CAVALEIRO MARGINAL FALANDO DE COISAS SÓRDIDAS DE HOMENS MÓRBIDOS 1

Paisagem da Janela

Composição: Lô Borges e Fernando Brant
Da janela lateral
Do quarto de dormir
Vejo uma igreja, um sinal de glória
Vejo um muro branco e um vôo pássaro
Vejo uma grade, um velho sinal
Mensageiro natural
De coisas naturais
Quando eu falava dessas cores mórbidas
Quando eu falava desses homens sórdidos
Quando eu falava desse temporal
Você não escutou
Você não quer acreditar
Mas isso é tão normal
Você não quer acreditar
E eu apenas era Cavaleiro marginal
Lavado em ribeirão
Cavaleiro negro que viveu mistérios
Cavaleiro e senhor de casa e árvore
Sem querer descanso nem dominical
Cavaleiro marginal
Banhado em ribeirão
Conheci as torres e os cemitérios
Conheci os homens e os seus velórios
Quando olhava na janela lateral
Do quarto de dormir
Você não quer acreditar
Mas isso é tão normal
Você não quer acreditar
Mas isso é tão normal
Um cavaleiro marginal
Banhado em ribeirão
Você não quer acreditar

PARABÉNS A RUMO CERTO – PARABÉNS AOS CONSORTES DA ADPESP 1

O importante é a opinião da maioria; no caso a maioria expressiva daqueles que votaram pela continuidade dos trabalhos da atual diretoria.
O voto por pressão ou influência superior sempre foi uma ficção.
A votação é secreta ; a classe escolhe aqueles em quem acredita.
E não haverá, nos próximos dois anos, surpresas desagradáveis.
Assim a Diretoria poderá implementar “rumos mais ousados e certeiros”, no biênio vindouro.
Agradeço os vinte e dois colegas que me confiaram os seus votos.
Digo vinte e dois colegas, pois não conferi voto a mim mesmo.
O papel que me foi deferido acredito ter cumprido :
ADVOGADO DO DIABO.
E como afirmei, logo no início da campanha , papel que cumpriria com eficiência e honra.
Que os eleitos , também, honrem o crédito recebido.

MUITO NOVO PARA APOSENTAR, MAS MUITO VELHO PRA TRABALHAR…NO PLANTÃO 8






A JORNANDA DE TRABALHO POLICIAL EM HORTOLÂNDIA – DEINTER-9.É gratificante conhecer este Estado verificando as peculiaridades regionais; especialmente como a legislação é otimizada pelos chefes de repartições.
Falo, especificamente, do Delegado de Polícia como órgão local da Administração estadual; a quem cabe – discricionariamente – elaborar escalas de serviços dos funcionários conforme as necessidades da sua Unidade.
E dentro da discricionariedade lhe caberia adequar as jornadas ao imperativo constitucional: “duração do trabalho normal não superior a oito horas diárias e quarenta e quatro semanais, facultada a compensação de horários e a redução da jornada, mediante acordo ou convenção coletiva de trabalho”; conforme se vê no art. 7º, XII, da Constituição da República.
A Lei Orgânica da Polícia Civil, por sua vez, muito antes da Carta Republicana de 1988, estabelecia para o policial civil a jornada irregular de trabalho, no mínimo, de 40 horas semanais.
Obviamente que ao estabelecer o mínimo de 40 horas, não deu poderes ao agente público de estabelecer o máximo.
O máximo é aquele estabelecido por lei ou regulamento geral.
Assim, no âmbito da Polícia Civil, a Portaria SSP-2, desde 13-09-83, estabeleceu horário de trabalho dos servidores sujeitos aos regimes especiais em 40 horas semanais.

E a boa razão sempre atribuiu aos trabalhadores sujeitos a jornadas irregulares de trabalho – em turnos de serviço ou plantões diurnos e noturnos intercaladamente – uma carga menor do que a atribuída ao funcionário que cumpre o horário administrativo; na Polícia, regra geral, das 9h00 às 18h00; com direito de uma hora para almoço e descanso.
Pelo que não é concebível uma parcela de funcionários da mesma Carreira, no mesmo órgão, cumprindo uma jornada semanal de 40 horas; enquanto os plantonistas, em vez de jornada menor, são submetidos a jornadas em muito superiores.
Mas
na Polícia quem deveria trabalhar menos, na verdade, acaba trabalhando muito mais.
Visto todo ato discricionário, na realidade, acabar orientado pelos critérios do oportunismo e da conveniência para o agente público que o edita.
A legalidade, adequação, eficiência e utilidade da realização do ato visando o interesse público é poesia.
De se ver que, conforme observei na cidade de Hortolândia, os servidores e policiais de carreira subalternos, salvo o Titular do município e um ou outro felizardo, cumprem a jornada normal de trabalho de 2ª. a 6ª. feira, das 9h00 às 18h00, concorrendo ao plantão permanente várias vezes por mês.
E o plantão, de forma “sui generis”, inicia-se às 18h00 encerrando-se às 9h00, de 2ª a sexta(um plantão noturno de 15 horas ). E aos sábados, domingos e feriados tendo início às 8h00 encerrando-se às 20h00.
E no domingo, o plantão noturno, iniciando-se às 20h00 e encerrando-se às 9h00 da 2ª feira.
Quando escalado em plantão durante a semana o funcionário deve trabalhar das 9h00 às 15h00, retornando às 18h00 para a jornada de 15 horas que encerrará as 9h00 do dia subseqüente; se tiver muita sorte. Do contrário , até o recebimento do expediente pelo cartório central, poderá deixar a repartição por volta das 10h00 ou mais.
É claro que, depois que entregar o expediente da noitada de 15 horas, poderá ir para casa descansar, retornando no dia seguinte às 9h00 da manhã. Nada de descanso mínimo de 36 horas, conforme estabelecido recentemente, diga-se: para “plantões diuturnos de até 12 horas”.
Os Delegados titulares dos dois distritos do município, além do plantão permanente na circunscrição de Hortolândia, devem responder pelo plantão ininterrupto da cidade de Monte mor.
E como nenhum Delegado possui dom da ubiqüidade o acúmulo de tarefas em Unidades cerca de 35 km distantes, verdadeiramente, é meramente virtual.
Para agravar – grande parte dos funcionários, embora excelentes, não são de carreira.
São servidores da municipalidade, “ad hoc”.
Existe policial militar “ad hoc”?
Não, mas não demora haverá policial militar nomeado Delegado de Polícia “ad hoc”.
E outro gravame: Delegado depois da jornada de 15 horas noturnas não tem direito a folga; como também não está exonerado do seu expediente normal nos dias do inusitado plantão noturno de 15 horas ininterruptas.
Os resultados são previsíveis: trabalho mal feito, funcionários insatisfeitos e doentes.
Mas a nossa Administração Policial pode tudo.
Tudo pelo interesse coletivo.
Assim, um Delegado – no caso o subscritor – cumprirá jornada a ser iniciada as 12h00 da 6ª. feira dia 21 de dezembro e encerrada as 8h00 da 2ª feira dia 24 de dezembro(68 horas ininterruptas de plantão; acumulando duas cidades). Enquanto aqueles que elaboram as escalas, placidamente, degustarão bom Scotch, bom Bourbon, bom Vinho e boa Cerveja.
O Delegado-geral será que coonesta tal jornada de trabalho?
E com retorno – seguindo-se a portaria do ínclito titular – no dia 26 às 9h00 até às 15h00; depois das 18h00 às 9h00, do dia 27.
No caso do signatário 14 plantões no mês de dezembro, totalizando apenas 181 horas ininterruptas de plantão, sem falar – para iniciar bem o ano – no plantão das 8h00 do dia 1º às 8h00 do dia 2 de janeiro de 2008.
E quando eu digo que há Delegado de Polícia vivendo na era Castelo Branco, tomam por ofensa.
E subversivo sou eu.
Entretanto, ou se chama o Papa ou o Bope do Capitão Nascimento, pois a Adpesp e o Sindicato nada fazem a respeito.
Enquanto parcela da Administração Policial – que possui um conceito muito elástico de moralidade administrativa e discricionariedade – deve achar perfeitamente regular; tudo amparado pelo RETP.
Regular desde que, de um comissionado na 1ª classe e superiores, não estejam sujeitos a tais jornadas desumanas de trabalho.
Se eu fosse o Exmº Governador José Serra determinaria, imediatamente, que todos os Delegados da 1ª e da classe especial concorressem aos plantões; chefiando equipes básicas em face da absoluta necessidade do serviço .
A grita geral deles: muito novo para aposentar, mas muito velho pra trabalhar…No plantão.
________________________________
REPERCUTO  –  PRATICAMENTE DEPOIS DE DOIS ANOS –  ESTA POSTAGEM APENAS PARA DAR CIÊNCIA DOS RESULTADOS COLHIDOS:
Depois da substituição do ex-Seccional  P.R. Jodas e remoção do ex-titular Peterson T. Mello, as condições de trabalho e relacionamento melhoraram substancialmente;
Entretanto as críticas acima deram origem a processo administrativo fundado na “mordaça” , cuja revogação pelo Exmº Governador não foi obedecida internamente. Ou seja: A LIBERDADE DE MANIFESTAÇÃO E CRÍTICA AOS ATOS E CONDUTAS SUPERIORES CONTINUA CONDICIONADA À VALORAÇÃO SUBJETIVA.
Quanto às jornadas de plantão: resultado ,  além de prejuízos na ordem de R$ 50.000,00 , em razão de centenas de faltas ao trabalho, processo POR ABANDONO DO CARGO.
Aliás, com direito àquela fundamentação mental: “esse filho de uma puta tem mais é que se foder”! ( 2 de novembro de 2009 )

