MP pede a cassação da aposentadoria do ex-diretor do DEIC , Godofredo Bittencourt Filho , por suposto envolvimento em venda de atestado de frequência para investigador que fazia espionagem ilegal…( Obviamente, a frequência positiva não era de graça! ) 51

Promotor processa policiais de São Paulo por improbidade

Em ação civil, Marcelo Milani, do Ministério Público paulista, afirma que um investigador deixou suas funções para administrar suas empresas e foi acobertado por delegados

Julia Affonso e Luiz Vassallo

O promotor Marcelo Camargo Milani, do Ministério Público de São Paulo, ajuizou uma ação de improbidade administrativa contra um delegado da Polícia Civil do Estado, um delegado aposentado, um investigador e um ex-investigador. O processo foi apresentado à Justiça no dia 1.º de março. Nesta quinta-feira, 7, o juiz Alberto Alonso Munoz, da 13.ª Vara da Fazenda Pública, deu 15 dias para as defesas se manifestarem.

DADOS FALSOS

A ação aponta que o ex-investigador Claúdio da Silva Santos deixou de exercer sua funções para administrar suas empresas entre fevereiro de 2011 e agosto de 2014. O promotor afirma que os superiores sabiam da conduta e ‘não fizeram constar suas faltas, permitindo que este recebesse integralmente sua remuneração, sem que houvesse efetivamente exercido suas funções’.

“Claudio era investigador de polícia, contudo apurou-se que quase não comparecia ao seu local de trabalho, sendo que não há nenhum registro de sua presença ou de uso dos instrumentos necessários para execução de suas atividades funcionais”, aponta Marcelo Milani.

“Mesmo fora do exercício de suas funções recebeu regularmente seu salário, consubstanciando atos de improbidade administrativa, quais seja enriquecimento ilícito e ofensa aos princípios administrativos.”

De acordo com o promotor, o delegado aposentado Godofredo Bittencourt Filho e o investigador Sérgio Vulcano inseriram ‘dados falsos de frequência no sistema, praticando ato de improbidade administrativa que importaram em enriquecimento ilícito’ de Cláudio da Silva Santos. O Ministério Público pede a cassação da aposentadoria, suspensão dos direito políticos de três a cinco anos; pagamento de multa civil, ressarcimento integral do dano e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios.

A Promotoria relata que o delegado da Polícia Carlos Eduardo Duarte de Carvalho ‘deveria velar pela observância dos princípios de legalidade, impessoalidade e moralidade, que norteiam a Administração Pública’. Segundo o Ministério Público, o delegado ‘não o fez, pois, apesar de ter ciência da ausência do demandado Cláudio assinou atestado de presença integral para este’.

A reportagem está tentando localizar todos os citados. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, A POLÍCIA CIVIL

A Corregedoria da Polícia Civil informa que está em curso um processo administrativo disciplinar para apurar as denúncias apontadas pelo MP.

___________________________________________

Tanta arrogância e falso moralismo enquanto Cardeal para acabar,  na velhice,  sofrendo uma acusação infamante!

Infelizmente, ainda sobra para o delegado que assumia interinamente a Seccional de Diadema. ]

Observando-se que o TJ-SP trancou a ação penal em desfavor do Dr. Carlos Eduardo Duarte de Carvalho , por inexistir crime em sua conduta ao assinar, como mero substituto do titular em férias, as folhas de frequência previamente elaboradas pela equipe do titular Godofredo.

Assim, certamente, será absolvido na esfera administrativa e civil.

A propósito, os fatos foram constatados em Diadema, mas segundo consta ocorria desde o DEIC…

Equipe de confiança, né?

PETIÇÃODOMP-DEIC

TJ-SP_HC_21685647820188260000_8df0d.pdf

A OAB está adotando quais providências em relação ao advogado que teve a liberdade, o corpo e a dignidade vilipendiadas por policiais venais e truculentos ?…( Ah, nada tem a ver com as prerrogativas da advocacia, né? ) 7

 


Um advogado “esquerdista”  pode apanhar dentro da Delegacia , mas o que não pode é  um advogado medalhão – do tipo que defende qualquer um que puder pagar muito bem  – ter o sigilo profissional, ou melhor, os honorários recebidos de políticos bandidos, revelado ! 

Parabéns para nós, meros anualistas ou mensalistas ! 

