DEBATES: AS RAPINAS CONTRA UM TUCANO! ELA É LOIRA MAS NÃO É BURRA! Resposta

Publico parte de um e-mail da candidata à presidência da ADPESP Teresinha (que autorizou a publicação, lógico), dando algumas explicações:“Todas as moções que elaborei ao longo de meus sete anos como Vereadora, sempre tentando sensibilizar o Governador, que menospreza a carreira do Delegado de Polícia, enviei aos colegas.Realmente, houve colegas que não receberam nossas moções, por diversos fatores tais como endereços desatualizados, etc. Aliás, elas foram enviadas porque todas as vezes que fiz uma moção de interesse de nossa segurança pública, uma das minhas bandeiras, envio para todos os colegas. É uma conduta que repito sempre e estou no livre exercicio de divulgação do meu mandato. Não seria ingênua a ponto de usar papel e correspondência do meu gabinete para ” dar suporte ao inimigo”. Sou loira mas não sou burra! As moções que fiz, tais como de Repúdio, várias vezes ao Governador, como as de apelo, para que revisse a proposta indecente que nos encaminhara ( a vontade era repudiar mesmo, mas o atual Presidente Sergio Roque me garantia que os colegas do interior ficaram satisfeitos com a gratificação e o acumulo de Unidade), foram enviadas aos colegas. O fato é que fiz várias moções pelos motivos mais diversos e sempre pedindo atenção à nossa classe, mas NÃO CONSTAM DO SITE DA ASSOCIAÇÃO, embora, oficialmente, como é de praxe, os interessados, do Governador aos colegas, inclusive o atual Presidente da ADPESP, foram comunicados.O incrível é que a moção de Campinas que foi colocada no site é do colega Vereador Paulo Oya e fui eu, apenas eu, entre os 33 Vereadores presentes, inclusive o autor da matéria, que fui à Tribuna para defendê-la porque conheço nossa realidade e não fiz a moção por mera formalidade.Meus caros colegas, estou à disposição de todos vocês. Confesso que nesta semana estarei muito tempo longe da Internet, mas enviem perguntas atraves da chapafenix.Sou Delegada de Policia muito antes de estar como Vereadora. Tem muitas pessoas que me admiram e muitas que me odeiam, mas uma coisa é certa: quem tem opinião e não tem medo ou vergonha de sua história, pode e deve dizer o que pensa.Somos agentes multiplicadores e este espaço tem nos permitido conhecer melhor um ao outro. Seria ótimo se os demais candidatos, que se recusaram ao debate, participassem pessoalmente deste espaço, que é um verdadeiro Fórum.Quanto a recusa do debate, mais uma vez, somos tratados como otários. Razão para não aceitação: ” não está previsto no Estatuto”. E desde quando o que a lei não proíbe é proibido, hein?Que Deus ilumine a consciencia de cada um neste momento tão vital para nossa Classe.Teresinha de Carvalho”Quaisquer dúvidas, estamos à disposição!Andreza 9 de Dezembro de 2007 16:41 Anônimo disse… Guerra é polêmico, sim.Tem coragem, sim.Não leva desaforo para casa, sim.Briga pelo que acha certo, sim.Não é político, nem pretende sê-lo, sim.Não é bajulador, nem mentiroso, sim.A ADPESP SÓ ESTARÁ EM EVIDENCIA,COM GUERRA NA PRESIDÊNCIA!! 9 de Dezembro de 2007 16:44 zé das couves disse… O GUERRA É TUCANO!!!O GUERRA É PSDB!!!!O GUERRA COLOCOU NA “GALERIA DE HONRA” DE SEU BLOG AQUELES QUE NOS PAGAM O PIOR SALÁRIO DO BRASIL!!!GUERRA APÓIA SERRA E ALCKMIN!!!!VOTAR NO GUERRA É VOTAR EM QUEM APOIA O PARTIDO QUE É RESPONSÁVEL PELA SITUAÇÃO ATUAL DE PENÚRIA DOS DELEGADOS DE POLÍCIA!!!! 9 de Dezembro de 2007 16:47 zé das couves disse… O GUERRA É TUCANO!!!O GUERRA É PSDB!!!!O GUERRA COLOCOU NA “GALERIA DE HONRA” DE SEU BLOG AQUELES QUE NOS PAGAM O PIOR SALÁRIO DO BRASIL!!!GUERRA APÓIA SERRA E ALCKMIN!!!!VOTAR NO GUERRA É VOTAR EM QUEM APOIA O PARTIDO QUE É RESPONSÁVEL PELA SITUAÇÃO ATUAL DE PENÚRIA DOS DELEGADOS DE POLÍCIA!!!! 9 de Dezembro de 2007 16:48 Zorro disse… Dra. TerezinhaA/C da Dra. AndrezaPeço que a senhora explique a todos e não apenas para mim, como a senhora fará para se dividir entre Campinas e São Paulo?Em Campinas a senhora tem família, casa, trabalho na camara municipal e como todos deve cuidar das compras, contas bancárias, empregada, cuidados pessoais de vários tipos (medico, cabeleleira, compra de roupas e acessórios, etc), duas sessões semanais na camara, atendimento pessoal do eleitorado que pede sua intervenção e também dirigir a sua assessoria e com ela manter contatos.Em São Paulo a Adpesp exigirá que a senhora venha todos os dias para presidir e dirigir uma entidade rica e cheia de problemas, que são diários e não podem acumular.Como a senhora vai se dividir não se esquecendo que as duas cidades estão separadas por certa distância com um tráfego intenso nelas e entre elas?Neste quadro quantas vezes por semana a senhora estará em São Paulo para dirigir a Adpesp?Estas são perguntas que acho que a senhora deve responder pois no futuro se eleita a senhora terá que cumprir o que disse agora. E não deve prometer o que não puder fazer para não perder a credibilidade.Doutora Andreza, estarei aguardando a resposta da Dra. Terezinha que deixei aos seus cuidados.Obrigado a ambas! 9 de Dezembro de 2007 17:03 Anônimo disse… A adpesp deve ser trampolim para vantagens individuais futuras, sejam na carreira, sejam na política?Vários pensaram ou pensam assim.No passado, o Fortunato, um presidente péssimo que quis ser senador e perdeu. No presente o Roque que quer ser classe especial e ai subir. E a Terezin(h)a que quer ir para a assembléia como deputada.Quem acha isto certo pode escolher um ou outro.Eu já escolhi o Dr. Guerra que é delegado e vai continuar delegado e que encara quem o maltrata sem medo das consequencias.Os delegados precisam de um representante assim, que brigue pela categoria. Por isto eu o escolhi.Fora Rock!Terezin(h)a no Piaui!Guerra presidente!!! 9 de Dezembro de 2007 17:14 Anônimo disse… Abaixo o Roque!Terezin(h)a no Piaui!GUERRA PRESIDENTE DA ADPESP!!! 9 de Dezembro de 2007 17:16 Caçador de 13s disse… O Guerra é tucano, enganação, está a serviço do Roque que também é tucano( pq será?)! Fênix 9 de Dezembro de 2007 17:20 Anônimo disse… O ze das couves ta certo !!! O caçador de 13 ta certo tambem !!! O GUERRA É PSDB !!!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO CLUBE DOS TREZE !!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO TREZE DE PIRACICABA !!!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO CLUBE TREZE DA PARAIBA !!!! NA ADPESP É CHAPA FENIX ! O RESTO É TUDO PUXA SACO DO TUCANATO ! 9 de Dezembro de 2007 17:27 Anônimo disse… O ze das couves ta certo !!! O caçador de 13 ta certo tambem !!! O GUERRA É PSDB !!!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO CLUBE DOS TREZE !!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO TREZE DE PIRACICABA !!!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO CLUBE TREZE DA PARAIBA !!!! NA ADPESP É CHAPA FENIX ! O RESTO É TUDO PUXA SACO DO TUCANATO ! 9 de Dezembro de 2007 17:34 Anônimo disse… O ze das couves ta certo !!! O caçador de 13 ta certo tambem !!! O GUERRA É PSDB !!!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO CLUBE DOS TREZE !!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO TREZE DE PIRACICABA !!!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO CLUBE TREZE DA PARAIBA !!!! NA ADPESP É CHAPA FENIX ! O RESTO É TUDO PUXA SACO DO TUCANATO ! 9 de Dezembro de 2007 17:35 Anônimo disse… O ze das couves ta certo !!! O caçador de 13 ta certo tambem !!! O GUERRA É PSDB !!!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO CLUBE DOS TREZE !!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO TREZE DE PIRACICABA !!!!GUERRA PRA PRESIDENTE DO CLUBE TREZE DA PARAIBA !!!! NA ADPESP É CHAPA FENIX ! O RESTO É TUDO PUXA SACO DO TUCANATO ! 9 de Dezembro de 2007 17:37 Anônimo disse… Voce sao todos moleques !Por isso que isso nao vai pra frente ! Pede pra sair !Pede pra sair !Moleques !Ah proposito, Guerra 13 presidente ? Nunca seraaaa !So se for do 13 da Paraiba mesmo ! 9 de Dezembro de 2007 17:46 Diogo Parra disse… ENTRO EM PLENO DOMINGO PARA VER ISSO, REALMENTE É UMA VERGONHA!SO VEJO TRES CHAPASA DA SITUACAO QUE NAO PASSA DE UM VELHO POLITICO PUXA SACO SAFADO QUE NUNCA FAZ NADA E NUNCA FARA PORQUE TA MUITO BOM PRA ELE LA.A DO EMANUEL QUE NEM CAMPANHA FEZ POIS NAO VI NENHUM DOS COMPONENTES FALAREM UM A SEQUER, DEVE SER UMA CHAPA BRANCA SO PRA CONFUNDIR O ELEITORADO.E A CHAPA FENIX QUE É A UNICA QUE VI FAZER ALGO, E IR ATRAS INCLUSIVE NO MEU PLANTAO ALGUNS COMPONENTES PASSARAM POR LA E ATÉ GOSTEI DO QUE ME DISSERAM.OU SEJA, A UNICA QUE VI SE MEXER FOI A FENIX. PARABENS PARA SEUS MEMBROS. AGORA LENDO O POSTADO AQUI QUE VERGONHA, ESSE GUERRA AI NEM SEI QUEM É, QUE NEM O TAL DO ADEMAR, ENTAO DESCONSIDERO.DIOGO 9 de Dezembro de 2007 17:55 Amanda disse… Concordo com o colega Diogo acima.Chapa Fenix é a unica que pode nos representar como Delegados de Policia e nao como pobres coitados como estamos hoje em dia.BjsAmanda 9 de Dezembro de 2007 18:06 roberto conde guerra disse… ANDREZA; A tua amiga e canditada TERESINHA, na postagem acima, afirmou “SOU LOIRA MAS NÃO SOU BURRA!” (“sic”). Você, a colega Roberta e o professor Paulo Lew – obviamente , dominam os rudimentos da Filosofia e, especialmente,Lógica formal moderna. Assim, responda:ELA É LOIRA.MESMO LOIRA NÃO É BURRA. AS MILHARES DE LOIRAS O QUE SÃO? Você é loira? Se é loira e não é a Teresinha o que você é? Todas as Delegadas são e pensam como a Teresinha? 9 de Dezembro de 2007 18:59 roberto conde guerra disse… Que tal eu afirmar: SOU DELEGADO DE POLÍCIA, MAS NÃO SOU BURRO! 9 de Dezembro de 2007 19:02 zé das couves disse… O GUERRA É TUCANO!!!O GUERRA É PSDB!!!!O GUERRA COLOCOU NA “GALERIA DE HONRA” DE SEU BLOG AQUELES QUE NOS PAGAM O PIOR SALÁRIO DO BRASIL!!!GUERRA APÓIA SERRA E ALCKMIN!!!!VOTAR NO GUERRA É VOTAR EM QUEM APOIA O PARTIDO QUE É RESPONSÁVEL PELA SITUAÇÃO ATUAL DE PENÚRIA DOS DELEGADOS DE POLÍCIA!!!! 9 de Dezembro de 2007 19:17 roberto conde guerra disse… A Andreza ainda não respondeu!
Zé das Couves:
Novamente labora em erro, pois ser radical – pura e simplesmente – é ir ao ponto da questão, ou seja, a raiz.
O único radical por aqui – afastada a hipócrita modéstia – tem o nome Roberto Conde Guerra.
E a questão radicial é o Delegado permanecer fora da realidade, despreparado e descompromissado, achando-se uma grande coisa ou um grande ser.
GRANDE SER…
SERVIL…
UM SER VIL!
9 de Dezembro de 2007 19:32 madureira disse… Estou com o zé das couves e o anônimo.Chega de pelegos tucanos na ADPESP!Só mesmo a FÊNIX para resgatar nossa auto-estima e nossa dignidade. 9 de Dezembro de 2007 19:32 zé das couves disse… GUERRA:VOCÊ É TUCANO E APOIA AQUELES QUE NOS PAGAM O PIOR SALÁRIO DO PSDB!A ADPESP PRECISA DE TUDO MENOS DE PELEGOS! 9 de Dezembro de 2007 19:35 roberto conde guerra disse…
Como você pretende ganhar bem.
O teu nível mental é muito baixo.
9 de Dezembro de 2007 19:47 zé das couves disse… [b]FORA OS PELEGOS!!!!FORA OS PUXA-SACOS DO PSDB!!!!!FORA OS OPORTUNISTAS E OS BAJULADORES DE SERRA E ALCKMIM!!![/b] 9 de Dezembro de 2007 19:50 zé das couves disse… O GUERRA É TUCANO!!!O GUERRA É PSDB!!!!O GUERRA COLOCOU NA “GALERIA DE HONRA” DE SEU BLOG AQUELES QUE NOS PAGAM O PIOR SALÁRIO DO BRASIL!!!GUERRA APÓIA SERRA E ALCKMIN!!!!VOTAR NO GUERRA É VOTAR EM QUEM APOIA O PARTIDO QUE É RESPONSÁVEL PELA SITUAÇÃO ATUAL DE PENÚRIA DOS DELEGADOS DE POLÍCIA!!!! 9 de Dezembro de 2007 19:51 roberto conde guerra disse…
A nossa situação de penúria decorre do fato de sermos ignaros, truculentos, corruptos e exploradores dos subordinados.
Nada relacionada com ideologias partidarias.
A Andreza não responderá?

