O que dizem os policiais — e não quem manda neles 49

O que dizem os policiais — e não quem manda neles
“Uma pequena contribuição por tudo de bom que vocês fazem pelos policiais”, escreveu um policial ao fazer um depósito na conta corrente da Ponte, logo após a publicação de uma reportagem de Mariana Ferrari que mergulhou no universo dos suicídios cometidos por policiais. Foi um recado que deixou a gente feliz, ao mostrar que estamos conseguindo romper bolhas e aproximar realidades, enfrentando a campanha permanente de desinformação dos que retratam a Ponte Jornalismo como inimiga da polícia — há três anos, por exemplo, um porta-voz da Polícia Militar de São Paulo chegou a sugerir que o crime organizado pagava nossas contas.

A retórica do “nós contra eles” é banal, mas funciona: a história de todos os fascismos está aí para provar. Muitos policiais foram convencidos a acreditar que a espécie humana se divide em dois tipos, as pessoas de bem e os vagabundos, e que, se alguém por algum motivo critica a atuação da polícia, só pode estar do lado dos vagabundos, dos criminosos, desses seres que não prestam.

Os vários políticos da extrema-direita que enchem as “bancadas das balas” se elegeram com base nessa farsa, e é uma pena que tantos policiais e seus apoiadores votem e acreditem nessas figuras, sem perceber como a retórica de guerra usada pelos Doria, Witzel, Olímpio e Telhadas da vida é algo que, no final das contas, acaba se voltando contra os próprios policiais. São eles que terão de lidar, no dia a dia, com a tarefa de encarnar os papeis dos heróis truculentos defendidos por esses políticos, mesmo que isso signifique colocar a vida em risco muito além do necessário, submeter-se ao autoritarismo de seus oficiais e trucidar populações inteiras da mesma origem social e da mesma cor da pele que a sua — e depois lidar com as consequências de tanta morte e violência dentro das próprias cabeças.

A declaração do investigador Alexandre Félix na reportagem de Mariana diz tudo: “Eu venho da periferia de São Paulo, sou do extremo leste, do bairro de Guaianazes. E essa política de segurança pública entende que eu devo combater, exterminar um inimigo e esse inimigo, que eles inventam, é exatamente o cara que nasceu no mesmo bairro que o meu, que tem o mesmo histórico de vida que eu. Então, não tem como não adoecer”.

Veja o comercial da campanha publicitária lançada pelo governador paulista João Doria (PSDB) para celebrar a segurança pública de seu governo, de olho em 2022. É uma peça publicitária cheia de tiros, helicópteros, fardas e fuzis que um espectador sonolento pode facilmente confundir com o trailer do último Rambo. Deixando em segundo plano tudo o que diga respeito à investigação e à inteligência, que são a chave das polícias eficientes de outras partes do mundo, o comercial faz uma exaltação ao militarismo. Justo o militarismo que faz tão mal para a maioria dos PMs, que são praças (soldados, cabos e sargentos) sem perspectiva de um dia chegarem a se tornar oficiais e obrigados a tolerar todo tipo de abuso por parte de seus superiores.

Uma prova de que as bancadas da bala e os bolsonaristas não representam os policiais tão bem assim é a defesa intransigente que os políticos desse grupo fazem do militarismo e da sua simbologia, mesmo eleitos por uma categoria que, se pudesse, escolheria a vida civil: quase 80% dos policiais defendem a desmilitarização, conforme uma pesquisa feita em 2014 pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Por isso é tão importante ouvir os policiais e saber mais sobre o que enfrentam numa realidade que busca transformar tantos deles em carrascos de seus irmãos. “O número maior de negros, em termos de cargo público, é a Polícia Militar, e não dá para eu não querer dialogar com esses caras querendo só tratar como se fossem os novos capitães do mato”, disse Marielle Franco, sobre o trabalho que fazia de apoio às famílias de policiais vítimas de violência.