ILUDIDOS E ILUSIONISTAS? ( DEPOIS DE DOIS ANOS OS PERSONAGENS SÃO PRATICAMENTE OS MESMOS, MAS EM VEZ DA “PEC DAS CARREIRAS JURÍDICAS” AGORA A BANDEIRA ELEIÇOEIRA CHAMA-SE “REESTRUTURAÇÃO” 6

 De: “Paulo Sergio Lew”
Data: Wed, 12 Dec 2007 23:50:03 -0200
Local: Qua 12 dez 2007 23:50
Assunto: SERÁ ESTA UMA CAMPANHA ILUSIONISTA?
Responder Responder ao autor Encaminhar Imprimir Mensagem individual Mostrar original Reportar esta mensagem Localizar mensagens deste autor
APESAR DE ACREDITAREM QUE DELEGADOS DE POLÍCIA SÃO SUFICIENTEMENTE ESPERTOS
E INTELIGENTES PARA JÁ TEREM SE INDAGADO A RESPEITO, BEM COMO, SEREM
INCONTINENTI A FAVOR DA PEC 549/06 (NÃO DE ENGODOS E ESTELIONATOS
ELEITORAIS), OS MEMBROS DA CHAPA FÊNIX TRAZEM ALGUMAS DÚVIDAS ACERCA DA
ÚNICA PLATAFORMA DE CAMPANHA DA CHAPA RUMO CERTO:
 SERÁ ESTA UMA CAMPANHA ILUSIONISTA” de guerra
Ver perfil
Mais opções 13 dez, 09:15
De: guerra
Data: Thu, 13 Dec 2007 03:15:45 -0800 (PST)
Local: Qui 13 dez 2007 09:15
Assunto: Re: SERÁ ESTA UMA CAMPANHA ILUSIONISTA
Responder Responder ao autor Encaminhar Imprimir Mensagem individual Mostrar original Reportar esta mensagem Localizar mensagens deste autor
LEW:
Os problemas relacionados a dilapidação do patrimônio foram
suscitados pelo colega A. P. – na véspera da supressão do
Fórum.
O colega também acusava que a portaria do Decap não
beneficiava a todos e, também, denunciava a forma pela qual o Dr.
Roque se apropriou do movimento e o “limou” da reunião.
Quanto aos
valores o colega foi peremptório sobre o superfaturamento e desvio na
ordem de Rs$ 1.000.000,00, sendo essa a calúnia que fez com o Dr. Gama
providenciasse a desativação do Fórum.
Você certamente sabe dessas
afirmações, as quais parece agora confirmar com a análise do balanço.
Por outro lado – até o mês de setembro – você e a Teresinha estavam
ao lado do Roque, pelo qual foram até convidados para participar da
chapa.
“Farejaram” o podre e nada fizeram em detrimento de milhares de
colegas.
“Farejaram”, mas não investigaram e não denunciaram.
Você
prefere culpar o PSDB – por ser muito cômodo e render simpatias – a
culpa entretanto é da nossa desonestidade e falta de compromisso
coletivo.
Quem rouba e engana a classe não é – nunca será – meu
amigo.
É inimigo coletivo, nem justiça lhe deu.
Ou melhor – para
quem engana e rouba a carreira – daria a justiça do teu idoladrato
Guevara; apenas enumando-os na verticial para poupar espaço.
E quem
sabia, podia saber e se calou, foi concorrente.

Talvez …digo apenas talvez…não tenha sido um erro da sua
parte querer preservar a admiração, a amizade pelo Dr. Roque; negando-
se a apontar irregularidades que talvez você tenha tomado conhecimento
há meses.

1 – NO INÍCIO DE OUTUBRO, POR QUE O PRESIDENTE DA ADPESP, APÓS TER ANUNCIADO
QUE NÃO SERIA CANDIDATO A REELEIÇÃO, INCLUSIVE, COM PUBLICAÇÃO NO SITE DA
ASSOCIAÇÃO, VOLTOU ATRÁS, SE JÁ DEVERIA TER CONHECIMENTO ACERCA DO TRÂMITE
DESTE TEXTO NORMATIVO?

2 -SE O PROJETO DE EMENDA À CF É DATADO DE 2006, POR QUE APENAS A DOIS MESES
DA ELEIÇÃO, PASSOU-SE A DAR TANTO ENFOQUE PARA ELE E À SUA TÃO “GARANTIDA”
APROVAÇÃO, ALÉM DE, OUTRORA, TERMOS RECEBIDO APENAS UMA CORRESPONDÊNCIA DO
DEPUTADO RELATOR ?

3 – SABENDO-SE QUE, ATÉ O ANO DE 1998, OS DELEGADOS DE POLÍCIA
ENCONTRAVAM-SE NO ROL DAS CARREIRAS JURÍDICAS E TINHAM DIREITO A ISONOMIA
COM ELAS, MAS NUNCA FORAM RECONHECIDOS COMO TAL PELO PARTIDO QUE GOVERNA O
ESTADO BANDEIRANTE, E A ATUAL DIRETORIA RECUSA-SE EM ATRITAR COM O TUCANATO,
AINDA QUE O TEXTO SEJA APROVADO, COMO IRÍAMOS CONSEGUIR A SUA APLICAÇÃO COM
UMA ADMINISTRAÇÃO TÃO “BANHO MARIA”?