ME EMPRESTE CRÉDITO E CONFIANÇA ATRAVÉS DO SEU VOTO Resposta

  • Eu já refleti o suficiente; a classe precisa se livrar de personagens “duas caras”. A candidata escolhida a dedo pelo colega Paulo lew é uma delas. A qual não sei o motivo resolveu me dedicar ofensas “pelas costas”… Em respeito à idade dela tive até que muita paciência. Mas naquilo que depender de mim ela não será eleita. Para mim é indigna até do eleitorado de Campinas. E até que prove empregou verba e material do gabinete em campanha da Adpesp; além de quebra de decoro ao chamar o governador de crápula e todo o PSDB de crápula. É crápula quem quer… é corrupto quem quer; fosse o contrário seriamos todos bandidos por conta do grande numero deles na polícia. E lá esta o PEPC para fazer prova.
    4 de Dezembro de 2007 01:17

    roberto conde guerra disse…
    Digo: até que ela me prove o contrário praticou improbidade administrativa…
    4 de Dezembro de 2007 01:19

    Anônimo disse…
    Dr. vamos pensar juntos:o Sr acredita ter condições de conseguir votos suficientes para se eleger ? caso ache viavel e no eventual vitória dos outros integrantes da chapa rumo certo? como ficaria sua gestão ? por tudo isso, temos de partir para o seguinte conclusão eleger ” o menos ruim” ou então um dos candidatos a presidente oposicionista desistir da disputa
    4 de Dezembro de 2007 12:56
    roberto conde guerra disse…
    Se depender do meu trabalho em busca de votos e do meu pedido por votos: 0(zero) voto receberei. E aquilo que, verdadeiramente, se encontra no intímo dos consortes não tenho como aquilatar. Agora – apenas para responder-lhe, se for eleito trabalharei tranquilamente com qualquer um dos demais membros eleitos. Como Delegado de Polícia trabalho com quaisquer pessoas, nunca necessitei de “time de confiança”. As obrigações de cada um são estatutárias; para mim é suficiente a estrita obediência ao estatuto. Nada mais do que a estrita obediência do estatuto. E naquilo que for da maior importância para o futuro da carreira submeterei a prévia consulta de todos os sócios; independentemente de tais consultas serem previstas no estatuto. Agora lhe digo aquilo que não permitirei: nenhuma festividade de posse. E nenhuma outra festividade sem previa aprovação dos custos pelos sócios e comparecimento de sócios de todas as seccionais deste Estado, tal como se fazia quando ingressei em 1988. Enquanto nenhum Delegado do Pontal puder participar por falta de recursos. disponibilidade de tempo, transporte e estadia, não haverá festivas na Adpesp. Todos ou nenhum.
    4 de Dezembro de 2007 20:03

    Anônimo disse…
    dr. entendo o seguinte já que entrou numa disputa para eleição `a Presidente da adpesp o sr. tem sim de buscar votos pois sabemos que é assim que se ganha eleições,portanto isso discordo de v.s. mas por outro lado quanto as outras considerações todos os candidatos deveriam usar suas palavras como parametro numa eventual vitória são perfeitas.
    4 de Dezembro de 2007 21:00
    roberto conde guerra disse… Então começarei neste momento; pedindo-lhe que me empreste crédito e confiança através do seu voto.

SE FOSSE PRESIDENTE DA ADPESP – INICIALMENTE 1

Se fosse presidente:
 
 
Depositaria minha carteira funcional aos cuidados do diretor da comissão de ética, cujo resgate se daria ao final da gestão.
 
E em traindo quaisquer destes compromissos básicos ou qualquer princípio maior em prejuízo dos colegas, a rasgarei e picarei em público; para jamais voltar a por os pés na Adpesp.
Não faria festividades de posse, apenas os atos formais.
Não faria festas, sem prévia consulta e aprovação dos pares; com a presença
de consortes de todas as seccionais; assegurando-se, transporte e hospedagem.
OU TODOS OU NINGUEM!
Nunca deixaria de responder ,pessoalmente ,as consultas dos sócios.
Não deixaria de convocar um sócio como representante da Adpesp em cada seccional; que ficaria incumbido de pronta assistência ao colega e familiares, nos casos de dificuldades, doença e morte;
Não deixaria de inspecionar as Unidades de todo o Estado;
Não deixaria de obter o número e lotação de todos os Delegados;
O número e lotação de todos os funcionários das carreiras policiais;
O número de funcionários “emprestados”, os locais e as funções efetivamente desenvolvidas;
Fiscalizar as escalas de serviço das autoridades, as condições das instalações e os recursos humanos e materiais postos a disposição da autoridade;
Elaboração de levantamento dos claros com o fim de ajuizar Ação Civil Pública visando obrigar o Estado à disponibilização, pela criação de concursos, de funcionários cujo número decresceu nos últimos anos; concomitantemente ao aumento da população e dos índices criminais;
Tudo com o fim de auxiliar o Estado na gestão da Polícia Civil, elaborando relatórios, pareceres, sugestões, elogios e, sendo o caso, comunicando as irregularidades para adoção das providências.
Coibir os abusos praticados pelos Delegados ocupantes das classes superiores; conforme o caso submetendo-os ao conselho de ética visando sua exclusão ou censura em face da infração;
Faria com que imediatamente novo Estatuto e Código de ética fossem elaborados e aprovados;
JAMAIS EMITIRIA MINHAS CONVICÇÕES E OPINIÕES PESSOAIS COMO REPRESENTANTE DA CLASSE.
TRANSMITINDO APENAS AS POSIÇÕES DA MAIORIA DA CLASSE.
JAMAIS ATACARIA INSTITUIÇÃO OU AUTORIDADE DE OUTRO ÓRGÃO NA QUALIDADE DE REPRESENTANTE DA CLASSE. BUSCANDO APROXIMAÇÃO COM TODAS AS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DO FUNCIONALISMO.
Tão logo assumisse o cargo – prontos os levantamentos sobre o pessoal da Polícia Civil, material e Unidades – formalmente requereria audiência perante o Exmº Governador.
Munido de toda a documentação e memorando pertinentes as necessidades e anseios urgentes.
Jamais compareceria a DGP, salvo formalmente convocado; ou para prestar assistência a consorte.
Cuidar dos gastos da Adpesp, de forma a fortalecer o caixa para financiamento
de “apólice coletiva de seguro saúde” – como possuíamos anteriormente – pagável pelos consortes e quaisquer policiais civis como outrora.
Nunca gastaria um centavo em prol da Adpesp e para praticar os atos próprios da gestão.
Também, jamais pegaria um centavo da Adpesp, ou seja, nenhum valor pertencente aos colegas será dilapidado ou desviado em proveito próprio.
Submeter assuntos de maior importância aos consortes, obtendo aprovação prévia para deliberar sobre eles.
Nunca silenciar sobre gravames em desfavor da Carreira;
Defender todo consorte aviltado em seus direitos por superior, ou quaisquer autoridades; adotando as providencias judiciais e administrativas cabíveis.

Exortar a ética na relação entre os Delegados, adotando medidas de conscientização no sentido de que a sonhada valorização funcional e salarial virá do implacável combate aos focos de corrupção administrativa;
Fiscalizar as promoções e indicações, denunciando – se necessário publicamente – os desvios e a desqualificação do indicado.
Exortar os colegas, através de seminários, cursos e publicações, sobre uma nova postura a ser adotada por todos, com o fim de nos livrarmos do estereótipo do delegado bêbado, truculento e ignaro.
Publicação no site semanalmente de todos os gastos efetuados e das cotações dos preços.
Adquirir o melhor pelo menor preço.
Todos os “repasses de descontos e comissões” em prol da Adpesp.
Contratação de assistência jurídica de ponta em matéria constitucional e administrativa, sem prejuízo dos colegas advogados permanecerem e integrarem o quadro de defensores, salvo dispensa por desídia.
Assistência jurídica de ponta que poderá colaborar com os advogados membros do nosso quadro; a qual deverá contar com gabinetes para atendimento na sede da adpesp.
Outras propostas já constam neste blog.
 