Por isso, a Ponte fica feliz em anunciar que estreia, nesta semana, uma coluna dos Policiais Antifascistas, um grupo que se propõe a sonhar com uma outra polícia, capaz de respeitar os direitos humanos. É a segunda coluna fixa da Ponte, após abrirmos espaço para a Pastoral Carcerária.

Ouvir os policiais, principalmente os que se preocupam com os direitos humanos, não é uma tarefa fácil, porque suas vozes costumam ser silenciadas pelos governantes, que só gostam da polícia que mata e morre em seu nome, silenciosamente e sem questionamentos, e pelas vozes mais estridentes dos seus pares, aquelas que são mais facilmente ouvidas porque fazem o jogo do poder. Mas é a tarefa que nos cabe. A nós, que, num mundo de muros e barreiras, nos propusemos a ser ponte.

Fausto Salvadori, editor e repórter da Ponte Jornalismo

  1. Matéria ridícula, sem fundamentos nos dados, quero vê as fontes, de o de tirou tantas informações. Se fosse assim, não haveria suicídio na PC, não teríamos tantos candidatos por vaga, quando se abre um concurso, e ainda, não teríamos tantos policiais se aposentando com trinta anos de serviço. É fácil num país de esquerda, com tantos retardados querendo repetir uma retórica já desmontada. O suicídio é do ser humano, uma doença que pode ser estartada por diversos motivos, familiares, psicológico, emocional, financeiro e por aí vai, mas que todos estão sujeitos a sofrer, independente de serem civis ou militares.

    Curtir

    • Justiça,

      Por que os outros são retardados ?
      Retórica desmontada é a sua, basta fazer a proporcionalidade entre contingente policial e os suicídios. Você constatará que o resultado é assustador. Aliás, quase sempre não revelados! Até pelo fato de o falecido , rotineiramente, se achar afastado para tratamento de saúde!

      Quanto a afirmação: “Se fosse assim, não haveria suicídio na PC” ?

      Você , certamente, é daqueles PMs que ainda acreditam que a vida do policial civil é doce, né?
      Vamos lá, raramente há suicídios no meio de Delegados e Oficias, né? Salvo quando se verifica um caso de traição amorosa…kkk Verdadeiramente, os únicos suicídios de delegados que conheço – em 31 anos – se deu em razão de depressão decorrente de separação e dependência química, respectivamente. Um se matou em razão de a mulher o ter abandonado. O outro se matou porque a boliviana não queria lhe abandonar. Por fim, em relação a sermos um país de esquerda…Vai estudar, meu amigo! Estudar a nossa história política de verdade!

      Curtir

  2. Que papo furado.
    Se o camarada quer a vida civil é só não ingressar na PM, oras bolas!
    Pesquisa que diz que 80% da corporação querem desmilitarização…MENTIRA!

    CONVERSA FIADA!

    Aliás, quem defendeu essa tal “Ponte” não foi PM nenhum.
    E policial civil…com todo o respeito, mal fala pela própria instituição – que está à beira da extinção – quem dirá pela tropa da Polícia Militar…

    NUNCA…JAMAIS…

    Curtir

    • A natureza do serviço policial militar é e sempre e sempre será civil.
      E o seu pensamento é e sempre foi e sempre será de praça.
      Praça sempre come m. E sempre comerá m… Enquanto houver o “militarismo”, travestido de autoritarismo, na m… Da PMESP.

      Curtir

      • Já fui Praça e não me envergonho nem um pouco disso.

        Mas, aos fatos, qual a vantagem hoje, para um Sargento por exemplo, em ser civil?

        *Aposentadoria aos 65 anos sem paridade e integralidade ou permanecer Militar, trabalhar até no máximo 50 anos (isso com a Reforma) e ter obviamente todas essas benesses?!

        *Ter que ficar 5 anos na última graduação para não regredir na aposentadoria ou ser promovido quando aposentado e receber soldo de Oficial?

