AOS MEUS AMIGOS POLICIAIS CIVIS E MILITARES Resposta

SOMENTE UNIDOS VENCEREMOS E SEREMOS VALORIZADOS PELO GOVERNO E POR TODA A SOCIEDADE.

POLÍCIA SE FAZ NAS RUAS E NOS PLANTÕES DAS DELEGACIAS.

NOS GABINETES NOS DESPREZAM, DESPREZAM A CORAGEM E ALTIVEZ DOS VERDADEIROS POLICIAIS.

MERECEMOS E EXIGIREMOS BONS SALÁRIOS, SAÚDE, EDUCAÇÃO, MORADIA E FELICIDADE PARA AS NOSSAS FAMÍLIAS.

A ADMINSTRAÇÃO MENTE…O GOVERNO NOS IGNORA…A POLITICALHA NOS ROUBA…ENQUANTO COVARDES SUPERIORES ENRIQUECEM A CUSTA DO NOSSO SANGUE E SACRIFÍCIO.

NÃO ADMITEM GREVE, PROTESTOS E, TAMPOUCO, O DESMANCHE DOS PODEROSOS ESQUEMAS DE CORRUPÇÃO.

FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DA SEGURANÇA PÚBLICA. Resposta

Frente parlamentar aponta descaso com a segurança pública

Da assessoria do deputado Major Olímpio

Sob a coordenação do deputado Major Olímpio (PV), foi lançada nesta quinta-feira, 21/6, a Frente Parlamentar em Defesa da Segurança Pública, na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo.
O objetivo da frente é fazer do Parlamento paulista um local para debater o descaso do governo com a segurança pública e receber sugestões para fortalecer os órgãos policiais e penitenciários do Estado, a fim de contribuir com o combate ao crime organizado.
Diversas entidades classistas participaram do evento em apoio à Frente Parlamentar e à atuação do Major Olímpio, como a Associação dos Oficiais da Polícia Militar, a Associação dos Oficiais da Reserva, o Sindicato dos Delegados de Polícia, o Sindicato dos Peritos Criminais, a Associação dos Bombeiros, a Associação dos Agentes Penitenciários, a Associação Paulista de Imprensa e organismos representativos do funcionalismo público.
De acordo com o Major Olímpio, a Frente Parlamentar em Defesa da Segurança Pública, que conta com a adesão de outros 17 deputados, é um instrumento suprapartidário, que vai representar os anseios e as reivindicações da população de São Paulo.
“Vamos discutir a falta de segurança e o aumento da criminalidade, que são as maiores preocupações da sociedade. Eu só lamento que o secretário de Segurança Pública e os altos escalões da polícia não tenham comparecido a este evento para ouvir as associações representativas e a sociedade civil, que muito têm a contribuir na busca de soluções para o grave problema da segurança pública e do sistema prisional do Estado de São Paulo”, afirmou o deputado.
O Major Olímpio também garantiu que a frente parlamentar não se intimidará com pressões por parte do governo estadual e vai ser combativa diante da ação das organizações criminosas e dos escândalos em função de atos ilícitos praticados por agentes públicos.

AS PROPINAS DO DIA 15 E DO DIA 30. Resposta

FORUM ADPESP

por *robertocguerra* em 11/03/2007 às 17:48Os policiais do DF e da PF,
não contam com a folha de pagamento paralela tal qual neste Estado,
aquela do 15º e 30º dia útil. Só não vê quem não quer. Nós seremos
valorizados se e quando eliminarmos tal prática. A corrupção é que nos
mantém subvalorizados, o resto é papo furado. Se é para sofrer enquanto
gente inescrupulosa enriquece ilicitamente, melhor que o MP presida
inquéritos, que Oficial PM lavre flagrantes , soldados elaborem TCs.
Colegas Diretores e Seccionais são muito valentes quando se trata de
prejudicar um subalterno, alguns beirando a grosseria , violência moral
e, por pouco física. Todavia, diante de um Juiz de um Promotor, até
mesmo de um político, se revelam efeminados, tal as mesuras e
delicadezas com as quais os distinguem.

por *robertocguerra* em 11/03/2007 às 17:56E tal fraqueza diante de
autoridades externas é fruto da falta de compromisso com a Carreira,
apenas com a cadeira que lhe confere os benefícios ilícitos. Pelos
vencimentos seriam todos plantonistas, não se matariam pelos cargos
elevados. O Governo sabe e os agradece.