Código de Ética Art.1º – O presente Código dispõe sobre os princípios éticos que devem nortear o exercício das prerrogativas do associado da ADPESP, dos seus direitos e deveres sociais, dentro dos limites do bom senso, da decência e do respeito. Art.2º – Ética é o conjunto de juízos de valor referentes à conduta humana suscetível de qualificação do ponto de vista do bem, quer seja relativamente a determinada sociedade, quer seja de modo absoluto. Art.3º – Para o associado da ADPESP, Ética é a conduta social capaz de gerar efeitos positivos na Entidade e em sua essência comunitária, no relacionamento com seus pares ou com membros da sociedade. Art.4º – São preceitos éticos do associado da ADPESP, dentre outros; I – dignidade funcional e pessoal; II – respeito aos direitos individuais e coletivos; III – consciência e zelo profissional; IV – desprendimento e altruísmo; V – independência intelectual e profissional; VI – solidariedade; VII – estima pessoal; VIII – probidade; e IX – lealdade. Art.5º – São deveres éticos do associado da ADPESP, dentre outros; I – conduzir-se com absoluta dignidade na vida profissional ou social, demonstrando respeito pelo cargo que ocupa, qualquer que seja o seu nível hierárquico, e profundo apreço e fidalguia em suas relações interpessoais; II – ter sempre presente que os direitos individuais e coletivos são os limites que orientam a conduta humana; III – demonstrar elevado nível de consciência e zelo profissional; IV – haver-se com desprendimento e altruísmo, que são formas abnegadas de se dedicar aos seus afazeres, sem permitir que desejos pessoais ou corporativos se sobreponham aos interesses de todos; V – exercer sua atividade profissional com independência, fundamentada na liberdade de investigação e na dignidade da pessoa humana, livre de pressões ou influências; VI – pautar seus atos por rígidos princípios morais, de modo a adquirir o respeito, a estima e a admiração dos seus colegas, das partes e de todas as pessoas com quem se relacionar; VII – desenvolver a auto-estima, cuidando sempre para que a corrupção moral ou afetiva não deforme o seu caráter; VIII – atender bem as pessoas que lhe procuram, seja profissional ou particularmente, orientando-as sempre de acordo com os ditames legais, sem perder de vista o julgamento de sua própria consciência; IX – manifestar a sua solidariedade com os movimentos que considerar justos e enquanto assim permanecerem, em defesa da classe ou de seus interesses coletivos, desde que não contrariem a sua própria consciência; X – abster-se, sempre, de manifestar opiniões que possam ser traduzidas como preconceito religioso, racial, político ou social; XI – comunicar ao Conselho de Ética ter sido cometido em função em que tenha mando sobre superiores hierárquicos; XII – tratar com urbanidade os subordinados, sem abrir mão de sua autoridade; XIII- desempenhar, com zelo e probidade, os encargos que lhe forem cometidos pelos Dirigentes da ADPESP; XIV – solicitar dispensa de função de confiança que eventualmente ocupe, tão logo se positive incompatibilidade com as orientações superiores, cuidando para que o interesse social ou funcional não seja prejudicado com sua ação; XV – ser leal e solidário com seus colegas, contribuindo para a harmonia da classe e defesa dos interesses comuns; XVI- prestar ao colega associado, sempre que possível, assistência de qualquer ordem ou natureza no que for de direito e de justiça; XVII – evitar comentários ou referências prejudiciais ao convívio dos integrantes da classe; XVIII – prestar seu concurso moral, intelectual ou material em favor do êxito das campanhas promovidas pela classe; XIX – interessar-se pelo bem público; XX – interessar-se pelo fiel cumprimento dos preceitos morais, constitucionais e legais que regem a vida das instituições e a conduta dos povos, não emprestando seu apoio moral, intelectual ou material a nenhuma ação que possa comprometer os superiores interesses nacionais; e XXI – tomar por norma, na vida pública e particular, o trabalho, a solidariedade, a tolerância e a racionalidade, não esquecendo que os valores legítimos e eternos são incompatíveis com a mentira, por ser a verdade um imperativo na vida de qualquer pessoa. Art. 6º – A crítica a colegas não deverá ser feita em público ou em presença de pessoas estranhas à classe. Art. 7º – O associado da ADPESP deverá evitar as seguintes condutas, por serem consideradas antiéticas. I – delegar suas atribuições privativas; II – assinar documentos elaborados por terceiros ou vice-versa, que possam comprometer a dignidade da classe; III – pronunciar-se sobre assuntos que estejam sob responsabilidade de outro colega, a não ser a pedido deste; IV – comentar, fora do círculo da classe, atitudes ou ações infelizes de seus colegas; V – criticar o exercício de atividade de outras profissões; VI – promiscuir-se com subordinado hierárquico, dentro ou fora de suas funções; VII – criticar publicamente o órgão de classe, não sendo defeso fazê-lo em reunião do mesmo ou por documento classificado; VIII – ter receio de desagradar a quem quer que seja, ou incorrer em impopularidade, no cumprimento de seu dever; IX – valer-se de mandato eletivo ou função administrativa na ADPESP em proveito próprio ou para auferir vantagem ilícita; X – referir-se, em público, de forma desrespeitosa ou depreciativa a autoridade constituída; XI – insinuar-se, perante os dirigentes, em favor da própria indicação para chefias, representações ou funções, no órgão ou fora dele; XII – deixar de atender a solicitações ou convocações para instrução de processo ético; e XIII – infringir qualquer dos dispositivos contidos no Estatuto ou neste Código de Ética. Art. 8º – Ao tomar conhecimento de qualquer infração às normas que regem a vida da ADPESP, o Conselho de Ética adotará, de imediato, as providências definidas no Estatuto. Art. 9º – A competência originária para julgamento dos processos instruídos pelo Conselho de Ética pertence à Diretoria Executiva. Art. 10 – O Conselho de Ética deliberará: a – “ de ofício”; b – em conseqüência de representação de: 1 – autoridade constituída; 2 – qualquer dos associados; 3 – pessoa estranha ao quadro, interessada no caso. Parágrafo único – O Conselho de Ética somente acolherá a representação que estiver devidamente assinada pelo interessado ou seu representante legal e instruída com, pelo menos, indícios alusivos ao alegado. Art.11 – As infrações às normas do Código de Ética estão sujeitas às seguintes penalidades; I – advertência; II – suspensão; III – perda de mandato; e IV – eliminação do quadro social. Parágrafo único – O Conselho de Ética, ao propor à Diretoria Executiva a penalidade que julgar cabível, levará em conta o dano que a falta vier a causar à Entidade, ao seu quadro social como um todo ou ao associado em particular. Art.12 – Quando houver dúvida em torno de questões de ética não contempladas no Estatuto ou neste Código, o Conselho de Ética, antes de iniciar as investigações, submeterá o assunto à Diretoria Executiva, que, em reunião reservada, decidirá pela realização da investigação. Art.13 – Este código entra em vigor na data de sua publicação em órgão de divulgação da ADPESP.

PROPOSTAS E COMPROMISSOS COM OS MEMBROS DA ASSOCIAÇÃO DOS DELEGADOS DE SÃO PAULO – ADPESP Resposta

Reforma do estatuto (presidente subsidiado para futuras gestões).
Contratação e manutenção de especializada Banca, para defesa dos interesses da classe e defesa dos consortes individualmente, sem prejuízo da manutenção dos atuais conveniados.
Criação de comissão de assuntos jurídicos para receber proposições e consultas do consorte em defesa dos direitos da classe e do associado no exercício das funções, com a obrigação estatutária de desagravar quaisquer colegas, associado ou não, cujos direitos e prerrogativas forem lesados por atos de quaisquer autoridades ou particulares (do Exmº Governador, inclusive), com a incumbência de empregar todos os meios jurídicos para o desagravo e reparação dos direitos , sem quaisquer ônus para o colega vitimado.
Propositura, de imediato, ao Exmº Governador de representação no sentido de que a promoção para classe especial se dê pelos critérios de antiguidade e merecimento; cujos requisitos deverão ser transparentes e objetivos, tal como na Magistratura para os tribunais superiores. Sem prejuízo de, concomitantemente, ajuizar medida com o fim de suspender e declarar a inconstitucionalidade das promoções apenas por merecimento para a classe especial.
Defesa intransigente da inamovibilidade relativa prevista na Constituição Estadual; acabando-se com o “nefasto bonde” dentro do mesmo Departamento e municípios. Prerrogativa da Carreira que não pode ser tergiversada.
Defesa intransigente dos direitos assegurados aos aposentados.
Empenho no sentido do aprimoramento e transparência dos concursos de ingresso na Carreira.
Estudos e proposituras no âmbito administrativo e político no sentido de que a nomeação do Delegado-Geral seja precedida da escolha de três nomes por órgão colegiado ou votação pelos membros da Carreira (pela complexidade, ainda que a médio prazo).
Empenho no sentido de que toda a classe seja conscientizada da necessidade de emprestar apoio a membro(s) com potencial eleitoral, com o fim de que tenhamos permanentemente Delegado nas casas legislativas.
Campanha sistemática através dos meios de comunicação para a defesa e conquista de prerrogativas funcionais e melhoria substancial dos vencimentos.
Estreitamento dos laços com as associações das demais carreiras jurídicas do Estado, buscando o nosso aprimoramento jurídico e melhor cooperação entre as instituições.
Convênio com organização prestadora de serviços de saúde, de qualidade, por valores pagáveis.
Desenvolvimento de um site digno de cultores do Direito.
A ADPESP é uma ONG reconhecida como de utilidade pública, possuindo deveres para com a sociedade; não é apenas uma entidade recreativa e assistencial.
Tem o dever de fiscalizar e intervir junto ao Governo em defesa da Sociedade, dispondo de legitimidade jurídica e patrimônio para tanto.
_____________________
PROPOSTAS DEFENDIDAS DURANTE A CAMPANHA DE 2007. –    

O(s) JOSÉ DIRCEU DA CHAPA FÊNIX…A RAPINA INIMIGA DO TUCANO 1

A candidata “duas caras” para me ofender como truculendo, falso e burro, afirmou que eu escrevia a la Che Guevara.
Paradoxalmente, o mercenário facínora “CHE” é idolatrado pelo seu partido(o log abaixo é do seu site).
Ela engana os seus corrreligionários; enganará todos nós.
Ponto 40 nas falsidades; enumando-as na vertical para ocupar pouco espaço.
A justiça que eles idolatram será a justiça que receberão.