        Só complementar o salário legalmente dando aulas na Academia de Polícia Civil sendo “peixe” de alguém ou poder dar aulas em praticamente todas as unidades escola da PM, onde a hora aula para Cabos e Soldados é de R$ 40 e para Subten e Sgt’s é de R$ 80? (Sem falar na hora aula para Oficiais que é de R$ 120…

        Enfim, se sua resposta tiver relação com o blábláblá de sempre de “lamber botas”…”ser humilhado por superiores”…ou coisas assim…

        Bem, com todo o respeito que lhe tenho – apesar do senhor não merecer – sua retórica é uma falácia completa.

        Aliás, nos últimos anos, pelo menos ao que a mim me parece ao ler este Flit e alguns outros blogs, é que as “Pracas” da Policia Civil vem sendo espezinhadas muito mais por seus “OficiaisDelegados” do que as Praças da PM.

        Curtir

  3. Janeiro respeito sua opinião e não desejo de forma alguma conflito mas te digo se vc perguntar para a maioria dos policiais militares, de forma reservada, se querem deixar de estarem sujeitos às regras militares vai ouvir um sim da absoluta maioria das patentes iniciais. Quem carrega o piano na aguenta mais injustiças e humilhações. A absoluta maioria dos policiais são homens honrados e decentes e não podem ficar sob o julgo de interesses corporativos .

    Curtir

  4. Bom Dia!

    Senhoras e Senhores.

    Tudo se resume em breves palavras e estas se analisarmos friamente perceberemos que de longe e à décadas seguimos pela estrada errada.

    Infelizmente alguns pseudos doutrinadores conseguiram, através de lavagem cerebral, incutir na mente do cidadão humilde sua idéia de revolta e essa, aliada à alguns péssimos eleitos, fragilizaram todo Sistema Educacional no que tange à moral e bons costumes, fazendo assim com que esquecêssemos do nosso bem mais precioso que é a Soberania, a Família, Religião e, a nossa liberdade.

    Tudo isso atrelado a um vício secular mais comumente conhecido como “corrupção” que entorpece desde o mais baixo clero em escala crescente e de acordo com interesses individuais.

    Esses indiscretos agem em bando infectando a sociedade com sua oratória doce mas cheia de astúcia com um propósito que é a manifestação da desordem absoluta.

    Agem como “besta fera” dilacerando todos ao seu redor que se opõem aos seus desígnios.

    Embasbacados e nos braços de Baco, ao som frenético do tilintar do vil metal e em companhia de belas mariposas, verdadeiras discípulas de suas mães, fazem tratativas, acertos e o que é pior, enquanto a nação dorme, aprovam Leis em total prejuízo do povo.

    Fragilizaram a Educação em prol de Escolas e Universidades particulares; fragilizaram à Saúde em prol dos Hospitais Particulares e dos Planos de Saúde abusivo; Deixam Instituições Bancárias a vontade com seus juros abusivos; e, fragilizam as Polícias e a Segurança em prol das empresas particulares de seguros e segurança privada.

    Enfim, alguns malditos acabam facilitando e até consentindo, propositalmente e dolosamente, para que pratiquem, camufladamente, cartéis em quase todos os Setores.

    Colocam seus pares em locais estratégicos no governo, em cargos de confiança e com isso agem como lacaios dilacerando o dinheiro público.

    Vendam os olhos dos inocentes e com mensagens de falsos profetas abocanham a liberdade, o dinheiro e a esperança de dias melhores.

    E por fim tentam justificar a inoperância toda colocando a culpa nos coitados dos Funcionários Públicos Concursados que sem verbas, sem Efetivo e sem estímulos, acabam não atingindo suas metas.

    E o pobre e honesto Funcionário Público, vendado, amordaçado e algemado, no final, acaba percebendo que está pior que cachorro quando cai do caminhão de mudança.

    O erro não está aonde querem que olhemos, mas tão somente nas entrelinhas.

    Caronte

    Curtir

  5. Olha Jamiro eu vou te explicar aqui de canto pq seus subalternos não têm coragem de dizer isto bem no meio da sua cara… Soldado ou “pracinha” odeia sistema de militarismo. Sabe quem gosta? Quem manda. Vc não acha isso óbvio? A pessoa que só recebe ordens gosta disso? Precisar de mais explicação nós podemos desenhar para vc.