4 – SERÁ QUE APENAS O PEC RESOLVE TODOS OS PROBLEMAS INSTITUCIONAIS TAIS
COMO DESMANDOS, APADRINHAMENTOS, COVARDIA, BONDES, FALTA DE ESTRUTURA PARA O
TRABALHO, ENTRE OUTROS PROBLEMAS QUE A ATUAL DIRETORIA DEMONSTROU NÃO QUERER
COMBATER? OU SEJA, SERÁ QUE IREMOS NOS SATISFAZER APENAS EM SERMOS
RECONHECIDOS COMO CARREIRA JURÍDICA? ACREDITAMOS QUE O DESEJO DE TODOS OS
DELEGADOS (APESAR DE ESTE SER IMPRESCINDÍVEL) VAI ALÉM DE BONS VENCIMENTOS
(O QUE DEIXAMOS CLARO QUE NÃO SERÁ CONSEQUÊNCIA AUTOMÁTICA DA APROVAÇÃO DO
PEC).

5 – O PEC É AUTO APLICÁVEL? E ENTRANDO EM PAUTA, QUER DIZER QUE SERÁ VOTADO
EM QUAL LAPSO TEMPORAL? SABEMOS QUE DIVEROS TEXTOS QUE ENTRARAM EM PAUTA
CAÍRAM NO ESQUECIMENTO!

PORTANTO, SAIBAM TODOS OS COLEGAS QUE, CASO NÃO TIVÉSSEMOS FAREJADO ALGO DE
PODRE NO REINO DA DINAMARCA, ATÉ NÓS JÁ ESTARÍAMOS APOIANDO A CHAPA RUMO
CERTO!!!!

OBRIGADO E CONTAMOS COM SEU VOTO PARA TENTAR APROVAR O PEC E MUDAR O QUADRO
QUE NOS É DESFAVORÁVEL!!!

http://mobilizadelegado.blogspot.com/2007/12/ser-esta-uma-campanha-ilusionista.html
Assunto da discussão alterado para

LEI ORGÃNICA DE CAMPINAS E IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA Resposta

SUBSEÇÃO VI

Da Perda do Mandato

Artigo l4 – Perderá o mandato o Vereador:

I – que infringir qualquer das proibições estabelecidas no artigo anterior;

II – cujo procedimento for considerado incompatível com o decoro parlamentar;

III – que deixar de comparecer, em cada sessão legislativa, à terça parte das sessões ordinárias, salvo licença ou missão autorizada pela Câmara Municipal;

IV – que utilizar-se do mandato para a prática de atos de corrupção ou de improbidade administrativa;

V – que perder ou tiver suspensos os direitos políticos;

VI – quando o decretar a Justiça Eleitoral, nos casos previstos na Constituição Federal;

VII – que sofrer condenação criminal em sentença transitada em julgado;

VIII – que fixar residência fora do Município.

§ 1º – É incompatível com o decoro do Legislativo, além dos casos definidos no Regimento Interno, o abuso das prerrogativas asseguradas ao Vereador ou a percepção de vantagens indevidas.

§ 2º – Nos casos dos incisos I, II, IV e VIII deste artigo, a perda do mandato será decidida pela Câmara Municipal, por voto secreto e maioria de dois terços, mediante provocação da Mesa ou de partido político representado no Legislativo, assegurada ampla defesa. (Ver Alteração pela Emenda n° 30, de 29/05/2001 – CMC)

§ 3º – Nos casos previstos nos incisos III, V, VI e VII, a perda será declarada pela Mesa, de ofício ou mediante provocação de qualquer dos membros da Câmara Municipal ou de partido político nela representado, assegurada ampla defesa.

Art. 3° – Somente serão ressarcidas as despesas efetivamente pagas pelo parlamentar e relativas a:

I – imóveis e utensílios utilizados exclusivamente como escritório de apoio ao exercício da atividade parlamentar, compreendendo estritamente gastos com aluguel, taxas condominiais, IPTU, Taxas de Bombeiros, água, telefone fixo ou móvel e energia elétrica;

II – locomoção do parlamentar e viagens de assessores parlamentares vinculados ao gabinete do parlamentar, compreendendo passagens, hospedagem e locação de meios de transporte;

III – combustíveis e lubrificantes, até o limite mensal e forma que vier a ser estabelecido por meio de Resolução;

IV – contratação, para fins de apoio à atividade parlamentar, de consultoria, assessorias, pesquisas e trabalhos técnicos de pessoa jurídica, até o limite mensal que vier a ser estabelecido por meio de Resolução;

V – divulgação da atividade parlamentar, exceto nos 180 (cento e oitenta) dias anteriores à data das eleições de âmbito federal, estadual e municipal e desde que não caracterize gastos com campanhas eleitorais e nem exceda o limite que vier a ser estabelecido em Resolução;

VI – aquisição de material de expediente não fornecido pela Câmara Municipal ;
VII – aquisição ou locação de software, serviços postais, assinaturas de jornais, revistas e publicações, TV a cabo ou similar, acesso à internet e locação de veículos, móveis e equipamentos;

VIII – alimentação, exclusivamente em nome do Vereador, não podendo exceder ao valor que vier a ser estabelecido em Resolução;

IX – contratação de empresa especializada para produção de vídeos ou documentários para utilização na TV, em Telões ou reuniões comunitárias, vedado o uso em campanha ou propaganda eleitoral;

X – peças e acessórios para veículos a serviço do gabinete do parlamentar tais como baterias, pneus, câmaras-de-ar e válvulas, entre outras;

XI – cópias heliográficas de documentos de interesse do gabinete;
XII – edição de jornais, livros, revistas e impressos gráficos para consumo do gabinete;
XIII – portes de correspondência, registros postais, aéreos, telegramas e radiogramas,

XIV- despesas com telefone móvel em nome do parlamentar, ou fixo caso instalado no gabinete ou no escritório do Vereador.


§ 1° – Não se admitirão gastos com propaganda eleitoral de qualquer espécie

PROCURA-SE VEREADORA DELEGADA TERESINHA POR TER EMPREGADO MATERIAL E VERBA DA CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPINAS EM BENEFÍCIO PARTICULAR Resposta




Recebi, nesta data, uma postagem oficial da Câmara Municipal de Campinas; responsabilidade da ex-delegada de polícia Teresinha de Carvalho, vereadora eleita pelo partido PSB.

A correspondência tem o objetivo de divulgar a moção de apoio a PEC 549/06, pertinente a emenda constitucional de interesse da classe de Delegados de Polícia de todo o país.

Esclareço que a carta foi endereçada para São Vicente; em razão da campanha eleitoral na Associação dos Delegados – ADPESP.

A moção de apoio da Delegada foi proposta no dia 9 de outubro de 2007, ou seja, quando já oficializada a sua candidatura como presidente encabeçando a Chapa Fênix.

A moção nº. 218/07, não foi publicada no Site da Adpesp pela seguinte razão:

A publicação poderia acarretar a futura anulação do pleito em face dos protestos e prejuízos aos demais candidatos, especialmente os independentes.

De se ver que a moção foi proposta depois de a candidatura ter sido oficializada; podendo dar margem a interpretação do uso do cargo político para obtenção de visibilidade, prestígio e crédito pessoal junto aos associados.

Em virtude da não publicação no site, a candidata a presidente da ADPESP, empregando o material e verba para o exercício do mandato postou cartas oficiais para todos os associados da entidade (algo em torno de 4000).

Tal conduta caracteriza dilapidação do dinheiro público em benefício pessoal; e uso do mandato de vereadora para obtenção de outra vantagem pessoal: ser eleita como presidente da poderosa ADPESP, dona de um patrimônio da ordem de 20.000.000,00(vinte milhões) de reais.

A candidata, também, em pretenso debate classificou o governador José Serra como “crápula” e todo o PSDB como “crápula”.