PAULO LEW AO LADO DO SEU HERÓI GUEVARA, UMA CÓPIA MENTAL DE HITLER, O IRMÃO GÊMEO DE MUSSOLINI.
TODO HOMEM SE ESPELHA E TENTA IMITAR OS SEUS ÍDOLOS.
VOCÊ PODE VOTAR NOS DOUTORES ROQUE, ADHEMAR ou EMANUEL – os três homens de paz.
ATÉ PODE VOTAR NO TRESLOUCADO ROBERTO CONDE GUERRA, OS ÍDOLOS DO “13” NUNCA PREGARAM VIOLÊNCIA.
OU PODERÁ VOTAR NO PAULO LEW: O “JOSÉ DIRCEU” DA CHAPA FÊNIX.
O CRIADOR E MENTOR DA CHAPA FÊNIX, O CÉREBRO DA CANDIDATA A PRESIDENTA.
COM ELES NEM CINZAS RESTARÃO DA ADPESP!

TEM QUE CHAMAR A PM PARA APREENDER CAÇA-NÍQUEL NO DEINTER-6 1

Litoral Paulista, Domingo, 09 de Dezembro de 2007 :: 12:21
Geral > Polícia
Domingo, 9 de Dezembro de 2007, 08:20
PM localiza mais 11 máquinas
Da Redação
A Polícia Militar de São Vicente apreendeu 11 máquinas caça-níqueis entre e tarde de sexta-feira e a madrugada de ontem. Os equipamentos estavam em bares, lanchonete e até em um posto de gasolina.As apreensões ocorreram depois do recebimento de denúncias que apontavam a existência dos equipamentos em cinco estabelecimentos, no Centro, Cidade Náutica e Esplanada dos Barreiros.Os caça-níqueis foram apreendidos e levados ao plantão do 1º DP da Cidade, onde os delegados Marcos Roberto da Silva e Vanderlei Aparecido Cavalcante registraram os boletins de ocorrência.PRAIA GRANDEOutras sete máquinas caça-níqueis foram apreendidas pelos policiais militares em dois comércios de Praia Grande, na noite da última sexta-feira.Quatro dos equipamentos estavam em uma pastelaria, situada na Avenida Presidente Kennedy, na Cidade Ocian, sendo dois em funcionamento. Já em uma lanchonete na mesma avenida, no Balneário Paquetá, as três máquinas estavam desligadas.Por falta de espaço na Delegacia-sede da Cidade, a delegada plantonista Cláudia de Santana Barazal não recolheu as máquinas irregulares. Optou por lacrar os caça-níqueis e mantê-los nos próprios estabelecimentos.

DELEGADOS VOTEM NA NOSSA FIDELIDADE E COMPROMETIMENTO Resposta

http://mobilizadelegado.blogspot.com/
NÃO FIQUEM NA DEPENDÊNCIA DA APROVAÇÃO DE EMENDAS CONSTITUCIONAIS.
NÃO CULPEM OS PARTIDOS POLÍTICOS.
HÁ QUEM FALE QUE ISONOMIA PARA NÓS NEM COM LIXEIROS (perdão aos imprescindíveis e desvalorizados soldados da salubridade coletiva);ERRADO!
HÁ QUEM NÃO PASSE DE LIXO!

PERFUMADO E BEM VESTIDO,
MAS LIXO HUMANO.
SÓ COM ABSOLUTA FIDELIDADE À LEGALIDADE;
SÓ O ABSOLUTO COMPROMETIMENTO ÉTICO
CONQUISTAREMOS RESPEITO, RECONHECIMENTO E VALOR.
E NÃO TRATE AO SEU SUBORDINADO E COLABORADOR COMO MERO SERVO.

O(s) JOSÉ DIRCEU DA CHAPA FÊNIX…A RAPINA INIMIGA DO TUCANO Resposta

PAULO LEW AO LADO DO SEU HERÓI GUEVARA, UMA CÓPIA MENTAL DE HITLER, O IRMÃO GÊMEO DE MUSSOLINI.
TODO HOMEM SE ESPELHA E TENTA IMITAR OS SEUS ÍDOLOS.
VOCÊ PODE VOTAR NOS DOUTORES ROQUE, ADHEMAR ou EMANUEL – os três homens de paz.
ATÉ PODE VOTAR NO TRESLOUCADO ROBERTO CONDE GUERRA, OS ÍDOLOS DO “13” NUNCA PREGARAM VIOLÊNCIA.
OU PODERÁ VOTAR NO PAULO LEW: O “JOSÉ DIRCEU” DA CHAPA FÊNIX.
O CRIADOR E MENTOR DA CHAPA FÊNIX, O CÉREBRO DA CANDIDATA A PRESIDENTA.
COM ELES NEM CINZAS RESTARÃO DA ADPESP!

Ó , MINHA ESTRELA AMIGA, POR QUE VOCÊ NÃO FEZ A BALA PARAR? Resposta

Let it be
Se estivesse vivo, John Lennon teria 67 anos .
Lennon nasceu em Liverpool, no dia 9 de outubro de 1940, em plena segunda guerra mundial e não teve irmãos. Seus pais chamavam-se Julia e Alfred Lennon.
Anos mais tarde, como a maioria dos jovens da época, John foi profundamente influenciado pelo movimento musical skiffle e, em 1955, montou com seus colegas de escola uma banda chamada The Quarry Men. Houve muitas mudanças no grupo, porém a mais importante ocorreu em 1957, quando outro estudante se incorporou à formação. O guri se chamava Paul McCartney. Não preciso me alongar. Logo, Lennon e McCartney se tornaram uma dupla perfeita para escrever canções. grupo, então, passou a se chamar Johnny & The Moondogs. Nesta época, a formação era: John, Paul, George Harrison( faleceu por câncer em 2001). Houve ainda um quinto integrante, Stuart Sutcliffe.
Mais tarde, o grupo passou a chamar-se The Beatles com Ringo Starr tomando conta da bateria.
Pronto: a banda perfeita estava montada – THE BEATLES – uma banda que não só mudou a maneira de fazer música como a maneira de se comportar, de se vestir e de pensar. Os Beatles lançam álbuns fantásticos, recheados de músicas perfeitas.
Anos depois, com a separação do grupo, John Lennon iniciou uma grande etapa em carreira solo. Uma carreira que ele chegou a abandonar por um tempo para se dedicar à educação de seu filho recém-nascido, Sean.
No dia 8 de dezembro
1980, justamente quando Lennon se reencontrava com a carreira musical por meio do lançamento do disco “Double Fantasy”, foi covardemente assassinado por um fã maldito. Até hoje a Humanidade, perplexa, pergunta: por quê? – sem obter resposta.
No Brasil até hoje ouvimos a comovida canção de Beto Guedes e Ronaldo Bastos:
“Quem souber dizer a exata explicação
Me diz como pode acontecer
Um simples canalha mata um rei
Em menos de um segundo?
Ó, minha estrela amiga
Por que você não fez a bala parar?”.
Nunca houve, nem haverá, respostas.
“As canções em nossa memória vão ficar
Ó, nem o tempo amigo
Nem a força bruta pode um sonho apagar…”.
Lennon e McCartney compuseram canções geniais, obras-primas irretocáveis, músicas feitas para tocar nas rádios de todo o Mundo, nas salas de concerto de todo o Mundo, músicas feitas, sobretudo, para tocar na alma de todo mundo. Embora eu não seja um beatlemaníaco, consigno aqui algumas das canções de que mais gosto. Puro encantamento.
“Words are flowing out like endless rain into a paper cup/They slither while they pass they slip away across the universe/Pools of sorrow, waves of joy are drifting through my opened mind/Possessing and caressing me/Jai guru deva, Om/Nothing&39;s gonna change my world”. (Across the Universe).
“Palavras flutuam como uma chuva sem fim dentro de um copo de papel/Elas se mexem selvagemente enquanto deslizam pelo universo/Um monte de mágoas, um punhado de alegrias estão passando por minha mente/Me possuindo e me acariciando/ Glória ao mestre/Nada vai mudar meu mundo” (Através do universo).
“Let me take you down/´Cause I´m going to/Strawberry Fields/Nothing is real/And nothing to get hung about/Strawberry Fields forever/Living is easy with eyes closed/Misunderstanding all you see/It´s getting hard to be someone/But it all works out/It doesn&39;t matter much to me/Let me take you down/´Cause I´m going to/Strawberry Fields/Nothing is real/And nothing to get hung about/Strawberry Fields forever” (Strawberry Fields forever).
Lennon e McCartney escreveram a canção mais bonita que eu já ouvi na vida: “The long and winding road”.
“The long and winding road/That leads to your door/Will never disappear/I´ve seen that road before/It always leads me here/Lead me to your door/The wild and windy night/That the rain washed away/Has left a pool of tears/Crying for the day/Why leave me standing here/Let me know the way”.
“A longa e sinuosa estrada que leva até sua porta/Jamais desaparecerá/Eu já vi esta estrada antes/Ela sempre me traz até aqui/Conduz-me até sua porta/Na noite selvagem e tempestuosa que a chuva eliminou/Deixou uma piscina de lágrimas/Chorando pelo dia/Por que me deixar aqui sozinho?/Mostre-me o caminho”.
Finalmente, o genial John Lennon, já em carreira solo, ofereceu ao Mundo o Hino Universal pela Paz, chamado Imagine.
“Imagine no possessions/I wonder if you can/No need for greed or hunger/A brotherhood of men/Imagine all the people/Sharing all the world/You may say I&39;m a dreamer/But I&39;m not the only one/I hope some day you&39;ll join us/And the world will live as one”.
“Imagine não existir posses/Surpreenderia-me se você conseguisse/Sem necessidades e fome/Uma irmandade humana/Imagine todas as pessoas/Compartilhando o mundo/Talvez você diga que eu sou um sonhador/Mas não sou o único/Desejo que um dia você se junte a nós/E o mundo, então, será como um só”.
John Lennon foi assassinado, em Nova York, em frente ao edifício Dakota, onde morava com a mulher Yoko Ono, no Central Park. Lennon foi assassinado por Mark Chapman, que se dizia seu fã e, horas antes de disparar contra ele, havia pedido ao cantor um autógrafo na capa de um disco.
Em 8 de dezembro de 1980, Mark Chapman, um jovem de 25 anos com histórico de abuso de drogas e problemas mentais, atirou cinco vezes em John Lennon, em Nova York, tirando-lhe a vida para ficar com um pouco da celebridade que desejava.
“Quem souber dizer a exata explicação
Me diz como pode acontecer
Um simples canalha mata um rei
Em menos de um segundo?
Ó, minha estrela amiga
Por que você não fez a bala parar?”.
Nunca houve, nem haverá, respostas.
“As canções em nossa memória vão ficar
Ó, nem o tempo amigo
Nem a força bruta pode um sonho apagar…”.
O fato é que John Lennon continua vivo e viverá para sempre em sua obra imortal (os assassinos não sabem que os poetas não morrem nunca). Por sua vez, o jovem que desejou roubar-lhe a celebridade continua preso e carregará para sempre a pecha de assassino (e de louco e de monstro).