O primeiro garantidor de direitos fundamentais ficou cego, surdo e acovardado – Delegado de Polícia de Atibaia poderá ser demitido por omissão em relação ao advogado e político do PT lesionado e humilhado por policiais militares 9

‘Falavam da camisa do Lula’, diz petista que acusa PM de quebrar seu braço

Ana Carla Bermúdez

Do UOL, em São Paulo

08/03/2019 15h12Atualizada em 08/03/2019 18h50

Com o braço esquerdo quebrado, o advogado e dirigente do PT (Partido dos Trabalhadores) Geovani Leonardo Doratiotto da Silva, afirmou que foi vítima de agressão por parte de policiais no último domingo de Carnaval por estar com “uma camiseta do Lula”:

Tenho certeza que foi pelo meu posicionamento político naquele momento. Porque a todo tempo faziam menção, tanto os policiais quanto o primeiro grupo agressor, à minha camiseta do Lula

Doratiotto vestia uma camiseta com os dizeres “Lula Livre” no momento em que ocorreu a confusão, em Atibaia, interior de São Paulo.

Após prestar depoimento à ouvidoria das polícias em São Paulo, Doratiotto afirmou que “a todo momento se faziam deboches”.

O ouvidor das polícias de São Paulo, Benedito Mariano, disse que o petista relatou que os policiais “usaram palavras relacionadas ao posicionamento político dele [de Doratiotto], o que não é função de um PM em atividade”.

Pelo menos quatro policiais militares foram afastados do serviço de patrulhamento das ruas por envolvimento na abordagem.

Reprodução
Geovani teve seu braço quebrado por um policial militar dentro da delegacia Imagem: Reprodução

Segundo Doratiotto, ele participava de uma campanha contra o assédio no Carnaval quando começou a ser provocado por um rapaz, que estaria acompanhado de um grupo de pessoas. Ele afirma ter se afastado do local, junto da sua mulher, mas afirma que, em seguida, o rapaz o agrediu.

“Ele me acertou um soco e virou uma confusão generalizada”, afirma.

Na sequência, ele conta, a Guarda Civil o orientou a procurar uma unidade de saúde. O advogado foi à Santa Casa da cidade, onde diz ter sido agredido por um grupo.

“Os policiais me prenderam no local, dentro da Santa Casa. Usaram duas algemas, sem eu ser atendido na UPS, me colocaram na viatura e me levaram para a delegacia, que é quando acontece tudo aquilo do vídeo”.

No vídeo, é possível ouvir um dos policiais militares dizer que o algemaria de novo.

“E o que você vai fazer depois de me algemar?”, responde o petista.

O bate-boca prossegue até que outros dois policiais militares e um homem em trajes civis agarram Doratiotto pelas costas e o levam para uma sala da delegacia. O braço esquerdo foi puxado por um dos PMs. É possível ouvir uma das pessoas presentes dizer: “quebrou o braço”.

Além do braço quebrado, hoje é possível ver hematomas no rosto e arranhões pelo corpo de Doratiotto – lesões que ele diz serem resultado da primeira agressão, ainda na rua.

Não foi feito exame de corpo de delito

Segundo o ouvidor Benedito Mariano, é obrigação da Polícia Civil solicitar um exame de corpo de delito quando há agressão contra um cidadão dentro da delegacia -o que não aconteceu no caso do advogado.

“Vou encaminhar um ofício ao corregedor geral da polícia civil, encaminhando cópia também pra Polícia Civil do depoimento do Geovani, enfatizando no ofício a falha de não ter sido encaminhado o Geovani com requisição pra fazer exame de corpo de delito à medida que teve o braço quebrado dentro de uma unidade da Polícia Civil”, afirmou o ouvidor.

O ouvidor afirma que os policiais podem ser responsabilizados por omissão, negligência ou prevaricação. A punição, segundo ele, pode chegar até à suspensão dos oficiais.

Temendo represálias devido à repercussão do caso, diz o ouvidor, o dirigente petista e sua mulher devem passar os próximos dias fora de Atibaia. O exame de corpo de delito do advogado será feito na segunda-feira (11), mas o local não foi informado por medidas de segurança. “Por ser uma lesão grave, ela poderá ser atestada mesmo na segunda, dias após o caso”, diz Mariano.

___________________________________________________

O delegado , provavelmente, pelo bem da família policial,  preferiu se fazer de Lula…

NÃO SEI DE NADA…NÃO  VI…NÃO FUI COMUNICADO! 

Como sempre acontece, a culpa será transferida ao operacional plantonista que pretensamente não repassou as informações necessárias ao superior hierárquico. 

A desculpa não vai colar! 

Com os PMs nada acontecerá, a PM com a sua comarquinha mais cara do mundo é venal quando se trata de agressão a civis, especialmente “petralhas”.

Um petralha está para a PM como um Mike esta para o PCC…

Identificado deve morrer ou ter os dois braços quebrados!

