de sushi, chame o Chapolim Colorado. Teve uma ocorrência parecida com uma Tenente feminina a qual foi tentar parar um louco armado de faca usando TASER; a policial quase foi degolada pelo cara. Quem mandou ser PM em São Paulo; se fosse o Rio seria diferente. Na terra do PSDB a polícia é da paz. Aqui tem que ser olho de vidro, João-Bobo, etc.

    Curtir

  4. O cumprimento da lei dos padrões operacionais não leva ninguém para a cadeia. disse:

    Bem feito! Ninguém mandou ir lá e matar o cara! Se a primeira equipe não dá conta de prender, dada a complexidade e peculiaridade da ação, chame uma equipe especializada e pronto. Mas como gostam de ser os fodões, agora vão se foder no Romão Gomes, mais cedo ou mais tarde.

    Curtir

O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do comentarista que venha a ofender, perturbar a tranquilidade alheia, perseguir, ameaçar ou, de qualquer outra forma, violar direitos de terceiros.O autor do comentário deve ter um comentário aprovado anteriormente. Em caso de abuso o IP do comentarista poderá ser fornecido ao ofendido!...Comentários impertinentes ou FORA DO CONTEXTO SERÃO EXCLUÍDOS.. Contato: dipolflitparalisante@gmail.com

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s