SE FOSSE PRESIDENTE DA ADPESP – INICIALMENTE 1

Se fosse presidente:
Depositaria minha carteira funcional aos cuidados do diretor da comissão de ética, cujo resgate se daria ao final da gestão.
E em traindo quaisquer destes compromissos básicos ou qualquer princípio maior em prejuízo dos colegas, a rasgarei e picarei em público; para jamais voltar a por os pés na Adpesp.
Não faria festividades de posse, apenas os atos formais.
Não faria festas, sem prévia consulta e aprovação dos pares; com a presença
de consortes de todas as seccionais; assegurando-se, transporte e hospedagem.
OU TODOS OU NINGUEM!
Nunca deixaria de responder ,pessoalmente ,as consultas dos sócios.
Não deixaria de convocar um sócio como representante da Adpesp em cada seccional; que ficaria incumbido de pronta assistência ao colega e familiares, nos casos de dificuldades, doença e morte;
Não deixaria de inspecionar as Unidades de todo o Estado;
Não deixaria de obter o número e lotação de todos os Delegados;
O número e lotação de todos os funcionários das carreiras policiais;
O número de funcionários “emprestados”, os locais e as funções efetivamente desenvolvidas;
Fiscalizar as escalas de serviço das autoridades, as condições das instalações e os recursos humanos e materiais postos a disposição da autoridade;
Elaboração de levantamento dos claros com o fim de ajuizar Ação Civil Pública visando obrigar o Estado à disponibilização, pela criação de concursos, de funcionários cujo número decresceu nos últimos anos; concomitantemente ao aumento da população e dos índices criminais;
Tudo com o fim de auxiliar o Estado na gestão da Polícia Civil, elaborando relatórios, pareceres, sugestões, elogios e, sendo o caso, comunicando as irregularidades para adoção das providências.
Coibir os abusos praticados pelos Delegados ocupantes das classes superiores; conforme o caso submetendo-os ao conselho de ética visando sua exclusão ou censura em face da infração;
Faria com que imediatamente novo Estatuto e Código de ética fossem elaborados e aprovados;
JAMAIS EMITIRIA MINHAS CONVICÇÕES E OPINIÕES PESSOAIS COMO REPRESENTANTE DA CLASSE.
TRANSMITINDO APENAS AS POSIÇÕES DA MAIORIA DA CLASSE.
JAMAIS ATACARIA INSTITUIÇÃO OU AUTORIDADE DE OUTRO ÓRGÃO NA QUALIDADE DE REPRESENTANTE DA CLASSE. BUSCANDO APROXIMAÇÃO COM TODAS AS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DO FUNCIONALISMO.
Tão logo assumisse o cargo – prontos os levantamentos sobre o pessoal da Polícia Civil, material e Unidades – formalmente requereria audiência perante o Exmº Governador.
Munido de toda a documentação e memorando pertinentes as necessidades e anseios urgentes.
Jamais compareceria a DGP, salvo formalmente convocado; ou para prestar assistência a consorte.
Cuidar dos gastos da Adpesp, de forma a fortalecer o caixa para financiamento
de “apólice coletiva de seguro saúde” – como possuíamos anteriormente – pagável pelos consortes e quaisquer policiais civis como outrora.
Nunca gastaria um centavo em prol da Adpesp e para praticar os atos próprios da gestão.
Também, jamais pegaria um centavo da Adpesp, ou seja, nenhum valor pertencente aos colegas será dilapidado ou desviado em proveito próprio.
Submeter assuntos de maior importância aos consortes, obtendo aprovação prévia para deliberar sobre eles.
Nunca silenciar sobre gravames em desfavor da Carreira;
Defender todo consorte aviltado em seus direitos por superior, ou quaisquer autoridades; adotando as providencias judiciais e administrativas cabíveis.
Exortar a ética na relação entre os Delegados, adotando medidas de conscientização no sentido de que a sonhada valorização funcional e salarial virá do implacável combate aos focos de corrupção administrativa;
Fiscalizar as promoções e indicações, denunciando – se necessário publicamente – os desvios e a desqualificação do indicado.
Exortar os colegas, através de seminários, cursos e publicações, sobre uma nova postura a ser adotada por todos, com o fim de nos livrarmos do estereótipo do delegado bêbado, truculento e ignaro.
Publicação no site semanalmente de todos os gastos efetuados e das cotações dos preços.
Adquirir o melhor pelo menor preço.
Todos os “repasses de descontos e comissões” em prol da Adpesp.
Contratação de assistência jurídica de ponta em matéria constitucional e administrativa, sem prejuízo dos colegas advogados permanecerem e integrarem o quadro de defensores, salvo dispensa por desídia. Assistência jurídica de ponta que poderá colaborar com os advogados membros do nosso quadro, a qual deverá contar com gabinetes para atendimento na sede da adpesp.
Outras propostas já constam neste blog.
Código de Ética Art.1º – O presente Código dispõe sobre os princípios éticos que devem nortear o exercício das prerrogativas do associado da ADPESP, dos seus direitos e deveres sociais, dentro dos limites do bom senso, da decência e do respeito. Art.2º – Ética é o conjunto de juízos de valor referentes à conduta humana suscetível de qualificação do ponto de vista do bem, quer seja relativamente a determinada sociedade, quer seja de modo absoluto. Art.3º – Para o associado da ADPESP, Ética é a conduta social capaz de gerar efeitos positivos na Entidade e em sua essência comunitária, no relacionamento com seus pares ou com membros da sociedade. Art.4º – São preceitos éticos do associado da ADPESP, dentre outros; I – dignidade funcional e pessoal; II – respeito aos direitos individuais e coletivos; III – consciência e zelo profissional; IV – desprendimento e altruísmo; V – independência intelectual e profissional; VI – solidariedade; VII – estima pessoal; VIII – probidade; e IX – lealdade. Art.5º – São deveres éticos do associado da ADPESP, dentre outros; I – conduzir-se com absoluta dignidade na vida profissional ou social, demonstrando respeito pelo cargo que ocupa, qualquer que seja o seu nível hierárquico, e profundo apreço e fidalguia em suas relações interpessoais; II – ter sempre presente que os direitos individuais e coletivos são os limites que orientam a conduta humana; III – demonstrar elevado nível de consciência e zelo profissional; IV – haver-se com desprendimento e altruísmo, que são formas abnegadas de se dedicar aos seus afazeres, sem permitir que desejos pessoais ou corporativos se sobreponham aos interesses de todos; V – exercer sua atividade profissional com independência, fundamentada na liberdade de investigação e na dignidade da pessoa humana, livre de pressões ou influências; VI – pautar seus atos por rígidos princípios morais, de modo a adquirir o respeito, a estima e a admiração dos seus colegas, das partes e de todas as pessoas com quem se relacionar; VII – desenvolver a auto-estima, cuidando sempre para que a corrupção moral ou afetiva não deforme o seu caráter; VIII – atender bem as pessoas que lhe procuram, seja profissional ou particularmente, orientando-as sempre de acordo com os ditames legais, sem perder de vista o julgamento de sua própria consciência; IX – manifestar a sua solidariedade com os movimentos que considerar justos e enquanto assim permanecerem, em defesa da classe ou de seus interesses coletivos, desde que não contrariem a sua própria consciência; X – abster-se, sempre, de manifestar opiniões que possam ser traduzidas como preconceito religioso, racial, político ou social; XI – comunicar ao Conselho de Ética ter sido cometido em função em que tenha mando sobre superiores hierárquicos; XII – tratar com urbanidade os subordinados, sem abrir mão de sua autoridade; XIII- desempenhar, com zelo e probidade, os encargos que lhe forem cometidos pelos Dirigentes da ADPESP; XIV – solicitar dispensa de função de confiança que eventualmente ocupe, tão logo se positive incompatibilidade com as orientações superiores, cuidando para que o interesse social ou funcional não seja prejudicado com sua ação; XV – ser leal e solidário com seus colegas, contribuindo para a harmonia da classe e defesa dos interesses comuns; XVI- prestar ao colega associado, sempre que possível, assistência de qualquer ordem ou natureza no que for de direito e de justiça; XVII – evitar comentários ou referências prejudiciais ao convívio dos integrantes da classe; XVIII – prestar seu concurso moral, intelectual ou material em favor do êxito das campanhas promovidas pela classe; XIX – interessar-se pelo bem público; XX – interessar-se pelo fiel cumprimento dos preceitos morais, constitucionais e legais que regem a vida das instituições e a conduta dos povos, não emprestando seu apoio moral, intelectual ou material a nenhuma ação que possa comprometer os superiores interesses nacionais; e XXI – tomar por norma, na vida pública e particular, o trabalho, a solidariedade, a tolerância e a racionalidade, não esquecendo que os valores legítimos e eternos são incompatíveis com a mentira, por ser a verdade um imperativo na vida de qualquer pessoa. Art. 6º – A crítica a colegas não deverá ser feita em público ou em presença de pessoas estranhas à classe. Art. 7º – O associado da ADPESP deverá evitar as seguintes condutas, por serem consideradas antiéticas. I – delegar suas atribuições privativas; II – assinar documentos elaborados por terceiros ou vice-versa, que possam comprometer a dignidade da classe; III – pronunciar-se sobre assuntos que estejam sob responsabilidade de outro colega, a não ser a pedido deste; IV – comentar, fora do círculo da classe, atitudes ou ações infelizes de seus colegas; V – criticar o exercício de atividade de outras profissões; VI – promiscuir-se com subordinado hierárquico, dentro ou fora de suas funções; VII – criticar publicamente o órgão de classe, não sendo defeso fazê-lo em reunião do mesmo ou por documento classificado; VIII – ter receio de desagradar a quem quer que seja, ou incorrer em impopularidade, no cumprimento de seu dever; IX – valer-se de mandato eletivo ou função administrativa na ADPESP em proveito próprio ou para auferir vantagem ilícita; X – referir-se, em público, de forma desrespeitosa ou depreciativa a autoridade constituída; XI – insinuar-se, perante os dirigentes, em favor da própria indicação para chefias, representações ou funções, no órgão ou fora dele; XII – deixar de atender a solicitações ou convocações para instrução de processo ético; e XIII – infringir qualquer dos dispositivos contidos no Estatuto ou neste Código de Ética. Art. 8º – Ao tomar conhecimento de qualquer infração às normas que regem a vida da ADPESP, o Conselho de Ética adotará, de imediato, as providências definidas no Estatuto. Art. 9º – A competência originária para julgamento dos processos instruídos pelo Conselho de Ética pertence à Diretoria Executiva. Art. 10 – O Conselho de Ética deliberará: a – “ de ofício”; b – em conseqüência de representação de: 1 – autoridade constituída; 2 – qualquer dos associados; 3 – pessoa estranha ao quadro, interessada no caso. Parágrafo único – O Conselho de Ética somente acolherá a representação que estiver devidamente assinada pelo interessado ou seu representante legal e instruída com, pelo menos, indícios alusivos ao alegado. Art.11 – As infrações às normas do Código de Ética estão sujeitas às seguintes penalidades; I – advertência; II – suspensão; III – perda de mandato; e IV – eliminação do quadro social. Parágrafo único – O Conselho de Ética, ao propor à Diretoria Executiva a penalidade que julgar cabível, levará em conta o dano que a falta vier a causar à Entidade, ao seu quadro social como um todo ou ao associado em particular. Art.12 – Quando houver dúvida em torno de questões de ética não contempladas no Estatuto ou neste Código, o Conselho de Ética, antes de iniciar as investigações, submeterá o assunto à Diretoria Executiva, que, em reunião reservada, decidirá pela realização da investigação. Art.13 – Este código entra em vigor na data de sua publicação em órgão de divulgação da ADPESP.

