ATENTADO INDIRETO CONTRA A LIBERDADE DE IMPRENSA – Bolsonaristas pagam site sujo para produzir fake news como mote para o Presidente esconder as falcatruas do filho , amigos e apadrinhados 20

Bolsonaro usa declaração falsa para atacar imprensa

Presidente usa texto de site que atribuiu falsamente frase a repórter do ‘Estado’ para criticar cobertura sobre o filho e senador Flávio Bolsonaro

Redação, O Estado de S. Paulo

10 de março de 2019 | 21h39
Atualizado 11 de março de 2019 | 17h19

O presidente Jair Bolsonaro atacou a imprensa valendo-se de informações falsas divulgadas ontem por um site que reúne colunistas conservadores e favoráveis ao governo. No Twitter, Bolsonaro endossou tese levantada pelo site Terça Livre, que falsamente atribuiu a uma jornalista do Estado a declaração de que teria “intenção” de “arruinar Flávio Bolsonaro e o governo”.

A suposta declaração, que aparece entre aspas no título do texto do Terça Livre, foi atribuída pelo site à repórter Constança Rezende. A frase teria sido dita, segundo “denúncia” de um jornalista francês citado pelo Terça Livre, em uma conversa gravada em que a repórter fala da cobertura jornalística das movimentações suspeitas de Fabrício Queiroz, ex-motorista do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).

A gravação do diálogo, porém, mostra que Constança em nenhum momento fala em “intenção” de arruinar o governo ou o presidente. A conversa, em inglês, tem frases truncadas e com pausas. Só trechos selecionados foram divulgados. Em um deles, a repórter avalia que “o caso pode comprometer” e “está arruinando Bolsonaro”, mas não relaciona seu trabalho a nenhuma intenção nesse sentido.

Allan Santos, editor do Terça Livre, no entanto, expôs a conversa como evidência de suposta irregularidade. “Bomba!!!!! Jornalista do Estadão confessa: “a intenção é arruinar Flávio Bolsonaro e o governo”. A frase jamais foi dita.

Estimulados pelas informações, grupos governistas promoveram no Twitter uma série de postagens nas quais acusaram o Estado de “mentir” na cobertura do caso Flávio Bolsonaro. Às 20h51min, o próprio presidente publicou o seguinte texto no Twitter: “Constança Rezende, do ‘O Estado de SP’ diz querer arruinar a vida de Flávio Bolsonaro e buscar o Impeachment do Presidente Jair Bolsonaro. Ela é filha de Chico Otavio, profissional do O Globo. Querem derrubar o Governo, com chantagens, desinformações e vazamentos.”

A postagem de Bolsonaro foi ilustrada com um vídeo do Terça Livre, que expôs a foto de Constança Rezende e o áudio de um trecho da conversa gravada. A gravação foi divulgada primeiro por um site francês, em um texto de Jawad Rhalib, que se apresenta como jornalista. Rhalib também expõe a tese de que a gravação seria prova de que a imprensa distorce fatos para comprometer Bolsonaro.

Constança não deu entrevista ao jornalista francês nem dialogou com ele. Suas frases foram retiradas de uma conversa que ela teve em 23 de janeiro com uma pessoa que se apresentou como Alex MacAllister, suposto estudante interessado em fazer um estudo comparativo entre Donald Trump e Jair Bolsonaro.

O Terça Livre, com base na “denúncia” de Jawad Rhalib, também falsamente atribuiu à repórter a publicação da primeira reportagem sobre as investigações do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) a respeito da movimentação de R$ 1,2 milhão nas contas de Queiroz. O autor da primeira reportagem foi Fabio Serapião, também do Estado.

“Desde que Constança iniciou a temporada de caça aos Bolsonaro no Estadão, emissoras como a Rede Globo e jornais como Folha de São Paulo seguiram o mesmo caminho”, diz o texto do site. “Uma enxurrada de acusações em horário nobre, capas de revistas e nas primeiras páginas de jornais colocaram a integridade moral do filho do presidente em xeque.”