Mas o Ministério Público e o Poder Judiciário ( civil ) não serão benevolentes com o indulgente delegado; que nos autos do PAD ( processo administrativo ) ,  também , não contará com a benevolência dos membros da Procuradoria do Estado.

Demissão, salvo seja valoro$o !

Em linhas gerais , por conta de uma ação animalesca de gente desprovida de princípios o omisso será muito mais penalizado do que os autores dos crimes violentos contra um cidadão indefeso.   

Será que no BAEP de São José dos Campos só tinha esse policial traficante ? E nos demais BAEP é 100% policial do bem ou tem outros sócios do PCC ? 21

Por G1 Vale do Paraíba e Região

 


Policial trabalhava no Baep São José dos Campos e está preso no presídio Romão Gomes, na capital — Foto: Camilla Motta/G1Policial trabalhava no Baep São José dos Campos e está preso no presídio Romão Gomes, na capital — Foto: Camilla Motta/G1

Policial trabalhava no Baep São José dos Campos e está preso no presídio Romão Gomes, na capital — Foto: Camilla Motta/G1

Um policial militar do Batalhão de Ações Especiais (Baep), grupo de elite da corporação, foi preso no fim da madrugada deste sábado (2) com drogas e armas. Os entorpecentes e revólveres estavam dentro do carro dele e foram flagrados durante abordagem com revista ao veículo no Pedregulho, em Guaratinguetá (SP).

De acordo com o boletim de ocorrência, uma denúncia por meio do 190 apontou que houve um disparo de arma de fogo na avenida João Pessoa e que o autor estava em um carro prata.

Os policiais foram até o local e encontraram o veículo estacionado em frente a uma pizzaria. Dois homens estavam encostados no carro.

Quando os policiais acionados se aproximaram, um deles se apresentou como PM do Baep de São José dos Campos. Ele foi questionado sobre a denúncia e contou que estava em um bar, quando um amigo se envolveu em um desentendimento e foi agredido.

Com a justificativa de defesa, ele disse no depoimento que identificou como PM, sacou a arma da corporação e atirou uma vez para o alto. Os agressores fugiram.

A perícia foi acionada e no local foi constatado que o PM atirou três vezes. Ainda durante os trabalhos, o perito foi até o carro dele para fazer uma vistoria.

Flagrante

Em um primeiro momento foi localizado o cinturão da corporação com dois carregadores de munição. Posteriormente, foi localizada uma mochila no banco traseiro do carro com porções de cocaína e maconha, além de duas armas com numeração suprimida e um simulacro de pistola. No porta luvas do carro foi encontrado outro revólver de brinquedo.

Ainda durante a vistoria, o PM disse que não dava para abrir o porta malas porque tinha perdido a chave durante a confusão no bar. O carro foi guinchado e levado para a delegacia, onde os policiais conseguiram abrir o compartimento. Atrás da caixa de som, foram encontradas mais 12 porções de maconha e duas barras maiores da mesma droga.

Ao todo, foram apreendidos no carro do policial 50 gramas de cocaína, 120 gramas de maconha, duas armas e dois simulacros. Também foram encontradas diversas munições calibres 45, 40 e 32. A arma da corporação também foi apreendida.

Ainda segundo o boletim de ocorrência, o PM permaneceu calado durante a elaboração do registro e não se defendeu durante depoimento. O G1 tenta localizar a defesa do agente.

O policial de 32 anos foi preso por posse de drogas sem autorização e porte ilegal de arma de fogo – entre as apreensões, havia arma com numeração suprimida. Ele passou por audiência de custódia e foi levado para o presídio militar Romão Gomes.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) disse por nota que a Corregedoria da polícia foi cientificada dos fatos.

Arma encontrada com PM foi apreendida em Garatinguetá — Foto: DivulgaçãoArma encontrada com PM foi apreendida em Garatinguetá — Foto: Divulgação

Arma encontrada com PM foi apreendida em Garatinguetá — Foto: Divulgação

Droga encontrada no carro do policial preso em Guaratinguetá — Foto: DivulgaçãoDroga encontrada no carro do policial preso em Guaratinguetá — Foto: Divulgação

Droga encontrada no carro do policial preso em Guaratinguetá — Foto: Divulgação

Os entorpecentes e revólveres estavam dentro do carro do PM — Foto: Divulgação/ Polícia CivilOs entorpecentes e revólveres estavam dentro do carro do PM — Foto: Divulgação/ Polícia Civil

Os entorpecentes e revólveres estavam dentro do carro do PM — Foto: Divulgação/ Polícia Civil

______________________________________

Como se vê no RDO disponibilizado no post anterior , o flagrante se deu graças à diligência do perito criminal com a ajuda de outros policiais civis que efetivaram minuciosa busca no veículo. 

