O PAÍS DO ATRASO – Ação autoritária e ignara do governo cretino-evangélico mira professores e policiais antifascistas 20

Ação sigilosa do governo mira professores e policiais antifascistas

O ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, nomeou os chefes da Seopi, que vem fazendo trabalho similar ao de GSI e CIE dentro do ministério - Ueslei Marcelino

O ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, nomeou os chefes da Seopi, que vem fazendo trabalho similar ao de GSI e CIE dentro do ministério Imagem: Ueslei Marcelino

Rubens Valente

Colunista do UOL

24/07/2020 14h32

Resumo da notícia

  • Ministério da Justiça tem secretaria que age nos moldes de órgãos de inteligência
  • UOL obteve dossiê que lista ex-secretário nacional, professores e policiais antifascistas
  • Ministério da Justiça afirma que integra sistema de inteligência e cita “ações especializadas”

O Ministério da Justiça colocou em prática em junho uma ação sigilosa sobre um grupo de 579 servidores federais e estaduais de segurança identificados como integrantes do “movimento antifascismo” e três professores universitários, um dos quais ex-secretário nacional de direitos humanos e atual relator da ONU sobre direitos humanos na Síria, todos críticos do governo de Jair Bolsonaro.

O ministério produziu um dossiê com nomes e, em alguns casos, fotografias e endereços de redes sociais das pessoas monitoradas. A atividade contra os antifascistas, conforme documentos aos quais o UOL teve acesso, é realizada por uma unidade do ministério pouco conhecida, a Seopi (Secretaria de Operações Integradas), uma das cinco secretarias subordinadas ao ministro André Mendonça.

A secretaria é dirigida por um delegado da Polícia Civil do Distrito Federal e tem uma Diretoria de Inteligência chefiada por um servidor com formação militar – ambos foram nomeados em maio por Mendonça.

Investida das atribuições de serviço de “inteligência” por um decreto do presidente Jair Bolsonaro, o de nº 9.662 de 1º de janeiro de 2019, a Seopi não submete todos os seus relatórios a um acompanhamento judicial. Assim, vem agindo nos mesmos moldes dos outros órgãos que realizam normalmente há anos o trabalho de inteligência no governo, como o CIE (Centro de Inteligência do Exército) e o GSI (Gabinete de Segurança Institucional).

Procurado pelo UOL, o ministério afirmou que integra o Sisbin (Sistema Brasileiro de Inteligência) e que a inteligência na segurança pública faz “ações especializadas” com o objetivo de “subsidiar decisões que visem ações de prevenção, neutralização e repressão de atos criminosos de qualquer natureza que atentem contra a ordem pública, a incolumidade das pessoas e o patrimônio” (veja mais abaixo).

Dossiê foi repassado a órgãos políticos e de segurança do país

Além da PF e do CIE, o documento produzido pelo Ministério da Justiça foi endereçado a vários órgãos públicos, como Polícia Rodoviária Federal, a Casa Civil da Presidência da República, a Abin (Agência Brasileira de Inteligência), a Força Nacional e três “centros de inteligência” vinculados à Seopi no Sul, Norte e Nordeste do país.

Os centros funcionam como pontos de reunião e intercâmbio de informações entre o Ministério da Justiça e policiais civis e militares que são recrutados pelo ministério.

Assim, o dossiê do Ministério da Justiça se espalhou pelas administrações públicas federal e estaduais e não se sabe a consequência dessa disseminação. Pode ser usado, por exemplo, como subsídio para perseguições políticas dentro dos órgãos públicos.

“Aliança popular antifascismo”

Na primeira quinzena de junho, a Seopi produziu um relatório sobre o assunto “Ações de Grupos Antifa e Policiais Antifascismo”. O relatório foi confeccionado poucos dias depois da divulgação, no dia 5 de junho, de um manifesto intitulado “Policiais antifascismo em defesa da democracia popular”, subscrito por 503 servidores da área de segurança, aposentados e na ativa, incluindo policiais civis e militares, penais, rodoviários, peritos criminais, papiloscopistas, escrivães, bombeiros e guardas municipais.

No manifesto, o movimento se diz suprapartidário e denuncia um “projeto de neutralização dos movimentos populares de resistência, propondo uma “aliança popular antifascismo”.

Segundo o manifesto, o movimento deveria ter participação de sindicatos, entidades de classe, movimentos populares, estudantes, artistas e outros. O documento pede ainda uma reação “às ameaças civis-militares de ruptura institucional”.

Poucos dias antes, em 22 de maio, o general e ministro do GSI, Augusto Heleno, havia divulgado uma “nota à nação brasileira”, na qual disse que a eventual apreensão do telefone celular de Jair Bolsonaro – tema de consulta do STF (Supremo Tribunal Federal) à PGR (Procuradoria-Geral da República) — poderia ter “consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional”.

Bolsonaro citou “marginais, terroristas” ao se referir a antifascistas

O manifesto foi usado pelo Ministério da Justiça para embasar a apuração sobre os servidores, mas não foi o único argumento. Em 31 de maio, protestos antifascistas ocorreram em capitais como São Paulo e Curitiba.

Os protestos foram alvo de um pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro no dia 5 de junho, mesmo dia do manifesto dos policiais antifascistas. Ele discursou numa solenidade em Águas Lindas (GO) contra “grupos de marginais, terroristas, querendo se movimentar para quebrar o Brasil”.

O relatório do Ministério da Justiça foi produzido menos de uma semana depois das declarações de Bolsonaro. Após citar os protestos de 31 de maio, o relatório afirma: “Verificamos alguns policiais formadores de opinião que apresentam número elevado de seguidores em suas redes sociais, os quais disseminam símbolos e ideologia antifascistas”.

O texto da Seopi menciona a época do impeachment de Dilma Rousseff, em 2016, quando foi divulgado um outro documento intitulado “Manifesto de policiais pela legalidade democrática”. O relatório da Seopi afirma que “74 agentes de segurança pública assinam o referido documento, o qual posiciona-se com as mesmas diretrizes que estão sendo difundidas atualmente com os antifas”, a abreviatura dos que integram os movimentos antifascistas.

579 nomes entraram na lista de antifascistas

A Seopi somou as assinaturas dos dois manifestos e montou um anexo, em tabela de arquivo Excel, com uma “relação de servidores da área de segurança pública identificados como mais atuantes”. Os 579 nomes foram divididos por estado da federação.

Além desse anexo, a Seopi incluiu os dois manifestos, de 2016 e 2020, uma série de “notícias relacionadas a policiais antifascismo” e cópias em PDF do livro “Antifa – o manual antifascista”, do professor de história Mark Bray, e de um certo “manual de terrorismo BR”.

Encontrado na internet e escrito em linguagem adolescente, esse “manual” diz ter receitas para fabricação de bombas caseiras e atos de “anarquia”.