As informações publicadas pelo jornal se baseiam em fatos e documentos oficiais. O Ministério Público apura se Fabrício Queiroz recebeu indevidamente depósitos de funcionários da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj)

  1. Não sou Bolsonarista, Nem Petista, Nem de direita nem de esquerda. Assim como muitos brasileiros só queria ver nosso Brasil livrar-se da corrupção e das demais mazelas que assolam nosso país. Votei no Bolsonaro com esse sonho, “quem sabe um doido romperia com todos os políticos e cortaria todos os privilégios dessa classe, assim como do Judiciário e do MP”. Qualquer reforma, necessariamente tem que começar de cima para baixo e não como estão querendo fazer.
    O que nós vemos são articulações políticas com velhos nomes tais como Rodrigo Maia, Collor, dentre outras velhas raposas, que passaram a vida vilipendiando os cofres públicos, Sergio Moro JAMAIS deveria aceitar cargo de Ministro, para manter sua integridade moral, bem como sua imparcialidade.
    Estou realmente decepcionado com política, seja qual direção for a direção. Não tenho vergonha de dizer aos colegas que isso NADA VAI MUDAR, pelo contrário, se achávamos que estávamos no fundo do poço, a tendência é piorar.
    Por isso, quem puder, SAIA DO PAÍS! O Brasil não tem cura! A briga sempre foi para ver quem vai mamar nas tetas do governo. Collor, FHC, LULA, DILMA, AECIO, BOLSONARO, tudo safado!
    E o povo, cada vez mais miserável!

    • Creisson concordo contigo “verbo ad verbum”, e digo mais: descobri que o fundo do poço tem porão!

  2. A hhh sei…Sr. Creisson, disfarçou bem, seu petralha do caralho, tu pensas que me engana seu lixão rsss… daqui a pouco sua amiga maluca, a tal de escridoida….encosta ai… que lixo tá este site…. rss

  3. É agora, quem está mentindo? Prefiro por enquanto acreditar no jornal terça livre, vcs falam em fake, se existem documentos q provam que é fake, então kd a entrevista, a gravação?
    E quem reclama de Bolsonaro é no mínimo um cara desestimulado. O cara cortou um monte de regalias, dinheiro da mídia hipócrita, demitiu um monte de gente da esquerda, é etc. Vá pqp o cara es teta a 2 meses e querem milagre.

    • A “jornalista” do Terca Livre está lotada em gabinete de apoiador do Bozo.
      Aliás, sö lhe falta o nariz, porque maluco ele já é…

  4. Ahh … seu Creisson tu pensas que me engana teu petralha de merda… rss agora mesmo tua amiguinha escriludída vai estaá na área, enchendo este site de merda, enquanto isto vou tomar minha pinguinha assistir de camarote a insanidade dos petralhas … veja o amigo de vocês o zé do breu, tá completamente louco rsss… huumm… que pinguinha de engenho boa esta que estou tomando, envelhecida no tonel de umburana ….

  5. mpeachment de Bolsonaro vem aí

    Blog da Cidadania
    Inscrever-se270 mil
    Adicionar a Compartilhar Mais
    44.774 visualizações
    6.586 148
    Publicado em 11 de mar de 2019
    Bolsonaro corre o mesmo risco que Dilma Rousseff corria em 2015, logo após ser reeleita. Mas ele, por razões reais. A quantidade de problemas que vem arrumando já fez de seu impeachment uma probabilidade concreta. Juristas, analistas políticos e parlamentares mostram por que Mourão, o vice, vem constrangendo o presidente-tuiteiro.

  6. Estadão mentiu (ou: the book is on the table.)
    Fala, M.R.
    Fala, M.R.
    Inscrever-se37 mil
    Adicionar a Compartilhar Mais
    17.818 visualizações

  7. ESSE DESESPERO ESQUERDISTA É RISÍVEL… QUE DOR DE COTOVELO DANADA KKKK

  8. Suspeitos de matar Marielle mostram a promiscuidade entre polícia e crime
    POR FERNANDO BRITO · 12/03/2019

    Os dois homens presos agora há pouco como suspeitos do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes são dois exemplares típicos da ligação entre a polícia e o crime violento.

    Ronnie Lessa é sargento reformado da PM, e esteve metido em dois casos nebulosos.

    Perdeu a perna na explosão de uma bomba em seu Toyota Hilux, em 2009, supostamente colocada pelo sargento do Exército Volber Roberto da Silva Filho, morto pela polícia um ano depois, num tiroteio que a muitos pareceu queima de arquivo, pois Volner é apontado também como coautor da bomba que matou, também num automóvel, o filho do bicheiro Rogério Andrade. Ano passado, teria trocado tiros com um assaltante, na Barra, e ficado ferido, de raspão, no pescoço.

    O outro preso, Élcio Vieira de Queiroz, é ex-PM, denunciado em 2011, com outros 11 colegas, por fazerem segurança de cassinos clandestinos em diversos bairros cariocas.

    No Rio, não é exagero dizer que a polícia é o crime organizado.