Destacando-se também que a guarnição era comandada por uma Sargento  – policial feminina – que não quis saber da conversa do Mike.

Provavelmente , se fosse um policial ( gênero masculino )teria dado boa noite para o “irmãozinho ” de farda. 

Vamos generalizar ? – O PM RAFAEL AUGUSTO RAMOS do BAEP de São José dos Campos que cheirava e traficava durante o Carnaval foi preso em flagrante graças a perito criminal e policiais civis de Guaratinguetá 16

Esse bandido foi um dos que ajudaram o GAECO a prender policiais civis de São José dos Campos.
O BAEP “achava” listas suspeitas com nomes de policiais de diversas delegacias.
Tá explicado !
Será que aparecerá algum irmãozinho para defender esse MIKE funcionário do PCC?
E ainda tem otário batendo em foliões e “esquerdistas”…
É de dar náusea.

gaecobaep.pdf

RDO 295 PM.pdf

Policial que defende policial criminoso, bandido também é ! – A conduta covarde e assassina de certos policiais mancha a instituição na medida em que os demais a justificam por meio dos argumentos ainda mais rasteiros e vis do que o próprio crime 2

É inegável que estamos vivendo numa sociedade odiosa e moralmente doente, mas é inadmissível a defesa que , por “espírito de porco” ,  muitos policiais fazem de ações criminosas de outros policiais, partindo de preconceitos infantis, para não dizer animalescos .

Policiais que se julgam a nata da coletividade!

Pois bem, o “petralha” mereceu ter o braço quebrado por perturbar a ordem desfilando uma camiseta com a expressão Lula Livre, apanhou de bolsonaristas e depois da GCM e da PM, também bolsonarista, obviamente!

O agressor foi um policial negro que além de manchar a farda manchou a sua etnia.

Dentro de uma Delegacia de Polícia!

Cujo Delegado – também imbuído de patriotismo e respeito às instituições –  não deve ter feito muito esforço para  escutar  o “comunista” defensor de bandido condenado!

Em outra ocorrência, noutro local ,  um casal que estava na calçada , em frente a um bar,  pelas costas levou tiro de calibre 12, supostamente pelo fato de bloco carnavalesco ser frequentado apenas por bêbados , maconheiros e viados, ou seja, gentalha sem crédito.

Policial – tente do bem – frequenta o culto, jamais uma festa de libadores devassos!

Ora, pouco importa se as balas e as bombas eram de efeito moral ( de borracha ), pois ferem e podem matar!

O que importa é verificar o instinto assassino e covarde do PM atirando pelas costas…

Deve ter tido um orgasmo sádico!

O que fizeram os alvos, concretamente?

As vítimas dos ferimentos dolosos , em seguida , foram reclamar seus direitos e saíram ameaçados do Batalhão diante das palavras de alguém que não tem qualificação para ser policial.

Certamente nas polícias , nas guardas municipais e entre guardas penitenciários são incontáveis os bêbados, os maconheiros ,  usuários de cocaína ,  os traficantes e , em maior número, os homossexuais dos dois gêneros.

Será que os mesmos policiais  que defendem o indefensável gostariam de ouvir generalizações por conta dos criminosos por eles justificados em razão do falso espírito de corpo?

Com efeito, o verdadeiro espírito de corpo é ter em mente  que o crime de um policial é crime de toda a corporação; por isso deve ser reprovado com veemência.

Jamais ser defendido descarada e mentirosamente.

Resultado de imagem para policial atira em foliões no bloco

A violência e covardia de alguns membros da PM é notória, mas o que interessa é saber qual a punição que será aplicada ao policial civil omisso e ao delegado coonestador da violência praticada na repartição sob a sua chefia…( Aliás, tem gente que não sabe o que é resistência, tampouco ameaça! ) 29


Resultado de imagem para lula livre

A PM com essa sua mania de filmar as pessoas com a finalidade de aviltamento da dignidade humana ( filmam e postam nas redes sociais , em vez do estrito emprego como prova criminal ) , consegue fazer prova contra si própria.

Em outros vídeos se vê o “Lulista” em manifesta  “resistência pacífica”, ou seja, protestando contra a sua prisão e , posteriormente, já com o braço fraturado , infelizmente por um PM negro que manchou a sua etnia e a sua farda , ameaçando tomar a arma da PM ( bastante feminina a moça, aliás )…

Tomar a arma na Corregedoria, disse o advogado!

Que ameaça foi essa ?

Ora,   ele  – principalmente  pelo fato de estar algemado e com o braço quebrado – não poderia subtrair a arma de ninguém.