ALCAGÜETE, "13" ou TRESLOUCADO, INCONSEQÜENTE, ARREPENDIDO E ENVERGONHADO Resposta

A minha maior frustração: ver um inquérito praticamente rasgado pela fraqueza, incompetência e falta de compromisso com a verdade; de um Seccional e um Titular de Distrito.
Duas das características mais comuns entre os nossos superiores.
A plácida prudência não derruba a cadeira.
Apenas joga na vala a honorabilidade de uma Instituição; da nossa Carreira.
O Investigador foi baleado de surpresa, quase a queima roupa; a esposa do homicida do mesmo modo.
O homicida acabou absolvido, mesmo com todo o empenho do fenomenal Promotor de Justiça; o Investigador do Denarc execrado além do devido; e a pobre mulher morta pelo companheiro toxicômano, ainda ,desonrada no Júri.
O assassino: um receptador notório de mercadorias furtadas e roubadas por policiais(civis, militares e federais).

————————————————————————————————

Um antigo exemplo daquilo que na Polícia chamam por cagüetagem, deslealdade aos superiores, aos pares e a Instituição.
Além de uso indevido de telex e quebra da hierárquia.
Em face de, primeiramente, não apresentar a denúncia ao superior envolvido com o ganso.

Diadema msg n776 12/04/90 01h15

AO DR LEVINO MANOEL RIBEIRO
DELEGADO SECCIONAL DO ABCD
Referente as irregularidades no uso de veiculos policiais
Informo a Vosssa Senhoria, para as providências que julgar necessárias, que deixei de comparecer a local de ocorrência de homicídio( B.O. nr 1700/90), mais uma vez, em virtude de não haver meio de transporte a disposição das Autpridades Plantonistas desta circunscrição policial; enquanto, que com o beneplácito de autoridade mais graduada, funcionário da Prefeitura local, simples colaborador, estranho à nossa Instituição, fazia , pelo que soube sempre faz, uso de uma viatura policial, com toda certeza, para fins particulares. Fato esse, que além de se mostrar, no mínimo, irregular, é de causar vergonha.
Na oportunidade renovo-lhe protestos de estima e consideração.
DR. ROBERTO CONDE GUERRA
DEL. POL. INV. TEMP.
EQUIPE “V”
———————————————————————————————–
Em razão do telex acima, quando plantonista em Diadema, durante um período de múltlipas chacinas por dia; acreditando cumprir o meu dever ,conforme os termos da Lei Orgânica da Polícia Civil, prestei os suscintos informes acima ao Sr. Levino Manoel Ribeiro, Seccional de São Bernardo do Campo.
O simples colaborador era um “ganso” muito influente na prefeitura, pois através dele a municipalidade fornecia todo o combustível para a Polícia Civil; conseqüentemente quem de direito – após obter as notas de empenho – metia no bolso a verba do Estado.
Buscando cumprir o meu dever, defender a amada carreira e a Instituição , logo depois fui honrado com um longo e falacioso relatório intelectuamente elaborado pelo Sr. José Alves dos Reis e subscrito pelo Sr. Levino Manoel Ribeiro.
Decrescendo dos elogios rasgados a minha pessoa até o ponto em que eu seria um inimigo da classe, descumpridor contumaz de ordens superiores, das quais debochava com fundamentos doutrinários e jurisprudenciais, ao final encerraram com a afirmação: o delegado de investidura temporária ROBERTO CONDE GUERRA possui qualidades para o exercício de quaisquer carreiras jurídicas, e conforme a certidão anexa está prestando concurso para a magistratura, todavia “pela sua insubordinação e deslealdade para com os superiores representamos pela sua exoneração”.
Não fui exonerado em razão de o processo ser decidido pelo DOUTOR GUILHERME SANTANA DA SILVA, um homem detestado na polícia.
Eu descobri por quem: “pelos seus pares bandalhos”.
Durante anos nutri muita mágua pelos doutores Levino e Reis, mas devo-lhes desculpas.
Foram visionários.
Eu não tenho e nunca tive vocação para ser Delegado de Polícia.
Deixei-me iludir.
Para ser Delegado de Polícia deve-se possuir as qualidades de alguns membros da CHAPA FÊNIX: a desfaçatez , esperteza e bazófia da Vereadora Teresinha, do Dr. Paulo Sérgio Lew e Dra. Andreza.
Os colegas estão corretos em um ponto, a Polícia Civil de vocês não precisa de mim, nunca precisou e vocês me querem fora da Carreira.
Por outro lado, o lado bom de tudo, fora da Carreira e da Polícia nunca mais sentirei vergonha por verificar a existência de pessoas como vocês.
E viva aos GUERREIROS DA FÊNIX – sinônimo para os covardes que até podem chamar um governador de crápula, de veado, disso e daquilo.
É claro, Governador não liga e não cobra por tais disparates de levianos.
Mas meter no papel o colega bandalho: nunca.
Salvo cair no colo pela ação de terceiro, diga-se, PM ou MP.
É deslealdade apontar o colega ladrão como ladrão.
Como são absolutamente éticos nunca adotam providências que possam atingir um colega de classe, especialmente quando o colega é bandido, com cara de bandido e violência de bandido.
Medo da valoração ética.
Ética da bala com a qual o colega bandido lhe valorará a ação.
São Delegados de Polícia…
Eu um Delegado de merda mesmo!

OS PLANTONISTAS DO DECAP "QUE SE VENDEM" Resposta

De: “Andreza ” Data: Sat, 29 Sep 2007 02:44:33 -0300
Local: Sab 29 set 2007 02:44
Assunto: Re: [DELEGADOS] Re: MAÇANETA

Rodrigo, a Portaria está totalmente em vigor…. alguns distritos não a estão observando pois os plantonistas não se importam em trabalhar além do que devem ou se “vendem” (com medo de bonde ou outro tipo qualquer de represália!). Desde que a Portaria “saiu”, eu não trabalhei um só dia em 04 equipes, mesmo com os colegas tirando férias ou licenças….
Andreza


[DELEGADOS] Re: MAÇANETA
A PORTARIA NÃO FOI REVOGADA, ELA ESTÁ ENGAVETADA ATÉ COMENTAREM NOVAMENTE, OCASIÃO EM QUE, ALGUEM IRÁ PEDIR O SEU DESARQUIVAMENTO….RSSS
DÉCIO SUPLICY. —–

Original Message Sent: Tuesday, September 25, 2007 3:46 PM Subject: [DELEGADOS] MAÇANETA
Ainda com relação à entrevista do assistente do Decap, eu pergunto:
E aquela portaria, tão alardeada pela Adpesp, feita pelo diretor do Decap, a qual inclusive elogiei, onde colocava os assistentes para tirar plantão para formar 5 equipes? Foi revogada?

Como se vê do primeiro comentário, conforme a ilustre colega entusiasta e membro da chapa FÊNIX , os Delegados de Polícia submetidos ao regime de plantão composto por 4(quatro) equipes : “não se importam em trabalhar além do que devem ou se “vendem” (com medo de bonde ou outro tipo qualquer de represália!)”.

Mas , segundo ela: a Portaria está totalmente em vigor… vige, mas é desrespeitada pelos “vendidos” . Assim, na esteira das afirmações da colega, os plantonistas que trabalham “além do que devem” , deverão ser submetidos ao regulamento disciplinar; suportando penalidade por descumprimento dos deveres e das normas elencadas na referida Portaria do Diretor do DECAP.

Com efeito, com todo o respeito a manifestação da douta colega, vislumbro mais um caso em que se busca simplificar questões argumentando falaciosamente.

Diga-se a propósito: “transformando-se vítimas(plantonistas), em bandidos”.
Por fim: antiético – além de denominar “vendido” o colega submetido, nos distritos mais carentes é claro, ao regime de 4(quatro) equipes – foi me chamar de “anti-ético”.
Os demais colegas que façam o julgamento.

REFORMA DO ESTATUTO DA ADPESP E CÓDIGO DE ÉTICA NOS MOLDES DA POLÍCIA FEDERAL 1

Código de Ética
Art.1º – O presente Código dispõe sobre os princípios éticos que devem nortear o exercício das prerrogativas do associado da ADPESP, dos seus direitos e deveres sociais, dentro dos limites do bom senso, da decência e do respeito.

Art.2º – Ética é o conjunto de juízos de valor referentes à conduta humana suscetível de qualificação do ponto de vista do bem, quer seja relativamente a determinada sociedade, quer seja de modo absoluto.

Art.3º – Para o associado da ADPESP, Ética é a conduta social capaz de gerar efeitos positivos na Entidade e em sua essência comunitária, no relacionamento com seus pares ou com membros da sociedade.

Art.4º – São preceitos éticos do associado da ADPESP, dentre outros;

I – dignidade funcional e pessoal;

II – respeito aos direitos individuais e coletivos;

III – consciência e zelo profissional;

IV – desprendimento e altruísmo;

V – independência intelectual e profissional;

VI – solidariedade;

VII – estima pessoal;

VIII – probidade; e

IX – lealdade.