A Seopi não faz qualquer explicação que permita ligar esse “manual” aos antifascistas. Não há registro de que “antifas” tenham participado de qualquer ato terrorista em território nacional.

Marchas em SP e no Rio têm tumulto e pouca adesão popular

SBT Online

Formadores de opinião do movimento foram monitorados

O relatório do Ministério da Justiça diz que “além desses servidores foi possível identificar alguns formadores de opinião, professores, juristas e o atual secretário de estado de articulação da cidadania do Pará [sic], defensores desse movimento”.

Os alvos, todos acompanhados de fotografias, são os professores universitários Paulo Sérgio Pinheiro (integrante da Comissão Arns de direitos humanos, presidente da comissão independente internacional da ONU sobre a República Árabe da Síria desde 2011, com sede em Genebra, nomeado pelo conselho de direitos humanos da ONU, ex-secretário nacional de direitos humanos no governo de FHC e ex-integrante da Comissão da Verdade); Luiz Eduardo Soares (cientista político, secretário nacional de Segurança Pública no primeiro governo Lula e co-autor do livro “Elite da Tropa” [Objetiva, 2006]); e Ricardo Balestreri (secretário estadual de Articulação da Cidadania do governo do Pará e ex-presidente da Anistia Internacional no Brasil). Há também um quarto nome da academia, Alex Agra Ramos, bacharel em ciências políticas na Bahia.

No relatório, a Seopi cita como “destaque na mídia” uma entrevista concedida por Pinheiro ao UOL em fevereiro de 2019 intitulada “Discurso violento de líderes cria clima de ‘liberou geral'”. Curiosamente, ao longo da entrevista Pinheiro sequer menciona as palavras fascismo, antifascismo ou antifascistas nem associa Bolsonaro e o governo a nada parecido.

Sobre Soares, a Seopi destacou um texto intitulado “apelo à unidade antifascista”, na qual ele fala em “ameaças seguidas de golpe por parte do garimpeiro genocida do Planalto” e vê o “avanço do fascismo”. Ele pede que a esquerda se una em torno da “ameaça”.

No seu relatório, a Seopi reproduziu ainda a página de Balestreri no Facebook e uma foto do secretário.

Policiais antifascismo dizem já haver retaliações

Dois policiais civis entrevistados pela coluna que integram o “movimento de policiais antifascismo”, Luiz Felipe de Oliveira Teixeira, 57, do Rio Grande do Sul, e Pedro Paulo Chaves, 34, do Rio Grande do Norte, disseram que agentes da segurança pública já vinham sofrendo retaliações mesmo antes do relatório da Seopi.

Em abril, um promotor de Justiça de Natal pediu a abertura de um inquérito após Chaves dizer num vídeo que eles iriam investigar a quebra da estratégia do isolamento social durante a pandemia por manifestantes pró-Bolsonaro que organizaram carreatas nas ruas de Natal e Mossoró.

Teixeira disse que, no Rio Grande do Sul, policiais que integram o movimento antifascista passam a ser preteridos em algumas operações, deixando de receber diárias de viagem. Além disso, comentários dos antifascistas em redes sociais podem render processos administrativos disciplinares.

Ambos concordam que os textos de Soares e de Balestreri são referências nos debates sobre antifascismo e segurança pública. “[Soares] investe muito num ponto que é realmente expressivo, que é a questão da cultura, como se pensa a polícia pela sociedade, o que se espera de um policial na sociedade. É um dos grandes problemas da segurança pública. É aquela visão do ‘policial jagunço’, que está ali para resolver os problemas de alguém em detrimento dos direitos e da integridade de um outro, que muitas vezes está numa situação de delinquente ou não, está inferiorizado economicamente.”

Chaves e Teixeira afirmam que o movimento é pacífico, tem cerca de 500 integrantes no país e começou a ganhar força em 2017, a partir de uma troca de experiências durante o Fórum Social Mundial daquele ano. Eles disseram que, para ser aceito como membro, o policial precisa ter algumas características. Segundo Chaves, tem que ser “antifascista, contra Bolsonaro e ser de esquerda”.

“Nosso antifascismo vem antes de Bolsonaro, é contra as instituições — basta ver como as coisas funcionam dentro de uma Polícia Militar — mas também do lado de fora, nas periferias, na guerra às drogas, na relação das polícias com a juventude. Nosso antifascismo não é contra Bolsonaro, ele que se aliou ao fascismo, então ele é um elemento de aversão”, disse Chaves.

Dossiê tem “acesso restrito” e poderia ficar em sigilo por 100 anos

Para contornar a LAI (Lei de Acesso à Informação), a Seopi carimbou os documentos sobre os antifascistas como “de acesso restrito”.

A LAI prevê três tipos de sigilo sobre uma informação produzida pelo Executivo: ultrassecreto (que deverá ser divulgada num prazo máximo de 25 anos), secreto (15 anos) e reservado (cinco anos).

Uma única menção a “acesso restrito” aparece na lei e no decreto que a regulamentou, o de número 7724/2012, no ponto que trata de “informações pessoais”. O artigo 55 do decreto diz que informações relativas à intimidade, vida privada, honra e imagem terão “acesso restrito a agentes públicos legalmente autorizados e à pessoa a que se referirem, independentemente de classificação de sigilo, pelo máximo de cem anos”. Ou seja, segundo o critério adotado pela Seopi as informações que produziu só poderiam ser conhecidas daqui a um século.

Antes estrutura de apoio a investigações, Seopi age agora com foco político

Até janeiro de 2019, as atividades da Seopi eram desenvolvidas por uma coordenadoria. Na gestão do ministro Sergio Moro (2019-2020), e a partir do decreto presidencial 9662, de janeiro de 2020, a coordenadoria foi elevada a Secretaria.

O decreto de Bolsonaro que estabeleceu as competências da Seopi diz que cabe a ela assessorar o ministro “nas atividades de inteligência e operações policiais, com foco na integração com os órgãos de segurança pública federais, estaduais, municipais e distrital”. Afirma ainda que ela pode “estimular e induzir a investigação de infrações penais, de maneira integrada e uniforme com as polícias federal e civil”.

Durante o governo de Temer e parte do governo Bolsonaro, a coordenadoria de inteligência e depois a Seopi atuaram principalmente fomentando investigações, nos estados, sobre crimes como pornografia infantil, pedofilia e exploração sexual, o que resultou numa série de operações chamada “Luz na infância”.

Essas operações eram subsidiadas pelo Ministério da Justiça, mas desencadeadas pelas polícias civis nos estados, sob acompanhamento judicial. Os documentos obtidos pelo UOL mostram que a Seopi agora transbordou para o campo político.