Contudo foi o que  bastou para a turba de outros marginais com arma e funcional justificarem a violência…

Alguns babando o seu ódio bradando que deveriam ter quebrado os dois braços do “lixo”, do “verme” , do “esquerdopada” .

Infelizmente é esse o nosso povo e é essa a nossa família policial.

Por outro lado,  se fizermos como o Jair Bolsonaro , ou seja , por dois ou três condenar o carnaval, também poderíamos por esse fato ( que não é isolado ) , condenar toda a PM e toda a Polícia Civil…

Esta, possivelmente, ainda mais acovardada do que os PMs autores do crime de lesão corporal.

Também, se eu fosse como o Jair Bolsonaro , pelos dois PMs negros que abusaram da força física, poderia dizer aquelas conhecidas frases sobre trabalho de negro.

Todavia prefiro continuar acreditando que a maioria é gente legalista e pacificadora, não um bando de animais raivosos .

Bolsonaro jamais sinalizará favoravelmente pela legalização de jogos de azar: os sacerdotes não deixarão por diminuir a sua arrecadação e policiais perderão fonte alternativa de renda 2

Indústria dos jogos de azar aguarda sinais de Bolsonaro sobre legalização

Congresso põe debate sobre cassinos no Brasil no horizonte

Joana Cunha
São Paulo

Após passar os últimos três anos com fortes expectativas de que finalmente o Brasil liberaria os jogos
de azar, grandes representantes do setor estão divididos diante das mensagens contraditórias do novo governo em relação ao assunto.

Desde 2015, quando a Câmara dos Deputados instalou uma comissão especial do marco regulatório dos jogos, para analisar propostas de
legalização
de bingos, cassinos, jogo do bicho e outras modalidades, multinacionais do setor investiram tempo e dinheiro na promessa de abertura do mercado brasileiro.

Contrataram advogados locais, montaram congressos sobre o setor e enviaram seus mais altos executivos e lobistas para acompanhar
a tramitação.

Cassino Harrah’s, que faz parte da rede Caesars, em Las Vegas – Ethan Miller/Getty Images/AFP

De lá para cá, visitaram o país Sheldon Adelson, magnata dos cassinos e amigo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a ex-prefeita de Las Vegas Jan Jones Blackhurst —hoje responsável pela área de relações com governos do gigante dos cassino-resorts Caesars Entertainment— e outros grandes nomes da indústria.

A avaliação de potenciais investidores era a de que o Brasil estava mais perto do que nunca de uma liberação, com a tramitação avançada de dois projetos de lei para criação do marco legal (PL 442/91, na Câmara, e o PLS 186/2014, no Senado).

Em entrevista ao jornal Valor Econômico na semana passada, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltou a citar a aprovação dos jogos como um dos temas em seu horizonte de pautas.

De Bolsonaro, o que se sabe é que, em um evento na Associação Comercial do Rio de Janeiro, em maio do ano passado, quando ainda era pré-candidato, ele se posicionou contra o jogo, mas disse que estava aberto ao debate.

“O que nós temos estudado aí? A possibilidade, olha, possibilidade, de jogar para os estados decidir isso daí. Está muito incipiente em discutir. Eu particularmente, no primeiro momento, sou contra. Mas pode ser conversado”, disse Bolsonaro, à época.

Na ocasião, ele não foi específico em relação aos cassinos, ponto de interesse de multinacionais como a empresa de Adelson, a Sands (dona do Venetian, em Las Vegas), e a MGM Resorts (do Bellagio). Mas fez ponderações sobre os jogos de caça-níquel.

“Tem de ter regra, algum balizamento no tocante a isso. Não podemos deixar abrir caça-níquel. Por exemplo: o elemento vai à padaria e, em vez de levar o pão para casa, joga o dinheiro no caça-níquel. No primeiro momento eu sou contra, e pessoas têm chegado a mim falando que deveria jogar para cada estado decidir a questão de cassinos”, disse Bolsonaro na ocasião.

Antes do segundo turno da eleição presidencial, o então candidato transmitiu um vídeo nas redes sociais negando a possibilidade.

“Vou legalizar cassinos no Brasil? Dá para acreditar em uma mentira dessas? Nós sabemos que o cassino aqui no Brasil, se tivesse, seria uma grande lavanderia, serviria para lavar dinheiro. E também para destruir famílias. Muita gente iria se entregar ao jogo, e o caos se faria presente junto ao seio das famílias.”

A ex-prefeita de Las Vegas, porém, conservou suas expectativas positivas, dizendo que a indústria está encorajada pelo projeto econômico liberal defendido pelo presidente.

Apesar do padrão conservador de Bolsonaro em relação ao jogo, o setor se apega ao perfil aberto na economia, representado pelo ministro Paulo Guedes.