Art.5º – São deveres éticos do associado da ADPESP, dentre outros;

I – conduzir-se com absoluta dignidade na vida profissional ou social, demonstrando respeito pelo cargo que ocupa, qualquer que seja o seu nível hierárquico, e profundo apreço e fidalguia em suas relações interpessoais;

II – ter sempre presente que os direitos individuais e coletivos são os limites que orientam a conduta humana;

III – demonstrar elevado nível de consciência e zelo profissional;

IV – haver-se com desprendimento e altruísmo, que são formas abnegadas de se dedicar aos seus afazeres, sem permitir que desejos pessoais ou corporativos se sobreponham aos interesses de todos;

V – exercer sua atividade profissional com independência, fundamentada na liberdade de investigação e na dignidade da pessoa humana, livre de pressões ou influências;

VI – pautar seus atos por rígidos princípios morais, de modo a adquirir o respeito, a estima e a admiração dos seus colegas, das partes e de todas as pessoas com quem se relacionar;

VII – desenvolver a auto-estima, cuidando sempre para que a corrupção moral ou afetiva não deforme o seu caráter;

VIII – atender bem as pessoas que lhe procuram, seja profissional ou particularmente, orientando-as sempre de acordo com os ditames legais, sem perder de vista o julgamento de sua própria consciência;

IX – manifestar a sua solidariedade com os movimentos que considerar justos e enquanto assim permanecerem, em defesa da classe ou de seus interesses coletivos, desde que não contrariem a sua própria consciência;

X – abster-se, sempre, de manifestar opiniões que possam ser traduzidas como preconceito religioso, racial, político ou social;

XI – comunicar ao Conselho de Ética ter sido cometido em função em que tenha mando sobre superiores hierárquicos;

XII – tratar com urbanidade os subordinados, sem abrir mão de sua autoridade;

XIII- desempenhar, com zelo e probidade, os encargos que lhe forem cometidos pelos Dirigentes da ADPESP;

XIV – solicitar dispensa de função de confiança que eventualmente ocupe, tão logo se positive incompatibilidade com as orientações superiores, cuidando para que o interesse social ou funcional não seja prejudicado com sua ação;

XV – ser leal e solidário com seus colegas, contribuindo para a harmonia da classe e defesa dos interesses comuns;

XVI- prestar ao colega associado, sempre que possível, assistência de qualquer ordem ou natureza no que for de direito e de justiça;

XVII – evitar comentários ou referências prejudiciais ao convívio dos integrantes da classe;

XVIII – prestar seu concurso moral, intelectual ou material em favor do êxito das campanhas promovidas pela classe;

XIX – interessar-se pelo bem público;

XX – interessar-se pelo fiel cumprimento dos preceitos morais, constitucionais e legais que regem a vida das instituições e a conduta dos povos, não emprestando seu apoio moral, intelectual ou material a nenhuma ação que possa comprometer os superiores interesses nacionais; e

XXI – tomar por norma, na vida pública e particular, o trabalho, a solidariedade, a tolerância e a racionalidade, não esquecendo que os valores legítimos e eternos são incompatíveis com a mentira, por ser a verdade um imperativo na vida de qualquer pessoa.

Art. 6º – A crítica a colegas não deverá ser feita em público ou em presença de pessoas estranhas à classe.

Art. 7º – O associado da ADPESP deverá evitar as seguintes condutas, por serem consideradas antiéticas.

I – delegar suas atribuições privativas;

II – assinar documentos elaborados por terceiros ou vice-versa, que possam comprometer a dignidade da classe;

III – pronunciar-se sobre assuntos que estejam sob responsabilidade de outro colega, a não ser a pedido deste;

IV – comentar, fora do círculo da classe, atitudes ou ações infelizes de seus colegas;

V – criticar o exercício de atividade de outras profissões;

VI – promiscuir-se com subordinado hierárquico, dentro ou fora de suas funções;

VII – criticar publicamente o órgão de classe, não sendo defeso fazê-lo em reunião do mesmo ou por documento classificado;

VIII – ter receio de desagradar a quem quer que seja, ou incorrer em impopularidade, no cumprimento de seu dever;

IX – valer-se de mandato eletivo ou função administrativa na ADPESP em proveito próprio ou para auferir vantagem ilícita;

X – referir-se, em público, de forma desrespeitosa ou depreciativa a autoridade constituída;

XI – insinuar-se, perante os dirigentes, em favor da própria indicação para chefias, representações ou funções, no órgão ou fora dele;

XII – deixar de atender a solicitações ou convocações para instrução de processo ético; e

XIII – infringir qualquer dos dispositivos contidos no Estatuto ou neste Código de Ética.

Art. 8º – Ao tomar conhecimento de qualquer infração às normas que regem a vida da ADPESP, o Conselho de Ética adotará, de imediato, as providências definidas no Estatuto.

Art. 9º – A competência originária para julgamento dos processos instruídos pelo Conselho de Ética pertence à Diretoria Executiva.

Art. 10 – O Conselho de Ética deliberará:

a – “ de ofício”;

b – em conseqüência de representação de:

1 – autoridade constituída;

2 – qualquer dos associados;

3 – pessoa estranha ao quadro, interessada no caso.

Parágrafo único – O Conselho de Ética somente acolherá a representação que estiver devidamente assinada pelo interessado ou seu representante legal e instruída com, pelo menos, indícios alusivos ao alegado.

Art.11 – As infrações às normas do Código de Ética estão sujeitas às seguintes penalidades;

I – advertência;

II – suspensão;

III – perda de mandato; e

IV – eliminação do quadro social.

Parágrafo único – O Conselho de Ética, ao propor à Diretoria Executiva a penalidade que julgar cabível, levará em conta o dano que a falta vier a causar à Entidade, ao seu quadro social como um todo ou ao associado em particular.

Art.12 – Quando houver dúvida em torno de questões de ética não contempladas no Estatuto ou neste Código, o Conselho de Ética, antes de iniciar as investigações, submeterá o assunto à Diretoria Executiva, que, em reunião reservada, decidirá pela realização da investigação.

Art.13 – Este código entra em vigor na data de sua publicação em órgão de divulgação da ADPESP.
Art. 2o – A ADPESP tem por finalidade:
a) postular pelos interesses da classe;
b) incentivar a solidariedade entre os sócios;
c) propugnar pela assistência e previdência social dos seus membros;
d) desenvolver atividades culturais, recreativas e sociais;
e) representar seus filiados, judicial e extrajudicialmente, nos termos do artigo 5o, inciso XXI da Constituição Federal;
f) impetrar mandado de segurança coletivo, nos termos do artigo 5o, inciso LXX, letra ”b”, da Constituição Federal, independente de autorização da Assembléia Geral ou de outorga de mandatos;
g) propor as medidas judiciais cabíveis , no interesse individual ou coletivo dos filiados, independente de autorização da Assembléia Geral ou de outorga de mandatos;

h) defender o interesse e o patrimônio públicos.
i) ao meio ambiente,
j) qualquer outro interesse difuso ou coletivo, especialmente relacionados a Segurança Pública, a incolumidade física e patrimonial do cidadão, a prevenção e repressão criminal e reeducação dos infratores
Art. 3o – É vedada a participação da ADPESP em assuntos de natureza estranha às suas finalidades.

Art. 4o – A ADPESP poderá, a juízo da Diretoria, fazer-se representar junto à Associação Nacional dos DELEGADOS DE POLÍCIA, facultada aos associados a filiação individual.
Art. 5º – Constitui finalidade da Associação:
I – velar pelo prestígio, direitos e prerrogativas da classe;
II – propugnar pelos interesses de seus sócios, mediante adoção de medidas que incentivem o bom desempenho das funções e cargos do POLÍCIA CIVIL;
III – colaborar com o Estado no estudo e na solução das questões relativas ao exercício das funções atribuídas aos DELEGADOS DE POLÍCIA, bem como na definição, estruturação e disciplina da respectiva carreira;
IV – defender seus associados, judicial e extrajudicialmente perante autoridades públicas, sempre que desrespeitados em seus direitos e prerrogativas funcionais;
V – realizar ou promover cursos, seminários, conferências, estudos em geral e a publicação de trabalhos jurídicos, objetivando o aprimoramento profissional dos membros Da Carreira de Delegado de Polícia;
VI – promover o congraçamento da classe e estimular o intercâmbio de estudos e trabalhos entre associados.
Parágrafo único – A Associação executará, diretamente ou através de fundação por ela instituída, ou mediante convênio com outras entidades, programas de assistência, previdência e lazer em favor dos sócios, associados e de seus familiares, extensivos aos dependentes dos Delegados falecidos anteriormente à data de sua fundação, tudo conforme as condições estabelecidas nos respectivos planos.
Art. 6º – A Associação não se envolverá em manifestações de natureza política ou religiosa, nem tomará qualquer iniciativa estranha à persecução dos seus objetivos.
.
DA CONSTITUIÇÃO

Art.1º- A Associação Dos Delegados de Polícia de São Paulo, – ADPESP, fundada em, sediada na capital de São Paulo, é uma Entidade representativa de classe, de âmbito estadual, dotada de personalidade jurídica de direito privado, de caráter eminentemente assistencial, cultural, sem fins lucrativos e com duração indeterminada.

Art.2º- São mantidos os atuais símbolos da Associação dos Delegados de Polícia de São Paulo.
Parágrafo único – A confecção, a divulgação e o uso dos símbolos são exclusivos da ADPESP, podendo outras entidades reproduzi-los, desde que expressa e formalmente autorizadas.

SEÇÃO II
DAS FINALIDADES

Art.º- A ADPESP tem as seguintes finalidades:
I -buscar o aprimoramento da instituição policial, de sua doutrina, de suas normas e princípios de atuação funcional;
– Constitui finalidade da Associação:
I – velar pelo prestígio, direitos e prerrogativas da classe;
II – propugnar pelos interesses de seus sócios, mediante adoção de medidas que incentivem o bom desempenho das funções e cargos do POLÍCIA CIVIL;
III – colaborar com o Estado no estudo e na solução das questões relativas ao exercício das funções atribuídas aos DELEGADOS DE POLÍCIA, bem como na definição, estruturação e disciplina da respectiva carreira;
IV – defender seus associados, judicial e extrajudicialmente perante autoridades públicas, sempre que desrespeitados em seus direitos e prerrogativas funcionais;
V – realizar ou promover cursos, seminários, conferências, estudos em geral e a publicação de trabalhos jurídicos, objetivando o aprimoramento profissional dos membros Da Carreira de Delegado de Polícia;
VI – promover o congraçamento da classe e estimular o intercâmbio de estudos e trabalhos entre associados

II -cuidar dos interesses de seus associados, incentivando-os ao culto permanente dos sentimentos de solidariedade, companheirismo, união e espírito de classe;
III -cultuar as tradições, símbolos e história da Pátria, da ADPESP e da Polícia Civil;
IV -representar e substituir os associados de que tratam os incisos I e II do art. 4º deste Estatuto como parte legítima, individual ou coletivamente, em juízo ou fora dele, na defesa de seus direitos ou interesses;
V -colaborar com as autoridades, apresentando estudos atinentes aos interesses da Polícia Civil e de seus servidores;
VI -adotar medidas necessárias nas questões que possam ferir o decoro, a dignidade e a honra dos associados;
VII -promover e estimular o desenvolvimento cultural e profissional dos associados;
VIII -zelar pela observância dos princípios éticos entre os integrantes da classe;
IX -conceder os benefícios previstos neste Estatuto; e
X -adotar medidas de ordem administrativa e judicial de amparo ou de defesa da classe.
Parágrafo único – A ADPESP, por decisão de 2/3 (dois terços) dos membros da Diretoria Executiva, poderá filiar-se a outra entidade representativa da classe, de âmbito nacional.

VEREADORA DELEGADA TERESINHA EMPREGA MATERIAL E VERBA DA CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPINAS EM BENFÍCIO PESSOAL E DE TERCEIROS 1




Recebi, nesta data, uma postagem oficial da Câmara Municipal de Campinas; responsabilidade da ex-delegada de polícia Teresinha de Carvalho, vereadora eleita pelo partido PSB.