Todavia, na Baixada Santista, ontem, durante entrevista divulgada por rede de televisão “fez elogios ao Governador”.

Internamente fomenta a revolta contra o governo buscando simpatizantes, pois a grande maioria dos Delegados vive em situação aflitiva e acaba vendo no Estado-patrão o único responsável pela massacrante política salarial.

O Governo é co-responsável.

Mas o Mário Covas foi um governo, o Geraldo Alckmin outro e o atual outro governo.

Entretanto, os chefes de polícia são os mesmos.

E um Delegado-Geral por dois mandatos e dois governadores.

A ex-delegada e Vereadora Teresinha Carvalho, agora, dilapida e desvia material para assuntos do seu interesse e interesse dos demais participantes da sua chapa…

Amanhã dilapidará o patrimônio dos consortes!

Traiu o povo – a grande maioria pobre – que a elegeu…

Trairá, também, os colegas Delegados.

A Vereadora e candidata deve explicações a todos: aos eleitores de Campinas e aos Delegados de Polícia.


E desde já requeiro a impugnação da candidatura da Sra. Teresinha de Carvalho, protestando pela disponibilização dos documentos aos Srs. Delegados membros da comissão eleitoral.

——————————————————————————

De: Teresinha Carvalho
Data: Thu, 1 Nov 2007 13:51:43 +0000
Local: Qui 1 nov 2007 11:51
Assunto: RE: [DELEGADOS] Eleições ADPESP – Chapa FÊNIX
Responder Responder ao autor Encaminhar Imprimir Mensagem individual Mostrar original Reportar esta mensagem Localizar mensagens deste autor

Maurício:

Boa iniciativa a sua de enviar para os colegas. Esta carta eu consegui colocar no Correio com muito sacrifício porque a postagem de 4.000 cartas custa mais de dois mil reais e não temos recursos financeiros.
Por outro lado, como a atual diretoria se nega a nos entregar a listagem dos Associados, ou melhor, se ” fingem de mortos para….” e não sabemos se nossa listagem que é de um ano atrás contempla todos os associados, eu só posso te dizer que me orgulho cada vez mais dos integrantes da chapa Fenix.
Acho que ” nunca na história deste Estado”, rs, como diria o quadro do Lulla no programa Fantástico, um grupo de Delegados estiveram tão empenhados na eleição da sua própria Associação com tanta garra e união.
Acho importante os colegas saberem das dificuldades que temos para obter informação da ADPESP. De tanto pressionarmos publicaram agora uma prestação de contas que não é detalhada e portanto não dá para aferir com profundidade como o nosso dinheiro vem sendo gasto.
Temos o direito de duas postagens por conta da Associação.Vamos ver se conseguiremos estas postagens pois o envio das nossas propostas estão para ser enviadas aos colegas e as sugestões de todos eles que desejarem colaborar com propostas será muito importante.
Eu diria que hoje vivemos dois momentos muito importantes e um não caminha sem o outro. A Aprovação da PEC, a revogação da Lei 731/93 que nos atrela à PM e em especial nossa Associação. Esta sim, a garantidora da aplicação dos nossos direitos
Grande abraço
———————————————————————–
Teresinha, “sua” moção nunca será publicada no site da ADPESP….. esqueceu que somos inimigos agora?
Andreza

– Ocultar texto entre aspas –
– Mostrar texto entre aspas –

—– Original Message —–
From: Teresinha Carvalho
To: delpol—pc@googlegroups.com
Sent: Monday, November 05, 2007 7:46 PM
Subject: [DELEGADOS] Re: Res: [DELEGADOS] Re: APOIO A PEC

Caros colegas:

Em que pese eu não saber o porque deste comentário, reenvio a ultima das moções que aprovei na Camara Municipal de Campinas sobre a PEC 549/06. Esta é apenas uma das mais de cinquenta moções de apelo e repúdio aos òrgaõs superiores da Politica e da Policia , mais de que fiz ao longo de quase oito anos à frente do legislativo Campineiro.O próprio teor da moção pode e deve ser comparado com a moção do nobre Vereador Paulo Oya mnpara se medir o interesse de cada um dos políticos.
Vou verificar porque minhas moções não constam do site da ADPESP. Quanto ao colega e Vereador Paulo Oya, ele é assessorado por um Investigador que, nas costas dele, vai concorrer a uma vaga na Câmara Municipal e faz homenagens a rodo na Camara o que faz com que as homenagens do legislativo local até sejam questionadas, para não dizer desmoralizadas.Com mais tempo, poderei estar enviando cópia de tôdas elas ao grupo pois nem todos os colegas parecem acompanhar as seções legislativas de Campinas´para avaliar meu trabalho em prol da Policia Civil, esta classe tão esquecida, manipulada e desunida.
Uma outra forma de se averiguar meu trabalho em prol da nossa Policia será mesmo perguntar aos Vereadores da Casa e em especial sobre a atuação do investigador no trabalho do nobre Vereador Paulo Oya que terá o próprio acessor como concorrrente nas proximas eleições.
A propósito, foi esta Vereadora que conseguiu a doação de oito carneiros para sepultar os policiais civis mortos em serviço num Cemitério desta cidade. Uma luta que levou tres anos pois o Governo do Estado recusava-se a receber a doação.
Sou de uma geração de colegas como a do nobre Dr. Walter Monteiro e tantos outros com os quais posso desfrutar da amizade sincera por acompanhar e compreender nosso trabalho.
A propósito, posso enviar alguns debates que promoví em prol da nossa Policia, quando as autoridades convidades, por ocuparem cargos de confiança não podem dizer a verdade.
Isto me traz alguns desafetos, afinal, quem gosta de Politico que causa constrangimento àqueles que foram escolhidos pelo Governo não é mesmo? Espero ter sanado qualquer duvida dos colegas.
Atenciosamente,
Teresinha

VEREADORA TERESINHA DE CARVALHO: SOU LOIRA MAS NÃO SOU BURRA! Resposta

Todas as moções que elaborei ao longo de meus sete anos como Vereadora, sempre tentando sensibilizar o Governador, que menospreza a carreira do Delegado de Polícia, enviei aos colegas.
Realmente, houve colegas que não receberam nossas moções, por diversos fatores tais como endereços desatualizados, etc.
Aliás, elas foram enviadas porque todas as vezes que fiz uma moção de interesse de nossa segurança pública, uma das minhas bandeiras, envio para todos os colegas.
É uma conduta que repito sempre e estou no livre exercicio de divulgação do meu mandato.
Não seria ingênua a ponto de usar papel e correspondência do meu gabinete para ” dar suporte ao inimigo”.
Sou loira mas não sou burra!
VEREADORA TERESINHA DE CARVALHO
ANDREZA; A tua amiga e canditada TERESINHA, na postagem acima, afirmou “SOU LOIRA MAS NÃO SOU BURRA!” (“sic”).
Você, a colega Roberta e o professor Paulo Lew – obviamente , dominam os rudimentos da Filosofia e, especialmente,Lógica formal moderna.
Assim, responda:ELA É LOIRA.MESMO LOIRA NÃO É BURRA.
AS MILHARES DE LOIRAS O QUE SÃO?
Você é loira?
Se é loira e não é a Teresinha o que você é?
Todas as Delegadas são e pensam como a Teresinha?
9 de Dezembro de 2007 18:59

roberto conde guerra disse…
Que tal eu afirmar:SOU DELEGADO DE POLÍCIA, MAS NÃO SOU BURRO!
9 de Dezembro de 2007 19:02

DELEGADOS VOTEM NA NOSSA FIDELIDADE E COMPROMETIMENTO Resposta

http://mobilizadelegado.blogspot.com/
NÃO FIQUEM NA DEPENDÊNCIA DA APROVAÇÃO DE EMENDAS CONSTITUCIONAIS.
NÃO CULPEM OS PARTIDOS POLÍTICOS.
HÁ QUEM FALE QUE ISONOMIA PARA NÓS NEM COM LIXEIROS (perdão aos imprescindíveis e desvalorizados soldados da salubridade coletiva);ERRADO!
HÁ QUEM NÃO PASSE DE LIXO!