Os chefes da secretaria

A Seopi é comandada desde maio por Jeferson Lisbôa Gimenes, um delegado da Polícia Civil do DF nomeado para o cargo por André Mendonça.

Sob o comando da Seopi está a Dint (Diretoria de Inteligência), chefiada por Gilson Libório de Oliveira Mendes, um ex-assessor especial do atual ministro da Justiça na AGU (Advocacia Geral da União) e também nomeado por Mendonça para o cargo.

Mendes tem muitas ligações com o meio militar. O currículo informa que ele se formou “mestre em aplicações militares” na EsAO (Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais), uma instituição de elite do Exército conhecida como “a casa do capitão”, em 1992, e foi bacharel em ciências militares pela Aman (Academia Militar das Agulhas Negras), em 1982.

Em 2018, ele deu uma aula na Escola de Inteligência Militar do Exército, em Brasília. É sob o controle de Gimenes e Mendes que se desenvolve a ação contra os servidores antifascistas.

Posição do Ministério da Justiça

O Ministério da Justiça e Segurança Pública foi procurado pelo UOL com uma série de indagações, como a origem e o destino do levantamento, se o ministro André Mendonça autorizou ou teve conhecimento do trabalho, quais são os objetivos e os resultados do levantamento e por que houve a inclusão de um “manual de terrorismo” entre os anexos, já que não há registro de atividades “terroristas” praticadas por movimentos antifascistas em território nacional.

O ministério preferiu não responder às dúvidas pontuais e emitiu a seguinte nota, que segue na íntegra:

“O Sistema Brasileiro de Inteligência (instituído pela Lei nº 9.883/1999) é responsável pelo processo de obtenção, análise e disseminação da informação necessária ao processo decisório do Poder Executivo. A atividade de Inteligência de Segurança Pública é realizada por meio do exercício permanente e sistemático de ações especializadas para identificar, avaliar e acompanhar ameaças potenciais ou reais. O objetivo é subsidiar decisões que visem ações de prevenção, neutralização e repressão de atos criminosos de qualquer natureza que atentem contra a ordem pública, a incolumidade das pessoas e o patrimônio. Como agência central do Subsistema de Inteligência de Segurança Pública (Decreto 3695/2000), cabe à Diretoria de Inteligência da Secretaria de Operações Integradas (Seopi) do Ministério da Justiça e Segurança Pública, como atividade de rotina, obter e analisar dados para a produção de conhecimento de inteligência em segurança pública e compartilhar informações com os demais órgãos componentes do Sistema Brasileiro de Inteligência

Infelizmente eu não tive a sorte de encontrar a desembargadora CRISTINA ZUCCHI, nos meus casos foi uma “siquerinha”…PORTARIA DGP suspensa pelo Tribunal de Justiça 14

Liminar Concedida contra a portaria que regula o uso das redes sociais pelos policiais civis. Processo 2159487-74.2020.8.26.0000 ESPACHO Direta de Inconstitucionalidade Processo nº 2159487-74.2020.8.26.0000 Relator(a): CRISTINA ZUCCHI Órgão Julgador: Órgão Especial Requerentes: FEDERAÇÃO INTERESTADUAL DOS TRABALHADORES POLICIAIS CIVIS DA REGIÃO SUDESTE (FEIPOL/SUDESTE) e SINDICATO DOS POLICIAIS CIVIS DO ESTADO DE SÃO PAULO DA REGIÃO DE SANTOS (SINPOLSAN) Requerido: DELEGADO GERAL DE POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DE SÃO PAULO I) Trata-se de ação direta de inconstitucionalidade, com pedido liminar, ajuizada pela FEDERAÇÃO INTERESTADUAL DOS TRABALHADORES POLICIAIS CIVIS DA REGIÃO SUDESTE (FEIPOL/SUDESTE) e SINDICATO DOS POLICIAIS CIVIS DO ESTADO DE SÃO PAULO DA REGIÃO DE SANTOS (SINPOLSAN), visando a declaração de inconstitucionalidade da Portaria DGP n. 29 de 07.07.2020 (fls. 74), editada pelo ILMO. SR. DELEGADO-GERAL DA POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DE SÃO PAULO, a qual disciplina o uso de redes sociais por policiais civis do Estado de São Paulo. Aduzem, em síntese, que o ato normativo impugnado (Portaria) padece de inconstitucionalidade formal, pois impõe deveres funcionais, estabelece proibições e define infrações disciplinares em desfavor dos policiais civis estaduais, matéria que somente poderia ser disciplinada por lei complementar, nos termos dos artigos 23, parágrafo único, item V, 111 e 140, parágrafo 7º, todos da Constituição Paulista. Diante disso, requerem a concessão de liminar para o fim de que seja determinada a suspensão imediata da eficácia da Portaria DGP n. 29/2020, impedindo-se, até o julgamento do mérito da presente ação direta de inconstitucionalidade qualquer medida de processamento ou de punição disciplinar baseada na violação às proibições dos arts. 2º, 3º e 4º da norma hostilizada, sob o argumento de que restou devidamente demonstrado o fumus boni juris e que o periculum in mora repousa no fato de que a Portaria já está em vigor e que, portanto, a sua potencialidade lesiva está em plena atuação. No mérito, pugnam pela declaração de inconstitucionalidade da norma em comento. II) Defiro a liminar, eis que reputo presentes, em exame perfunctório próprio deste momento processual, os requisitos necessários e suficientes para tanto, mormente pela existência de elementos a indicar a aparente inobservância a preceitos constitucionais (fumus boni iuris), e considerando ainda a possibilidade de a norma em questão acarretar eventuais lesões de difícil reparação aos policiais civis decorrentes de processamento ou punição disciplinar (periculum in mora). III) Oficie-se ao Ilmo. Sr. Delegado-Geral da Polícia Civil do Estado de São Paulo para prestar informações. IV) Cite-se a dd. Procuradoria Geral do Estado de São Paulo, para manifestação. V) Int. São Paulo, 14 de julho de 2020. CRISTINA ZUCCHI Relatora


Estou mais aliviado, não sou o único ignorante jurídico neste estado…kkk

Mas a vitória ainda demanda muita luta! 

 

Desembargador que destratou guarda é ‘desprezível’ e deve ser julgado, diz colega de tribunal paulista 22

Desembargador que destratou guarda é ‘desprezível’ e deve ser julgado, diz colega de tribunal paulista

A desembargadora Maria Lúcia Pizzotti afirma que Eduardo Siqueira sempre destratou quem julgava estar abaixo dele

A desembargadora Maria Lúcia Pizzotti, do Tribunal de Justiça de SP, diz que o desembargador Eduardo Siqueira, que destratou um guarda municipal em Santos depois de ser abordado porque não usava máscara, é uma “figura desprezível”.