A indústria dos jogos de azar aposta que seu potencial de geração de empregos e arrecadação de tributos, tema alinhado ao discurso do presidente, pode atrair a simpatia do novo governo.

“O Caesars está ansioso para trabalhar com a administração [Bolsonaro] para legalizar os cassinos-resorts integrados”, diz Blackhurst.

O presidente do português Cassino Estoril, Mário Ferreira, que acompanhou pessoalmente a evolução do processo no Congresso nos últimos anos, diz que a demora frustra o investidor estrangeiro.

“Seja qual for a solução governamental, o Brasil precisa de alguém com capacidade decisória e que saiba dizer sim ou não.”

Por ora, é possível estimar que haverá mais resistência a algumas categorias de jogos, como bingo e jogo do bicho, segundo Luiz Felipe Maia, advogado especialista no setor.

“Na sociedade e no Legislativo, há mais preconceito em relação a essas operações, que são vistas como de mais difícil controle e fiscalização”, diz o advogado.

O lobby dos grandes resorts pressiona por uma legislação pouco abrangente, ou seja, que não libere, no Brasil, também o jogo do bicho e o
caça-níquel.

Para esses grupos, basta que sejam autorizados os cassinos integrados a hotéis, porque é na venda de diárias, shows, feiras e eventos de negócios que está grande parte da
sua receita.

Magno Sousa, presidente do IJL (Instituto Jogo Legal), que defende a liberação de todas as modalidades, afirma que uma legalização restrita aos cassinos não resolveria o problema do jogo clandestino, além de limitar o potencial de arrecadação e geração de empregos.

Projeções do IJL calculam que, anualmente, o Brasil movimenta em apostas clandestinas R$ 12 bilhões com o jogo do bicho e R$ 3,6 bilhões
com caça-níquel.

“Se todas as modalidades fossem liberadas, o jogo geraria 697 mil empregos. Mas, se só os cassinos fossem liberados, seriam apenas 20 mil postos de trabalho”, diz Sousa.

Os jogos de azar no Brasil

1933 
Getúlio Vargas legaliza jogos associados a espetáculos artísticos, incentivando os cassinos

1941 
Promulgação da Lei das Contravenções Penais, que torna o jogo ilegal

1946
Presidente Eurico Gaspar Dutra fecha cassinos e proíbe a prática ou a exploração de jogos de azar (nos quais o jogador depende de sorte, e não de habilidade). Só restam loterias, pôquer e corridas de cavalo

1993
Lei Zico (8.672/93) institui o bingo como jogo oficial. Parte da arrecadação é destinada a clubes, federações e confederações

1998
Lei Pelé revoga Lei Zico e regulamenta bingo e caça-níqueis

2000 
Congresso revoga a Lei Pelé sobre os bingos e transfere fiscalização para a Caixa
2004 
Governo proíbe bingos e caça-níqueis após o
caso Waldomiro Diniz, ex-assessor da Casa Civil flagrado em vídeo
negociando propina  com empresário de  jogos Carlinhos Cachoeira

2005 
É instalada a CPI dos Bingos, que visa apurar o uso das casas de bingo para  a prática de crimes de lavagem ou ocultação de bens

2007 
STF (Supremo Tribunal Federal) torna ilegais todos os bingos

2014
Senador Ciro Nogueira
(PP-PI) apresenta o
projeto de lei 186
no Senado para legalização dos
jogos de azar

2018
Presidente Michel Temer (MDB) assina, em dezembro, a medida provisória 846, que dispõe, entre outros, sobre os repasses de recursos da loteria à cultura e ao esporte

Padrão de atendimento PM: “Não tenho cerimônia em quebrar cara de mulher”…( A PM – em vez de se preocupar com viadagens de carnaval e com o Lula Livre – deveria disciplinar suas Praças…Querem Ciclo Completo para ameaçar quem busca providências contra abusos? 29

‘Não tenho cerimônia em quebrar cara de mulher’, diz policial após bombas em bloco na Barra Funda

Polícia dispersou de forma truculenta foliões em bloco na zona oeste da capital. Vítima não conseguiu registrar caso e foi ameaçada por policial. Ouça

Marco Antônio Carvalho, O Estado de S.Paulo

06 de março de 2019 | 20h54

SÃO PAULO – Policiais militares usaram bombas e balas de borracha contra foliões na Barra Funda, zona oeste de São Paulo, na noite desta terça-feira, 5, deixando ao menos três pessoas feridas. As vítimas relataram que o bloco do qual participavam já tinha se dispersado e poucas pessoas permaneciam nas ruas da região quando foram surpreendidas pela ação, que classificaram como truculenta. Ao pedir providências no batalhão depois de ser ferida, uma mulher foi ameaçada por um policial militar, que disse que não tinha “cerimônia para quebrar cara de mulher”. Na delegacia, policiais civis se recusaram a registrar o caso.