  9. APARECE FOTO DE BOLSONARO COM UM DOS ASSASSINOS; ELE É VIZINHO DO OUTRO

    O ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz, de 46 anos, que dirigia o automóvel usado para o assassinato de Marielle Franco em 14 de março de 2018, ostenta em seu perfil no Facebook uma foto ao lado de Jair Bolsonaro; na foto, o rosto de Bolsonaro está cortado; os dois aparecem sorrindo; ela foi postada depois do assassinato, em 4 de agosto último; quanto ao policial militar reformado Ronnie Lessa, de 48 anos, apontado como o autor dos 13 disparos que mataram Marielle e Anderson, mora no mesmo condomínio de Bolsonaro -e lá foi preso às 4h desta terça

    12 DE MARÇO DE 2019 ÀS 09:18 // INSCREVA-SE NA TV 247 Youtube

    247 – O ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz, de 46 anos, que dirigia o automóvel usado para o assassinato de Marielle Franco em 14 de março de 2018, ostenta em seu perfil no Facebook uma foto ao lado de Jair Bolsonaro. Na foto, o rosto de Bolsonaro está cortado. Os dois aparecem sorrindo. Ela foi postada depois do assassinato, em 4 de agosto último. Quanto ao policial militar reformado Ronnie Lessa, de 48 anos, apontado como o autor dos 13 disparos que mataram Marielle e Anderson, mora no mesmo condomínio de Bolsonaro -e lá foi preso às 4h desta terça.

    Veja a seguir o post no perfil de Élcio no Facebook. Até as 9h10 da manhã desta terça o perfil contiuava ativo e a foto, pública:

    Ambos os assassinos vivem no universo de extrema violência das milicias do Rio de Janeiro. Segundo reportagem do jornal O Globo, “temido pelos próprios colegas, mesmo depois de aposentar a farda, e exímio atirador, principalmente no manejo de fuzis, Lessa foi vítima de uma tocaia em 28 de abril, um mês depois da morte de Marielle. Há a suspeita de que alguém tentou matá-lo como queima de arquivo. O sargento é o principal alvo da primeira operação conjunta da Delegacia de Homicídios (DH) da Capital e do Gaeco para prender os envolvidos na morte da vereadora. As circunstâncias do crime ainda não foram apuradas, assim como ainda não se sabe quem foi o mandante da execução.”

    A ligação do clã Bolsonaro com universo das milícias é pública. Além da foto e da vizinhança, não apareceu ainda outro laço entre os Bolsonaro, Lessa e Élcio Queiroz.

    Leia reportagem do 247 sobre os vínculos do clã com outros milicianos do Rio, postada em 22 de janeiro:

    247 – Raimunda Veras Magalhães, mãe do ex-capitão do Bope Adriano Magalhães da Nóbrega, neste momento foragido da Operação “Os Intocáveis” e suspeito de envolvimento com o assassinato da ex-vereadora do Rio Marielle Franco (Psol), foi funcionária do gabinete do deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL) e aparece em relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras como uma das remetentes de depósitos para Fabrício Queiroz, ex-assessor do parlamentar. O filho dela, o ex-capitão do Bope Adriano Magalhães da Nóbrega, homenageado na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) por Flávio Bolsonaro, já foi preso duas vezes, suspeito de ligações com a máfia de caça-níqueis.

    Segundo o Coaf, Raimunda depositou R$ 4,6 mil na conta de Fabrício Queiroz. Ela aparece na folha da Assembleia Legislativa do Rio com salário líquido de R$ 5.124,62.

    O curioso é que o filho presidente Jair Bolsonaro também homenageou o filho dela, Adriano Magalhães da Nóbrega, que está foragido. Em 2003, o então deputado estadual propôs moção de louvor e congratulações a Adriano por prestar “serviços à sociedade com absoluta presteza e excepcional comportamento nas suas atividades”.

    Adriano foi preso duas vezes, suspeito de ligações com a máfia de caça-níqueis. Em 2011 ele foi capturado na Operação Tempestade no Deserto, que mirou o jogo do bicho.

    Ele também era tido pelo Ministério Público do Rio como o homem-forte do Escritório do Crime, uma organização suspeita do assassinato de Marielle Franco e que nasceu da exploração imobiliária ilegal nas mãos de milicianos. Era formada pistoleiros da cidade e foi alvo da Operação Os Intocáveis, nesta terça-feira (22), no Rio. Suspeitos de matarem a ex-parlamentar e homenageados por Flávio Bolsonaro foram presos (veja aqui).