MANDADO DE INTIMIDAÇÃO! Resposta

MANDADO DE NOTIFICAÇÃO

O Doutor WALDOMIRO BUENO FILHO, Delegado de Polícia Diretor do Departamento de Polícia Judiciária de São Paulo Interior DEINTER 6 – SANTOS, no uso de suas atribuições e no poder correcional inerente ao seu múnus, reitera ao Senhor Dr. Roberto Conde Guerra, RG e CPF, Delegado de Polícia classificado neste Departamento em exercício na sede da Delegacia Seccional de Polícia de Santos, que se encontra desde o dia 31/05/2007 à sua disposição o Ofício n. 407/2007 que o colocou à disposição da Delegacia Geral de Polícia à vista de sua remoção para o Deinter-9- Piracicaba, Município de Hortolândia?SP. Faz saber ainda ao Delegado notificado QUE APESAR DE SEU ABANDONO DE CARGO( grifo nosso), objeto de comunicação de faltas injustificadas até o presente, o mesmo terá 48(quarenta e oito) horas de prazo (vencimento até às 16:00 horas de 22 do corrente) para que retire junto a Seção de Pessoal o indigitado Ofício n. 407/2007, sob pena de suspensão de seu pagamento até satisfação desta determinação nos precisos termos do artigo 82 da Lei Complementar n. 207/79, parcialmente modificada pela Lei Complementar nº. 922/2003. A presente notificação deverá ser cumprida pessoalmente por Investigadores de Polícia do Corpo de Segurança deste Departamento. HAVENDO RECUSA OU ESCONDENDO-SE O NOTIFICADO, COMO VEM OCORRENDO, PARA EXIMIR-SE DE SUAS OBRIGAÇÕES, DEVERÃO OS EXECUTORES FORNECER CIRCUNSTANCIADO RELATÓRIO A RESPEITO, SERVINDO ESSE COMO PROVA MATERIALIZADA DE CONTUMAZ RECALCITRÂNCIA E DESOBEDIÊNCIA DO DR. ROBERTO CONDE GUERRA(grifo nosso). Dada e passada nesta cidade de Santos/SP, às 15:))(quinze) horas do dia 19(dezenove) de junho do ano de dois mil e sete(2007). Eu, Silvia Luzia Cesarino, Escrivâ do cargo do Senhor Diretor, que o digitei e com ele assino. Cumpra-se.

Sr. DIRETOR eu não imputei ao Sr. recebimento de vantagens ilícitas, ou quaisquer outros crimes. Se o Senhor não teve tempo necessário para verificar as irregularidades nesta região culpa não me cabe. Também, culpa não me cabe se o Sr. Seccional é politicamente mais forte que Vossa Senhoria. As irregularides que dei conta são antecedentes a sua gestão. Se o Senhor tem laços de amizade e se melindrou por outrem, nada posso fazer a respeito. Agora, a sua notificação é intimidativa e não retrata a verdade. Não sei se foi elaboração intelectual de Vossa Senhoria, mas o Senhor subscreveu calúnia, difamação e grosserias a meu respeito.Me dando o direito de retrucar. Eu não abandonei o cargo, tampouco faltei. O Senhor, ou outrem ,me afastou das funções desde o dia 23 de maio. No dia 31 foi publicada a minha remoção. O Senhor deveria conhecer a Lei e a contagem dos prazos. Também, deveria fazer com que a Administração efetivasse a entrega da ajuda de custo que me é devida. Eu não fui removido para a esquina da minha casa. O Senhor conhece a legislação? O Senhor tem estudado Direito Administrativo e Direito Constitucional ? Saiba que de 1988 para cá – quase duas décadas – muita coisa mudou. Não vivemos no seu áureo tempo da Ditadura Militar, quando pessoas como o Senhor ditavam regras conforme melhor lhe aproveitasse. Já foi o tempo em que militar cagava regra; e Delegado corrupto e torturador baixava a cabeça e as calças para não perder os despojos. E o Sr. é notório admirador do “Fleury”, ponha uma foto dele na entrada do Palácio e lhe renda homenagens. Não tem coragem? Se eu o admirasse teria. EU NÃO ESTOU ME ESCONDENDO PARA ME EXIMIR DE OBRIGAÇÕES. Ordens manifestamente ilegais, como a sua notificação, não devem ser cumpridas.

