Entre 161 países, Brasil é o 3º com maior queda na liberdade de expressão 1

Estudo de ONG internacional avalia situação em 2018 e prevê pior para o Brasil sob Bolsonaro - iStock

Estudo de ONG internacional avalia situação em 2018 e prevê pior para o Brasil sob Bolsonaro Imagem: iStock

Alex Tajra

Do UOL, em São Paulo

10/12/2019 08h01

Resumo da notícia

  • ONG comparou liberdade de expressão em 161 países
  • Entre 2015 e 2018, Brasil teve a terceira pior degradação do mundo em termos de liberdade de expressão
  • Estudo aponta ainda que, com Bolsonaro, liberdade no Brasil piorará ainda mais rápido

Em três anos, o Brasil piorou consideravelmente os indicadores de liberdade de expressão e registrou a terceira maior queda no quesito entre os países analisados pela organização internacional Artigo 19, em relatório divulgado hoje.

Entre 2015 e 2018, a liberdade de expressão no mundo só diminuiu mais na Polônia e na Nicarágua — nações submersas em regimes autoritários, em dois polos políticos opostos.

O estudo analisou 161 países de todos os continentes. Na América do Sul, conforme o relatório divulgado, o Brasil se encontra em sétimo lugar quanto à liberdade de expressão.

No ranking global, a Dinamarca encabeça a lista, seguida de Noruega, Suécia, Suíça e Estônia. O Brasil ficou na 70ª posição, atrás de países como República Dominicana, Nigéria e Gabão.

Liberdade de expressão na América do Sul

  1. Uruguai: 0.883
  2. Chile: 0.848
  3. Argentina: 0.788
  4. Peru: 0.717
  5. Equador: 0.694
  6. Bolívia: 0.618
  7. Brasil: 0.587
  8. Paraguai: 0.567
  9. Colômbia: 0.463
  10. Venezuela: 0.089

Como se mede a liberdade de expressão?

Para chegar no coeficiente do estudo, a Artigo 19 utiliza 39 indicadores e os aplica em cinco pilares:

  • Espaço cívico: mede o espaço para debates públicos e manifestações, por exemplo;
  • Digital: avalia a capacidade dos cidadãos de se expressarem na internet;
  • Mídia: mede a qualidade do ambiente para jornalistas e veículos de imprensa;
  • Proteção: analisa a segurança de todos que se expressam, incluindo jornalistas;
  • Transparência: mede a eficácia na obtenção de informações do governo e na fiscalização de agentes públicos.

O estudo avalia o índice de liberdade de expressão no país em 2018, mas os pesquisadores alertam que, em função dos ataques à imprensa impetrados pelo atual governo, a tendência é que a situação se deteriore:

“A perspectiva é que a liberdade de expressão diminua ainda mais no país sob a gestão do presidente Jair Bolsonaro, que, desde a corrida eleitoral, vem dirigindo ataques a jornalistas, veículos de comunicação, ativistas e organizações da sociedade civil”.

Desde que assumiu o governo, em janeiro, Bolsonaro colecionou ataques a imprensa, em especial ao Grupo Globo e ao jornal Folha de S. Paulo. Na empreitada mais recente, também considerada a mais grave, o presidente excluiu a Folha de uma licitação da Presidência para fornecimento de acesso digital ao noticiário da imprensa. Dias depois, voltou atrás da medida e revogou a licitação.

“Com a eleição do presidente Jair Bolsonaro, o Brasil se tornou um lugar ainda mais perigoso para se comunicar. Seus ataques verbais à mídia têm sérias repercussões na segurança de jornalistas e defensores dos direitos humanos. (…) É urgente que cessem as narrativas oficiais e políticas divisoras que promovem desinformação, a polarização e o ódio”, disse em nota a diretora executiva da Artigo 19, Denise Dora.

Violência contra jornalistas

O texto do Relatório de Expressões Globais (tradução livre do nome do documento em inglês) cita também o ambiente violento para a atuação de jornalistas e comunicadores no país. O estudo afirma que “35 crimes graves foram cometidos contra jornalistas e comunicadores em 2018 — número que está entre os mais altos da América do Sul.

No começo deste ano, o UOL relatou que ao menos 64 jornalistas foram assassinados no Brasil desde 1995, todos os crimes em função da profissão. O dado foi levantado a partir de um relatório do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) com o apoio do ministério da Justiça e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Em 2018, o Brasil figurou entre os dez países onde mais jornalistas são assassinados. Naquele ano, quatro profissionais foram assassinados, mesmo número registrado nas Filipinas.

Um Comentário

  1. É verdade! Com o politicamente correto implantado pelos governos de esquerda, e, posteriormente, criando Leis para punir aqueles que falam as verdades, o direito de expressão foi para a vala. Hoje falou algo que algum infeliz ache que foi agredido, ou julgue que não foi legal, ou polêmico demais, já está processado. Liberdade de expressão? No Brasil, foi assassinada…

    Curtir

Os comentários estão desativados.