A magistrada já processou o colega por injúria e difamação. Quando estava no início da carreira, Siqueira depôs contra ela, tentando impedir que se tornasse juíza com direito a vitaliciedade.

“Ele tinha uma postura bastante desagradável no trato pessoal, e eu fui obrigada a ser firme desde o começo da minha relação com ele. Eu tive que processá-lo por difamação e injúria”, afirma.

Desembargador Eduardo Siqueira rasga multa por estar sem máscara em praia de Santos (SP)
Desembargador Eduardo Siqueira rasga multa após ser flagrado sem máscara em praia de Santos (SP) – Reprodução

Seu advogado, na época, foi o criminalista Alberto Toron, que era colega de faculdade da desembargadora.​ O magistrado que analisou o caso considerou que testemunha não pratica ato de injúria ou difamação ao depor.

Ela recorreu ao STJ (Superior Tribunal de Justiça), mas houve decadência da ação.

Eram poucas as mulheres que integravam o Poder Judiciário em 1988, quando Pizzotti ingressou na carreira. “Eu fui a vigésima juíza do Judiciário estadual”, relembra. “Na época não tinha muitas mulheres e havia dificuldade no relacionamento conosco e com juízes jovens”, afirma.

“Além de ser bastante inconveniente no tratamento, Siqueira era muito ríspido com todo os que julgava estarem abaixo dele”, afirma ela.

A magistrada diz que muitas coisas já foram toleradas sobre Siqueira e que agora os tempos são outros. Por isso, ela “aplaude”a instauração ​de um procedimento contra o desembargador.

“Ele, em tese, cometeu o crime de desacato ao destratar o policial e não respeitar a autoridade dele, que cumpria uma regra municipal, de determinar o uso da máscara. Ali ele era um cidadão comum. A autoridade era o policial”, afirma ela.

“Eu entendo também que, em tese, ele cometeu os crimes de abuso de autoridade, tráfico de influência, ao ligar para o Secretário de Segurança de Santos, e também injúria, porque xingou o policial de analfabeto. E também descumpriu regras ao se negar a usar máscaras e rasgar um papel e jogar no chão, sujando a praia”, segue ela.

Ela acredita que seria o caso, se ele for processado e condenado criminalmente, de perder o cargo. “Depois de tantos ilícitos, é o mínimo que se espera. Afinal, a sociedade quer que uma pessoa que comete tantas ilegalidades siga julgando os cidadãos?”

A desembargadora relatou outros episódios do desembargador.

Suas primeiras revelações foram feitas ao site Consultor Jurídico (Conjur).

Segundo contou, Siqueira já teria ordenado que o motorista do carro oficial passasse por cima da chancela do pedágio de Santos para São Paulo.

“Na época estava comentando o caso com um colega e ele passou em um carro oficial na hora. Neste momento eu disse: é esse. Ele mandou o motorista parar o carro e veio para cima de mim para tirar satisfação. Eu solicitei a gravação da garagem e fiz uma representação contra ele. Infelizmente, o presidente do TJ-SP na época, Ivan Sartori, decidiu arquivar o caso. Acredito que se houvesse uma postura firme do tribunal anteriormente ele não chegaria nesse ponto de destratar o guarda e sujar a praia”, afirmou ela ao Conjur.

A coluna enviou uma mensagem à assessoria do Tribunal de Justiça de São Paulo pedindo para ouvir Eduardo Siqueira sobre as acusações feitas pela desembargadora Maria Lúcia Pizzotti. Ele ainda não respondeu ao questionamento.

Mônica Bergamo

Ronaldo Tovani – O GCM – que de analfabeto näo tinha nada – cumpriu bem seu dever legal e autuou o desembargador por estar sem máscara e também por jogar “lixo” em via pública… 9

Até entäo – apesar dos meus 40 anos de atividades na área do direito – eu nunca havia ouvido falar do desembargador Eduardo Almeida Prado Rocha de Siqueira. Hoje, depois de ter visto seu nome e vídeos circulando nas redes sociais, alguns, inclusive, exigindo sua demissäo da magistratura (como se isso fosse possível em razäo daqueles fatos noticiados) e outros dizendo que pagam seu salário, decidi pesquisar um pouco sobre o referido desembargador, que ainda está na ativa e compöe da 38ª Cämara de Direito Privado.
Pareceu-me tratar-se de um bom juiz, sem máculas em sua vida pessoal ou profissional.
Näo faz parte do seleto grupo de intelectuais do TJ/SP, mas, levando-se em conta alguns votos dele que li, resolve bem as questöes que lhe säo postas.
Foi promovido a desembargador em 2008 e, tudo indica, já está trabalhando “de graça” para o Estado, pois muito provavelmente já tem tempo para a aposentadoria.
O caso mais ruidoso em que se envolveu parece-me ter sido esse mesmo. Ou seja, depois de milhares de processos julgados, milhares de vidas de terceiros decididas, quis o destino que ele ficasse “famoso” por uma “escorregada” dessa.
Caminhando sem máscara na orla de Santos foi advertido educadamente por um guarda civil para que pusesse o adorno. Achou que näo deveria fazë-lo – porque “decreto näo é lei” -, e talvez legalmente até possa ter razäo, ou näo; mas a “mancada” foi – nas duas oportunidades em que se envolveu nessa mesma querela – ter se identificado como “desembargador”, e ter telefonado para o superior hierárquico do guarda.
O GCM – que de analfabeto näo tinha nada – cumpriu bem seu dever legal e autuou o desembargador por estar sem máscara e também por jogar “lixo” em via pública (öpa! jogar “lixo”?! A autuaçäo era o “lixo”?!).
Agiu mal o magistrado. E, smj, até pode ter cometido um crime contra o guarda, ao injuriá-lo, taxando-o de analfabeto) e/ou ao desacatá-lo, jogando no chäo a autuaçäo expedida.
Deve ser chamado às falas por isso, näo somente no ämbito criminal como também no ämbito civil. Saberá ele – espero eu – aproveitar-se desse episódio para aprender que se näo tivesse se identificado como desembargador, e se näo tivesse telefonado para o “superior” do agente, talvez ficasse somente na “advertëncia”, ou até na “multa”, mas jamais veria seu bom trabalho sendo assim täo rapidamente esquecido e seu nome dessa forma enlameado, com cäes raivoso a exigirem, inclusive, sua demissäo…
(a) Ronaldo TOVANI, aquele que um dia já foi delegado, promotor de Justiça e juiz de Direito e atualmente só se lembra disso 1 vez por por mës, quando recebe seus proventos de aposentadoria. para os quais contribuiu e ainda contribuiu com 11% ou até mais.