O Senhor é mesmo muito mal informado, eu fui procurado, apenas, no dia 13 pelo Sr. Alan, e no dia 14 falei com a Sra. Lílian, sendo que eu mesmo telefonei para eles. O Senhor não está reiterando coisa alguma, está formulando enredo, após receber no dia 18 p.p., a petição endereçada ao Exmº Delegado-Geral, para me causar maiores prejuízos. O Senhor confirma aquilo que há anos é conhecido por todos…Conselheiros deveriam ser eleitos pela classe, se assim fosse autoridades despreparadas não determinariam o nosso triste destino. Teríamos o respeito de todos…Seriamos bem remunerados…Não necessitaríamos de quinzenas de bicheiros e caterva. CUMPRA AS SUAS FUNÇÕES E ACABE COM A CORRUPÇÃO NO SEU DEPARTAMENTO….NÃO FAÇA COAÇÃO AOS DIRIGENTES SINDICAIS…greve é assunto que não lhe diz respeito, pois o Senhor é muito bem remunerado. Em tempo: como a sua notificação foi passada por várias mãos e deixada na portaria do edifício em que resido, me dou o direito de publicá-la, fazendo os necessários comentários. É ato administrativo, portanto público , além de pertinente a minha pessoa. Também, há o interesse público de saber aquilo que se passa intestinamente. A Polícia pertence aos cidadãos, não nos pertence. A eles devemos contas. Também, os demais funcionários e autoridades devem saber como é que se atropela o Direito neste nosso órgão. O Senhor trabalhou no DOPS? O Senhor já eliminou pessoas? O Senhor já torturou? O Senhor já perseguiu colegas de classes inferiores, por mera vaidade? Eu nunca. E Doutor o seu Departamento está desmoralizado e corrompido, cumpra o seu dever: conserte. E Doutor não esqueça, a fortuna é caprichosa, o Senhor pode perder o cargo antes de mim. Há dezenas cobiçando a sua cadeira…Eu não tenho cadeira…Eu já não tenho mais Carreira.