    Até Sargento e alguma patentes mais altas não gostam! Ainda tem gente mandando muito nele. Controlando muito ele. É uma lambeção de bota nojenta na frente dos outros, mas pelas costas nós sabemos quem manda de verdade! É igual na Civil nesse sentido.

    Curtir

    • Se é igual a Civil, como vc mesmo disse, qual a vantagem em ser civil então?

      Perder as benesses da Proteção Social dos militares para estar sob julgo de corruptos e ladrões?

      Se o “pracinha” como vc disse não quer receber ordens…Oras bolas…é só não opcionar pela carreira militar.

      Mas, ainda assim, na Polícia Civil, os superiores não dão ordens aos subordinados?

      E não me venha com o papo que não há relação de subordinação pois nunca vi um tira levantar o queixo para um Delegado…
      Recebem ordens, cumprem funções que sequer são suas e dizem obrigado no final.

      HIPÓCRITA!

      Curtir

      • Jamiro, não tiro totalmente sua razão.

        Realmente, nunca vi um PC virar PM, mas o inverso é muito comum.

        Logo, a PM não deve ser um Mar de Rosas, embora tenha suas vantagens (aposenta e é promovido, ganha folga ao dar um flagrante, aposentadoria teoricamente será mais fácil que a da PC, alimentação quase 6 vezes maior que o da PC e o principal é que temos um presidente que ama a farda).

        Sobre esse papo que nunca viu um tira levantar o queixo para um delegado, voce tem parcialmente razão. Até porque ordem ilegal eu não cumpro. Quer exemplo? Andar sozinho na viatura. (nem que seja para ir até a esquina)

        Um delegado já me deu essa ordem (oral) e eu também neguei. E ficou por isso mesmo. Não sei na PM, mas na PC existem recomendações (não me recordo se há portaria) orientando o PC a não andar sozinho na viatura.

        Claro que ordens legais são e devem ser obedecidas. Isso se chama hierarquia. Praça respeita tenente, que respeita capitão, que respeita coronel, que respeita secretário, que respeita governador, que a cada 4 anos vem com cara de Santo e cachorro esfomeado pedindo voto. Ou seja, é um ciclo.

        Curtir

  6. Matéria sem fundamento, própria de uma narrativa esquerdista que não se vê compromissada com a realidade e tenta empurrar goela abaixo uma ideia pré-concebida com interesses escusos. Analisando o link para verificar o resultado de que 80% dos policiais defendem a desmilitarização, verifica-se uma matéria do UOL, não a própria pesquisa, mas ainda assim já é possível atestar a superficialidade do arguido. A pesquisa não indica o número de pesquisados dentro do universo alvo, portanto não há como atribuir uma margem de erro, que pode ser 99,99%, uma pesquisa científica sem margem de erro não tem validade nenhuma! De toda forma, conforme reportagem, apenas 53% dos pesquisados são policiais militares, aqueles que estão submetidos ao militarismo e mais legítimos para opinar sobre o assunto. Ademais, não foi realizada pergunta direta sobre desmilitarização, mas sim, provavelmente de forma proposital e indutiva, foi questionado sobre o fim de vínculo com Exército, portanto tratou-se de questionamento tendencioso. Portanto, esta reportagem não possui credibilidade alguma, com que fundamento o jornalista pode arguir que o militarismo “faz tanto mal para a maioria dos PMs”? Simplesmente sua opinião? A discussão pode ser feita, porém com responsabilidade, transparência e baseado em fatos.

    Curtir

  7. Posso falar : ninguém na Polícia é “santo” !. Portanto, Calculo que parte de minhas ” travessuras”, tiveram a conivência de um majura. E, me ajudem aí ó !….

    Curtir

  8. Não entendo exatamente em quê a supressão do militarismo ajudaria em algo, pois a meu ver nós não estamos melhores e nem somos mais eficientes que os Mikes em nada.
    Se suprimir militarismo ajudasse em algo nós Charlies seríamos um força policial invejável pela lógica do que pedem o fim do militarismo.
    No mais, matéria tendenciosa de esquerda, o que é comum em um país “Socialista envergonhado” com o nosso onde o socialismo é fortemente praticado mas nunca admitido como doutrina de governo pelos que o utilizam.