PERFUMADO E BEM VESTIDO,
MAS LIXO HUMANO.
SÓ COM ABSOLUTA FIDELIDADE À LEGALIDADE;
SÓ O ABSOLUTO COMPROMETIMENTO ÉTICO
CONQUISTAREMOS RESPEITO, RECONHECIMENTO E VALOR.
E NUNCA TRATE AO SEU SUBORDINADO E COLABORADOR COMO MERO SERVO.

SEM ELES O DELEGADO É UM NADA…

DEBATES: AS RAPINAS CONTRA UM TUCANO! ELA É LOIRA MAS NÃO É BURRA! Resposta

Publico parte de um e-mail da candidata à presidência da ADPESP Teresinha (que autorizou a publicação, lógico), dando algumas explicações:“Todas as moções que elaborei ao longo de meus sete anos como Vereadora, sempre tentando sensibilizar o Governador, que menospreza a carreira do Delegado de Polícia, enviei aos colegas.Realmente, houve colegas que não receberam nossas moções, por diversos fatores tais como endereços desatualizados, etc. Aliás, elas foram enviadas porque todas as vezes que fiz uma moção de interesse de nossa segurança pública, uma das minhas bandeiras, envio para todos os colegas. É uma conduta que repito sempre e estou no livre exercicio de divulgação do meu mandato. Não seria ingênua a ponto de usar papel e correspondência do meu gabinete para ” dar suporte ao inimigo”. Sou loira mas não sou burra! As moções que fiz, tais como de Repúdio, várias vezes ao Governador, como as de apelo, para que revisse a proposta indecente que nos encaminhara ( a vontade era repudiar mesmo, mas o atual Presidente Sergio Roque me garantia que os colegas do interior ficaram satisfeitos com a gratificação e o acumulo de Unidade), foram enviadas aos colegas. O fato é que fiz várias moções pelos motivos mais diversos e sempre pedindo atenção à nossa classe, mas NÃO CONSTAM DO SITE DA ASSOCIAÇÃO, embora, oficialmente, como é de praxe, os interessados, do Governador aos colegas, inclusive o atual Presidente da ADPESP, foram comunicados.O incrível é que a moção de Campinas que foi colocada no site é do colega Vereador Paulo Oya e fui eu, apenas eu, entre os 33 Vereadores presentes, inclusive o autor da matéria, que fui à Tribuna para defendê-la porque conheço nossa realidade e não fiz a moção por mera formalidade.Meus caros colegas, estou à disposição de todos vocês. Confesso que nesta semana estarei muito tempo longe da Internet, mas enviem perguntas atraves da chapafenix.Sou Delegada de Policia muito antes de estar como Vereadora. Tem muitas pessoas que me admiram e muitas que me odeiam, mas uma coisa é certa: quem tem opinião e não tem medo ou vergonha de sua história, pode e deve dizer o que pensa.Somos agentes multiplicadores e este espaço tem nos permitido conhecer melhor um ao outro. Seria ótimo se os demais candidatos, que se recusaram ao debate, participassem pessoalmente deste espaço, que é um verdadeiro Fórum.Quanto a recusa do debate, mais uma vez, somos tratados como otários. Razão para não aceitação: ” não está previsto no Estatuto”. E desde quando o que a lei não proíbe é proibido, hein?Que Deus ilumine a consciencia de cada um neste momento tão vital para nossa Classe.Teresinha de Carvalho”Quaisquer dúvidas, estamos à disposição!Andreza 9 de Dezembro de 2007 16:41 Anônimo disse… Guerra é polêmico, sim.Tem coragem, sim.Não leva desaforo para casa, sim.Briga pelo que acha certo, sim.Não é político, nem pretende sê-lo, sim.Não é bajulador, nem mentiroso, sim.A ADPESP SÓ ESTARÁ EM EVIDENCIA,COM GUERRA NA PRESIDÊNCIA!! 9 de Dezembro de 2007 16:44 zé das couves disse… O GUERRA É TUCANO!!!O GUERRA É PSDB!!!!O GUERRA COLOCOU NA “GALERIA DE HONRA” DE SEU BLOG AQUELES QUE NOS PAGAM O PIOR SALÁRIO DO BRASIL!!!GUERRA APÓIA SERRA E ALCKMIN!!!!VOTAR NO GUERRA É VOTAR EM QUEM APOIA O PARTIDO QUE É RESPONSÁVEL PELA SITUAÇÃO ATUAL DE PENÚRIA DOS DELEGADOS DE POLÍCIA!!!! 9 de Dezembro de 2007 16:47 zé das couves disse… O GUERRA É TUCANO!!!O GUERRA É PSDB!!!!O GUERRA COLOCOU NA “GALERIA DE HONRA” DE SEU BLOG AQUELES QUE NOS PAGAM O PIOR SALÁRIO DO BRASIL!!!GUERRA APÓIA SERRA E ALCKMIN!!!!VOTAR NO GUERRA É VOTAR EM QUEM APOIA O PARTIDO QUE É RESPONSÁVEL PELA SITUAÇÃO ATUAL DE PENÚRIA DOS DELEGADOS DE POLÍCIA!!!! 9 de Dezembro de 2007 16:48 Zorro disse… Dra. TerezinhaA/C da Dra. AndrezaPeço que a senhora explique a todos e não apenas para mim, como a senhora fará para se dividir entre Campinas e São Paulo?Em Campinas a senhora tem família, casa, trabalho na camara municipal e como todos deve cuidar das compras, contas bancárias, empregada, cuidados pessoais de vários tipos (medico, cabeleleira, compra de roupas e acessórios, etc), duas sessões semanais na camara, atendimento pessoal do eleitorado que pede sua intervenção e também dirigir a sua assessoria e com ela manter contatos.Em São Paulo a Adpesp exigirá que a senhora venha todos os dias para presidir e dirigir uma entidade rica e cheia de problemas, que são diários e não podem acumular.Como a senhora vai se dividir não se esquecendo que as duas cidades estão separadas por certa distância com um tráfego intenso nelas e entre elas?Neste quadro quantas vezes por semana a senhora estará em São Paulo para dirigir a Adpesp?Estas são perguntas que acho que a senhora deve responder pois no futuro se eleita a senhora terá que cumprir o que disse agora. E não deve prometer o que não puder fazer para não perder a credibilidade.Doutora Andreza, estarei aguardando a resposta da Dra. Terezinha que deixei aos seus cuidados.Obrigado a ambas! 9 de Dezembro de 2007 17:03 Anônimo disse… A adpesp deve ser trampolim para vantagens individuais futuras, sejam na carreira, sejam na política?Vários pensaram ou pensam assim.No passado, o Fortunato, um presidente péssimo que quis ser senador e perdeu. No presente o Roque que quer ser classe especial e ai subir. E a Terezin(h)a que quer ir para a assembléia como deputada.Quem acha isto certo pode escolher um ou outro.Eu já escolhi o Dr. Guerra que é delegado e vai continuar delegado e que encara quem o maltrata sem medo das consequencias.Os delegados precisam de um representante assim, que brigue pela categoria. Por isto eu o escolhi.Fora Rock!Terezin(h)a no Piaui!Guerra presidente!!! 