A correspondência tem o objetivo de divulgar a moção de apoio a PEC 549/06, pertinente a emenda constitucional de interesse da classe de Delegados de Polícia de todo o país.

Esclareço que a carta foi endereçada para São Vicente; em razão da campanha eleitoral na Associação dos Delegados – ADPESP.

A moção de apoio da Delegada foi proposta no dia 9 de outubro de 2007, ou seja, quando já oficializada a sua candidatura como presidente encabeçando a Chapa Fênix.

A moção nº. 218/07, não foi publicada no Site da Adpesp pela seguinte razão:

A publicação poderia acarretar a futura anulação do pleito em face dos protestos e prejuízos aos demais candidatos, especialmente os independentes.

De se ver que a moção foi proposta depois de a candidatura ter sido oficializada; podendo dar margem a interpretação do uso do cargo político para obtenção de visibilidade, prestígio e crédito pessoal junto aos associados.

Em virtude da não publicação no site, a candidata a presidente da ADPESP, empregando o material e verba para o exercício do mandato postou cartas oficiais para todos os associados da entidade (algo em torno de 4000).

Tal conduta caracteriza dilapidação do dinheiro público em benefício pessoal; e uso do mandato de vereadora para obtenção de outra vantagem pessoal: ser eleita como presidente da poderosa ADPESP, dona de um patrimônio da ordem de 20.000.000,00(vinte milhões) de reais.

A candidata, também, em pretenso debate classificou o governador José Serra como “crápula” e todo o PSDB como “crápula”.

Todavia, na Baixada Santista, ontem, durante entrevista divulgada por rede de televisão “fez elogios ao Governador”.

Internamente fomenta a revolta contra o governo buscando simpatizantes, pois a grande maioria dos Delegados vive em situação aflitiva e acaba vendo no Estado-patrão o único responsável pela massacrante política salarial.

O Governo é co-responsável.

Mas o Mário Covas foi um governo, o Geraldo Alckmin outro e o atual outro governo.

Entretanto, os chefes de polícia são os mesmos.

E um Delegado-Geral por dois mandatos e dois governadores.

A ex-delegada e Vereadora Teresinha Carvalho, agora, dilapida e desvia material para assuntos do seu interesse e interesse dos demais participantes da sua chapa…

Amanhã dilapidará o patrimônio dos consortes!

Traiu o povo – a grande maioria pobre – que a elegeu…

Trairá, também, os colegas Delegados.

A Vereadora e candidata deve explicações a todos: aos eleitores de Campinas e aos Delegados de Polícia.


E desde já requeiro a impugnação da candidatura da Sra. Teresinha de Carvalho, protestando pela disponibilização dos documentos aos Srs. Delegados membros da comissão eleitoral.

——————————————————————————

De: Teresinha Carvalho
Data: Thu, 1 Nov 2007 13:51:43 +0000
Local: Qui 1 nov 2007 11:51
Assunto: RE: [DELEGADOS] Eleições ADPESP – Chapa FÊNIX
Responder | Responder ao autor | Encaminhar | Imprimir | Mensagem individual | Mostrar original | Reportar esta mensagem | Localizar mensagens deste autor

Maurício:

Boa iniciativa a sua de enviar para os colegas. Esta carta eu consegui colocar no Correio com muito sacrifício porque a postagem de 4.000 cartas custa mais de dois mil reais e não temos recursos financeiros.
Por outro lado, como a atual diretoria se nega a nos entregar a listagem dos Associados, ou melhor, se ” fingem de mortos para….” e não sabemos se nossa listagem que é de um ano atrás contempla todos os associados, eu só posso te dizer que me orgulho cada vez mais dos integrantes da chapa Fenix.
Acho que ” nunca na história deste Estado”, rs, como diria o quadro do Lulla no programa Fantástico, um grupo de Delegados estiveram tão empenhados na eleição da sua própria Associação com tanta garra e união.
Acho importante os colegas saberem das dificuldades que temos para obter informação da ADPESP. De tanto pressionarmos publicaram agora uma prestação de contas que não é detalhada e portanto não dá para aferir com profundidade como o nosso dinheiro vem sendo gasto.
Temos o direito de duas postagens por conta da Associação.Vamos ver se conseguiremos estas postagens pois o envio das nossas propostas estão para ser enviadas aos colegas e as sugestões de todos eles que desejarem colaborar com propostas será muito importante.
Eu diria que hoje vivemos dois momentos muito importantes e um não caminha sem o outro. A Aprovação da PEC, a revogação da Lei 731/93 que nos atrela à PM e em especial nossa Associação. Esta sim, a garantidora da aplicação dos nossos direitos
Grande abraço
———————————————————————–
Teresinha, “sua” moção nunca será publicada no site da ADPESP….. esqueceu que somos inimigos agora?
Andreza

– Ocultar texto entre aspas –
– Mostrar texto entre aspas –

—– Original Message —–
From: Teresinha Carvalho
To: delpol—pc@googlegroups.com
Sent: Monday, November 05, 2007 7:46 PM
Subject: [DELEGADOS] Re: Res: [DELEGADOS] Re: APOIO A PEC

Caros colegas:

Em que pese eu não saber o porque deste comentário, reenvio a ultima das moções que aprovei na Camara Municipal de Campinas sobre a PEC 549/06. Esta é apenas uma das mais de cinquenta moções de apelo e repúdio aos òrgaõs superiores da Politica e da Policia , mais de que fiz ao longo de quase oito anos à frente do legislativo Campineiro.O próprio teor da moção pode e deve ser comparado com a moção do nobre Vereador Paulo Oya mnpara se medir o interesse de cada um dos políticos.
Vou verificar porque minhas moções não constam do site da ADPESP. Quanto ao colega e Vereador Paulo Oya, ele é assessorado por um Investigador que, nas costas dele, vai concorrer a uma vaga na Câmara Municipal e faz homenagens a rodo na Camara o que faz com que as homenagens do legislativo local até sejam questionadas, para não dizer desmoralizadas.Com mais tempo, poderei estar enviando cópia de tôdas elas ao grupo pois nem todos os colegas parecem acompanhar as seções legislativas de Campinas´para avaliar meu trabalho em prol da Policia Civil, esta classe tão esquecida, manipulada e desunida.
Uma outra forma de se averiguar meu trabalho em prol da nossa Policia será mesmo perguntar aos Vereadores da Casa e em especial sobre a atuação do investigador no trabalho do nobre Vereador Paulo Oya que terá o próprio acessor como concorrrente nas proximas eleições.
A propósito, foi esta Vereadora que conseguiu a doação de oito carneiros para sepultar os policiais civis mortos em serviço num Cemitério desta cidade. Uma luta que levou tres anos pois o Governo do Estado recusava-se a receber a doação.
Sou de uma geração de colegas como a do nobre Dr. Walter Monteiro e tantos outros com os quais posso desfrutar da amizade sincera por acompanhar e compreender nosso trabalho.
A propósito, posso enviar alguns debates que promoví em prol da nossa Policia, quando as autoridades convidades, por ocuparem cargos de confiança não podem dizer a verdade.
Isto me traz alguns desafetos, afinal, quem gosta de Politico que causa constrangimento àqueles que foram escolhidos pelo Governo não é mesmo? Espero ter sanado qualquer duvida dos colegas.
Atenciosamente,
Teresinha

VEREADORA DELEGADA TERESINHA DE CAMPINAS PARTIDARIZOU OS DEBATES BUSCANDO GANHAR AS ELEIÇÕES NA ADPESP …INSINUA ATÉ CORRUPÇÃO DA IMPRENSA Resposta

De: Teresinha Carvalho a href=”http://groups.google.com/groups/unlock?msg=cfe01863197c5b27&hl=pt-BR&_done=/group/delpol—pc/browse_thread/thread/72b8aae8681eda03%3Fhl%3Dpt-BR” target=”_parent”>…otmail.com>
Data: Sun, 2 Dec 2007 12:13:53 +0000
Local: Dom 2 dez 2007 10:13
Assunto: RE: [DELEGADOS] Re: [Fwd: Plano de Reestruturação da Polícia Civil]
Responder Responder ao autor Encaminhar Imprimir Mensagem individual Mostrar original Reportar esta mensagem Localizar mensagens deste autor

Oi Eloni. Tudo bem?
Na verdade isto que chamamos de ” aumento salarial” , diante da lei, não tem esta conotação. Pela lei o que está sendo pago aos policiais civis, em especial, aos Delegados de Policia em atividade, é a soma de duas gratificações que, através de uma medida juidicial pode ser estendido aos inativos, como ocorreu como o GAP. O nosso problema é simples. Vivemos num País onde a mídia tem donos e avontade destes donos é o que forma a opinião pública. “Vendeu-se” para o povo a idéia de que tivemos até 25% de aumento e isto está na consciencia coletiva. Por ocasião desta proposta ouvi várias vezes o Secretário de Segurança dando entrevistas afirmando isto.Aqui em Campinas, a guerra política partidária já anda à mil. O PSDB é o único opositor ao PT e àqueles que estão,aliados ao PT. Aqui em Campinas, o PSDB manda na mídia. Sabemos que esta ligação não é gratuita,mas não aparecem denuncias contra este Partido e quando aparece, logo é esquecida. Ontem, numa reunião, uma professora me disse que nós os policiais somos muito choroes porque tivemos 25% de aumento de salário e eles, que sao os responsáveis pela educação do povo, para que os crimes diminuam,etc…, tiveram um aumento que não chegou a 15%. Os Professores já foram muito fortes em termos de coletivo, mas depois se dispersaram. Surgiram grupos internos aliados a este ou aquele partido político. Os representantes que eles elegeram não mais foram sendo reeleitos e assim, para a desgraça de toda a categoria e felicidade geral do Governo eles se enfraqueceram enquanto movimento. Veja, na educação o Estado de São Paulo que, há 14 anos é dirigido pelo PSDB teve a pior avaliação de todos os Estados, mas eu pergunto e daí? Porque nas entrevistas dele os jornalistas ” não o apertam?” Porque não há interesse. A título de exemplo, aqui em Campinas, o orçamento para gastos com publicidadeé de 8 milhões de reais /ano. Temos apenas uma rede de comunicações. Quem voce acha que recebe a maior parte desta grana? É possível imaginar que quando os empresários da mídia ” querem um aumento” que eles comecem a ” bater” no seu principal cliente? Sim. esta é uma praxe, principalmente em época de se votar a peça orçamentária, portanto, o aumento de arrecadação que este Estado teve está indo todo pra mídia e não para os funcionários e muito menos para os aposentados. Voce acha mesmo que amídia sobrevive apenas do dinheiro dos assinantes e das propagandas ou matéria pagas que são tãoabusivas que não se consegue pagar? Cara Eloni, às vezes não vislumbro horizontes para nós aposentados e se não for feita uma verdadeira mobilização dos policiais civis e militares, antes que a PM consiga tomar para sí todas as nossas atribuições., estamos fadados a desaparecer.