A DEMOCRÁTICA E LEGALISTA POLÍCIA CIVIL DE SANTOS. Resposta

O teor da petição anteriormente postada, devidamente protocolada no Departamento, visto que o i. titular do 7º DP e da Seccional, entenderem não poder dar-lhe encaminhamento, não possui quaisquer valores. Especialmente pelo fato de ter sido redigida em aramaico – sim aramaico – o Direito é indecifrável para determinadas autoridades policiais. Especialmente aqueles que dominam, apenas, a linha do varal. Lei aqui é o “péssimo” costume administrativo. O costume de se desrespeitar, sistematicamente, a Lei. E, depois, perseguir aqueles que, decorrentemente dos abusos, acabam se colocando contrariamente aos desmandos. A retaliação, mais uma vez, não demorou. Hoje, há poucos minutos, tive a comprovação da falta de compromisso com o Direito.
Recebi uma notificação do ínclito Dr. Waldomiro Bueno Filho, Diretor do Deinter-6, demonstrando desconhecimento legal para o exercício das funções como gestor de recursos humanos e materiais de um grande Departamento Policial. É um “polícia”, apenas “polícia”. Atropela a lei, distorce os fatos e falta com a verdade em documento oficial de cunho intimidativo. Também, não se poderia esperar melhor de um homem que ,internamente, faz elogios rasgados ao Delegado Sérgio Fleury, reputando-lhe como o “maior delegado da polícia civil Paulista” . Que, em preleções durante reuniões de trabalho, afirma “sorrir para os policiais militares”, mas pelas costas “lhes enfia punhal”. Prepotência…Arrogância…Ignorância. Me afastou das funções, promoveu a minha remoção disfarçadamente “no interesse do serviço policial”, não providenciou a devida ajuda de custo, e, agora, afirma que eu venho me escondendo para me eximir das obrigações e pretendendo fazer prova “de contumaz recalcitrância e desobediência do “Dr. Roberto Conde Guerra”. Ainda, ameaça “a pena de suspensão de seu pagamento até satisfação desta determinação”. Viu o meu saldo bancário, pelo que sabe da minha dificuldade e necessidade dos vencimentos. . Todavia, não consignou que, no dia 18/06/2007(2ª feira, por volta das 18h30), eu, pessoalmente, protocolei a petição endereçada ao Exmo Delegado-Geral requerendo a invalidação da remoção. Como não é preparado para o debate jurídico de alto nível, vez que foi formado com as técnicas expeditas de outrora, ou seja, arbitrariedade, leu a petição e se ofendeu.E, claro, ficou com receio fazendo expedir tal notificação com a pretensão de me intimidar e fazer fogo de encontro. E tem receio, talvez, por ter concorrido para a ilegalidade.Doutor Waldomiro eu não estou me escondendo; apenas não estou a sua disposição, não sou seu empregado. Primeiramente, cumpra a Lei, não distorça os fatos. Senhor Diretor os termos do seu mandado de notificação ilustra os motivos de o Delegado não possuir mais o “status” de operador do Direito.Com efeito, aquilo que escrevi, acerca do fisiologismo e nepotismo em Santos, é verdadeiro; veio de fonte fidedigna e estimada por todos deste Departamento. Apenas, por conta própria, eu deveria ter acrescentado que aqui impera, da mesma forma, o despotismo. Eu não sou “adivinho” e não faria ilações. Ouvi de um superior; ouvi muito mais acerca de negociatas envolvendo chefias. Portanto, ainda nascerá gente capaz de me intimidar; e terá que ser muito mais correto que eu. E o Senhor não é; e nunca será mais correto que eu, quando muito igual. Não sou bandido, não tenho o rabo preso e nunca fui parceiro da criminalidade organizada. E não recebo R$ 40.000,00( quarenta mil reais), por mês. Por fim, me lancei em águas revoltas, mas quem me revelou os informes não deveria ter me atirado “uma âncora”. Obrigado, meu anjo.

UM HOMEM CORRETO NÃO INTIMIDA OUTREM Resposta

DÉCIO desculpe-me, discordar de você, mas eu , também, “não confio na polícia, raça do caralho”( conforme cantam os rappers). Especialmente em muitos dos nossos pares, Delegados de Polícia. Hoje, há poucos minuntos, tive a comprovação. Recebi uma notificação do ínclito Dr. Waldomiro Bueno Filho, Diretor do Deinter-6, demonstrando despreparo e desequilíbrio para o exercício das funções como gestor de um grande Departamento Policial. Atropela a lei, distorce os fatos e falta com a verdade em documento oficial de cunho intimidativo. Também, não se poderia esperar melhor de um homem que ,internamente, faz elogios rasgados ao Delegado Sérgio Fleury, reputando-lhe como o “maior delegado da polícia civil paulista” . Que, em preleções durante reuniões de trabalho, afirma “sorrir para os policiais militares”, mas pelas costas “lhes enfia punhal”. Para homens como ele eu dedico os meu escrito “GÊNESE DO DELEGADO COVARDE”, essa gente que vive ainda na ditadura…Prepotentes…Arrogantes…Ignaros. Me afastou das funções, promoveu a minha remoção disfarçadamente, não providenciou a devida ajuda de custa, e, agora, afirma que eu venho me escondendo para eximir-me das obrigações e pretendendo fazer prova “de contumaz recalcitrância e desobediência do “Dr. Roberto Conde Guerra”. Todavia, não consignou que, no dia 18/06/2007(2ª feira, por volta das 18h30), eu, pessoalmente, protocolei uma petição endereçada ao Exmº Delegado-Geral requerendo a invalidação da remoção. Como não é preparado para o debate jurídico de alto nível, vez que foi formado com as técnicas expeditas de outrora, ou seja, arbitrariedade, leu a petição e se ofendeu e, também, ficou com receio, fazendo expedir tal notificação com a pretensão de me intimidar. Entretanto, ainda nascerá o colega capaz de me intimidar, terá que ser muito mais correto do eu. Mas, homem correto não intimida outrem.