ctv-cha-barrafunda

Polícia usou balas de borracha e bombas na Barra Funda Foto: Reprodução

De acordo com a artista Paula Klein, de 42 anos, diretora do Bloco Agora Vai, o grupo seguiu todas as orientações previstas para dispersão e não havia motivo para atuação violenta da Polícia Militar. Junto à Prefeitura, o bloco registrou que esperava até cinco mil pessoas para, das 15h até as 20h, seguir um curto trajeto por ruas da Barra Funda. Paula diz que por causa da chuva, o bloco foi encerrado mais cedo, às 19h, e às 22h todas as vias da região estavam liberadas para tráfego de carros.

“A Polícia Militar sempre foi grande parceira do nosso bloco. O relacionamento é ótimo há 15 anos e esse ano não foi diferente. Por isso que a ação nos surpreendeu. Mandaram um pessoal despreparado para lidar com o público de carnaval. Trataram foliões como marginais. O carnaval foi manchado pela polícia”, disse.

Ouça o áudio em que o policial ameaça a atriz https://clyp.it/ce05a345/widget

Segundo ela, a polícia chegou ao local às 20h para conversar. Nesse horário, o som do bloco já estava desligado, segundo relatou. “Já estava acontecendo a dispersão natural. Não precisava atuar de modo truculento, estávamos dentro do horário. Fomos conversando com os nossos foliões e havíamos liberado a via (Rua João de Barros)”, disse. Depois, segundo ela, por volta das 22h30, a tropa voltou, dessa vez com bombas e tiros de borracha.

Um dos atingidos pelos disparos foi a atriz Thaís Campos Soares, de 36 anos; o seu namorado, o músico Lincoln Antonio, de 48 anos, também ficou ferido.  Ela disse que estava na Rua João de Barros, “com muito pouca gente na rua”, quando os policiais apareceram enfileirados, “já tacando bomba sem conversar com ninguém”. “Começaram a dar tiro, spray de pimenta. Bem truculento”, disse Thaís, que foi atingida na costela.

A atriz buscou providências primeiro na sede da 3.ª Companhia do 4.º Batalhão da PM, em Perdizes, responsável pelo patrulhamento da área. Lá, se envolveu em uma discussão em que acabou ameaçada por um policial militar que não carregava nenhuma identificação em seu fardamento.

O agente primeiro pediu que ela mantivesse distância. À reportagem, Thaís disse que permaneceu parada. Depois, ao ser questionado por Lincoln sobre o motivo do disparo que o atingiu, o policial disse que tem de garantir o “direito previsto pelo artigo 5.º da Constituição, das pessoas que pagam IPVA de passarem com seus carros ali, o direito das pessoas de ter o seu devido descanso”. O homem responde que estava na calçada durante todo o tempo e que o tráfego na rua estava liberado já que a rua estava vazia.

Depois, o policial fala para Thaís: “Aponta o dedinho não, se aproxima não. Você vai tomar um atropelo aqui, estou falando para você, toma distância. Não tenho nenhuma cerimônia em quebrar cara de mulher, não, você presta atenção.” O grupo então decide deixar o 4.º Batalhão e busca registrar a ocorrência no 91º Distrito Policial (Ceasa). Lá, recebe a resposta de que o caso não pode ser registrado e que as vítimas devem procurar a Corregedoria. Os feridos disseram que pretendem registrar o caso.

Quem também ficou ferido após ser atingido com um tiro de bala de borracha nas costas foi o professor Alexandre Rosa, de 36 anos. Segundo ele, o policial que o atingiu agiu depois de ter visto que ele estava filmando o que estava acontecendo. “Peguei o celular e comecei a filmar durante a correria. A PM agiu com muita violência sem nenhuma necessidade, estava tudo muito tranquilo e tinha criança e família. Ouvi quando o policial falou: ‘Atira naquele que está filmando’. Virei e saí correndo e senti o tiro nas costas”, relatou. A diretora Paula Klein disse que pretende reunir queixas de truculência policial não só no seu bloco para fazer uma representação ao Ministério Público.

Secretaria diz que PM agiu para desobstruir via

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública disse que a Polícia Militar foi acionada “por conta de interdição de via pelo Bloco Agora Vai, na Rua Brigadeiro Galvão, após o horário permitido”. “As equipes policiais fizeram contato com os organizadores do evento, solicitando a desobstrução da rua, mas sem acordo. Para restauração da ordem pública, foi necessária a intervenção direta para desobstrução da via pública ocupada sem autorização, com técnicas de controle de distúrbios civis no local.”