    O policial é acusado há mais de uma década por envolvimento em homicídios. Adriano e outro integrante da quadrilha foram homenageados por Flávio na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

  10. As meras coincidências ou “o powerpoint do Bolsonaro”
    POR FERNANDO BRITO · 12/03/2019

    Quando estourou o escândalo das montanhas de dinheiro em suas contas, Fabrício Queiroz, manager do gabinete de Flávio Bolsonaro foi esconder-se em Rio das Pedras, área controlada pela milícia “Escritório do Crime”.

    Em seguida, surgiu a notícia do envolvimento do “Escritório” com a morte da vereadora Marielle Franco e de Anderson Gomes.

    O chefe do “Escritório”, o ex-PM Adriano Nóbrega, havia sido homenageado por Flávio com a Medalha Tiradentes da Assembléia, levada em seu domicílio – a prisão – especialmente.

    O pai, em Brasília, fazia discursos em defesa da milícia na Câmara dos Deputados.

    Fabrício, apiedado com as dificuldades da família do miliciano, contratou sua mulher e sua mãe para o gabinete do “01”.

    A irmã de dois outros acusados de integrarem milícias era membro do comitê financeiro da campanha do rapaz.

    Agora prenderam dois sargentos PM – um reformado e um expulso, ambos com extensa folha corrida – suspeitos de terem sido o executor e o “piloto” do carro no assassinato de Marielle e Anderson.

    O primeiro é vizinho do presidente num condomínio na Barra – ganha bem, o sargento – e tem negócios no Rio das Pedras, onde manda e desmanda o capitão miliciano: o Adriano, bem entendido.

    E o segundo tira selfies com Bolsonaro e posta seu apoio ao capitão nas redes sociais.

    Tudo, claro, é mera coincidência, mas que dava um powerpoint daqueles by Dallagnol, isso dava.

    Não concorda, Dr. Moro?

  11. A ‘lei do silêncio’ não permite que se diga que o crime é a polícia
    POR FERNANDO BRITO · 12/03/2019

    Evidente que não se fala que todo policial é criminoso.

    Muitos não são, mas sabem que a estrutura é e, por isso, melhor calar.

    Mas é simplesmente inaceitável ler em O Globo que “ninguém jamais havia investigado Ronnie Lessa [0 sargento apontado como o executor de Marielle Franco].

    “Embora os corredores das delegacias conhecessem a fama do sargento reformado, de 48 anos, associada a crimes de mando pela eficiência no gatilho e pela frieza na ação, Lessa era até a operação desta quarta-feira um ficha limpa”.

    O cara sofre um atentado a bomba acionada por controle remoto via celular, andando numa Toyota blindada e ninguém investigou a razão, sendo aceitável que ele era “segurança” (ou ex-segurança) de bicheiro e vida que segue?

    O sujeito mora em um condomínio de luxo na Barra, tem casa com lancha num outro, de luxo, em Angra dos Reis, desfila num automóvel blindado Infinity que, se tiver sete ou oito anos de uso custa mais de R$ 120 mil, tudo isso com uma aposentadoria da PM que fica pouco acima de R$ 7 mil, e ninguém desconfia de nada?

    E vejam que era um mero sargento, nem mesmo um oficial. Será que nem nestes há o brio de, vivendo modestamente, não investigar porque há tantos “colegas” podres de ricos?

    Como isso é possível sem cumplicidade e muita?

    Há uma estrutura criminosa dentro de nossas polícias e a “licença para matar” que já lhe é dada há muito tempo só a faz prosperar, inclusive agenciando as atividades dos “bandidos-bandidos”, com seus arreglos e proteção.

    Meses atrás o ministro da Justiça, Torquato Jardim, disse que comandantes de batalhão da PM do Rio eram “sócios do crime organizado” e nada aconteceu.

    Vivi, de perto, as dificuldades de um governo, o de Brizola, que se dispôs a enfrentar os desvios da polícia. A sério, sem aquelas demagogias de escolher meia-dúzia para expulsar e continuar “deixando a festa rolar”. A imprensa fazia coro ao “não deixam a polícia trabalhar”.

    Vê-se agora o quanto trabalham. Deve realmente ser trabalhoso não ver um mercenário milionário bem diante dos seus olhos.

    Haverá, nos jornais, quem faça a básica pergunta de como isso foi possível?

  12. BOLSONARO JOGA JORNALISTA DO ESTADÃO PARA OS LEÕES
    Henry Bugalho
    Henry Bugalho
    Inscrever-se214 mil
    Adicionar a Compartilhar Mais
    56.757 visualizações
    9.478 710
    Publicado em 11 de mar de 2019
    APOIE ESTE CANAL

Os comentários estão desativados.