9 de Dezembro de 2007 17:14 Anônimo disse… Abaixo o Roque!Terezin(h)a no Piaui!GUERRA PRESIDENTE DA ADPESP!!! 9 de Dezembro de 2007 17:16 Caçador de 13s disse… O Guerra é tucano, enganação, está a serviço do Roque que também é tucano( pq será?)! Fênix 9 de Dezembro de 2007 17:20 Anônimo disse… O ze das couves ta certo !!! O caçador de 13 ta certo tambem !!! O GUERRA É PSDB !!!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO CLUBE DOS TREZE !!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO TREZE DE PIRACICABA !!!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO CLUBE TREZE DA PARAIBA !!!! NA ADPESP É CHAPA FENIX ! O RESTO É TUDO PUXA SACO DO TUCANATO ! 9 de Dezembro de 2007 17:27 Anônimo disse… O ze das couves ta certo !!! O caçador de 13 ta certo tambem !!! O GUERRA É PSDB !!!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO CLUBE DOS TREZE !!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO TREZE DE PIRACICABA !!!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO CLUBE TREZE DA PARAIBA !!!! NA ADPESP É CHAPA FENIX ! O RESTO É TUDO PUXA SACO DO TUCANATO ! 9 de Dezembro de 2007 17:34 Anônimo disse… O ze das couves ta certo !!! O caçador de 13 ta certo tambem !!! O GUERRA É PSDB !!!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO CLUBE DOS TREZE !!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO TREZE DE PIRACICABA !!!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO CLUBE TREZE DA PARAIBA !!!! NA ADPESP É CHAPA FENIX ! O RESTO É TUDO PUXA SACO DO TUCANATO ! 9 de Dezembro de 2007 17:35 Anônimo disse… O ze das couves ta certo !!! O caçador de 13 ta certo tambem !!! O GUERRA É PSDB !!!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO CLUBE DOS TREZE !!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO TREZE DE PIRACICABA !!!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO CLUBE TREZE DA PARAIBA !!!! NA ADPESP É CHAPA FENIX ! O RESTO É TUDO PUXA SACO DO TUCANATO ! 9 de Dezembro de 2007 17:37 Anônimo disse… Voce sao todos moleques !Por isso que isso nao vai pra frente ! Pede pra sair !Pede pra sair !Moleques !Ah proposito, Guerra 13 presidente ? Nunca seraaaa !So se for do 13 da Paraiba mesmo ! 9 de Dezembro de 2007 17:46 Diogo Parra disse… ENTRO EM PLENO DOMINGO PARA VER ISSO, REALMENTE É UMA VERGONHA!SO VEJO TRES CHAPASA DA SITUACAO QUE NAO PASSA DE UM VELHO POLITICO PUXA SACO SAFADO QUE NUNCA FAZ NADA E NUNCA FARA PORQUE TA MUITO BOM PRA ELE LA.A DO EMANUEL QUE NEM CAMPANHA FEZ POIS NAO VI NENHUM DOS COMPONENTES FALAREM UM A SEQUER, DEVE SER UMA CHAPA BRANCA SO PRA CONFUNDIR O ELEITORADO.E A CHAPA FENIX QUE É A UNICA QUE VI FAZER ALGO, E IR ATRAS INCLUSIVE NO MEU PLANTAO ALGUNS COMPONENTES PASSARAM POR LA E ATÉ GOSTEI DO QUE ME DISSERAM.OU SEJA, A UNICA QUE VI SE MEXER FOI A FENIX. PARABENS PARA SEUS MEMBROS. AGORA LENDO O POSTADO AQUI QUE VERGONHA, ESSE GUERRA AI NEM SEI QUEM É, QUE NEM O TAL DO ADEMAR, ENTAO DESCONSIDERO.DIOGO 9 de Dezembro de 2007 17:55 Amanda disse… Concordo com o colega Diogo acima.Chapa Fenix é a unica que pode nos representar como Delegados de Policia e nao como pobres coitados como estamos hoje em dia.BjsAmanda 9 de Dezembro de 2007 18:06 roberto conde guerra disse… ANDREZA; A tua amiga e canditada TERESINHA, na postagem acima, afirmou “SOU LOIRA MAS NÃO SOU BURRA!” (“sic”). Você, a colega Roberta e o professor Paulo Lew – obviamente , dominam os rudimentos da Filosofia e, especialmente,Lógica formal moderna. Assim, responda:ELA É LOIRA.MESMO LOIRA NÃO É BURRA. AS MILHARES DE LOIRAS O QUE SÃO? Você é loira? Se é loira e não é a Teresinha o que você é? Todas as Delegadas são e pensam como a Teresinha? 9 de Dezembro de 2007 18:59 roberto conde guerra disse… Que tal eu afirmar: SOU DELEGADO DE POLÍCIA, MAS NÃO SOU BURRO! 9 de Dezembro de 2007 19:02 zé das couves disse… O GUERRA É TUCANO!!!O GUERRA É PSDB!!!!O GUERRA COLOCOU NA “GALERIA DE HONRA” DE SEU BLOG AQUELES QUE NOS PAGAM O PIOR SALÁRIO DO BRASIL!!!GUERRA APÓIA SERRA E ALCKMIN!!!!VOTAR NO GUERRA É VOTAR EM QUEM APOIA O PARTIDO QUE É RESPONSÁVEL PELA SITUAÇÃO ATUAL DE PENÚRIA DOS DELEGADOS DE POLÍCIA!!!! 9 de Dezembro de 2007 19:17 roberto conde guerra disse… A Andreza ainda não respondeu!
Zé das Couves:
Novamente labora em erro, pois ser radical – pura e simplesmente – é ir ao ponto da questão, ou seja, a raiz.
O único radical por aqui – afastada a hipócrita modéstia – tem o nome Roberto Conde Guerra.
E a questão radicial é o Delegado permanecer fora da realidade, despreparado e descompromissado, achando-se uma grande coisa ou um grande ser.
GRANDE SER…
SERVIL…
UM SER VIL!
9 de Dezembro de 2007 19:32 madureira disse… Estou com o zé das couves e o anônimo.Chega de pelegos tucanos na ADPESP!Só mesmo a FÊNIX para resgatar nossa auto-estima e nossa dignidade. 9 de Dezembro de 2007 19:32 zé das couves disse… GUERRA:VOCÊ É TUCANO E APOIA AQUELES QUE NOS PAGAM O PIOR SALÁRIO DO PSDB!A ADPESP PRECISA DE TUDO MENOS DE PELEGOS! 9 de Dezembro de 2007 19:35 roberto conde guerra disse…
Como você pretende ganhar bem.
O teu nível mental é muito baixo.
9 de Dezembro de 2007 19:47 zé das couves disse… [b]FORA OS PELEGOS!!!!FORA OS PUXA-SACOS DO PSDB!!!!!FORA OS OPORTUNISTAS E OS BAJULADORES DE SERRA E ALCKMIM!!![/b] 9 de Dezembro de 2007 19:50 zé das couves disse… O GUERRA É TUCANO!!!O GUERRA É PSDB!!!!O GUERRA COLOCOU NA “GALERIA DE HONRA” DE SEU BLOG AQUELES QUE NOS PAGAM O PIOR SALÁRIO DO BRASIL!!!GUERRA APÓIA SERRA E ALCKMIN!!!!VOTAR NO GUERRA É VOTAR EM QUEM APOIA O PARTIDO QUE É RESPONSÁVEL PELA SITUAÇÃO ATUAL DE PENÚRIA DOS DELEGADOS DE POLÍCIA!!!! 9 de Dezembro de 2007 19:51 roberto conde guerra disse…
A nossa situação de penúria decorre do fato de sermos ignaros, truculentos, corruptos e exploradores dos subordinados.
Nada relacionada com ideologias partidarias.
A Andreza não responderá?