    Curtir

  9. CONCORDO EM GÊNERO NUMERO E GRAU COM O EXPOSTO ACIMA PELO NOSSO AGENTE POLICIAL

    Agepol Pobretão disse:
    09/10/2019 ÀS 10:12
    Não entendo exatamente em quê a supressão do militarismo ajudaria em algo, pois a meu ver nós não estamos melhores e nem somos mais eficientes que os Mikes em nada.
    Se suprimir militarismo ajudasse em algo nós Charlies seríamos um força policial invejável pela lógica do que pedem o fim do militarismo.
    No mais, matéria tendenciosa de esquerda, o que é comum em um país “Socialista envergonhado” com o nosso onde o socialismo é fortemente praticado mas nunca admitido como doutrina de governo pelos que o utilizam.

    Curtir

  10. Concordo em gênero numero e grau com o comentário do colega Agente Policai, principalmente na frase abaixo

          Se suprimir militarismo ajudasse em algo nós Charlies seríamos um força policial invejável pela lógica do que pedem o fim do militarismo.
    

    Matou todos os comentários medíocres anteriores.

    Curtir

  11. Opinião de quem deixou a PM e entrou na PC:

    A PM tem muito a nos ensinar sobre organização e em como ter identidade institucional.
    Entretanto, os desmandos são mais maquiados pelo militarismo .

    Vejo que na PC n vestimos a camisa da instituição e somos muito divididos. Porém, prefiro aqui. Temos mais liberdade pra trabalhar.

    Curtir

  12. Ochente !, pelo que pressinto, esse sebozão, está a fim de me dar o furicão. Saí bicho fedido da peste !. E, me ajudem aí ó !…

    Curtir

  13. K.KK.K.K.K.K. Essas duas bichonas acima, se relacionam muito bem, pois elas demonstram entender do metiê pertinente às trombas. K.K.K.K.K.K.K. E, me ajude aí ó !…

    Curtir

  14. K.K.K.K.K.K. As duas bichonas pcezinha e sebozinha fedida estão super unidas, só está faltando o noínha que diz trabalhar numa dise, o qual está ausente em virtude de se encontrar noiado. K.K.K.K.K.K. E, me ajude aí ó !…

    Curtir

  15. Rapaz !, eu não deveria, mais vou deixá-las ouriçadas. Acabei de lembrar que hoje é quarta feira, portando logo mais irei na casa do norte do compadre degustar uma feijoada, pois adoro comer rabinho de porco. K.K.K.K.K.K.K.K E, me ajude aí ó !….

    Curtir

    • Parcival boca de veludo não cansa de passar vergonha , depois de tapa na cara e boladas no queixo, cabeçada no céu da boca ainda quer vir aqui falar , explica aí pro pessoal o tapa na cara Parcival

      Curtir

      • Porra Fernandao, tapa na cara de mao aberta é inexplicavel. Quem viu, jura que Parcival rodopiou e se esparramou no chao. É mal conseguia gritar: “sou puliça, sou puliça”

        Curtir

  16. K.K.K.K.K.K. mudando de alhos para bugalhos, tadinho, comeram o rabinho do porquinho !. K.K.K.K.K.K. E, me ajude aí ó !….

    Curtir

  17. Ei !, Esses tais de seboso fedido, pcezinha, fernandão noia, filho bastardo e indeterminado, não valem uma bufa de minha cachorrinha lilica. K.K.K.K.K.K.K E, me ajudem aí ó !…

    Curtir

  18. Rapaz,coitadinho ! o porquinho está atordoado até agora, após as duas chibatadas, perdeu o rumo e se encontra em alto mar. Continuando…ole…ole…ole. K.K.K.K.K.K. E, me ajudem aí ó !…

    Curtir

    • blindado, vc ja passou dos limites da chatisse. Quantos colegas devem ter comemorado sua aposentadoria, porque deve ser duro te aturar, chato do caralho. Não é a toa que vivia levando bonde.