( descarte de material na areia da praia pode até configurar crime ambiental )

Antônio Fagundes, Casagrande e Patrícia Pillar se unem à pressão sobre Doria para discutir violência policial 12

Organizações negras e movimentos de direitos humanos pressionam governador por audiência

Ninguém solta A luta de organizações negras, movimentos sociais e entidades de direitos humanos para conseguir uma audiência com João Doria (PSDB-SP) ganhou um reforço de peso. Em ofício ao governador, os requerentes afirmam que a reunião terá o apoio, na condição de testemunhas, de figurões como o ator Antônio Fagundes, o economista André Lara Resende, o cineasta Fernando Meirelles e o ex-jogador Walter Casagrande. O tema do encontro são os casos recentes de violência policial em São Paulo.

Tempo corrido A carta foi entregue na sexta (17), dando um prazo de cinco dias para que Doria responda e marque uma data para a audiência. Em um dos últimos episódios que se tornaram públicos, um policial pisou sobre sobre o pescoço de uma mulher negra, de 51 anos, durante uma confusão por causa de atividade comercial em um bar na zona sul.

Todos por um Ao todo, 26 entidades assinaram o documento. O texto aponta 34 pessoas como testemunhas. Entre elas, a atriz Patrícia Pillar e a educadora Maria Alice Setubal.

Sem desistir A mobilização para pedir a reunião com o governador começou no final de junho e teve origem no grupo 342 Artes, que reúne ativistas e personalidades. A ideia é cobrar de Doria transparência nos números de violência policial e um protocolo de abordagem da PM.

O poder político da nação sofre com a corrupção epidêmica de seus protagonistas 3

Autor: amigo do 9. andar

Governador que nomeia promotor ou procurador de justiça para cargo comissionado no 1º escalão do governo, tipo Secretário de Transportes, Chefe da Casa Civil, Secretário da Segurança Pública,bem intencionado não é.

Quando você tem o Ministério Público no governo, participando da condução política dos negócios públicos, quem vai fiscalizar os atos de improbidade administrativa do governo, se governo e fiscalizador se confundem? Quando o Tribunal de Contas identifica a falcatrua, encaminha para o MP adotar as medidas judiciais cabíveis. O que fazer se a fiscalização pode levar ao descrédito não o governo fiscalizado mas a instituição fiscalizadora que dele participa?

Por essas e por outras que os desvios praticados pelo PSDB, nos sucessivos governos neste Estado, nunca tiveram a fiscalização necessária para a responsabilização de seus autores.

A propina que o “Santo” recebeu da poderosa empreiteira pelo seu cunhado, o “recolha” de confiança, é uma, entre tantas outras, que passaram desapercebidas pela Lavajato, Tribunal de Contas do Estado e setores especializados do Ministério Público Estadual.

A roubalheira nas licitações para obras públicas ligadas à infraestrutura viária do Estado é buraco negro, sem fim, Rouboanel Trecho Norte e Sul, Duplicação da Rodovia dos Tamoios, Duplicação das Marginais, Ampliação da malha metroviária, além das praticadas nas compras de trens para CPTM e Metrô, e vai por ai afora.

No Brasil vale a pena ser ladrão do colarinho branco, da espécie mandatário popular, ao final você vai se enriquecer, bem como familiares e amigos próximos e não vai acontecer mais nada, talvez um pequeno tempo de descanso numa cela especial de qualquer presídio brasileiro. Depois, é só felicidade, vão colocar uma pulseira no seu tornozelo e te mandar para sua suntuosa mansão para usufruir tudo o que roubou e que continua escondido no exterior ou nos investimentos que fez para lavar o dinheiro.

Olha o Geddel & família, Olha o Cunha, o Coronel PM Secretário da Saúde no Rio de Janeiro, nunca ninguém roubou tanto em tão pouco tempo, precisou de dois veículos de transporte de valores só para levar o dinheiro roubado que estava em casa, fez do Geddel mero batedor de carteira.

No Brasil, política é coisa para ladrão, salvo raras exceções

DEVE SER BOLSONARISTA – Vejam a exemplar conduta de um Desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo 32

 

Primeiro liga para o coronel DEL BEL tentando influir na conduta do GCM , chamado de “analfabeto”.

Depois, em flagrante desacato , rasga a cópia do auto de infração…

É doente , bêbado ou apenas mais um magistrado arrogante  que se acha mais sabido e com mais direitos do que os demais?

Sofrerá um puxão de orelhas dos pares , se tanto!

Desembargador sem mascarilha dá uma mancada e injuria GCM 15


VÍDEO: desembargador sem máscara humilha guarda municipal e rasga multa

A cena pode ser vista em um vídeo divulgado nas redes sociais neste sábado (18/7)


MA Maíra Alves

postado em 18/07/2020 23:21 / atualizado em 19/07/2020 11:29

A cena foi gravada e viralizou nas redes sociais (foto: Reprodução)
A cena foi gravada e viralizou nas redes sociais(foto: Reprodução)

Em Santos, no litoral paulista, um homem que se identificou como desembargador ofendeu um guarda municipal que o abordou por ele não estar usando máscara. No município, a medida de proteção é obrigatória desde 1º de maio. As multas variam de R$ 100 a R$200.

A cena pode ser vista em um vídeo divulgado nas redes sociais neste sábado (18/7). Ao ser parado, o homem conversa com o guarda por um breve momento e logo faz uma ligação no celular. Durante a chamada, ele diz “Estou aqui com um analfabeto” e tenta fazer com que o agente converse com a pessoa que está na linha. O guarda nega.

É nesta hora que o homem diz ser o “desembargador Eduardo Siqueira” (veja vídeo abaixo). Ele trabalha no Tribunal de Justiça de São Paulo e já foi coordenador da área de saúde do órgão.

Em uma versão anterior da matéria, o Correio erroneamente identificou um assistente jurídico como o homem no vídeo.
Continua depois da publicidade

A cena continua. O guarda aplica a multa ao desembargador, que não se dá por satisfeita com a encenação. Ele rasga o documento ao meio e joga o papel no chão, dando as costas aos guardas municipais e prosseguindo com a caminhada.
Correio entrou em contato com a Guarda Municipal do município de Santos para comentar o caso, mas até a última atualização desta reportagem não havia recebido retorno.

Repercussão

As imagens repercutiram nas redes sociais e o caso foi comparado com a recente polêmica do “cidadão, não, engenheiro civil“, em que um casal humilhou um agente da Vigilância Sanitária do Rio de Janeiro.

ttps://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/brasil/2020/07/18/interna-brasil,873331/video-desembargador-sem-mascara-humilha-guarda-municipal-e-rasga-mult.shtml

SOU DORIANA – Escriba 24 x 24 , os ladrões do PSDB estão espalhados na Polícia Civil arrecadando para pagar os respectivos padrinhos políticos que nem sempre são Tucanos…E não fala porcaria, sorte sua que o Doria é o governador 11

Porque eu só moro em cobertura
Eu só ando em limusine
Um milhão no porta mala
Cinco mina de biquini… meu
Eu sou o Sheik, Sheik, Sheik
João Doria (@jdoriajr) | Twitter

Escriba 24 x 24 Caiu o Serra, caiu o Alckmin, o Dória esta por um triz! Sabe por que este site não escreve, não publica, e não reproduz nada a respeito dos ladrões do PSDB???????