ME EMPRESTE CRÉDITO E CONFIANÇA ATRAVÉS DO SEU VOTO Resposta

  • Eu já refleti o suficiente; a classe precisa se livrar de personagens “duas caras”. A candidata escolhida a dedo pelo colega Paulo lew é uma delas. A qual não sei o motivo resolveu me dedicar ofensas “pelas costas”… Em respeito à idade dela tive até que muita paciência. Mas naquilo que depender de mim ela não será eleita. Para mim é indigna até do eleitorado de Campinas. E até que prove empregou verba e material do gabinete em campanha da Adpesp; além de quebra de decoro ao chamar o governador de crápula e todo o PSDB de crápula. É crápula quem quer… é corrupto quem quer; fosse o contrário seriamos todos bandidos por conta do grande numero deles na polícia. E lá esta o PEPC para fazer prova.
    4 de Dezembro de 2007 01:17

    roberto conde guerra disse…
    Digo: até que ela me prove o contrário praticou improbidade administrativa…
    4 de Dezembro de 2007 01:19

    Anônimo disse…
    Dr. vamos pensar juntos:o Sr acredita ter condições de conseguir votos suficientes para se eleger ? caso ache viavel e no eventual vitória dos outros integrantes da chapa rumo certo? como ficaria sua gestão ? por tudo isso, temos de partir para o seguinte conclusão eleger ” o menos ruim” ou então um dos candidatos a presidente oposicionista desistir da disputa
    4 de Dezembro de 2007 12:56
    roberto conde guerra disse…
    Se depender do meu trabalho em busca de votos e do meu pedido por votos: 0(zero) voto receberei. E aquilo que, verdadeiramente, se encontra no intímo dos consortes não tenho como aquilatar. Agora – apenas para responder-lhe, se for eleito trabalharei tranquilamente com qualquer um dos demais membros eleitos. Como Delegado de Polícia trabalho com quaisquer pessoas, nunca necessitei de “time de confiança”. As obrigações de cada um são estatutárias; para mim é suficiente a estrita obediência ao estatuto. Nada mais do que a estrita obediência do estatuto. E naquilo que for da maior importância para o futuro da carreira submeterei a prévia consulta de todos os sócios; independentemente de tais consultas serem previstas no estatuto. Agora lhe digo aquilo que não permitirei: nenhuma festividade de posse. E nenhuma outra festividade sem previa aprovação dos custos pelos sócios e comparecimento de sócios de todas as seccionais deste Estado, tal como se fazia quando ingressei em 1988. Enquanto nenhum Delegado do Pontal puder participar por falta de recursos. disponibilidade de tempo, transporte e estadia, não haverá festivas na Adpesp. Todos ou nenhum.
    4 de Dezembro de 2007 20:03

    Anônimo disse…
    dr. entendo o seguinte já que entrou numa disputa para eleição `a Presidente da adpesp o sr. tem sim de buscar votos pois sabemos que é assim que se ganha eleições,portanto isso discordo de v.s. mas por outro lado quanto as outras considerações todos os candidatos deveriam usar suas palavras como parametro numa eventual vitória são perfeitas.
    4 de Dezembro de 2007 21:00
    roberto conde guerra disse… Então começarei neste momento; pedindo-lhe que me empreste crédito e confiança através do seu voto.

SE FOSSE PRESIDENTE DA ADPESP – INICIALMENTE 1

Se fosse presidente:
 
 
Depositaria minha carteira funcional aos cuidados do diretor da comissão de ética, cujo resgate se daria ao final da gestão.
 
E em traindo quaisquer destes compromissos básicos ou qualquer princípio maior em prejuízo dos colegas, a rasgarei e picarei em público; para jamais voltar a por os pés na Adpesp.
Não faria festividades de posse, apenas os atos formais.
Não faria festas, sem prévia consulta e aprovação dos pares; com a presença
de consortes de todas as seccionais; assegurando-se, transporte e hospedagem.
OU TODOS OU NINGUEM!
Nunca deixaria de responder ,pessoalmente ,as consultas dos sócios.
Não deixaria de convocar um sócio como representante da Adpesp em cada seccional; que ficaria incumbido de pronta assistência ao colega e familiares, nos casos de dificuldades, doença e morte;
Não deixaria de inspecionar as Unidades de todo o Estado;
Não deixaria de obter o número e lotação de todos os Delegados;
O número e lotação de todos os funcionários das carreiras policiais;
O número de funcionários “emprestados”, os locais e as funções efetivamente desenvolvidas;
Fiscalizar as escalas de serviço das autoridades, as condições das instalações e os recursos humanos e materiais postos a disposição da autoridade;
Elaboração de levantamento dos claros com o fim de ajuizar Ação Civil Pública visando obrigar o Estado à disponibilização, pela criação de concursos, de funcionários cujo número decresceu nos últimos anos; concomitantemente ao aumento da população e dos índices criminais;
Tudo com o fim de auxiliar o Estado na gestão da Polícia Civil, elaborando relatórios, pareceres, sugestões, elogios e, sendo o caso, comunicando as irregularidades para adoção das providências.
Coibir os abusos praticados pelos Delegados ocupantes das classes superiores; conforme o caso submetendo-os ao conselho de ética visando sua exclusão ou censura em face da infração;
Faria com que imediatamente novo Estatuto e Código de ética fossem elaborados e aprovados;
JAMAIS EMITIRIA MINHAS CONVICÇÕES E OPINIÕES PESSOAIS COMO REPRESENTANTE DA CLASSE.
TRANSMITINDO APENAS AS POSIÇÕES DA MAIORIA DA CLASSE.
JAMAIS ATACARIA INSTITUIÇÃO OU AUTORIDADE DE OUTRO ÓRGÃO NA QUALIDADE DE REPRESENTANTE DA CLASSE. BUSCANDO APROXIMAÇÃO COM TODAS AS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DO FUNCIONALISMO.
Tão logo assumisse o cargo – prontos os levantamentos sobre o pessoal da Polícia Civil, material e Unidades – formalmente requereria audiência perante o Exmº Governador.
Munido de toda a documentação e memorando pertinentes as necessidades e anseios urgentes.
Jamais compareceria a DGP, salvo formalmente convocado; ou para prestar assistência a consorte.
Cuidar dos gastos da Adpesp, de forma a fortalecer o caixa para financiamento
de “apólice coletiva de seguro saúde” – como possuíamos anteriormente – pagável pelos consortes e quaisquer policiais civis como outrora.
Nunca gastaria um centavo em prol da Adpesp e para praticar os atos próprios da gestão.
Também, jamais pegaria um centavo da Adpesp, ou seja, nenhum valor pertencente aos colegas será dilapidado ou desviado em proveito próprio.
Submeter assuntos de maior importância aos consortes, obtendo aprovação prévia para deliberar sobre eles.
Nunca silenciar sobre gravames em desfavor da Carreira;
Defender todo consorte aviltado em seus direitos por superior, ou quaisquer autoridades; adotando as providencias judiciais e administrativas cabíveis.