      Curtir

  19. O maior problema da PC é o seguinte: quem manda não entende nada de polícia e quem entende não apita nada!

    Curtir

  20. CARTA DE UM EX-TIRA QUE VIROU PM

    Eu era um feliz investigador de polícia. Era cobrado, tinha que fazer produção, dar canas e esclarecimentos, mas, apesar disso, tinha um horário flexível, uma viatura que usava tanto para trabalhar como para resolver assuntos meus e liberdade para fazer minhas atribuições do meu jeito e sem dar ouvidos a pitacos de superiores. Alguns chefes e delegados pegavam no meu pé de vez em quando, mas bastava eu me impor, que eles paravam de me perturbar.

    Apesar das reclamações que eu fazia de vez em quando e do salário baixo que ganhava, não podia reclamar da minha vida de investigador. Pra falar a verdade, a minha vida de tira era bem gostosa, flexível, e sossegada, mas como qualquer outra, um pouco estressante.

    Apesar disso, lendo as postagens do Sr. JAMIRO aqui no flit paralisante, resolvi tomar uma atitude, largar minha vida mansa de tira e prestar concurso para a POLÍCIA MILITAR, afinal trata-se de uma corporação muito organizada e gloriosa, na qual eu podia chegar a ser Sargento (vejam só que maravilha), e ter todas as benesses da carreira militar e me aposentar cedo.

    Finalmente fiz o concurso da PM, fiquei um ano na escola de soldados, marchando todos os dias debaixo do sol forte, cantando hinos maravilhosos, acordando às 5h da manhã todos os dias, gritando como um louco até ficar rouco nos treinamentos, me esfregando na lama e falando “SIM SENHOR” até para a porta. Já ia me esquecendo, aos finais de semana eu ficava preso na escola por ter feito corpo mole ou cara feia. Foi uma maravilha.

    Passada essa época gostosa da escola militar, hoje estou trabalhando em um batalhão e, mesmo eu tendo nível superior, pois era investigador, recebo ordens de oficiais, que são de nível médio, mas que são maravilhosos, pois possuem patente superior e uma estrela na farda, o que, de acordo com o que aprendi na PM, faz dele um ser iluminado, algo em que acredito piamente.

    Sou muito grato aos conselhos do JAMIRO, pois larguei minha vida mansa de tira e hoje sou militar com muito orgulho. Não consigo mais usar a viatura para nada, não tenho mais o horário flexível e tenho que trabalhar exatamente do jeito como mandam. Minha mulher tem que passar a minha farda até ficar sem nenhum amassado, enquanto eu engraxo meus coturnos. Tenho que fazer a barba todos os dias e cortar o cabelo toda semana. Bato continência aos oficiais de nível médio, e obedeço cegamente às suas ordens, caso contrário serei preso ou demitido merecidamente. Tenho a vida dos sonhos.

    Muito Obrigado, JAMIRO.

    VIVA A POLÍCIA MILITAR!

    ASSINADO: NINGUÉM.

    Curtir

  21. K.K.K.K.K. Rapaz, Todos otarianos ! Ei, cambada de ” nadas”, não vão confundir com rotarianos ! K.K.K.K.K. E, me ajude aí ó !….

    Curtir

  22. Rapaz, Coitado do Escriba Chefe dessa dise !, Chefe olho nesse noinha !. Pois como eu disse anteriormente, quem avisa amigo é ! E, me ajudem aí ó !

    Curtir

O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do comentarista que venha a ofender, perturbar a tranquilidade alheia, perseguir, ameaçar ou, de qualquer outra forma, violar direitos de terceiros.O autor do comentário deve ter um comentário aprovado anteriormente. Em caso de abuso o IP do comentarista poderá ser fornecido ao ofendido!...Comentários impertinentes ou FORA DO CONTEXTO SERÃO EXCLUÍDOS.. Contato: dipolflitparalisante@gmail.com

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s