Graças a mais pura, genuína e total conivência………..

Sem chance!!!!!!!!!!!!!!!

MENSALÃO FARDADO – O que é melhor para o Brasil: PT roubando e dividindo ou milico parasitando? 7

MP pede apuração de nomeação de militares e cita possível ‘mensalinho’

Fernando Molica
Por Fernando Molica, CNN
17 de julho de 2020 às 20:28 | Atualizado 17 de julho de 2020 às 21:32

Subprocurador-Geral do Ministério Público que atua no Tribunal de Contas da União (TCU), Lucas Rocha Furtado quer que o órgão apure se a nomeação de militares para cargos no governo federal corresponde à necessidade do serviço público ou se “vem sendo realizada com propósito de obter apoio para a sustentação do governo”.

Em representação encaminhada à presidência do TCU, Furtado solicita que seja determinada, por medida cautelar, a verificação do número de militares nomeados, fala em “abusos” e na possibilidade de existência de um “mensalinho”.

“Estejamos, talvez, perante uma nova modalidade de aparelhamento da administração pública, uma espécie de reedição, com sinal trocado, do chamado ‘mensalão do PT’, um verdadeiro ‘mensalinho’, onde se busca, com a oferta de cargos e funções remuneradas, cooptar a força militar para suprir a ausência de apoio político.”

O procurador pede também que o Ministério da Defesa indique a qualificação dos militares para que ocupem os cargos para os quais foram nomeados.

Segundo o procurador, a nomeação de militares foi convertida em regra e assumiu proporções “verdadeiramente industriais”. No documento, cita que a prática teria levado 332 militares para o Ministério da Saúde, dos quais 25 para cargos de comando, e que, até 17 de junho, haveria 2.716 integrantes das Forças Armadas em postos da administração pública federal.

Para ele, isso pode caracterizar “afronta aos princípios da impessoalidade, da moralidade e da eficiência na Administração Pública”. Afirma que a sucessão de nomeações teria capacidade de prejudicar “a atuação das Forças Armadas em suas funções institucionais de defesa da Pátria, garantia dos poderes constitucionais e garantia da lei e da ordem”.

Furtado cita que o general Eduardo Pazuello, ministro interino da Saúde, vem sendo pressionado a requerer sua passagem para a reserva para poupar o Exército da “enxurrada de críticas quanto a condução desastrosa das políticas públicas de saúde, sobretudo no enfrentamento da pandemia do Coronavírus, e da acusação de que a instituição se mistura com a política”.

De acordo com o procurador poderá haver uma confusão entre a atuação “inevitavelmente política do militar afastado” e a postura “imparcial, técnica e apolítica” determinada pela Constituição às Forças Armadas.

Na representação, Furtado classifica de “sábias e corajosas” as críticas do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), à presença do Exército no Ministério da Saúde. Diz que Mendes acusou a instituição de “participar do genocídio promovido pelo governo federal nesta pandemia” e afirma já ter expressado seu “irrestrito apoio” ao pronunciamento do ministro

O presidente é honestíssimo, mas o deputado era danadinho de ligeiro: 14 imóveis em nome da ex-mulher quitados com dinheiro vivo 9

Época: ex-mulher de Bolsonaro comprou 14 imóveis durante o casamento

Parte deles com dinheiro vivo
publicado 17/07/2020
Untitled-9.jpg

(Redes Sociais)

“Durante a década em que esteve com Jair Bolsonaro, Ana Cristina Siqueira Valle, a segunda ex-mulher do presidente, conquistou uma significativa evolução patrimonial. Quem a vê agora andando pela Câmara Vereadores de Resende, sempre maquiada, cabelo louro impecavelmente escovado, cortado em estilo long bob (mais comprido na frente do que atrás) e salto fino, se recorda pouco da assessora parlamentar sem nenhum imóvel dos anos 1990, quando trabalhava no gabinete do deputado federal pela Bahia Jonival Lucas e conheceu seu futuro segundo marido — até se relacionar com Bolsonaro, ela era casada com um coronel da reserva do Exército”, diz reportagem publicada na edição desta semana da revista Época.

Segundo a matéria, assinada por Juliana Dal Piva e Chico Otavio, Ana Cristina se transformou em grande negociadora imobiliária ao se relacionar com Bolsonaro. Do final de 1997, quando se envolveu com o então deputado federal, até 2008, ano do rompimento, ela comprou, com Jair, 14 apartamentos, casas e terrenos, que somavam um patrimônio, em imóveis, avaliado em cerca de R$ 3 milhões – o equivalente a R$ 5,3 milhões em valores corrigidos pela inflação.

Diz o texto: “nas escrituras guardadas há quase 20 anos, há informações que despertam a atenção: na compra de cinco desses 14 imóveis, o pagamento ocorreu ‘em moeda corrente’, ou seja, em dinheiro vivo. Foram duas casas, um apartamento e dois terrenos — tudo feito em negociações separadas ocorridas entre 2000 e 2006, que somam R$ 243.300, em dinheiro da época. Hoje, esse montante somaria R$ 680 mil, com a inflação corrigida pelo IPCA de acordo com a data de cada compra

A comarquinha mais cara do mundo se supera e tenente dá habeas corpus pra tenente 24

Decisão encomendada, completamente dissociada de qualquer interesse público, mormente dos hipossuficientes das periferias pobres das cidades.

Por: amigo do 9. andar da Brigadeiro Tobias

Interessante a dinâmica desse HC concedido aos oficiais da Polícia Militar através da “Defenda PM”.

Inicialmente, a ação foi proposta por um Coronel da Reserva, hoje advogado da entidade, que foi ex comandante da região de São José do Rio Preto, passando boa parte da carreira, AZORETANDO a Polícia Civil sobre atribuição institucional para apuração de determinadas infrações penais.

Se não bastasse isso, a decisão foi prolatada por magistrado da justiça especial(Justiça Militar Estadual) que foi oficial de carreira da PM.

Entende?

A argumentação é sempre a mesma: “Assassinar um cidadão é crime militar se o PM estiver de serviço ou praticar o crime com arma da PM”, por isso é prata da casa que deve investigar.

Imagina se testemunhas de um homicídio perpetrado por PM, de madrugada, em comunidade pobre da periferia, vão se sentir a vontade em dizer o que viram quando forem depor sobre o fato na casa do algoz.que o perpetrou?