Sobre o comportamento do policial que ameaçou a atriz, a SSP disse que a “instituição não compactua com eventuais desvios de conduta, colocando-se à disposição da vítima para formalização de denúncia por meio da Corregedoria da Polícia Militar”.


A mãe desse soldado deve ser uma pobre coitada que sofria espancamentos diários …

E a mulher desse animal deve apanhar toda vez que esse  ser exemplar chega do serviço bêbado querendo fazer sexo com o pinto mole…

E – certamente –  as filhas serão mulheres de vagabundo e os filhos tão animais quanto o pai!

Pobre coitado!

Já pensou um tranqueira como esse tendo que atender o cidadão até completar 65 anos? 

Militares são como cães: fiéis e leais enquanto a ração durar 51

 

Na retaguarda de todo e qualquer ditador – seja ele de esquerda , direita ou de “mierda” – há um “séquito” de militares vorazes por prestígio , dinheiro e poder…

Todo militar  sabe que amor ao povo e a pátria não paga uma pinga…

Mas eles fingem desapego e amor incondicional à legalidade…

Até que o baixo soldo nos separe!

Nosso maior exemplo é o atual presidente; ele que – ainda jovem – revoltado  por conta do “miserável” soldo e da perda de prestígio da “inteligência” militar planejou atos terroristas…

E terrorista com funcional e arma do Estado é o pior dos bandidos…

Não por obra de Deus, o  agora mitificado capitão aposentado com apenas 11 anos de trabalho – se é que ser oficial do Exército é trabalhar – quando pilhado em conspiração desertou para a carreira política; assim se salvou da condenação criminal e da expulsão…

E como aqui o crime compensa: VIROU PRESIDENTE!

Eis a sina do Brasil: tudo o que não presta sobe rampa!

O pedido dos generais do Exército a Jair Bolsonaro

___________________________

Para os mimizentos, a “reforma” previdenciária é prova eloquente…

No pirão deles ninguém bole!

Aqui a Constituição Federal está acima da bíblia dos sacerdotes dizimadores – O STF continua sendo a maior Instituição do Brasil…Só o ignaro, o falso cristão, o aprendiz de ditador e os sicários das liberdades desferem ataques ao sacrossanto Tribunal da Pátria 12

bandeira gay gls lgbt arco iris 1,50m x 0,90m frete grátisEm julgamento hoje, STF (Supremo Tribunal Federal) alcançou quatro votos a favor de que a homofobia seja considerada crime e de que seja reconhecida a obrigação do Congresso Nacional de aprovar uma lei sobre o tema.

O julgamento ainda não foi concluído. Já votaram os ministros Celso de Mello, Edson Fachin, Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso. Celso e Fachin são relatores das duas ações em julgamento, um Mandado de Injunção e uma Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão.

Barroso disse que “homossexualidade não é uma escolha, é uma circunstância da vida” e defendeu que é papel do Estado intervir para a garantia de direitos.

Não escapará a ninguém que tenha olhos para ver e coração para sentir que a comunidade LGBT é claramente um grupo vulnerável vítima de discriminações e de violência. Sendo assim, o papel do Estado é intervir para garantir o direito dessas minorias

Luís Roberto Barroso, ministro do STF

Sempre que um modelo de pensamento fundado na exploração da ignorância e do preconceito põe em risco a preservação dos valores da dignidade humana, da igualdade e do respeito mútuo entre pessoas, incitando a prática da discriminação dirigida a comunidades exposta ao risco da perseguição e intolerância, mostra-se indispensável que o Estado ofereça a proteção adequada aos grupos hostilizados

Celso de Mello, ministro do STF e relator de ação

SONEGAÇÃO E INFORMALIDADE, JÁ ! A reforma previdenciária tem única finalidade fraudulenta: salvar o soldo dos militares da ativa e os proventos integrais dos seus aposentados( reservistas ) ; salvar os vencimentos dos marajás civis e respectivas aposentadorias com integralidade e paridade 20

Os demais apenas pagarão a conta e o pato!

Como protesto e resistência devemos fazer aquilo que o Jair Bolsonaro ensinou anos atrás: SONEGAR TUDO O QUE FOR POSSÍVEL…

Chega de sustentar vagabundo que se sente mais especial que os produtores de riqueza!

Se a reforma fosse honesta, primeiramente apresentariam as propostas para as classes mais refratárias a quaisquer sacrifícios: MILITARES, MAGISTRADOS, MINISTÉRIO PÚBLICO, FISCAIS TRIBUTÁRIOS, etc. 

Só depois: O POBRÃO ! 

Resultado de imagem para bolsonaro mentiroso