Exortar a ética na relação entre os Delegados, adotando medidas de conscientização no sentido de que a sonhada valorização funcional e salarial virá do implacável combate aos focos de corrupção administrativa;
Fiscalizar as promoções e indicações, denunciando – se necessário publicamente – os desvios e a desqualificação do indicado.
Exortar os colegas, através de seminários, cursos e publicações, sobre uma nova postura a ser adotada por todos, com o fim de nos livrarmos do estereótipo do delegado bêbado, truculento e ignaro.
Publicação no site semanalmente de todos os gastos efetuados e das cotações dos preços.
Adquirir o melhor pelo menor preço.
Todos os “repasses de descontos e comissões” em prol da Adpesp.
Contratação de assistência jurídica de ponta em matéria constitucional e administrativa, sem prejuízo dos colegas advogados permanecerem e integrarem o quadro de defensores, salvo dispensa por desídia.
Assistência jurídica de ponta que poderá colaborar com os advogados membros do nosso quadro; a qual deverá contar com gabinetes para atendimento na sede da adpesp.
Outras propostas já constam neste blog.
 
Código de Ética Art.1º – O presente Código dispõe sobre os princípios éticos que devem nortear o exercício das prerrogativas do associado da ADPESP, dos seus direitos e deveres sociais, dentro dos limites do bom senso, da decência e do respeito. Art.2º – Ética é o conjunto de juízos de valor referentes à conduta humana suscetível de qualificação do ponto de vista do bem, quer seja relativamente a determinada sociedade, quer seja de modo absoluto. Art.3º – Para o associado da ADPESP, Ética é a conduta social capaz de gerar efeitos positivos na Entidade e em sua essência comunitária, no relacionamento com seus pares ou com membros da sociedade. Art.4º – São preceitos éticos do associado da ADPESP, dentre outros; I – dignidade funcional e pessoal; II – respeito aos direitos individuais e coletivos; III – consciência e zelo profissional; IV – desprendimento e altruísmo; V – independência intelectual e profissional; VI – solidariedade; VII – estima pessoal; VIII – probidade; e IX – lealdade. Art.5º – São deveres éticos do associado da ADPESP, dentre outros; I – conduzir-se com absoluta dignidade na vida profissional ou social, demonstrando respeito pelo cargo que ocupa, qualquer que seja o seu nível hierárquico, e profundo apreço e fidalguia em suas relações interpessoais; II – ter sempre presente que os direitos individuais e coletivos são os limites que orientam a conduta humana; III – demonstrar elevado nível de consciência e zelo profissional; IV – haver-se com desprendimento e altruísmo, que são formas abnegadas de se dedicar aos seus afazeres, sem permitir que desejos pessoais ou corporativos se sobreponham aos interesses de todos; V – exercer sua atividade profissional com independência, fundamentada na liberdade de investigação e na dignidade da pessoa humana, livre de pressões ou influências; VI – pautar seus atos por rígidos princípios morais, de modo a adquirir o respeito, a estima e a admiração dos seus colegas, das partes e de todas as pessoas com quem se relacionar; VII – desenvolver a auto-estima, cuidando sempre para que a corrupção moral ou afetiva não deforme o seu caráter; VIII – atender bem as pessoas que lhe procuram, seja profissional ou particularmente, orientando-as sempre de acordo com os ditames legais, sem perder de vista o julgamento de sua própria consciência; IX – manifestar a sua solidariedade com os movimentos que considerar justos e enquanto assim permanecerem, em defesa da classe ou de seus interesses coletivos, desde que não contrariem a sua própria consciência; X – abster-se, sempre, de manifestar opiniões que possam ser traduzidas como preconceito religioso, racial, político ou social; XI – comunicar ao Conselho de Ética ter sido cometido em função em que tenha mando sobre superiores hierárquicos; XII – tratar com urbanidade os subordinados, sem abrir mão de sua autoridade; XIII- desempenhar, com zelo e probidade, os encargos que lhe forem cometidos pelos Dirigentes da ADPESP; XIV – solicitar dispensa de função de confiança que eventualmente ocupe, tão logo se positive incompatibilidade com as orientações superiores, cuidando para que o interesse social ou funcional não seja prejudicado com sua ação; XV – ser leal e solidário com seus colegas, contribuindo para a harmonia da classe e defesa dos interesses comuns; XVI- prestar ao colega associado, sempre que possível, assistência de qualquer ordem ou natureza no que for de direito e de justiça; XVII – evitar comentários ou referências prejudiciais ao convívio dos integrantes da classe; XVIII – prestar seu concurso moral, intelectual ou material em favor do êxito das campanhas promovidas pela classe; XIX – interessar-se pelo bem público; XX – interessar-se pelo fiel cumprimento dos preceitos morais, constitucionais e legais que regem a vida das instituições e a conduta dos povos, não emprestando seu apoio moral, intelectual ou material a nenhuma ação que possa comprometer os superiores interesses nacionais; e XXI – tomar por norma, na vida pública e particular, o trabalho, a solidariedade, a tolerância e a racionalidade, não esquecendo que os valores legítimos e eternos são incompatíveis com a mentira, por ser a verdade um imperativo na vida de qualquer pessoa. Art. 6º – A crítica a colegas não deverá ser feita em público ou em presença de pessoas estranhas à classe. Art. 7º – O associado da ADPESP deverá evitar as seguintes condutas, por serem consideradas antiéticas. I – delegar suas atribuições privativas; II – assinar documentos elaborados por terceiros ou vice-versa, que possam comprometer a dignidade da classe; III – pronunciar-se sobre assuntos que estejam sob responsabilidade de outro colega, a não ser a pedido deste; IV – comentar, fora do círculo da classe, atitudes ou ações infelizes de seus colegas; V – criticar o exercício de atividade de outras profissões; VI – promiscuir-se com subordinado hierárquico, dentro ou fora de suas funções; VII – criticar publicamente o órgão de classe, não sendo defeso fazê-lo em reunião do mesmo ou por documento classificado; VIII – ter receio de desagradar a quem quer que seja, ou incorrer em impopularidade, no cumprimento de seu dever; IX – valer-se de mandato eletivo ou função administrativa na ADPESP em proveito próprio ou para auferir vantagem ilícita; X – referir-se, em público, de forma desrespeitosa ou depreciativa a autoridade constituída; XI – insinuar-se, perante os dirigentes, em favor da própria indicação para chefias, representações ou funções, no órgão ou fora dele; XII – deixar de atender a solicitações ou convocações para instrução de processo ético; e XIII – infringir qualquer dos dispositivos contidos no Estatuto ou neste Código de Ética. Art. 8º – Ao tomar conhecimento de qualquer infração às normas que regem a vida da ADPESP, o Conselho de Ética adotará, de imediato, as providências definidas no Estatuto. Art. 9º – A competência originária para julgamento dos processos instruídos pelo Conselho de Ética pertence à Diretoria Executiva. Art. 10 – O Conselho de Ética deliberará: a – “ de ofício”; b – em conseqüência de representação de: 1 – autoridade constituída; 2 – qualquer dos associados; 3 – pessoa estranha ao quadro, interessada no caso. Parágrafo único – O Conselho de Ética somente acolherá a representação que estiver devidamente assinada pelo interessado ou seu representante legal e instruída com, pelo menos, indícios alusivos ao alegado. Art.11 – As infrações às normas do Código de Ética estão sujeitas às seguintes penalidades; I – advertência; II – suspensão; III – perda de mandato; e IV – eliminação do quadro social. Parágrafo único – O Conselho de Ética, ao propor à Diretoria Executiva a penalidade que julgar cabível, levará em conta o dano que a falta vier a causar à Entidade, ao seu quadro social como um todo ou ao associado em particular. Art.12 – Quando houver dúvida em torno de questões de ética não contempladas no Estatuto ou neste Código, o Conselho de Ética, antes de iniciar as investigações, submeterá o assunto à Diretoria Executiva, que, em reunião reservada, decidirá pela realização da investigação. Art.13 – Este código entra em vigor na data de sua publicação em órgão de divulgação da ADPESP.