Excelência, me ajuda aí!

Presidente da ADPESP continua com a velha ladainha oposicionista esquecendo que o enfraquecimento da Polícia Civil se deve , muito mais, à cultural corrupção dos seus dirigentes…( Vocês não apoiaram o Márcio França e o seu vai um verde? ) 12

‘Balde de água fria’, diz delegado da Polícia Civil sobre governo Doria

Para Gustavo Mesquita, presidente da Adpesp, descumprimento de promessas de campanha gera crise e debandada na categoria

Policiais civis estão insatisfeitos com governo de SP

Policiais civis estão insatisfeitos com governo de SP

Reprodução/Redes Sociais

O delegado Gustavo Mesquita Galvão Bueno, presidente da Adpesp (Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo), comparou a sensação dos policiais civis com o governo de João Doria (PSDB) com um “banho de água fria” em razão do tratamento dispensado à categoria — e às políciais, de forma geral —, que vive uma crise provocada por baixos salários, sobrecarga de trabalho e aumento da alíquota de impostos, ocorrida após a aprovação da reforma previdenciária dos servidores públicos paulistas.

“Ele afirmou que os policiais paulistas seriam os mais bem pagos da federação. Já no final do ano passado, anuncia aumento pífio de 5% que representou literalmente um balde de água fria. A sensação é de um filme que já vimos muitas vezes e que não termina bem. Tudo não passa do campo da retórica para o campo da ação”, criticou o presidente da Adpesp.

Leia também: Sindicato prevê ‘apagão’ na Polícia Civil com nova previdência estadual

A metáfora empregada pelo delegado Gustavo Mesquita Galvão Bueno revela um sentimento de profunda instatisfação de boa parte dos servidores da instituição que, segundo ele, está “desmoralizada” pelos piores salários da federação e necessitada da implementação das medidas prometidas pelo governador durante a campanha eleitoral — e reforçadas no início do mandato — para valorizar e fortalecer as forças de segurança.

“A melhor maneira dele [Doria] garantir o bom funcionamento das suas polícias e que os seus policiais ajam de acordo com os direitos humanos é conferir um tratamento digno por parte do governo, dar condição digna de vida e justa valorização para que possam receber do governo aqueles direitos que devem aplicar na sua missão”, enfatizou o delegado.

A reportagem do R7 procurou o governo de São Paulo, nesta sexta-feira (10), por e-mail e telefone, mas não conseguiu contato. O espaço está aberto para manifestação e o posicionamento será adicionado à reportagem.

Efetivo reduzido

O delegado Gustavo Mesquita Galvão Bueno revelou que a defesagem do efetivo da Polícia Civil está em torno de 10 mil servidores e gera sobrecarga em um quadro já desmotivado por outras carências trabalhistas. Para Gustavo Mesquita Galvão Bueno, o cenário atual desencadeia uma espiral de problemas que podem levar o policial civil ao cometimento de atitudes extremadas.

“É um déficit muito grande que faz com que esse policial civil já desmotivado, que ganha mal, não valorizado, tem que, inevitavelmente, trabalhar por dois ou três [funcionários]. Disso, decorrem problemas das mais diversas ordens, até chegar ao mais grave, que é o suicídio. A taxa de suicídio [entre os policiais civis] é maior que da Polícia Militar”, revelou.

De acordo com números repassados pela Adpesp, relativos ao ano de 2019, a taxa média é de 30,3 suicídios para cada 100 mil policiais por ano — três vezes o índice aceitável pela OMS (Organização Mundial da Saúde), que considera situação de epidemia a partir de 10 suicídios a cada 100 mil.

Pandemia

Gustavo Mesquita Galvão Bueno destacou também que o desgate entre a gestão pública e a categoria aumentou após o início da pandemia do novo coronavírus em razão de ações desencontradas das autoridades do município e do estado de São Paulo, caso do rodízio ampliado de veículos na capital paulista, revogado pelo prefeito Bruno Covas (PSDB) após não ter proporcionado o resultado esperado, entre outros.

Delegado Gustavo Mesquita Galvão Bueno

Delegado Gustavo Mesquita Galvão Bueno

Reprodução/Instagram @gustavo_mesquita

“O policial civil só vem sofrendo e pagando uma conta que não lhe pertence. A Polícia Civil continua trabalhando normalmente [na pandemia]. Não houve contingenciamento e não tem home office. [Os policiais civis] continuam se expondo ainda mais aos riscos já inerentes à função”, frisou o delegado e presidente da entidade de classe.

A demora para a aquisição de equipamentos de proteção individual, criação de barreiras físicas em unidades policiais para evitar o contágio do vírus e a realização de testes em funcionários também gerou cobranças do delegado Gustavo Mesquita Galvão Bueno.

“[Hoje] a testagem é satisfatória, Um pouco lenta, mas esperamos que agora avance com rapidez. Mas sentimos ainda falta de planejamento do governador em relacao à Polícia Civil. Falta maior transparência e maior preocupação com a vida dos policiais. Sugerimos medidas rotineiras e constantes de desinfecção das delegacias, barreiras físicas, algo que depende do governo. Mas nada foi feito”, completou.

De acordo com dados coletados pela Adpesp, foram efetuados 9.902 testes em policiais civis do estado de São Paulo até o dia 30 de junho, sendo 6.408 na capital e outros 1.146 realizados na Acadepol (Academia de Polícia do Estado de São Paulo), localizada na zona oeste paulistana.

As demais cidades paulistas onde foram realizados exames para a detecção da Sars-Cov-2 em policiais civis foram: Sorocaba (228), Campinas (347), Ribeirão Preto (128), Presidente Prudente (224), São José dos Campos (223), São José do Rio Preto: (173), Bauru (148), Piracicaba (146), Guarulhos (5), Araçatuba (94), Santos (122), Osasco (73), Mogi das Cruzes (85), Araraquara (38), São Carlos (67), Botucatu (62), Votuporanga (73), Barretos (21), Registro (51) e Bebedouro (40).

Confira todas os temas abordados na entrevista concedida ao R7 pelo delegado Gustavo Mesquita Galvão Bueno, presidente da Adpesp:

R7 — Qual o sentimento dos policiais civis paulistas em relação à atuação do governador João Doria (PSDB), especialmente em ações tomadas na área da segurança pública?

Gustavo Mesquita Galvão Bueno — Há uma insatisfação muito grande e decorrente de mais de duas décadas de governantes do PSDB, que enfraqueceram a instituição. Desmoralizaram a Polícia Civil, pagando os piores salários da federação aos seus delegados. O governador Doria assumiu [o mandato] com promessas e compromissos muito claros de fortalecer as forças de segurança, foi eleito nesses pilares. E o que acontece é que, desde a sua posse, não tivemos nada de efetivo em relação ao fortalecimento do ser humano policial. Investir em instalações é importante, mas entendemos que o investimento deve começar na valorização do material humano. Até porque, por meio dessa valorização, teremos uma polícia motivada e que se mantenha na carreira. E isso reflete na qualidade do serviço prestado, na medida que o policial, ao defender o direito do cidadão, tem que se ver nesses direitos. Ele vai estar mais tranquilo para aplicar [as leis] e defender os direitos do cidadão. Ele [Doria] vai reafirmando esse compromisso. E falamos de um período pré-pandemia. Afirmou que os policias paulistas seriam os mais bem pagos da federação. Já no final do ano passado, anuncia aumento pífio de 5% que representou literalmente um balde de água fria. A sensação é de um filme que já vimos muitas vezes e não que termina bem. Tudo não passa do campo da retórica para o campo da ação.

R7 — Quais os principais problemas enfrentados pela categoria, além dos salários considerados baixos?

Gustavo Mesquita Galvão Bueno — No final do ano passado, se inicia a reforma previdenciária dos funcionários públicos, aprovada no inicio do ano que, no caso dos policiais civis, eleva a alíquota previdenciária de 11% para 16%. So aí o aumento foi absorvido. Contando a desavalorização monetária e o periodo de inflação, podemos concluir que os policiais tiveram um decréscimo [nos vencimentos]. Disso decorre uma insatisfação natural, um sentimento de revolta que reina na classe. Inclusive esse tratamento distinto entre policiais civis e militares. Posteriormente, já [no período] pós-pandemia, tivemos a lei federal aprovada que proíbe para o funcionalismo qualquer aumento de salário por dois anos. O pior não é o congelamento dos salários. mas essa mesma lei veda a contagem de tempo para muitos direitos trabalhistas.

R7 — Como a pandemia do novo coronavírus atingiu a Polícia Civil?

Gustavo Mesquita Galvão Bueno — O policial civil só vem sofrendo e pagando uma conta que não lhe pertence. A Polícia Civil continua trabalhando normalmente. Não houve contingenciamento e não tem home office. [Os policiais civis] continuam se expondo ainda mais aos riscos já inerentes à função. Há uma tolerância natural de todos em relação à crise econômica gerada pela pandemia. Entedemos [a necessidade de] arrocho fiscal, déficit nas contas públicas. Mas entendemos que o governador não perca de vista essa promessa de compromisso dele de valorizar a Polícia Civil, que deve priorizar o material humano, que é insubstituível. Esse material continua sendo prejudicado.

Creio que, enquanto policiais civis e cidadãos, acabamos ficando bastante incomodados com a falta de planejamento. medidas anunciadas que voltaram atrás, como o rodízio de veículos. As medidas são desencontradas e denotam falta de planejamento. No caso da Polícia Civil, gracas ao trabalho da Delegacia-Geral, conseguimos nos adaptar. Ampliamos o rol de crimes registrados pela delegacia eletrônica para diminuir o trânsito de pessoas nas delegacias e diminuindo as aglomoerações, entre outras medidas. Nós da Adpesp colaboramos com a realização de campanhas de doação de material de proteção individual, vacinação prioritária de gripe, testagem. Precicamos entrar com ação judicial, porque iriam testar somente a PM. A testagem é satisfatória, Um pouco lenta, mas esperamos que agora avance com rapidez.

Mas, sentimos ainda falta de planejamento do governador em relação à Polícia Civil. Falta maior transparência e maior preocupação com a vida dos policiais. Sugerimos medidas desinfecção rotineiras e constantes das delegacias, barreiras físicas nas unidades policiais, algo que depende do governo, mas nada foi feito.

Com relação às barreiras, os policiais tiveram que criar um sistema de barreiras fisicas e de proteção sem o devido amparo do governo. O governador deveria mostar a mesma preocupação com o isolamento social em relação aos seus policiais, cujo serviço preserva a vida em sociedade.

R7 — Outra reclamação recorrente das entidades de classe da Polícia Civil é a defasagem no efetivo da instituição. O problema persiste?

Gustavo Mesquita Galvão Bueno — Temos um déficit em torno de 10 mil policiais. São 28 mil policiais civis no estado. A contagem do governo exclui os cargos de carcereiro, entre três e quatro mil, que foram extintos. Com os carcereiros, 14 mil é o déficit. É muito grande e faz com que esse policial civil já desmotivado, que ganha mal, não valorizado, tem que inevitavelmente trabalhar por dois ou três [funcionários], com sobre sobrecarga de trabalho. Disso decorrem problemas das mais diversas ordens. Até chegar ao mais grave, que é o suicídio. A taxa de suicídio [entre os policiais civis] é maior que da Polícia Militar. Tem muitos deveres, corre risco de vida e não tem qualquer contrapartida por parte do estado. Não se vê sujeito aqueles direitos [que os cidadãos comuns têm].

R7 — Uma preocupação adicional do governo João Doria seria o crescimento do bolsonarismo nas forças de segurança. O senhor acredita que preferências políticas ou partidárias influenciem o trabalho dos policiais civis de São Paulo?

Gustavo Mesquita Galvão Bueno — Acredito que todo cidadão tem o direito de ter a sua posição, ideologia política-partidária em relação a este ou aquele governo. É natural do estado democrático de direito e garantido pela Constituição. Os policiais civis, em sua grande maioria, tratam-se de profissionais capacitados, treinados e que atuam sob a estrita observância dos preceitos técnicos. Na atividade, o bom profissional não vai se deixar levar pela sua posição política como cidadão. A grande maioria dos policiais civis atua nesse sentido e exerce a sua missão de preservar vidas, famílias e direitos.

Sinceramente, não acredito que o discurso do governo em relação ao crescimento do bolsonarismo se deva em relação ao trabalho policial. Se existe, é decorrente de uma disputa entre o governador e o presidente da República. Acho inadequado e impróprio considerar que o bolsonarismo dentro das polícias seria responsável por um eventual aumento da violência policial. Discordo dessa afirmação. Doria também fez declarações que poderiam incitar os policiais. Não concordo com que essa alegação do governador de preocupação com o bolsonarismo nas polícias sob o pretexto do aumento da violência.

R7 — O principal receio do governo estadual seria com a possibilidade de desobediência por parte da tropa.

Gustavo Mesquita Galvão Bueno — Aos policiais militares, tradicionalmente, por definição mais de governo, naturalmente cabe um respeito ao comando do governador. Os bons policiais sabem respeitar esse comando e não vão deixar com que esses fatores alterem paradigmas de disciplina dentro da instituição. E vale para a Polícia Civil. Não tenho essa preocupação. Não vejo, seja na PM ou na Polícia Civil, qualquer caso prático de atuação indevida que possa ser relacionada à interferência política de um lado ou outro de outro [governante].